17 de março de 2019

CILADA VERBAL - Affonso Romano de Sant'Anna

Sofrimento / Francisco Brennand        (Das Artes)           




                     CILADA VERBAL  


Há vários modos de matar um homem:
com o tiro, a fome, a espada
ou com a palavra
envenenada


Não é preciso força.
Basta que a boca solte
a frase engatilhada
e o outro morre
na sintaxe da emboscada.

_____________________________________
                 Poesia Reunida 1965 / 1999 - L&PM 2004 / pág 87

Affonso Romano de Sant'Anna nasceu em Belo Horizonte MG/Brasil - 1937. Poeta, crítico e professor de literatura e jornalista. Ainda pequeno, muda-se com a família para a cidade de Juiz de Fora, Minas Gerais, onde inicia seus estudos e se aproxima da literatura ao frequentar as bibliotecas públicas. Começa a carreira jornalística em 1953, publicando críticas de cinema e teatro no Diário Comercial e na Gazeta Mercantil. 

            De família protestante, em 1954, viaja por diversas cidades mineiras pregando o Evangelho em favelas, hospitais e presídios. Em 1962 o bacharela-se em letras neolatinas na Universidade Federal de Minas de Minas Gerais e publica seu primeiro livro de ensaios, O Desemprego do Poeta. Organiza, com outros poetas mineiros, a Semana Nacional de Poesia de Vanguarda, em Belo Horizonte, em 1963.

Em 1964 obtém o grau de doutor pela UFMG, com apresentação de tese sobre o poeta Carlos Drummond de Andrade (1902 - 1987). Casa-se com a escritora Marina Colasanti, e em 1970, vai residir no Rio de Janeiro. Ministra cursos na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - e na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Como professor convidado, dá aulas de literatura e cultura brasileiras em universidades da França, Alemanha e Estados Unidos. Assume a presidência da Fundação Biblioteca Nacional em 1990. Um ano depois, cria a revista Poesia Sempre, importante veículo de divulgação da poesia nacional no exterior. É nomeado, em 1995, para o cargo de secretário-geral da Associação das Bibliotecas Nacionais Ibero-Americanas. Também colaborador assíduo da imprensa em toda sua carreira jornalística, escreve textos para os jornais O Globo, Folha de S. Paulo, Jornal do Brasil, Jornal da Tarde, Correio Brasiliense e O Estado de Minas. Tem poemas traduzidos para o espanhol, inglês, francês, alemão, polonês, chinês e italiano.



________________________________________







48 comentários:

  1. Que bela poesia, Taís! Gosto desse autor! E agora assim que te vi lembrei: sonhei que estávamos juntas dando tantas risadas que perdemos a pose,rs Parecíamos duas adolescentes em festa... Foi muito bom! De que será nós ríamos? Não lembro! Mas o sonho valeu! Acho que ao meu lado tinha um roncador e lembro de termos falado sobre isso nos blogues e no sonho...Portanto as risadas beeeeem justificadas! Sobrou pra eles,rs..Aliás, até gravei o ronco,pois Kiko não acredita! Estou com a prova em punho,rs beijos, chica

    ResponderExcluir
  2. Gostei de ler a biografia do Poeta Sant'Anna, amiga Tais.

    Concordo inteiramente com o poder maléfico que certas palavras podem ter, quando usadas com intenção de ferir.
    Sobre isto tanto havia para dizer...
    Já o nosso Poeta Eugénio de Andrade escreveu também um belo poema acerca d'As Palavras.

    Algumas um punhal
    um incêndio,
    outras, orvalho apenas.

    Pena que as palavras não tenham, todas elas, a doçura cristalina do orvalho.

    Um beijo e boa semana, querida Tais.

    ResponderExcluir
  3. Boa tarde de tranquilidade, querida amiga Taís!
    Que perfeição o autor da frase teve ao formula-la!
    Na ânsia egoísta da dominação, tentamos deixar o outro na lama, aos que, no fundo, temos inveja doentia.
    Lamentável perda de tempo, enquanto poderíamos, no mínimo, estar envolvidos com algum projeto social ou empenhados no autoconhecimento.
    Muito obrigada pela partilha de hoje, amiga.
    Você sempre nos alertando para os perigos eminentes e atuais.
    Que as mas línguas se sequem dentro da boca sórdida!
    Fomos criados para louvar, reverenciar e servir uns aos outros na fraternidade necessária.
    Tenha uma semana cheia de notícias alvissareiras!
    Bjm carinhoso e fraterno de paz e bem
    🙏🌷😘

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostei muito da poesia que a amiga Taís nos trouxe. Mas a sua partilha está soberba! Muito obrigada Roselia

      Excluir
    2. 🙏🙏🙏🌷😘

      Excluir
  4. Tais como gosto muito sob o ponto de vista sociológico, como sempre, fiquei muito agradado de ficar a conhecer Affonso Romano de Sant'Anna e todo o seu percurso literário, bem como a sua personalidade.
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Tais,
    Adorei a tela, a poesia e
    a biografia fantástica.
    Sinto que aprendi um
    pouco mis vindo ler aqui
    hoje. A poesia me
    tocou profundamente
    pois minha vida de
    poeta tem o objetivo de
    reunir gentes e fatos
    ao redor da
    palavra.
    Bjinsde tarde de domingo
    CatihoAlc.

    ResponderExcluir
  6. Na mouche, amiga Tais - poema certeiro!
    gostei muito do poema e de conhecer o nome do Poeta
    que jamais irei esquecer.

    por vezes tenho a pretensão de saber usar as palavras, nunca como seta envenenada, mas como inofensiva fisga. e mesmo assim sou cuidadoso a usar tais palavras emboscadas. apenas as uso como último recurso e em legítima defesa.

    beijo, minha amiga

    ResponderExcluir
  7. Um escritor cujo nome me é familiar mas de quem não lembro ter lido nenhum livro.
    Gostei do poema. As palavras tem muita força tanto para o bem como para o mal. Recordo que a minha avó dizia que uma palavra dita sem pensar era como pedra que arremessada. Nunca se sabia o estrago que podia fazer.
    Um abraço e boa semana

    ResponderExcluir
  8. Excelente lembrança com Affonso Romano. Sua poesia é bastante sutil.
    Beijo, amiga Tais.

    ResponderExcluir
  9. A palavra é uma arma poderosíssima.
    Capaz de derrubar as mais ferozes ditaduras, os mais poderosos exércitos.
    Bjs, boa semana

    ResponderExcluir
  10. Gostei de conhecer!
    Pertinente a mensagem... Bj

    ResponderExcluir
  11. Gran poesía, Taís, además de una inmensa verdad.

    Un beso.

    ResponderExcluir
  12. Concisa y muy cierta la poesía de este poeta que desconocía.
    Y en este caso su denuncia ataca una práctica que es tan fácil de ejecutar...
    Seguro que como periodista, él debió saber de quienes la sufrieron.
    Saludos, Tais.

    ResponderExcluir
  13. Gostei imenso de conhecer o poeta Affonso Romano de Sant'Anna. Há palavras que pesam, que matam, que sufocam. Há as que organizam protesto e são a resistência de quem luta… O Poeta sabe como a "frase engatilhada" pode ser cruel.
    Uma boa semana, minha Amiga Tais.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  14. La poesía narra con bastante certeza la dura realidad de la vida.

    He leído con interés su biografía porque no era un poeta por mí conocido.

    Besos

    ResponderExcluir
  15. Oh Tais como que com tão poucas palavras o autor do poema foi tão certeiro! Agradeço-lhas mas ter trazido e também me dar a conhecer Affonso Romano de Sant'Anna
    Boa semana Taís e um beijo

    ResponderExcluir
  16. Muito boa esta publicação:))
    Obrigada pela partilha:))

    Hoje:- Mesmo que faltem as forças, eu vou...

    Bjos
    Votos de uma óptima Segunda- Feira.

    ResponderExcluir
  17. Taís,como é bom ler tudo que você nos compartilha.
    Gostei muito.
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  18. Boa tarde, querida Tais,
    conheço um pouquinho da escrita de Affonso Romano de Sant'Anna, mas este poema é fantástico.O poder da palavra é imensurável.E quando a palavra vem para ferir,fica mais forte o seu poder, dá-nos a impressão de que o"homem"que seja um pouco descuidado,caí mesmo nas ciladas da sintaxe.Excelente poema filosófico. Abraço, amiga!

    ResponderExcluir
  19. Gostei deste autor mt bonito o post sobre ele bjs

    ResponderExcluir
  20. Querida Taís, seria este o poema perfeito ?
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderExcluir
  21. Affonso Romano de Sant'Anna, um mestre querido, Taís. Crítico vigoroso, cronista maduro, poeta grandioso! Conjunção simétrica com Francisco Brennand. Perfeita! Dois artistas indiscutíveis e admiráveis figuras deste solo brasileiro, que muitos de nós ainda desconhecemos!
    Bela partilha!
    Um beijo,

    ResponderExcluir
  22. Amei conhecer o grande poeta, ainda mais uma linda poesia de inicio! beijão

    ResponderExcluir
  23. Oi, Tais, boa noite!!
    Que coisa bela, esse poema!! E não é verdade?! Claro que sim. A palavra que poreja veneno, a sintaxe afiada e empunhada com o único e exclusivo intuito - confessado ou não - de matar, de destruir lentamente. A insinuação maldosa, demoníaca, que deixa nas reticências a dúvida mortal em quem se via tão feliz ou tão inocente... Quantas pessoas há, assim!? Muitas. Muitas!
    Belíssimo, verdadeiríssimo!
    Não conheci o poeta. Agora, fiquei enriquecido desse conhecimento. Grato!! Uma postagem muito agradável!
    Um beijo carinhoso
    Ângelo

    ResponderExcluir
  24. Oi Taís
    Adorei o poeta, não o conheço, mas fiquei feliz com a apresentação dele vindo principalmente de você que é uma mulher culta e de bom gosto.
    Obrigada pelo carinho
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  25. Um belo poema muito bem direcionado ao malefício provocado através da palavra. Gostei de conhecer a bibliografia de Affonso Romano de Sant'Anna. Grata pela partilha. bjs

    ResponderExcluir
  26. Hola amiga, gracias por la información, no conocía a este señor.
    Gracias por tu visita.
    Un beso y feliz día de la poesía
    Besos!!!

    ResponderExcluir
  27. La poesía refleja toda una realidad.
    En cuanto a su biografía muy interesante.

    Saludos.

    ResponderExcluir
  28. Oi, Vizinha/Escritora, Taís Luso !
    Poema Verdadeiro, assim como uma palavra
    pode salvar...
    Um fraterno abraço e uma feliz semana.
    Sinval.

    ResponderExcluir
  29. Querida amiga, obrigada por me dares a conhecer o poeta, jornalista, tradutor Affonso Romano de Sant'Anna.
    Gostei dos seus versos "engatilhados".
    A imagem que escolheste, é soberba!
    Beijo, descansado fim-de-semana.

    ResponderExcluir
  30. “Cilada Verbal”, boa reflexão em versos claros, fortes e profundos... “A boca fala do que o coração está cheio”, diz a Bíblia...
    Um abraço e feliz fim de semana

    ResponderExcluir
  31. A minha mãe costumava dizer: "O que contamina o Homem é o que sai da boca para fora", talvez citando provérbio ou algo do género. Na verdade, as palavras têm uma função muito importante e tanto dão para encorajar e elogiar como para desacreditar e reduzir uma pessoa a nada. Razão tem este autor. Gostei muito de o conhecer através do poema e da sua biografia.

    Obrigada, amiga Taís.

    Bjs

    Olinda

    ResponderExcluir
  32. Excelente refrexão, para essa belíssima manhã de sábado pós chuvas aqui em Belo horizonte e região. Como sempre, uma excelente postagem para nos entreter e nos mergulhar na cultura. Conhecia pouco sobre o
    Affonso Romano de Sant'Anna e aqui vim a saber dele, de forma bem completa. Obrigado por mais essa oportunidade , Tais! Grande beijo. Feliz fim de semana.

    ResponderExcluir
  33. A palavra tem realmente um poder imensurável.
    Um encanto de poesia, uma excelente escolha.
    Bom fim de semana
    Beijinhos
    Maria
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderExcluir
  34. A palavra tem realmente uma força incrível tanto para o bem como para o mal.
    A escultura da fotografia é fantástica.
    Um abraço e boa Primavera.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    Livros-Autografados

    ResponderExcluir
  35. Uma autêntica preciosidade ausentada de preciosismos, esta poesia de Affonso Romano de Sant'Anna. Sem dúvida que as palavras tanto podem ser armas perigosas como instrumentos mágicos de envolvência e de surpreendentes constatações. Um excelente poema.
    Uma feliz Primavera!

    ResponderExcluir
  36. Boa noite, Taís
    É verdade,as palavras tem poder.
    Gostei imenso da sua postagem.
    Aprendí muito por aqui hoje.
    Obrigada pelo carinho e visitinha lá no blog.
    Tenha um excelente domingo.
    Um carinhoso abraço de
    Verena.

    ResponderExcluir
  37. Aqui, neste belo espaço, não se lê apenas as tuas modernas e inteligentes crônicas. Às vezes, entre uma e outra crônica de tua lavra, encontramos um poema, como este, “Cilada verbal”, de, Affonso Romano de Sant'Anna, poeta que nasceu em Minas Gerais (Belo Horizonte), o mesmo Estado em que nasceu Carlos Drummond de Andrade (Itabira). Affonso Romano além de ser um dos nossos melhores poetas vivos também se dedica à divulgação da poesia, com cursos, palestras, críticas publicadas em jornais, revistas, blogs e sites. Muitos jovens estudantes devem a ele o hábito da leitura da boa poesia, e também da aproximação com os poetas renomados da poesia moderna, que abrange vários períodos, a começar em 1922 (Semana de Artes Modernas). Um dos exemplos desse trabalho de Affonso Romano tem sido a melhor divulgação da poesia de Carlos Drummond de Andrade, que, para ele, é o maior poeta brasileiro.
    Então reitero aqui, à cronista Tais, que Affonso Romano de Sant’Anna também é um grande poeta moderno, como pode ser visto de seu profundo poema “Cilada verbal”. Parabéns ao poeta mineiro, há muito anos radicado no Rio de Janeiro, casado com outra artista das letras, a reconhecida Marina Colasanti. Parabéns também a ti, Taisinha, por não esquecer dos nossos poetas.
    Um beijinho daqui do escritório.
    Pedro

    ResponderExcluir
  38. É a primeira vez que o leio, mas percebi de imediato estar perante obra de um mestre com uma sageza impressionante.
    O tal poema cuja aparente simplicidade deu muito trabalho, como focou a Clarice Lispector...
    Todas as ciladas são ignóbeis, porém esta é horrível, pois pode atingir brutalmente a reputação...
    Gostei de conhecer a arte de excelência do Poeta e o seu 'curriculum vitae'...
    Um fim de domingo e uma semana agradável.
    O meu terno abraço, querida Amiga.
    ~~~

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Corrijo, 'agradáveis'... sorrrssssss... Bj.

      Excluir
  39. É verdade, às vezes uma palavra fere mais que uma arma.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  40. Que grande verdade. A força da palavra é como uma sentença e ademais irrecuperável. O mal está feito para sempre.
    Agradeço a divulgação, pois não o conhecia.
    Um grande abraço, querida amiga

    ResponderExcluir
  41. Bom fim de noite Taís.
    Cumpre vigiar cada palavra.
    Creio que já o li por aqui em outra boa escolha Taís.
    A poesia dele sempre nos leva ao pensar e já li muito.
    Bela escolha Taís e grato pela partilha do mineirinho Affonso.
    Uma semana maravilhosa para vocês.
    Beijo de paz amiga.

    ResponderExcluir
  42. Touché!... Um poema extraordinário... que foi mesmo ao cerne da questão, sobre os vários alcances da palavra!...
    E mais um autor, que foi um prazer imenso, descobrir por aqui!...
    Belíssima partilha, Tais!
    Beijinhos
    Ana

    ResponderExcluir
  43. Um poema que atinge o alvo de forma cirúrgica. E o autor, que assim fala, é de enorme gabarito.
    Amei conhecer Afonso Romano Sant'Ana e o Sofrimento de Francisco Brennand.
    Beijos, querida Taís.

    ResponderExcluir
  44. Taís:
    È terrivel!
    La espada mata, pero la palabra puede matar la fama, que sería una doble muerte.
    Abraços.

    ResponderExcluir

AOS AMIGOS

Muito obrigada por deixar seu comentário, se necessário for, deixarei resposta a alguma pergunta.
Abraços a todos
Taís