7 de maio de 2014

O DIA DAS MÃES / Giuseppe A. Ghiaroni

                                                                                  Gustav Klimt


O DIA DAS MÃES - Giuseppe A. Ghiaroni


Mãe! Eu volto a te ver na antiga sala
onde uma noite te deixei sem fala
dizendo adeus como quem vai morrer.
E me viste sumir pela neblina,
porque a sina das mães é esta sina:
amar, cuidar, criar, depois… perder.


Perder o filho é como achar a morte.
Perder o filho quando, grande e forte,
já podia ampará-la e compensá-la.
Mas nesse instante uma mulher bonita,
sorrindo, o rouba, e a velha mãe aflita
ainda se volta para abençoá-la…


Assim parti, e nos abençoaste.
Fui esquecer o bem que me ensinaste,
fui para o mundo me deseducar.
E tu ficaste num silêncio frio,
olhando o leito que eu deixei vazio,
cantando uma cantiga de ninar.


Hoje volto coberto de poeira
e te encontro quietinha na cadeira,
a cabeça pendida sobre o peito.
Quero beijar-te a fronte, e não me atrevo.
Quero acordar-te, mas não sei se devo,
não sinto que me caiba este direito.


O direito de dar-te este desgosto,
de te mostrar nas rugas do meu rosto
toda a miséria que me aconteceu.
E quando vires e expressão horrível
da minha máscara irreconhecível,
minha voz rouca murmurar: 'Sou eu!'


Eu bebi na taberna dos cretinos,
eu brandi o punhal dos assassinos,
eu andei pelo braço dos canalhas.
Eu fui jogral em todas as comédias,
eu fui vilão em todas as tragédias,
eu fui covarde em todas as batalhas.


Eu te esqueci: as mães são esquecidas.
Vivi a vida, vivi muitas vidas,
e só agora, quando chego ao fim,
traído pela última esperança,
e só agora quando a dor me alcança
lembro quem nunca se esqueceu de mim.


Não! Eu devo voltar, ser esquecido.
Mas que foi? De repente ouço um ruído;
a cadeira rangeu; é tarde agora!
Minha mãe se levanta abrindo os braços
e, me envolvendo num milhão de abraços,
rendendo graças, diz: 'Meu filho!', e chora.


E chora e treme como fala e ri,
e parece que Deus entrou aqui,
em vez do último dos condenados.
E o seu pranto rolando em minha face
quase como se o Céu me perdoasse,
me limpasse de todos os pecados.


Mãe! Nos teus braços eu me transfiguro.
Lembro que fui criança, que fui puro.
Sim, tenho mãe! E esta ventura é tanta
que eu compreendo o que significa:
o filho é pobre, mas a mãe é rica!
O filho é homem, mas a mãe é santa!


Santa que eu fiz envelhecer sofrendo,
mas que me beija como agradecendo
toda a dor que por mim lhe foi causada.
Dos mundos onde andei nada te trouxe,
mas tu me olhas num olhar tão doce
que, nada tendo, não te falta nada.


Dia das Mães! É o dia da bondade
maior que todo o mal da humanidade
purificada num amor fecundo.
Por mais que o homem seja um mesquinho,
enquanto a Mãe cantar junto a um bercinho
cantará a esperança para o mundo!

Giuseppe Ghiaroni



42 comentários:

  1. Ki Lindo!!!!!

    Feliz dia das maes que chega ja, ja :-)

    bjx

    RF

    ResponderExcluir
  2. Jackel19:54

    Eu adorei muito esse poema,
    vc pode ñ acreditar mais
    eu amei de verdade..
    feliz dia das maes pra todas asa maes e que seus filhos amem cada vez as suas maes!!!!!!!!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou, Jackel.
      Um beijinho.

      Excluir
  3. Conheço este poema desde a minha infância. Adoro declamá-lo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Octavio.
      Realmente é lindo.
      Abraços.

      Excluir
  4. Lindo poema, Taís! Um inventário de vida emocional de mãe e filho.
    Não o conhecia. Obrigada pela partilha!
    Tocante na vida de todas nós - Mães!
    Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Taís, não conhecia esse lindo poema bem escolhido por você para compartilhar e nos fazer pensar, eu por mim me emocionei, lindo demais, mãe é isso, ama incondicionalmente, pelo menos a maioria é assim!
    Os filhos crescem e se vão, alguns se dão bem outros não, mas a mãe sempre está a lhe receber com os braços abertos, que emocionante, amei ler!
    Beijos doce amiga!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. CÉLIA E IVONE: conheci esse belo poema há muitos anos, através de meu marido Pedro, ao declamar pra mim, no meu primeiro Dia das Mães. Chorava feito uma cachoeira. E faz um tempão...
      Beijos, queridas.

      Excluir
  6. Olá Taís! Sendo homem, não me envergonho em confessar que me emocionei bastante ao ler este belíssimo poema. Comecei a chorar logo no início da segunda estrofe, após a leitura destes três versos:

    E me viste sumir pela neblina,
    porque a sina das mães é esta sina:
    amar, cuidar, criar, depois… perder.

    É sempre assim! Faz parte da vida, e o golpe não é só para a mãe, mas também para o pai.

    Abraços,

    Furtado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Furtado, eu sei, esse poema emociona, diz tantas verdades, não? Esse dia é alegre e triste, igual a uma mãe - quando ganha e quando perde...
      Abraços, amigo!

      Excluir
  7. MUY HERMOSO. PUEDO ADEMAS MEJORAR MI PORTUGUES CON TUS ESCRITOS.
    GRACIAS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada pela sua presença, Alberto.
      Abraços!

      Excluir
  8. Maravilhosa escolha!Emocionante.Adorei! beijos,tuuuudo de bom,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Chica, adoro esse poema e todos do Ghiaroni.
      Feliz Dia das Mães pra você.
      Um beijo!

      Excluir
  9. É um lindo poema! Dias das mães é aquela mistura de alegria ou saudades. Feliz Dia das Mães para você Tais.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alegria, saudades e tristeza, como narra o poema...amar, cuidar, criar e depois...perder!
      Um feliz Dia das Mães, Néia!
      Um beijo.

      Excluir
  10. "Dia das Mães! É o dia da bondade
    maior que todo o mal da humanidade
    purificada num amor fecundo.
    Por mais que o homem seja um mesquinho,
    enquanto a Mãe cantar junto a um bercinho
    cantará a esperança para o mundo"

    Feliz Dia da Mães, minha querida amiga Tais.
    ps. Carinho respeito e abraço.
    ps2. Eu existo ainda, graças a minha mãe, que Deus mantanhe ela por muito mais anos na minha vida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jair, eu sabia que você iria gostar, sei o tanto que você adora sua querida mãe!
      Um lindo Dia das Mães pra ela, também.
      Obrigadíssima.
      Grande abraço!

      Excluir
  11. é um dos mais belos poemas, que já li, sobre a Mãe. Não conhecia. É muito bonito, comovente... e com sua permissão, vou levá-lo para colocar no meu blogue.

    A pintura de Klint, é uma maravilha. Tenho-a também num post, no meu blogue.
    Aqui, o Dia da Mãe é no 1º domingo de Maio - foi no domingo passado.

    Um beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, Isabel, leve para seu blog, divulgue, é muito lindo.
      Obrigada pela sua visita.
      Um beijo.

      Excluir
  12. Belo poema, ser mae é a melhor coisa do mundo.
    bjs tenha um bom fim de semana.
    http://eueminhasplantinhas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Simone, um ótimo fim de semana pra você, também.
      Beijos.

      Excluir
  13. This is great, super!
    I wish you a nice weekend.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Pantherka!
      Um lindo fim de semana pra você.

      Excluir
  14. Olá.
    Vim até aqui, para lhe desejar um Dia das Mães, com muita alegria. ( domingo - 11/05 ).
    Independente, de ser ou não, um tempo de saudade ( é o meu caso ). Os meus desejos de saúde e paz.
    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, José Maria.
      Também é o meu caso: é um dia de saudades.
      Abraços!

      Excluir
  15. Bom dia, querida Tais, você sempre me emociona com suas postagens. A de hoje, então me deixou sem fala. Fiquei fixando as palavras do poema e lembrando da minha querida mãe que já foi morar no andar de cima.Bela e interessante escolha. tenha um lindo dia, que o seu dia das Mães seja abençoado. Grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, querida Marli, é um lindo e comovente poema, sei que você gostou... imagino.
      Um lindo dia pra você, também!
      Meu carinho!

      Excluir
  16. Tais,poesia muito emocionante e quanta realidade nesses versos! bjs,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Anne, Um feliz Dia!
      Um beijo!

      Excluir
  17. Mãe é sempre mãe.
    Cadinho RoCo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Cadinho, obrigada pela sua presença!
      bjs.

      Excluir
  18. Tais, meu primeiro contato com esse poema foi há muitos anos, na época escolar. Considerei belo, mas hoje o tenho como divino. Nossas mudanças interiores se refletem no sentir., Por minha mãe estar idosa e apresentando em seu corpo os irreversíveis sinais da velhice, o poema me faz calar tudo e deixar à tona apenas a emoção. Bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Marilene, já li uma montanha de belos poemas para as mães, mas esse acho completo, maravilhoso. Vai nos levando na emoção do começo ao fim.
      Bjs!

      Excluir
  19. Lindo! Maravilhoso!
    Nunca li um poema homenageando as mães com tanta beleza e emoção.
    A pintura também é linda.

    Feliz Dia das Mães para você, cercada de carinho e alegria.

    Beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Verinha, obrigada, pra você também. Já estou esperando filhos e nora...
      bjsss

      Excluir
  20. Tais que bela escolha!Fiquei encantada com o lindo poema.Deixo aqui meu carinho especial neste " Dia das Mães".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida poeta! Obrigada, meu carinho por você.
      Bjs!!

      Excluir
  21. Foi a coisa mais linda que eu li nesse dia das mães. Comovente, Tais luso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também, Fábio.
      Adoro esse poema.
      Obrigada, boa semana!

      Excluir
  22. Linda homenagem às mães através desse poema que tu escolheste, Taís!
    Não há como não emocionar em qualquer dia do ano.
    Bjs!

    ResponderExcluir

QUERIDOS AMIGOS:

1 - Este blog não envia nem recebe comentários anônimos ou ofensivos.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

3 - Meus agradecimentos pelo seu comentário, sempre bem-vindo.


Meu abraço a todos.
Taís Luso