6 de agosto de 2019

CRÔNICAS E CRONISTAS



         - Taís Luso


Hoje, no nosso café da manhã o assunto foi um só: a crônica. Conversamos, Pedro e eu, sobre a arte da crônica. Primeiro, começamos a falar sobre a importância da crônica nos dias de hoje. A crônica é tão importante nos dias atuais como foi nos tempos passados. Como não podia deixar de ser, iniciamos com o nome de Machado de Assis, o nosso mais importante romancista. Foi também cronista, poeta e contista.

Deixamos para trás  Machado de Assis e viemos para os anos modernos - dos anos 70 para cá. É fácil afirmar que o Brasil é rico em cronistas. Como falamos em muitos cronistas dessa época próxima, não terei espaço suficiente para falar de todos aqui. São muitos. Mas não quero deixar de mencionar o nome do cronista moderno mais importante no meu entender, qual seja Rubem Braga, que nos deixou muitas crônicas de extraordinária beleza, com a sua capacidade de síntese, com a sua sutileza, lirismo e leveza para extrair os fatos aparentemente simples do cotidiano e transformá-los em crônica que, em muitos casos são belas prosas poéticas, um lume para novos cronistas.

Certamente Ruben Braga continua sendo o nome mais expressivo da crônica brasileira. Para os que querem dar seus primeiros passos nesse gênero da literatura, é um nome que não pode ser esquecido. Rubem Braga, como outros importantes cronistas contribuem com suas crônicas para elucidar muitos fatos históricos.

Passamos, também, pelos excelentes Fernando Sabino, Paulo de Mendes Campos (também poeta), Carlos Eduardo Novaes, Luis Fernando Verissimo, Millôr Fernandes, Stanislaw Ponte Preta (Sérgio Porto), Ignácio de Loyola Brandão, Lygia Fagundes Telles, Rachel de Queiroz, Origenes Lessa, Carlos Heitor Cony, Caio Fernando Abreu, Moacyr Scliar... entre tantos outros.

De outros nomes falarei em outra oportunidade. A crônica sempre será uma leitura agradável, por vezes divertida, outras comoventes, mas  sempre tocará nossos corações. Esse gênero da literatura pode dar grandeza a fatos aparentemente insignificantes do nosso cotidiano.  Essa é a beleza da crônica.



_____________//____________





37 comentários:

  1. Adoro crônicas e esses nomes todos bem lembrados. Só esqueceste a Taís Luso e a Ana Paula do http://ladodeforadocoracao.blogspot.com/... Me delicio com vocês! bjs e tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde de paz, querida amiga Taís!
    Li toda coletânea de Machado de Assis para o Vestibular e sempre gosto de ler as suas, são lúcidas e muito bem escritas.
    Uma cronista da atualidade você é.
    Fatos cotidianos dão excelentes crônicas a quem se dedica.
    Vou gostar de ver outros posts e, sobretudo, suas próprias crônicas por aqui.
    Tenha dias menos frios e abençoados!
    Bjm carinhoso e fraterno de paz e bem
    P.S Estive ouvindo o dia todo (ainda estou) músicas italianas e me lembrando do nosso gosto em comum, rs.

    ResponderExcluir
  3. passando para desejar uma feliz semana tudo de bom mt bonito este post bjs

    ResponderExcluir
  4. Olá, Taís... Penso que foi uma conversa muito joia sobre crônicas. Gostei dos nomes que citou aqui, a começar por Machado de Assis, escritor que li muito.
    Você escreve também muito bem, gosto do seu estilo.
    O meu abraço nesta terça-feira...

    ResponderExcluir
  5. Oi Tais,
    Adorei a sua postagem que fala sobre crônicas, já escrevi muitas no blog.
    Seu blog está lindo
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  6. Gostei da relação dos cronistas. Ruben Braga e Lygia Fagundes Telles dos citatados são os meus preferidos. A crônica é uma forma de relatar fatos cotidianos com uma lente própria. bjs
    Viu o convite para a festa do meu blog??

    ResponderExcluir
  7. Adorei a crónica.
    Obrigada pela partilha valiosa
    Beijinho grande

    ResponderExcluir
  8. Convido-a a ver uma crónica que hoje publico.
    Uma parábola bem conhecida na voz de um bem conhecido compatriota seu.
    Bjs

    ResponderExcluir
  9. Tu nombre puede aparecer entre ellos, un feliz día.

    ResponderExcluir
  10. Bom dia, querida Tais!
    (Imaginava-se de férias...)
    Sabes que gosto de ler pequenas narrativas. Encanta-me a subtileza e poder de síntese do cronista/contista na abordagem de factos do quotidiano e capacidade de me prender, divertir e comover.
    Nos pequenos livrinhos se escondem os maiores tesouros e eu gosto de os achar...
    Anotei os cronistas que indicas.
    Arte complicada esta. A tua, querida amiga!
    Beijo.

    ResponderExcluir
  11. Brasil es, amiga Tais, un país de cronistas y escritores en general, de gran categoría, muy reconocidos en todo el mundo.
    Veo que tus conversaciones matinales con Pedro son muy aleccionadoras y deben ser muy entretenidas.

    Saludos santiaguinos.

    ResponderExcluir
  12. Querida Vizinha/Escritora, Taís Luso !
    Que belo assunto, abordado por ti.
    A crônica é fundamental na comunicação literária.
    De texto curto, objetivo, linguagem simples e, por
    vezes, sem personagens, aborda assuntos de interesse
    atual e palpitante. Aprecio, muito, o gênero literário
    "crônica". Parabéns pela abordagem.
    Um fraterno abraço e uma ótima semana.
    Sinval.

    ResponderExcluir
  13. Gosto de ler crónicas e acho a forma ideal para ler num ecrã do pc
    abraços


    ResponderExcluir
  14. Com temas sempre interessantes e pertinentes por isso o meu aplauso... Bj

    ResponderExcluir
  15. Minha querida Taís,
    Lima Barreto (O Bruxo do Cosme Velho), aqui do meu Rio de Janeiro, foi um dos maiores cronistas, pois, era irônico e ácido em sua escrita e, eu aprecio isso nas crônicas. Mas, Rubem Braga realmente é TOP, pois, promoveu a sua maneira, a "Semana de Arte Moderna" na crônica, ao radicalizar com o seu olhar subjetivo e inventivo, uma nova maneira de difundir cultura.
    Guimarães Rosa dizia que os escritores deviam construir catedrais e não fazer biscoitos, mas, se rendeu aos "biscoitos finos" produzidos por Rubem Braga para os jornais.
    Ainda em tempo, o saudoso Dr. Scliar (citado por ti), foi um bom amigo que tive... Deixou saudade quando partiu em 2011.
    Beijos...
    Belo texto!
    Até breve!!!

    ResponderExcluir
  16. não é cronista quem quer - permito-me sublinhar, minha amiga - pois não basta ser grande escritor ou poeta. mas, sobretudo, ter o talento para "dar grandeza a fatos aparentemente insignificantes do nosso cotidiano".

    e estou absolutamente de acordo de que a crónica é uma "arte" difícil, cujas finalidades e métodos ombreiam com a melhor produção nos domínios da poesia ou da ficção.

    gostei muito, Tais

    beijo

    ResponderExcluir
  17. Gosto de ler crónicas, pois normalmente dizem bastante em poucas palavras.
    E gosto das suas, já que a Taís é uma boa cronista.
    Querida amiga, continuação de boa semana.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  18. Olá querida Taís!
    Leio com muito prazer as suas crónicas!
    E posso dizer que a mim me ensinam muito.
    Obrigada pela partilha:)) Adorei!
    Beijos com meu carinho, fique na paz do Senhor...!

    ResponderExcluir
  19. Boa tarde querida amiga Tais.
    Concordo com você, e conheço uma pessoa que faz cronicas que nós fazem ate sentir as palavras, que nós faz rir, que faz de coisas do cotidiano uma bela crônica, essa pessoa é você amiga. Uma pessoa com muito talento e poder com a escrita admirável. Lembrança ao Pedro. Feliz fds. Enorme abraço.

    ResponderExcluir
  20. Sabe, querida amiga Taís? O maior cronista que tivemos, na minha opinião, foi João Ubaldo. Engraçado, debochado, perigoso, subversivo. Odiava Dilma, detestava Lula. Suas cônicas, no "O Globo" podem se rotuladas de denúncias crime. O "Camões" é outro assunto...
    Carinhoso beijo.
    Jorge

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Taí outro sensacional! rss também adoro! Temos muitos, muitos!
      Beijo, um bom fim de semana!

      Excluir
    2. Jorge,
      Deixa eu pegar uma carona aqui no blog da minha amiga Taís...
      "João Ubaldo Osório Pimentel Ribeiro" foi um gênio!!! Cara de nome pomposo e de muitas ideias brilhantes na cabeça!
      Tive o prazer de trabalhar com ele. E como os anos passam ligeiros (em julho fizeram 5 anos que perdi esse amigo) e o Brasil, um cara ácido como eu também tento ser em minhas crônicas.
      Tu citou a política do PT, o "João" disse certa vez: - "O sujeito vai lá, tapa o nariz e vota!"... Bem por aí!
      Um abraço,
      Douglas

      Excluir
  21. A crónica como tudo o que os escritores pretendem escrever não é uma arte fácil. Gosto de ler boas crónicas. Sobretudo aquelas que revelam o dia a dia das pessoas comuns numa escrita gostosa ou tantas vezes irónica. Houve uma altura que lia as crónicas de Luis Fernando Veríssimo que saiam num jornal e gostava imenso. Também gosto de ler as suas crónicas, minha Amiga Tais.
    Um bom fim de semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  22. Muchas gracias por tu paso
    y aportacion al blog
    Me alegra que te guste
    Espero tus opiniones
    sobre mis pensamientos o y poemas

    ResponderExcluir
  23. Siempre es bueno fijarse en cronistas anteriores a nosotros para aprender.

    Saludos.

    ResponderExcluir
  24. Não 'conheço' todos, mas foi um desfilar de nomes de peso!
    Em Portugal, tenho dificuldade de encontrar uma crónica que não tenha um engajamento político, facto que faz perder toda a graça e o meu interesse...
    Não temos muitos 'blogs' que cultivem este género de escrita, o que é lamentável.
    Por aqui sempre uma análise sucinta, inteligente, sensível e agradável.
    Grata por todos e tantos momentos agradáveis de leitura.
    Dias calorosos e confortáveis, aí pelo RS...
    O meu terno abraço, querida Amiga.
    ~~~~~

    ResponderExcluir
  25. Estive relendo as crônicas de Machado. Não, ninguém o superou. Mas gosto de ler as suas crônicas, que não tem a obrigação de superar ninguém. Uma distração, um bate-papo, uma conversa entre amigos. Não existe coisa melhor.

    ResponderExcluir
  26. É isso, Taís, não há nada como uma boa crónica: leve, incisiva, assertiva, divertida, literária; capaz de, sem comprometer a sua essência crónica, responder aos males crónicos do quotidiano.
    Gosto das suas crónicas, também, pois conseguem preencher, "en passant", todas as valências a que atrás aludi.
    Um fim-de-semana tranquilo

    ResponderExcluir
  27. Penso que uma das qualidades primordiais, necessárias a um bom cronista, é a capacidade de síntese, resumir os factos em poucas palavras. Quer sejam acerca de acontecimentos do próprio quotidiano ou de algo pontual.

    Gosto bastante de ler as crónicas que são publicadas em jornais diários escritas por jornalistas/escritores portugueses. Na Net, aprecio algumas, nomeadamente as que vou lendo pela blogosfera e onde a Tais, cronista por excelência, se inclui. Ainda que não seja uma comentadora assídua, leio-a sempre com bastante apreço.

    Deixo um abraço, com votos de um feliz fim-de-semana.

    ResponderExcluir
  28. Boa tarde Tais,
    Um tema maravilhoso para falar com marido logo pela manhã.
    Também gosto imenso de crónicas, tendo lido uma das compilações em livro, de crónicas do escritor António Lobo Antunes que escrevia semanalmente numa revista portuguesa até há pouco tempo atrás. Atualmente continuo a ler novos cronistas que esta revista, A Visão, publica.
    Claro que admiro imenso Tais e sempre que posso não perco seus belos escritos.
    Beijinhos e bom fim de semana.
    Ailime

    ResponderExcluir
  29. Querida Taís

    Um tema enriquecedor este que nos traz nesta publicação.
    Situando-se a crónica entre o jornalismo e a literatura,
    há quem chame ao cronista o poeta do quotidiano; agarra
    acontecimentos diários, imprime-lhes o seu cunho pessoal,
    criando assim grande empatia com o leitor. A crónica,
    produção/leitura, transforma-se numa partilha prazerosa.

    De entre os cronistas maravilhosos que indicou
    ressalto o nome de Machado Assis, de cuja leitura
    tenho recolhido deleitosos momentos.

    Gostei muito, minha amiga. Vou procurar os cronistas
    que ainda não conheço. Tenho grande interesse nas letras
    brasileiras.

    Beijinhos

    Olinda

    ResponderExcluir
  30. Passando para regar nossa amizade,
    que mesmo sendo virtual é muito importante.

    Pouco importa saber
    em que parte do mundo
    nossos amigos se encontram,
    se podemos sentir na alma
    que dentro de nós e dentro deles,
    há um espaço reservado que nada mais
    poderá preencher. Talvez por serem tão raras,
    amizades verdadeiras são
    como tesouros preciosos
    que devemos tentar
    manter a vida toda.
    feliz domingo
    Abraços da amiga Lourdes Duarte

    Parabéns aos pais pelo seu dia!

    ResponderExcluir
  31. As crónicas continuam sendo, ontem como hoje, da máxima importância... sendo um género literário, que promove uma profunda reflexão, sobre realidades do quotidiano, qualquer que seja o estilo das mesmas... mas todas nos desafiam a pensar... e muitas vezes... a repensar!...
    Adorei a sua crónica de hoje, Tais, que me deu a conhecer tantos nomes, para mim desconhecidos, deste fascinante universo!...
    Deixo um beijinho, aproveitando para me despedir por algum tempo, em virtude da minha habitual pausa de Verão, por esta altura... conto estar de volta em meados de Outubro!...
    Até lá, que o tempo sempre passa rápido!...
    Beijinho!
    Ana

    ResponderExcluir
  32. Querida amiga, cuando es buena, la crónica es el inicio de un relato, de una novela, ya que contiene todos los ingredientes para desarrollarla. Allí donde acaba la realidad que observamos, nuestra imaginación toma el relevo para seguir con el personaje o lugar que nos ha interesado,inventando para ellos acciones, caminos. Creo no conocer a los cronistas que nombra pero estaré atenta, cronista Tais.

    ResponderExcluir
  33. Como não gostar desta tua belíssima crônica? Com esse tema, “crônica e cronistas”, tema que me é muito importante, com os nomes de cronistas que foram e são também muito importantes para ti. Nomes de cronistas da melhor qualidade, como citaste, Rubem Braga, Luís Fernando Veríssimo, Moacyr Scliar, Sérgio Porto e tantos outros, que mencionas. Parabéns pela crônica, cronista!
    Um beijinho daqui do escritório.

    ResponderExcluir
  34. Adoro crónicas e quem sabe da sua arte.
    Aliar factos comuns à economia narrativa e a uns respingos de literariedade, é arte para poucos. A meu ver, por cá faltam bons cronistas nos dias de hoje.
    Bjinhos

    ResponderExcluir
  35. Luis Fernando Veríssimo tem crônicas muito bem humoradas. A literatura brasileira é rica, hoje o espaço está sendo aberto para pessoas de pouco conteúdo ou conteúdo descartável. Mas temos muitas pessoas com bastante competência para dar uma reviravolta no atual cenário brasileiro.

    ResponderExcluir

AOS AMIGOS

Muito obrigada por deixar seu comentário, se necessário for, deixarei resposta a alguma pergunta.
Abraços a todos
Taís