28 de agosto de 2019

* GENTE INTROMETIDA, CANSA !

Talvez uma casa no campo...


                 - Tais Luso

Por ser tão desigual o comportamento humano, ora generoso e doce, ora arrogante e covarde, tudo pode nos pegar de mau jeito e nos surpreender. Não existe coisa mais desagradável e mais estressante do que conviver com gente comandante . Isso só se admite nas Forças Armadas. Na Sociedade Civil - irrita.
Chega uma certa altura da vida, que estamos saturados de tantas intromissões, e gritamos por liberdade. Não aquela liberdade para transgredir ou aquela coisa conquistada aos trancos para mostrar poder ou sentir o ego em ascensão. São as amarras que nascem na infância quando buscamos o aval dos pais e mestres, quando buscamos aprovação. E assim, a gente segue na vida sem se dar conta  disso.
Inicialmente buscamos aprovação nos primeiros anos de colégio e seguimos a vida buscando aprovação como ótima  filha,  ótima esposa,  ótima profissional,  ótima mãe, ótima dona de casa, ótima avó... Ótima em tudo! Mulher se cobra muito.
Lembro, de quando estava entrando na adolescência, ouvi várias vezes minha mãe dizer:
- Seja mais simpática com a dona Adelaide, não 'empaca', minha filha...
Ora, porque eu deveria ser simpática com uma criatura  se ela não me descia, era um tanto indigesta; por que eu deveria conquistar sua simpatia e não ela a minha?
Como eu gostaria que certas coisas  daquele tempo  se repetissem hoje, e na hora certa! Não  me permitiria mais nenhum sofrimento; não me deixaria machucar, e nem uma resposta chula!  Sou eu a administradora da minha felicidade!
Em geral as pessoas tentam impor suas ideias, seus gostos, suas vontades na conhecida e exasperante crítica construtiva. Como é difícil lidar com esse tipo de gente.
Temos de gostar de Carnaval e extravasar toda a alegria contida, reprimida; temos de gostar de vinho porque é chique e romântico; temos de comer escargot porque é uma iguaria requintada; o mocotó porque é cultura regional; a feijoada porque é tipicamente brasileira, patriota; gostar de futebol porque é o esporte das massas...caso contrário é preconceito. Pelo amor de Deus...deixem a criatura tomar cerveja na hora em que quiser!
Então a gente empurra o difícil escargot pra evitar um confronto filosófico com os supostos requintados; comemos as patas, o bucho e as tripas do boi ( no mocotó) para evitar o confronto com os regionalistas; comemos os pés, as orelhas, o rabo e a costela (na feijoada), e entupimos as nossas coronárias porque nos passaram um convite de honra para uma festinha e contam conosco, sem falta. E vamu qui vamu!
Incomoda ter de seguir uma modinha e deixar de lado nossas roupas preferidas para não sermos chamados de brega; incomoda a pergunta, safadinha, se sua filha casou ou vai ficar pra titia; incomoda a discussão pela nossa escolha ideológica; incomoda-me o gerenciamento de uns na vida de outros. Incomoda-me a hipocrisia. Incomoda-me, sobretudo, a dor da injustiça. Talvez uma casa no campo...

Onde eu possa ficar no tamanho da paz
e tenha somente a certeza
dos limites do corpo e nada mais.






________________//______________
(reedição *)

45 comentários:

  1. Adoro passar por aqui e te ler! Sempre provocas boas risadas ou lembranças...Tens razão! Ninguém mais aguenta gente metendo o bedelho onde não é chamado e parecem proliferar palpites furados e que ninguém pediu ou então imposições disso ou daquilo! Bah! Ninguém merece! bjs, chica

    ResponderExcluir
  2. Também não tenho paciência para gente intrometida.
    Nem um bocadinho.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Boa noite de muita paz, querida amiga Taís!
    Tenho verdadeira pena de quem se intromete na vida alheia pois perde um tempo imenso de ser muito mais feliz.
    Resumo nisso hoje, amiga: perda de tempo e de energia.
    Certas 'críticas construtivas', para nós que já não somos crianças, é puro despeito.
    Tenho, entre familiares, pessoas que não perdoam nem um piscar de olhos... coitadas!
    Eu lhe confesso, siceramente, que não tenho energia para cuidar de duas vidas.
    Vou orando para que Deus faça um metanoia em pessoas assim.
    Hoje ouvi um áudio de outra blogueira que fala do vampirismo, é bem assim, pessoas negativas que nos tentam minar nossa energia suave que só deseja viver a vida na paz e na alegria, com olhar aberto a todos, mas por Amor e não por intromissão.
    Seja muito feliz e abençoada!
    Bjm carinhoso e fraterno de paz e bem

    ResponderExcluir
  4. Non sopporto le persone invadenti.
    Buona giornata

    ResponderExcluir
  5. Tais bom dia.
    Você diz tudo que penso nessa sua postagem.
    Fui criada com essas regras massantes.
    Depois passei minha juventude presa as convenções
    religiosas. Quando comecei a fazer/estudar teatro
    eu ja tinha 30 anos, casada desde os 19 e com 2 filhos.
    Foi maravilhoso experimentar a liberdade de usar
    minhas roupas personalizadas. Mas quando meus filhos
    foram pra Arábia a trabalho com a Arte Circense e voltaram
    depois de 3 meses com corte de cabelos moicanos... roupas coloridas
    e tênis exóticos, foi um terror na igreja, uma pressão porque era
    inadmissível para a "Dona Adelaide", uma sonhorinha
    regente do coral e quase dona da comunidade por ser quase fundadora
    da mesma. Já se passaram quase 15 anos, mas lembro como se fosse hoje
    dela parando meus filhos, passando a mão na cabeça deles e
    balançando a cabeça em desaprovação dizer- Isso é um absurdo!
    Conclusão: íamos mudar de comunidade, mas acabamos mudando
    de Estado e de postura, pois deixamos de ser crentes para
    sermos cristãos.
    Eu também não tenho paciência mais e piorei depois que me entendi
    ter nascido poeta.
    Adorei ler!
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
  6. Es muy valiente, Tais, tu actitud al dar a conocer ese punto de vista anti hipocresía.
    También es efectivo que desde niños con el mejor de los ánimos, nos imponen algunas obligaciones de las cuáles después nos arrepentimos.

    ResponderExcluir
  7. De facto o único tipo de gente que me tira do sério, são precisamente pessoas intrometidas. Aliás, tenho uma tese que defende que esse tipo de gente, desprovida de vida própria, sofre de graves problemas existênciais.

    Abraço

    ResponderExcluir
  8. Estou de acordo acredito,
    com o que nele escreveu
    nesse seu texto escrito
    do qual não duvido eu!

    Tenha uma boa tarde amiga Tais Luso. Um abraço.

    ResponderExcluir
  9. Bom, essa gente é realmente muito aborrecida, (para não dizer algo pior) mas graças a Deus que não lido com gente assim há muitos anos.
    Meu pai sempre me dizia. "Não te preocupes com a vida alheia, nem por ela te deixes influenciar. Vive e deixa viver. Cada um dará contas dos seus actos se não for nesta vida será noutra"
    Abraço

    ResponderExcluir
  10. Oi Tais, sempre fui muito na minha e não dava espaços para intromissão não solicitada. conselhos, destes sempre gostei de ouvir, se não for bom apaga-se, se mexe com a alma é melhor refletir sobre, aliás mudei para melhor em muita coisa que me alertaram (gente que admiro), as vezes é melhor engolir o ego e pelo menos tentar enxergar, refletir o que muitas vezes não vemos, claro que isso não vale para banalidades ou gostos pessoais, aí vai um fatality mesmo!
    Quanto mais cedo aprendemos a nos libertar da necessidade de o outro nos validar, mais livres seremos para nos amar e viver em paz.
    Adorei seu texto e reflexão!
    Abração!

    ResponderExcluir
  11. Minha Amada, Idolatrada, Salve! Salve! "Taís, Pátria Amada Brasil"...
    Muito bom esse teu ponto de vista! Temos isso em comum, a maneira "ácida" de escrever.
    O direito de um começa onde termina o do outro. Fora isso, tudo passa a ser abusivo!
    Eu tenho uma frase (na minha página de frases no DOUG BLOG), que diz: - "Gente chata, 'mala', intrometida, fofoqueira, dá nó até em pingo de letra i!" O que na época da minha vó Lourdes, seria dar nó em gota d'água.
    Ou seja, Não existe coisa mais desagradável e mais estressante do que conviver com gente que encosta e fica... Gente que só te visita para pedir o teu WiFi! 😂😂😂
    Porém, essa gente, eu acho que não se admite nem nas Forças Armadas mais... Creio que esse tipo de gente irritante hoje em dia, é indesejável onde quer que esteja.

    Um beijo minha querida!

    ResponderExcluir
  12. Tu entrada me hizo recordar la parte de la letra de una canción de la transición española que decía "A nadie le gusta que uno tenga su propia fe" y en otra parte decía que no se miraba bien al que no seguía al abanderado.

    Saludos.

    ResponderExcluir
  13. FABULOSO, Tais. Adorei ler!
    Também eu detesto gente intrometida, indiscreta, metediça, abelhuda. Gosto de viver no meu cantinho. Não gosto de bedelhar a vida dos outros. Da minha conto o que eu quero, a quem quero.
    Isto, herdei das duas estrelinhas que brilham para mim no céu.
    Quanto ao resto... vou ficar matutando nessa de ser também eu a «administrar a minha felicidade». Acho que algo está desacertado.
    Beijo, alegria.

    ResponderExcluir
  14. Feliz fin de semana y fin de mes, se nos va ya el mes de agosto.

    ResponderExcluir
  15. Também fico sem paciência para gente intrometida minha amiga e aproveito para desejar um bom fim-de-semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    Livros-Autografados

    ResponderExcluir
  16. Vamos separar o que queremos do que temos e não 'stressar'...
    Temos de nos adaptar, sem sermos "Maria vai com as outras"
    A vida já é tão difícil...
    Boas Férias...Eu vou estar uns dias largos fora e tentar
    resolver o problema do meu computador, pois o Windows avisou-me
    que o 'Windows 7' em Janeiro....acabou.
    Tenho tanta coisa aqui, que me vai custar acabar com tudo.
    Vamos ver.
    Beijo ...

    ResponderExcluir
  17. Boa tarde queridas amizades. Derivado a trabalho a dobrar na empresa por causa das férias, passo numa visita rapidinha (copy-past) para vos saudar e deixar mais uma publicação da minha autoria. Peço desculpa por ser assim...Se acharem que mereço retribuição, agradeço :)) Muito grata a todos.

    https://brincandocomaspalavrass.blogspot.com/

    Bjos
    Votos de um óptimo fim-de-semana. :))

    ResponderExcluir
  18. De pleno acordo minha amiga
    Ultimamente tenho vivido de acordo com as minhas convicções e desejos. Não ando mais tentando agradar alguém. Se não de mim como eu sou és livre para praticar o seu estilo em outra freguesia. Ótima crônica, Taís
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  19. Perfeitas colocações! Isso não é vida, é arremedo de vida. Que possamos ser quem realmente somos, e deixar os chatos lá na calçada, longe das nossas casas.

    Bom fim de semana!


    https://ocaminhodoaprendiz2.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  20. Boa tarde, querida Tais,
    penso que ninguém aguenta pessoas que se metem na vida do outro, às vezes somos obrigadas a fazer coisas que não gostamos para agradar alguém. Assisti a uma palestra muito interessante, a palestrante falou sobre a obra "A sutil maneira de ligar o foda-se".
    Foi uma palestra muito interessante, disse-nos ela, que às vezes nem precisamos falar, basta pensar com fé, risos.
    Ainda vivemos ao redor de muita gente que pensa que pode mandar em nossas atitudes.
    Excelente, como sempre, a sua crônica. Beijos!

    ResponderExcluir
  21. Pois, pois, chega de hipocrisia, uma casa no campo também me apraz. Antes, porém, da casa no campo, voltar a tua casa que sempre fiz minha é o que faço agora porque sempre me agradou fazê-lo, andei olimpicamente fatigado, estou treinando para voltar, com ênfase à minha, sinto falta do capinzal molhado que ela guarda para os meus pés e dos amigos.
    Muito agradecido pelo encorajamento que foi dado por um chamado sutil e se não vim logo é porque ainda não estou pleno.
    Beijos, minha dileta amiga Tais!

    ResponderExcluir
  22. Querida amiga Taís

    Uma Crónica que diz tal e qual o que se passa com algumas pessoas, aquelas que se preocupam com o que se passa na vida dos outros quando deveriam ter em conta os seus próprios problemas. Gastam tempo e energia com os outros mexendo e remexendo sempre, levando a que os seus alvos também acabem por desgastar-se, porque "obrigados" a ouvir e a dar respostas à sua frequente curiosidade.

    Minha amiga, foi um prazer ler mais um dos lindos textos.

    Bom fim de semana.

    Beijo

    Olinda

    à sua frequente curiosidade.

    ResponderExcluir
  23. Querida Tais, talvez não estejas com muitas saudades minhas, mas a vida é assim...quando se deixam as portas abertas, as pessoas entram e nem se dão ao trabalho de tocar à campainha; foi o que eu fiz e o que fazem as tais pessoas de quem falas nesta crónica; mas fica descansada, pois não acho que pensas isso de mim, estou só a brincar. Já há muito que me livrei de pessoas intrometidas e hoje, dou-me ao luxo de conviver só com pessoas " que valem a pena " e de fazer aquilo que me agrada sem me preocupar com a opinião dos outros. Mas, há um caso em que não posso fazer isso e vou contar aqui. Tenho um casal de amigos, muito boas pessoas de cuja amizade não posso duvidar sequer; são amigos de infância, fomos para o Brasil na mesma altura e lá foram nossos sócios e continuam a ser; voltaram para Portugal na mesma altura que nós e continuamos a ser como familia, mas há uma atitude na minha amiga que me aborrece muito e isso já acontecia no Brasil. Vamos jantarmuitas vezes juntos e ela começa logo por dizer: " vamos comer um peixinho " e lá vamos nós para o " bendito do peixe; já houve alturas em que eu disse que não queria peixe e pedi outra coisa. Quando o garçon começa a trazer as entradas ela diz logo para as levar de volta, para deixar só o pão; não me importo, pois na realidade só quero o pãozinho, mas mesmo assim, tenho de ouvir :" comes o pão e depois não comes a comida "; não ligo e continuo a comer, pois adoro pão; a minha sorte é que, em casa não ponho pão na mesa. Uma vez fiquei com dó do meu marido, pois as entradas traziam pastéis de bacalhau e ele estava com saudades de comer alguns; como dão muito trabalho a fazer e são fritos, raramente tenho em casa; rimo -nos bastante, os dois, depois disso e prometemos que para a próxima, diriamos para deixar as entradas. Não entendo muito esta atitude dela, porque, por exemplo, quando se divide a conta, ela não liga se do meu lado estão três ou quatro e do dela só dois; divide-se por dois e pronto, coisa que não acontece com outro casal amigo que az questão que se divida pelo no de pessoas. Enfim, Tais, somos todos diferentes, com qualidades e defeitos também diferentes e, quando as pessoas valem a pena, como é o caso, devemos olhar mais para as qualidades e deixar de lado estas pequenas coisas. São pessoas que não se metem na vida dos outros e conheço-os desde criança; eu e ela éramos vizinhas e brincavamos juntas e a confiança que temos uns nos outros é total. Quanto aos outros tipos de intromissão, felizmente, aos poucos fui-me afastando e , quano encontro esses intrometidosos na rua, dirijo um " Olá, como vais " e faço de tudo para que não me convidem para um cafezinho; já aconteceu de eu ter de parar e aguentá-lo por algum tempo a tomar café, mas, alegando pressa, logo me despacho. Querida amiga, como vês, aos poucos, estou voltando às minhas lides bloguistas e, claro, tinhas de ser uma das primeiras a receber-me, já que dizes que gostas muito de me " ouvir "; sou um pouco tagarela, mas, há gostos para tudo, como se costuma dizer. Beijinhos e obrigada pela crónica interessante, aliás, como sempre.
    Emilia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minha querida Emília, estou com saudades, sim! Estou feliz com você aqui! Sei que aí são os meses de férias, muitos viajam, você está de férias e com a Beatriz, então estava esperando o retorno. Aqui não é época de férias, como sabes, mas estou aproveitando para fazer muitas coisas. Passarei e-mail pra você, pois estou com saudades. Me aguarda, querida amiga!
      Beijinho.

      Excluir
  24. Sempre com pontaria certeira, amiga Tais
    e sempre um prazer leitura de seus textos, a zurzirem, com elegância e subtileza,
    hipocrisias e outras "pestes" sociais.

    crítica construtivas? nem me fale...
    antes dor de cotovelo. rs

    beijo






    ResponderExcluir
  25. Gente intrometida, meu Deus não se aguenta… Adorei lê-la. Tem sempre um jeito especial para falar das coisas da vida.
    Adoro ouvir a Elis Regina e esta canção fala de tudo o que a gente gostava de ter…
    Um beijo minha Amiga Tais.

    ResponderExcluir
  26. Lamentavelmente certo. A gentileza deu passo à intromissão e perde toda a elegância que necessita. Está bem que se preocupem por nós mas sem extralimitar-se.
    Tudo tem um limite.
    Toda uma aula de sociologia que muito agradeço pois faz ver ao que pode chegar o ser humano hoje em dia.
    Abraços de vida

    ResponderExcluir
  27. Ui se incomodam...sinceramente eu já perdi a paciência com certas pessoas.
    E como dizem os meus amigos brasileiros, estou de saco cheio.(sem ofensa)
    Lol
    Gosto das suas crónicas...assertivas e cheias de verdade e uma pitada de humor.
    beijinhos
    :)

    ResponderExcluir
  28. Estou aprendendo a não mais dar "bola"para gente chata e intrometida...rs.
    Você escreve muito bem.
    Gostei da sua tão verdadeira crônica.
    Linda tarde de domingo, querida Taís.
    Beijinhos de
    Verena.

    ResponderExcluir
  29. Ponto de vista certeiro, Taís, melhor do que o de um atirador das Forças Armadas - estou a brincar, claro. A propósito deste seu esclarecedor texto, interrogo com um parágrafo que excindo de uma crónica minha de Maio de 2018: Ora, se, praticamente, tudo na vida não tem passado de um vulgar jogo de espelhos, se tudo tem sido camuflado pelas máscaras que vão desfilando pelo palco da existência (Shakespeare), se a dinâmica social assenta apenas numa espécie de essência de dominação, como ocorria com a dialéctica do iluminismo, se sofremos (quase) todos de neurose de abandono – encontrem-nos excepções, com carácter de urgência –, como seremos, então, capazes de nos furtar ao redemoinho castigador, sufocante das compensações geradoras de agressividade e afectividade de aversão?!
    Um abraço

    ResponderExcluir
  30. Gran reflexión sobre los tópicos, los prejuicios y las mentiras. Así funciona el mundo, así nos hacen manejables. Yo también quiero cambiarlo y si volviera a vivir algunas experiencias, otro gallo cantaría.
    Abrazos.

    ResponderExcluir
  31. É horrível pessoa intrometida! No meu trabalho tem uma que aff! é o capeta chupando manga rsrsrsrs, tem horas que fico até sem paciência, mas, tento conviver com ela da melhor maneira possível. Maravilhoso seu texto!
    Beijos e feliz semana!

    ResponderExcluir
  32. Querida Vizinha / Escritora, Taís Luso !
    ... E o pior de tudo é que não observamos, na roda da vida,
    que estamos fazendo o "jogo" alheio, e não o nosso.
    Irritante, sim.
    Belo assunto e ótimo texto. Parabéns!
    Uma feliz semana e um fraternal aBraço, Amiga.
    Sinval..

    ResponderExcluir
  33. A nossa vida é tão curta que vale a pena não fazer tudo aquilo que os outros pretendem ou esperam de nós, mas sim aquilo que nos faz felizes.
    Uma crónica magnífica, com um tema muito interessante.
    Taís, uma boa semana.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  34. Uma casa no campo é uma boa, longe de tantas chatices e convivências... Entretanto, precisamos encarar o nosso dia a dia com as situações todas e, felizmente, há uma medida "adequada" para não sermos consumidos/sufocodos por elas. Humm, temos que abraçar uma vida mais leve possível, sem cobranças e aborrecimentos. Pra longe "o agradar a todo mundo"! Não é fácil, mas vale a pena aprender mais e mais...
    Amei a crônica!
    Bjs

    ResponderExcluir
  35. Como é difícil o convívio com essas pessoas intrometidas, que se acham com liberdade para dizer o que pensam de nós, que avaliam nossa maneira de ser, que se acham no dever de dizer no que devemos mudar etc. Lembro-me que há alguns anos escrevi um artigo para o Blog Panorama, com o título “Faça o que eu digo” denunciando a agressão dessas pessoas, e que um conhecido meu disse-me que o que escrevi foi dirigido a ele; depois disso nunca mais falou comigo.
    Parabéns Taisinha pela ótima crônica.
    Um beijinho daqui do escritório

    ResponderExcluir
  36. No me agrada que algunas personas se sientan con derecho de rayar la cancha a los demás...a mi me encrespa esa situación ...más de una vez he tenido que enfrentar y aclara estas situaciones, cosas que son de mi propia decisión y que solo yo deba ponderar , imponen indicaciones, reglas, comportamientos, que se debe decir o como actuar .....intromisión lenta y segura para cambiar la mente o lavado de cabeza ...que decir con los niños y adolescentes ....llevan a los padres a no permitirles participar en sus vidas , restando importancia el sentar las bases de familia con valores y principios , sustento de una vida más plena, segura donde se respira paz y alegría,... y no uno por cada lado, como seres solitarios , vacíos...la sociedad de hoy intervenida hace de este mundo muy poco acogedor...
    Abrazo Tai un placer reencontrarte
    Un tema muy actualizado da para mucho

    ResponderExcluir
  37. Hola, Tais. Su escrito habría podido fimarlo yo misma. Me ha hecho dudar de si hemos tenido la misma madre o hemos conocido a la misma Sra. Adelaide.
    Seguro que muchas lectoras se habrán identificado con la niña a la que le importaba un higo la opinión de los extraños sobre su ropa o gustos gastronómicos. Y que hubiera sido feliz de manera sencilla, con muy poca cosa, como Elis Regina.

    ResponderExcluir
  38. Olá querida Taís,

    Realmente existem pessoas que não dá mesmo pra suportar, aquelas que se acham dona da verdade e sai destilando veneno, baboseira; para tais pessoas devemos nos distânciar, nada como ter por comapanhia pessoas com discernimento para nos agredir com colocações absurdas e pitaco na vida da pessoa
    Meus aplausos paa mais uma obra prima.
    Bjsss!

    ResponderExcluir
  39. Boa tarde Tais,
    Um excelente crónica tão ao seu jeito e que muito me agrada.
    Há gente muito intrometida, sim, que eu abomino, mas infelizmente tenho que lidar com algumas, porque de gente chegada se trata. Não fora isso e acho que já tinha mudado de direção;))!!
    Um beijinho.
    Ailime

    ResponderExcluir
  40. Todos temos alguma água para sacudir do capote.
    Muito bem, querida Taís! Temos a nossa própria vida!

    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Irra!!! perdi o comentário. Quem se intrometeu?
      "Gente comandante", gostei da expressão. Tem gente por aí que abusa, que se julga acima dos demais, então enfermam dum mal que é sentirem estar a cumprir uma missão de inspiração divina. São uns chatos!!!
      Beijo.

      Excluir
  41. Ei Tais! Como sempre uma postagem interessante numa crônica muito bem trabalhada. Gente intrometida realmente atrapalha e muito! Pensam que comandam o mundo das opniões . Ficam dando pitaco em tudo e aja paciência com essas pessoas! Não tenho, com certeza. Grande beijo. Feliz noite.

    ResponderExcluir
  42. Muito boa postagem, com muita reflexões e humor. Penso desta forma e, na realidade, não como, não me visto e não me comporto desta ou daquela maneira só para ser aceita. Mas isto traz consequências que se tem que suportar, Enfim, ah! casinha no campo....

    ResponderExcluir
  43. Algumas passagens que vivi, voltaram ahaha. Sim, tb fiz cara de simpática e no meu caso, o pedido que veio rápido na lembrança, foi feito pela minha avó! Só a cara, porque não queria e não conseguia ser simpática.
    O real sentido da vida? A liberdade, daí sim, se pode tentar ser feliz.

    ResponderExcluir

AOS AMIGOS

Muito obrigada por deixar seu comentário, se necessário for, deixarei resposta a alguma pergunta.
Abraços a todos
Taís