21 de fevereiro de 2021

O NOSSO TEMPERAMENTO...

Arte Popular Brasileira


                      -Taís Luso de Carvalho


     Ao detectarmos nosso temperamento, podemos ter uma noção de como melhorar o nosso convívio em sociedade, para uma vida mais equilibrada, menos conflitante, menos exigente e mais agradável.

Segue abaixo, um "Estudo da Pesquisa das Bases Neurobiológicas e Tratamento de Transtornos Neuropsiquiátricos do Programa de Pós - Graduação em Biologia Molecular e Celular da PUCRS" sob a orientação dos psiquiatras Gustavo Ottoni e Diogo Lara.

Temperamento é a natureza emocional da pessoa que define a qualidade de humor predominante nela, ao longo da vida. O temperamento é basicamente definido por herança genética e influências externas, como criação e o ambiente onde se vive. 

É relativamente estável ao longo do tempo, mas pode variar um pouco com a idade ou experiências marcantes, como traumas, acontecimentos muito positivos, doenças ou uso de drogas.

Segundo os pesquisadores, o temperamento também é um indicador de predisposição a algumas doenças psiquiátricas, como depressão e bipolaridade. Quando os comportamentos extrapolam, passam a ser exagerados e começam a atrapalhar a vida social, nesse sentido, podem se tornar uma patologia.

Nem todos precisam de tratamento, as pessoas em geral se adaptam ao seu jeito de ser ao natural. É preciso tratamento quando se passa para o nível de doença e desequilíbrio. Nesses casos muitos precisam de terapia e medicamentos.


CONHEÇA OS TEMPERAMENTOS


1. EUTÍMICO:

Estável, previsível, equilibrado, com boa disposição e, em geral, sente-se bem consigo mesmo.

2. OBSSESSIVO:

Rígido, organizado, perfeccionista, exigente, lida mal com erros e dúvidas.

3. ANSIOSO:

Preocupado, cuidadoso, inseguro, apreensivo e não se arrisca.

4. CICLOTÍMICO:

Humor imprevisível e instável (altos e baixos), muda rapidamente ou de maneira desproporcional.

5. HIPERTÍMICO:

Sempre de bom humor, confiante, adora novidades, vai atrás do que quer até conquistar e tem forte tendência à liderança.

6. DEPRESSIVO:

Com tendência à tristeza e à melancolia, vê pouca graça nas coisas, tende a se desvalorizar, não gosta de mudanças e prefere ouvir a falar.

7. IRRITÁVEL:

Sincero, direto, irritado, explosivo e desconfiado.

8. EUFÓRICO:

Expansivo, falante, impulsivo, exagerado, intenso, não gosta de regras e rotinas.

9. DESINIBIDO:

Inquieto, espontâneo distraído, deixa as coisas para a última hora.

10. DISFÓRICO:

Tende a ficar tenso, ansioso, irritado e agitado ao mesmo tempo.

11. VOLÁTIL:

Dispersivo, inquieto desligado e desorganizado, precipitado, muda de interesse rapidamente, tem dificuldade em concluir tarefas.

12. APÁTICO:

Lento, desligado, desatento, não conclui o que começa.

HOMENS EUFÓRICOS:

O temperamento eufórico apareceu com mais frequência entre os homens. Pessoas que se enquadram nesse perfil são expansivas, falantes, impulsivas e não gostam de seguir regras ou rotinas. Tendem a infringir mais regras e ter comportamentos irresponsáveis como exceder o limite de velocidade dirigindo – afirma o psiquiatra Gustavo Ottoni.

MULHERES INSTÁVEIS:

Esse perfil ciclotímico ocorre mais em mulheres, segundo o psiquiatra integrante da equipe – Ottoni. Pode ser por causa da variação hormonal, devido ao ciclo menstrual que afeta comportamentos e emoções, porém não há uma resposta exata.

OS MAIS POSITIVOS:

Os perfis mais positivos são o Eutímico e o Hipertímico. As características desses temperamentos são as que menos apresentam riscos de desenvolvimento de patologias psiquiátricas.

Segundo o psiquiatra Diogo Lara, as pessoas que preferem a noite, geralmente se enquadram nos perfis mais instáveis, enquanto os que preferem a manhã tendem a ser mais regrados.

A pesquisa mostrou também que, quanto maior a preferência pela noite, menor é a capacidade de organização, cautela e foco. Isso só é amenizado nas últimas horas do dia, quando a pessoa apresenta maior energia. Essas características também estão associadas a maior criatividade, em geral, enquanto os matutinos são os tipos mais organizados, mais certinhos.

Até os 20 anos, há uma clara preferência pela noite, com baixa energia pela manhã. Essa preferência decai até os 40 anos. A partir dos 50 anos, a tendência é de que a pessoa sinta mais disposição nas primeiras horas do dia. Quanto mais energia se tem pela manhã, mais cedo se acorda. Claro que são dados populacionais, é um movimento de grupo. Alguns indivíduos podem ser noturnos a vida inteira – conclui o psiquiatra.



_________________________//___________________________

      Referência: Caderno Vida ZH de 19.2.2011 – Porto Alegre/RS







43 comentários:

  1. Acho interesante mais não consigo me identificat com neum dos padroēs!!!
    Adorei as figurinhas do Brazil.Abraço e bom domingo!!!

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde de Domingo, querida amiga Taís!
    Quando estava me formando no curso Normal (Magistério) aprendi nos onze temperamentos tradicionais que era do tipo apaixonado e concordei.
    Na fase adulta onde quis me autoconhecer de verdade e já com mais maturidade, soube que estava no "tipo" medroso, de tudo que estudei na linha oriental, concordei...
    Agora, lendo a apresentação sua aqui... Tenho características ansiosas, mas eu me arrisco... pois trabalhei meu medo confiando em Deus. O contrário do medo é a fé e assim vivo.
    A partir da Espiritualidade, pude me regenerar bem no quesito ansiedade, pois minha consigna é: O Senhor é meu Pastor e NADA me faltará.
    No mais, ainda quero aprender muito para melhor conviver, pois os dissimulados camuflam temperamentos e temos que estar aptos para pisar em campo minado. Com pessoas assim, eu tenho dificuldade,com camaleões. Confio muito ainda.
    Deus nos dê Força para não ferirmos nem sermos feridos. A vida merece ser vivida na paz e leveza de espírito unidos â sinceridade de almas..
    Suas crônicas abordam temas excelentes, o de hoje veio bem a calhar, pois está sendo unanimidade os psicólogos alertarem para termos todo zelo conosco visto que todos (afirmam eles) estamos abalados emocionalmente com toda razão de ser por se tratar de uma Pandemia.
    Muito obrigada pela partilha preciosa.
    Esteja bem, amiga, proteja-se!
    Beijinhos
    🕊️🙌👼🙏🍀😘🏡

    ResponderExcluir
  3. Querida amiga Taís,
    Gostei da maneira (dos conceitos), abordadas no texto. Porém, é preciso salientar, que muitos consideram os conceitos (de temperamento), como sinônimo de personalidade, uma vez que “o temperamento” nada mais é, que a formação de um conjunto de tendências e características que determinam o comportamento dos indivíduos. Os temperamentos apresentados na resenha, são tradicionais correspondentes que “caminham” ao fleumático.
    O certo, é que somos pessoas em desconstrução e reconstrução diária, enumerarmos conceitos de temperamentos, teoriza o ser mas, não torna ninguém mais equilibrado, pois, o aprendizado de cada um, difere por diversos fatores: cultura, credo, nacionalidade, etnia/raça, classe social/condição financeira, etc...
    As escalas e temperamentos tradicionais pertencem ao todo e, se apresentam em momentos diversos na vida de cada um.
    Beijos, bom começo de semana que enceta e cuide-se!!!

    ResponderExcluir
  4. Un buen articulo el que nos ofreces no sabría en cual encuadrarme tal vez dependa del día.

    Saludos.

    ResponderExcluir
  5. " Alguns individuos podem ser noturnos a vida inteira ", diz o psiquiatra e é verdade, sem que isso signifique qualquer tipo de problema. E a tua amiga, começa pelo fim o que não é muito normal, mas...acontece. Sabes que, quando começo a ler uma revista, tenho a tendência de começar pelo fim ? Nunca entendi muito bem esta mania, mas também nunca me preocupou a ponto de procurar, nos entendidos, as razões. É mania e ponto final. Mas, voltando ao assunto...não me lembro como era, quando adolescente, mas depois de ter o primeiro filho comecei a gostar da noite; sabia-me bem aquele bocadinho só meu, altura em que podia esparramar-me no sofá a ver um filme ou a ler, sem a criança a atrapalhar e esse gosto continuou até hoje;gosto da noite, mesmo que tenha de levantar cedo no dia seguinte e tenho a sorte de ter um marido que me acompanha nessa preferência. Quanto aos temperamento, Tais, concordo que, com o tempo, vamos tentando modificar a nossa maneira de ser de modo a evitar atritos com quem vive connosco e também com os amigos.Hoje em dia creio que me encaixo no Eutimico, mas já fui ansiosa e, ainda hoje ainda sinto uma leve tendência à melancolia, de tal maneira que às vezes me questiono o motivo dessa tristez, dessa melancolia. Deixei de me preocupar com isso, porque cheguei à conclusão que sou uma " alma inquieta" e essa inquietude leva-me a esse estado de espirito. Hoje, sou uma pessoa segura, estável, que se aceita como é, mas já fui precisamente o contrário, principalmente na adolescência. Acho, Amiga, que devemos aprender com a idade e eu tentei fazę-lo, sendo hoje muito mais calma e mais paciente com os outros; já sou capaz de ouvir coisas absurdas e ficar calada, quando, antigamente era incapaz de " fechar a boca" o que causava problemas. Sensatez e equilibrio são fundamentais para levarmos a vida com leveza, mas, muitas vezes, só a idade nos proporciona estas caracteristicas tão importantes. Hoje a tua Amiga é assim, mas já foi do tipo " explosiva ", aquele tipo de pessoa que dá a sua opinião sincera, sem se preocupar muito com as consequências; como se diz no Brasil, aquela pessoa " brava " Sossega....já era...não existe mais, essa pessoa, querida Amiga. Hoje, escolheste um tema dificil e, com este confinamento a cabeça está um pouco ruim...começa a " não dizer coisa com coisa". Bem...foi o que saiu, neste domingo de clausura, frio e chuvoso. Beijinhos, Amiga querida e SAÚDE, fisica e mental
    Emilia 🌻

    ResponderExcluir
  6. um post muito entresante desejo um feliz domingo bjs saude

    ResponderExcluir
  7. Bel legal o texto,Taís. Confesso que sou uma mistureba ...Agora, no momento, após Kiko derrubar um cafézinho, quebrar xícaras, espalhar cacos,melhor NEM DIZER em qual me coloco,rs....Só rindo,senão...Aff..Adorei te ler! beijos, chica

    ResponderExcluir
  8. Muito interessante este estudo querida Taís.
    Concordo que vamos mudando o comportamento ao longo da vida, fruto das alegrias, das dores, das preocupações. Se eu em mais jovem era EUTÍMICA agora sou sem sombra de dúvida, ANSIOSA.
    Mas fui sempre, MATUTINA :)

    Um beijinho e boa semana com muita saúde para si e para os seus.

    ResponderExcluir
  9. Os temperamentos humanos são muitos mesmo, achei bem interessante, não sabia dessas classificações.
    Haja sabedoria para nos relacionarmos ao longo da vida, mas é com elas, personalidades diferentes, que aprendemos e nos conhecemos melhor, a nos defendermos, a compreender o outro com empatia.
    Sem contar a química do nosso corpo que quando alterada complica ainda mais.
    A vida em harmonia é muito melhor e se pudermos escolher essa opção, é a melhor, sem dúvida. Eu era uma banana de dinamite na juventude, hoje sou só uma banana, com muito gosto. :D
    Adorei a leitura e tudo que aprendi, Tais!
    Bom final de domingo, abração!

    ResponderExcluir
  10. Excelente e credível informação. Ocorre-me o meu auto-retrato e assina-lo com pena que meu temperamento não conste nem no CC nem no BI



    AUTO-RETRATO

    Diz ter alma celta
    e um coração luso
    que o desperta
    que lhe corre nas veias
    sangue mouro

    Diz que já fez, na vida
    de tudo um pouco
    quer como poeta,
    quer como louco

    Diz nada decidir
    sem convocar o coletivo
    seu Eu, sua Alma e seu Contrário
    ao qual apelida de Juízo

    Quanto a Deus,
    não o nega
    mas d´Ele nada espera
    pois sendo infinitamente bom
    é, muito mais, infinitamente lento

    Diz ser fácil mudar o mundo
    só que leva é tempo

    [Retrato quase completo de mim
    o que falta... consta no BI]

    Rogério Pereira

    ResponderExcluir
  11. Boa tarde querida Tais! Muitos ainda acreditam que não podem mudar sua maneira de ser. Quantos de nós se lembra dos momentos em que desejou ter domínio próprio e autocontrole e se arrependeu do que fez! É difícil mudar o temperamento, não é? Como seria bom se você pudesse ser calmo como os fleumáticos, ou, talvez, eufórico como os sanguíneos, quem sabe ainda, habilidoso como os melancólicos ou pertinaz como os coléricos... de fato não é nada fácil mudar o nosso temperamento. Creio que há muita luta interna, mas não impossível de mudar o temperamento que muitas das vezes nos afastam dos outros. Creio que a regra se quebra quando somos obrigados a nos reinventar a cada dia. Grande beijo. Feliz semana!

    ResponderExcluir
  12. Interessante o estudo, eu sou bem misturada. Contudo, e ao longo da vida com mudanças de situações e até mesmo de idade houve alterações bem sensíveis; posso dizer que na pandemia me enquadraria na categoria ansiosa. bjs

    ResponderExcluir
  13. Não seremos um pouco de todos??
    Beijo, boa semana

    ResponderExcluir
  14. Um estudo muito interessante. Não me sei definir nestes perfis. A sua crónica, minha Amiga Taís, é para fazer uma reflexão sobre o que somos realmente e em que é que o nosso temperamento pode interferir com os outros.
    Uma boa semana com muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  15. Excelente post, eu não me enquadro concretamente num desses temperamentos, pois tenho características de vários.
    Boa semana
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  16. Muito interessante. Não consegui enquadrar-me em nenhum dos perfis, na verdade encontro características minhas em vários. Creio que sou noturna pois sempre me sinto mais ativa e mais inspirada de noite. Por outro lado, sempre acordo cedo.
    Abraço, saúde e uma boa semana

    ResponderExcluir
  17. Interessante assunto, querida Taís. Jamais vi nem mesmo parecido em blogs.
    Fiquei pensando onde seria o meu lugar. Encrenca! Confesso que no momento tenho é medo! E acaso não é para ter não? Não fui vacinado ainda.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  18. Olá, amiga!

    Gosto desse tipo de figuras.

    * No outro seu blog, onde se comenta?

    Saudações poéticas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, amigo Vieira, muito obrigada pela sua visita no Das Artes. Fechei os comentários há anos, muito difícil manter 2 blogs com comentários abertos. Deixei apenas o "Formulário de contato" - e-mail. Se um dia eu resolver abrir, comunico a você, não vou esquecer.
      Beijo, uma boa semana.

      Excluir
  19. Muito obrigada pela visita no meu aniversario. Gostei. Beijinhos. Boa semana.

    ResponderExcluir
  20. Una entrada muy interesante.
    Me he visto reflejada en varios perfiles, aunque no me atrevo identificarme con alguno en concreto.
    Muchas veces tenemos miedo de conocernos tal cual somos. De conocernos y aceptarnos.
    Tarea ardua que dura toda la vida.
    Besos.

    ResponderExcluir
  21. Texto muito interessante, Taís.
    Eu sou tudo junto e misturado...rs
    Gostei muito.
    Um beijinho carinhoso
    Verena.

    ResponderExcluir
  22. Boa noite Taís,
    Um texto belíssimo e muito interessante sobre temperamentos.
    Sou mais do tipo ansioso, o que nos tempos que correm não é mesmo nada agradável.
    Há que tentar controlar a ansiedade, senão a vida torna-se difícil.
    Beijinhos e saúde.
    Ailime

    ResponderExcluir
  23. Gosto muito dos temperamentos brasileiros
    Um abraço grande

    ResponderExcluir
  24. Vizinha / Escritora, Taís Luso !
    Vou guardar este texto, para melhor me
    relacionar na vida...
    Será muito útil, amiga ! Grato, mesmo.
    Uma boa semana e um fraternal abraço.
    Sinval.

    ResponderExcluir
  25. Taís!,
    Arrasou na publicação!
    Eu penso que ao longo
    da vida, conforme evoluímos
    ou regredimos vamos passando
    por mais de uma dessas categorias,
    isso quando não
    há patologia.
    Adorei.
    Bjins de boa noite.
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
  26. Un estudio sumamente interesante.
    Para reflexionar y tenerlo muy en cuenta.
    Un beso.

    ResponderExcluir
  27. OLÁ! BOA TARDE... VIM FAZER UMA VISITINHA E TE DESEJAR UMA TARDE DE PAZ! ABRAÇOS.

    ResponderExcluir
  28. E temos de conviver com tanta diversidade!... (Sorrisos...)
    E não é fácil catalogar, nem aconselhável porque as pessoas passam por fases, ora eufóricos, ora tristes; confiantes ou inseguros, conforme acontece os altos e baixos da sua vida.
    Os quatro básicos que eu estudei em psicologia: sanguíneo, fleumático, colérico e melancólico; são grupos fáceis de identificar.
    Tive um professor que era o protótipo do colérico branco... Encolarizava-se facilmente, perdia o sangue do rosto, ficava branco como cal, sem cor nos lábios... Passava-lhe depressa, era uma exelente pessoa.
    E será que há um temperamento relacionado com a nacionalidade? Nos poetas de Portugal, encontro sempre raízes do ''fadinho''... Mesmo sendo jovens, amam cantar a desdita e má sorte. Do que fujo!...
    Um assunto interessante, sobre o qual há muito não reflectia. Grata pela leitura.
    Saúde, força e resiliência. Beijos, querida amiga.
    ~~~

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Corrijo - 'conforme *acontecem* os altos e baixos...' Sorrisos.

      Excluir
  29. Uau que legal ler isto por aqui!
    Nunca pensei em qual destas característica eu me enquadro, mas vejo que posso estar nesta de Hipertímico, sou assim mesmo por natureza. No entanto, às vezes tenho ansiedade, aliás, hoje em dia, quem não tem, né mesmo?
    Vou mandar para meu filho seu link, ele também vai gostar de saber em que se enquadraria.
    Um grande abraço, uma ótima tarde pra você!

    ResponderExcluir
  30. Tais, que miminho de publicação.
    Certamente, também eu estou aqui catalogada. Vou reler para saber qual é mesmo o meu temperamento, apesar de desconfiar que sou uma mistura confusa e difícil de identificar.
    A meu favor: prefiro o dia à noite, e acordo cedo.
    Beijo, querida amiga. Te cuida.


    ResponderExcluir
  31. Olá Taís, acho que sou a mistura de muitos, rsrs
    É importante descobrir para nos conhecermos melhor!
    abraços e bom fds!

    ResponderExcluir
  32. Olá querida Tais,
    Belo texto e muito interessante! Creio que misturo um pouco de tudo.
    Tenho um temperamento tranquilo mas minhas emoções certamente interferem.
    Beijos e cuide-se bem!

    ResponderExcluir
  33. Bom dia, querida Taís

    Excelente estudo, que diz respeito a todos em geral, como bem refere. Quando se trata de particularizar encontraremos, como é natural, laivos disto e daquilo em cada pessoa.

    Também o tempo é bom professor, vamos aprendendo, ou não :), dosear as coisas, os nossos impulsos, a nossa braveza ou mansidão excessivas. Chegar ao equilíbrio é bem difícil ou não fôssemos humanos com uma capacidade enorme para surpreender tanto no aspecto positivo como negativo. Ao fim e ao cabo, se não for patológico, poderemos dar-nos ao luxo de ser eufóricos, alegres, tristes, conforme os momentos e a nossa disposição. E os nossos amigos e familiares que nos conhecem saberão dar o devido valor ao nosso estado de espírito.

    É bem verdade, como diz a nossa querida Emília, à medida que vamos avançando na idade damos importância às coisas que a têm. Por vezes, pioramos nos nossos juízos :))

    Somos seres em construção contínua.

    Adorei ler esta sua Crónica, aliás, como todas as outras que tem a generosidade que nos trazer.

    Bom domingo.
    Beijinhos
    Olinda

    ResponderExcluir
  34. Boa tarde, querida Tais.
    Interessante publicação com uma pesquisa muito rica.Nem sabia que havia tantos tipos de comportamentos, achei difícil me enquadrar em apenas um rssssssss,sinto que sou um pouco de tudo.
    Nesta época de pandemia a minha ansiedade está bem aflorada, por isso, penso que dependendo da fase da vida, em que estamos vivendo vamos tendo diversos tipos de comportamentos.Obrigada por compartilhar em sua crônica, assunto extremamente valioso. Grande abraço, cuidem-se!

    ResponderExcluir
  35. Boa noite, querida Taís!
    Em cada fase das nossas vidas, os comportamentos são variados!
    Depende um pouco da sociedade onde estamos inseridos!
    Entre outros fatores!
    Contente em ler o seu texto!
    Um grande abracinho!
    Megy Maia☔💮☔

    ResponderExcluir
  36. Taís,
    Hoje passo para
    desejar uma nova
    semana produtiva.
    Bjins de final
    de domingo
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
  37. Olá Tais, que beleza de estudo e partilha nesta analise de comportamentos.
    Creio que o tempo nos molda ou aprendemos a nos conhecer e até nos poupar e assim vamos adquirindo uma estabilidade de comportamento. Creio ser 1 e 5 nesta lista embora as vezes dizem que sou pisciano desligado.
    Gostei de ler Taís.
    Aqui uma cidade recolhida com gente sem noção e assim vivemos um toque de recolher, que vai até dia 03.
    Vamos nos cuidando e sobrevivendo nesta nova onda.
    Uma feliz semana para vocês.
    Beijo amiga.

    ResponderExcluir
  38. Muito bem, querida Taís!
    E um tema que nos interessa. Vale a pena refletirmos. Eu hesito: serei tendencialmente este ou aquele? Também estudei os quatro básicos de que fala a Majo,
    Boa semana, amiga.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  39. Te he podido localizar por tu comentario en el blog de Majo, te quedaste por mi blog pero al no dejar comentario no supe de ti. Quería darte las gracias por pasar y quedarte, pero al propio tiempo compruebo que tienes un blog sumamente interesante, así que con tu permiso me quedo por este bello lugar. Un placer.
    Me presento, me llamo Juan y soy de Alicante-España.
    Cordiales saludos y buen mes de marzo.

    ResponderExcluir
  40. Olhei para trás e descobri que pulei a crônica dos temperamentos. O cara dos chistes explicaria a razão da minha esquiva. Mas ele não já vive em nosso meio, tão somente suas teorias andam por aí de boca em boca. E nunca pratiquei boxe. Todavia, para sobreviver neste mundo precisamos saber nos esquivar. E tantas são as imposições para as esquivas, que sabemos usá-las sem nunca as ter aprendido. Por intuição, pela sobrevivência. Freud por onde você anda? Vem, anda, ajude a minha amiga Taís a compreender-me. Ela é muito inteligente, mas pode perder-se nos meus arrazoados, risos. Mas don´t give up, minha amiga.
    Beijos, amiga!

    ResponderExcluir


Muito obrigada pelo seu comentário
Abraços a todos
Taís