22 de julho de 2009

DE QUE RIEM OS PODEROSOS?



- Affonso Romano de Sant’Anna

De que riem os poderosos?
tão gordos e melosos?
tão cientes e ociosos?
tão eternos e onerosos?

Por que riem atrozes
como olímpicos algozes,
enfiando em nossos tímpanos
seus alaridos e vozes?

De que ri o sinistro ministro
com sua melosa angústia
e gordurosa fala?
Por que tão eufemístico
exibe um riso político
com seus números e levíticos,
com recursos estatísticos
fingindo gerar o gênesis,
mas criando o apocalipse?

Riem místicos? ou terrenos?
riem, com seus mistérios gozosos,
esses que fraudulentos

se assentam flatulentos
em seus misteres gasosos?

Riem sem dó? em dó maior?
ou operísticos gargalham
aos gritos como gralhas
até ter dor no peito,
até dar nó nas tripas
em desrespeito?
Ah, como esse riso de ogre
empesteia de enxofre
o desjejum do pobre.

Riem à tripa forra?
riem só com a boca? 

riem sobre a magreza dos súditos
famintos de realeza? 

riem na entrada
e riem mais
- na sobremesa?

Mas de tanto riem juntos
por que choram a sós,
convertendo o eu dos outros
num cordão de tristes nós?


____________
Sant’Anna, Affonso Romano, 1937
Poesia reunida: 1965-1999
Porto Alegre, LM&M Pocket - 2004




9 comentários:

  1. Olá Taís querida, que texto maravilhoso esse hein!
    Ele diz tudo e só me resta aplaudir!!!
    Beijos querida...

    ResponderExcluir
  2. Bom dia TAIS

    Amiga, adorei este maravilhoso,
    audaz e corajoso poema.
    Já sabemos de que riem os poderosos. O ministro ri, dos incautos cidadãos que o acreditaram. E os demais, riem da
    pobreza que exploram.

    Felicito-a

    Um beijo

    Alvaro

    ResponderExcluir
  3. Infelizmente, enquanto eles riem a gente chora (principalmente vendo a mazela deles)...

    Depois de um tempo sumido, voltando.

    Fique com Deus, menina Tais.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  4. Tais:
    Eu particularmente acho que riem de nós todos,Será possivel termos todos cara de palhaço? Relembro o episodio recente de nossa excelência sr ,eminente homen incomum :José Sarnei e familia.
    Excelentissimo sr presidente do senado Brasileiro.
    Incrivelmente bom este texto.
    Parabens!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
  5. Absolutamente esplêndido este texto, Taís!
    Desgraçadamente eles riram, riem e rirão... ad eternum.

    bj
    Cesar

    ResponderExcluir
  6. Tais:

    Seu texto vai no fundo de nossas almas, lamentável e cruel o riso dos poderosos sobre as mazelas do mundo.
    Parabéns!por seu texto.

    beijos,

    ResponderExcluir
  7. MUITO OPORTUNO E PROVOCATIVO O POEMA.ALIÁS É HORA DE PROVOCAR REALMENTE. ESTE PAÍS PRECISA DE UMA SACUDIDA, PARA JOGAR LONGE OS ÁCAROS QUE EMPORCALHAM SEU MANTO.
    NÓS COM NOSSOS BLOGS PODEMOS COLABORAR DE ALGUMA FORMA PARA ISSO
    NO ANO ELEITORAL QUE SE APROXIMA. PRECISAMOS COMEÇAR A PENSAR NISSO: COMO DAR NOSSA COMTRIBUIÇÃO PARA MELHORAR AO MENOS UM POUQUINHO A QUALIDADE DE NOSSOS GOVERNANTES.
    Um abraço

    ResponderExcluir
  8. Parece que son muchos los que ríen.

    Un dolor la falta de respeto por los

    ciudadanos.

    Hermosamente escrito.

    Saluda desde Argentina Liliana.

    ResponderExcluir
  9. suzane de carvalho17:37

    sem palavras...ele já disse tudo e descreveu nosso triste cenário...

    ResponderExcluir

QUERIDOS AMIGOS:

1 - Este blog não envia nem recebe comentários anônimos ou ofensivos.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

3 - Meus agradecimentos pelo seu comentário, sempre bem-vindo.


Meu abraço a todos.
Taís Luso