7 de julho de 2013

É DE UTILIDADE PÚBLICA!



- Tais Luso de Carvalho

Hoje foi um dos dias que resolvi enlouquecer. Mas enlouquecer consciente! 
Uma tal loja - de uma rede conhecida de São Paulo -, há mais de 4 semanas me telefona perguntando por uma tal de Juralva: quer falar com a Juralva sobre seu débito. Digo, então, há 4 semanas, que aqui não existe nenhuma Juralva. Mas não adianta, a mulher quer a Juralva  a qualquer preço. Atendo essa mulher não menos do 3 que vezes por dia. E já estou de saco cheio.

Lembro que perguntei mais informações, e a pior telefonista do mundo respondeu:


- Não podemos dar maiores detalhes.

- Mas moça... eu não quero detalhes, eu...
- Não podemos dar maiores detalhes, senhora.
- Mas como o meu telefone foi parar aí?
- Não podemos dar detalhes.
- Mas o que vou fazer?? Eu não conheço a Juralva!
- Não sabemos, senhora...
- Mas...

Desgraçada, desligou.

Péra, não será uma gravação...? Não, não era.

Pedi que tirassem meu telefone do cadastro, houve um engano... Mas, não! Não podiam dar detalhes! Enlouqueci pelo fato de não poder falar. Até quando iria essa coisa enlouquecedora?


O que podia fazer? Pensei em não me estressar, este foi o primeiro passo. Mas bolei algo que acho que deu resultado e compartilho com vocês: podem usar, é de graça! Mas, quando isso ocorrer, anotem o número da chamada.


Tocou o telefone. Era do 0x11... o próprio:

- Alooooou, por favor, a Juralva...

Apressei-me a responder:


- Aqui é do Hospício São Pedro de Porto Alegre:

  disque 1, para Internação;
  disque 2, para Marcação de Consulta;
  disque 3, para Enfermaria;
  disque 4, para falar com um louco...

Além de eu ter lavado a alma vi que a mulher sumiu ! Faz um monte de dias que não telefona. 


Mas  agora  ando curiosa: será que acharam a Juralva? O que aconteceu? 

Tô pensando em telefonar pro 0x11 ...

A curiosidade é a cura para o tédio!! 

Mas não há cura para a curiosidade! (Dorothi Parker)




22 comentários:

  1. Espantoso! Nunca me lembraria de algo assim. Mas, seguramente irei utilizar. Não que alguma vez me tenham telefonado perguntando pela Juralva, mas todos os dias atendo montes de chamadas para abrir créditos, criar cartões, mudar o serviço telefónico, o da internet, o da televisão por cabo e sei lá que mais...

    Uma boa semana e obrigada pela dica.

    ResponderExcluir
  2. Maravilhosa saída pra esses chatos que ligam,ligam e não desconfiam! Valeu!Adporei! beijos,chica

    ResponderExcluir
  3. Rsrsrs A dica é preciosa! Parece a única saída eficiente, pois os chatinhos desses serviços costumam ser insistentes... Mas e a Juralva, hein?! Quando ligar para o 0x11... e descobrir o que aconteceu, me conta, ok? rsrsrsrs

    Beijooo

    ResponderExcluir
  4. Limerique

    Acredite, um chamado confuso
    Nada mais que verdadeiro abuso
    "É a Juralva quem fala?"
    "Ou ela está na sala?"
    Deixou irada a cronista Taís Luso.

    ResponderExcluir
  5. De vez em quando "batem!" à minha porta... Se irritar é inevitável, mas gostei imenso da tua resposta Tais. Esses serviços estão cada dia piores! Fiquei curiosa também. Beijo pra ti!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rrsrsrsr. Nosso Brasil!
      Um dia aprendemos!

      =)

      Excluir
  6. Tais: Isso é muito cato mas acontece muitas vezes até para o Celular isso acontece eu as vezes eu me armo em bom e digo com quem deseja falar, as pessoas dizem eu digo desculpe mas está enganada daqui fala a policia.
    mas tu arranjaste uma linda maneiro de correr com a pessoa.
    Beijos
    Santa Cruz

    ResponderExcluir
  7. Acho que encontrou uma bela maneira de quebrar uma rotina.....Eu vou querer falar com a Juralva......Vou elaborar a lista do nº1....2...3..e colocar junto ao telefone, para a coisa ser mais real na altura...
    Sai-lhe cada uma......!!!
    Beijo

    ResponderExcluir
  8. Alô Taís,
    aqui quem fala é um louco. Um louco por arte e literatura de boa qualidade!
    Achei a sua crônica sensacional!!!
    Li junto da Loyde que também adorou.
    Aí vão os nossos parabéns e um beijo de todos do atelier

    ResponderExcluir
  9. Querida Taís,
    Rí muito com a sua crônica
    Adorei a dica!
    Tenha uma ótima semana
    Beijinhos de
    Verena e Bichinhos

    ResponderExcluir
  10. Minha realidade foi outra! Madrugada, um bêbado ligava querendo falar com a Cristina... e eu respondia: - não há ninguém com esse nome, meu senhor! De nada adiantava. Ele insistia. Meu marido atendeu dando-lhe a mesma resposta e nada dele desistir. Estressada, altas horas, toca o telefone e eu atendo como sendo a Cristina e fui lhe dizendo: - olhe aqui seu sem vergonha, não me procure nunca mais, não quero saber mais de você, já tenho outro em seu lugar! SOSSEGOU... por incrível que pareça. Agora não me pergunte o que houve entre ele e a tal da Cristina... O importante é que depois disso, conseguimos dormir em paz!
    Bjs. Célia.

    ResponderExcluir
  11. Por aqui sofro com uns 8 telefonemas por dia, que eu corro pra atender e do outro lado nada respondem. Eu sempre ouvi uma história de que ligam do presídio para pegar o número do seu celular para blá, blá, blá, blá... Além de toda instituição que possa imaginar pedindo doações. Tem a LBV que pede ajuda para manter a "Raquelzinha" tem uns 10 anos, na época ela tinha 6 anos... E continua com 6 anos.
    A gente se sente acurralado, incomodado, invadido com os cartões de crédito, com a Editora globo [que há uns 3 anos atrás acabou minha assinatura e por sorte venceu meu cartão e ainda ligam querendo fazer um tal de bloqueio de assinatura para eu pagar menos minhas faturas..., com créditos bancários que o gerente te indicou. Aff, e nem sempre estamos com tempo e paciência para isso e uma palavrinha em falso e pimba te pegam no pulo. então decidi que não tenho palavrinhas com essa corja que te engodam e depois dizem que vc aceitou, disse sim e por isso deveeeeeeeeee.
    Que a "sua JURALVA" tenha evaporado no mundo da telefonia e do mal caratismo desses representantes seja de onde for.
    bjkas doces e boa semana Tais, qualquer coisa mate sua curiosidade, ligando pro número anotado e dizendo que é a juralva e perguntando o que querem com ela.

    ResponderExcluir
  12. hahahahaha terei a oportunidade de usar, tenho certeza. Lá em casa é a mesma coisa. Também já aconteceu com o celular. Até que um dia, no ponto de ônibus, dei um de louco quando me ligaram. Era a 27° vez, contando com as ligações perdidas. O sangue ferveu, a garganta não poupou um grito de fúria:

    - Eu não sou "Vanessa"! PARA DE ME ENCHER, ME DEIXA EM PAAAAAAAZ!

    - Por falta de contexto, encerrarei a ligação.

    Nunca mais me ligaram! Mas adorei sua ideia. Pouco minha mente e ainda dou algumas risadas.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  13. rsrsrrss... vc me lembrou uma ótima, vou compartilhar par vc acrescentar nas estratégias...rsrs
    Há alguns anos, meu então marido recebia trocentas ligações de um banco oferecendo cartão com inúmeras vantagens, e claro, não estava adiantando recusar. Uma manhã em que ele estava inspirado, atendeu com calma, ouviu até o fim e suspirou profundamente antes de dizer: moça, você foi enviada por Deus, estou numa situação de penúria há meses, desempregado e com 5 filhos... caiu do céu esse cartão... o que devo fazer pra ter um desses?... só ouviu: tu tu tu tu....kkkkkkkkk

    É de enlouquecer mesmo essas abordagens que querem empurrar coisas pra gente, falar com quem nunca vimos... vc foi ótima... muita presença de espírito... tá guardada, caso eu precise....rs

    Adoro vir trocar figurinhas com vc, estava com saudade!
    Beijos

    ResponderExcluir
  14. kkkkkkkkkkkkkkkkk Sabe que, em um caso semelhante, eu atendi dizendo que era de uma delegacia de polícia, perguntando em que podia ajudar. Sumiram. Bjs.

    ResponderExcluir
  15. Normalmente entram sem identificação, eu atendo mas critico o anonimato depois peço desculpa e desligo.
    Excelente alerta.
    Bj

    ResponderExcluir
  16. (Risos) Muito bom! :)

    ResponderExcluir
  17. Insolentíssima Senhora Dona Taisamiga

    Estamos a contacta-la de Lisboa, Portugal, mais precisamente da Direcção-Geral da Polícia Judiciária para lhe dizer que queremos falar com uma tal Juralba. Esta diligência resulta de uma queixa apresentada contra a tal Juralba pela Inspecção das Actividades Económicas e Gastronómicas, pelo facto de ela se ter ausentado da loja Fábrica dos Pasteis de Belém, para parte incerta, após ter surripiado com uma pinça um pastel de nata (creme) sem que as empregadas e os empregados do citado estabelecimento tivessem dado conta do furto qualificado.

    Perante a ocorrência à qual se reporta este telefonema foi decidido pelas instâncias superiores mandar apensar ao Código de Vendas de Produtos Alimentares um no parágrafo ao artigo 2.834,7.º com a seguinte redacção:

    a)– n.º II – O creme não com pinça.

    Na sequência desta diligência de averiguação repetimos que queremos falar com a Juralba, isto porque a supracitada cidadã ter, anteriormente ao furto, dado como garante Vossa Insolência. Transcrevemos a declaração feita para o efeita, digo, efeito:
    «Delego quaisquer actos que me respeitem na Insolentíssima Senhora Professora Universitária de Tailandês Medieval, a qual tem ainda constante do seu curriculum que é titular da carteira n.º 123.679-B da Ordem dos Engenheiros de Obras Feitas; membro suplente da Academia Gastro Salutar de Tóquio, arquitecta de interiores e exteriores, devidamente legalizada, médica Neuro Abstracta, perdão, rasuro, Obstetra e veterinária de cavalos-marinhos sem freio.» Fim de transcrição.

    A mencionada Juralba apresentou em devido tempo certificado do qual consta exercer a profissão de estagiária adjunta de ajudante de delegado de praticante, cuja fotocópia não podemos aditar por falta de reconhecimento notarial da vila da Vidigueira (Baixo Alentejo, Portugal, UE)

    Por conseguinte, repetimos o pedido: queremos falar com a já mencionada Juralba. De acordo com instruções obtidas através de Respondedor Automático do telefone de Vossa Insolência tentámos falar com o Hospício (Manicómio) São Pedro de Porto Alegre, utilizando para o efeito a alínea 4). Respondeu-nos uma voz autoritária, ainda que maviosa e simpática que os serviços se encontravam encerrados devido às manifestações do (e passamos a transcrever) Acorda Brasil.

    Entrementes, a chamada telefónica por imponderável acidente caiu – justamente na fossa de Porto Rico, a mais profunda do Oceano Atlântico e, por isso, impossível de recuperar, mesmo usando o Batiscafo Sauve Tout do Professor Monsieur Auguste Piccard, diligência que resultou em «nicles», mais precisamente rien du tout.

    Face ao que descrevemos com os maiores detalhes (a título sigiloso e particular, pois oficialmente não os podemos obter), perguntamos, resumindo e concluindo, podemos falar com a Juralba.
    Com os protestos da mais elevada consideração

    Henrique A.F.

    PS – 1) Aproveitamos o ensejo para rogar a Vossa Insolência o obséquio de igualmente transmitir ao seu ex-pouso Prof. Pedro Luso de Carvalho as nossas mais sentidas cond…, perdão, os nossos mais sinceros comprimentos e, já agora, larguras;
    2) Aguardamos resposta endereçada a http://aminhatravessadoferreira.blogspot.com ou via imeile hantferreira@gmail.com. Muito obrigado.



    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahahahaha, Isso só podia vir do caríssimo jornalista e amigo Henrique A. Ferreira - de Portugal! Você discou para o ramal 1, 2, 3 ou 4? Sua ligação não completou, queira ligar novamente para o ramal certo.
      Mas antes de ligar, aproveito para agradecer sua ligação, seja para o ramal que for! E sem dúvida... se Juralva aparecer, a mandarei, algemada, para a Travessa do Ferreira - Lisboa/Portugal.

      Sem mais,
      subscrevo-me att.
      Beijos!rsrs.

      Excluir
  18. Adorei a idéia, aqui vivem ligando para cobrar a dívida de um tal de Valdir. Vou plagiar haha

    ResponderExcluir
  19. Olá Tais!
    O que eu me diverti a ler a sua" Crônica"! Esta jogada foi de mestre!!! Uma ideia a copiar minha cara, pois também por cá abundam telefonemas desses. Um abraço amigo.
    M. Emília

    ResponderExcluir

MEUS AMIGOS:

1 - Este blog não envia nem recebe comentários anônimos ou ofensivos.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

3 - Meus agradecimentos pelo seu comentário, sempre bem-vindo.


Meu abraço a todos.
Taís Luso