12 de julho de 2018

CUIDADO COM A MAGREZA - ANOREXIA

Jovem anoréxica  - no 'espelho' tendo
 uma visão distorcida do seu corpo.



            - Taís Luso
Infelizmente somos reféns de uma sociedade, que estipula padrões para tudo. E pagamos um alto preço quando entramos em canoa furada.
Geralmente pessoas anoréxicas têm uma obsessão por um tipo de beleza: a magreza. Supervalorizam um corpo magro adquirindo uma fobia por quilos extras, um medo exagerado de ficarem gordas. Poderia se dizer que, até aí tudo está bem, cada um com seu gosto. Mas não é bem assim, a anorexia é uma distorção da imagem real.
Sabe-se que são fatores psicológicos, sociais, culturais e uma predisposição genética que levam ao desenvolvimento da doença.
A anorexia tem certos rituais: o que comer, onde e quanto. A contagem das calorias a serem ingeridas está presente nas 24 horas do dia: 200 calorias! E o emagrecimento é rápido e calculado: as pessoas comem e ‘devolvem’, tomam diuréticos, laxantes e se exercitam em excesso. Contam os dias, e cada dia é uma vitória quando perdem os quilos fixados. Tratar a anorexia é coisa para terapeutas e clínicos, não adianta família, conselhos e um papo amigo:
Come, minha filhinha, você é linda,  deixa de bobagem!
O tratamento é demorado e deve ser acompanhado para prevenir as recaídas, que ficam em 25%.
Para a família, é difícil perceber o problema devido a vários fatores. No convívio diário não se percebe que a jovem está em processo de emagrecimento, ela passa a usar roupas folgadas e não fala em comida. Muitas delas se isolam da família nos horários das refeições. Dizem que já comeram.
A pessoa anoréxica não interrompe o processo de emagrecimento, pois ao olhar-se no espelho obtém uma visão distorcida de seu corpo. Essas pessoas enxergam-se sempre gordas: uma distorção das formas almejadas. Com o tempo, o processo de emagrecimento torna-se mais rápido, pois o corpo não tem mais de onde tirar nutrientes para suprir a falta diária. Não tem mais nada armazenado.
Nesse ponto a família começa a perceber o problema, quando a saúde já está comprometida: depressão, ansiedade, hipotensão, anemia, redução da massa muscular, falta de menstruação - pela baixa hormonal, intolerância ao frio, desidratação, osteoporose e, mais tarde, a infertilidade. Nessa fase, já tarde, é que começam os tratamentos para o alimento ser reposto, gradativamente. Em casos especiais, com risco de morte. Então é preciso internação hospitalar.
Bonito é um corpo saudável. Acontece que muitas jovens são instigadas a ficarem na base da saladinha e de um anêmico peixinho insosso. Aos nossos olhos, desfila em muitas passarelas um apavorante desfile de meninas em formação, comendo montanhas de verdes, o que nos deixa em estado de perplexidade... Mas a culpa não é delas: elas são as vítimas.






38 comentários:

  1. Ah! Os protótipos da beleza! Se seguíssemos o normal e não o convencional, ditado por uns que não praticam, na certa nossa saúde seria bem melhor. Ainda me lembro na adolescência, minha mãe me enchia de vitaminas para engordar... Achava-me desnutrida! Um quintal enorme para correr, pular, subir em árvores frutíferas e refeição no fogão à lenha... desnutrida eu? Afinal, minha genética de baixinha e gordinha persiste até hoje e, me sinto muito bem. Sem traumas pela aparência!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Um problema que me toca particularmente... pois uma grande amiga minha, sofreu de anorexia nervosa, ainda não há muito tempo... de momento, ela diz que está bem... mas eu tenho um pouco de reservas, se esta doença, não poderá voltar de novo... sobretudo, quando se tem algumas inseguranças em relação ao próprio corpo... ela praticava imenso desporto, quando jovem... depois... os anitos foram passando... o emprego sedentário, também não ajuda... e o corpo, adquiriu uns kilitos a mais, com os quais ela nunca conviveu muito bem...
    Já eu... convivo com os meus kilitos, sem muito problema... acho que o segredo estará mesmo, no desporto... que não costumo praticar!... :-D
    A não ser natação... na praia, no Verão... e algumas caminhadas, quando se proporciona...
    E depois... já arrumei a balança faz tempo... vou-me guiando pelo tamanho das calças... enquanto for cabendo nas mesmas... é sinal que estarei a fazer a dieta certa!... :-))
    Adorei a sua crónica, Tais! Este é um problema bem sério... e que não é nada fácil de resolver... pois só muito dificilmente, o problema é admitido, até por quem sofre dele...
    Beijinho! Continuação de uma boa semana!
    Ana

    ResponderExcluir
  3. Boa tarde, querida amiga Taís!
    Muito bom o tema!
    Quem não gosta de cuidar da saúde? Perder gordura, comer coisas saudáveis? Fazer exames e dar tudo normal? Eu sou assim!
    Entretanto como gosto de um torresmo, angu ou polenta, massas de um modo em geral... enfim, tudo que engoooooorda. Rs...
    O jeito é usar o bom senso e intercalar se alimentando de forma saudável à medida do possível e saboreando alguns quitutes extras esporadicamente pois não somos de ferro.
    Não tenho paranoias... com a idade, a gente vai largando absurdos por conta da "prestação de contas" social de termos obrigação de estar em forma e vamos vivendo com qualidade de vida que é o de primeira instância.
    Muito boa reflexão se faz sempre por aqui!
    Tenha dias abençoados e felizes!
    Bjm fraterno e muito carinhoso de paz e bem

    ResponderExcluir
  4. Importante teu texto e esse tema há de ser bem falado e refletido entre famílias... Vale o alerta! bjs, chica

    ResponderExcluir
  5. Tais Luso
    No ambiente onde nasci, dizia-se que gordura é formosura. Só mais tarde se começou a falar de anorexia. Realmente a anorexia anda muito ligada ao desejo de ter um corpo escultural. Ora há muitas pessoas, normalmente por via genética, têm tendência a criar peso. Como e o meu caso, posso e devo aconselhar, ir reduzindo as doses de comida, até que habituemos as paredes do estômago, à receber a porção de comida certa.
    beijos

    ResponderExcluir
  6. sempre muito bem estruturados os teus textos Taís,
    e essa situação de jovens que se olham ao espelho e se acham sempre demasiado gordas fazem-me confusão, o facto é que segundo se diz, existem mesmo :(
    é verdade que devemos aceitar-nos como somos, e que uma dieta ligeira não faz mal é saudável, e ajuda-nos na nossa imagem, é uma questão de equilíbrio, e de sensatez, beijinhos amiga
    Angela
    deixo aqui a minha participação no convite da querida prof. Lourdes,
    vou ver como ela tem passado !
    https://poesiesenportugais.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Por cá , houve uma época que parece que estava na moda. Agora não se ouve falar tanto, no entanto é preciso tomar cuidado com esta doença. Amei !!


    Beijos-Boa noite!

    ResponderExcluir
  8. La moda establece como modelo, unas chicas bastante delgadas y los jóvenes se dejan llevar por estos cánones de belleza.

    Hay que tener cuidado, de no caer en la trampa porque puede ocasionar grandes problemas de salud.

    Besos

    ResponderExcluir
  9. Uma sobrinha minha sofrei de anorexia. Já lá vão 12 anos, hoje está bem, esperamos que nunca mais se tente. Um tema muito delicado e que é preciso muito cuidado.

    Bjos
    Votos de uma boa noite

    ResponderExcluir
  10. A falta de nutrientes essenciais desencadeia todos os estados patológicos que muito bem citaste.
    Realmente, é uma doença produzida essencialmente pela sociedade de consumo e q nem princesas perdoa...
    Lady Di comia esfomeada uma torta de carne para quatro e, em seguida, deitava tudo fora...
    Gostei muito da sua crónica concisa, precisa e de leitura agradável...
    Beijos, querida Amiga.
    ~~~~

    ResponderExcluir
  11. Pois, cara amiga Tais, eis uma terrível doença moderna. Posso estar enganado, mas acho que num passado remoto não havia isso. Um abração. Tenhas uma ótima sexta-feira.

    ResponderExcluir
  12. Anorexia um ,mal das nossas sociedades que "ataca" principalmente as nossas jovens, felizmente que me tornei um "marginal" no bom sentido.
    Um abraço e bom fim-de-semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderExcluir
  13. Também sou um apaixonado por arte sacra, em casa tenho uma boa "colecção" de algumas peças antigas. Não sou capaz de passar por uma Igreja sem entrar nela não exclusivamente por motivos religiosos, mas sim para apreciar as suas obras de arte, as igrejas em Portugal são verdadeiros depósitos de arte.
    Já visitei o link e gostei.
    Um abraço e bom fim-de-semana.

    ResponderExcluir
  14. Eu tenho o cuidado de não ser assim. Passei um tempo comendo só duas vezes ao dia e quando percebi que estava obcecada para emagrecer. Ainda bem que parei completamente com isso é hoje faço exercícios físicos e me alimento com qualidade. Isso sim e saúde. Excelente texto para reflexão.

    ResponderExcluir
  15. Um post muito bom Taís. Anorexia é uma doença muito complicada. À medida que a humanidade evoluí, vai arranjando sarna para se coçar, costumava dizer a minha avó nos idos anos 50 do século passado. Estou em crer que ela tinha razão. Inventámos a cura para uma série de doenças antigas, como escorbuto, lepra, tuberculose etc. E arranjamos uma série de outras para o seu lugar.
    Abraço e boa sexta-feira 13

    ResponderExcluir
  16. No siempre estar delgado favorece y sobre todo las personas que sufren de anoréxica en general se pasan en estar demasiadas delgadas que no les sienta ni bien, lo bueno en la vida es el equilibrio, si se puede conseguir.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  17. Boa tarde, Taís
    Gostei muito do seu texto.
    Um alerta para as pessoas que sofrem deste mal.
    Tenha um ótimo fim de semana.
    Beijinhos de
    Verena e Bichinhos.

    ResponderExcluir
  18. O pouco que conheço sobre essa doença, a anorexia, devo quase exclusivamente a ti. Não é incomum ser chamado por ti para ver um determinado documentário sobre a anorexia, que acabamos vendo juntos. Outro fato importante sobre essa doença, no que toca a minha pessoa é que ao ouvir a palavra anorexia, vem-me à mente aquelas imagens muito tristes de jovens mulheres que são fotografadas para desfiles de Moda. Custo a acreditar que essas moças se achem bonitas e saudáveis, quando são magras ao extremo. Gostei muito desta belíssima crônica. Parabéns.
    Beijinho daqui do escritório.

    ResponderExcluir
  19. Oi Taís,
    Fui no outro blog e não deixa comentar
    Eu estou doente, quase fui, mas estou melhorando e o médico particular( pagando plano que é uma B.), estou num tratamento acirrado. Ele disse que eu tinha que emagrecer 15 kg, então disse a ele: onde coloco as pelancas?Só emagreci 6 kg, perdi todas as minhas calças compridas.
    Desse jeito fico com Aneroxia.
    Saudades
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  20. A minha irmã sofreu alguns anos com anorexia. Afinal ajuda as visitas a psicólogo.
    Beijos

    ResponderExcluir
  21. Um texto excelente que é uma chamada de atenção para um problema que está longe de estar extinto e é perigosíssimo… Gostei da sua expressão "pagamos um alto preço quando entramos em canoa furada"...
    Um bom fim de semana.
    Um beijo, minha Amiga Tais.

    ResponderExcluir
  22. Bom dia amiga Tais!
    Postagem de uma boa narrativa que serve de alerta, não tanto para os que estão com a doença, mas para os familiares, pois anorexia é como depressão, o doente não percebe, portanto não têm culpa!
    Infelizmente há e muitas meninas que cultuam o corpo influenciadas, dai o desenvolvimento para a parte emocional e psicológica, enfim minha amiga, que bom que nos blogues se pode alertar, e acredite, vai certinho para quem precisa, tenho certeza dessas forças energéticas e sua ajuda é preciosa!
    Abraços bem apertados!

    ResponderExcluir
  23. Bom dia, querida Tais,
    suas crônicas sempre bem estruturadas nos levam a analisar as situações perigosas, que às vezes enfrentamos como pais, professores e amigos. Anorexia, doença do transtorno alimentar, que pode levar à morte. Interessante que a pessoa que passa por ele não percebe e se acha gorda sempre. Extremamente importante essa sua crônica, pois com certeza chegará a várias pessoas. Tenha um lindo e abençoado final de semana!

    ResponderExcluir
  24. A tendência para engordar não é para todos, mas atinge grande parte da população. Por mim, considero que a balança faz falta. É um aviso importante. O peso excessivo prejudica a saúde e a falta dele também. Por isso esta crónica é tão importante e oportuna. "Bonito é um corpo saudável."

    Beijinho, Taís. Também te aplaudo.

    ResponderExcluir
  25. Taís,

    A sua crônica aborda de forma precisa, profunda e sensibiliza
    para prestar atenção a uma doença seríssima, que tem muito
    espaço de penetração silenciosa na sociedade e na família,
    com a mídia da moda a distorcer valores saudáveis em nome
    do padrão da magreza de manequim (boneca...) para o uso
    das roupas de grife e o absurdo da hipnose de classificar
    esta magreza como beleza a ser alcançada, consumida e vendida...

    O tratamento desta doença se faz necessário: a psicoterapia
    (psicólogo), acompanhamento psiquiátrico e clínico (médicos) e,
    também a nutricionista de preferência com a especialidade neste
    diagnóstico da Anorexia. Eu ainda, sugiro a prática da Ioga e
    da Meditação na ajuda da consciência corporal e serenar o estado
    ansioso da Anorexia.
    Parabéns por abordar o tema excelentemente e as escolhas das
    imagens ilustrativas eficazes para este conhecimento sobre
    a distorção da imagem real e na segunda ilustração com a visão
    da anorexia sobre a alimentação como um perigo de aumento
    de peso.

    Adorei, amiga!!

    Ótimo final de semana!
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  26. Oi Tais
    Este é um grave problema que merece atenção imediata, o tratamento familiar é, muitas vezes, necessário para o tratamento. Envolve um complexo de aspectos que precisam ser analisados e assim desobstruir a caminho para o restabelecimento da paciente.Bom final de semana

    ResponderExcluir
  27. He leido con la mayor atención este relato que ha ido poniendo de relieve todo el tema de la anorexia. Alguna persona que pasaba por esas circunstancias he llegado a conocer. Los casos se silencian pero son muy llamativos. En España se han dado casos, por noticias de prensa, que es algo que también está afectando a los varones. La presión sobre
    la mujer es muy fuerte, comienza en el colegio, el instituto, la
    universidad, la palabra "gorda" es lo más despreciativo que se puede
    decir y con "gordo", pasa lo mismo.

    La obesidad no es estética y la sociedad actual la rechaza. La obesidad es una enfermedad y como tal, hay que tratarla con respeto: creo que es un caballo de batalla para los especialistas en endocrinología y me temo que es una enfermedad cuyas causas originales no se conocen a fondo. Están dado palos de ciego.

    Cuando yo vine a vivir a Alcalá de Henares -hace ya 18 años- me llamaba la atención la cantidad de mujeres con sobrepeso...

    La felicito por la completa aportación que nos ha hecho sobre un tema que es muy importante porque implica la salud mental y la vida de las personas. Siempre es bueno que se hable de los problemas.

    Gracias por sus amables comentario sy perdone que me haya extendido tanto en hacer comentarios cuando podría haber dicho en dos líneas que estaba de acuerdo con todo lo que había leído y que las cosas no se pueden explicar con más claridad.

    Un abrazo.

    Puesto que lo que se valora es la delgadez y el sobrepeso es una cuestión menospreciada, no es de extrañar que un número importante de adolescentes se preocupen por guardar la línea. El problema comienza
    cuando se descontrola y aparece la anorexia.

    ResponderExcluir
  28. Querida Vizinha/Escritora, Taís Luso, boa noite !
    É, efetivamente, um grave problema familiar.
    Somente a observação diária, e uma reação imediata
    da família, podem interromper este ciclo vicioso
    e mórbido.
    Uma ótima semana e parabéns pela abordagem.
    Um fraternal abrasço.
    Sinval.

    ResponderExcluir
  29. El peso excesivo (morbilidad -obesidad) y la delgadez extrema (anorexia obsesion) dos enfermedades propias del siglo XXI y de mucho antes ...caer en los extremos especialmente en este último caso, por congraciarse con la moda que exige estereotipos, observamos niñas y mujeres que la ropa sin duda las envuelve y su rostro acusa evidentemente el deterioro de su salud bajo esa máscara de maquillaje distractivo ....el problema de salud en algún momento de su vida se manifiesta y vienen las grandes dificultades para poder salir de el.
    Abrazo Tais

    ResponderExcluir
  30. Olá Tais!
    Que bem pegaste neste complexo assunto, minha amiga.
    Anorexia (e bulimia) são distúrbios alimentares gravíssimos. Há que falar sobre eles para se evitarem tragédias familiares.
    Parabéns por mais uma excelente crónica, minha amiga.
    Beijo e bom domingo.

    ResponderExcluir
  31. Terrible enfermedad.
    Aquí te dejo una entrada que escribí sobre el tema:

    https://deamoresyrelaciones.blogspot.com/2010/03/vestimenta-moda-y-anorexiabulimia.html

    Beijos e abraços.

    ResponderExcluir
  32. Tua crônica como sempre, quase um soco na cara. Contundente, informal e precisa. Um dado interessante, anorexia é uma doença dita "moderna", não consta nos anais da medicina mais antigos, tipo de cinquenta anos atrás. Parece que as "exigências" da moda e a proliferação das mídias "criaram" essa doença.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rsss, será que coloquei alguém em Nocaut?
      É verdade, uma doença moderna e cada vez mais presente pelas exigências e ofertas...

      Excluir
  33. Boa tarde Taís.
    Uma grande alerta. Na maioria das vezes nem a família fica sabendo antes que já tenha provocado grande estrago na saúde devido a ausência de nutrientes necessário para uma saúde satisfatória. Acho que em caso de adolescentes a família tem certa culpa pelo omissão . Muitas vezes até repara mas não dá a devida atenção. Enfim a sociedade cobra uma aparência perfeita e muitos perdem a vida para se acharem no padrão da sociedade. Feliz semana. Enorme abraço.

    ResponderExcluir
  34. Es la anorexia, amiga Tais, uno de los más inquietantes problemas de la modernidad.
    Está muy bien enfocado, con sentimientos-se nota- que te nacen desde el alma.

    ResponderExcluir
  35. Um tema que continua muito em voga, mesmo com as campanhas publicitarias a incentivar as mais gordinhas e que lindinhas mais elas ficam...
    Bj

    Rui
    Olhar d'Ouro - bLoG
    Olhar d'Ouro - fAcEbOOk

    ResponderExcluir
  36. As suas crónicas, Tais, alem de muito sensatas sempre tocam assuntos extremamente oportunos. Eis mais um belo exemplo: falando sobre anorexia. Assunto que temo que as jovens embarquem, muitas vezes e quase sempre sem o perceberem. Obrigada por tão bem o explanar.Beijos

    ResponderExcluir
  37. Cheguei bastante atrasada, mas ainda a tempo de falar um pouco deste tema que em tempos já me atrapalhou e complexou, pois era gorda, em criança e adolescente, muito em parte pela genética, mas tambe por não saber comer. Aos 18 anos, o meu pai, um taxista de aldeia não se importou de pagar caro por um tratamento com um endocrinologista ( nem se falava de nutricionistas ) e eu o fiz, com os devidos cuidados, sem remédios e só " aprendendo a comer. Nunca mais engprdei tanto, mas a minha genética exige que tenha cuidado, o que não é difícil, pois aquele tratamento demorado e bem feito ensinou-me a comer como deve ser. A minha filha tem a mesma genética, mas, como eu tinha aprendido, sempre tive cuidado com a alimentação dela e já evitei os problemas que eu tive. Sabes, amiga, quando vejo um desfile de moda, olho aquelas " criaturas " esqueléticas, com um olhar apagado, sem qualquer brilho; uma vez oivi alguém ligado à moda a dizer que tinha que se acabar com esse tipo de modelos que parecem pessoas tristes e doentes; de facto elas têm um semblante esquisito
    e o olhar apagado parecendo aquelas pessoas de África cheias de fome. Felizmente que agora já se tem feito alguma coisa sobre este assunto e já há desfiles das " gordinhas " ; muitas vezes olho as vitrines de lojas e penso " será que alguma adolescente cabe naquelas calças? ": e as meninas, querendo seguir as modelos famosas chegam ao ponto triste que aqui descreves. Muito triste!
    Mas, como eu agora ja estou naquela fase do " agora quero é paz e sossego ", não me incomodo com alguns pneuzinhos e, como diz a Ana Freire acima, nunca subo à balança, aliás, o endocrinologista na altura do tratamento proibui-me a balança, pois andar sempre em cima dela tem um efeito psicológico nefasto, pois, não esquecer o assunto ainda nos engorda mais. Aceito-me muito bem como sou e sei que baixinha e " compostinha " irei ser sempre; a única coisa que me incomoda é estar na tal fase do teu post anterior, pois é sinal de que a velhice está a chegar muito depressa e isso não me agrada, por mais que digam que é bom. Amiga, demorei a chegar, mas agora não quero largar a tua casa; pareço aquela visita que não tem desconfiometro e não vai embora. Pronto...já vou!!!
    Beijinhos e tudo de bom
    Emilia

    ResponderExcluir

AOS AMIGOS

Muitos blogueiros não estão mais recebendo as notificações de comentários em seus e-mails. Os comentários entram direto para as configurações do blog. Todos ficam apenas lá. E de lá são publicados.

Muito obrigada por sua participação nos comentários.
Comentários anônimos não são postados. Identifique-se.
Abraços a todos
Taís