23 de fevereiro de 2019

OS NOVOS RICOS...

Juarez Machado / Brasil



        - Taís Luso

É muito divertido  ver as extravagâncias dos novos ricos. Mas o mais curioso é que alguns emergentes nos dão a impressão de que tudo o que ostentam vem de berço, como se eles fizessem parte de uma Dinastia. Sendo assim, a coisa fica bastante animada de descrever algumas coisinhas  que vejo por aí.
Os cachorros dos novos-ricos são diferentes dos meus; frequentam manicura, pedicura, tosa e modelista. As fêmeas andam de fitinhas e jóias no pescoço. E se forem pequeninos andam no colo da madame, tipo Nenê da Mamãe!
A casa do novo-rico tem de ser top: um decorador - já conhecido no mundo das celebridades - é que irá  decorar a nova morada, e com muito luxo. Mas como bom gosto não se compra com dinheiro, as extravagâncias andam soltas.
As empregadas andam na goma: uniformizadas dos pés à cabeça, passam a falar baixinho e adquirem um comportamento misterioso, principalmente ao telefone: falar com a madame torna-se algo mais difícil do que falar com o Ministro das Comunicações. Mas faz parte, a madame é muito ocupada no seu mundo!
As Novas Ricas têm interesses diferentes, um deles é explodir nos céus da pátria amada como uma pessoa vista como refinada e isso requer estudo e  dedicação se a Diva não foi criada no meio. 
Para os homens valem outras coisas: o carro top, com cem luzinhas no painel  lembra a cabine de um Boeing supersônico. Isso deixa os novos emergentes alucinados. Também entra na lista deles o Laptop mais avançado do mercado; o celular mais afinado, caneta de ouro, relógio Rolex, Patek Phillipe... e bebida! E na bebida, a maior exigência fica por conta do vinho. E o bom emergente faz questão de anunciar o preço de seu vinho... Aliás, fazem questão de gritar o valor de tudo. É questão  de status, prestígio.
O emergente metido a enólogo tem um envolvimento com o vinho como se fosse a sua eleita, e fica aloprado ao entrar numa adega. Para alguns deslumbrados, o vinho tem de ser degustado e seus mistérios desvendados! Olhem que coisa romântica! O ritual do vinho só perde para o chá dos japoneses - com horas de preparo. Beber com um emergente nunca será um prazer, será um estresse.
Mas, continuando com a originalidade dos novos ricos, a temperatura do vinho tem de ser exata: o excesso de temperatura poderá deixar o vinho agressivo, pouco agradável, como o inverso fará com que o vinho adormeça, neutralizando o aroma e o seu sabor.
É da maior importância que o vinho seja da melhor safra, da melhor uva, e da melhor vinícola - procurada com ansiedade no rótulo da garrafa. Faz parte da sua cultura geral.
Mas tem mais: o melhor cálice é o de cristal sem emenda, liso e com silhueta de tulipa, para poder girar o vinho, pois é assim que solta os seus delicados aromas. E não param de cheirar a bebida dos deuses. Estão entendendo o espírito da coisa?
Então sigo...
A idade do vinho é importantíssima: sendo vermelho rubi, é um vinho jovem; vermelho acastanhado, vinho mais envelhecido. Então você decide se quer um  véio  ou um novinho,  frutado ou amadeirado.
Você tem de amar o vinho! Ser-lhe fiel! Beber pensando nele: sentir se é encorpado ou leve; se generoso, aveludado, rascante... Mas se for um vinho filante (doente), o cara surta! O estudo técnico de um vinho é como um processo de software; é muito importante, você precisa entender isso! Ou aguente o estresse.
O vinho sempre será algo de extrema importância nas rodas sociais,  e você  aprenderá sobre as uvas sauvignon, merlot, pinot-noir, pinotage, chardonnay, gewürztraminer... E não somente isso; também será importante falar na rolha, no sabor, no perfume, na uva, na cor, na acidez, na idade e a procedência! Ah...e no abridor que veio do  outro lado do mundo!
Nesse delicioso papo talvez você descubra o sexo da bebida, uma vez que uva é feminino e vinho é masculino. Ando confusa com isso. 
Mas então é isso aí, gente; foi só uma introdução pois o assunto é infinito e as extravagâncias são inúmeras. 
Os homens não compram uma bolsinha Louis Vuitton, não enfeitam os cachorros, não colocam uniforme nas empregadas, não enchem a casa de cristais, mas quando emergem ficam loucos por coisas que ninguém entende. Até por uma taça de tulipa, sem emenda!
Mas no final, tudo isso é a cara do Brasil!  Mas o que vale é que os novos-ricos devem se divertir um bolão; e eu, só em escrever, também!

  O  tal   'Nenê da Mamãe'...





53 comentários:

  1. Fui sorrindo à medida que fui lendo, Tais.
    O novo rico ( que não teve berço ) é igual em muitos países.
    Aqui, conheço algumas e alguns.
    O vinho e as viagens são o seu GRANDE TEMA.
    Não conversam sobre CULTURA.

    Um beijo deste lado e do hemisfério Norte.

    ResponderExcluir
  2. Divertida e pertinente sua escolha de hoje e eu... Gostei de ler!
    Bom fim_de_semana... 💜

    ResponderExcluir
  3. Divertida leitura e exatamente como vemos por aí! Confesso que parei de frequentar festas de estranhos há muito tempo. Pra mim agora, nem amarrada vou! E era nessas que as exibições apareciam. Cada uma!!! Dio Santo!!! E "quanta sabedoria" estou perdendo em não frequentá-las,rs... Esqueceste de falar que esses novos ricos até nos simples shoppings aparecer e quanto aos nenês das mamães, aqueles carrinhos pra pet em meio dos corredores! Adoro pets ,sempre adorei, mas aquilo é gritante! o Ó do borogodó! rs beijos, lindo fds! Agora vou voltar para cama, pois afinal, não é chique estar acordada a essa hora num sábado, sinal que a 6 feira foi comum, sem festerês, champanhotas e outras cositas ... Após acordar tarde, vou fazer um "brunch" com as amigas... ATÉ parece!!!rs...bjs, chica

    ResponderExcluir
  4. Bom dia. Deslumbrei-me com a profundidade deste texto. Parabéns :))

    Hoje:- És a bebida que sorvo em mar deserto.

    Bjos
    Votos de um óptimo Sábado, e um feliz fim-de-semana

    ResponderExcluir
  5. Tais, minha querida

    Que crônica deliciosa de ler, estava
    saudosa deste seu espaço único
    na arte da literatura e com acréscimo
    do seu humor radiante singular,
    acionar o riso em nós no percurso
    prazeroso da leitura a cada detalhe
    da narrativa envolvente neste
    cativante estilo Tais Luso. ..
    Grata por este momento aqui! !
    Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Os novos ricos existem em todos os países. Em Portugal é igual ao Brasil, país irmão.

    Imaginemos que o dinheiro comprava a vida? Pobres dos pobres.
    .
    Feliz fim-de-semana
    .
    *** . Beijando a tua mão ( Poetizando e Encantando ) ***

    ResponderExcluir
  7. Acho que não sou rico, mas sei aproveitar a vida como ninguém.
    Bom fim de semana!


    Jovem Jornalista
    Fanpage
    Instagram

    Voltamos do hiatus com bons conteúdos.

    Até mais, Emerson Garcia

    ResponderExcluir
  8. Haha pois sera adorei parabens bjs

    ResponderExcluir
  9. Boa noite querida amiga Taís
    Saudades de ler suas crônicas cheia de humor. A maior riqueza é saber aproveitar com simplicidade dos belos momentos que a vida nos proporciona. Geralmente quem ostenta são pessoas pobres de espírito rsrs. Um lindo domingo para vocês . Enorme abraço.

    ResponderExcluir
  10. Bom dia, com amor no 💙, querida amiga Taís!
    Desejo que esteja bem e, pela esperança, vivendo dias felizes.
    Um post a mais contendo grandes verdades e é uma dura realidade onde só de vê ostentação vazia e inútil.
    Quando partimos, nada levamos. Ainda bem!
    Pessoas vazias de 💙 que se escondem atrás de aparências para que sua insignificância esteja disfarçada.
    Uma perda de tempo horrível e sem fundamento.
    Como é bom viver a simplicidade no cotidiano independente de se ter posses ou não!
    Muito bom tocar nessa frivolidade de muitos de nós, querida.
    O verdadeiro valor está no caráter nem no muito saber nem nas muitas posses.
    Sejamos paz para nossos semelhantes!
    Muito obrigada pelo carinho incentivador de sempre.
    Alegria redobrada em Deus Pai Amoroso nesta semana lhe desejo, amiga.
    Bjm carinhoso e fraterno de paz e bem
    😘😘😘

    ResponderExcluir
  11. A ostentação desmedida nos dá uma clara ideia de como os emergentes são pobres de espíritos e eles circulam pelas altas rodas fazendo o seu ridículo papel de novo rico
    A crônica é maravilhosa e o humor ficou fascinante Taís
    Beijos e um feliz domingo

    ResponderExcluir
  12. Oi, Tais, boa noite!!
    Impossível ler essa divertida crônica do absurdo sem que imediatamente o pensamento escape para "Até que A Sorte nos Separe"!! Eles são a imagem do que você escreveu, letra por letra.
    Eu penso que o problema do novo rico (assim como os curiosos casos do antigo rico e do antigo e novo pobre metido a rico) é a "pobrice" de senso, de noção, de que tais pessoas são vítimas. No caso do novo rico, o dinheiro novo e farto tem o condão de ainda agravar os acessos magalomania, como você brilhantemente enfatiza!
    Da minha torre de observação da vida, sem querer me mover um centímetro para interferir em nada, deixo-os cheirar vinho até umas horas, pagar nave soviética para levar a cadelita para ver a Terra lá de cima e contar o que viu na volta, ou o que seja... Não me atrevo a tentar pôr senso em nonsense! Iria perder meu tempo e meu dinheiro, que não é de novo rico...
    Um beijo carinhoso
    Ângelo Fe

    ResponderExcluir
  13. Me has hecho pasar un buen rato con tu lectura divertida.
    Que Dios nos libre de caer en lo descrito.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  14. Uma crónica maravilhosa
    Os novos ricos que enlouquecem com o dinheiro dele . Deixe -lhes gastar muito dinheiro para que outros menos fortunados também possam pegar uma fatia do bolo

    ResponderExcluir
  15. Excelente y divertido post, amiga Tais. La obra de Juarez Machado es muy a propósito y bien seleccionada.

    ResponderExcluir
  16. Olá, Taís.
    Buáááá! Eu queria ser uma nova rica. Mas continuo sendo uma velha pobre.
    Bom domingo!

    ResponderExcluir
  17. Querida Vizinha/Escritora, Taís Luso !
    Diverti-me, lendo o texto, que é uma "fotografia"
    da realidade.
    Tudo isto irá, com o decorrer do tempo, cansar os
    novos ricos, e voltarão às coisas simples da vida,
    com muita saudade...
    Parabéns, feliz domingo e uma ótima semana !
    Um fraternal abraço.
    Sinval.

    ResponderExcluir
  18. Oi Taís,
    Se fosse rica assim teria que enfrentar a cara e beber água ou suco de frutas com metade de água.
    Como meu médico remédio contra alergia, ai! Passo perto do café e "choro".
    Nem saro de uma doença vem outra eu só queria morrer, quem sabe lá não sei.
    onde não sentiria dor.
    A minha postagem foi apenas uma opinião, sou apolítica e faz muito tempo que não entro no YouTube.Não estou dando conta nem da minha vida que está se esvaindo.
    Beijos no coração
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  19. Tais,
    Como diz o meu amigo e eu ensinei
    a minha neta: Jesuisis!
    Obrigada por essa publicação!
    Hoje Eu precisava das essas gargalhadas.
    Adorei.
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
  20. Hasta en las peores estaciones siempre afloran nuevos ricos, es una enfermedad y que pena que no sea contagiosa.
    Feliz descanso y semana amiga Tal Luso.
    Besicos

    ResponderExcluir
  21. Mais que novos-ricos são saloios, parolos com dinheiro.
    Bjs, boa semana

    ResponderExcluir
  22. Diverti-me imenso com esta sua crónica, minha Amiga Taís. Novo-rico é igual em todo o lado, mas você descreve-o na perfeição. A condizer, a imagem de Juarez Machado.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  23. Tais, minha amiga

    vou confessar-lhe que os novo-ricos com seus tiques não me incomodam excessivamente - sei que existem, mas raramente nos encontramos! rss

    aqueles que solenemente me irritam são os "imitadores" de novo-ricos. ou seja, aqueles que não são, nem nunca serão, mas se limitam a "consumir" os sinais de novo-ricos.

    excelente Tais, sempre!
    que nunca lhe falte ânimo, porque talento tem a rodos!

    Boa semana

    beijo

    ResponderExcluir
  24. E agora, Taís? Como fazer um comentário comedido, se fiquei embriagado com o teu humor à flor da pele. E, claro, também aproveitei para "degustar" uma pequena taça de pinot noir (porque ninguém é de ferro) para acompanhar a leitura do seu delicioso texto.
    Um bom vinho e uma boa safra e um queijo francês (de preferência), apesar do calor de quase 40 graus que faz por aqui, combinam com o espírito do texto, rss!
    Um beijo, minha amiga!

    ResponderExcluir
  25. Olá amiga, me diverti lendo sua crônica. Já encontraste os outros tipos? Aqueles que não são nem novos ricos, nem velhos ricos, mas sim desejam, sonham, anseiam em ser, mas só conseguem ser mesmo é ridículos. Haja paciência com esses brasileiros que se sentem fidalgos, quando estão mais para escravos da vaidade.
    Beijinhos, Léah

    ResponderExcluir
  26. Esse pessoal acha que sabe das coisas nada sabem.
    Outro dia discutiram com um someliê reclamando
    dele estar importunando com informações, e
    pediram para ele abrir um vinho do porto e encheram
    um copo, depois reclamaram que era enjoativo.
    Pode isso?

    ResponderExcluir
  27. El dinero es algo dificil de ocultar. El paso de pobre a rico -se puede comprender muy bien- que el nuevo rico, hago todo lo que esté en su mano para que todo el mundo perciba su nueva situación y como se puede permitir lo más ostentoso y carece de buen gusto porque la educación no se improvisa ni es tan fácil de adquir como los buenos coches, se nota enseguida la evidente ostentación. En España, hace ya muchos años, se hablaba mucho de los nuevos ricos: tenían mal gusto y eran muy engreidos pero...llegó la crisis y se dejó de hablar de ellos y ahora no está bien visto que se hagan exhibiciones de riqueza. Lo que está de moda, ahora, es ir con los vaqueros rotos -eso sí, de un precio carísimo- y con ropa de usar y tirar...

    Llevando a mi gatito al veterinario, descubrí yo que había clientes que llevaban al perrito para que le bañaran, cortaran el pelo y otras cositas de rigor... si le sirve de consuelo, aquí debe haber muchos aspirantes a ser ricos porque en la clínica hay que pedir hora para que te atiendan al perrito.

    Cada uno puede gastar su dinero como le parezca oportuno pero es cierto que vivimos en una sociedad que se porta como si fuera rica. Sí, es verdad.

    También se encargan entierros para enviar al perrito camino de la otra vida, ceremonias mortuorias de despedidas, como si se tratara de un ser humano. Y lo que nos faltará todavía por ver. Todo es para tratar de consolarla porque supongo que estará pasando en otros lugares del planeta.


    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  28. Querida amiga tu divertiste-te a escrever e eu diverti-me a ler. E quando cheguei ao fim, queria mais e mais!!
    Parabéns, Tais, por esta crónica magnífica sobre os tiques dos «novos ricos» brasileiros e do resto do mundo, pois então!
    Não se enxergam os pacóvios deslumbrados, depois caem no ridículo.
    Amei tudo!
    Beijo.

    ResponderExcluir

  29. Uma crónica deliciosa, minha Amiga, que me arrancou uns bons
    sorrisos pela sua maneira de escrever que me cativa.
    Vida boa a dos novos-ricos. Não me importava nada de lhes
    copiar alguns dos tiques. Lembro-me agora de uma canção
    também deliciosa, de Ciro Monteiro, "o que se leva dessa vida
    é o que se bebe, o que se come é o que se brinca ai ai..."
    Então, não é?

    Adorei o seu texto, Taís.

    Bjs

    Olinda

    ResponderExcluir
  30. IH! nuca vou poder chegar a esta categoria, rs,rs, Só bebo água, suco e café quando muito uma agua tônica. Hilariante sua crônica dos absurdos deste cotidiano vazio. Mas fazer o que? "Cada macaco no seu galho". Bjs

    ResponderExcluir
  31. (É demais...cada vez Melhor).
    Pois é....enquanto 'esses' cheiram o vinho,eu gosto de degusta-lo
    com um bom presunto ou paio cá do sítio,ou a acompanhar uma boa sardinhada,hehehe..
    Sabe que mais...., cada um tem de ser feliz à sua maneira, para haver Paz na Terra.
    As suas crónicas é que continuam uma delícia....
    Beijo e abraço.

    ResponderExcluir
  32. Les nouvelles riches sont terribles, minha queria Taís! Os bons espíritos nos livres deles, amém.
    Carinhoso beijo.

    ResponderExcluir
  33. Oi Taís, que belo olhar sobre estes emergentes chatos.
    Já convivi com estes tipos que falam de vinho como eu falo de futebol, tendo a bola como uma hóstia e o estádio como um templo, kkkk
    Muito boa sua cronica e ri muito com os mínimos detalhes bem verdadeiros.
    É um assunto muito longo como bem disse, você apenas deu um pincelada desta gente ridícula, que decora a casa com o gosto do outro e quando passa um semestre quer mudar tudo de novo depois de uma visita a um vizinho.
    Para mim deu!
    E eu menino nascido numa vila vou degustando vinho tinto doce e me sentindo um rei, e confesso sou feliz.
    Um carinhoso abraço amiga.
    Bons dias de alegrias para você e o amigo Pedro nesta fase de folia, mas me afasto dela em nome de uma praia.
    Beijo amiga.

    ResponderExcluir
  34. Qué arte tienes, Tais. Delirante post… y muy cierto.
    Oído en una tertulia de TV donde habían reunido a un grupo de damas adineradas de diversa extracción social. Una señora de gran fortuna reciente debida a la especulación inmobiliaria, le preguntaba a otra dama de conocido apellido, mientras le tomaba una mano: “Qué manos más aristocráticas. Dígame: ¿Cuánto tiempo necesitaré para tenerlas así?”. Respuesta: “Querida. El tiempo necesario será proporcionalmente inverso al estado inicial de las mismas. En su caso, unas cinco generaciones”.
    Un beso, Tais.

    ResponderExcluir
  35. Interessante demais a reflexão que você nos traz! Rssss... É cada uma! Quem é não precisa mostrar, a grandeza vem de dentro pra fora... Mas, conheço ricos muito humildes e miseráveis arrogantes e metidos...
    Obrigada pela visita no Fragmentos Poéticos...
    Bjs

    ResponderExcluir
  36. TAISINHA,

    esta tua crônica está simplesmente sensacional. Não me lembro de ter lido outra crônica, quer em livros, quer na Internet, que tenha abordado esse assunto sobre os novos-ricos com tanta destreza e com tamanho vigor como tu trataste esse tema que diz respeito a essas pessoas fúteis que depois de ricas ficam encantadas com todos os brilhos que encontram pela frente, por serem pessoas vazias e incultas. Fiquei a imaginar como se comportaria um homem ou uma mulher de classe média, habituada à leitura, às artes plásticas, à música clássica e outros valores culturais, se tivessem ficado milionários, independente do motivo, e concluí que elas não ficariam babando de faceiros com o poder do dinheiro e também não ficariam chacoalhando uma taça de vinho, extasiados, ao envés de tomar o vinho normalmente. Por todos esses motivos, nunca gostei dessa gente.
    Parabéns pela ótima crônica!
    Beijinho daqui do escritório.

    ResponderExcluir
  37. Os sintomas não são apenas característicos no Brasil, serão universais. E, no essencial, tudo se resume a uma ostentação fútil e sem uma sustentação cultural digna de nota.
    Excelente crónica, parabéns.
    Taís, continuação de boa semana.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  38. Lo malo de los nuevos ricos es que al final muchos acaban arruinados, s suelen meter en negocios sin tener ninguna idea de ellos.

    Un guión que promete para historias divertidas.

    Besos

    ResponderExcluir
  39. Estos nuevos ricos se les suelen ver de lejos y para ellos por aquí se les puede aplicar el dicho "Aunque la mona se vista de seda mona se queda".

    Saludos.

    ResponderExcluir
  40. Tais Luso pondo de parte o snobismo dos novos ricos, para mim o vinho, as bebidas em geral carecem de um certo ritual, como as próprias refeições. A diferença entre os novos ricos e as outras pessoas, é demarcação destes em tudo o mais. Mas sobre o vinho, entenda-se um bom vinho, mais o vinho tipo Vinho do Porto ou Madeira, bebido por um copo de cristal, fica sempre mais acentuado o sabor, consoante o terreno em que é produzido, ou a casta das uvas. Mais um Vinho do Porto de, por exemplo trinta anos deve ser degustado, em copo de cristal, saboreando. Como sempre, me entusiasmei com o o post pelo habitual estudo da matéria abordada.
    Beijos

    ResponderExcluir
  41. Uma boa barrigada, Taís! Atirou certíssimo: "foi mesmo na testa, o lobo não comerá mais crianças no caminho da floresta".
    Essa de bichinho é coisa que atrapalha os meus neurónios. Um cão é um cão, um gato é um gato e por aí fora. Essa gente, que se diz defensora dos direitos dos animais, está cometendo crime que é descaracterizar o animal apropriando-se de forma egoísta de um ser inocente.Salvo aididas distâncias, é uma nova forma de escravatura.
    Arrisco sintetizar a filosofia do NR dizendo que eles têm um truque infalível: mimetizar alguém que considerem modelo. A linguagem é curta mas aprendem a papaguear uma certo discurso embora muitas vezes nem conhecem o significado das palavras que dizem.

    Estava a aqui a discorrer, interrompi para jantar e vi que foi à minha janela. Obrigado.
    BFSemana. Bj.

    ResponderExcluir
  42. Oi Tais! Mas é isso mesmo?! Que coisa! Rsrsr Bom, como eu trabalho e lido com todos tipos de pessoas posso dizer que e´por ai mesmo. Certissimo. E tem mais! Alguns jogam os copos que foram usados por prestadores de serviço , fora! Quando não lhes servem, nos famosos copos de massa de tomate; nada contra. Partuicularmente e confessando or aqui prefiro o bom e doce vinho de mesa , geladinho e comprado no bar ou na padaria da esquina, caso o supermercado que tem preços melhores esteja um pouco distante. Rsrs Nada de finesse , porque a vida requer outras atenções mais importantes, como o respeito ao próximo e por ai vai. O soberbo:

    Acha que vale mais que outras pessoas
    Gosta de mostrar que é melhor que os outros
    Humilha quem ele acha “inferior”
    Põe sua vontade acima até da vontade de Deus; Uma lastima! Aproveito, para me desculpar por minha presença não muito assídua nos blogues. Estou chegando em casa muito tarde e destruído pelo cansaço, mas sempre que posso cá estou e com imenso prazer. Por essa razão também ,os atrasos de minhas postagens. E reeditando livros! Ufa! Grande beijo. Feliz semana.

    ResponderExcluir
  43. Olá!
    Fui lendo seu texto e sem rotular ninguém vieram à minha lembrança pessoas assim que tem que mostrar, falar o preço das coisas e um tanto de mimimi.
    Bacana seu discurso!
    Bjus
    Estael
    www.atelieprovence.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  44. Adorei a crónica!
    Por aqui os novos ricos também são assim, convencidos que estão no topo do mundo e que são os maiores. Quem é rico de berço, normalmente não se torna assim tão ridículo e pretensioso.
    Bom fim de semana
    Beijinhos
    Maria
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderExcluir
  45. " Coisas do Brasil? Mas quem te disse tal coisa, Tais? Aui em Portugal é igualzinho e fico boba, quando vejo pessoas que conheço e que " subiram de patamar " pegar no balão de vinho tinto e, antes do garçon completar o copo, fica mexend lentamente, cheirando, provando, de novo mexendo, novamente levando um titico à boca, como se ali estivesse o mais importante de todo o jantar; nunca entenderam de vinho, mas agora é chic fazer assim; já aconteceu de virem jantar aqui em casa e fazer o mesmo, só que com bastante azar, pois sou simples e não me dou ao trabalho de colocar na mesa os balões; tenho que os lavar à mão e não estou disposta, mas, claro...o vinho " não abre " e o aroma não pode ser apreciado convenientemente. O vinho perde todo o valor!!!! Que pena!!!! E os cachorrinhos? No fim de semana passado, num bar onde estava com o meu marido, entrou um casal com um bichinho no colo da mulher, todo enfeitado e devidamente agasalhado por causa do frio e sentou numa mesa; logo o garçon foi junto deles e, claro, convidou-os a sair; como estava frio na esplanada, tiveram que procurar outro espaço que, com esse bebé ao colo, dificilmente arranjaria. Todo o resto que aqui nos contas se encontra por estes lados e teria alguns casos para te contar, mas fica para a próxima Amiga, como sempre, uma crónica engraçada que me fez lembrar novos ricos, infelizmente, bem pertinho de mim e....imagina...tenho que ter uma paciência!!!! Beijinhos e bom fim de semana
    Emilia

    ResponderExcluir
  46. Ora vamos lá corrigir...pessoas. ...ficam mexendo
    arranjariam
    Acho que são só estes; se encontrares mais algum erro, avisa, certo? Beijinho
    Emilia

    ResponderExcluir
  47. Sobre o vinho está aqui uma crónica que traz esclarecimentos aprofundados. E sobre os novos ricos também. Divertidíssima, minha amiga!

    Beijos, querida Taís!

    ResponderExcluir
  48. Ri um bocado Tais! Muito bom! Mas que vida vazia, sem propósito, jamais seria nova rica ou velha rica, não combina comigo, se fosse rica a sociedade jamais ia saber de minha existência, gosto do simples, claro que gosto de conforto, mas sem exageros! bjos

    ResponderExcluir
  49. Nossa! No novo-riquismo... quem mais sofre... são os animais de estimação... fiquei até com pena do cãozinho... imagino a quantas sessões de beleza... canina... ele será obrigada a ir... sem alternativa!... :-D
    Adorei a sua crónica... que me divertiu imenso, Tais!...
    Mas tem muita variante, no novo-riquismo... No homem... o status... adivinha-se no carro... no relógio... nas roupas e acessórios de marcas (imensas, convivendo em cima de muitos, em simultâneo, na maior desarmonia)... e também... nas pochettes... (onde junto com os seus cremes de rosto... vêm a sua meia dúzia de gadgets, com que se miram de todos os ângulos, para irem deixando nas redes sociais... a toda a hora e instante... como é o exemplo de muitos jogadores de futebol, de sucesso...
    Perceber de vinhos... implica algum esforço de cultura, Tais... que muitos, nem estarão para tal, aí inclinados... bebendo brancos ou tintos, como quem mata a sede com água... pois na cultura deles... seguem a filosofia daquele grande filósofo, que afirmava... eu penso, logo exausto! :-))
    A semana passada, estive a ver uma reportagem, num jornal on-line, das novas gerações... mergulhadas na maior riqueza dos novos ricos, pelo mundo, por via dos seus papás... e mesmo em países extremamente pobres... e quase todos pareciam de uma pobreza mental... que faz dó!...
    Enfim... um exemplo do mais piroso novo riquismo... basta ver o Keeping Up With the Kardashions!... Se se apreciar uma visão abrangente de tal... para o mundo... como elas o fazem... há dez anos... creio...
    Hehehehehe! :-) Adorei no quadro acima... aquele pegar subtil... no copo... de dedo mindinho no ar... puro requinte!... :-D É novo-riquismo mesmo... não tem como enganar!... :-P
    Deixo um beijinho e votos de um feliz domingo de Carnaval!
    Ana

    ResponderExcluir
  50. Muito divertida essa leitura, li três vezes e sempre me ri dos detalhes.

    Apesar do contexto de certa forma engraçado, que nas entrelinhas me fez
    refletir com pesar no que alguns humanos são capazes de fazer para preencher
    os vazios dentro de si.

    A tribo parvenu apesar do egocentrismo, de certa forma ainda movimenta a economia do mundo com suas vaidades consumistas.

    Lembrando Jean Jacques Rousseau:

    "A natureza fez o homem feliz e bom,
    mas a sociedade deprava-o e torna-o miserável."

    Agradeço pela partilha memorável, é sempre um prazer
    visitar seu espaço.

    Bom feriado.

    ResponderExcluir
  51. Olá querida amiga Taís!
    É com grade prazer que leio os seus textos, tão ricos e maravilhosos:
    Acredite que me fartei de rir... sim, porque toda esta história sobre os novos ricos não é para menos!
    E é exactamente o que acontece, aqui em Portugal é exactamente a mesma coisa.
    Os xodós dos cãesinhos são mais bem tratados que a maioria das crianças!
    Não dá mesmo para entender! Não é que eu não goste dos animais; mas tudo tem conta!
    Amo ler seus textos muito obrigada pela partilha! Beijo com carinho de paz e bem!
    Seja muito feliz no seu caminho Quaresmal.

    ResponderExcluir
  52. OI TAÍS!
    TIVE DE LER PORQUE SABIA QUE VIRIA COISA "BOA" PELO ENFOQUE DO TEXTO.
    QUEM NESTA VIDA NÃO CONVIVEU COM UM "NOVO RICO" COM NADA DE BERÇO, SÓ DINHEIRO MESMO. MAS, PENSANDO BEM, ATÉ QUE É DIVERTIDO SE CONSEGUIRMOS 'TIRAR DE LETRA" SEM NOS IRRITARMOS COM TANTA AFETAÇÃO.
    COMO SEMPRE ME DIVERTI COM TEUS ESCRITOS.
    GRANDE ABRAÇO AMIGA.
    https://zilanicelia.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  53. Bom dia Taís, gostto de ler suas crônicas, especialmente, as que me fazer rir bastante, ficar de fora apreciando as "novas ricas" cafonas é até divertido Conheço um novo rico, que formado em Medicina, casou com uma rica médica tb, dona de uma grande fortuna deizzxada pelo pai, sempre fomos amigos, até o dia em que estávamos em um paseio qdo se aproxima u garoto pedindo uma pratinha pra comprar um pão, ele olhou pro garot e falou"não sei pq pobe incomoda tanto", sabe amiga, nunca mais quis saber daquela amiade espiritualment pobre.

    Muito bom ler seus escritos amiga.]

    Bjs e um abençoado domingo.

    ResponderExcluir

AOS AMIGOS

Muito obrigada por deixar seu comentário, se necessário for, deixarei resposta a alguma pergunta.
Abraços a todos
Taís