4 de junho de 2009

A DIFÍCIL ESCOLHA

Botero / Hombre y Mujer - 2001

- tais luso de carvalho

É pena que nosso amadurecimento seja um processo demorado, sempre para médio e longo prazo. É o preço. A vida faz uma troca bem balanceada: vai dando a calmaria e pedindo em troca o viço de nossa pele; vai dando o equilíbrio e tirando o pigmento dos nossos cabelos. E não solta, jamais, a paz. Mesmo porque, na meia idade alguns já questionam suas vidas, já com um pé na crise existencial. Até entendo um pouco a coitada da vida, que não pode nos dar tudo de supetão, e sem nenhum ônus.

Seria bárbaro se fossemos belos, equilibrados, ponderados, maduros e solidários. E ricos! Mas tudo junto? Vamos ser justos: alguém dá alguma coisa de graça? Por que a vida daria? Não; com ela é no toma lá, dá cá; olho por olho, dente por dente. É, ela cobra.

Aí fico pensando nas encrencas que a gente se mete pra enfarofar mais nossa vida; é um rolo duas pessoas, completamente diferentes, viverem juntas em nome do primeiro olhar, em nome do romantismo e de idealizações equivocadas. A paixão não transforma ninguém; encanta por algum tempo. Depois, há que trabalhar para salvar a relação, senão vai tudo pro brejo. Adeus.

Como uma pessoa insegura, carente e tímida pode almejar viver ou conviver com uma pessoa segura, resolvida e despachada demais? Vai sofrer.

Não é difícil entender o porquê de alguém tímido incomodar um pavão falante; do erudito incomodar um não tô nem aí; de um faz tudo incomodar um incapaz; de um ponderado incomodar um destrambelhado...

Só resta uma ajudinha externa, e gritar:

- Me descobre aí um psicoterapeuta!! Vou lá ver o que está acontecendo, a criatura não mu-da!!

A princípio, a visita ao um psicoterapeuta é para tentar uma maneira de arrumar o seu lado através da mudança do companheiro. Não é não? Não é mais fácil?

É difícil de ver alguém querer mudar; quanto mais carcomida estiver a criatura, mais difícil será a mudança. Às vezes, o negócio fica encruado. Pior, se essa mesma criatura achar que é perfeita, o que acontece quase sempre. É a traição do espelho.

Sempre percebi que o maior beneficiário de mudanças é quem muda pra si, para o seu consumo, não para os outros. Aquele que muda para acertar as pontas consigo mesmo.
Por isso penso que o certo, o menos conflitante, é quando os iguais se atraem. As chances de dar certo são bem maiores. Pelo menos é o que ensina Jung, esse expoente da psicanálise.

15 comentários:

  1. Olá Taís,
    Realmente a vida não é fácil, mas eu que não nasci para ser regra. Vou levando do meu jeito. Tudo que eu não posso resolver, está resolvido. Todas as vezes que me calo, não estou concordando. Estou teimando calada. Quando me dizem o que devo fazer, faço que escuto entra num ouvido e sai no outro. Quando chegam os calores, faço de conta que é tesão.Dentro do meu direito não baixo a crista. A vida tentou ser madastra comigo e eu queibrei o espelho na cara dela.E como não sou remédio não careço de bula. Consigo ser feliz,sem dizer amém a hipocrisia.
    Beijos,
    Dalinha

    ResponderExcluir
  2. Oi Tais:
    Difícil o coexistence se houver uma tolerância e um nenhum amor, eu acredito que sempre é possível começar, se nós confiarmos em nos e no deus.
    Não parece aplicar-me a lei do olho pelo olho, dente pelo dente, porque faria exame à destruição e nos misture-acima.
    Eu prefiro aplicar o mestre, ele pardons e esquece-se,
    um hug!

    ResponderExcluir
  3. O que não posso remediar, remediado está. Se não posso mudar a mim mesmo, por que querer mudar o outro? Pior, por que querer mudar o mundo?

    Interessante texto, que provoca boas reflexões.

    Beijos, bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  4. O Espelho
    Por acaso, surpreendo-me no espelho:
    Quem é esse que me olha e é tão mais velho que eu? (...)
    Parece meu velho pai - que já morreu! (...)
    Nosso olhar duro interroga:
    "O que fizeste de mim?" Eu pai? Tu é que me invadiste.
    Lentamente, ruga a ruga... Que importa! [...]
    Mario Quintana

    ResponderExcluir
  5. Amiga Tais ótima escolha, excelente texto, parabéns, honrado e feliz por visitar este importante, belo e original espaço... Registro a minha imensa satisfação ao passar aqui, valeu! Quero compartilhar com você o poema abaixo de William Shakespeare
    ”Perguntei a um sábio,
    a diferença que havia
    entre amor e amizade,
    ele me disse essa verdade...
    O Amor é mais sensível,
    a Amizade mais segura.
    O Amor nos dá asas,
    a Amizade o chão.
    No Amor há mais carinho,
    na Amizade compreensão.
    O Amor é plantado
    e com carinho cultivado,
    a Amizade vem faceira,
    e com troca de alegria e tristeza,
    torna-se uma grande e querida
    companheira.
    Mas quando o Amor é sincero
    ele vem com um grande amigo,
    e quando a Amizade é concreta,
    ela é cheia de amor e carinho.
    Quando se tem um amigo
    ou uma grande paixão,
    ambos sentimentos coexistem
    dentro do seu coração.”
    Votos de um final de semana divertido e repleto de alegria. Muita prosperidade e bênçãos. Paz, luz, saúde e proteção. Felicidades, um fraterno e caloroso abraço. Fique com Deus.
    Valdemir Reis

    ResponderExcluir
  6. Precisamos do seu talento como escritora para nos ajudar na luta contra a corrupção, a falta de ética e a falta de moral no Brasil.

    Precisamos conscientizar os cidadãos brasileiros que só vamos conseguir um Brasil com justiça social e com políticos honestos e éticos quando o governo do PT deixar o poder.

    Todos nós devemos estar comprometidos nesta luta, e principalmente vocês que tem o dom de escrever e de transmitir idéias de forma clara e convincente

    ResponderExcluir
  7. Sempre percebi que o maior beneficiário de mudanças é quem muda pra si, para o seu consumo, não para os outros. Aquele que muda para acertar as pontas consigo mesmo.

    Tais Luso de Carvalho ,
    SERIA MUITO BOM QUE O MUNDO DESCOBRISSE ESTA SUA POSTAGEM COM TAMANHA REAL_IDADE.
    É GRATIFICANTE LER VOCÊ,
    SEMPRE SAÍMOS AMADURECIDOS COM SUAS PALAVRAS,
    Efigênia coutinho

    ResponderExcluir
  8. que bom encontrar uma visão madura sobre relacionamentos, na internet...
    muito legal

    ResponderExcluir
  9. Taís

    Boa tarde!

    Seu texto faz a gente pensar...
    Duas situações, uma do corpo, outra da alma. Será que interpretei bem?
    Falando do corpo, minha linda, o espelho é fogo e quando só ele trai, ainda podemos lutar para descobrir nossa real figura, mas você não sabe, porque é muito moça, a vista nos trai mais do que ele! Claro, você acredita nela, que sempre te mostrou tudo direitinho. Porém, o envelhecimento chega a ela também e nesse ponto, chegamos nós, sem óculos, diante dele, conferimos e está tudo certo. Está tudo bem. Aconteceu comigo, um dia fui ao espelho distraidamente, com os óculos que usava para perto e me deparei comigo.

    Comigo?
    Sim, era eu, despencada, cheia de rugas que a olho nu, eram invisíveis. Menina, que desilusão! Mas, não morri, e a lei de Talião que a vida emprega como você diz, não falha. É o preço a pagar, por tê-la ainda!
    Eu hoje não me importo mais, todavia, no lugar do psicanalista, para um socorro imediato, grito, em busca de um cirurgião plástico! Rsrsrsrs Mas que, tudo é paliativo, porque já estamos mesmo sendo carcomidos pelo tempo! É uma luta inglória!!! O psicanalista viria mesmo a calhar para a outra questão, mais complexa e difícil de solucionar. Pena, não é? Não temos uma fórmula para a vida, que arrume todas essas situações...
    Vida é luta, sempre.

    Grande beijo com carinho e votos de um bom feriado para vocês.


    Aidinha

    ResponderExcluir
  10. Oi, Aidinha, você é formidável! É aquela coisa... quem é linda por dentro, é linda por fora; e os anos não contam, minha amiga!

    Minha intenção, nessa crônica é quanto às atitudes e amadurecimento do espírito, não físico, esse está em segundo plano, e com ele a gente faz o que pode, não? rsrs

    Um grande beijo, Aidinha. Continue escrevendo aquelas delícias no seu blog; irei visitar alguns amigos nesse feriadão.

    Tais

    ResponderExcluir
  11. Eu acreditava mesmo que os diferentes pudessem se completar, achava o máximo isso e adorava ter um namorado assim. Com o tempo descobri que era preciso mudar para dá certo, hoje percebo que a mudança deve ser algo que nos faça bem.Agradar demais a pessoa foi o meu maior erro, pq todo o tempo me anulei, sofri e ainda sofro por ter sido tola... talvez deva procurar alguém mais parecido comigo, brincalhão, positivo, que veja o lado bom das coisas... a vida é um eterno aprendizado, e aprender a viver nela é o maior deles.

    Parabéns pelo texto, um forte abraço

    ResponderExcluir
  12. Tais,

    Excelente crônica, diz tudo...
    Nós só crescemos e amadurecemos, quando queremos. O querer é que faz a diferença. Ninguém faz o que não quer, pode até fazer de conta por um tempo.
    A crônica que mudou a minha vida,
    as minhas atitudes...

    FELICIDADE REALISTA

    Por Mário Quintana

    A princípio, bastaria ter saúde, dinheiro e amor, o que já é um pacote
    louvável, mas nossos desejos são ainda mais complexos.

    Não basta que a gente esteja sem febre: queremos, além de saúde, ser
    magérrimos, sarados, irresistíveis.

    Dinheiro? Não basta termos para pagar o aluguel, a comida e o cinema:
    queremos a piscina olímpica e uma temporada num spa cinco estrelas.

    E quanto ao amor? Ah, o amor.. não basta termos alguém com quem podemos
    conversar, dividir uma pizza e fazer sexo de vez em quando. Isso é pensar
    pequeno: queremos AMOR, todinho maiúsculo. Queremos estar visceralmente
    apaixonados, queremos ser surpreendidos por declarações e presentes
    inesperados, queremos jantar à luz de velas de segunda a domingo, queremos
    sexo selvagem e diário, queremos ser felizes assim e não de outro jeito. É o
    que dá ver tanta televisão.

    Simplesmente esquecemos de tentar ser felizes de uma forma mais realista.

    Ter um parceiro constante, pode ou não, ser sinônimo de felicidade. Você
    pode ser feliz solteiro, feliz com uns romances ocasionais, feliz com um
    parceiro, feliz sem nenhum. Não existe amor minúsculo, principalmente quando
    se trata de amor-próprio.

    Dinheiro é uma benção.
    Quem tem, precisa aproveitá-lo, gastá-lo, usufruí-lo.
    Não perder tempo juntando, juntando, juntando. Apenas o suficiente para se
    sentir seguro, mas não aprisionado.
    E se a gente tem pouco, é com este pouco que vai tentar segurar a onda,
    buscando coisas que saiam de graça, como um pouco de humor, um pouco de fé e
    um pouco de criatividade.

    Ser feliz de uma forma realista é fazer o possível e aceitar o improvável.
    Fazer exercícios sem almejar passarelas, trabalhar sem almejar o estrelato,
    amar sem almejar o eterno.

    Olhe para o relógio: hora de acordar.
    É importante pensar-se ao extremo, buscar lá dentro o que nos mobiliza,
    instiga e conduz mas sem exigir-se desumanamente. A vida não é um jogo onde
    só quem testa seus limites é que leva o prêmio. Não sejamos vítimas ingênuas
    desta tal competitividade.

    Se a meta está alta demais, reduza-a. Se você não está de acordo com as
    regras, demita-se.
    Invente seu próprio jogo.

    Faça o que for necessário para ser feliz. Mas não se esqueça de que a
    felicidade é um sentimento simples, você pode encontrá-la e deixá-la ir
    embora por não perceber sua simplicidade. Ela transmite paz e não
    sentimentos fortes, que nos atormenta e provoca inquietude no nosso coração.
    Isso pode ser alegria, paixão, entusiasmo, mas não felicidade...

    Abraços,
    Marise.

    ResponderExcluir
  13. Gostaria de saber escrever uma realidade tão pura, parabéns!

    ResponderExcluir
  14. Tais

    Estou grata pela sua visita, mais por suas palavras de alento.
    Hoje fui ver o documentário sobre a vida do Simonal, nada a ver com a do papai, mas o link foi inevitável! Para a gente ser feliz, ficar alegre, eufórica mesmo é super difícil, mas para baixar uma tristeza que às vezes temos que disfarçar, tudo vem aos montes e ainda maximizamos as causas externas e pronto! Lá está o coração amargurado.
    Que burrice! Nós humanos somos muito esquisitos!!!
    Temos uma tendência sem fim, a piorar tudo. Esse comportamento
    não se justifica, mas não sabemos bem lidar com tudo isso.
    Por outro lado, um pouco de “colo”, mesmo o virtual,
    como esse que você me deu hoje, tem o condão de amainar o
    tumulto que já se instalava lá dentro de mim.
    Obrigada amiga, você nem imagina, mas hoje fez a sua parte com louvor***

    Bom passeio! Vá e volte com Deus.

    Beijo

    Aidinha

    ResponderExcluir
  15. Querida!
    Uma verdade que as pessoas pensam em terapia para as relações para mudar o outro, mas na verdade a primeira mudança precisa ser sempre conosco em tentar estar no "outro", é difícil mas não impossível. bjs

    ResponderExcluir

MUITO OBRIGADA PELA SUA PRESENÇA E SEU COMENTÁRIO - VOLTE SEMPRE.