12 de setembro de 2009

MADRASTAS E ENTEADOS



- Tais Luso de Carvalho

Coisa rara de se ver é um bom relacionamento entre madrastas e enteados. Não que ambos não queiram, mas porque é muito difícil. Porque existe uma mãe e um pai biológicos, e que nenhuma criança abre mão. 
Se entre parentes, que são sangue do mesmo sangue, já é difícil uma harmonia em tempo integral, fico a imaginar alguém ser obrigada a conviver com os filhos da outra, ou do outro. Na teoria parece que tudo será resolvido no novo lar, que haverá harmonia, carinho e compreensão. Mas não é o que acontece na prática. Na prática, é encrenca! É desafio.
Quando tudo parece andar mais ou menos bem, o relacionamento degringola entre a mãe biológica, a madrasta e o ex-marido, ou seja, o pai da criança. E a festa de antes, já não parece mais tão alegre. Existe sempre por parte da ex-mulher um amor próprio ferido. Uma cicatriz que não fecha. Não importa quem saiu do relacionamento, mulher não perdoa.
Não estou dizendo nada que não se saiba, o dito popular já inventou a dura palavra para uma das partes: (ma)drasta! É uma palavrinha chula e horrorosa. Significa inclemente, pouco carinhosa. Quem vai mudar isso se até Manuel Bandeira, num de seus belos poemas, chora dizendo que até a vida lhe é madrasta! Difícil, não?!
E a palavra enteada? É horrível, é como se a pobre levasse um néon na testa mostrando que não é a filha do novo casal, e sim a intrometida, a sombra da 'ex' fiscalizando a vida do pai e levando histórias mal contadas para fora de casa. Leva e traz sentimentos feridos. Porém há exceções: deve haver muitas enteadas amadíssimas, e muitas madrastas diferenciadas, carinhosas.
A enteadinha já tem na ponta da língua o que está em seu inconsciente: você não manda em mim, você não é minha mãe, é a intrusa; quem manda é o meu pai e a minha mãe!
Isso enquanto é ainda criança; na adolescência o relacionamento já fica mais pesado. Mais funk! E depois da troca de amáveis palavras, o barraco pega fogo. O que prometia ser um relacionamento mais ou menos, ficou no menos. Mas cada caso é um caso. No geral é uma mixórdia nos sentimentos de todos. É difícil haver um certo equilíbrio nesse convívio nada natural. Nada é natural diante de uma família que não é a de origem.
A madrasta, por si, não terá muita paciência com os enteados que já vêm de cabeça feita; que estão mais pra bagunçar, pra peitar a atual mulher do pai.
A princípio, a madrasta entra numa relação cheia de amor pra dar, com o objetivo de conquistar a família, a empregada, o cachorro e tudo que circunda a vida do atual companheiro; esmera-se em quitutes, passeios e sorrisos. Mas, ao mesmo tempo passa a apitar e a mostrar que, quem manda no pedaço é dela. Pode dar certo? E se a enteada morar junto? Só muito equilíbrio e paz familiar para superar inúmeros problemas.
A madrasta tem uma obsessão: reeducar a enteada. Por outro lado, a enteada acha que tudo o que vier da madrasta, será para o mal dela, para enticar.
É uma das relações mais difíceis de contornar, pois envolve carências, frustrações, sentimento de traição, abandono, culpas, perdas e desamor de várias pessoas problemáticas, e na qual cada uma quer resolver o seu problema. Envolve uma família desfeita, que foi pro brejo, que infelizmente não deu certo. E, quando não dá, talvez a separação seja o melhor, algo menos sofrido do que ver agressões entre os pais, onde  as atitudes destemperadas e violentas certamente respingaram  na formação dos filhos.
Ao meu ver, para tantos problemas entre madrastas e enteados só resta uma conversa franca e sem agressões no novo núcleo familiar. Ou uma terapia de apoio com um profissional da área. Cada caso é um caso. 
Talvez dê para apagar o fogo do barraco e salvar alguma coisa. Reconstruir algo melhor, uma convivência mais pacífica, deixar o coração falar. Deixar que a alma se vista de ternura, de tolerância, de compreensão e de amor, pois afinal, de que vale levar uma vida nessa amargura?
Quando se ama, vale tentar. Acredito que o amor vença barreiras e vaidades. Essa luta não deixa de ser uma superação. Uma incrível superação!

______
Nesta crônica peço para deixarem um nome: entre no quesito nome/url e coloque apenas um nome - facilita localizar a minha resposta.

138 comentários:

  1. Olá. Excelente espaço para reflexão. Parabéns.
    Saudações Florestais !

    ResponderExcluir
  2. Amiga Taís, como é bom poder ler-te.

    Segundo o dicionário, madrasta não tem um bom significado é: mulher que maltrata os filhos/ ingrata, pouco carinhosa/ Diz-se do que traz dissabores e tristezas/ Descoroável, cruel.

    Putz grila, a MAdrasta não está bem na fita.

    Enteado é o indivíduo cuja a sorte é adversa. Esse pelo menos é mais por lado de vítima.

    Imagina que com a mãe biológica, que a criatura saiu de dentro dela muitas vezes já é difícil a convivência, ainda mais uma pessoa completamente estranha, é difícil. Edifício nada, é um condomínio inteiro. kkkk

    Mas pensando bem, amiga, o Manoel Bandeira foi bem preconceituoso, não foi? Ele deveria ter tido uma MAdrasta.

    Quando a madrasta apresenta a "entediada" (a que causa tédio, enojada, aborrecida), ou quer dizer, a enteada (a que teve a sorte oposta à felicidade), voltando, quando a MAdrasta apresenta: "Essa é minha enteada.", ela deve deixar escrito na testa: "Ela não é minha mãe, ela NÃO manda em mim!" e imagine também a cara da MAdrasta? Se a pessoa lesse o pensamento, estava escrito: "Por causa do santo se beijam as pedras..."

    Você, como sempre, escreve detalhadamente, quando lia, imaginei a MAdrasta tornando-se outra pessoa no começo da relação, que deve se pegar pensando: "Eu não pensava ser capaz de fazer isso ou aquilo." Ela mesma se surpreende quando sai sozinha e vê alguma coisa da Hello, compra logo para a filha do marido e ela ODEIA cachorro, mas entra numa loja especializada e compra um ossinho de plástico para o Totó. A MAdrasta deve pensar que não é ela quem está naquele corpo. Mostra todos os dotes que já tinha e aprende mais uns para agradar toda a família. Quanto sacrifício!

    Pegar enteados mal educados é barra, mas MAdrastas cheias de manias também não fica para trás.

    Ainda bem, amiga, que hoje em dia, de mamando a caducando pode fazer terapia.

    Maravilhoso seu texto, amiga!
    Um beijo,
    Maria Lúcia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo23:33

      amei seu texto,muito mais que o principal!!!tenho um enteado e não sei como agir com aquela criatura desobediente,mimado,respondão,exigente e acima de tudo intrometido!tenho a ligeira impressão que ele ama me interromper e me ver discutindo com o pai dele.e ainda por cima irei dar de presente uma festa de aniversario o menino que esta completando 8 lindos anos!!!ainda terei muita luta pela frente,me desejem sorte e é claro muita paciência!!!

      Excluir
    2. Anônimo15:53

      mi ajudou mt pq sou casada a 19 e os filhos do meu marido mi detestam sabe tipo assim querem ver o cão vou ficar lendo pra mi aprimorar mas nos conhecimentos sobre enteados vlw...

      Excluir
  3. Esta pasagem da sua crônica "A madrasta tem uma obsessão: reeducar a enteada!" é a maior verdade familiar que conheço! Prefeitamente bem observado, Tais!
    Tenho que tirar o meu chapéu pra vc! Morri de rir aqui!

    bjão

    ResponderExcluir
  4. Bom dia.

    Realmente e até vivi essa situação só que não aceitei essa de madrasta, resolvi o problema dizendo que madrasta só existe em contos de fada, e que como a mãe biológica esta viva então sou apenas meu nome. Nunca me meto em assunto nenhum e trato normalmente, nada de ficar bajulando, e assim mesmo sempre houve uma distância entre nós. Parece que tenho uma verruga, um cabelo espetado uso chapéu cônico e dirijo vassoura toda meia noite e meu animal de estimação é um gato preto. Mas nem ligo vivo minha vida e as vezes por pura maldade imagino a enteada virando madrasta.

    Beijo e simplesmente adorei o texto a vida real é material sempre para uma boa critica.

    Renata Vasconcellos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo00:13

      Adorei sua colocação, preciso rever urgente minha posição de madrasta..rs

      Excluir
  5. Olá Taís,
    Seus temas sempre são ótimos.

    Eu acho que no mundo de hoje, com essa nova familia que se apresenta, a madrasta já não é o sinônimo de maldades, dos contos infantis.

    Ela hoje não toma o lugar de uma mãe morta e sim de uma mãe que muitas vezes procura a felicidade em outro lugar.
    E acho que quando existe a boa vontade, e se renunciarmos ao egoismo, é possivel sim,conviver numa boa.
    Beijos, amiga,
    Dalinha

    ResponderExcluir
  6. Taís, Cheguei aqui porque vi seu link em outro blog que gosto. Pretendo voltar mais vezes e passo a segui-la. Por feliz coincidência, no que se refere a este tema sou uma exceção. Tenho uma relaçào assim, de "madrasta/enteada"há dez anos e ela veio morar conosco em plena adolescência. Quando a conheci era uma menininha, a gente se olhou e sei lá, teve um gosto de reencontro. Afinidade mesmo, até fisicamente nos parecemos, muitos acham que somos filha e mãe de sangue. Nunca, mas nunca mesmo entramos em rota de colisão e somos grandes amigas. Tirando a sorte e o imponderável, só tenho certeza de uma coisa que nos ajudou a construir este amor: nunca quis ser nem a sua mãe e nem sua "amiguinha". Ela idem. Me deu um lugar que criou só pra mim, o da "fadastra"como ela e os amigos me chamam. É que o coração tem lugar pra muitos amores. Mas confesso, dei uma sorte difícil de dar, recebi prontinho dos deuses este presente, só cuido prá não estragar. Beijos meus

    ResponderExcluir
  7. É complicado, você sente que filhos de outro pai sempre te olha meio torto. Há os que matam.

    ResponderExcluir
  8. Tais,

    A sociedade contemporânea em crise, os modelos de familia completamente disfuncionais...
    Quanto mais tecnológica e sofisticada se torna a vivência, mais dificil é comunicar. Sobretudo expressar e gerir os afectos.
    E depois a maldição vem numa avalanche exponencial. Começas a tua vida amorosa cometendo um qualquer "erro" e todo o percurso seguinte será influenciado pela sua "marca".
    Por isso, a questão que colocas, que tendo excepções, felizmente, é uma regra.

    Beijinhos.

    P.S.- Fui à crónica sobre o Guga, um ano atrás, e deixei lá um comentário

    ResponderExcluir
  9. Relacionamento humano é sempre uma coisa complicada, muitiplique essa complicação por mil quando o relacionamento é em família.

    ResponderExcluir
  10. Engraçado, antigamente, era muito mais facil ter uma madrasta (pois as mães morriam por complicações durante, ou pós parto), ai quando o inverno vinha, havia pouca comida para a familia...

    No caso da madrasta, acaba dando as melhores porções so próprios filhos, ou a ela mesmo...

    História clássica do estilo da madrasta frente as crianças, João e Maria.

    Fique com Deus, menina Tais.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  11. Depois de 10 anos de casada, 3 filhos, me descobri madastra de uma menina de 16. Era a materialização do meu pior pesadelo. Coisa de filme. Imagine a situação: me aparece uma filha para o meu marido!! Confusão geral. Pois a mãe da menina, nem namorada dele tinha sido. Foi apenas uma ficada de uma noite. E aí, o que fazer? O DNA deu positivo. Então porque a outra demorou tanto tempo para se manifestar? Resposta: Ela tinha arranjado um pai rico para menina. Enaganou o cara a vida toda com a história de que ela era filha dele. Coisa de novela, olha só. Então, o cara morre assassinado. Cheio de dívidas, elas acabam ficando pobres. Aí a mãe resolve contar a verdade para a filha e procurar o verdadeiro pai: meu marido. Olha, foi um sufoco. Meu marido estava à beira de uma crise de nervos. Quem imagina uma coisa dessas para si? Ajeitamos tudo. E ao contrário do que pensei, gostei muito dela e ela de mim. Hoje somos amigas mesmo, confidentes. Temos uma relação melhor do que ela com o pai. E tem até quem diga que somos parecidas. Nunca quis reeducá-la, afinal, ela não era mais uma menininha. Mas tenho amigas que tb são madastras e entendo porque às vezes tentam agir desta maneira. Acho que meio que faz parte da não aceitação da "rival". Como eu não tinha uma, não encuquei com isso.
    Gostei do post.

    Bjs

    ResponderExcluir
  12. cleusa00:37

    Eu realmente tenho sido uma (má)drasta na visão do meu marido,pois a filha dele vem sempre em primeiro lugar e é quase uma relação doentia.Nunca me deu razão em nenhum assunto que envolvesse a filha e, mesmo agora que ela tem 23 anos, ele não viaja comigo e com nossa filha sem que a minha adorável enteada vá junto e ela se aproveita o máximo disso. Já fiz até terapia e não encontrei respostas pra esse relacionamento obsessivo entre eles. REspeito-a como irmã de minha filha mas bem que estava na hora de ela ter os próprios amigos ou namorado e deixar de ser tão dependente do pai.Acho que preciso me desligar, mas tá difícil.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo23:44

      meus pesames e somos duas!!!casada a 3 anos nunca(depois de casada) passei natal,ano novo,aniversario meu e festas da minha familia com meu marido!pq?!parece que o infeliz adivinha os dias que quero sair com o pai dele e vem para a nossa casa,incluindo hoje,combinamos que ja que passamos o ano novo separados a pascoa estariamos juntos,ou seja,praticamente 3 meses de planos e nada e é claro eu viajei só e se der certo volto para casa!

      Excluir
    2. Anônimo21:53

      3 anos casada, tenho uma filha de 10,do primeiro casamento que mora conosco e a enteada de 8 anos mora com avós. Fruto de ficadas com uma mãe sem juízo, os avós tomaram para criar. Conheci meu marido ela tinha 4 anos e quando me viu, grudou no meu pescoço,amor a primeira vista. Ele nunca teve autonomia na educação dela, sempre foi como o irmão mais velho da filha. resolvemos morar juntos, eu montei o quarto para as duas e soube que ela não viria. Sofri muito, mas confiante que um dia ela viria. Ela me pediu para chama-la de filha, quando me chamou de mãe perto dos avós eles quase enfartaram, parecia que a menina tinha cometido um crime, só depois descobri que fazia parte de um pacto com a mãe que a abandonou. Mesmo de longe, quem ditava as regras era ela tb sofri muito com isso.O tempo foi passando e ela desabafou dizendo as coisas horríveis que os avós falavam a meu respeito para que ela não viesse viver conosco. Foi o fim pra mim e para ela também, pois meu sentimento foi ferido de tal forma que passei a me incomodar com a presença dela. Foi como se ela fosse a culpada, e a cada dia passei a sofrer toda sexta-feira antes de sua chegada. Comecei a enxergar coisas que não via, me incomodo da relação dela com a minha filha e faço de tudo para tornar o clima ruim para que ela desista de vir. Antes eram todos os finais de semana, agora é mais esporádico. Sei que ela não tem culpa, no entanto não consigo nem ouvir a voz dela que fico estressada. Ela é extremamente mimada, tem tudo o que deseja e é uma criança que até bate na avó,recusa usar uniforme escolar, tem gastrite de tanto tomar refrigerante e comer lixo (praticamente não come comida), sente dores fortes na cabeça, de chorar pois fica dia e noite na internet,tem tudo o que o dinheiro pode comprar. Ela esbanja o que tem pra minha filha, que está começando a ficar rebelde, pois eu só dou as coisas se merecer....acredito que meu casamento não tem futuro, pois ele não toma uma atitude, e a minha vontade é de não ve-la nunca mais.

      Excluir
    3. Anonimo. Meu Deus, tudo ia indo bem, a menina confidenciou p/ vc o modo leviano como os avós se referiam a você. E, você ficou com ódio da menina? Total inversão. Apazigue seu coração e volte a enxergar nela, uma menina bombardeada por injurias, desamparada, e abandonada duplamente. Sim, pela mãe e pelo pai. Você já tem um filho de outro casamento que moram com você e seu esposo, não é injusto você torcer p/ a menina não poder acessar sua casa? Não acharia ruim
      se isso ocorresse com seu filho? Não consegue pôr-se no lugar dela? afinal quem é a adulta? Pimenta nos olhos dos outros é refresco.

      Excluir
    4. Anônimo20:45

      Passo por isso ambem. Tenho 27 anos amiguei com uma mulher mas velha que tem tres filhos a mas velha e um pe no saco tudo ela quer colocar o pai dela no meio e ela foi pra minha casa para ganhar uma filha. E acabou ficando com 3 criança ela me odeia. Esto preste a me separar pq nao aguento mas esta dificio a outra tem um filho nao tenho paz nao tenho mas vida o jeito. E arrumar. Alguem solteiro sem compromisso mas eu nao vol dar esse gostino pra ela. Pois e isso que ela quer

      Excluir
  13. Anônimo03:26

    oi Tais,
    Eu sou uma madrastra de 19 anos, minha enteada tem 15, porém não me suporta, antes até suportava mas a mãe fez tanto a cabeça dela que hoje vive jogando piadas pra me provocar, pra variar a mãe colocou até o meu enteado de 9 anos contra mim, e fez com que ele fosse morar com ela. meu marido me apoia, graças a Deus, mas apesar de tudo adoro eles, só não sei o que fazer pra reverter essa situação, me sinto muito mal com isso, queria ser amiga dela, poder ajudar no que for preciso, mas ela não me dá oportunidade.
    bjos e adorei o texto.

    ResponderExcluir
  14. Anônimo03:10

    Parabéns,Taís.O paragrafo em que fala sobre a MAdrasta que no início vem cheia de amor pra dar é verdadeiro.Afinal, quem quer o cachorro aceita até as pulgas,né? Depois, a pulga começa a incomodar, a máscara da boadrasta cai e o barraco tá feito e feio!!!!

    ResponderExcluir
  15. Tenho enteada e enteado- sou "madrasta" - sem problemas.
    Quando conheci meu marido ja estava separado pleiteando o divórcio que foi na paz.

    Minha enteada já é mãe e o menino já vai fazer 18 anos.

    Não entrei nesta relação querendo desagradar ou puxar o saco e servir de tapete; entrei numa relação com um homem livre e com bagagem de passado - mas esta bagagem é dele e eu jamais quiz tomar o lugar da mãe. Como no dito popular " Quem p...M que embale"

    Enfim não sou ruím nem boazinha, sou eu mesma. E esta tudo bem.

    Bjs

    ResponderExcluir
  16. Anônimo07:52

    Sou Madrasta de 3 adolescentes, 21,18 e 15, se existe uma coisa dificil e lidar com enteados. Vivo co eles deste k m casei, mas a mais velha nunca m aceitou, sempre teve atitudes mal criadas comigo, haviam dias k acordava sem vontade de falar comigo e passava por mim como se n tivesse visto simplesmente nada, induzia ate as amigas a tomarem atitudes mal criadas comigo, hoje esta pior e uma menina manipulada pla mae, super malcriada e respondona, mae esta k ker o lar de volta. Nao tive nada a ver com a separacao deles, encontrei o ja separado a sete anos, e nos casamos hoje vivo uma vida infernal penso ate em separar me para ter paz, tento conversar com meu marido, ele da m razao e diz k vai tomar uma determinada atitude, ms kuando chega perto dela fica com o rabo entre as pernas e n toma nenhuma atitude o k m deixa mais triste, perceber k ele ve k algo n esta bem e sabe kem cria esta situacao mas nao faz nada. O k sera k posso fazer se nao afastar me para ter paz?

    ResponderExcluir
  17. Anônimo18:03

    Tenho duas enteadas, de 9 e 17 anos, que graças a Deus não moram comigo, não falam comigo. A única provocação que conseguem é qdo gritam com o pai para mostrar que mandam nele, como ele é extremamente passivo, tento mostrar a elas como nos damos bem sem nos agredirmos. Mas não adianta, são muito autoritarias.
    Rosane

    ResponderExcluir
  18. Anônimo10:21

    tenho uma enteada q mora comigo desde os 6 meses de casada sempre morou com a mae e no dia da lua de mel veio dormir conosco e todos os outros finais de semana e 6 meses apos veio de mala.Resultado, nao olha pra minha cara, ignora a irma dela, que e minha filha c o meu marido, e manda em casa, como de fosse a dona da minha casa, a mãe nao manda pensao, e eu ajudo a pagar as contas dela

    ResponderExcluir
  19. Anônimo15:46

    olá!! eu tenho uma enteada ela é um amor de criança e nos gostamos logo que fomos apresentadas, mais o problema é a mãe dela.. morre de ciumes pq ela me chama de mãe...ela vive falando mal de mim fazendo a cabeça da menina contra mim... oq devo fazr em uma situação dessas??

    ResponderExcluir
  20. Olá, você conseguiu conquistar algo ótimo, a relação com sua enteada. Procure não deixar que a conduta da mãe interfira no seu relacionamento. Estas situações acontecem, a filha se dando bem com você, a mãe sente-se agredida no seu amor-próprio.
    Mas como cada caso é um caso, procure uma psicóloga e apresente o problema a ela. É o que sugiro a você: procurar uma profissional para seguir uma conduta certa.
    Um abraço.
    Tais

    ResponderExcluir
  21. Anônimo15:46

    Bom tenho uma enteada de 11 anos e mora comigo conheci com apenas 6 meses de idade.moarva com a avó materna e depois com 5 anos veio morar comigo. Vou dizer que não é facil tem dias que é insuportavel, a familia do meu marido fala demais e isso acabou entragando nossa convivencia. Ela só quer ser boazinha quando o pai esta em cs. Mas o bom é que meu marido sempre me da razão. Não gosto de brigar quando acontece alguma coisa falo com ele e ele resolve com ela.

    ResponderExcluir
  22. Anônimo14:41

    Olá!
    Gostei da cronica ajudoume a ver a situação de outra prespectiva...tive com o meu marido uns 8 meses, ficandio só, depois ele voltou para a mae da filha dele acabando 10 meses novamente. começamos saindo como bons amigos que eramos, depois me pedio namoro e 6 meses depois estavamos vivendo juntos... a menina vinha so aos fins de semana, passando depois a ficar uma semana em cada casa... ao principio ate nos davamos bem e ate com minha filha(da mesma idade) se dava bem... desde a um ano para ca ficou insuportavel... diz alto e em bom som que quer viver so com o pai, deixandome a mim e a minha filha de parte, magoa mt pois se eu nao estivesse com o pai dela ela so o veria aos fions de semana...pois na "nossa" semana ele entra as 5 h da manha e quem trata dela de manha para a escola a leva etc sou eu. mas o que mais custa é ver que ele nem tenta esplicarlhe que agora estamos juntos, a mae dela tambem se juntou e a menina n faz nem metade com o padrasto o que faz comigo.......
    esta muito dificil, ja pensei vezes sem conta pegar minhas coisas e da minha filha e voltar para casa dos meus pais, mas por outro lado custame privar a minha filha da convivencia dela com o padrasto(que por sinal é maravilhosa a meu ver),. e bem la no fundo de os privar a eles 2 pai e filha de poderem conviver mais do k um fim de semana..~
    Tais como heide lidar eu com esta situação?? sem ser ir a um terapeuta, que ja pensei nisso, mas nao a posso levar sem o concentimento dela e do pai. Ela tal como a minha filha tem 6 anos de idade..


    beijos e abraços

    ResponderExcluir
  23. Sem dúvida que chegou a hora de uma terapia ou de uma conversa franca para ver o porquê do problema, e por que começou. Sozinha vai ser difícil resolver. Esta é uma situação sempre muito delicada. Você não pode obrigá-los à uma terapia, mas você pode ir, amiga. Isso tenho visto muito. Vamos sempre a uma terapia para resolver os 'nossos' problemas e não os dos outros.

    Talvez uma terapia pra VOCÊ, para você resolver o 'SEU' problema. Para saber se comportar dentro desse emaranhado que está lhe fazendo tão infeliz.

    Um beijo, amiga.

    ResponderExcluir
  24. Anônimo17:07

    Olá Taís, tenho 2 enteadas uma de 19 e outra de 11, qdo casei há 3 anos atrás a de 19 veio morar comigo, nos dávamos super bem, mas ela começou a namorar e mudou muito seu comportamento, acabamos discutindo e então ela resolveu morar com a mãe... Já a de 11 sempre morou com a mãe, mas vive querendo vim morar com o pai, quer ser minha amiga, mas não sei o q acontece, não consigo gostar dela de jeito nenhum, ela sempre vem nas férias, eu a trato bem, mas faço tudo isso por causa do meu marido, para não magoá-lo e viver em harmonia com ele, maas não gosto quando ela vem, ela é muito apegada a ele, não quer ter amigas, só quer ficar perto dele, e isso me deixa totatmente irritada, nunca brigamos, mas as vezes fico no ponto de explodir, mas me controlo pra não criar problemas com ele...Fora a insistencia dela em querer vim moar conosco, ele ainda não trouxe por causa de mim, mas não sei até quando ele vai ter essa paciencia q ele tem comigo....eu vejo e sei q o problema é comigo mesma....o q fazer???

    ResponderExcluir
  25. Veja bem, amiga, a criança quer o pai e não as amigas que ela tem o ano inteiro, ela está carente de pai, não de amigas. Se ela quer ser sua amiga, qual é o problema? Não é bom pra você? Será que não existe aí um ciúmes de sua parte?
    Ela está faltando com o respeito? Por enquanto não está competindo e lhe trazendo grandes problemas. E se você se tornasse amiga dela? Não daria? Está muito pessado pra você?
    Até aqui só percebi que ela está tentando ser sua amiga; Por enquanto ela quer gostar de você e conviver com o pai. Não sei, pode dar certo como pode não dar. Talvez se você não a visse como enteada, mas como uma sobrinha, uma amiguinha sua...
    E as situações sempre podem ser desfeitas quando uma das partes não está se sentindo bem.
    Porém, se para satisfazer os outros você tem de se sacrificar, bem aí tem de pensar muito se vale a pena.

    Um beijo, boa sorte.

    ResponderExcluir
  26. Anônimo00:23

    Meninas tenho 20 anos, meu maridinho 28 e ele tem um anjinho de 6,rs, espero que a amizade que nos duas temos hoje perdure!
    Perfeito o texto madrasta e enteadas, bem real o que é pior:/

    Um beijo e muita paciência a todas!

    ResponderExcluir
  27. Anônimo20:17

    Olá, adorei o texto!
    Meu nome é Elaine tenho 26 anos sou casada a 4, meu mari tem 34 anos e tem dois filhos um menino de 13 e uma menina de 16.
    Ela mora conosco desde sempre, quando tem uma discussao com o pai vai pra casa da mae mas volta depois de algum tempo. Nossa convivencia nao é das melhores, meu marido cbra muito da minha relaçao com sua filha. alias todos da familia dele cobram.
    não sei se estou errada mas tudo q faço e evitar bate boca entre nos. Não peco ajuda nos afazeres da casa, meu marido q manda ela fazer quando estou trabalhando e nosso dialogo é muito pouco. Ela pergunta e eu respondo e assim vice e versa, as vezes tento algo a mais, mas nao dura muito. Nao sei o q fazer ela é muito problematica para o pai e apesar de nao dizer nada, sempre fico com raiva e isso afeta nossa relção. O q faço?

    abraços

    ResponderExcluir
  28. Oi, Elaine, olha, ao meu ver acho que você está certa; não bater boca, não interferir na educação da menina e continuar a fazer suas coisas e tentar ficar tranquila. Sei que é muito difícil, mas ela tem mãe e pai, embora more na sua casa. Mas fazer o quê, amiga? Dê tempo a ela.
    O importante é preservar sua relação com seu marido, embora seja uma situação muito incômoda. Sua enteada está em plena adolescência e com muitos problemas a respeito da separação dos pais. E para ela é muito difícil, também. Só que este problema é difícil pra você resolver, não?
    Mas penso que você já está conseguindo muito. Só em evitar brigas já é grande coisa.
    Veja só: se entre pais e filhos existem muitos problemas, imagine entre duas pessoas que nada têm a ver, que não têm afinidades e nem laços de parentesco.
    Se algum dia você sentir que ela quer se aproximar, abra o caminho, talvez aconteça. A 'generosidade' abre caminhos.

    Beijo pra você.
    Boa sorte.

    ResponderExcluir
  29. marilda23:21

    tenho duas enteadas e digo fazem parte da minha vida "e verdade tentamos educar do nosso jeito tem hora que acertamos e tem hora que erramos mas tentamos juntas".

    ResponderExcluir
  30. Anônimo02:53

    É uma situação diferente para cada família, a minha virou uma loucura, um dia está tudo bem no outro pega fogo, o pior problema que tenho com meu enteado acredito que seja ciumes do irmão, ou seja, nosso filho..ele sempre faz as coisas e diz que não faz, é um sufoco...

    ResponderExcluir
  31. oi agradeço mais na relidade isso acontece todas as horas eu costumo deze que nao sou nada sou apenas uma empregada da minha entiada queria que ela morrase com a mae mais a mae dela não qer a filha por perto não sei o que faco todos os dias da minha vida peço a deus qeu faça com que ela olhe pra dentro do seu intemo e ver que tem alquem no mundo que faz parti dela as vezes queria gritar não aquento mais viver essa setuação amor meu marido e ter que convever com uma pessoa que mi odeia e er cheia de esperança que eu vou embora eu so tenho um desejo que ela vai morar com a mae mae a mae chama ela de boi porca e fala que ela nunca vai pegar ela e ela e sazinha não se abre com ninguem e deficio a nossa convivencia isso e tipo um desabafo pra mim se poder mi manda umas dica por meu e-mail e marli.davi2010@hotmail.com obrigado por ler meu comentario

    ResponderExcluir
  32. Anônimo21:37

    Sou casada a 14 anos, meu marido possui 2 filhas de um casamento fracassado: a primeira (25 anos) uma crente, interesseira, desleixada, preguiçosa que me odeia declaradamente e a outra (17 anos) que finge que gosta de mim para obter vantagens e posta na net que sexta-feira 13 é meu aniversário. Cansei de tentar construir um relacionamento saudável com elas. Não são minhas filhas, nem minha responsabilidade! Quem muito se abaixa o fundo aparece!

    ResponderExcluir
  33. ARACELY12:52

    OLÁ TBEM FAÇO PARTE DO GRUPO!!!
    O SEGREDO É MUITA PACIENCIA E INTELIGENCIA !!!BOA SORTE A TODAS

    ResponderExcluir
  34. Tenho 3 enteadas e coloquei na minha cabeça desde o começo que saberia lidar com isso,mais no fundo eu não sei e ainda não aprendi, se pudesse voltar o tempo me casaria com alguem sem filhos .É estressante,exaustivo vc sempre passa por megera xexelenta .Gosto quando elas me visitam e vão embora.Meu lema e cada macaco no seu galho e cada um no seu quadrado..

    ResponderExcluir
  35. Marlene08:44

    Olá tais...
    Pelo que parece, somos exceção à regra... tenho uma enteada e nunca tivemos problemas de relacionamento. Conheci o pai dela quando ela tinha 3 anos e sempre me preocupei com o seu bem estar, levei-a conosco em praticamente todoas as viagens que fizemos e com 16 anos, ela optou por vir morar conosco... Tenho 2 filhos e na época ela veio para completar o trio definitivamente... o relacionamento com os irmãos é perfeito, e comigo, excelente.. eu não fico falando "minha enteada", sempre a apresento como filha, porque no meu coração ela é mesmo minha. Hoje ela está com 19 anos, e me ajuda muito com minha filha de 12, são muito companheiras, e o meu filho de 7, simplesmente é apixonado pelas irmãs. GRAÇAS A DEUS.... ABRAÇOS...

    ResponderExcluir
  36. Deise00:16

    Olá Tais, td bem?

    Nossa, essa situação é muito dificil!! conheci o meu marido a 6 anos atrás, que já estava separado, ele tem dois filhos uma aborrecente de 16 anos e um menino de 13, no inicio até tinha um bom relacionamento com a menina más hoje em dia com essa idade que ela tem...meu Deus me de paciência o idade chata, sei que ela não me suporta, mudou de atitude drasticamente, eu sei que tb não sou fácil, más sei que se ela fosse um pouco mais tolerante eu teria muita coisa boa para lhe oferecer. Hoje em dia não esta vindo muito em casa pra falar a verdade acho muito bom, más sei que o meu marido fica chateado, no fundo ele queria ela aqui conosco a cada quinze dias como o menino que esta sempre aqui, desse não posso falar ele é tranquilo... menino é diferente né o problema é a menina que sempre fica do lado da mãe, acho que ela fica imaginando....minha mãe que deveria estar aqui no seu lugar, bom é isso, fico só pensando até quando será assim? será que só irá mudar quando atingir de fato a maturidade? Meus Deus isso vai demorar...

    Beijos a todos e como disse a amiga acima, paciência e boa sorte!!

    ResponderExcluir
  37. Anônimo16:36

    tenho 30 anos dois enteados um de 21 e uma de 24 ambos sao casados e se separam sempre o de 21 acabou de ter uma filha e quando tava com 10 dias de vida veio morar conosco denovo. ate ai tdb mas veio na sexta feira e no sabado ja trouxe namorada pra posar em casa.... ai eu pirei conversei com meu marido brigamos muito alias....ele falou pro filho nao trazer mas mesmo assim ele continuou a trazer.... quarta feira quase fui embora de casa .agr meu enteado nem esta conversando comigo,mas nao me importo nao. o importante e ele obedecer o pai dele , vc acha q fiz certo?

    ResponderExcluir
  38. Anônimo16:43

    tenho 30 anos tenho 2 enteados de 21,24 sao casados mas sempre se separam e vem pra casa.o de 21 teve uma filha e quando a filha estava com 10 dias de vida separou e veio morar conosco denovo (ja e a quarta separacao)ele veio na sexta e no sabado ja trouxe namorada pra posar em casa,ai eu pirei.briguei muito com meu marido quase fui embora de casa ,agora meu marido disse q falou pra ele nao trazer mais,eu so acredito vendo. eu agi certo?

    ResponderExcluir
  39. Anônimo13:27

    Paula.
    Olá!
    Tenho 33 anos e uma enteada com 20 anos outros dois de 13 e 17Só ela mora comigo, os outros dois moram com a mâe.O problema é que ela repentinamente muda de humor, passa por mim como se eu não estivessa ali isso, mesmo na frente do pai dela,ela mora comigo desde o primeiro dia que eu casei, tenho 2 anos e 8 meses de casada.Um dia ela me chama para passear, outro dia se tranca no quarto e finje que não existo, na hora de pdir algo emprestado,rapidinho ela fala comigo.As vezes somos muito amigas, ela sempre me fala de seus namoricos,relacionamentos,mas quando estamos os 3 juntos, a coisa muda,o clima pesa,parece que ela ainda nao me aceitou como madrasta,uma vez que me casei com o pai dela depois que ele se separou há 4 anos da mae dela.As vezes sinto que ela só me trata bem por obrigação.
    Tento sempre deixar a harmonia no meu lar acima de brigas, a unica vez que brigamos foi por ela não estar ajudando nas tarefas domesticas,depois de uma conversa ela mudou.Ela engravidou uma vez, e não queria o filho,pois ia decepcionar o papaizinhodela, me contou que iria tirar eu nao quis interferir na escolha,sempre disse que essa nao seria a melhor soluçao,mas ela assim o fez,tudo sm o pai saber.Eu nao sabia se contava para o pai dela,com receio de acontecer algo e depois me sentir culpada,pois eu nunca quis interferir na vida dela.Ela é muito apegada ao pai,ate hoje não curti meu casamento como eu queria,pois todas as vezes que convido meu marido para sair ele a convida e quando ela nao vai conosco, ele logo quer ir embora para a filhinha nao ficar sozinha.Ele dá tudo o que ela quer até sempoder,ela não gosta de trabalhar,gosta só de curtir.
    O que eu nao queo é prejudicar meu relacionamento com meu marido e tambem nao quero fingir que a situaçao me agrada.
    O que fazer neste caso?
    Obrigada.
    Paula Sodré.

    ResponderExcluir
  40. Oi, Paula, leia o antepenúltimo parágrafo do texto ( É uma das relações mais difíceis... ). Ali está a resposta.
    São duas pessoas adultas, uma de 33 e a outra de 20, praticamente da mesma geração. E cabeça de adulto só muda quando sua dona quer.
    O fato da menina sair sempre junto, acho que uma conversa franca e sem agressão vai bem. Entendo muito bem o que você quer dizer, é um problema muito delicado. Por isso disse pra você ler o parágrafo, a razão me parece estar lá. Mas veja: uma terapeuta seria o ideal pra você.

    Beijo pra você.

    ResponderExcluir
  41. Anônimo16:52

    Bom o meu depoimento é mais tragico realmente não vejo nenhum futuro entre madrasta com enteada tentei conviver com os meus pois casei em 2009 e em 2010 que foi a ultima vez que vi minha enteada pois tivemos uma briga muito feia ela se sentia a rainha da casa pois o pai dele nao tinha a menos atitude quando ela me desreipeitava acho que ele tinha medo de desagradar a filha,entao ia me calando calando calando pra nao arrumar confusaõ e nao criar clima ruim dentro de casa quando ela pirrasava eu olhava pra ele esperando uma atitude e nada,entao nesta briga eu coloquei ela pra fora a base dos gritos e tentei o suicidio em seguida o tempoi se passou as brigas co meu marido por causa de sua filha se intensificaram e no ano passado nos separamos hoje vivemos juntos novamente mas sem seus 3 filhos e nao quero conviver com seus filhos nunca mais,tenho trauma estamos juntos novamente desde janeiro e os filhos moram com a avó pois a mae nao quis a guarda nao falo com ninguem da familia dele,nao sinto um pingo de falta e quero eles bem longe de mim, quem sabe se meu marido tivesse sido diferente tivesse tomado posturas certas nas horas certas hoje seria tudo diferente!? Quem sabe!!!!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  42. Anônimo15:11

    Ola Tais... Tenho 34 anos, um filho de 17 anos de um relacionamento anterior, um bebe de 1a e 5m com meu atual marido e uma enteada de 13 anos. O fato é que ja fizemos terapia, ja conversamos, ja brigamos, enfim... Meu marido tem um amor absurdo pela filha, exagerado mesmo, a ponto de usarem aliança de compromisso. Nada nem ninguem nesse mundo consegue mostra-lhe q algo esta errado. Ate a terapeuta conversou muito com ele e disse que ele e a filha precisam muito de tratamento. O q faço?

    ResponderExcluir
  43. Amiga... a terapeuta disse tudo! Mas quem sou eu pra dizer o que você deve fazer? Consulte uma profissional e fale nisso.
    Beijo pra você.

    ResponderExcluir
  44. Olá Tais, tudo bem com vcs?
    Bom, tenho dois enteados, o menino tem 11 anos e a menina tem 8 anos e tenho um filho de 1 ano e 6 meses.
    No começo do meu relacionamento, foi tudo uma maravilha, me dei muitissímo bem com os filhos do meu marido. Os anos se passaram e estamos juntos a 4 anos já. Não me recordo muito bem quando eu comecei a ter ciumes, foi quando tinhamos um ano e meio de namoro mais ou menos, pois comecei a perceber que meu marido me deixava de lado pra ficar com as crianças e hoje isso se tornou visivel. Minha relação com as crianças é amigável, mas as vezes fico com raiva deles por causa da atitude que o pai deles tem em relação a mim. Eu e ele temos um filho lindo de 1 ano e 6 meses e quando as crianças vão lá pra casa, ele simplesmente esquece que eu e meu filho existe e só fica junto das crianças, ta certo que só ve eles de 15/15 dias, mas o papel dele era de unir e não de separar, vcs conseguem me entender?
    Mas agora o meu ciume já esta no meu limite e não sei o que fazer, tem hora que eu amo essas crianças como se fossem minhas, mas tem hora que fico tão nervosa por conta da atitude do pai deles que acabo misturando eles no meio do emaranhado. Não sei o que faço, quando eles vão lá pra casa eu me isolo, só fico dentro do quarto com meu filho e eles ficam lá super felizes jogando video game, brincando, vão pra piscina etc... sofro muito com essa situação, gostaria que eles vissem um pouco de mãe em mim, que fossem mais carinhosos, pois faço de tudo para agrada-los e não sou recompensada nem de um lado nem de outro.
    A menina ainda é mais chegada em mim, saimos juntas, brincamos, mas sinto ela um pouco distante, o menino nem se fala, totalmente distante, fico com raiva pois ele e meu marido viram a noite jogando video game....
    me desculpe estar escrevendo tanta coisa, mas estou desabafando, espero que me entenda!!!!
    Beijoosss

    ResponderExcluir
  45. NINI: amiga, vi que seu ciúmes está crescendo e lhe deixando cada vez mais infeliz. Você está se isolando e isolando seu filho. O que eu diria pra você é fazer a sua parte e deixe que seu marido perceba o que ele está fazendo. A mulher vê mais os 'detalhes'. O homem enxerga mais 'o todo'.
    Mas veja bem, ele vê os filhos de 15 em 15 dias, natural que fique empolgado. Mas faça a sua parte, procure somar, não divida afetos. E não queira ser mãe dos enteados, você tem o seu filho.
    Faça pipoca quando eles forem jogar, vá pra piscina, se divirta junto com seu filho. Entrose seu filho e não se afaste. Marque o seu espaço.

    Seu marido não vai abrir mão desse convívio de 15 em 15 dias. Desta maneira você não vai reverter a situação. Ciúmes mostra fraqueza e ninguém gosta de ver fraqueza nas pessoas. Por outro lado, não precisa exagerar, fique normal, trate tudo com muita normalidade. Quanto mais você se isolar dentro de um quarto, pior ficará. E você é mãe de seu filho, não dos enteados. Os enteados têm mãe, amiga! Seja apenas mãe de seu filho e esposa de seu marido. E receba os enteados com normalidade, e sem raiva. Eles também não estão numa situação legal. Sei que a situação é difícil, envolve sentimentos, carências e culpas. Mas vejo assim.

    Beijos pra você e vá numa normal. Mas não se feche num quarto.
    Tais

    ResponderExcluir
  46. Que maravilha! - De texto? - Não, de inteligência.
    - A narração é super apropriada, objetiva, clara e concisa.
    Tornei-me seu fã. Ler você é como saborear em prato lindo servido com uma comida maravilhosa e gostosa.
    Adorei.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, CÍCERO, muito obrigada por suas palavras. Fico muito feliz que gostem de meus textos! Que bom que ganhei mais um leitor.
      Grande abraço pra você.

      Excluir
  47. ola adorei esse blog achei mera verdade tudo que li...passo por isso tenho uma enteada de 10 anos sou casada e tenho um bb de 6 meses no começo ia tudo bem mas comecei a ter ciumes depois que meu filho nasceu meu marido nos joga pra escanteio quando está com a filha ela é mto mimada toda vez que vem ele me deixa dormir sozinha pra dormir com ela ela pede colo faz manha um horror ja tentei agradar mas desisti....fui falar com ele dessas coisas e deu a maior briga...achei melhor ficar quieta e não falar mais nada....mas tb não tenho mais vontade de fazer passeios nem participar de nada com meu baby tb...vc acha que to fazendo certo Tais que conselho me da...obrigada adoreiiii

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, DANUBIA, claro, seu filho nasceu e na sua cabeça ganhou uma rival, não? Tente entrosar as crianças, deixar as coisas mais dentro da normalidade. A enteada também está com ciúmes em relação ao pai. Isso está bastante claro. Crianças são muito ciumentas, querem tudo pra si. Você está percebendo. Se der para fazer programas, passear todos juntos, melhor. Continue dando o mesmo carinho à enteada, amor não tem fundo, não se esgota. Você tem amor pra muitos. Tente você mudar, não mostre ciúmes e nem bronca da situação. Fique por cima das coisinhas, das birras. Me parece que seu marido está protegendo a filha, já notou que ela tem ciúmes. Ciúmes e culpa são coisas que doem.

      Beijo pra você, vá lá... viva mais feliz.

      Excluir
  48. Anônimo15:17

    Olá, minha situação é complicada. Sou casada a 6 anos, moro com a minha enteada que tem 16 anos e tenho uma filha de 4 anos, fruto do meu atual casamento. Até que nos damos bem, porem ela engravidou e agora tem um filho de quase 1 ano. Resultado: Moram todos em casa, até o genro de 20 anos vive enfiado lá. Não sou mais feliz, pois meu marido acha normal tudo isso, acaba que temos hoje 4 filhos e nao concordo com essa situação. Não posso engravidar devido a situação toda e ele nem faz questão, pois trata o neto as vezes como o filho. Enfim to em uma relação que nao existe e nunca vai existir. Me preocupo com a minha filha de 4 anos e conversei com o meu marido sobre todas as preocupaçoes e se ele ainda pensava no principal objetivo, que era formar nossa família, porem pra ele ta tudo bem, tá tudo lindo e não tem muito o que fazer. Sou nova só tenho 31 anos e ele já tem 42 anos e então pra ele tá comodo viver com uma esposa que assumiu a filha dele e que agora ele acha que devo também fazer parte desse novo mundo. Depois da última conversa que tivemos sai chateada e decidida e começar minha vida, pq sou nova, não sou obrigada a arcar com as consequencias de uma família que não deu certo, pois a mão da minha enteada não faz la muita questão de ajudar de puxar essa responsabilidade, pois ela nem trabalha e tem até mais tempo pra dar mais apoio a filha, e quero sim ter outro filho e ser feliz com outra pessoa se for necessário.
    Estou errada? Sou egoísta? Acredito que não.. eu quero ser feliz e tenho esse direito. E quero dar a minha filha um ambiente mais calmo pois pra mim isso tudo é muito pesado para ela lidar e entender e tenho receio que isso atrapalhe futuramente a cabecinha dela.
    Beijos!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, amiga, situação meio braba, mesmo. Será que sua enteada vai morar sempre com você? Já falou isso com ela e seu marido? Já pensou que isso pode ser por um tempo curto, apenas? Seria bom clarear isso. Claro que a situação não é nada cômoda, é muito complicada pra você e pro seu marido (pois é filha dele), e pra enteada, que acho que gostaria de morar numa casa com seu marido, e não junto.
      A sua intenção era uma e não está dando certo. A situação não pode ser cômoda pra um, apenas, e sim para ambos – você e seu marido. Acredito que todos estão atrapalhados. Você não deixa de ter suas razões, afinal, sua enteada está fazendo a vida dela dentro de sua casa. Você é muito jovem, sim. Penso, que você deveria falar mais a fundo estas coisas, com calma. Uma conversa civilizada, sem agressões. E sua intenção está muito clara: você quer formar seu mundo com seu marido e seus filhos. Não acho egoísmo, não. Querer ser feliz, sem fazer mal a ninguém é tudo que queremos. Fale, dê um tempinho e veja se conversando os dois não moram separados ou com a mãe dela, já que você tem filha pequena e quer mais filhos... É por aí, penso. Não existe nada como a paz! Vá, diga, mas devagar...Com calma, muitas vezes achamos soluções.

      Beijos e boa sorte!

      Excluir
  49. Anônimo01:40

    Olá!
    sou cadada á 8 anos, tenho um menino de 4 anos e uma princesa de 1 aninho fruto do relacionamento atual, meu marido têm três filhas, sendo que duas moram com a gente nos fundos da minha casa, tudo parecia normal, mais com o tempo foi frustacao diariamente, sempre se faz de vitima, de coitada, responde, joga indiretas, não aguento mais viver assim estou a ponto de pedir o divorcio nosso relacionamento é só briga, carinho, amor não existe mais, ele defende elas em tudo, e ando cansafa de viver tudo isso, não tenho mais forca, o que fazer se vivo isso desde que casei enfrento problemas que acabam roubando a minha paz,me transformei em uma pessoa agressiva, vivo com o coraão apertado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, amiga,
      Olha, o que vejo é que você está bem convicta da situação e sabe o que está acontecendo com você. Mas o que é mais difícil na vida é tomar decisões. Tome uma decisão, a que lhe agrida menos.
      Boa sorte, felicidades.
      Abraços.

      Excluir
    2. Anônimo19:24

      Ola tais, eu te enviei esta mensagem há algum tempo atrás, te escrevi pois a situação ficou um pouco complicada. A menina menor de 18 anos tentou suicídio ingerido medicamentos. Foi um susto para todos,mas meu maior espanto foi o motivo que ela alegou, separação dos país que se deus a 11 anos e também a ausência do pai , como eu já lhe contei esta casado comigo a 7 anos e temos um filho de 3 anos . Bom até aí eu consigo digerir , o que esta ficando pior é a chantagem emocional que estão fazendo com o pai,que por esta emocionante abalado não consegue ter certeza o que fazer,ora quer carregar a filha para todos os lugares e até cogitou em participar de alguns eventos familiares com a ex mulher e comigo em prol da filha.
      Bom eu acho que tudo é aceitável,pois é uma situação que eles não imaginaram que passariam , como pai existe uma mistura de sentimentos culpa, medo,insegurança e outros. O meu problema começa ai , pois ele se tornar refém da mãe e também das meninas e por esta emocionalmente envolvido não enxerga ou nao pode se manifestar ,por receio de alguma retaliação .
      Eu tento ajudar quando me perguntam algo mas do contrário na maioria das vezes eu tento me calar,pois não estou envolvida diretamente e o que disser pode vir a ser mal interpretado como na maioria ds vezes.
      Minha pergunta é como proceder,pois estou esperando o temporal passar e preciso de uma orientação .
      Desde já grata.

      Excluir
    3. Oi, ANÔNIMA, foi difícil achar sua entrada aqui, você não deixou um nome para eu me situar, pois seu texto não foi para o final. Deixe um nome - mesmo fictício - na próxima vez. Bem, entendo o que você contou, não é fácil.
      Vou dizer o que 'eu' faria numa situação semelhante, mas veja, cada um é diferente do outro. Se eu estivesse casada há 7 anos e a enteada tentasse uma coisa dessas, eu ajudaria meu marido no que fosse preciso. Ele deve estar com a cabeça fora do lugar, deve estar se sentindo culpado. Se for chantagem ou não, não vem ao caso. Veja bem, uma menina que tenta o suicídio, não está bem, está doente. Se eu tivesse segurança em mim e no meu casamento (quanto ao meu marido)não me negaria. Tenho uma maneira de pensar: se o casamento degringolar com esse problema, é porque o amor está fraco, não iria muito adiante. Acho que você até se veria com força, segura. E gente com segurança é outra coisa. Você sentiria orgulho de você mesma. Seria difícil pra você encontrar a ex de seu marido num evento e agir com naturalidade? Você ficaria abalada? Tem confiança em 'você'? A menina tem 18 anos, não se grudaria tanto em vocês... Tem a vida dela e problemas que talvez não queira contar. Pode ter usado isso, sim, e mesmo assim está doente, teria de se tratar.
      Pois é, tudo depende dessas respostas. Por isso que disse que cada um, cada um. As pessoas não mudam seus pensamentos e suas inseguranças de uma hora para outra. E isso é normal. Vai com o tempo.
      Pense nisso! E me dê retorno, Ok? Volte com o nome de 'Arlete'. Aí não me perco. E lá no final.
      Um abraço, boa sorte!

      Excluir
  50. Anônimo16:19

    OlÁ,AMIGA, SOU CASADA HÁ 7 ANOS E JUNTO COM O PACOTE VIERAM 2 PRESENTES UMA DE 11 E OUTRA DE 14 ANOS.TODO RELACIONAMENTO QUANDO COMEÇA É UMA MARAVILHA, AINDA MAIS QUE EU TENHO UMA CONDIÇÃO FINANCEIRA BEM SUPERIOR QUE A DO PAI, LOGO EU ERA A TITIA QUE PEDIRAM A "DEUS" QUANDO QUERIAM ALGO, LOGO DEPOIS EU VIRAVA A PRÓPRIA BRUXA. AOS POUCO EU FUI ME POSICIONANDO E RALATANDO AO PAI QUE QUALQUER COISA QUE ENVOLVESSE AS FILHAS ERA RESPONSABILIDADE DELE. E POR NÃO EXERGAR DA PARTE DELAS NENHUMA CONSIDERAÇÃO QUE VALHESSE QUALQUER SACRÍFIO MAIOR,ME MANTERIA SEM DAR NENHUM PARECER E NEM DIZER QUE ACHO E PENSO. QUANDO ELE ME PERGUTA ALGO EU DIGO, MAS NORMALMENTE ELE NEM TOCA NOS NOMES DELAS E EU TAMBÉM NEM PERGUNTO,MOSTRANDO ASSIM UM POUCO DE INDIFERENÇA,POIS JÁ DEIXEI BEM CLARO PRA ELE QUE NÃO EXISTE RESPEITO DA PARTE DELAS POR MIM, LOGO SÓ RESTA A PARTE CORDIAL. QUANDO EU FALO A VC QUE EU NÃO QUESTIONO NEM SE ESTA BEM OU NÃO É PQ REALMENTE PARA MIM É INDIFERENTE. SEI QUE O PAI SOFRE, POIS ELE AS SUPER PROTEGE E SEMPRE QUE FALA ALGO ESTA SEMPRE FAZENDO COMO SE ELAS FOSSEM AS VITÍMAS OU AS POBRES COITADAS QUE JÁ PASSARAM POR MUITA COISAS, EM SUMA ELE TEM UM SENTIMENTO DE CULPA POR TUDO QUE AS FILHAS NÃO TIVERAM E ATÉ MESMO O QUE NÃO TEM ATÉ HOJE.NOS TEMOS UM MENINO DE 2 ANOS E EU TENHO UMA DE 16 DO MEU OUTRO CASAMENTO,QUE NÃO DÁ METADE DE PROBLEMAS A ELE.PARA VC TER UMA IDÉIA EU FALEI QUE IRIA LEVAR MEUS FILHOS PARA DISNEY E ELE ME FALOU QUE SÓ IRIA SE ELE TIVESSE CONDIÇÕES DE LEVAR AS FILHAS DELE,COMO SOU EU QUE VOU PAGAR,NADA FALEI APENAS DISSE QUE TERIA QUE LEVAR A BABÁ. A MAIS VELHA ATÉ ESTA MELHOR, POIS A VIDA ESTA ENSINANDO A VIVER, JÁ TRABALHA"NA MINHA EMPRESA" E É MAIS EDUCADA E ATÉ ESBOÇA AS VEZES UM POUCO DE HUMILDADE MAIS A MENOR AINDA TEM LONGO CAMUNHO A FAZER ATÉ DESCOBRIR COMO SE RELACIONAR COM AS PESSOAS SEM QUE SEJAM OS PAIS . COSTUMO DIZER QUE EU SOU UMA PESSOA INDEPENDENTE QUE ASSUMO MEUS PROBLEMAS E NÃO REPASSO PARA NINGUÉM,GOSTARIA DE DIZER QUE TODA ESSA SITUAÇÃO FOSSE AO CONTRÁRIO,MAS NÃO É E NÃO SOFRO POR ISSO TIVE QUE CONQUISTAR MUITAS COISAS SOZINHAS .
    AMIGA EU ESTOU AGINDO DE MANEIRA CORRETA OU NÃO.
    ABRAÇOS



    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olha, lhe achei bastante segura, mesmo porque você é independente financeiramente, o que já é meio caminho andado. Mas pelo que sinto, a situação é desagradável pra você. Algo lhe incomoda, sim, mesmo que pouca coisa. Aliás, muito normal que você se incomode um pouco, o convívio constrange, uma vez que você dá e não tem um pouquinho de retorno afetivo. Quando damos algo, um mínimo de reconhecimento esperamos. E isso é normal, reconhecimento é um sentimento difícil nas pessoas. A ingratidão machuca. Parece que somos usados.

      Você conquistou muita coisa sozinha e isso é elogiável. Mas você é forte, dá pra ver. Acho que é por aí... As meninas são filhas dele e você é cordial e educada. Não está bom? Quanto à culpa dele referente às filhas, você não tem participação nisso.

      Olha, amiga, como escrevi no texto, é uma das coisas mais difíceis, pois enteados não sentem amor pela companheira do pai e vice-versa. São pessoas que se cruzaram na vida por acaso. O interesse se dá é entre um homem e uma mulher que se amam.

      Resta acomodar as coisas da melhor forma possível, afinal, todos vivem juntos. Se nascer um sentimento mais forte de carinho, camaradagem, respeito... está mais do que ótimo.

      Beijo pra você.

      Excluir
  51. OLÁ, GENTE...
    Coloquem um NOME para saberem para quem estou respondendo!

    ResponderExcluir
  52. Anônimo18:00

    Ola amiga! Minha historia é o seguinte eu namoro ha 3 anos com um homem que Tem 2 filhos. Eu vejo eles fds quando geralmente passam na casa do pai e sei que o pai quando a gente casar querr que os filhos venham morar com a gente só que sou muito ciumenta e eeles tbm é um menino de 9 e uma menina de 6 alem disso a maae faz um pouco de inferninho colocando coisas na cabeca deles...eu estava achando melhor eles continuarem morando com mae pra ver se dao menos problemas, nao acham?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, amiga; falando francamente, você já deu a resposta! Dê uma lida nas perguntas e respostas acima que você vai chegar à conclusão certa! Se podem ficar com a mãe, penso ser melhor para o relacionamento de todos. Você mesma está contando que a mãe já faz um inferninho...

      Excluir
  53. Olá queria, adorei suas página.
    Eu tenho 21 anos, sou casada há 1 ano, com um homem de 33 anos, e ele tem uma filha de 5 anos, de um casamento anterior, que durou aproximadamente 9 anos.
    quando a ex mulher dele descobriu que ele estava namorando comigo, veio na casa dele arrumou qualquer motivo pra discutir com ele, seria em um dia, fora do dia estipulado para ficar com a filha deles, que ela precisava sair, só que ele também precisava sair, e o pior que ela ligou perguntando se ele iria ficar ele disse que não poderia,e mesmo assim veio fazer uma barraco.
    Resumindo era tudo como ela queria, e começou a mudar essa historia quando ele começou a namorar comigo. E isso que ele começou a namorar comigo depoiis de 1 ano separado.Ela parece não aceitar a separação, ou aceitar que ele pode sim reconstruir a vida dele. Ela quem quis se separar talvez tenha ocorrido um arrependimento da parte dela.

    ResponderExcluir
  54. E a minha enteada dormia com ele na cama dele, depois que conheci ele, fiz com ele comprasse uma caminha pra ela, e como ela tem o quarto dela, dormisse lá.
    E te digo demorou muito pra ela se acostumar, como na casa do avô ela dorme com ele, e na casa da mãe dela também, ficou mais dificultoso ainda. Ela inventou um dia que os ursinhos de pelucia queria morder ela, inventou que tinha que trocar o dvd toda hora, que não conseguia dormir. No começo meu marido ia toda vida, quando ela chamava, hoje em dia não vai mais, ele viu que era pura manha. E conversou com ela explicando ela, precisa ficar no quartinho dela, que ele fez com todo amor do mundo pra ela, comprou uma cama pra ela linda, e tudo. Mas até hoje ela chama por motivos nada fortes.Ela chupava bico, com 5 anos. REALMENTE tinha que parar.
    Meu marido uma dia conversou com a ex dizendo que ela deveria ajudar que ele queria que ela parasse de usar bico, sabe o que ela disse: Se entortar o dente, se coloca aparelho.
    Daí aqui em casa, conversamos um monte com a enteada pra ela desistir de usar, mas estava muito dificil porque o avô também dava o bico, ia até comprar quando ela esquecia de trazer.
    Um dia ela esqueceu, meu marido foi conversar com o pai dele, e disse pra ele não comprar que ela consegue dormir sem bico, resumindo ela parou de usar;A menina quando vem pra cá é muita MANHA. E isso te digo que me incomoda MUITO, porque meu marido, vai pro banheiro ela vai atras, vai pro quarto ela vai atras, vai pra cozinha ela vai atras, não brinca quando ele está com ela, não desgruda, e ainda fica em cima direto do pai. Já conversamos com ela, e explicamos que ela não vai perder o pai, que ele nunca vai abandona-la;Mas não adianta. Ela continua a ficar em cima, esses dias fomos a praia e ela não quis brincar, queria ficar em cima do pai, e inventou desculpas dizendo que a agua do mar estava suja; Quando ela ve uma amiguinha brinca, mas logo quer o pai. Acho pura obsessão isso.Pois ele já afirmou o amor dele por ela, mais ela insiste em ficar em cima, ele agora começou a cortar pois está percebendo que ela está deixando de viver a vida criança por essa obsessão de ficar com o pai.Ela é bem apegada no avô também, mas não é esse grude com ele, ela brinca e tudo. Não fica em cima, comigo ela brinca também não fica grudada também.
    Ela é uma criança boa, eu adoro ela mesmo, é quietinha e tudo.A mãe dela é uma relaxada, a menina vem com unhas grandes e sujas, roupas sujas, ela enche a menina do perfume dela catinguento, ela tem corrimento com 5 anos, fez uma cirurgia no ouvido e a mãe dela nunca voltou pra saber se ficou tudo certo, um dia a menina estava andando com ela,ela puxou a menina tão forte que ela caiu e ralou o joelho. É puramente egoista.Ela tem 26 anos.E vive deixando a menina com a avó materna. A menina fica o dia todo na creche, sendo q ela só trabalha no periodo da tarde, mas ela prefere ficar cossando do que ficar com a filha.Mas fazer o que é mãe que ela tem =/Meu marido é um paizão sabe. E ela (ex) fica tacando na cara dele, dizendo que ele rejeita a filha e tudo e não é verdade. É que quando as coisas não são feitas da forma que ela quer, ela faz um barraco. O dia já foi estipulado pelo juiz, mas antes disso ela dizia que não ia deixar mais ele ver a filha. Faz muita alienação com a menina.Agora meu marido mudou muito não deixa ela montar em cima mais, mas como é filha ela usa esse sentimento pra fazer o que ela quer. Está com o orgulho ferido.Tenho pena da minha enteada que tem um ser humano tão egoista como mãe.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Michelli, deu pra ver que entre você e seu marido está tudo em paz. A menininha está carente, é lógico. Sente segurança no pai, uma vez que se vê meio largada pela mãe. Você não acha que o bico tem a ver com insegurança? Essa fase vai passar, é um processo.
      Veja, a referência forte dela está no pai, natural que ande atrás dele o tempo todo, tem medo de perdê-lo mais outra vez, achando que por ter se separado da mãe, vai separar-se dela também. Já tentou uma psicóloga pra ela? Seria bom fazer uma avaliação.
      Sua relação com a criança é ótima, muito bom isso. O maior problema é a mãe. Mas você sabe 'levar' bem, to sentindo...

      Beijos pra você.
      Volte sempre ao blog!

      Excluir
  55. Oi Tais,
    Então é complicado arrumar uma psicóloga pra menina porque ela fica mais tempo com a mãe.
    Como que o pai pode fazer para diminuir essa insegurança?
    Sim meu maior problema é a mãe, eu não sei se é orgulho ferido ela faz essas coisas, ou arrependimento de ter perdido uma pessoa boa.
    Já tive várias discussões com meu marido por causa da filha, por ele tem uma culpite aguda, e defende tudo em relação a menina,mesmo que ela faça algo errado, ele arruma um jeito de defender;
    E eu tenho muito ciúmes, por causa que ela fica em cima, quando ela fica em cima dele, naturalmente eu me afasto e fico com mais ciumes ainda. Como posso agir?
    Eu pensei em arrumar uma psicologa pra mim. Porque meu ciumes é muito forte,
    consigo controlar, e as vezes estouro.
    Ele (marido) no começo criava ela como se fosse um bebêzinho, e comecei a mostrar pra ele que ela está crescendo, e que precisa de limites, ainda mais nessa relação de ficar em cima, porque ela não pode deixar de viver pra ficar em cima do pai.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mika? Será a Michelli de cima? Não mudem o nome, fico confusa!!

      Mika, é lógico que não é normal a menina em cima dele, você tem toda a razão. Mas tem de ver por que a criança está agindo assim. Me parece que ela quer o pai só pra ela. Toda a atenção. A menina está com problemas. Mas tem de colocar um fim na situação que é anormal. Existem pais que têm a maior dificuldade de contrariar algo que sabem estar errado: não é não! E pronto. Endurecer um pouco não vai causar danos na menina. Tem de haver um limite, e o limite quem traça são os pais, nesse caso, o pai.
      Não é brigar, Mika, penso que todos estão estressados, incomodados e não sabem o que fazer: o primeiro gesto é de briga, quando a cabeça é que deve entrar na jogada, pensar o que fazer! O pai não deve permitir, me parece que está tentando. A situação é delicada, acho que deveria ser explicado pra menina que isso está errado, que ela não é bebê pra ficar no colo sempre ou por cima como você diz. O ruim, Mika, é esse seu ciúmes, ela é uma criança carente e filha de uma pai culpado. Ciúmes de quê você tem? Pense, amiga! Você é jovem, inteligente, e está enfrentando um problema, de pai e filha, que precisa ser resolvido. Não coloque mais uma lenha na fogueira. Ajude, sei que não é fácil. A Culpa é algo que desestrutura, é um sentimento horrível. Se você conseguir resolver esse ciúme bobo, vai ver que seu marido vai melhorar, vai topar conversar mais, até lhe ouvir. Mulher ciumenta perde a capacidade de raciocinar.

      Beijos, confie no seu taco.
      Conversar é sempre bom e muita gente vai tirar proveito dos papos aqui.

      Excluir
    2. MIKA, esqueci... você falou numa psicóloga pra você... acho uma boa, o primeiro passo para nossa cura, é querer ir, é saber que estamos com problemas. Isso já é meio caminho andado! E por que não, se é algo que vai ajudar?
      Bjs.

      Excluir
  56. Anônimo09:26

    Olá Tais, Sou Gabriella Seccorami, li todos os posts e suas respostas e gostei muito do seu blog, e gostaria também de colocar minha situação, estou convivendo faz 3 anos com meu marido e de brinde o enteado, que atualmente está com 16 anos, bom no início não tenho muito o que me queixar nos víamos de vez em quando e num período de tempo curto, a não ser quando viajamos. Tudo começou em uma viagem que fizemos e a criatura esperava ser chamada a atenção para escovar os dentes, acordar, tomar banho enfim um saco, nem o pai aguenta, depois disso sempre que vem em casa começou a exigir, tv, refrigerante, idas ao shopping e etc, porém meu marido sempre o alertou que não temos essa rotina em casa e por isso ele também não terá vindo aqui. Irá onde formos e ponto final. Pra piorar a situação a mãe do menino e o padastro dele (que também não o aguentam) fizeram o barraco em casa com ele e quase o surraram, então meu marido foi buscá-lo e desde então mora conosco, só que assim ele passou 4 dias sem tomar banho, defeca e não dá descarga, (ele tem o banheiro de uso exclusivo por causa da falta de higiene) ele come e deixa tudo sujo, depois usa mesmo sujo porque ninguém lava nem ele, o quarto que dorme fede, pois as roupas estão sujas e não se preocupa em lavá-las, está ficando mal educado, debochado e não larga do celular, realmente não estou dando conta do recado, perco a paciência e quando eu chamo atenção me olha com aquela cara de quem vai continuar provocando. Não sei mais o que fazer. Meu relacionamento com meu marido está igual, ainda bem, acho que até melhor, pois ele também não está nada feliz com a situação apesar de ser filho dele. Não é minha obrigação e quando o conheci morava sozinho, mas está ficando cada dia pior, dá impressão que a mãe manda ele fazer essas coisas, só pra nos tirar do sério.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo13:52

      Olá Tais, demorei para ver sua resposta mas aqui estou, é na verdade alguns amigos já nos indicaram a fazer terapia, porém na correria do nosso dia a dia ainda não foi possível pensarmos em algo assim. Nesse meio tempo em que te escrevi te confesso por algumas vezes já pensei em sair de casa, porque a convivência estava piorando, acabei ficando com o menino uma semana em casa (minha mãe, eu e ele)e olha o primeiro dia eu tive vontade de despejá-lo na casa da mãe dele, brigaamos o dia todo, visto que eu não tenho responsabilidade nenhuma sobre ele, mas os outros dias até que foram mais tranquilos, as regras eu já as havia expostas no domingo quando chegou da casa da mãe dele, só na terça é que foi começar a cumprí-las, regras como: não tomar banho por mais de 15 min, comer e limpar as objetos que sujou, tem o banheiro que ele usa também o lavou e a roupa que estava suja, por mérito ele tirou um dia para ficar tranquilo, e assim foi o restante da semana, até que o pai voltou, acredita que o café já estava posto a mesa e a criatura estava dormindo ainda (as 18:00) fui chamá-lo pois o pai dele acabara de chegar e para tomarmos café, ele simplesmente sentou-se a mesa e nem olhou para o pai e já foi servindo o café. Pois é e tudo se complicou novamente. Mas com certeza procuraremos recursos para melhor lidarmos com essa situação, pois estou com 35 anos e até agora não tive filhos, então não tenho a mínima experiência, minhas prioridades sempre foram outras, e nenhum de nós dois sabemos ao certo como agir, vamos ver no que dará. Um abraço bem apertado da Gabriella Seccorami

      Excluir
    2. Olá, Gabriela, nem vou perguntar como vai você... todos os depoimentos aqui expostos, sempre servirão para ajudar alguém. O seu, creio que não é coisa da mãe do menino, uma vez que já houve o 'quebra' na casa dela. Vejo que o problema tá com o menino, rebelde, sujo e debochado – como você disse. Uma maneira de mostrar toda sua insatisfação e sua revolta. Está doente, não há dúvida. Se fosse normal não agiria assim. E mais: na pior fase, na adolescência - juntaram-se dois problemas. Quando fazemos um bem a alguém, o mínimo que esperamos é gratidão, mas no caso de normalidade, caso contrário pode haver 'raiva'.

      É difícil um enteado não incomodar pela cruz que traz consigo: a separação dos pais e o 'cacarejar' da mãe, dos amigos, dos parentes. Essas situações desestruturam a todos.

      Já tentaram uma conversa 'calma e sem atirar a culpa no garoto', mostrando que a atitude dele vai piorar o relacionamento? E que você não é a mãe, que não tem obrigação de aguentar a rebeldia? A situação não é fácil na sua casa, aconselho uma consulta sua e de seu marido à um psicólogo narrando o fato. O menino já tomou conta, já mostrou sua maneira de viver, quer dar as cartas, resta saber se concordará em fazer uma terapia.

      Um abraço, amiga.

      Excluir
    3. PARA GABRIELLA SECCORAMI:

      Oi, Gabriela, desculpe, não consegui postar a segunda resposta no lugar certo, algo aconteceu por aqui, na divisa dos comentários.
      Não tem dúvida que o menino tem vários problemas. E esses devem ser levados para um psicoterapeuta para ver o que está acontecendo com ele. Ao meu ver nada errado com você. você só está pedindo o mínimo para melhorar um relacionamento entre duas pessoas que não são ligadas nem por amizade, nem por sangue. Vá você e seu marido sozinhos fazerem uma consulta, com certeza o médico dirá coisas importantes.
      Que bom você ter retornado, mas desculpe a resposta ter saido de lugar.
      Um beijo, retorne.

      Excluir
    4. Anônimo14:31

      Olá Tais,
      Então, hoje estou um pouco mais tranquila e quero partilhar contigo.
      Eis que ano passado cheguei a fazer terapia, meu marido não quis disse que não iria resolver nada, porém nem tentou. Bom já no 1º dia para minha surpresa após ter chegado em casa, deparo-me com um e-mail sobre o suicídio de uma adolescente de 15 anos, onde o amigo responde a pergunta da mãe dele que não entendia como que uma menina que tinha tudo acabou com a própria vida, ele respondeu a ela: o principal ela não tinha AMOR dos pais. Isso mexeu muito comigo e decidi conversar com o menino, expliquei que não aguentava mais a situação e que precisávamos selar a paz, deu certo até um tempo, ai ele voltou na mesma, fazendo as coisas conforme lhe convinha. Começou o arranca rabo outra vez. Como ele nunca gostou de ficar aqui em casa ele procurou trabalho e conseguiu, porém uma semana antes de iniciar, eu peguei o jeito de lidar com ele e assim invertemos os papéis. Ele não aguentou e pediu para a mãe dele para voltar para casa e ela concordou. Bom fiz a minha parte, pois até correr com ele para entrevista e treinamento eu fui. Depois que foi embora só lembrou que tinha pai 5 meses depois, que foi quando o padrasto e a mãe bateram nele, dai foi se chegando novamente, vinha passar o final de semana, ai ficava 3 dias, na outra semana 5, até que as aulas começaram. Só que assim eu não consigo aceitá-lo, quando ele vem eu fico braba, não consigo nem olhar para a cara dele e volta e meia discutimos. Agora meu marido conversou comigo e disse o seguinte, que ele está querendo muito a aproximação com o filho (quer tirar os 17 anos que não teve com o menino) e que a casa também é do menino mas que a situação está ruim dele vir aqui comigo em casa, e então me pediu para que quando o menino vier eu vá para a casa de alguém passar o final de semana, confesso que no momento me deu muita raiva e mais ainda do menino e uma vontade gigante de pegar tudo que é meu e voltar para minha casa. Mas eu e meu marido passamos o final de semana sozinhos e ele foi muito carinho e amável comigo como sempre foi e decidi então dar uma trégua e fazer o que me pediu. Só que assim uma amiga minha já tinha me alerta sobre começar um relacionamento com alguém que tem filhos e eu não dei ouvidos e hoje me arrependo amargamente, não pelo meu marido que amo muito e sempre me tratou hiper bem, mas por todo o mal que tudo isso tem me causado, pois eu fiquei muito mal ano passado e tive que até parar de trabalhar para me recuperar, quase que me deu derrame para você ter ideia, mas agora já estou melhor graças a Deus. Um abraço bem grande para você que nos lê com tanta paciência os nossos desabafos, ninguém sabe o que realmente estou passando.
      Beijos
      Gabriella Seccorami

      Excluir
    5. Olá, GABRIELLA! Nem preciso perguntar como está você, né?
      Mas você fez terapia? Quanto tempo? E o que o médico lhe disse?
      Olha, você tem de cuidar do derrame etc, certas incomodações, muito grandes, trazem perigos. As doenças não vem de graça. Se você está levando bem essas saídas de sua casa nos fins de semana, se não estão lhe causando problemas emocionais e se isso for menor do que outros problemas, não preciso lhe dizer nada, você é que tem de sentir e administrar isso da melhor forma. Tenho visto que muitos palpites de fora, na vida de alguém, pode trazer mais problemas futuros. Então siga seu coração e sua razão. Quando perceber que não dá mais, mude. As mudanças nunca são definitivas! Podemos mudar sempre. Cuide da sua saúde.
      Beijo, muita paz pra você!

      Excluir
    6. Anônimo11:40

      Oi Tais, então eu fiz uns 4 meses de terapia e acabei parando por não estar mais trabalhando, a situação financeira tende a ter certas prioridades então. Bom na época a psicóloga me passava a cada atendimento alguns exercícios para praticar em casa, exemplo: falar mais baixo com as pessoas, conversar mais com meu marido e outros mais, até que foi interessante. Na verdade não precisei sair de casa em momento algum até agora, mas sinto por parte do meu marido que realmente não me quer junto quando o menino está com ele. Tivemos uma conversa séria uns 4 dias atrás e ele me disse que não quer casar-se comigo na igreja e nem ter filhos comigo por causa do filho dele. Ele disse assim que por que eu terei que gostar de um filho meu e sendo que não gosto do filho dele? Estou cuidando da minha saúde, mas confesso que tem momentos que dá vontade de desistir de tudo.
      Beijos Gabriella Seccorami

      Excluir
    7. Oi, Gabriella! Diga, você está conversando com o menino? Ele não melhorou depois de sua nova atitude mais amiga, mais calma? Seu marido notou seu esforço para manter a família em paz? No início vocês não iriam casar e ter um filho? Estou vendo que algo mudou. Talvez a atitude de seu marido, quanto a outro filho, se dê devido a essas coisas, esses desacertos tão difíceis. Mas penso que você não precisa sair de sua casa quando o menino for, apenas crie um ambiente de cordialidade. Faça suas coisas normalmente, procure não discutir, deixe eles mais sozinhos, vendo TV, jogando, indo no shopping. Se sua presença não for requisitada, fique fazendo suas coisas, também. A gente não precisa ficar 'grudada'. Dê espaço pra eles. Não sei se você me entendeu.

      Bjos!

      Excluir
  57. Nilzete16:24

    Olá meu nome é nilzete estou também deste mesmo geito eu quando me casei com meu atual ele ja morava com os filhos dele um com 18 anos e o outro com 15 anos sabe eu nem imagina que seria assim dizem que que ve cara não ve coraçao é verdade eu agora estou conhecendo eles melhor meu esposo ele é um homem que tem muita paciencia é se ele não tivese ele não teria cuidado dos filhos sozinho ele cuida deles desde que um tinha 10 anos e o outro tinha 8 anos mas gente eu não acho justo a maneira que ele cuida meu esposo fala eles responde não tem coragem de arrumar a propria cama áinda bem que o quarto tem porta porque se não pensa numa bagunça eu nem entro dentro do quarto deles sabe quando eles toma banho não puxa nem a agua do banheiro fica aquela porcaria infelizmente eu ainda não tenho o meu banheiro eu sou obrigar a usar o mesmo banheiro que eles um horror eu trabalho das 8 da manha tenho 1 hora e meia de almoço e saio a tarde do trabalho as 18;30 chego em casa quase 19; horas todos dias o unico tempo que eu tenho é o sabado então acumula tudo, mas eu tomei uma decisão não lavo mais roupa de nunhum deles so lavo a do pai deles eu acho que é por isso que eles não gosta de mim mas fazer o que eu também não gosto deles não sinto odio eu não tem uma boa relaçao com eles sabe me incomoda tocando violão se escuta na onde estou quando estou assistindo tv quando não é o violão é o computador que ficar com o alto falante quase no ultimo entra dentro de casa com os sujos sem falar que ja levanta com uma cara que ele quer matar alguem eu acho que seria eu mas ele não pode fazer tem que conviver, falo com o pai dele mas sabe ele acha que os filhos sempre precisa de defesa mas não é nem uma criança mais eu chego em casa fico na minha mas tem dia que eu falo um monte para o esposo estou me desidindo ir embora para casa da minha mãe eu estava tão bem eu acho que enquanto ele fazer assim com eles passar a mão eu nunca vou ter paz e eu preciso dela na minha vida as vezes eu penso em desistir mas eu gosto dele mas eu penso e a minha vida quem vai viver ela pra mim quem está fora nem imagina o que acontece so eu sei a mãe não ta nem ai fez os filhos e deu para ele cuidar a ele aceitou de boa mas eu ja estou arependida estou querendo ir embora quem sabe assim viver a minha vida a mãe deles tem um outro marido, ele não acita nenhum morar com eles então fica com o pai no começo eu fiquei meio assim que eu tinha medo de não dar certo ele disse não se não der certo eu alugo uma casa e vamos morar juntos.Resumindo não ta dando certo estou desistindo do meu casamento que ja tem 1 e 8 meses por favor me ajude. abraços Nilzete

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Nilzete, também já sei como você está... Calma, amiga, entendi tudo. Mas pelo que você diz, seu marido falou se não desse certo, alugariam outra casa, não? Mas pelo que vejo os meninos são menores de idade. E como fica? Não é tão simples assim, uma vez que a mãe não quer nem saber. Fale com seu marido, mas num lugar em que os filhos não estejam, quando saírem pra dar uma volta e de cabeça fria. Fale o que você está sentindo, não esconda essa sua dor. Afinal, não é você que tem de achar uma solução sozinha, penso que os dois, pois os filhos são dele.
      Sua vida deve ser vivida com alegria, com prazer, e não com sacrifício e trabalhando adoidada. Isso não é vida, amiga. Mas fale, procure a solução com seu marido. E não deixe pra depois, as mágoas crescem e viram outro sentimento, não deixe chegar nesse ponto. Alivie seu coração. A única coisa que temos de correr atrás nessa vida é a paz de espírito.

      Abraço pra você.

      Excluir
  58. Nilzete13:23

    Que lindo você me respondeu obrigada pela resposta, foi o que fiz ontem a noite cheguei em casa estavamos so nois dois falei com ele, fiz uma prosposta pra ele falei com ele que eu não queria largar dele porque eu o amo muito mas também falei pra ele que do geito que está não adianta nem continuar os meninos sempre estão de cara fechada sabe quando você ve que a gente não desce na garganta deles eles tem que me aturar por causa do pai eu fico com dó dele ele faz de tudo pra mim olha até de ir pra cozinha e fazer um copo de leite pra mim ele faz eu amo ele demais mas ele fica entre a cruz e a espada nem pucha de um lado e nem do outro, ele ja falou ja conversou com eles sabe por muda por um tempo mas logo volta tem uma questão que não coloquei acima eu tenho uma filha de 15 anos ela mora comigo e els não se dão bem ela não quer mais ficar na casa do meu esposo ela que ir embora de toda maneira ela gosta muito do padrasto mais que o pai dela so que ela nã oquer mais conviver la na casa os meninos fala mal dela eu penso que o que eu estou vivendo está prejudicando ela, ela é tão linda hahaha e coisa de mãe eu falei com o joão o meu esposo e se a gente morar em casa separada a gente vai se ver menos mas nãa vai ter briga ele mandou eu ver o que eu acho eu tenho medo, depois que eu for embora ele não ir na onde eu estiver em outra casa, sabe é muito sistematico ele pensa eu casei é pra morar comigo e não um em uma casa e outro na outra casa mas eu vour com ele e depois te conto, mas se ele aceitacem seria até eles completarem maior idade quando tiver trabalhando por ai sim eu viria a morar junto com ele so ele. Se puder me responder ficaei grata novamente.Um beijos abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Nilzete, claro que eu iria lhe responder.
      Olha, a coisa mais difícil na vida é tomar decisões. Mas o bom de tudo é a 'qualidade' do que nos propormos a fazer. E não a 'quantidade'. Se for apenas pela quantidade, dá errado. Enche, satura. E o que não é pra ser, não será. A qualidade de vida que devemos ter é que vai aumentar nossos anos de vida sem doenças. Viver constantemente estressada é esperar uma bomba logo adiante. A gente entra num relacionamento é para dar certo, para ser feliz. Se está muito ruim, modifique. A paz, amiga, não se troca por nada.

      Boa sorte no que você decidir. Converse com seu marido para ver as alternativas. Pode surgir algo diferente.

      Excluir
  59. Anônimo00:07

    LIRA

    estou casada a 2 anos e tenho infelizmente um enteado de 8,que graças a deus não mora conosco!!!os pais o mimaram muito e o pai dele acha que é obrigação minha fazer isso tambem,mas nem com minha sobrinha eu sou assim...hoje(praticamente pascoa)estou sozinha e foi assim nos dois anos anteriores.me senti mas magoada quando em agosto do passado minhas amigas fizeram um aniversario surpresa para me na casa dos meus pais e ele não estava porque a criatura não quis ir...estou carente(já)e arrependida,não imaginava que ia ser horrivel assim!!!e ainda por cima tenho que fazer o aniversario da criatura!é muita falsidade junta...

    espero que me entenda...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, LIRA, sim, sei como você se sente, não é nada fácil. Dá pra ver seu sofrimento. Amiga, tudo na vida tem um jeito, não desanime, tente vários caminhos. Dizem que o mais difícil na vida é tomarmos decisões. Tenho certeza que você achará um caminho. Converse com alguém de sua confiança, que veja as coisas dos dois lados; o que está certo e o que está errado. Mas você tem algo positivo: o menino não mora com você! O incômodo é menor, veja nos comentários acima, e tire suas conclusões.

      Beijo pra você!
      Retorne.

      Excluir
  60. ninha14:58

    Oi Tais, acabei de conhecer mas já amei seu blog.
    Tenho 36 anos e namoro com um cara 18 anos mais velho que tem 2 filhos, rapaz de 28 e uma moça de 24.
    O rapaz é ótimo, super na dele, não interfere em nada mas a filha desde que me conheceu vive vindo dormir na casa dele, todo fim de semana! A desculpa é que vai sair com as amigas que moram perto.
    Nos damos bem (apesar de que não quero muita aproximação), porém essas visitas todo fds têm me tirado do sério. Ela sempre vem dormir na casa dele o que acaba tirando a nossa privacidade. Ele diz que não gosta, que vai conversar com ela mas não faz nada..todo fds essa estoria se repete.
    Além disto, eu me preocupo muito com o futuro pois um dia desses falando em morar juntos ele me disse que nossa casa terá 3 quartos, o nosso, o do nosso filho que esperamos ter em breve e um de visitas, para parentes e para os filhos dele. Não sei se agi bem mas na hora fui direta, sincera e precisa: não vou aceitar seus filhos dormindo aqui.

    Gostaria de saber o que acha dessa minha reação.

    Um abraço e tudo de bom!

    ResponderExcluir
  61. ninha15:01

    Ah! Esqueci de dizer uma coisa: ela nunca avisa antes, chega a hora que quer, aparece de última hora.

    Conversei com minha antiga terapeuta (só não estou em terapia ainda com ela pq mudei de cidade) que me disse que pela descrição isso pode ser para me desestabilizar, mesmo que seja inconscientemente. Será??

    Como nós moramos muito perto (eu e ele), acaba tirando toda a minha privacidade tb.

    ResponderExcluir
  62. Oi, Ninha: veja bem, você nem está morando junto, e o problema já começou! Penso o seguinte: ele é o pai da moça e por ser já adulta, com 24 anos, é uma situação difícil. Já deu as letrinhas do 3º quarto... e mais: a moça já está na casa do pai, já é de casa nos fins de semana, percebeu? Como reverter a situação? Ela não é uma menina, tem 24 anos. Adulta. Talvez namore e case logo. E adultos quando se atritam a coisa é mais séria.

    Você já sabe como vai ser a coisa. Mas me parece que a moça não lhe afronta, mas vai toda a semana para a sua casa. Aí vem a pergunta: como um pai vai chegar e dizer que não quer a filha dormindo por lá? É muito difícil. Isso trocaria de figura se a casa fosse 'sua'; se fosse um apartamento pequeno. Pelo que li, vocês moram perto: você na sua casa e ele na dele. Não teria outra solução?

    Esse é o preço que se paga numa união em que um dos cônjuges tem filhos e os filhos são pequenos ou solteiros. Se seu marido falar para a filha não ir dormir, vai 'gerar um problema enorme pra você da parte dela', vai sentir-se rejeitada, desvalorizada, ofendida e tá feito o rolo. E vai colocar a culpa em você. Pensou nisso? Eu vi situação semelhante.

    Mas de qualquer maneira é melhor acertar as coisas antes! Tente você ver uma saída com outros olhos. Não digo que você não vá passar por constrangimentos, aborrecimentos até a curto prazo. Acho que você tem de abrir o jogo, sim, mas com poucas perdas. Mas vá com tato, com faro de perdigueiro! Fale mais com seu companheiro, pense, examine, pese... pode haver alguma solução. Vale a pena continuar a sua terapia de apoio. Dê uma lida nos comentários acima, é uma escola...

    Beijos, boa sorte!

    ResponderExcluir
  63. ninha09:18

    Oi Tais, muito obrigada pela resposta.

    Adorei a forma sensata como falou. Concordo com você em tudo, penso nisso também, se ele falar com ela, a "culpada" serei eu.

    As vezes sinto que ela age assim para se fazer presente, pode ser ciumes do pai, uma forma de querer mostrar que ela é a mulher dali, até o comportamento quando está lá demonstra um pouco disso. (ex se joga no sofá, ocupa muito espaço, coloca as coisas dela espalhadas no quarto do pai, etc)

    Li todos os posts daqui e adorei, esse foi um dos motivos de eu ter mandado essa msg. Reconheci semelhanças com a minha estória em vários, o que li aqui pode ser o meu futuro e é justamente isso que estou tentando evitar.

    Eu e ela nos damos muito bem (pelo menos aparentemente) e gosto mesmo dela, parece uma amiga, desde quando conheci. O problema é que evito contato com o pai na frente dela, a presença só me incomoda por isso, pq preciso me conter.
    Daí me pergunto: será que preciso me conter mesmo? Será que a errada não sou eu por não agir naturalmente? Isso talvez evitasse essas visitas, talvez fosse bom para ela ver..mas também talvez machucasse.

    Vou voltar a terapia para que me ajude a continuar esse relacionamento da melhor maneira possível, evitando confrontos e conflitos.
    Quero muito ficar com ele mas quero viver em paz, por isso estou buscando conhecer melhor esse mundo para ver como podemos nos ajustar e ter uma vida feliz.

    De qualquer maneira as idas não me incomodam, nem me sinto no direito de intervir, a casa é dele. O que me preocupa mesmo é ela querer fazer isso quando a gente estiver morando junto, aí será diferente, vai ser a minha casa e não quero os filhos dele dormindo/morando lá. Sei que são filhos dele mas são adultos, um até casado com filhos, se fossem crianças eu não agiria assim, mas dois adultos crescidos e cada um com seu apt não precisam ficar dormindo na casa do pai com a nova mulher. Até o fato de serem adultos tira toda a minha privacidade.
    Estamos pensando em vender os nossos apt para comprar um para nós dois...mas penso muito nisso. Hoje vivo em paz, e quero continuar assim.

    Como você falou, quero mesmo é acertar as coisas antes, para depois não ter brigas dizendo que sempre aceitei e agora estou mudando.

    Mais uma vez, muito obrigada pela ótima resposta.

    Um abraço fraterno
    Regina (ninha)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ninha! É claro que respondo sempre; dou meu ponto de vista, procurando ver os dois lados, lógico que de maneira nenhuma cobrirá a análise de uma profissional da área.
      Você tocou em dois pontos importantes: em ser você mesma, em não precisar se conter e pergunta se está errada. Olha, talvez as coisas estejam dando certo justamente porque você não está se 'espraindo', demonstrando tudo que é de sua vontade. Os filhos tem pai e mãe encravados na retina e no coração. Gostariam de não vê-los separados. E você está agindo com cautela, não fazendo grandes demonstrações que bem podem ser feitas noutro lugar, noutra ocasião. É uma forma de respeitar a 'filha'.

      Outro ponto: irem para um apartamento menor onde poderão começar a vida sem problemas dessa natureza. É uma medida preventiva, não acha? Que almocem juntos etc e tal, mas depois cada um na sua
      vidinha. Sinto, pelo que você contou, que gosta dela e são boas amigas. Isso é ótimo, o bom é que continue, só que, você ainda não está de dona da casa, me entendeu? O dono, por enquanto, é o pai dela, e ela sabe disso. Por isso que está lá todas as semanas dormindo, para ela, ela está dormindo na casa do pai.
      Escreva quando quiser, estou por aqui tentando ajudar um pouquinho, quando possível.

      Um beijo, carinho.

      Excluir
    2. ninha17:02

      Oi Tais, tudo bem?

      É sempre muito bom ter uma opinião que veja os dois lados.
      Fiquei muito feliz com a sua msg, acho que se eu tentasse colocar as minhas intenções em palavras, não sairia tão perfeito.
      Uma grande amiga, assistente social me disse exatamente isso, que as coisas estão dando certo, que meu relacionamento com a minha enteada evoluiu muito e positivamente por eu estar respeitando e preservando ela de detalhes que podem ser deixados para depois, quando todos nós estivermos mais amadurecidos.
      Faço isso contra a vontade do pai dela, por ele ficaríamos juntos normalmente, abraçando, dando beijo e de mão dadas, mas eu não aceito.
      E engraçado, ela tb não abraça o pai na minha frente. Em suma, quando estamos juntos o nosso contato se resume a nós duas, o pai fica meio de lado tadinho..rs

      Talvez os anos de terapia, as perdas que tive na vida - principalmente meu pai - e o ciumes que sentia dele, estejam me ajudando a entender o valor do relacionamento deles dois. Se meu pai estivesse vivo, separado e encontrasse uma namorada, eu sei que eu ia sentir muuuito ciumes e ia precisar de um tempo para me adaptar.
      Eu tento não fazer com os outros o que não quero que façam comigo e nisso incluo a postura dele como pai. Se ele se afastar dela, se impedi-la do contato, o que poderá fazer com nosso filho caso a gente venha a ter um e se separe?

      Gosto mesmo dela, desde o dia que conheci, aliás ela foi uma grata surpresa pq a reação no primeiro dia foi completamente diferente do que eu imaginava.
      Entendi o que disse..rs..hoje o pai dela é o dono da casa e ela está na casa dele.
      Mas sabe uma coisa que tenho resistência? O futuro! Não sei pq e queria entender isso, mas não consigo imaginar a presença na minha casa, a convivência próxima, como se fosse invadir meu espaço de mulher. Receio que ao conviver ela queira agir de maneira que não seja de acordo com as minhas regras como dona de casa, porém tenho a impressão que o problema não é esse, deve ter raizes mais profundas e nem ter nada a ver com ela. Mais um tópico para terapia..rs

      Adorei a ideia do apt menor, excelente saída, vou pensar nisso sim.

      Você tem me ajudado muito, obrigada!

      Beijo fraterno
      Regina (ninha)

      Excluir
    3. Oi, Ninha! Fico muito feliz por ter ajudado um pouquinho. Tudo que você falou está certo. O bom é poder manter um bom relacionamento e a família viver em paz. Nada é mais importante. Uma coisa é certa, amiga: a gente só pode mandar é na casa da gente! Entendeu, não? Claro, rsr. Por isso aquela ideia do apartamento...

      Grande beijo, escreva sempre.
      Sorte e felicidades!!!

      Excluir
  64. Anônimo10:34

    3 anos casada, tenho uma filha de 10,do primeiro casamento que mora conosco e a enteada de 8 anos mora com avós. Fruto de ficadas com uma mãe sem juízo, os avós tomaram para criar. Conheci meu marido ela tinha 4 anos e quando me viu, grudou no meu pescoço,amor a primeira vista. Ele nunca teve autonomia na educação dela, sempre foi como o irmão mais velho da filha. resolvemos morar juntos, eu montei o quarto para as duas e soube que ela não viria. Sofri muito, mas confiante que um dia ela viria. Ela me pediu para chama-la de filha, quando me chamou de mãe perto dos avós eles quase enfartaram, parecia que a menina tinha cometido um crime, só depois descobri que fazia parte de um pacto com a mãe que a abandonou. Mesmo de longe, quem ditava as regras era ela tb sofri muito com isso.O tempo foi passando e ela desabafou dizendo as coisas horríveis que os avós falavam a meu respeito para que ela não viesse viver conosco. Foi o fim pra mim e para ela também, pois meu sentimento foi ferido de tal forma que passei a me incomodar com a presença dela. Foi como se ela fosse a culpada, e a cada dia passei a sofrer toda sexta-feira antes de sua chegada. Comecei a enxergar coisas que não via, me incomodo da relação dela com a minha filha e faço de tudo para tornar o clima ruim para que ela desista de vir. Antes eram todos os finais de semana, agora é mais esporádico. Sei que ela não tem culpa, no entanto não consigo nem ouvir a voz dela que fico estressada. Ela é extremamente mimada, tem tudo o que deseja e é uma criança que até bate na avó,recusa usar uniforme escolar, tem gastrite de tanto tomar refrigerante e comer lixo (praticamente não come comida), sente dores fortes na cabeça, de chorar pois fica dia e noite na internet,tem tudo o que o dinheiro pode comprar. Ela esbanja o que tem pra minha filha, que está começando a ficar rebelde, pois eu só dou as coisas se merecer....acredito que meu casamento não tem futuro, pois ele não toma uma atitude, e a minha vontade é de não ve-la nunca mais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Para ANÔNIMA de cima (deixe sempre um pseudônimo para não haver confusão nas respostas).
      Bem, seu caso é bem diferente. Como a sua filha é de seu primeiro casamento, você também aceitou muito bem a filha de seu marido. Tá certo, amor com amor se paga...
      A menina queria uma mãe e você caiu do céu, a abraçou como sua filha. Tinha tudo para ser um conto de fadas. Amor é o que não faltou, de ambos os lados. Mas veio o inesperado: os avós! E a mãe que de longe parecia manobrar. E sua decepção foi grande; difícil de segurar, pois a menina passou a levar o ódio dos avós para você (em relação a você).
      São essas coisas que nos desestruturam, pois com um espírito de ajudar, sobrou pra você. Acho que você não deu muito tempo para ambas se conhecerem, pois passando isso, você foi vendo uma menina problemática, com fortes dores de cabeça, mimada demais, bate em quem a cria (grave revolta), viciada na Internet...
      Resumindo: você está incomodada e com medo do relacionamento dela com sua filha que está ficando meio 'rebelde', também. Sei que tudo foi frustrante pra você. Você foi cheia de amor...
      Quanto aos seu casamento, vá com calma, fale com uma terapeuta, coloque pra ela o problema, pois parece que "a menina está cada vez indo menos". Talvez assim melhore a situação. Nessas horas é sempre necessário ter o parecer de um profissional bom. Capacitado.

      Excluir
  65. GENTE AMIGA, deixem um 'pseudônimo' para as respostas irem para as pessoas certas. E coloquem seus comentários sempre no final, na ordem, e não entre os anônimos de cima. Fica difícil para achar.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ninha15:13

      Oi Tais, tudo bem?
      Antes de tudo mando noticias: por aqui tudo otimo, comecei a fazer psicanalise e estou gostando muito.
      esse meu comentario na verdade é para a pessoa que escreveu acima, a anonima que tem 3 anos de casada.

      Oi anônima,
      li seu post e fiquei emocionada com a forma que falou da menina no começo do seu desabafo.
      Porém, enquanto lia percebi que as coisas foram mudando no seu coração.
      Desculpe me meter, as vezes é bem mais facil quem ve de fora né? mas enfim, sabe o que vi?
      O pedido de socorro de uma criança mas a sua mágoa (que eu entendo) não te permitiu enxergar isso.
      Você disse no seu texto: "Sofri muito, mas confiante que um dia ela viria."
      Ela veio!!! E imagine o que não foi para essa criança ter a coragem de te contar a verdade esperando o apoio da única pessoa que ela via como adulta e que amava ela..e vc virou as costas??? Ela foi contra a mãe e os avós, a seu favor. E vc que tem filha deve saber que para as crianças os pais são tudo...da para entender o que vc representa para ela para ela chegar ao ponto de abandonar a lealdade aos parentes e te contar tudo? Se ela te contou foi pq viu quem vc era!!! Ela veio te pedindo ajuda, pedindo colo, uma criança que deve ter sofrido muito e ter se sentido muito confusa.
      Graças a Deus a sua filha tem vc. Perceba que essa menina te escolheu!!!

      Se você não ouvi-la vai estar afetando não so a ela mas a sua filha também! Vc esta transformando a energia e harmonia da sua casa, afetando o seu lar, a sua filha,o seu marido, a menina e VOCE também, apenas para afastar ela? Ela não fez nada com vc, o contrário, ela confiou em vc.
      "Foi como se ela fosse a culpada" mas ela não é!!!
      Se vc se incomoda com a presença dela é pq tem algo em você que precisa ser trabalhado.

      "Sei que ela não tem culpa, no entanto não consigo nem ouvir a voz dela que fico estressada." -> mais uma vez, não é por causa dela.
      " Ela é extremamente mimada, tem tudo o que deseja" -> ela não tem tudo que deseja, ela pode ter coisas materias, mas isso é suficiente?
      "e é uma criança que até bate na avó,recusa usar uniforme escolar, tem gastrite de tanto tomar refrigerante e comer lixo (praticamente não come comida), sente dores fortes na cabeça, de chorar pois fica dia e noite na internet" -> comportamento natural de uma criança revoltada, querendo atenção, se sentindo rejeitada.
      "Ela esbanja o que tem pra minha filha" -> sua filha tem tudo que ela quer e precisa e que o dinheiro não compra! Sua filha tem uma mãe, tem amor, carinho que ela não tem. E ela quer o seu carinho..então para "descontar" na sua filha e não ficar tão por baixo ela "joga" na cara. É só raiva.

      "que está começando a ficar rebelde" -> se vc continuar agindo assim os exemplos serão ruins, vc esta sacrificando a sua filha pq esta com raiva das avos e da mae da menina? Até que ponto vale a pena sacrificar a educação da sua filha, o seu lar por isso? Plante paz, luz, amor e harmonia...e só isso nascerá na sua casa.

      "acredito que meu casamento não tem futuro, pois ele não toma uma atitude" -> responda a vc mesma, que atitude espera dele? E qual espera de vc mesma?
      "e a minha vontade é de não ve-la nunca mais" -> o que te incomoda não está nela.

      Me desculpe amiga o desabafo mas anos de terapia me fizeram abrir os olhos para o que plantamos na nossa vida hoje, sei que é dificil para vc, senão não estaria colocando a situação aqui..mas pensa direitinho e se puder procure ajuda. Eu fui procurar e estou adorando.

      Um abraço, muita paz, saúde e fica com Deus
      Regina (Ninha)

      Excluir
    2. Oi, Ninha! Que bom que você está fazendo a psicanálise e se dando bem. Fico feliz. O auto conhecimento é fundamental para o nosso envolvimento com os outros. Arrumar as coisas é mais difícil do que desarrumar, mas o resultado é muito melhor do ponto de vista de realização, de sentimento, de cumplicidade e de generosidade. O que vem pode ser mais positivo.

      Deixo você à vontade, diga o que deseja para minha leitora aí de cima que, infelizmente não deixou o nome. Tudo pode ser ajuda numa hora dessas, as cabeças não são as mesmas e nem os envolvimentos.

      Beijos pra você!

      Excluir
  66. AMIGAS, DEIXEM UM 'NOME' E COLOQUEM SEUS TEXTOS SEMPRE DAQUI PARA BAIXO, FICA DIFÍCIL A LOCALIZAÇÃO PARA A RESPOSTA!
    ABRAÇOS A TODAS!

    ResponderExcluir
  67. Anônimo15:34

    Obrigada Tais, , bjs Arlete

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. OK, Arlete, já te identifiquei pelo nome. Espero que tudo esteja melhor.
      Beijo.

      Excluir
  68. Anônimo16:59

    Olá... Meu nome é Renata e tenho 28 anos, sou casada ha três anos e me esposo tem uma filha de 8 anos do seu relacionamento anterior. Vou resumir um pouco a minha história rs Quando conheci meu marido pensava que seria um relacionamento casual, que não iriamos longe pois, não me imaginava tão cedo casar, namoramos, noivamos e casamos dentro de 2 anos, meu esposo teve uma adolescência complicada em casa, irmão mais velho usava drogas, os pais dele são de idade (o pai dele quando ele nasceu tinha 50 anos e a mãe 40) enfim, apareceu a "namoradinha" foram morar juntos (não chegaram a casar ufa rs) e ela engravidou (no começo ele havia me falado que não havia planejado mas, depois disse que sim) ele foi pai com 22 anos apenas, e a mãe havia acabado de completar 18 anos ou seja, o relacionamento acabou antes da menina completar um ano de idade, quando o conheci ele falava muito pouco da filha, mas, depois de alguns meses de namoro conheci a criança, a principio a mãe enlouqueceu e não me queria por perto mas, meu esposo acabou conversando e resolvendo este assunto, ficamos muito amigas e a menina já ate chegou a me falar que eu era a 2° mãe dela rs, o meu esposo e que nunca foi "fã" da filha minha sogra que ficava pedindo a ele pra buscar a neta e quando se casou era eu que falava pra ele ir buscar a filha pois, ele não se importava, muitas vezes até brigamos por isso, pra ele ser um pai presente na vida dela e, em uma dessas brigas ele havia me dito que na maior parte da vida dele atual e como se o passado dele não existisse mais, como se nunca aconteceu tudo isso, e que ele só lembra dessa existência pois é descontado mensal o valor de pensão em sua folha de pagamento, no final do ano fomos viajar e levamos ela, só que a mãe da menina sem motivo algum começou a perturbar e acabamos brigando, eu ela e meu esposo, desde então ele não busca mais a filha, não liga pra saber como ela esta e pelo visto a mãe da menina esta conformada pois, não liga pra saber se ele vai buscar a criança, meu esposo estava disposto a "resgatar" esse laço mas, por brigas nossas ele desistiu, no ano passado estávamos falando em filhos e ele se expressou mal em falar que não queria filhos - o que na verdade e que ele não queria ter naquele momento rs e por criancisse minha - admito - fiquei muito magoada e a começar a "rejeitar' até então a menina, que na verdade não tem culpa de nada, a ultima briga nossa falei muito nervosa que não queria que ele buscasse a menina, que se fosse era pra levar no mesmo dia * ja que ela sempre dormia em casa- que não abriria mão da minha vida de casada por causa dela - da liberdade da intimidade - eu sei egoismo de minha parte querer disputar atencao com a menina mas, enfim, na hora da raiva falamos coisas que não devemos e assim foi, ele por si chegou a uma conclusão - que me ama e quer ficar comigo mas, não tem jeito conciliar esses dois relacionamento e que um ele tem que abrir mão e, ele escolheu a mim, depois dessas palavras me senti muito mal pois, palavras ditas sem pensar pode prejudicar uma menina carente, sem estrutura emocional nenhuma mas, por outro lado sinto que meu marido ja queria excluir esse "passado" de vez e que isso foi so a gota dagua, enfim, ja conversamos e ele disse que não vai voltar atras que ja tomou a decisão dele e não e minha culpa, mas sinto me culpada, ele diz que a mae esta criando a filha de um jeito que ele não concorda mas nada pode fazer que isso e a melhor coisa, me sinto confusa culpada...,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Renata:
      Vi que o meio de campo está meio complicado, mas não precisaria estar.
      Então vamos ver – segundo o meu ponto de vista: a menina tem mãe e pai. Seu marido gosta de você. Porém, você quis que seu marido assumisse a menina, e começou a fazer pressão no seu marido. Então o que era para ser bom (seu casamento), começou a complicar pro seu lado.
      Seu relacionamento com a menina parecia ir bem, mas aí você se colocou contra seu marido e fez uma lambança, né? Pra quê, Renata?

      Penso que quanto menos a gente se meter entre pai, mãe e filha, só acrescenta. Você disse que seu marido veio de uma família complicada, o pacote já está de bom tamanho pra você ajudar, tentar entender seu marido e ajudá-lo. E arrumar o campo para ter os filhos de vocês.

      Receber a menina, tratá-la com carinho e compreensão é ótimo, mas eu penso que você deve se limitar a isso. Ficar brigando, colocar palha na fogueira, dentro de sua casa, não vejo razão. Você é mulher dele, não mãe. Não dá pra nós corrigirmos o mundo fazendo cobranças e mostrando o errado de um problema que nem é seu. Tem um jeito melhor de fazer com que ele goste de ver a filha: não dizer, não cobrar, não mostrar que ele está falhando. E sim quando a menina for à sua casa, preparar um ambiente legal, agradável. É disso que ele vai gostar, não vai se sentir pressionado. Os homens não aguentam muito tititi, muito cri-cri. São diferentes. Somos nós que gostamos muito de 'discutir os mais diversos relacionamentos' e mostrar todos os pecados do mundo. Você perguntou minha opinião, vou dar:
      Deixe a educação da filha para os pais. Simples assim. Fique na periferia, não entre na confusão.

      Beijo grande, escreva.

      Excluir
  69. Anônimo11:44

    Oi meu nome é Anne!

    Estou junta com meu marido há 2 anos e meio e ele tem uma filha de 15 anos, confesso que no inicio eu era muito ciumenta e não conseguia esconder ficando sempre de cara fechada, não conversando com a menina, não gostava de vê-lo com ela. Mas agora estou grávida de 8 meses e há uns 3 meses atras comecei a perceber q estava errada nas minhas atitudes, cheguei a sentar com a garota e pedir desculpa pelas minhas atitudes anteriores e disse que queria tentar q no mínimo nos dessemos bem, não precisava ser melhor amiga mas q fosse o mínimo agradável quando estivesse juntas e ela concordou. Só que daí descobri o endereço do twitter dela e descobri que ela fala super mal de mim, junto com as amigas principalmente e eu tive um surto e mostrei pra ele, ele disse que era culpa minha, se eu tivesse tentado desde o começo seria diferente, concordo q talvez pudesse existir essa possibilidade, mas fico chateada dele não enxergar. Ela já tem 15 anos, já devia ser mais madura, ela não mora com a gente, esse fim de semana postou q já tava tendo que aguentar ter irmão, também tinha que aguentar ficar indo atrás das coisas pra ele, isso só por que sábado de manhã fomos a uma feira comprar umas coisas q estão faltando.. Nós não chamamos pra ir ela q disse que ia, eu não disse nada achei até legal querer se envolver. Mas eu vejo tudo q ela posta e são coisas absurdas sabe, acho muito egoísmo da parte dela, o pai está feliz e em nenhum momento a deixa de lado. Eu sinto que ela queria que ele ficasse com a mãe dela q é solteirona até hoje e são separados há quase 10 anos. Sinceramente não sei mais o que fazer, pq não consigo disfarçar minha mágoa diferente dela que é muito falsa, acaba de conversar e depois já vai lá no twitter escrever mal de mim.. Por favor, me dê um conselho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Anne, entendo muito bem isso, amiga, mágoas: um dos sentimentos que mais estraga nossa vida.
      Porém, agora você tem de ir com calma, pois realmente houve rejeição de sua parte para com a garota, não vem ao caso o porquê. O fato já está aí. Notei que você chamou a mãe da garota de 'solteirona'. Acho que você está pensando um pouco pesado. Será que uma desilusão não foi suficiente para que ela quisesse ficar sozinha? Tem isso, pense nesse ponto.
      Sua tentativa com a menina de aproximação foi ótima, sem dúvida. Tentou reparar, tentou conquistar. Mas a menina tem seu tempo e por enquanto ainda deve estar magoada, também. Mágoa dos dois lados. Você teve seus motivos; ela teve os dela.

      O que lhe aconselho é algo que acho que você 'não' vai fazer dado a força dessas redes sociais: pare de olhar o twitter da garota afim de saber o que ela está falando de você. Isso vai alimentar sua raiva e dificultar as coisas. Você já sabe que ela está lá entregando... Sei que é difícil, mas tente, é melhor pra você.

      Quem sabe você 'parando de olhar esse twitter', seu coração e seu emocional não agirão de forma mais certa (também com você) mais complacente, sem tantas mágoas. Olhe um pouco também pra você no sentido de estar se magoando, procurando sarna pra se coçar. Adolescentes são complicados, pedem de nós muito 'tato'. O mal pode ser sanado, mas se você tiver mais força, mais qualidades. Acredito que só dessa maneira a menina poderá se aproximar de você da maneira que você espera... vendo a relação de maneira mais positiva, mais sincera. Vendo que ela está errada, nesse momento. Você já trilhou bom caminho, sabe mais do que ela como todos nós somos complicados e cheios de defeitos. Você tem de ter mais cabeça, ainda mais agora que está esperando um filho. Escreva.
      Boa sorte!!

      Excluir
  70. Anônimo08:24

    Obrigada Tais..

    Vou tentar seguir seu conselho.. Pq realmente olhando fico muito chateada..

    Anne.

    ResponderExcluir
  71. Anônimo11:59

    Adorei o texto, mas descordo de algumas partes, pois tenho um enteado, amo-o de coração como se eu fosse a mãe dele e não tenho nenhum tipo de problema com ele.
    Concordo na parte em que o texto fala da briga com a mão biológica, a madrasta e o pai, pois isso está acontecendo recentemente comigo, pois ele mora com o pai, e mãe está com ciúme dele comigo, pois nos damos super bem, e ela está incomodada com isso!
    Sendo que quando comecei meu relacionamento com o pai dele, ele tinha apenas 1 ano de idade e hoje ele já está com 8 anos, ou seja participei da criação dele desde o comecinho, coisa que ela (a mãe) não fez, pois quando ele tinha apenas três meses de idade ela foi embora pra outra cidade e largou o filho com o pai. Mulher sem coração!
    Na minha concepção ela não é mãe, só teve o trabalho de carregar na barriga, parir e nada mais! E por isso ela não tem nem o direito de reclamações! Ela quase não vem vê-lo, não liga, ou seja, some! Já eu me preocupo demais com ele, ligo sempre pra saber como ele está?! Mas se ela não procura o próprio filho, acredito que amor por ele ela não tem! Se tivesse, nem largado o filho desde pequeno ela tinha!
    Ele é o meu amorzinho!!! E um amor de criança!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 'Anônima', pena você não ter deixado um nome, qualquer nome. É só para referência para uma outra entrada, se houver.
      Bem, o seu caso é muito diferente de todos os outros: você pegou um 'nenê' que a mãe não estava nem aí. E quando voltou está incomodando porque se deu conta de que você assumiu o que ela deveria ter assumido. Então a única mãe que a criança conhece é você. Portanto seu relacionamento com a criança é de amor, recíproco. Maravilha, acho mesmo que aí, não cabe a regra, você é a exceção! Você tem mesmo de discordar, pois a parte mais difícil você não passa nem de perto.
      Que bom, desejo que as coisas corram sempre muito bem, que você e a criança sejam amigos e cultivem esse amor tão bonito para o resto da vida.
      Gostei de sua participação. Muitos vão ler seu depoimento. Sempre é bom.
      Grande abraço pra você!

      Excluir
  72. Anônimo19:34

    Olá Pessoal tudo bem?

    Estou em um dilema muito grande. Há 8 anos sou casada e há 10 anos estamos juntos e meu marido tem 2 filhos um menino de 14 anos e uma menina de 12 anos. Eu tenho 2 filhos com ele 4 anos e outro de 8 meses. Nesta altura do campeonato os meus enteados decidiram que não querem morar mais com a mãe. A Mãe não aceitou muito bem a mudança,mas concordou com a ida deles para minha casa, porém não há nada feito em Juiz. Ela possui a guarda e não assinou nenhum documento que isenta o pai da pensão. Me vejo numa situação complicada... Amo demais os meus enteados e tenho um carinho enorme por eles, mas depois que eles vieram para minha casa isso tem mudado um pouco, pois a minha rotina de vida está totalmente diferente, muitas vezes a menina acha que tenho que fazer por ela tudo que faço pelos meus filhos. Se falo um não já fica de bico e fala por traz. Isso me deixa muito chateado pois é isso que ela faz com a mãe fala mal dela o tempo todo. Penso em falar com pai deles para voltar com eles para a casa da mãe a situação está complicada e inclusive interferindo no meu casamento. Tenho receio de estar sendo egoísta... Na verdade não sei o que fazer... Gostaria de ouvir opinião de quem está de fora... bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Anônima, lhe darei o nome de 'Angélica' para futuro contato use esse nome para que eu me situe aqui nos comentários.

      Sobre os 'enteados': o termo de guarda deve ser transferido da mãe para o pai, caso se concretize a ideia de que eles deixaram de morar com a mãe.

      Sobre a questão prática dos filhos, em se mudarem para sua casa, é de ser pensado, pois vocês passariam a conviver com 4 filhos, enquanto a mãe ficaria sem nenhum em casa, sem nenhum trabalho ou preocupação. Não acho que seja boa medida, pois haverá muito tumulto nesse convívio sobre todos os aspectos o que seria diferente se tais encargos fossem divididos, como acontecia até agora. E, penso eu que isso não se constitui em motivo de gerar 'culpa' para você. Como você narrou, você ama seus enteados e convive bem com eles.
      Vi que você já não gostou da ideia... Pra que mudar o time que está ganhando?

      Um beijo, boa sorte.
      Volte sempre.

      Excluir
  73. Anônimo20:16

    Oi Tais!!!
    Sou eu Angelica, muito obrigada!
    Vamos tentar voltar o que era,pois há 3 meses que estão na minha casa.
    Valeu bjinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rss, gostou do nome Angélica??
      Que bom! Me dê notícias, então.
      Seu caso parece que foi mais fácil...
      Beijoss!

      Excluir
  74. manuela21:21

    Oi Tais,
    Acompanho o blog e gostaria da sua ajuda.
    tenho 35 anos, meu noivo 55 e ele tem tres filhos adultos de quase 30.
    sempre me dei bem com os filhos apesar de achar eles falsos comigo a 3 anos. mas agora estao me tirando do serio. Me separei do meu noivo porque ele vai para as festas dos filhos que nao posso ir por causa da ex e dos netos e soube que tirou foto com a familia.
    fico imaginando a foto, todo mundo menos eu, eu nao faço parte
    nao aceito isso, nao aceito ele ir sem mim e nem tirar fotos com ex, familias e os netos
    pq ele tem que aparecer nas fotos com a ex???
    terminei e quero voltar para o interior para casa de meus pais, nao quero mais viver ele mas ainda o amo, moro com ele a 3 anos mas nao casei ainda, fico so esperando e meu pai me chamando para voltar.os filhos e netos vem na nossa casa mas nao posso ir na deles por causa da mae e dos avós maternos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Manuela, a sua situação é bem complicadinha e o que eu penso é o seguinte:

      Você é muito jovem, apenas 35 anos, tudo pela frente. Quando há separações, as famílias, os ‘ex’ sogros, sogras, cunhados etc desaparecem, só ficam os filhos na jogada, isso é o comum, é o que se vê.
      Nenhum ex-marido ou ex-mulher continua a frequentar festas com sogros etc. Geralmente se passa a borracha, pois os laços se rompem, natural, pois outro relacionamento se faz presente.

      Pai e mãe das crianças continuam se falando por causa da educação dos filhos. Mas no seu caso os filhos tem 30 anos. O que você quer é frequentar as festas da família – sem convite deles e de seu noivo. E a ‘ex’, no caso a mãe, sempre presente, o que você não gosta – e nem ela. A situação deve ser muito desagradável.

      Por outro lado seu noivo continua a frequentar as festas junto com ex-sogros, ex-mulher e filhos e netos. Tudo na antiga família. A situação pra você não é das melhores, muito difícil. O caso que você me fala está fora do normal para quem já vive outro relacionamento. Quanto a decisão, isso é você quem tem de decidir. Você é que tem de ver se pode aguentar. Ou se quer aguentar. Mas o saudável é viver sem mágoas por perto.

      Dê notícias.
      Boa sorte.

      Excluir
  75. Anônimo15:01

    Me chamo Lucye e Preciso muito dos seus conselhos ... Pois é, realmente não escolhemos com quem se envolver rsrsrs. Vou tentar ser o mai breve possivel na minha explicação para que vc entenda a minha história. Fui casada por 11 anos e tenho uma linda menina de 10 anos, estou separada a alguns meses (dovorciada legalmente). Pois bem, eu pensava que não iria mais me casar mas me apaixonei por um amigo de trabalho, onde esta separado a mais tempo que eu. Nós dois eramos amigos e confidentes eu sabia tudo a respeito dele e ele a meu respeito. Ee foi casado por 11 anos tb, a familia dele nunca aceito a ex ... ela é desequilibrada, grossa, arrogante e etc. Devido a esses e outros fatores, inclusive ele não ama la mais, não conseguiram a diante. Bem, só sei que nos apaixonamos ... e estamos juntoa a 7 meses, saimos juntos para uma viagem com as nossas filhas e a filha dele se apaixonou por mim pediu até q se sua manhã morresse, ela queria morar comigo. Só que até então, ela não sabia que estavamos namorando ... para simplificar, conheci os pais dele e os 9 irmãos e todos graças a Deus estão me apoiando, estamos apaixonados um pelo outro. Ai que entra a briga a EX dele descobriu a 2 semanas que ele esta namorando e proibio a menina de ficar com ele quando estiver comigo. A menina quis passar o ano novo conosco mas ela não deixou, a filha dele diz que gosta de mim mas a mãe dela não quer ela do meu lado. Outra coisa ela ta enrolando para dar o divório, e ele que banca a casa (aluguel), água, luz, telefone e compras a familia dele não admite mas ele falou que vai entrar com o processo legitioso ... atualemte ele mora com os pais. Estamos querendo noivar agora em Março e casar em Dezembro o que vc acha? Como devo agir? E com a filha?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lucye:

      Oi, LUCYE:
      Bem, nunca vi uma 'ex' suportar a atual companheira do ex marido, rola alto ciúme, e muitas vezes de ambas as partes. A sensação de fracasso ninguém suporta. Penso que todos tem o direito de refazer sua vida e não entrar num confronto com a ex, ou coisa parecida, em suma, ignorar atitudes agressivas é o melhor. E sempre acaba sobrando para os filhos.

      O fato da filha gostar de você está deixando a 'ex' pior. Acho que se vocês se dão bem, ótimo – nada melhor do que isso.

      Os problemas que se relacionam com a enteada só podem ser resolvidos entre o pai e mãe dela, porque esses é que se separaram, mas sabemos que esse tipo de separação não pode e não deve separar pai e mãe da filha. (repito: somente os pais se separam).
      A lei prevê o direito da criança em conviver com o pai e a mãe, o que é vigiado pelo judiciário e pelo Conselho Tutelar. Se você tiver de dar alguma contribuição nessa relação entre os pais e filha é unicamente a de aproximar a filha da mãe, já que ela se aproxima normalmente do pai.

      Acredito que depois de seu casamento, as coisas vão melhorar. Será outra situação. Porém não acredito em trocas de simpatia e amizade, mas algo que dará para gerenciar. Esses casos geram tantos atritos, tanto amor ferido, tantas sutilezas que seria como comandar um elefante entre cristais. O bom, o certo é legalizar tudo, até as visitas da filha, os dias certos, já que ela é menor de idade. Aí não pode haver impedimento. Mas o melhor de tudo, é se pudesse resolver sem brigas e sem ofensas. Aí que entra o diferencial das pessoas.

      Quanto ao seu noivado e casamento, penso ser normal. Até um tempo de espera vai bem.
      Abraços, felicidades.

      Excluir
  76. Anônimo12:55

    Sandra Maia,
    Não é nada fácil , de fato a intensão é mesmo ser acolhida, acolher....mas no meu caso, meus enteados são maiores e nossa idade não é tão diferente e mesmo o pai tendo a vida financeira ''simples'' como a minha, fui recebida como quem chega para pegar mais uma fatia do bolo. 'A casa é minha, eu que mando aqui, só saio daqui morto, você não vende nada pq é meu'' e foi assim que muitas vezes fui recebida. Tanto que fomos morar de aluguel e o casal de irmãos ficaram na casa. Quando não pudemos mais pagar aluguel, voltei para casa da minha mae e ela para sua casa( que os filhos tem como sua), por isso nos separamos e depois de 3 meses voltamos. Hoje moro com minha mãe e nosso casamento está assim. Em breve será possível ter nosso próprio lugar. Vendo depoimentos me alegrei pq vejo que os filhos não querem tirar o pai de mim, eles querem APENAS a casa. E isso não me causa natais, carnavais, páscoas longe dele, pq nessas datas os filhos estão em seus mundos, longe dele. É triste ver que filhos sacrificam um pai por materialismo. A mae vive tranquila pq com o pai é fácil manipular. Mas sempre digo que a culpa é dos dois( ele e a ex) que não souberam educar os filhos e talvez de valor só tenham dado a eles coisas supérfluas. Meu conceito de família é outro. Em minha casa com minha mae viúva, visamos o bem estar dela. Pq a amamos e a amamos pq nos deu amor. Um dia ouvi o filho dele dizer que NUNCA teve carinho. Mas nessa situação, nem posso fazer muito, nem querer carinho e respeito, pq quem nunca teve, não pode dar. Acho que essas pessoas se perderam, mas eu já desisti de fazer algo. Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, SANDRA, comungo com seu pensamento e acho que você está sendo coerente. Quem não tem de onde tirar carinho, amor e cuidados, não tem para dar. É um vazio. E você não insiste, já percebeu o espírito da coisa. Noto que quer apenas ter seu companheiro e essa conquista não implica em conquistar os 'filhos' dele, o que é sempre um caminho de duas mãos. A maioria das vezes, difícil a situação. E é triste quando se vê que os filhos estão com o olho em bens.

      Na verdade, os depoimentos aqui presentes, são lições, aprendizados, experiências para todos. E cada um tira um pouquinho para sua vida. Há depoimentos tristes, sofridos, mas que ajudam muito na construção de uma vida mais feliz. Essa postagem, essa interação entre muitos que aqui vem em busca de clarear suas dúvidas, me gratifica. Se saírem daqui menos tristes, sinto-me recompensada.

      Um abraço, felicidades.

      Excluir
  77. Anônimo18:15

    Meu marido esta num processo de guarda de seus 3 filhos, 13,,11, e 8 anos..Eu estou vivendo esse problema, pois nao gosto deles e tenho muito ciumes...tenho muito medo que ele ganhe esse processo, como vou conviver comm essas criancas.???

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Anônima, deixa primeiro vir o resultado da ação para começar a se preocupar. Se as crianças têm mãe que cuide direito dos filhos, e que seja responsável, é difícil ele ganhar, penso eu. Mas é um direito dele em mover tal ação. Não sofra por antecipação. Aguarde, fique calma e viva o presente.
      Não esqueça de colocar um nome para que eu possa identifica-la na próxima.(entre como KÁTIA).
      Abraço.

      Excluir
    2. Anônimo18:17

      Oi Tais...entao, entendi que tenho que esperar o resultado do processo, mas ta dificil, to sentindo muito medo...eles vem pra minha casa a cada 15 dias, nao tenho um bom relacionamento com eles, tenho muito ciumes, isso ta se agravando demais, to magoando meu marido, que è muito bom pra mim...nao merece isso...mas nao consigo me controlar...nao topo nenhum passeio qd eles estao juntos, trato com indiferença....comecei a fazer terapia, mas to no inicio....entao procurei alguma coisa na net e te encontrei e gostei......preciso muito de ajuda...oq vou fazer se essas crianças vierem morar na minha casa...to com medo do meu caamento acabar....e sempre foi muito bom...meu unico problema sao eles.... se puder me ajudar...obrigada...Katia...

      Excluir
    3. Oi, KATIA, mas por que esse ciúmes? O amor por você é diferente de amor por filhos. Você não perde nada, pelo contrário, acho que se tiver um bom relacionamento com essas crianças, seu conceito junto ao seu marido e a elas vai crescer muito. Você já imaginou em passear junto? Não vai ser legal? Vá uma vez, tome sorvete, um lanche, sorria, pergunte as meninas algumas coisas, tente ser cordial, se interesse pelas coisas deles. Acho que você vai se surpreender. Sabe, Katia, as pessoas querem atenção, carinho... O que falta é você ter confiança no seu taco. No fundo, você sente que está competindo com elas, que elas vão tirar boa parte do que é seu: o amor de seu marido. Bobagem, amiga, vire o jogo!
      E me conte. Tenho certeza que vai dar certo se você se doar um pouco. A não ser que elas estejam lhe tratando com rispidez. Será isso? Ninguém resiste a atenção, a um carinho.
      Beijo, boa sorte.

      Excluir
    4. Anônimo20:16

      Concordo com td que vc falou Tais....mas eu nao consigo....nao consigo olhar pra eles...sao 3 meninos...nao suporto a presença deles...por isso preciso de ajuda... estou me acabando com essa situaçao...e vou acabar com meu casamento assim...sinto raiva do meu marido, e tb sinto pena pela situaçao....ta dificil pra ele tb....Katia

      Excluir
    5. Katia, o problema está com você, alguma coisa que você precisa tratar, vá num 'terapeuta'. Claro que essa situação vai acabar com seu casamento se você não for ver o que está se passando com você. Por que essa raiva de 3 crianças? Houve alguma coisa para isso? Pense, Katia, pense e vá procurar ajuda! Seu marido não pode virar as costas para 3 filhos! Pelo menos visitá-los ele tem direito.

      Excluir
    6. Anônimo21:00

      Ja estou na terapia...mas a pouco tempo...depois que eu comecei tc piorou...dizem que é normal....sei la.....sei que estou co problemas ...por isso peço ajuda....to sofrendo e afazendo quem eu amo sofrer..nosso amor sempre foi lindo...sempre fomos apaixonados..depois que viemos morar juntos td mudou....nao sei mais oq fazer...tivemos um namoro maravilhoso...perfeito...de repente td mudou ...eu mudei....meu ciumes ta doentio....preciso me curar disso....as crianças nao sao ruins praa mim...mas morar junto....isso ta me acabando...Katia...

      Excluir
    7. Katia, espere a terapia fazer efeito, uma coisa boa é você saber que está com problemas e querer se curar. Piorar com terapia não acho normal. Não ouvi falar. Ou veja a opinião de outro terapeuta. Você sabe que seu ciúmes está doentio, e isso é coisa para meses, mas faça uma forcinha, né Katia? Ajude-se, também. Elas não estão morando junto, espere!
      Abraços.

      Excluir
  78. Anônimo21:41

    Vou me esforçar....vou te contando como andam as coisas...obrigada.....Katia...

    ResponderExcluir
  79. Quem estiver namorando homem com filho...pula,pula rapido que da tempo!!!

    ResponderExcluir
  80. Anônimo07:55

    tudo a ver comigo... não tenho ciúmes das enteadas com o pai, mas quero reeducá-las, pois a mãe as influencia para o que é errado, e tenho certeza que elas são espiãs lá em casa até porque já pegamos conversas entre elas que denunciam isso... sorte das que não tem esse problema... não é nada fácil...

    ResponderExcluir
  81. Ola Tais

    Sou casada a um ano amo meu marido e a relação que construi com minha enteada, namoramos 3 anos e agora a mãe da minha enteada abandonou ela e eu o pai resolvemos morar juntos e cria-la! ela é uma criança meiga, inteligente, conversadora, mas passou por varias dificuldades enquanto morava com mãe que é um mulher prejudicial causando algumas serias dificuldades no carater da minha enteada e a pior delas é a mentira. Ela me obedece temos relação de mae filha e apesar de sempre ler que eu nunca vou tomar o lugar de mãe nao consigo me ver diferente de uma mãe afinal ela convive so comigo e nao ve mais a mae dela. mas como lidar com a mentira? ja conversei varias vezes com ele sobre como errado mentir, que ela nao precisa ter medo, ja demos castigo e ate palmadas meu marido ja deu. Ele me apoia muito em todas as decisões mas estamos perdidos, ela mente por coisas tolas jura de pes juntos que copiou tudo na escola e quando vamos ver o caderno não copiou, diz que o pai deixou ela fazer algo e no final ele não deixou. Não sei o que passa na cabeça dela meu marido é super presente com ela e nós somos muito proximas ela nao tem pq mentir o que devo fazer???? tenho medo pq tenho me sentindo cansada afinal nunca tive filhos e estou no inicio da minha relação e claro que isso bem ou mal gera brigas pq não queremos que ela minta. o que eu faço??w

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, PENSANTE, li e reli seu texto. Tudo certinho, a meu ver você está ajudando a menina, gosta dela, está se empenhando. Que bom!
      Porém ela tem de seu lado algo muito difícil – o abandono. Foi rejeitada pela mãe. Mente o que não precisaria mentir, mas mente. Li vários livros sobre pessoas que mentem sem nenhum, motivo, como também convivi e convivo com algumas. É extremamente difícil, alguns casos são genéticos, veja se não há na família dela alguém que minta muito, talvez você descubra e venha a se surpreender.
      A menina vem mentindo, há anos, para se defender de repressões.
      Você vai ter de se adaptar um pouco em conviver com isso, tratá-la com carinho e evitar o confronto que não ajudará em nada. Poderá melhorar com exemplos e mostrando que não precisa esconder nada, não será castigada. Palmadas não adiantam – pioram. Poderá até falar, sutilmente, de mulheres batalhadoras, que passaram dificuldades, e não precisaram nunca mentir.

      Quando não é genético, a mentira nasce na infância, quando a criança mente para fugir das culpas, das repressões e para conseguir o que quer; na adolescência, para fugir do controle dos pais e conquistarem a liberdade sonhada; na idade adulta, o vício de mentir pode torna-se grave a ponto de desbordar para a calúnia, para a injúria, para difamação, levando o mentiroso a responder por tais delitos. O mentiroso é antes de tudo um ser com complexo de inferioridade e uma autoestima baixa.

      Dê tudo que você pode dar, amor nunca é demais. A autoestima dela está em frangalhos. Veja, amiga, que carência afetiva tem essa criança, mesmo com você e o pai suprindo tudo. Ela foi rejeitada. Pode ser que ela sentido-se amada, acarinhada, mude um pouco. De outra forma não vejo solução.

      Mais adiante, me dê notícias, ok?
      Bjos.

      Excluir
  82. Anônimo01:04

    Meu nome PÉROLA .olá Tais estou casada a 2 anos sendo que quando conheci meu marido o filho dele de 20 tinha 6 anos do seu primeiro casamento. só que nesse decorrer meu marido me traiu e teve uma filha,que hoje tem 10 anos só que eu o perdoei e estamos casados hj só que estou com problema sério,com o de 20 tudo aqui na casa é separado ele que lava a roupa dele ele que faz a comida dele etc.... só que tem um porém nada do que ele suja ele limpa então eu coloco os panos limpo na cozinha ele limpa o nariz,seca o cabelo,faz xixi na pia do banheiro deixa roupa suja dentro da máquina.etc.....e eu estou ao meu estremo com isso tenho tentado me controlar com as nojeiras dele o pior de tudo é vê meu esposo tratá-lo como se tivesse 6 anos de idade ele não quer saber de trabalhar nem de estudar nada do que o pai fala ele aceita. se irrita com ele e fala para ele pedir perdão pelas coisas que falou,olha é um absurdo o que eu vejo, e o pai tá lá bajulando ele. e isso tem me incomodado porque eu tentei falar com ele (o filho) sobre a organização e ele não aceitou e desde então sinto que faz essas coisas para me provocar.só para tê ideia logo que meu marido começou a lavar louça para me ajudar ele falou para o pai dele que ele ia perder a moral dele comigo vê se pode,e tem sido assim eu andei muito nervosa durante esse tempo e tivemos algumas brigas na ultima ele teve atitudes na frente do pai dele que foi de tamanho desrespeito quebrou a porta do nosso quarto no chute entrou e falou que ia me bater foi um horror.e eu vejo meu marido do mesmo jeito atitude zero.. então tenho falado para o meu marido para morarmos em outro lugar pois sinto que ele é extremamente incomodado comigo e eu com ele.pois ele não muda a postura tudo que eu faço ele vai atrás e deixa um horror.só que ele não quer pois diz que desde que ele nasceu nuca se afastaram( a mãe o abandonou quando ele tinha 1 ano
    só que eu o conheci quando ele tinha 6 anos ele era uma criança adorável eu já morei com o pai dele antes dele me trai e tê essa filha de 10 anos, eu já cuidei do de 20 antes só que teve mudanças em nossas vida e só agora a 2 anos estamos juntos de novo. mais ele se transformou em uma pessoa da cabeça bem difícil.meu Deus as conversa dele é de outra realidade como pode, enfim desde que tivemos essa briga tenho ignorado ele( e vice versa) mas sinto que é uma situação muito chata.pois não tenho espaço para ser uma dona de casa fazer as coias com prazer, me senti valorizada, de um mês para cá tenho buscado mudança em mim mesma tanto com relação ao de 20 quanto a 10 que só vem aqui de 15 em 15 dias E é super teimosa, respondona bagunceira , e quando a mãe dela não aparece para infernizar agente passa o fim de semana super agradável também não é fácil mas tenho colocado na minha cabeça ( e só um fim de semana).estou pensando em procurar ajuda de psicologa pois meu dias tem sido um apos o outro.e vejo meu marido tão tranquilo com tudo e quando falo com ele ele fica com raiva de mim se afasta de mim já tivemos brigas feias por conta disso tudo e mais um pouco, agente se ama, eu procurei mudar com relação algumas atitudes minhas pois eu estava brigando muito com meu marido mas sinto que ele também precisa vê o meu lado.até quando ele vai carregar essa culpa,( falo isso para ele) Tais me dê um conselho devo procurar ajuda de psicologa! tem muitas outras coisas que me aborrecem sai do meu emprego poque meu marido pediu eu achei que eu iria ficar em casa para cuidar da casa mais me sinto como uma invasora de privacidade quando eu trabalhava eu chegava super cansada a casa toda revirada eu falava com meu marido e ele tentava falar com ele.sabe o que ele falava porque que eu estava incomodada com a sujeira se 90% do meu dia era fora, agora que estou em casa é assim se estou na sala o filho dele sai de saio da sala ele volta, nossa é isso e muito mais.....o que fazer. como agir oro todos os dias a Deus para que aja mudanças. mais não é fácil eu me casei sonhando tudo diferente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, PÉROLA, a situação está muito difícil e os 3 são adultos, com exceção da menina que vai de 15 em 15 dias. Mas o caso é com o rapaz que não lhe respeita e afronta a você e seu marido com os tais chutes na porta do quarto, louça suja, xixi na pia, nariz no pano de prato e o bate-boca.... a coisa tá séria. Vi que você está querendo endireitar a situação e não consegue. E o rapaz não trabalha. E o seu marido não vê o caos. Entendo a sua situação e dá para ver a contrariedade dele.
      Por que será que o rapaz mudou tanto? Tem algum vício? Por que ele cozinha para ele? Por que essa separação de tudo, eu não entendi. A princípio eu pensei que ele fosse tuberculoso. Ele não pode comer com a família? Será que ele não se sente excluído, rejeitado, apesar de adulto? Existe uma grande raiva aí no meio. Um ódio nesse quesito.
      Olha, Pérola, a situação pode se agravar, a agressão está se alastrando, você se deu conta? E quando isso acontece não dá para se prever o que pode acontecer; quando o trem pode descarrilhar. Está sim na hora de você ir a uma terapeuta, dar um rumo certo, conversar expondo os detalhes, ver o porquê das 3 partes estarem agindo assim se aos 6 anos as coisas eram mais normais. Acho que como está não pode ficar.
      Bater boca dentro de casa é o maior dos infernos. Isso não é vida. Mude isso. Mas não agrida nem com palavras para você não perder a razão do que acha que está errado. É difícil? Claro que é. Mas em certos momentos o silêncio é mais eficaz até as coisas irem para o lugar. Tá muito ruim.
      Vá, sim, ao terapeuta, não espere muito.
      Abraço.

      Excluir
  83. Anônimo10:36

    Oi, Taís. Tenho 17 e sou casada a 2 anos, o meu esposo tem 42 anos e tem uma filha de 13 anos, mas que mora com a mãe. Ela é mimada, não tem a presença do pai por perto e vem PR casa do pai só nas férias. No começo ate se da vamos, mas depois começou , os ciumes, ela não me respeita por causa de eu ter quase a mesma idade dela, fica me provocando falando das ex do pai. Oque eu faço, como devo lidar com essa situação. Me ajude .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa... como você é jovem! Vou te chamar de Kely.
      Pois bem, realmente vocês têm quase a mesma idade com a diferença que você é bem mais madura e sua posição é outra. Penso eu, Kely, que a única maneira é ignorar as investidas da menina, uma vez que, pra ela, você tomou o lugar da mãe (na cabeça dela). E outra, a menina vem de casa de cabeça feita. Bom pra você que ela não mora junto, então dá para contornar. Se você não der bola e nem mostrar que está chateada, ela perceberá que a implicância dela não tem resposta – aliás, o que ela quer.
      Quanto mais você mostrar que está magoada, chateada, com raiva, pior será. É o que está acontecendo. Ela sente raiva porque gostaria de viver com os dois, pai e mãe num lar de harmonia, o que não se deu. Está frustrada e a frustração é difícil de engolir.
      Filhos jamais separam os pais dentro de suas cabeças, é difícil para eles aceitarem. Quando ela age assim, no fundo está pedindo ajuda... E você pode ajudá-la, não entrando no jogo. Trate bem e não mostre rancor, fique natural: tenho quase certeza que ela mudará de atitude, não vai ter mais o porquê 'bater' em você.

      Boa sorte, volte quando quiser, mas com o nome que lhe dei.
      Meu abraço.

      Excluir
  84. Anônimo01:20

    Boa noite....Li seu texto, engraçado passo por uma situação que me falta palavra para classifica-la, me separei em 2010, e em 2012 depois de 20 anos reencontrei um amigo de infância, que tb estava separado há dois anos e começamos a se envolver, eu com um casal filhos ele tb, os meus com 17 o menino e 20 a menina, os dele 9 a menina e 16 o menino, até ai tudo bem, mas o que ocorre é que desde o começo fui estabelecendo regras entre ele e eu, antes mesmo de conhecer os filhos dele, pois os meus são bem resolvidos e sempre desejaram que encontrasse alguem que me fizesse feliz, porem os dele ele dizia que a menina tinha ciumes dele, que quando a conhecesse não era pra ficar dando beijo nem pegando na mão, achei estranho mas enfim não discuti e fiz o que me pediu, mas tb deixei claro a ele que não estava procurando formar familia, pois como ja haviamos casado e não deu certo o que cabia a nos era sermos felizes, ja estava tranquila na educação dos meus filhos, não era uma mãe frustada muito pelo contrario sou bem realizada nesse quesito, e com os filhos dele não iria ser mãe talvez poderia ser uma amiga se fosse o caso, mas mesmo deixando as coisas bem claras antes mesmo de me conhecer sentia uma rejeição por parte deles "filhos"e da familia, a mae dele quando a conheci me disse perdi meu filho, e ja se passaram 3 anos estamos juntos no começo até ia na casa dele hj isso não ocorre mais, fico na minha casa e ele vem aos fins de semana, mas confesso que dificil pra mim, das raras vezes que viajamos juntos pra praia não trocamos nem uma palavra é como se não existisse e o que me deixa mais decepcionada é que meu namorido fica inerte a situação, ja conversei com ele, ja disse pra conversar com a menina e explicar que quando nos conhecemos ja haviam separado, só sei que isso me faz um mal, evito encontra-la, as viagens muitas delas desisto só de imaginar a presença da meninapois hj se encontra com 13 anos ja entende as coisas, nunca falei mal da mae dela, e nem a tratei mal porem depois de algumas tentativas confesso que tb sou fria apenas sou cordial......Desculpa pelo desabafo mas as vezes tenho vontade de me afastar e acabar com tudo isso afinal a mulher madura sou eu, sou filha, sou mãe e tb sou sou sogra e minha filosofia de vida com meus filhos sempre foi se meu filho está feliz eu tb estou independente da escolha que fizerem, mas vejo que nem todas as maes pensam dessa forma, e preferem ver o filho infeliz mas debaixo da saia dela.....Bjos obrigada pelo espaço Flor de Liz

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Flor de Liz, é, sua atitude vejo que é madura e você está segura do que quer. Veja, se numa família, a original, na maioria das vezes há discórdias, imagine em duas famílias com pais, irmãos, costumes diferentes e que nunca se viram. Como eu disse no texto, pra dar certo precisa de muito esforço, uma montanha de superação. E o que você procura é apenas namorar e ser feliz, nem é morar junto, pelo que ficou claro. Siga o seu coração, você vai encontrar uma solução. Sofrer é que não se admite.

      Beijo e felicidades pra você!

      Excluir

MUITO OBRIGADA PELA SUA PRESENÇA E SEU COMENTÁRIO - VOLTE SEMPRE.