12 de novembro de 2018

NOSSOS VIZINHOS






    - Taís Luso


Não se trata do filme de Alfred Hitchcock, mas das janelas dos nossos vizinhos: dos meus, ou dos seus, quem sabe. Todos temos vizinhos, e cada um com um currículo diferente. Alguns, com histórias escandalosas, outras, muito hilárias.
Conheci, há uns anos, uma vizinha chamada Eunice, morava a dois prédios do meu, portanto vizinha de quadra. De vez em quando nos encontrávamos no bairro e conversávamos um pouquinho sobre amenidades. Nossos pais se conheciam, daí nasceram as conversinhas. Fui ao seu apartamento buscar um livro de artes, que ela fazia questão de me presentear antes de mudar-se do bairro.
De volta para casa passei pelo seu apartamento, era a hora em que ela estaria em casa. Eram 19:00 hs, já noite. E entre uma conversinha e outra, notei que ela espiava muito pela janela,  fiquei um pouco intrigada com sua atitude. Mas logo ela se entregou, contou-me que, da janela dela, avistava a vizinha que morava embaixo de seu apartamento: a 'Martha Rocha'. Eu não conseguia entender como ela conseguia enxergar alguém que morava embaixo do seu apartamento. Somente se dependurando de cabeça para baixo! Então foi quando me chamou e perguntou-me se eu não estava avistando a Marta Rocha!?
Aproximei-me da  janela: procurei pela Martha Rocha, a  famosa Miss Brasil que perdeu de ser Miss Universo por 2 polegadas! Fiquei muito curiosa para vê-la. Fiz um esforço de cão, e nada de achar a mulher! Então ela apontou para uma janela do edifício ao lado, e disse-me: ‘olhe para aquele vidro da frente, olhe ali ela sentada!!’ Sim, refletia o andar abaixo do dela! Meu Deus, entendi!  E pensei: cruzes, onde vim parar?!
Falou-me da solidão da Martha, da comida da Martha, dos cabelos da Martha... Fiquei com muita pena da nossa eterna miss. Mas, deixei que a maluca me contasse tudo.
Contou-me as coisas olhando para a janela. Realmente achei a nossa Miss Brasil muito decaída, fiquei com pena. Magrinha, a pobrezinha, mas ainda com aquela vasta cabeleira loira, tão conhecida. Só não conseguia entender o porquê da Martha Rocha morar aqui em Porto Alegre tendo tantos amigos da sua época no Rio de Janeiro, Bahia, São Paulo...Sua vida sempre foi lá. Então veio o inusitado:
Tais, ela não é a ex Miss Brasil; eu lhe chamo assim porque ela usa o cabelão da  Martha Rocha!
Consegui entender tudo: a mulher era louca. Feito isso, chamou minha atenção para a outra janela querendo me contar a história do outro vizinho esquisito, que comia pizza, diariamente, e que a pediu em casamento... Mas ela não gostava de pizza...! E dei um sorriso, fui discreta. E começou a contar...
- NÃO!! Preciso passar no supermercado, fica pra outro dia, querida!
Deu-me um nervoso. A mulher tinha mais janelas e mais histórias! Dei um jeito de sair logo, e na pressa esqueci o livro em cima do sofá.
Outro encontro? Nem morta.




55 comentários:

  1. Thais, nem calcula com que avidez toda a semana espero por um seu novo post! Realmente Deus deu-lhe um dom de comunicar inesgotável. Muito obrigada por o fazer chegar até mim!
    Hoje realmente fiquei encantada, vivi a sua cena como se fosse aqui na minha janela! Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida! Muito obrigada, eu que te agradeço, amiga!
      Um beijo, uma linda semana.

      Excluir
  2. Minha querida Taisamiga

    Excelente estória. aliás como todas as que escreves. És uma contadora de estórias nata. O Frankenstein comparado com essa tua vizinha era uma pomba anunciando a paz. Por acaso sabes se já lhe compraram (a ela, não ao monstro) um colete de forças?

    Mas essa cena da janela da louca lembrou-me uma canção de um intérprete portuga alentejano de que gosto muito, o Vitorino (que não tem nada que ver com essa vizinha pirada...) É assim

    Menina estás à janela
    com o teu cabelo à lua
    não me vou daqui embora
    sem levar uma prenda tua

    Sem levar uma prenda tua
    sem levar uma prenda dela
    com o teu cabelo à lua
    menina estás à janela

    Os olhos requerem olhos
    e os corações corações
    e os meus requerem os teus
    em todas as ocasiões

    Menina estás à janela
    com o teu cabelo à lua
    não me vou daqui embora
    sem levar uma prenda tua

    Sem levar uma prenda tua
    sem levar uma prenda dela
    com o teu cabelo à lua
    menina estás à janela


    Lindo, não achas?

    Muitos qjs 💋💋💋deste teu amigo tuga, louco e admirador
    Henrique, o Leãozão🦁🦁

    ...e novas do Bolsonaro + Moro?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Henrique, pois é, de vez em quando pegamos essas coisas loucas pela frente, mas faz parte da vida, da nossa bagagem!
      Por enquanto tudo 'descontrolado' por aqui, todos na expectativa de um novo Brasil, à partir de janeiro.
      Beijos, gostei do teu comentário, do poema, também.

      Excluir
  3. A verdadeira janela (muito) indiscreta.
    Beijos, boa semana

    ResponderExcluir
  4. De lo que se descubre en casa del vecino es siempre sorprendente, que tengas una buena semana.

    ResponderExcluir
  5. Me ha entretenido mucho tu relato, hasta me has arrancado una sonrisa tan de mañana, lo cual te agradezco infinito.
    En esta entrada hay mucha realidad, hay personas que, al no tener nada que hacer, verse solas y sin tener con quien conversar, se pasan el día espiando a sus vecinos por la ventana, son verdaderos espías, saben todo lo que hacen y se inventan hasta lo que piensan.
    Cariños.
    kasioles

    ResponderExcluir
  6. Hola Tais, he sentido como si esa ventana la tuviera enfrente mio, me ha gustado mucho este relato, genial historia como genial es todo lo que escribes.
    Mi felicitación amiga.
    Feliz martes. Un beso.

    ResponderExcluir
  7. rsssssssssssssssss... Acho melhor perder o livro do que voltar e correr riscos de uma destrambelhada assim te segurar por lá...E, de repente, até u8m jeito ela tria de te achar por algum reflexo, mesmo sem de casa sair! ADOREI! beijos, chica

    ResponderExcluir
  8. Fue, amiga Tais, una experiencia dura aquella que tan bien cuentas.Era natural que casi huyeras de allí, pero pienso que volviste a ver a la vecina por su proximidad y no debe haber sido cómodo, ni menos haberte encontrado con la protagonista de la observación. Da tema para una novela.

    Un beso.

    ResponderExcluir
  9. Bom dia. Adorei o seu texto, com factores bastantes verdadeiros :))

    "Dando asas ao coração"

    Bjos
    Votos de uma óptima Terça - Feira.

    ResponderExcluir
  10. As janelas!! Um eterno "Big Brother"... Aqui é pela porta mesmo... Uma vigilância de quem entra e de quem sai... Fofoca corre solta... Um horror de quem não tem nada para fazer de construtivo... Distancio-me...
    Agora, Tais sua crônica me fez rir da sua capacidade gentil em ouvir a maluquete dessa vizinha! Parabenizo-a!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  11. As crónicas da Taïs são um momento muito esperado ! cheias de sentido da condição humana, e tão bem orquestradas :)
    realmente passando pela janela, estou a espreitar se me poderão ver do outro lado do estacionamento, talvez não seja fácil, tenho ainda uma rua em frente, depois o estacionamento, ouf ! fico mais tranquila :)
    mas nunca se sabe, há olhinhos muito bons, que nem os das águias !!!
    abraço amiga
    Angela

    ResponderExcluir
  12. Bom dia Taís!
    Adoro ler o que você escreve,é exatamente assim que vemos muitos vizinhos desejando saber da vida alheia.rs
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  13. Muitas vezes a janela... é o escape das almas mais solitárias... normalmente, para pessoas mais idosas, vivendo sozinhas, pouco predispostas a fazer novas amizades, e já com um espírito bastante cauteloso... ver a vida dos outros, em directo, pelas janelas, ou num reflexo... será a forma de se sentirem permanentemente acompanhadas... tem muito disso, no nosso país... que actualmente tem uma população muito envelhecida... no meu prédio inclusive... pelo que tal situação, me é muito familiar... com direito a entradas e saídas controladas... quase nos fazendo sentir a obrigação, de dizer onde vamos, ou de onde viemos... :-))
    Um tema bem pertinente, Tais! Beijinho
    Ana

    ResponderExcluir
  14. Pelo visto, na casa dessa mulher deve ter muito por fazer, por arrumar, pois se ela cuida da vida dos outros, com certeza esquece da sua. Bela crônica Taís! Parabéns!

    Beijos e uma ótima semana para ti e para os teus.

    Furtado

    ResponderExcluir
  15. Estar à janela é um bálsamo para a alma de muita gente!
    Bj e gosto de ler

    ResponderExcluir
  16. Uma história que arrepia e que está muito bem contada. Há gente que não tem vida, vive a vida alheia. Eu nunca me preocupei com a vida dos vizinhos. Na verdade quando vim morar para este prédio Há 43 anos tornei-me amiga de toda a gente do prédio, Mas uns morreram e outros mudaram e atualmente apenas conheço os dois vizinhos de baixo com quem me cruzo muitas vezes ao entrar, e tenho uma relação de amizade com a minha vizinha do lado. Do resto do prédio não conheço ninguém.
    Abraço

    ResponderExcluir
  17. Boa noite, querida amiga Taís!
    Um pouco parecido com minha cidade atual (interior), mas que eu fico fora disso com toda garra pois moro num ediício com portão privado e em frente ao comércio que fecha cedo, assim que me poupe pois mereço coisas mais edificantes do que fofoca dos inconvenientes... rs...
    Muito bem contado, me prendeu a atenção e tive curiosidade pelo final, claro!
    Assim, vale a pena perder o livro...
    Vai que ela leia e se converta?
    Amiga, é para manter o bom humor que nos faz tão bem à saúde.
    Gostei muito e vizinhos são bênçãos, haja visto noutro prédio que morei noutro Estado e tínhamos um excelente convívio. Gente da melhor idade e de bem com a vida morava lá.
    Bem, até o próximo posts pois daqui não saio, é reconfortante ler o que escreve.
    Seja sempre abençoada e revestida da Graça de Deus!
    Bjm carinhoso e fraterno de paz e bem

    ResponderExcluir
  18. Um provérbio belga : É melhor ter um bom vizinho que um bom amigo distante, mas claro as fofoqueiras não são.

    ResponderExcluir
  19. Querida Taís,

    Sempre brilhante nas tuas crônicas. Grata por me proporcionar
    rir, tu és uma contadora de histórias envolvente e nos deixa
    entrar nesta viagem da narrativa, como se estivéssemos no
    cenário e isso é a tua marca de excelência na literatura.
    Agora, refletindo, tem janelas que são verdadeiros abismos
    e com o risco de perder um bom livro nessa aventura...rss

    Adorei!!

    Beijos

    ResponderExcluir
  20. Ei Tais!Demorei, mas cheguei! Muita correria num Brasil transloucado. Pois é quem não tem lá, os vizinhos sabedores de todas as janelas ?! Muito hilario e ao mesmo tempo , essa situação pra lá de enfadonha. rsrs Que tenhamos paciencia com os nossos companheiros de janelas! rsrs Grande beijo.

    ResponderExcluir
  21. A Tais coloca-nos de sobreaviso e diz-nos "não se trata do filme de Alfred Hitchcock"
    não se trata, mas poderia (digo eu em devota veneração do cineasta).
    por certo na qualidade da narrativa e no "suspense" que nos prende, mas também na subtileza da ironia e a enorme tolerância em relação à condição humana e suas "perversas" loucuras

    gostei muito, minha amiga

    beijo

    ResponderExcluir
  22. Que cena Taís, só rindo amiga desta gente que tem tempo para ficar vasculhando a vida alheia. Por um momento fiquei curioso com a Marta em POA. Muito boa cronica do cotidiano e eu não quero uma vizinha desta, que pode nos analisar pelo reflexo. Coisa de doido.
    Um bom feriado para você e Pedro amiga.
    Beijo de paz.

    ResponderExcluir
  23. Uma história hilariante, Tais. Mas pensando bem, nunca sabemos quem, por entre a vizinhança, pode estar a observar-nos… Adorei lê-la.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  24. Tais!
    Eu moro em prédio e não presto atenção
    aos vizinhos nem do meu edifício.
    Mas outro dia conversava por whatsapp
    com meu amigoafilhado e enquanto falávamos
    eu inspecionava minhas plantas que ficam
    na janela da sala, e vi na janela em frente
    do outro lado da rua um menino de uns 8 anos
    só de cuecas pulando e as vezes se pendurava
    na janela. Por momentos esqueci que falava
    com meu amigoafilhado e deixava escapar
    meu espanto.
    Isso Eu que não faço da vida dos outros
    meu dia a dia, imagine quem faz?
    Sua ex vizinha que o diga. rs
    Mas e o livro? rs
    Adorei a publicação.
    Bjins
    CatiahoAlc. do Blog Espelhando

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rsss, o livro ela levou, deve ter pensado que fiz pouco caso do livro, mas não, fiz pouco caso dela. E pode também ter sido a minha saída 'estabanada', eu cortei a história do outro vizinho, aquele das pizzas...rss
      É, mesmo assim fui muito generosa com ela.
      Beijinho, Cátia!

      Excluir
    2. Lógico que você
      não fez pouco caso!
      Eu tenho pavor de
      gente que controla a vida
      de outros. Bjins

      Excluir
  25. Boa tarde:- Todas as mulheres têm sempre algo de beleza sejam magras ou gordas. Depende da forma como as olhamos.
    .
    *Teu beijo, na Luz, de outra Vida *
    .
    Deixando um abraço.

    ResponderExcluir
  26. Todo aquel que está pendiente de la vida de los sotros es porque carece de vida propia. Es mi opinión aparte de que, es posible que tal manía se asiente en la pobreza de salud mental. Algunas personas así, he conocido durante mi vida.

    Gracias por los amables comentarios que me deja siempre que visita alguno de mis blogs. Un abrazo.

    ResponderExcluir
  27. Morar em prédios é cruzarmos com uma gama de diversidades de ser das pessoas. Sua histórica chega a ser crônica. Mas, provavelmente, ela não é maluca. Porém poder dar conta de tantos relatos, precisaria estar no tempo e voo dela, rs,rs. bOM FERIADO

    ResponderExcluir
  28. No conocía este película, tampoci últimamente voy poco al cine, con las películas que veo en televisión tengo bastante, cuando salgo a la calle me gusta pasear por lugares abiertos.

    Me ha gustado la ventana que ilustra esta entrada.

    Besos

    ResponderExcluir
  29. Querida Vizinha, Escritora, Taís Luso !
    Jamais residi em apartamento.
    Minha morada sempre foi em casas.
    Mas tenho ouvido histórias muito
    interessantes a respeito, dado à
    proximidade. São divertidas, para
    os curiosos...
    Parabéns, pelo texto, tão atual,
    Amiga. Um fraternal abraço e um
    ótimo final de semana.
    Sinval.

    ResponderExcluir
  30. Oi Taís,
    Adorei seu conto, li para o meu marido e caímos na risada.
    Não moro em apartamento nem amarrada.
    Minha casa é grande tem um quintal enorme e uma cozinha fora para não engordurar a cozinha adentro, tem jardim, garagem para dois carros. Da até para brincar de esconde esconde.kkk. Só que morro de calor.É terra de cana de açúcar. Ufa!
    Beijos no coração
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  31. A Pior coisa para mim é ter um vizinho "olheiro", amo minha privacidade, e respeito a dos outros. Já tive vizinhos inconvenientes assim como a Eunice, é bem desagradável.
    Sua crônica bem escrita como sempre, mostra que você passou uma situação embaraçosa, mas neste mundo tem gente de todo jeito, fazer o que?!
    Beijinhos. Léah
    Obrigada pela dica sobre a "configuração" vou consertar assim que der.

    ResponderExcluir
  32. Viu no que dá a solidão...!? Além disso. é preciso
    falar, para estarmos vivos...e cada um procura o tema
    e o interlocutor.....que pode.
    Xau Taís, Sempre apreciando as suas crónicas.
    Beijo

    ResponderExcluir
  33. Minha amiga não faz ideia de como me fez bem chegar até aqui e te ler. Por um momento deixando os problemas de lado e sorrindo muito com a tão vizinha . Minha filha veio logo saber do que eu estava dando risada e ficando as duas a nós descontrair . Obrigada por nós proporciona esse nomento. Você é demais. Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Queridas, fico muito contente de ver que estão em casa e bem! E feliz por ter descontraído um pouquinho vocês! A Santy está melhor e você também, dá para notar.
      Beijos, um bom fim de semana!

      Excluir
    2. Lindo domingo. A dor agora apertou. Lembrança ao Pedro.

      Excluir
  34. Querida amiga, que história deliciosa esta!!!
    Tens um jeitinho especial de contar histórias, que é puro encantamento.
    Esta levou-me até casa da louca vizinha Eunice e contigo ri... e contigo fugi!
    Vizinhos, principalmente dos bisbilhoteiros, há que fugir, sim!
    Hoje vou fechar bem o cortinado...
    Beijo, querida, e bom fim-de-semana.
    (As fotos que escolheste são quase tão lindas quanto a tua história...)

    ResponderExcluir
  35. Eu também não iria querer mais nenhum encontro com essa vizinha.
    Como sempre uma excelente crónica.
    Bom fim de semana
    Beijinhos
    Maria
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderExcluir
  36. Fabulosa crônica, Taisinha! Vejo, com uma ponta de orgulho a cronista talentosa que tu és. Com que facilidade e graça tu contas uma história que pode parecer simples, mas na verdade simples não é, já que tu estás tratando da vida de pessoas que merecem o teu respeito. A "Martha Rocha", que é apenas o apelido daquela vizinha que nem conhecias, estava mesmo vulnerável à crítica da vizinha do andar de cima, que nem sabia que estava exposta aos olhares maldosos da espiã. Que triste sina tem a pobre vizinha chamada de Martha Rocha, que nem ao menos Martha Rocha é, esta foi Miss Brasil e deixou de ser miss Universo pelas reles 2 polegadas. Imagine o que hoje diriam aqueles jovens que frequentam nossas praias, em especial Copacabana e Ipanema. Eles poderiam responder:"só por 2 polegadas?".
    Parabéns por mais essa bela crônica.
    Beijinho daqui do escritório.

    ResponderExcluir
  37. Bom dia, a solidão faz com que a interpretação das coisas seja diferente, quem vive na solidão, tempo que custa a passar, nada acontece por acaso, tudo tem uma causa, a curiosidade da sua vizinha anula a solidão que ele sente.
    Gostei muito do seu texto e da sua criatividade, o mesmo obriga-me a contar-lhe que na minha cidade, todas as pessoas que se conhecem ou não, tratam-se por vizinhos.
    Desejo-lhe feliz domingo e semana,
    AG

    ResponderExcluir
  38. Boa tarde Thais,
    Que narrativa tão interessante!
    Há vizinhos e vizinhos e quando se tem alguém na família muito semelhante, que adora a vida dos vizinhos e contar, é de fugir;))!!
    Beijinhos e um bom domingo.
    Ailime

    ResponderExcluir
  39. Olá, Tais.
    Ao ler esta sua crónica, tão bem escrita quanto realista, curiosamente àquilo que o início me fez supor - que terminaria com uma gostosa gargalhada - acabei sentindo dó, muita pena até, dessa sua vizinha de tempos passados.

    Creio que é preciso ter-se uma vida muito solitária e vazia para se passar o tempo agarrada às visões fortuitas da vida alheia. Muitas vezes essa solidão leva a que se criem fantasias e personagens estranhas, coisas que só existem na cabeça de quem vive fora do mundo real.

    Enfim...não li nenhum comentário anterior com receio de me deixar influenciar :)), quis formar a minha própria opinião a partir daquilo que li e entendi.
    Caso contrário, estaria também a espreitar as janelas dos 'vizinhos'...mas agora vou ler. :)))

    Beijinhos Tais, boa semana.

    PS- A sua vizinha não era a Audrey Hepburn, pois não? rsrs

    ResponderExcluir
  40. Boa tarde, amiga Tais,
    senti na pele o sufoco que você passou com a vizinha, mas no íntimo nos causa pena.
    A vida dela e de muitos outros se define dessa forma, especular a vida dos outros.
    Interessante o ritual que ela criou para levar adiante a sua maneira de viver. Você fez bem em escapulir rapidamente. Gostei muito de sua crônica, como sempre. Amiga, não sei como vai ser meu comentário em seu espaço, pois estou com problemas na hora de publicar. Beijos!
    Marli Boldori

    ResponderExcluir
  41. Tive que rir com a sua crônica, Taís.
    Amei!
    Eu aqui tenho uma vizinha super discreta...rs
    Um beijinho carinhoso, querida.
    Linda nova semana.
    Verena.

    ResponderExcluir
  42. Nunca se sabe quem está atrás da janela a espreitar
    É uma constante diária
    Gostei da história
    Obrigada
    Re: Muito obrigada pelas queridas palavras no meu blogue
    Já pode ler o Novo Capítulo de Um Oceano entre nós
    Mil beijinhos

    ResponderExcluir
  43. Uma verdadeira "cusca" deriva de "cusqueiro", termo calão usado aqui em Portugal!
    Grato pela partilha Taís!
    Bj e boa semana.

    Olhar D'Ouro - bLoG
    Olhar D'Ouro - fAcEbOOk
    Olhar D'Ouro – yOutUbE * Visitem & subcrevam

    ResponderExcluir
  44. Arte & Emoções17:30

    Olá Taís! Passando para te cumprimentar e desejar uma semana com muito amor, saúde e paz para ti e para os teus.

    Beijos nos corações.

    Furtado

    ResponderExcluir
  45. Siempre hay gente que se preocupa de los vecinos mas que de el mismo.

    Saludos.

    ResponderExcluir
  46. Querida amiga
    Li, com um sorriso bem largo, é claro!
    E eu te digo: não há livro que valha uma segunda visita a esse antro de coscuvilhice. Eu não voltava lá, nem que se tratasse de uma edição rara de um livro muito raro 😁😁😁. E olha que eu sou APAIXONADA por livros!!!
    Imagino que a tua intenção tenha sido caricaturizar um determinado tipo de pessoas. Elas existem, de facto. Não tendo vida própria... tentam viver a vida do seu semelhante. Grave é quando essa atitude cria problemas às pessoas visadas, como tantas vezes acontece...

    Feliz Terça-feira e uma boa semana.
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderExcluir
  47. Gosto mais de flores à janela do que de vizinhos intrometidos. É certo que quem tem a vida vazia tem tendência a preenchê-la com a vida dos outros e a fazer filmes por sua conta e risco. E depois a vontade de os partilhar é ainda mais forte.

    Que aguçado poder narrativo, querida Taís! Diverti-me.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  48. Minha querida Tais, sempre me surpreendendo...bárbaro o que escreveste, pois minha política de boa vizinhança é "bom dia boa tarde boa noite"...arrancou risadas e reflexão também, como é triste a vida sendo vista através da janela, e pior, a vida dos outros; e a vida dela, se resume nisso, que triste...mas muito engraçado a tua participação. Sempre muito bom pra minha alma ler por aqui, aflora os meus melhores sentimentos, mesmo quando a história é meio bizarra, por parte desta tua vizinha. Meu Deus, mal tenho tempo para pensar na minha vida, moro num pequeno condomínio horizontal, imagina se vou perder meu precioso tempo cuidando da vida alheia. Claro se algum vizinho me parar e me contar algo, vou ouvir, mas fica nisso. A leveza de tua escrita me encanta, me ilumina e me deixa leve. Obrigado querida amiga.
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderExcluir
  49. Tais, não apareço muito nos comentarios, mas gosto de ler seu blog. Menina, estou vendo que um dia vamos dizer "Sou do tempo do whatsap, ou zap Abs

    ResponderExcluir

AOS AMIGOS

Muito obrigada por sua participação nos comentários.
Comentários anônimos não são postados. Identifique-se.
Abraços a todos
Taís