7 de agosto de 2015

A PIOR DOR É A DA ALMA



- Taís Luso

Hoje, pensei em postar um poema, mas algo está martelando na minha mente... Faz muito tempo, parece que virou moda os maus tratos e a falta de amor com os idosos. Estamos cada vez mais desumanizados. Parece uma doença contagiosa, se espalha, gruda, mata. Volta e meia aparece um caso semelhante nos noticiosos. E não existe um basta pra tanta violência e descaso.
Há algum tempo, apareceu na mídia uma cena dantesca: os filhos, estranhando a tristeza do velho pai,  resolveram colocar uma filmadora escondida no quarto do frágil velhinho, já com Alzheimer. Constataram, então, que o pai era espancado e humilhado por alguém que se dizia 'cuidador'. Daí esta minha vontade em postar um poema que mostrasse sentimentos mais nobres. Não queria me sobrecarregar de raiva. É ruim. 
É lógico que não se espera de nenhum profissional,  pago para cuidar de doentes, que se derrame em amor e carinho, mas que se proponha a agir com respeito e profissionalismo.
Amor e carinho são coisas de voluntários, pais e filhos, quando normais de cuca. Admiro pessoas que se doam em trabalhos voluntários, são pessoas especiais; abraçam e levam conforto aos que sofrem não tendo em mente nada de retribuição, a não ser o bem que fazem.. Não existe nada entre um voluntário e um necessitado que não seja  uma verdadeira solidariedade com o seu semelhante.
O que nos resta após presenciarmos  atitudes violentas dispensadas aos nossos pais ou aos nossos filhos? Talvez a culpa por não termos percebido o algoz tão perto. Há dores que calam muito fundo. As dores que mexem com nossos sentimentos, nossas perdas, humilhações e injustiças superam a dor física. É a dor mais profunda, é uma dor na alma, onde nossa razão não consegue chegar para abafá-la.
As feridas no corpo cicatrizam, mas as feridas na alma são sempre chagas abertas: à menor lembrança, sangram. E acho que não há dor maior do que a violência dos covardes e a humilhação e submissão que ficam nas vítimas.
Há tempos, uma ex-catadora de rua apareceu num noticioso o qual mostrava o seu sonho realizado: um projeto desenvolvido por ela onde alimentava 100 criançascom a ajuda de outras voluntárias pobres. 
Como sempre, pobre ajudando pobre Enquanto isso, na esfera superior, uns abastados roubam feitos loucos. Corruptos ajudando corruptos.

_________________________________________

37 comentários:

  1. UN POST MUY REFLEXIVO.
    ABRAZOS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá amigo ReltiH, muito obrigada pela sua presença.
      Um lindo domingo!
      Abraços

      Excluir
  2. Essa constatação nos traz tristezas mesmo! Eles não merecem e se profissionais são pagos pra que eles tenham todos os cuidados que necessitam, assim devem agir os profissionais e carinho, respeito, são fundamentais! Triste que assim , tantas vezes, não seja! bjs, chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Chica, pelo que estamos vendo acho que estamos em baixa com certos sentimentos... É o eu e depois o eu.
      Beijo grande, um lindo domingo! Obrigada (sempre) pelo carinho da visita.

      Excluir
  3. Linda amiga Taís, também fico muito revoltada em ver casos assim, pessoas que se propõem a trabalhar como cuidadoras de idosos e mesmo aceitando a receber o salário que lhe é pago nem por dever dão o tratamento necessário, isso é uma coisa abominável!
    Também acho de uma dignidade incrível as pessoas que se dispõem a cuidar com trabalhos voluntários, o fazem mesmo só por amor, merecem ser mencionados aqui em seu lindo texto reflexivo!
    Abraços linda amiga, tenhas um belo fim de semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida Ivone, comparando um trabalho voluntário com outros que vemos - independente de serem pobres ou não - fico indignada demais. Será esse o prêmio da 4ª idade? Beijão, amiga, obrigada pelo carinho.

      Excluir
  4. Taís,
    Lendo seu conto, parece estar vendo "num lugar", uma pessoa que ganhava seus proventos, chegue de supetão e ela batia no rosto da pessoa totalmente debiloide.Ela teve um ano de sofrimento de dores forte na carne e morreu, deixando um lindo marido SOLTEIRÃO.
    Deus nos mostra.
    Na minha postagem, do lado direito escrevi sobre meu pai, estava bem embaixo no Lua Singular.
    Feliz dia dos pais
    Beijos
    Dorli Ramos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que horror, amiga. Vou ver a sua postagem na coluna, me aguarde!
      Transmitirei ao Pedro seus votos para o Dia dos pais, obrigada.
      Grande beijo, meu carinho.

      Excluir
  5. Soneto-acróstico
    Indiferença

    A humanidade perdeu a realidade
    Prioridade passou ao ego apenas
    Indiferentes ao vizinho e bondade
    O que se vê são almas pequenas.

    Real somente minha necessidade
    Dor doutro, nossas vidas serenas
    O que temos com gente de idade?
    Rolando pelas praças às centenas?

    Deixe tudo isso como está, assim
    Ande e cuide somente da tua vida
    Ao idoso, boa saúde, longe de mim.

    Lembre-se que essa via só de ida
    Melhor cada um procurar seu fim
    Apenas não me chateie, querida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tiro certeiro, Jair, o que se vê são almas pequenas...Indiferença, egos inflados e o não to nem aí, se virem! Não sei, mas as coisas mudaram, os sentimentos involuíram.
      Grande abraço, amigo, obrigada sempre pela sua presença sempre muito marcante nos comentários! E um lindo Dia dos Pais!

      Excluir
  6. Taisamiga

    "Como sempre pobre ajudando pobre... Enquanto isso, na esfera superior, uns abastados roubam feitos loucos. Corruptos ajudando corruptos.

    Não é preciso dizer mais nada, mas quero acrescentar: somos da mesma família, praticamos como vocês praticam o mesmo bem e a mesma corrupção. E por este andar no vamos aproximando do fim, sem ver nada resolvido, nem por "eles em por nós. O fado é o mesmo, a submissão também., fui católico mas curei-me; por isso valha-me (nos) a Senhora da Agrela que não há santa como ele...

    Um abç ao Pedro e qjs para tu (não gosto de ti, ups, do ti...)

    ... e um pedido (não são euros nem reais,,, vai até à nossa TRAVESSA e deixa lá um post. Claro, o Pedro também. Tem artigo do brasuca José Quintiliano Fonseca Filho...

    Qjs do Leãozão

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rss, É, somos países irmãos até na corrupção, até que a morte nos separe!
      Não é Qjs pra TU. Embora não gostes, aqui é Qjs pra TI (tá certo), Irei na Travessa amanhã, com calma, aguarde! Darei o recado para Pedro que está enviando um abraço pra TI !! Beijos pra Portugal, esse lindo país, que tudo melhore por aí...
      Qjs, além-mar!

      Excluir
  7. Que gran verdad y que dolorosa verdad.....el abandono del adulto mayor, anciano enfermo, ...nunca debiera ser abandonado ...siempre debiera ser política de estado dar a los mayores lo que ellos aportaron en su vida. Las familias las primeras en condescender con el amor hacia ellos, comprendiéndoles su soledad, y aquellos profesionales que se dedican al cuidado, responder como tales, y el voluntariado atender al prójimo con la solidaridad que les nace del corazón como mucho de ellos lo hacen por verdadera entrega...
    Un mensaje que toca profundamente Tais
    Fuerte abrazo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida Cristina, é o que escrevi, estamos desumanizados, que mundo esquisito, avançamos em tecnologia, medicina e tantas outras coisas e retroagimos em sentimentos, de que vale tudo isso se o mais sublime é esquecido?
      Beijos, querida amiga.

      Excluir
  8. Boa noite Tais.
    Compartilho da sua revolta, que se disponibiliza de cuidar seja de idoso, doentes mentais, ou crianças deveriam ter mais amor no coraçao, muitos fazem somente pelo valor monetário, resultado são tantos casos que ouvimos de maus tratos. Uma feliz semana para vocês. Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida Mirtes, preferia não termos tanta evolução tecnológica e termos preservado outros valores. Não sei onde isso vai parar, tem muita gente achando a coisa mais natural enfiar os pais num asilo... Sem precisar, mas para se verem livres.
      Veja isso aqui: http://taisluso.blogspot.com.br/2014/05/envelhecer-com-dignidade.html

      Beijo, amiga!

      Excluir
  9. Isso é muito comum, triste fim de vida. O idoso já sem forças, dependente, ser esquecido, tratado feito um peso morto, inútil, por quem se diz próprio sangue, família. E comumente jogados num asilo, onde, ironicamente, encontram outros da mesma idade, que pelo menos, forçosamente, há de fazer-lhe companhia, compartilhar dos mesmos problemas, servir de família postiça, adotiva, irmãos de coração. Cuidadores? Se a própria família não teve paciência, é uma covardia, uma traição entregar seu ente querido ancião nas mão de um estranho e esperar paciência absoluta e dedicação que eles não tiveram. Sempre com suas palavras certeiras e contundentes, Tais. Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Claro!!, é o que muitos sentem, "peso morto". O final do seu comentário tá perfeito, Fábio!
      Obrigada (sempre) pelo carinho dos seus comentários, amigo!
      Beijos!

      Excluir
    2. Querida amiga, Tais !
      Muito grato pela visita. Fiquei honrado e muito feliz !
      Parabéns por este belo texto, abordando tão triste
      e covarde realidade. É mais frequente do que se
      possa imaginar, infelizmente. Parabéns pela coragem
      e sensibilidade !
      Um carinhoso abraço.
      Sinval.

      Excluir
    3. Olá, Sinval, que bom receber você aqui, é verdade, muito frequente, em outros tempos não se via assim... Agradeço o carinho de sua visita e comentário.
      Grande abraço, amigo!

      Excluir
  10. Cara amiga Tais, realmente a dor da alma é terrível. É, a violência, neste país, neste mundo, atingiu níveis absurdos. Quanto ao trabalho voluntário, o mesmo de é uma nobreza admirável. Somente espíritos elevados conseguem tal mister. Fazer o bem pelo bem, sem recompensa, sem paga, é tarefa para pessoas iluminadas.
    Um abração. Tenhas uma linda semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo Dilmar, não sangra, mas como dói...parece que se alastra e que não vai dar para segurar! Lançamos mão de artifícios da mente para tentar ludibriar. A única coisa é o tempo, nada mais.
      Abraços, amigo!

      Excluir
  11. 100% de acordo.....O que para aí vai....mundo fora.
    Por aqui não é diferente....Só peço lucidez, até à hora da partida.
    Um abraço...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa, Andrade, é tudo que penso e que peço...
      Grande abraço, amigo.

      Excluir
  12. Boa tarde querida Tais..
    e como acontecem essas coisas..
    e por vezes pessoas da própria familia..
    lembro do meu tio ainda vivo e do quanto levava patadas..
    e o pai não podia se meter muito..
    quando por fim conseguiu cuidar dele.. conseguimos deixar ele mais feliz pelos últimos anos..
    minha nona passou as dela tb com o cunhado que nada vale e a irmã que não passou uma noite no hospital para com a mãe..
    tem da familia que não vale o que come...
    mas a vida cobra..
    a única coisa revoltante... é que smepre judiaram do meu tio e ainda tiveram a coragem de dizer morreu como indigente.. o indigente que eles assim que morreu sairam atrás da herança..
    no ultimo ano o pai não teve mais como cuidar em casa, tivemos que colocar numa clinica..
    sei que as pessoas falam mal e tudo mais.. mas cuidar de doente é complicado quando ão se tem jeito..
    aquele diz que ela falou isso junto do escroto que ela sustenta.. eu tinha vontade de pular no pescoço dela.. sabendo tudo que o pai fez.. mas a vida cobra..
    quero ver o dia que ela precisar de ajuda para ver se o pai vai lá cuidar dela sendo que nem da própria mãe ela cuidou..
    deixamos assim.. mas a postagem foi muito bela.. quem sabe não farei alguma poesia sobre o tema quando me vir as ideias.. bjs e feliz sempre querida amiga

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querido amigo Samuel, eu sei que cuidar de doente é muito difícil, mas o engraçado é que pais e mães cuidam de seus filhos desde que nascem até sempre, se puderem. O inverso já é mais difícil, pois os filhos hoje trabalham. Então fica isso, pobres velhinhos sem muito amparo, o que se lastima quando acontecem coisas 'esdrúxulas'... E são nessas horas, nessa etapa da vida que se vê quem é quem, o quanto gostamos ou podemos gostar de fato das pessoas. Mas falando da sua história... que história, hein?? Cruzes.
      Bjus, amigo, obrigada (sempre) por você aqui!

      Excluir
  13. Dor da alma? Sinceramente, Tais, não sei como se combate. Talvez esperando ver mais claro. não sei bem...
    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jorge, falo de uma dor profunda, que machuca, que decepciona, que desencanta. Falo dos sofrimentos não físicos, mas que deixam sequelas profundas, seja no coração ou na alma, como queiram. Tenho visto em tantos lugares, em tantos rostos! E principalmente nos nossos noticiosos: mães que veem seus filhos se perderem nas drogas, ou que são espancadas por eles para obterem dinheiro. Ou pais que perdem algum filho...Ou velhinhos abandonados depois de uma vida inteira dedicado aos filhos. Essas são dores da alma. Não precisamos passar por isso para saber que elas existem.
      Abraços, obrigada pela visita!

      Excluir
  14. Tais, seu texto ficou encantador, embora voltado para situações tristes. O abandono dos idosos tende a aumentar, com as pessoas voltadas tão somente para si mesmas. Aplaudo aqueles que ajudam e se dedicam, sejam parentes ou voluntários. Para estes, as atitudes nascem de amor e de solidariedade genuína. Cuidadores, em grande parte, pensam em ganhos materiais. E nem enfermeiros, contratados para cuidar de idosos enfermos, podem ser olhados com total confiança. Meu pai precisou, durante os últimos de sua vida, de alguém que a ele se dedicasse, embora em casa, em quarto bem equipado, vivendo com minha mãe e uma de minhas irmãs. Nos finais de semana, estávamos todos juntos. Mesmo assim, tínhamos que vigiar, para que não o deixassem molhado, mal acomodado... Quando leio algo que me faz voltar àqueles dias, sinto o coração doer, só de pensar que ele foi desnudado, literalmente, tantas vezes, quando seu recato, se lúcido, jamais o permitiria. Nosso consolo é saber que não o internamos e que estávamos sempre por perto. Bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa... você falou tudo, exatamente o mesmo aconteceu com meu pai. A mesma coisa, amiga! Você contou a minha história...Impressionante. O final de seu comentário, do 'recato' é o que machuca muito em pensar, pois se pudesse ele jamais permitiria. Sempre admirei a sua sensibilidade, Marilene.
      Beijo, meu carinho!

      Excluir
  15. O abandono e o desprezo pelos idosos e/ou dependentes é uma ferida aberta na sociedade. O progresso trouxe-nos muita coisa, uma delas foi a indiferença pelos mais velhos. Nos transformamos em seres execráveis. Infelizmente não são só cuidadores profissionais que maltratam os idosos: os próprios filhos são os primeiros a cometer esse crime. Os hospitais, quando é a aproximação das festas de Natal e Ano Novo, enchem-se de idosos lá largados, literalmente, para que não atrapalhem as festas ou férias. Outros, apoderam-se das reformas, à revelia dos pais. Outros, aceitam cuidar deles, em troca de "pagamentos" ou heranças. Esta é a realidade. E o mais inacreditável é que encontra-se esta realidade em "pessoas de bem", de quem, jamais! sonharíamos tais actos. O amor verdadeiro não existe. Perdeu-se no caminho, enquanto os pais envelheciam e tornavam-se menos capazes de se valerem a si mesmos.
    Sua indignação é mais que válida. Mas como mudar um crime silencioso? Aqui, em Portugal, está para ser criada uma lei que punirá quem maltratar e abandonar um idoso a seu cargo. Mas, exceptuando os casos dos abandonos em instituições, pouco há, para se descobrir, para fazer valer a lei.
    Aguardemos.
    um bj amg

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Carmem como mudar? O mundo deu uma volta de valores que acho difícil reverter, não há mais o respeito de anos atrás, tudo é muito imediato, muito egoísta. Muito o 'eu' na jogada."Crime silencioso", você disse tudo.
      Não levo fé.
      beijos, amiga!

      Excluir
  16. Texto verdadeiro, real...
    Beijos Taís, parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Shirley, um beijo. Aliás, outro!

      Excluir
  17. A maldade e a cobardia deve ser algo que nasce com a pessoa. Essa pessoa que cuidava do velhinho e lhe batia, é acima de tudo uma cobarde. Quem bate ou maltrata ou humilha os mais fracos, é cobarde. Sabe bem que está a exercer um poder sobre quem não se pode defender. Isso é cobardia, em qualquer situação.

    Beijinhos:)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso, Isabel.
      Um beijinho pra você, obrigada pela visita!

      Excluir
  18. Que tristeza!
    E o pior que velhice é só uma questão de tempo para" todos" que querem vida longa.
    Um Abraço!

    ResponderExcluir

MEUS AMIGOS:

1 - Este blog não envia nem recebe comentários anônimos ou ofensivos.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

3 - Meus agradecimentos pelo seu comentário, sempre bem-vindo.


Meu abraço a todos.
Taís Luso