7 de outubro de 2016

SOLIDÃO


   

                              - Taís Luso


                 Gosto de crônicas do cotidiano por poder narrar fatos que influenciam nossas vidas; falar de coisas, pessoas, sentimentos, alegrias, tristezas e que de uma forma ou outra nos fazem refletir. Os fatos podem ser apenas hilários, mas outros podem  mexer com nossas emoções. E hoje não tem nada hilário por aqui.
Há uns dez dias, estávamos eu e Pedro vindo do almoço, quando um táxi estacionou no fio da calçada em que vínhamos. Uma senhora, já com bastante idade, não conseguia sair do carro. O taxista ficou na dele, sentado, sem prestar um mínimo de solidariedade.
Ao chegarmos perto dela, olhamos para aquela dificuldade e fomos ajudá-la. Estava ali para ir ao consultório médico, pois tinha passado por uma cirurgia do colo do fêmur e fraturado a bacia, também. Lembrei de minha mãe que há muitos anos passara pela mesma situação, e o tanto que foi traumático.
Levamos a senhora até a sala de recepção, e lá lhe perguntei por que ela estava sozinha… Disse-me que sua acompanhante não viera porque estava doente, mas ela não poderia perder a consulta.
Caramba, não quis constrangê-la, não perguntei pelos seus filhos, netos, vizinhos e parentes. Não era hora.
Acomodou-se na cadeira e agradeceu muito. Perguntei-lhe como iria embora...nos oferecemos para esperá-la,  mas ela não quis.
Uma das serventes pedirá um táxi pra mim, filha, muito obrigada, que Deus proteja vocês.
Apesar de doente, percebi nela muita determinação. Mas seu corpo não acompanhava mais sua mente. 
E desde aquele episódio - triste de ver - não houve um dia em que eu não lembrasse da velhinha; e não houve dia em que eu não pensasse na solidão. São os caminhos tristes da vida que não têm como esquecer, não tem como varrer pra baixo do tapete e esconder essa sensação de vazio, de indiferença que se chama  solidão - pelo motivo que for. 
Várias situações me fazem lembrar do poeta Mário Quintana quando disse:
'Com o tempo não vamos ficando sozinhos apenas pelos que faleceram; vamos ficando sozinhos uns dos outros'.
É isso. Triste assim.






37 comentários:

  1. Me emocionei,Taís... triste mesmo e nem dá pra pensar,não? Chega a doer coisas assim...Vocês fizeram a parte e depois? Coitada e essa é apenas uma...bjs, chica

    ResponderExcluir
  2. Limerique

    Solidão mais antiga, a do ninho
    E pior, tentar se afogar no vinho
    Por mais que compartilhemos
    Solitários sempre seremos
    Então vivamos a solidão sozinhos.

    ResponderExcluir
  3. Boa noite, querida Tais!
    Triste realidade que se constata dia após dia e cada vez mais...
    Solidão fecunda é maravihosa ams o egoísmo é pernicioso demais!
    Bjm muito fraterno

    ResponderExcluir
  4. Poxa, posemos dar as mão em questão de tristeza.
    Eu perdi meus pais no prazo de 40 dias. Fiquei desesperada, mas meu marido me consolava.
    É triste o fim.
    Beijos
    Minicontista2

    ResponderExcluir
  5. Oi Amiga, Taís Luso, boa noite !
    Tua abordagem é muito triste. Porém, espelha
    um dos lados da infelicidade.
    O isolamento social, chamado de "solidão" é
    perverso e, na maioria das vezes, inevitável.
    Um carinhoso abraço, querida, e parabéns pelo
    texto.
    Sinval.

    ResponderExcluir
  6. Taís...um estado de alma que dói e corrói quem a vive...quem a vê e muito mas...quem a sente!!!
    Gosto da sua reflexão...bj

    http://mgpl1957.blogspot.pt/2016/10/o-amor-nos-tempos-de-colera.html

    ResponderExcluir
  7. oi Tais, triste isso. O taxista no início da corrida viu o estado de saúde da senhora e mesmo assim quando chegou no destino não se mexeu pra ajudá-la a descer. Essa indiferença vai além de qualquer falta de gentileza, chega a ser desumano. Não entendo esse tipo de comportamento.

    Que bom que você estava por perto.

    ResponderExcluir
  8. Oi Tais,como deve ser triste a solidão!
    Muitas vezes essas pessoas ainda tem os filhos mas quem sabe,pensam diferente de nós e não se preocupam com a mãe que está tão solitária.
    E esse taxista sem educação,também esquece que um dia será idoso e poderá passar pelo mesmo problema.
    Muito triste!
    Bjs e um ótimo domingo.
    Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  9. Triste realidade esta dos nossos dias em a maioria das pessoas viram as costas ao seu semelhante e mesmo aos seus familiares. O Mário Quintana tem toda a razão.
    Um abraço e bom fim-de-semana.
    Andarilhar

    ResponderExcluir
  10. Amiga Taís, muitas vezes vemos casos assim, o triste da velhice é isso, como citastes bem com a frase de Quintana, "...vamos ficando sozinhos uns dos outros."
    Amei ler, abraços apertados querida amiga!

    ResponderExcluir
  11. A insensibilidade das pessoas acarreta-nos um 'freezer' em nossas emoções! Quem presta um serviço, no mínimo, deveria ter o bom senso. Pensar que, um dia, ele poderá se ver nessa situação! Solidariedade, amor ao próximo? Foram esquecidos por muitos, infelizmente!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  12. Oi Taís
    Deparar com tamanha falta de sensibilidade e solidariedade de um prestador de serviços deixa-nos consternados. Situações como esta e tantas outras são corriqueiras nesse nosso mundo individualista onde cada um só pensa no próprio umbigo. E cada mais nos convencemos da veracidade destas palavras de Quintana
    Beijos e domingo repleto de sorrisos e amor

    ResponderExcluir
  13. Uma excelente crônica abordando um tema tão
    dorido e real nesta selva humana.
    A solidão faz parte da experiência humana e necessária
    como momento reflexivo, mas esta solidão de esquecimento
    do processo de sentir o outro, nesta irmandade da raça
    humana é muito cruel, crú de gestos e ausência de espelhos
    na ação da solidariedade.

    Bela a solidariedade de vocês dois para com a senhora!

    O Mário Quintana, o mestre da Poesia sábia ficou
    muito bem na sua crônica.

    Um domingo alto astral, querida!
    Beijos.

    ResponderExcluir
  14. Bom dia, Tais. Infelizmente existem "pessoas" como esse taxista mais do que possamos imaginar.
    Eu me pergunto se o coração das pessoas está cada vez mais endurecido para terem atitudes apáticas assim de não ajudarem o próximo.
    Meu avô tem 95 anos,fraturou o fêmur, por essa razão, só anda acompanhado. Minha irmã chega a sufocar meu avô com cuidado, mas compreendo que é para não ocorrer o pior.
    Não ter compaixão é uma pobreza de alma sem justificativa.
    Que Deus proteja essa senhora e coloque pessoas boas como vocês para a ajudarem.
    Quanto aos filhos, não sei se os têm, melhor não, para não sofrer o desgosto com a omissão deles.
    Fiquei emocionada ao ler.
    Muito real e triste sua crônica.
    Parabéns.
    Tenha um mês de paz.
    Beijos na alma.

    ResponderExcluir
  15. Boa tarde Querida Tais.
    Uma triste realidade que infelizmente se tornou algo frequente. Meus pais foram cuidados por mim até o final com amor e zelo. Não comprendi até hoje como pode um familiar, filhos, amigos etc deixar a própria sorte uma pessoa idosa. O relato sobre a atitude do taxista foi desumana. Mas só essa senhora está sozinha mostra indiferença total de todos com ela. Imagino como deve ser triste. Vocês como pessoas sensível que são ajudando sem muitas perguntas o que com certeza so iria constager a senhora.Atitude humana a de vocês. Olho ao meu redor e percebi que o mundo está cada vez pior, a insensibilidade cresce. Uma feliz semana para vocês. Abraços.

    ResponderExcluir
  16. Também optei por um tema sério para reflexão, neste fim de semana...
    É preciso analisar estas aberrações do comportamento humano, porque de tanto se tornarem vulgares, podem embotam-nos os sentidos e deixar de nos sensibilizar...

    Cada vez mais, a terceira idade está condenada à solidão...
    Um facto transversal a todas as classes do mundo civilizado.
    Terá sido Deus que vos colocou no lugar e no momento certos?
    É bom e acalentador pensar que sim e que a desventura tornou a senhora idosa decidida e lutadora.

    Apreciei esta ótima crónica de intervenção cívica, Taís.
    Beijos, desejando dias muito felizes.
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quis dizer, '... podem embotar-nos os sentidos...'
      Abraço.

      Excluir
  17. Por isso é que eu gosto tanto de a ler amiga Taís.
    A sensibilidade com que foca todos os assuntos merece sempre a nossa reflexão, mesmo nos seus textos com mais humor.
    Dou assistência diária à minha mãe que já tem a bonita idade de 87 anos, mas não vivo com ela pois quer viver sozinha, ser independente.
    Embora seja para mim motivo de uma grande preocupação respeito esta sua decisão até ser possível.
    Quando vejo idosos na situação que referiu, fico muito deprimida,pois não penso na minha mãe, penso em mim, um dia.

    Um beijinho e boa semana

    ResponderExcluir
  18. No puedo decir que estoy sola, pues tengo a mi marido y nunca he sentido soledad quizás porque siempre me he sabido ocuparme y distraerme, pero leyendo veo lo triste que es estar solo, pues cuando no se tiene a nadie que puedas acudir para que te ayuden en momentos así es muy triste y creo que cada día la soledad se vive más por el contexto de la sociedad.
    Un abrazo

    ResponderExcluir
  19. Olá maninha realmente a generosidade e a educação se mudaram deste planeta, as vezes presenciamos coisas assim revoltantes, mas Deus colocou a pobre senhora no caminho de vocês por saber que são pessoas solidárias, nada é ao acaso neste mundo. A indiferença das pessoas com relação aos idosos é de se temer, principalmente vindo de pessoas mais jovens, será que pensam que a juventude é eterna? Ou será simplesmente falta de educação? ou são alienados não pensam mais só sobrevivem? Não sei, só sei que seja lá o que for é terrível.
    Sua cronica triste mas ótima amiga, nos faz pensar e até chorar.
    beijinhos, Léah

    ResponderExcluir
  20. Olá Taís! É realmente triste o que conta, tanto mais triste quando sabemos que é assim com tantos idosos. A solidão na velhice é arrepiante e demasiado humilhante para quem a sofre. Obrigada por esta reflexão.
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  21. E aqui está mais uma prova de que vivemos " num mundo vazio de sentimentos" e mais triste ainda é constatarmos que não há, na falta dos filhos, um vizinho, um parente que se digne acompanhar um idoso ao médico. Sexta passada fui visitar uma senhora de 86 anos, muito amiga da minha mãe( que mora no Braisil) que está bastante debikitada, mas com a cabeça muito lúcida. Tem doze filhos e trabalhou muito para os poder criar, pois ficou viuva muito cedo; vive co uma filha e está muito bem cuidada; olhando o rostinho dela, vê-se que não lhe falta o carinho tanto dos filhos, quanto dos netos. Nem imagina a alegria que senti quando a pus a conversar com a minha mãe pelo WhatsApp; ficaram as duas a recordar tempos antigos e a rirem de casos passados; fez-me muito bem te proporcionado às duas aquele belo momento. Sei que a minha mãe ficou com muitas saudades e tv até um pouco triste, pois tem consciência de que, devido à situação do meu pai, não voltará a ver esta e oitras amigas. Sabes Tais, tenho muita pena destes idosos que vivem sozinhos, muitas vezes esquecidos pelos próprios filhos; por isso resolvi fazer voluntariado neste campo; a idosa que eu visito não teve filhos, mas tem a sorte de não se sentir abandonada pelo resto da familia; sobrinhos e amigos telefonam-lhe e visitam-na também. Não sei o que se passa na cabeça das pessoas, amiga! Mas, uma coisa é certa, quando chegarem a essa idade não vão ter quem lhes faça um carinho sequer. Aqui se faz, aqui se paga. Muito obrigada por este texto que nos deixa tristes, mas que nos faz pensar e mudar a nossa atitude perante os mais incapacitados. Sabes, o ano passado passei 3 meses no Brasil e quando vi como estavam os meus pais, principalmente o pai que nem sempre me conhecia, deu-me " um clic " e a partir daí comecei a visitar pessoas que foram muito importantes na minha infância e que agora estão muito fragilizados; pensei : " que interessa ir ao funeral delas ? Não! Quero vê-las e fazer-lhes alguma companhia enquanto cá estão. E assim tenho feito; ficam imensamente felizes e para mim tb é bom, pois recordo os tempos em que brincava com os filhos delas. Tais, desejo-te uma bela semana e que tenhas sempre a oportunidade de gestos como o que tiveste com essa idosa; tenho a certeza que te fez muito bem.
    Beijinhos
    Emilia

    ResponderExcluir
  22. En ningún momento me he sentido sola, será porque tengo siempre alguna distracción en mi mente, jeje...
    Un placer leerte querida amiga.
    Besosssss!!!

    ResponderExcluir
  23. Cara e perspicaz amiga Tais, tuas cronicas lembram o inigualável Rubem Braga, pela propriedade com que conduz a narrativa. Este post remeteu-me, não sei porque, a um depoimento do escritor Heitor Cony - 92 anos-, outro dia no Canal Brasil, quando disse que não é bom ficar muito velho, porque no caso a pessoa geralmente fica só, sem conjuge, sem amigos, pois os daquela geração já partiram quase todos...
    Um abração. Tenhas uma linda semana

    ResponderExcluir
  24. Pois é, Taisinha, com aquela senhora pudemos sentir a sua fragilidade e o seu desamparo. Mas também vimos a sua força interior, como que ignorando a fragilidade do corpo. Em mim foi essa força que marcou. Com essa força, ficou à mostra a sua dignidade. Vi nela um extraordinário autorrespeito. Uma bela pessoa.
    Beijinho daqui do escritório.

    ResponderExcluir
  25. Realmente, deparamo-nos com situações que nos mobilizam. É incrível a insensibilidade de algumas pessoas diante de situações de tanta fragilidade. Há pessoas que se vitimizam, esta senhora mostrou gratidão.bjs

    ResponderExcluir
  26. Voltei, Tais e Pedro; pois a mim também, apesar da distância do evento, marcou-me, ou melhor, fez-me refletir sobre a força interior da senhora desamparada, haja vista, que em muita vezes ficamos surpresos com o desânimo apresentado por pessoas jovens, cheias de vitalidade, que mais parecem mortos-vivos.
    Um abraço ao casal. Ah, tenham um bom feriado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Dilmar, confesso que essa situação deva causar um certo mal estar em todos nós. Aquela senhora não me sai da cabeça. A entrevista que você fala, com Heitor Cony, mostra bem essa preocupação. Se não me engano, foi ele mesmo que falou que quando seu cachorrinho morreu, seu grande companheiro - passou por maus momentos... A solidão assusta, sim, não estamos livres de sua sombra. Obrigada pelos seus 'generosos' comentários, sempre tão bem-vindos.
      Abraço, amigo.

      Excluir
  27. Querida Tais:
    Los años pasan sin darnos cuenta, cada uno de nosotros ocupados en nuestros trabajos, pero cuando se llega al periodo final de la vida; cuando las fuerzas flaquean (como a la señora que acompañasteis), es cuando se necesita más la compañía, y tristemente suele suceder lo contrario.
    Triste relato que sirve para concienciarnos en ayudar a los mayores, aunque sea con unas amables palabras.
    Un fuerte abrazo amiga.

    ResponderExcluir
  28. O desamparo na velhice é cada vez maior. A falta de paciência dos mais jovensa se mistura à não aceitação do estado debilitado que a maioria dos idosos teimam em querer sustentar.

    ResponderExcluir
  29. A solidão é mesmo amarga.
    Cadinho RoCo

    ResponderExcluir
  30. Verdade Taís, a solidão - filha do egoismo - assola o mundo contemporâneo. O ser humano hedonista, ansioso, desprovido de valores espirituais (não digo religiosos) não tem tempo para os idosos " velhos inúteis"... É triste!

    ResponderExcluir
  31. Comovente.....Uma realidade muito triste.
    Por vezes....os idosos têm orgulho...antes
    quebrar que torcer....
    Adorei ler.
    Beijo

    ResponderExcluir
  32. E o problema mais grave... será quando desistimos de nós...
    A senhora mesmo sem poder... e sem ajuda... estava determinada a ir a consulta... poderia simplesmente até ter desistido... mas de alguma forma se arrastou para lá ir...
    Mas seu texto apresenta um retrato bem fiel de tantas realidades... e eu conheço casos assim... pessoas que criaram filhos e netos... e agora no fim da vida com problemas de saúde... não têm ninguém que possa perder tempo com eles, por uma razão ou por outra... a vida é mesmo cruel, por vezes, infelizmente... não se compadecendo com os mais debilitados...
    Beijos
    Ana

    ResponderExcluir
  33. É a triste realidade de nossos dias, Tais!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  34. Taís as cronicas do cotidiano são sempre carregadas de lição,reflexão e ensinamentos.Este episódio nos leva sempre a um adentramento da cena e posicionarmos. O vazio dizem que é um elemento a nos impulsionar, mas como bem observou, é preciso que outra parte de nós esteja a sincronizar.
    Bom olhar e analise.
    Abraços

    ResponderExcluir
  35. Sempre gostei muito de ficar só. Não digo só o tempo todo, mas só por algum tempo. Acho que todos nós precisamos um pouquinho de solidão e acho que no fundo até mesmo quem diz não gostar de ficar só, tem um pouquinho de solidão dentro de si. A gente pode ter amigos, pode ter irmãos, pode ter toda a família sempre ali em nossa companhia, mas dia ou outro acorda com aquela melancolia, aquela vontade de ficar só, aquela vontade de não conversar com ninguém, aquela vontade de pensar e pensar, de falar com si próprio, de ser só de si.Tem dias que a gente acorda e tudo que menos quer é encarar o mundo lá fora. Ficar escondido, isolado só por aquele momento seria ótimo... Por que o mundo fechou as postas da complacências para aqueles que ao despertar gostaria de uma mão amiga para ajuda-la.... Tais vc e seu esposo são pessoas que deveriam se multiplicarem pela face desta terra, onde a calamidade esta a nos rodear... big bj em seu coração...

    ResponderExcluir

MEUS AMIGOS:

1 - Este blog não envia nem recebe comentários anônimos ou ofensivos.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

3 - Meus agradecimentos pelo seu comentário, sempre bem-vindo.


Meu abraço a todos.
Taís Luso