22 de junho de 2010

A PARANÓIA DA IDADE




- tais luso de carvalho


Irrito-me com grossura. Não sei por que certas revistas colocam a idade de seus entrevistados. Fica um texto chulo. O que tem a ver a idade da criatura se não se trata de uma biografia, RG, CPF, título eleitoral, exames de laboratórios... Para que servirá? Para nada: apenas para fofoca. Ficamos parecidos com o vale quanto pesa.

Respeitar a privacidade dos outros é coisa do passado. A curiosidade, a insistência, a obsessão por algo particular, incomoda.

Parece que somos uma mercadoria: após o nome, vem a idade! Ao entrarmos nos 50 anos, nós, pobres mortais, sentimos um pouco de desconforto; é como se todo nosso potencial físico tivesse atingido o limite. Para uns, estamos bem conservados; para outros, despencando. Se estamos magros, estamos doentes; se estamos gordos, estamos com problemas emocionais. Ou na menopausa.

Como devemos estar aos 50, 60, 80 anos? Adolescentes? Cocotas?
Envelhecer, hoje, é um ato de bravura, é como ir para guerra e sobreviver, apesar dos percalços... Tornou-se um suplício, uma via-crucis para muitos. A lei é esticar até perder a expressão.

O prático e gostoso é colocar frustrações e problemas em cima da carcaça alheia. Diante destas pessoas todos estamos uns cacos, babando.

Sobre idade, já escutei muitas pessoas dizerem a outras: ASSUMA!! Mas assumir o quê? Pra quem? Não temos nada pra assumir; não devemos satisfações a ninguém, salvo em certos casos que citei acima.

Vejam só como certas coisas irritam: quando se chega lá pelos 75 anos, muitos pessoas começam a ouvir tolices: que estão ficando gagás. Mas quando se chega perto dos 90 ou 100 anos aí o quadro é outro: como o fulano está lúcido, bem disposto... 
Pô, eu não entendo isto.

Ouço pelos cantos deste Brasil que o arquiteto Niemayer - com mais de 100 anos - está ótimo, trabalhando; que a falecida Dercy Gonçalves - com 100 anos - tinha o vigor de uma criança; que Seu Mauricio, com 90 aninhos, está com todo o gás, acabou de fazer um filho com uma garota de 25!

PORÉM...
As fulanas, de 50 ou 60 anos, estão A-CA-BA-DAS.
Não entendo.

Então, o que acontece, é que nós, mulheres, estamos em franca transformação: estamos virando peruas de vanguarda! E os homens, em malhados rinocerontes. Não estamos num palco, ninguém nos olha tanto quanto imaginamos. Ninguém é o centro das atenções. Somos apenas uma partícula viva do Universo. E meio que perdidos na nossa essência. Voando por aí...

Podemos ser grandes, como podemos ser nada. E diante de tudo isso, de todo o mistério que nos rodeia, é pequeno demais nos preocuparmos com idade que não é nada mais do que fases da vida. Ser velho não é vergonha. São os únicos que poderão dizer: missão cumprida, vivemos plenamente.

É muita intromissão essa história de idade. E, como se não bastasse, após a perguntinha cretina, ainda dizem que a setentona tá uma gata! Também não vamos pro exagero...

Capacidade, conhecimento, amizade, amor e beleza encontramos nas pessoas, não em números.



21 comentários:

  1. Tais,
    coerente e verdadeira sua cronica. disse tudo...
    a idade é uma questão só nossa, mesmo porque envelhecer é um estado de espirito. Conheço gente nova que parece velha e gente velha que parece bem mais nova.
    Ah... e hoje mesmo meu netinho (6 anos) veio aqui para fazer uma entrevista ( da escola) com a vovó, e a primeira pergunta foi: - Qual a sua idade? e outras mais de pouca relevancia. Poderiam perguntar por exemplo, algo referente a valores a transmitir, ideais a seguir, exemplos a dar, etc, mesmo porque é grande falta de educação uma criança perguntar a idade de uma pessoa mais velha.
    bjs

    ResponderExcluir
  2. É Taís, a cultura ocidental trata o novo como sendo o bom e o velho ultrapassado. Não importa a história que se constrói. Hoje eu tenho dito o seguinte: a gente depois de velho é tratado como um incômodo se for pobre, portanto morrer logo é um alívio para todos. Se for rico também deve morrer logo, para deixar uma herança. Adorei a sua abordagem. Abraços. Paz e bem.

    ResponderExcluir
  3. Oi Thaís,
    Essa questão de idade é mesmo uma provocação (rss). Ora! se temos sessenta é porque já tivemos vinte, trinta, quarenta... Os mais novos querem nos fazer crer que estamos ficando pra trás, mas eu acho que é justamente o contrário: Nós estamos é na frente...

    Vim te convidar a visitar São João no meu blog "Guardados e Achados".
    Bjs.

    ResponderExcluir
  4. Adorei!!!

    Por coincidência, hoje eu postei uma poesia que fiz anteriormente, sobre a Dercy Gonçalves. Hoje é aniversário dela.

    Um grande abraço. Tenha uma bela noite.

    ResponderExcluir
  5. Muito bem dito, Tais! O mais estranho é aquilo que você disse sobre o período entre 50 e 70. Depois, "se a pessoa sobreviver", vão dizer o que disseram sobre Dercy e dizem sobre Niemeyer. "Mas você está ótimo, nem parece que tem 89 anos!" Ou coisa parecida.
    Bjoo!!

    ResponderExcluir
  6. Quando algum jovem pergunta a minha idade, eu respondo: eu tenho a idade que, da forma em que o mundo está, talvez não chegues lá. Tenho 67 anos e não tenho motivos nenhum para esconder. Quando criança, tudo que sonhei ser, fazer e ter, realizei. Se tiver de morrer amanhã, morrerei satisfeito. Rsrs.

    Bela crônica, muito verdadeira.

    Beijos e ótimo São João pra ti e para os teus.

    Furtado.

    ResponderExcluir
  7. Oi Tais!

    Texto perfeito e revela a realidade da nossa cultura onde a idade é considerada uma fronteira entre o jovem moderno e o caquético ultrapassado!

    Admiro quem sabe envelhecer com dignidade!

    Acho deprimente ver uma mulher querendo parecer uma mocinha, no vestuário e nas atitudes... e os homens então? Como é ridículo ver aqueles "tiozinhos" dando em cima da mocinhas... credo!...rsss

    Eu nunca escondi minha idade! Ainda não fui chamada de velha... mas no dia que isso acontecer, já tenho a resposta na ponta da língua:
    - Velha eu? Que nada! Eu apenas sou jovem há mais tempo!

    Gostou?...hehehehe

    Beijos

    Lia
    Blog Reticências...

    ResponderExcluir
  8. taís querida,

    quem dera a felicidade nao fosse um estado mais um ser...
    lindo dia com carinho e bjos.

    ResponderExcluir
  9. Este é o mundo onde a estética, a aparência, está no topo do topo.

    A questão é a Idade Mídia que precisa de um mercado que a sustente, - precisa que o anunciante potencial reconheça na publicação o perfil de seus leitores e invista pesado nela, mantendo-a em "estado (comercialmente) interessante." rsrs

    Claro, isso não agrada a todos,mas certamente à maioria, pois vivemos num país onde Educação sempre é a última preocupação, e poucos são os que possuem massa crítica para reagir a isso. A maioria lê de modo inercial. Engole tudo sem mastigar, ou dar à língua a possibilidade de sentir o sabor do que estão ingerindo.

    Assim, vai-se convivendo com a revelação da idade, e outros tantos detalhes que são perfeitamente dispensáveis, porque não atentam apenas contra a pessoa que é o foco da matéria... Vão muito além...

    bjs, Taís, e inté!

    ResponderExcluir
  10. Taís, parabéns pelo texto! Sou estudiosa do envelhecimento e afirmo que a sociedade é mais cruel, conosco mulheres! Afinal, homem mais velho é como uísque, quanto mais velho melhor...a mulherada pinta os cabelos, as menininhas correm atrás dos grisalhos e eles babam por elas...rs...Cada idade com sua beleza: carnes duras, miolos moles. Nada contra o povo da malhação, mas também não me sinto empolgada a acompanhar o padrão diet-light...bah! Com o tempo...ah, o tempo, nosso amigo tempo...tudo passa e só o que é valioso prevalece! E o resto é lixo cultural. Tenho dito.

    ResponderExcluir
  11. Tais, a aparência é somente a vestimenta de nosso espírito - alguns vieram mais privilegiados, seja em estatura, corpo, cabelos, DNA, sei lá. Mas essa matéria, como todas as outras, sofre a ação do tempo, e essa irreversível verdade acomete mais as mulheres, suscetíveis que são a imagem corporal.

    A idade, sabemos, é conseqüência do correr da vida, e embora geneticamente tenha tido sorte pq descendo de famílias que demoram a dar sinais de envelhecimento, sempre fiquei muito tranqüila sobre "revelar" a idade - antes duvidavam que era mãe de um rapaz de trinta anos, hj se espantam por ser avó (com 51 anos, acho que demorou pra caramba!!!...rsrs). Mas o chato é ouvir piadinhas, comparações e observações do tipo "que conservada"...grrrrrrrr

    Porém, está certíssima vc: "Capacidade, conhecimento, amizade, amor e beleza encontramos nas pessoas, não em números"

    Como sempre, adorei!!
    Beijos

    ResponderExcluir
  12. ...e segue a lista: solidariedade, apoio, conforto, presença, criatividade,elegância de gestos e fatos e, mais,muito mais...
    Somos pessoas que têemm a benesse de fazerem e viverem uma história de vida e de estarem ainda produzindo outras.
    Viva a cada década vivida!!!
    Amei mais essa reflexão, Tais.
    Somos gente que ama gente.
    Bjos carinhosos,
    Calu

    ResponderExcluir
  13. Simplesmente BRILHANTE o seu texto.
    Os brasileiros costumam atribuir valor quase sempre a algo externo. Idade, doutorado, experiência no exterior, dinheiro, etc.
    Creio muito que seja o reflexo da ignorância.
    Por traz disso existe o machismo velado que, nem sempre parte dos homens. Muitas mulheres são "machistas".
    Além do mais a idade é linda... Não é a toa que sou geriatra.
    Um grande abraço
    Blog de Um Brasileiro

    ResponderExcluir
  14. Olá, desculpe invadir seu espaço assim sem avisar. Meu nome é Fabrício e cheguei até vc através Zambeziana. Bom, tanta ousadia minha é para convidar vc pra seguir meu blog Narroterapia. Sabe como é, né? Quem escreve precisa de outro alguém do outro lado. Além disso, sinceramente gostei do seu comentário e do comentário de outras pessoas. Estou me aprimorando, e com os comentários sinceros posso me nortear melhor. Divulgar não é tb nenhuma heresia, haja vista que no meio literário isso faz diferença na distribuição de um livro. Muitos autores divulgam seu trabalho até na televisão. Escrever é possível, divulgar é preciso! (rs) Dei uma linda no seu texto, vou continuar passando por aqui...rs



    Narroterapia:

    Uma terapia pra quem gosta de escrever. Assim é a narroterapia. São narrativas de fatos e sentimentos. Palavras sem nome, tímidas, nunca saíram de dentro, sempre morreram na garganta. Palavras com almas de puta que pelo menos enrubescem como as prostitutas de Doistoéviski, certamente um alívio para o pensamento, o mais arisco dos animais.


    Espero que vc aceite meu convite e siga meu blog, será um prazer ver seu rosto ali.


    Abraços

    http://narroterapia.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  15. Taís.....Conheci um cavalheiro que se
    encantou por uma senhora mais nova treze
    anos....tudo bem, até o 'calhando em conversa'....,quantos anos tens....e ela não acreditou, quis ver o B.I...
    Então abriu a boca de espanto e nunca
    mais sairam juntos, pois ela passou a
    estar sempre ocupada..!!!!!!
    Paranóia da Idade......
    Beijo

    ResponderExcluir
  16. Ei!
    Passando pra conhecer seu espaço.
    Vou adora
    ve-la por meu canto.
    Depois volto pra comentar de fato, vou seguir o passeio...
    Bjins entre sonhos e delírios

    ResponderExcluir
  17. Existe muuuuito preconceito com os mais velhos! É pura ignorância, pois só não envelhece quem morre antes. Eu nunca tive problema em dizer a minha idade. Acho ridículo. As mulheres têm muito disso. Os homens não.
    Um poema para iluminar a sua semana!!!

    "O MILAGRE DA AMIZADE
    A Amizade torna os fardos mais leves, porque os divide pelo meio.
    A Amizade intensifica as alegrias,
    elevando-as ao quadrado na matemática do coração.
    A Amizade esvazia o sofrimento,
    porque a simples lembrança do amigo é lenitivo
    com jeito de talco na ferida.
    A Amizade ameniza as tarefas difíceis,
    porque a gente não as realiza sozinho.
    São dois cérebros e quatro braços agindo.
    A Amizade diminui as distâncias.
    Embora longe, o amigo é alguém perto de nós.
    A Amizade enseja confidências redentoras:
    problema partilhado, percalço amaciado,
    felicidade repartida, ventura acrescida.
    A Amizade coloca música e poesia na banalidade do cotidiano.
    A Amizade é a doce canção da vida e a poesia da eternidade.
    O Amigo é a outra metade da gente.
    O lado claro e melhor.
    Sempre que encontramos um amigo,
    encontramos um pouco mais de nós mesmos.
    O Amigo revela, desvenda, conforta.
    É uma porta sempre aberta em qualquer situação.
    O Amigo na hora certa, é sol ao meio dia, estrela na escuridão.
    O Amigo é bússola e rota no oceano, porto seguro da tripulação.
    O Amigo é o milagre do calor humano que Deus opera no coração."

    (Roque Schneider)

    ***************************
    Sônia Silvino's Blogs
    Vários temas & um só coração!
    Tudo feito com carinho especialmente para você!

    ResponderExcluir
  18. Rsrsrs... Achei ótimo, e concordo com você, em gênero, número e grau!

    De mais a mais, acho que a idade está é na cabeça da gente, e que por isso mesmo, só importa a nós mesmos.

    E que não me venham dizer que "estou muito conservada", pois me sinto o próprio pepino em conserva...rs

    Beijão

    Cid@

    ResponderExcluir
  19. Oi Taís,
    A idade é um caso sério!...
    Quando somos jovens, bonitas e gostosas, muitas vezes não nos damos conta de tudo que nos cerca.
    Quando sabemos exatamente o que estamos fazendo, quando o dinheiro chega a vida fica arrumadinha, a danada da juventude se foi.
    Mas o importante é saber viver todas as etapas. Quando não somos mais as gostosonas, passamos a ser elegantes, mais tarde inteligentes e interessantes, então? há sempre um motivo para sermos felizes.
    Deus em sua misericordia vai nos dando rugas e encurtando a vista.
    Ah!!! sei lá!!! tenho tanta vocação para felicidade que não sei se a idade me faria infeliz. Eu aproveitei tanto a vida, que se eu me aposentasse para viver só de recordações teria uns bons tempos para ser feliz relembrando.
    Um beijo amiga,
    Dalinha Catunda

    ResponderExcluir
  20. Nuuussssaaaa!!!! Rsrsrs
    Eu resumo tudo nesta frase de Quintana.

    "Idade só há uma. Ou se esta vivo ou se esta morto. Neste último caso é idade demais"

    Bjs!

    ResponderExcluir
  21. Penso que misturamos os parametros, pois pensamos na capacidade de produzir que a pessoa seja reduzida com idade (mesmo que inconscientemente), ai ficamos avaliando a imagem desta capacidade e a pessoa propriamente dita...

    Por exemplo, uma pessoa com 80 anos, vive, sai e etc, como se fosse uma pessoa de 20 anos, então não é que a pessoa viva mais do que outra pessoas, mas para nós a pessoa de 80 anos é super ativa, porque esperamos dela pouca atividade.

    Desculpa se fui meio confuso.

    Fique com Deus, menina Tais Luso.
    Um abraço.

    ResponderExcluir

QUERIDOS AMIGOS:

1 - Este blog não envia nem recebe comentários anônimos ou ofensivos.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

3 - Meus agradecimentos pelo seu comentário, sempre bem-vindo.


Meu abraço a todos.
Taís Luso