31 de março de 2019

IDENTIFIQUE-SE

Victor Hugo Porto / RS - Brasil



                      - Taís Luso


 Para qualquer lugar onde vou, seja para consultas médicas, algumas clínicas e sei onde mais, tenho de identificar-me. Parece que sou uma forasteira dentro do meu país. Na entrada desses serviços pedem minha carteira de identidade e também tiram uma fotinho! É... aquela mesma fotinho medonha, a famosa 3X4 que, quando não saímos com cara de bandido, saímos com cara de doentes! Não conheço ninguém que goste de sua 3X4. Depois me dirijo ao elevador com a ideia de que estou fichada. Além de ficar com a cara trancada, fico irritada, ninguém pergunta se quero ou não tirar uma foto! E tiram a horrenda foto do computador, e minha cara é uma só: de presidiária!

Na Carteira de Motorista e de Identidade não dá para esboçar um simples sorriso, nem aquele discreto e simpático sorriso da Monalisa – de Leonardo Da Vinci. É na dureza. É para complexar. Triste. Saio dali, e acredito que uma sessão de psicoterapia de 'apoio' me faria bem, evitaria uma crise existencial, do tipo 'quem sou'?  Olho para Pedro e pergunto: sou eu mesma? Ele pergunta o mesmo para mim. Pelo menos há um pouco de solidariedade e uma certa cumplicidade. Voltamos os dois com a sensação de que a vida está se vingando, só pode ser. Perguntei ao rapaz do computador se não daria para tirar outra...

- Dá, mas pode ficar pior!!! E não podemos tirar a terceira foto!
- Não, moço, então deixa assim, estou satisfeitíssima!

Coisa desagradável também acontece nos Bancos, aquela maldita porta giratória tranca, e eu com uma bolsinha que de jeito nenhum cabe uma metralhadora, fico exposta ao ridículo. Escuto o segurança pedir para tirar os metais: as chaves, o celular, os óculos...tudo porque a porta tranca. Deu? Não, não deu! Que será mais? Os brincos? Correntinha no pescoço? O segurança percebe minha indignação e destranca a porta manualmente. Notou que minha bolsa tinha fivela de metal! Mas confesso que estou acometida de uma neurose bancária. Será que tenho cara de guerrilheira? Eu não...!

Será que olhando para mim, não percebem que sou boazinha e de boa família? Que não estou com intenções de explodir o Banco e nem metralhar o povo?

Mas no fundo,  acho que essa atitude se justifica pela conjuntura do país ao longo de anos, tentarei entender e entrar no 'clima' de paciência. Tentarei respirar fundo e farei força para lembrar o que fui fazer no Banco. A última vez não consegui; só me restou voltar para casa. E espero que a confiança, a ordem e a segurança um dia se restabeleça nesse meu país.


____________________//____________________





43 comentários:

  1. Bom dia, querida amiga!
    Crónica gostosa... séria, mas muito gostosa!
    Por todo o lado, tempos difíceis exigem medidas rigorosas de segurança. Não gostamos, claro, mas são para nosso bem. Nos aeroportos então, como se já não bastasse o stress da viagem (eu sofro imenso) todos aqueles pontos de controlo até à sala de embarque custam por demais.
    Sobre as fotinhas 3x4 tens toda a razão, ficamos feios de verdade. Não me reconheço na do meu cartão de cidadão, pareço uma perigosa delinquente. A sério! Sempre que tenho de o mostrar, coro de vergonha...
    Quanto a «esperar que a segurança e a ordem um dia se restabeleça», eu espero mas duvido que aconteça. Depois do terrível 11 de Setembro nada mais foi/será igual. No mundo!
    Gostei de te ler, querida Tais.
    Bela escolha, do Victor Hugo Porto.
    Beijo grande, bom domingo.

    ResponderExcluir
  2. É bem assim mesmo,Taís! Aquelas fotos são de matar!!! Uma pior que a outra,rs...

    E quanto ao banco, melhor não ficar esperando pela volta da tranquilidade e segurança aqui no nosso país...Poderias não mais voltar aos bancos!

    E por aqui, agora ,devido aos últimos acontecimentos, até para entrar nos colégios teremos que "perder" esse tempinho, mas poderá ajudar no contexto geral, evitando grandes problemas! É o mundo que temos, é nossa cidade que como as demais, está fooooooooooooooooooooooogo!!! beijos, chica

    ResponderExcluir
  3. Ri muito! "Não dá para tirar outra foto? 'Dá, mas pode ficar pior'"". Tudo encaminhado para o meu café, na caneca, tomasse outro sabor, a medida que lia. E garanto: você também não tem cara de assaltante de banco! Valeu, como valeu, amiga Taís.
    Beijo, bom dia.

    ResponderExcluir
  4. Oi Taís
    Tive de rir destas infelizes fotinhas 3x4. São bem assim mesmo. E ficamos com uma cara horrível! Um terror rsrs. Porta de banco ninguém merece. Pessoas te olhando como se estivéssemos prestes a dar um tiro no guarda. Além de nos constranger ainda nos faz perder o bom humor
    Um show a tua cronica minha amiga. Amei ler
    Beijinhos e um excelente domingo

    ResponderExcluir
  5. Ehehehehe...Por cá é mais ou menos o mesmo, Tais!!

    Na fotografia que está no meu CC, (cartão de cidadão) pareço uma foragida e olhe que tirei a segunda vez. Por mais que mire e remire não me reconheço ali. Um horror!!
    A da carta de condução, como não se inclui no anterior é a única que se parece comigo. Será que nos querem ver com aspecto de delinquentes? Só pode!!

    No que a Bancos respeita, pessoalmente não tenho razão de queixa, mas se calhar é porque vou sempre ao mesmo, e à mesma sucursal, onde os funcionários me conhecem.

    Adorei esta Crónica realista, mas bem humorada. :))

    Beijos, boa semana, e Parabéns, amiga Tais.

    ResponderExcluir
  6. Si las modernas fotos por ordenador son muy parecidas a las antiguas maquinas que existían en algunos lugares que con alguna moneda te hacías cuatro fotos, a las que solo faltaba poner el "se busca".
    Y con los arcos de seguridad y entradas a bancos también tengo experiencias similares.

    Saludos.

    ResponderExcluir
  7. Olá Taís, passamos pelo mesmo, na identidade na segunda foto, parece que fugi numa rua de noite debaixo de chuva, tão estouvada que pareço !!!também me disseram que já tinha tido sorte de me tirarem mais uma que não poderiam passar a tarde a tirar-me fotografias, então ok, se o talento é esse, não devemos forçar o talento dos outros !!!

    sorte é que ainda me reconhecem quando mostro o documento, ninguém ainda duvidou que não seria eu, não sei se é bom ou mau sinal ?! haverá coisas piores!

    fiquemos pelo conforto que nós dá sermos muitos na mesma situação :)))
    abracinho,

    Angela

    https://poesiesenportugais.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  8. Ah... querida Vizinha/Escritora, Taís Luso !
    Que alívio !
    Pensei que somente eu sentia-me assim,
    irritado.
    Realmente é uma tortura... dentro do meu País,
    passar por bandido ?
    Um fraterno abraço e votos de uma feliz semana.
    Sinval.

    ResponderExcluir
  9. Boa noite de paz, querida amiga Taís!
    Ri muito... Tudo corresponde perfeitamente.
    Primeiro, a questão das tais fotos 3x4...
    Põem a gente na quarta idade, sem plástica...
    🤣🤣🤣🤣
    Ainda tenho a minha dos 18 anos e confesso que dá vontade de me fazer de boba... sair com ela para me sentir...
    🤣🤣🤣
    Depois, na questão do banco, compreendo as razões daqueles que não tem paciência e tiram logo a roupa toda de tanta chateação... até se esquecem do atentado ao pudor...
    🤣🤣🤣
    Não estou aguentando por aqui...
    Muito boa sua crônica do início ao fim.
    Por que me diverti tanto?
    Porque já me ocorreu não poder entrar no BB porque minha saia jeans tinha várias tachinhas... na hora fiquei indignada, claro! A tia entrou só...
    Como não sou assaltante, ponho óculos no rosto e entro normal. Uma vez foi sem perceber... sai do cx. eletrônico e me esqueci de tirar...
    Agora, que sei do óculos, deixo-o e não preciso sequer deixar celular, que dirá moedeiro, chaves e outros de metal que nunca são armas, claro!
    Tem algo que me questiona muito, como o assaltante consegue entrar no banco para seu 'ofício' realizar... se nós, os não armados e bem intencionados não conseguimos?
    Estranho demais para minha inteligência pequena...
    Gostei muito, amiga.
    Um cronista consegue fazer rir e chorar.
    Isso quando ele é bom como você conseguiu.
    Tenha uma nova semana feliz e abençoada junto aos seus amados!
    Bjm carinhoso e fraterno de paz e bem
    🌷😘🙏

    ResponderExcluir
  10. Não sabia que os acessos estavam tão difíceis por aí, compreende-se, mas a mim acontece-me o mesmo, perco a calma com minudências obrigatórias, de rotina...
    É verdade que «quem vê caras, não vê corações», mas até no médico!
    Uma ótima crónica de costumes, em que o drama e a ridiculez estão tratados com o melhor sentido de ironia.
    Também desejo muito que a ordem e confiança voltem ao lindo Brasil.
    Abraço grande, querida Amiga.
    ~~~~

    ResponderExcluir
  11. Odeio essas fotos.
    Ficamos todos com cara de quem está com azia.
    Beijo, boa semana

    ResponderExcluir
  12. La seguridad nos vuelve locos y a la vez parece que perdamos nuestra personalidad y mas cuando te toman la foto saliendo una persona que no eres tu misma.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  13. Uma crónica cheia de humor e cheia de verdade, minha Amiga Taís. É o mesmo por cá. Eu fico com cara de bandida nessas fotos 3x4... São questões de segurança, até entendo, mas não é necessário abusarem…
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  14. Por culpa de bandidos de todo tipo, amiga Tais, los que no lo somos aparecemos como sospechosos. Es la modernidad.

    Abrazo.

    ResponderExcluir
  15. Boa tarde, vivemos num mundo que cada vez mais, é necessário fazer tudo e mais alguma coisa pela segurança, mesmo assim, não se consegue parar a violência de todo o tipo, consegue-se parar sim, quem não assalta ou não agride.
    Desconheço por completo a porta giratória que tranca quando detecta metais, é uma boa segurança para evitar assaltos.
    AG

    ResponderExcluir
  16. E o mundo um dia vai acabar chorando sozinho a sua solidão. Já não se pode esperar por alvoradas alvissareiras deste mundo.
    Eu sou prevenido, Taís. Levo tudo inteiramente visível. Já me visto de modo transparente resguardando as partes pudendas. E já entro no banco com as mãos levantadas para comprovar que não carrego nada perigoso nas algibeiras, explosivos, armas nucleares, bombas. Em se tratando de bancos, entro invariavelmente com as mãos levantadas porque, lá dentro, serei eu o assaltado pelo gerente com as elevadas taxas bancárias e os juros extorsivos que nos cobram pelos "seus serviços"... E gosto dos vigilantes que vivem farejando sob as nossas vestes a "liquidez" das nossas armas... Será que demos motivos para este tormento?
    Boa crônica!
    Um beijo, Taís!

    ResponderExcluir
  17. Tais,
    mais uma excelente. inteligente e bem humorada crónica!
    a sua certeira ironia é demolidora!

    tenho para mim que é doente uma sociedade que ergue, como razão de Estado, a permanente desconfiança pelos seus cidadãos.

    votos de boa semana.

    beijo

    ResponderExcluir
  18. Tive que fazer uma pequena viagem no último fim de semana. Taís, se me tenho esquecido do Cartão do Cidadão, estava tramada. Reparo, no entanto, que no Brasil as malhas da segurança são ainda mais apertadas. Oxalá se criem melhores condições de vida e possamos respirar com mais confiança.
    Gosto de ler tuas crónicas assertivas e bem humoradas.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  19. Claro que ri da tua cronica, Tais, principalmente pelas fotos. Eu acho que elas, agora, são piores que as antigas 3/4. O nosso cartão de cidadão ( antes bilhete de identidade com foto 3/4 ) e a cartão de condução são digistais e a foto é tirada lá mesmo, e, fica muito pior; temos que olhar para uma camera, retas , em pé olhando sem pestanejar para o dito " olhinho " Ficamos com uma cara que nem consigo classificar. Quanto à identificação, ia dizer mais ou menos o que a nossa amiga Teresa já disse ( tirou-me a palavra...mas dada a amizade que me dedica, está perdoada..) , ou seja, aqui agora a identificação é exigida em lugares onde nunca tinha sido pedida; foi-nos explicado que eram directivas da comunidade europeia por dausa do terrorismo. Não gostei muito que os meus dados ficassem lá e, sempre que volto, coloco a cartão de cidadão em cima duma maquininha, os dados são lidos e a portinhola abre. Muito aborrecido, mas, por causa do terrorismo, acho que devemos aguentar. Por isso Tais, mesmo que a situação de grande violência do Brasil, melhore, a fiscalização será cada vez maior, porque os ataques de fanáticos acontecem em todo o lado e a nossa privacidade cada vez menor; talvez a tenhamos no nosso quarto, com as janelas bem fechadinhas, mas mesmo assim,....não sei...Já houve casos em que, nem aí, a privacidade foi preservada. Cautela, amigos!!! Beijinhos, Tais e boa noite
    Emilia

    ResponderExcluir
  20. OI TAÍS!
    ACHO QUE AS FOTOS DE COMPUTADOR SÃO REALMENTE SÓ PARA NOS INDIGNAR PORQUE NUNCA VI ALGUÉM QUE SAIA "BEM NA FOTO". KKKK
    NUM BANCO, NA PORTA GIRATÓRIA QUE SEMPRE TRANCA PARA MIM, TIVE DE TIRAR DE UMA BOLSA PEQUENA,RELÓGIO, CHAVE, CELULAR E NADA DA BANDIDA ABRIR, MEU MARIDO OLHOU PARA MEUS SAPATOS COM GRANDES FIVELAS DOURADAS E SENTI A INDIGNAÇÃO DELE MAS NÃO COM A PORTA E SIM COMIGO, POR SORTE QUE O GUARDINHA TAMBÉM NÃO ME ACHOU COM CARA DE GUERRILHEIRA E ABRIU MANUALMENTE A DITA POIS ESTAVA ACHANDO QUE TERIA DE DEIXAR OS SAPATOS NA PORTA KKKK. ADOREI AMIGA, TU ME SURPREENDES SEMPRE.
    ABRÇS
    https://zilanicelia.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  21. Aquí con presentar el carnet de identidad es suficiente y la tarjeta sanitaria para acudir al médico.

    Besos

    ResponderExcluir
  22. Tais agora aí é assim, identificação para tudo? Um destes dias, pelos vistos, até para sair de casa, é preciso pousar para a fotografia. Afinal reparei que no Nordeste, em qualquer agência bancária tem policia polícia à porta, assim como nos melhores hotéis, mas felizmente, não me deparei com pedidos de identificação. Naturalmente isso terá a ver com o governo de cada Estado.
    Beijos

    ResponderExcluir
  23. Tais,
    Maravilhosa sua cronica.
    Fiquei pensando que pior
    ainda é quando a identificação tem que ser feita
    durante uma ligação, pedem a mesma identificação
    umas dez vezes! Affff
    Bjins querida.
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
  24. Uma bela observação Taís, o fichar-se para circular. A vigia no do nosso direito de ir e vir. A famosa porta de banco é um estorvo amiga, já vi uma mulher ter de tirar um sapato de salto pois foi detectado metal neles entrou descalças na Caixa Econômica,no minimo teria naquele salto uma arma de 007.
    Gostei do humor com critica à segurança de nada, pois quando os bandido chegam vão logo detonando a porta com seus AR-15.
    Uma semana linda para você e Pedro.
    Beijo amiga.

    ResponderExcluir
  25. Oi, Tais, boa noite!!
    Crônica imperdível! Acabo de passar momentos de muita descontração, lendo essas verdades a um tempo hilariantes e trágicas!
    Eu não sei se é mais ridícula a cara de pastel frio que aparece nas nossas fotos 3x4 ou a tentativa patética de quem nos acompanha, algumas vezes, dizendo: "olha! ficou ótima"!...
    Entrada de banco é outra coisa patética, e, pelas sagradas Leis de Murphy, é no dia de sua pressa que uma senhorinha fica encalhada, amarrada, 'repetitada', mumificada na bendita porta giratória... e o guarda, frio e inatingível, mandando-a tirar coisa por coisa, peça por peça, brincos, relógios, moedas, dentaduras...
    Só você para alegrar essa noite de tanto cansaço! Maravilhoso!
    Um abraço carinhoso
    Ângelo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A verdade é que ordem e segurança não se restabelece com a pólitica de represália ,mas com confiança no próximo.
      bjs

      Excluir
  26. Olá,
    Adorei a sua crónica.
    Beijinhos de Portugal

    ResponderExcluir
  27. Que oportuna a tua crónica pois a odisseia que tive que pasar para chegar até aqui foi complexa. Mas aqui estou.
    O que acabo de ler, este relato vivo, de alguma maneira intenso, pois o teu aspecto , como bem dizes, é mais do que suficiente para que se abram todas as portas,
    Este é o purgatorio pelo qual temos que passar em quase todas partes . Mas gostei do tom que empregas.
    Abraços de vida, querida amiga

    ResponderExcluir
  28. Boa tarde, querida Tais,
    entendo você, pois é bem assim que nos sentimos.
    Detesto fotos, ainda mais estas 3x4, o resultado só pode ser horroroso.
    Ficamos realmente com aspecto de gente ruim rssssssssssss. Estas frases são ótimas- Dá, mas pode ficar pior!!! E não podemos tirar a terceira foto!
    - Não, moço, então deixa assim, estou satisfeitíssima!
    Acabamos aceitando a pior, por ouvir algo tão deselegante, depois acabamos rindo de nós mesmos.Eu escolho sempre mostrar a carteira de motorista, na qual tem todos os dados e, por eu estar um pouquinho mais "bonita" risos.Você captou com palavras todo o sentimento que temos quando passamos por esta situação. Excelente crônica. Beijos!

    ResponderExcluir
  29. Taís:
    me temo que cada vez las medidas de seguridad serán más estrictas.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  30. Gostei de ler. Acredito que sejam necessárias medidas de segurança, até porque hoje em dia nunca sabemos ao sair de casa, se não encontramos pela frente um maluco capaz de começar a praticar a sua pontaria disparando sem dó nem piedade, ou fazendo um rali automóvel pelo passeio levando pela frente todos os que costumam usá-lo. Mas essa da foto, desconhecia.
    Há dias fui renovar o meu cartão do passe. Levei uma foto como pediam. A senhora disse que não servia tinha que ir tirar outra. Tirei os óculos e mostrei-lhe o meu olho, inchado e fechado e perguntei-lhe: A senhora tiraria uma foto para um cartão de cinco anos assim? Ela olhou e disse imperturbável "Tem que esperar que fique boa para renovar o cartão"
    Eu não tenho carro, preciso do passe todos os dias e ele termina dia 11. Zangada vim para casa. Dois dias depois volto lá com a mesma foto, e os papéis preenchidos. Fui atendida por um homem. Pegou os papéis, a foto, colou-a nos papéis, e disse dando-me um papel para levantar o cartão.
    São 7€, Está pronto dia 5.
    Eu paguei e vim-me embora pensando porque a foto não servia para a empregada e serviu para o empregado.
    Abraço

    ResponderExcluir
  31. Entendo perfeitamente esta frustração da segurança da segurança, é terrível.
    Um abraço e bom fim-de-semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderExcluir
  32. Esta es una de esas veces en que el 100x100 de los visitantes se habrán solidarizado con tu escrito por el tema de la foto. En cuanto a las puertas de los bancos veo que por ahí sucede igual que aquí, así es comprensible que suenen las alarmas. Pero no por tu hebilla ni tus llaves. Es que a causa del enfado empiezas a entrar en combustión, ¡¡Estás ardiendo por dentro!!
    Un beso.

    ResponderExcluir
  33. Não desanime....Há muita gente solidária....pode crer.
    Beijo

    ResponderExcluir
  34. Felizmente que aqui em Portugal não há nos bancos esse tipo de segurança, aliás nem há policia nos bancos, entramos, resolvemos o que há para resolver e saímos, sem stress graças a Deus.
    É preciso mesmo muita calma e paciência para todas essas situações.
    Bom fim de semana minha amiga.
    Beijinhos
    Maria
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderExcluir
  35. Aqui há umas semanas atrás, aqui em Portugal, um gang de 3 homens de leste, assaltou uma dependência bancária... bem à frente de uma esquadra de polícia!...
    A coisa não correu bem... para trás ficou o mais velho... tinha 80 anos... :-D vai ver, que é por isso, que se pensa que toda a gente é um Boney and Clyde, em pleno potencial... se já nem nos velhinhos se pode confiar... :-))
    Ri-me tanto, quando deram a notícia no telejornal... do banco... via-se a esquadra da polícia... mesmo em frente... e mesmo assim... foram em frente com o assalto...
    E ri-me imenso com a sua crónica, Tais!... Que adorei do princípio ao fim... Eu também tenho cara de serial killer no meu Cartão de Cidadão... eu acho que é complô... ou contratam sádicos, para nos tirar tais fotos medonhas... com que temos de conviver, até ao fim da nossa existência... com cada uma mais desesperadora, do que a anterior... :-(
    Beijinhos :-))
    Ana

    ResponderExcluir
  36. Rsrs. Exatamente assim nos sentimos. O pior e que eu fico a pensar como os verdadeiros ba didos entram no banco e ainda seguestra o gerente rsrs. E nos precisamos esvaciar a bolsa rsrs. Quanto a entrar nas clinicas precisamos provar que somos nos mesma. Uma cronica muito divertida. Beijos.

    ResponderExcluir
  37. Olá Taís!
    Quanto mais se pula e avança, tecnologicamente, em certos aspectos da vida, mais se regride noutros. Fez-me lembrar as famigeradas fotos tiradas "à la minuta", nos anos de 1950/60, nos jardins das nossas cidades.
    Quanto à psicose da segurança que cada vez mais se exacerba, até se compreende, muito embora, mais vezes do que seria normal pensar, muitos assaltos acontecem.
    Um belo texto; muito elucidativo e conforme à realidade do nosso quotidiano.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  38. Oi Tais! Eu também tenho neura por bancos! Aquela maldita porta me dá nos nervos! Eu uso mochila, e gosto muito quando o banco tem aqueles maravilhosos armários. Apesar que a fivela do cinto mais o celular e outras tranqueiras que trazemos junto ao corpo ,nos faz passar por moentos descabiveis. Enfim, estamos no Brasil! GRande beijo.

    ResponderExcluir

AOS AMIGOS

Muito obrigada por deixar seu comentário, se necessário for, deixarei resposta a alguma pergunta.
Abraços a todos
Taís