25 de dezembro de 2010

ANO-VELHO, ANO-NOVO...



- Tais Luso de Carvalho

Estive pensando o porquê da descrença - minha e de muitas pessoas - pela festa de Ano-Novo. Não é coisa nova. Não é de agora.

Ainda adolescente, notava certas coisas, já sentia algo de diferente nessa festa. Porém não sabia bem o que era. Via que a maioria das pessoas entrava no oba-oba dos abraços, das bebidas, da festa, dos fogos. Todos desejando um ano mais feliz, muita saúde, muito dinheiro, e votos para todas as realizações possíveis e impossíveis.

Descobri, quando criança - ao arrombar o armário que ficava na nossa garagem -, a fantasia do Papai-Noel. Foi uma desilusão ao constatar que Papai-Noel não existia. Hoje me pergunto, meio que intrigada, será que existe esse  Feliz Ano-Novo  ou será uma fantasia escondida que acabei descobrindo, também? 

Infelizmente penso assim; toda a euforia, todos os bons sentimentos, toda a alegria do mundo dura um dia, ou dois. Depois da festa, as atitudes, os sentimentos mais lindos ficam  guardados,  um tanto esquecidos: o que for lindo  sempre será; o que não for, continuará não sendo. 

A solidariedade, o afeto, a gratidão, a má fé, a raiva, o egoismo continuarão nas mesmas pessoas; nos mesmos lugares. Para sentimento não se conta tempo, não há troca de horário. Por isso não gosto de comemorações nessa data. Passo a achar, então, que o Ano-Novo faz parte, apenas, de um calendário que marca dias, meses e anos. 

Desejar saúde? Isso eu desejo todos os dias, e pra todos. Não preciso deixar para o de janeiro. Rever atitudes? Não preciso esperar o  novo ano. Ser solidária? Não preciso esperar. 

Quantos velhinhos são abandonados por seus familiares para não atrapalharem esta noite tão festiva, regada a bebidas, fogos e sorrisos? Eu os conheço; muitos ficam sozinhos, no seu abandono e na sua amargura. 

E que viva o Ano-Novo regado a Champanhe - tim-tim! Que venham todos os fulanos brindarem a felicidade e trocar juras de amizade e solidariedade. Tá bom... 

A festa é  linda. Os fogos, saudando a lua na beira da praia, um show! Sim, saudando a lua;  ela  nos leva à fantasia, aos sonhos, aos amores. E fica silenciosa, deixando para os  fogos, o brilho da noite. E é nesse momento que sentimos uma sensação de alegria, como se fosse permanente. Como se o mundo fosse uma festa. Acabam-se os fogos e abraços e a vida volta a ser o que sempre foi. 

Naquele momento, é a reunião de tudo que é bom: preconceitos... Fora!  Tudo é alegria, e todos somos vinhos da mesma pipa. Tim-tim!

Mas, no dia 2 de janeiro  a fantasia será dobrada e guardada numa linda caixa, talvez no armário de uma garagem... 

Sei, no entanto, que em todas as datas de 31 de Dezembro tudo se repetirá: a fantasia entrará em cena: os mesmos desejos, as mesmas juras... E a velha e surrada fantasia será usada sem constrangimentos.



15 comentários:

  1. Concordo que não precise exatamente o fim de um ano para rever a própria vida, mas sim vontade que ela seja revista.

    Mas as vezes ver que várias pessoas estão no mesmo camindo de ti dá uma força a mais.

    Fique com Deus, menina Tais Luso.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  2. Taís, somos dois a pensar assim.
    Eu tenho uma sugestão: Vamos comemorar o Ano Novo todos os dias!
    Desse modo não precisaremos guardar a fantasia. Vamos viver cada dia como se fosse o primeiro! Mesmo porque não sabemos qual será o último.
    Feliz Ano Novo!
    Acho que algumas pessoas vão gostar da idéia e aproveitarão para beber champanhe todos os dias.rsrs...

    ResponderExcluir
  3. Viver cada dia e sentir nele o pulsar do coração; aproveitar os momentos possíveis para ser feliz, com a responsabilidade de vivente consciente; entender que é bom ser amado e muito bom saber o que é amar e daí, amar. Amar no sentido amplo, ciente que a vida nos acolhe com infinitas possibilidades de expandir esse amor. Belo é o seu texto, Tais, que nos faz refletir que todo o dia é dia de ser feliz, ou em algum deles, infeliz, porque tudo faz parte do nosso crescer. Você está certa. No meu modo de ver o fim de ano nos encurrala para nos obrigar a sermos felizes. Então, todos, ou quase todos, se cobram no último dia do calendário É importante lembrar que o calendário não regula a felicidade. Muita gente já descobriu isso e muitos estão descobrindo. Mas, sendo preciso desejar que todos sejam felizes no próximo ano, que assim seja. Este é o meu voto, com ou sem festa. Claro que entendo que este é o seu desejo também. Você apenas questiona a forma. Quem puder e ainda não está feliz, que comece agora, não espere o calendário.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  4. oi amiga!

    Assim não dá,rs,rs- não tenho argumentos (O calor esta derretendo meus neurônios, kkk)- só resta pegar emprestado os depoimentos do Antônio e do Evaldo, pois refletem o que eu pensei ao ler o texto.

    E por hora Felicidades hoje dia 26, amanhã, depois; dia 01 de janeiro; que possamos ser felizes um pouquinho a cada dia de nossas vidas; que saíbamos fazer dos limões limonadas e musses, que tenhamos compaixão dos apedrejadores e possamos reutilizar cada nova pedra que nos jogarão para construír algo de bom em nós, para nós ou para os outros.

    Felicidades; bem viver independente de data é o que desejo a você que é mestra "das artes", do saber; do aprender e a todos os queridos leitores seus.

    bjssssssssssss

    ResponderExcluir
  5. Oi, Taís

    Gosto muito de ler seus textos e em muitos me identifico nas ideias, nos ideais.

    Sem falar, claro, no seu jeito mega, hiper, super, ultra cômico de ser e de viver.

    Hollywood perdeu uma grande atriz da divina tragicomédia humana!

    Abraços mineiros.

    ResponderExcluir
  6. Olá Tais
    Acho essa festa uma hipocrisia. Todos os anos fico em casa sózinho sem nem ligar a televisão. Todos ficam bons com dia e hora marcada, no dia seguinte a maldade, o egoísmo voltam ao normal. Não adianta mudar o ano se as pessoas não mudam.
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Pois é, Taís. Isso tudo é parte da farsa humana. O Homem é um grande farsante, interesseiro e individualista. É incrível ver como todos ficam tão bonzinhos, misericordiosos e perdoadores durante as festas do final de ano.

    Tantos desejos bons para todos, tanta generosidade! E isso tudo só dura 10 dias... Depois voltam todos a ser esses seres vis e cruéis que conhecemos.

    (Acho que preciso parar de ler o Camus e voltar a assistir as novelas da Globo, a Xuxa... rs)

    bjos e um feliz 2011 para vc, Pedro e todos os seus,

    Cesar

    ResponderExcluir
  8. Oi Tais,
    mais uma vez vc define com exatidão a tragicomédia humana.Creio que muitos já constataram os mesmos sentimentos neste período de festas programadas.
    Embora a realidade se imponha, eu ainda persisto em acreditar que uma parcela pequena de pessoas se propõem a descartar o ruim e apostar no bom, no bem, na vida...
    È a célebre esperança,fiel ou vã de que nos nutrimos para seguir crendo na raça humana.
    Espero que tenhamos ao menos um dia neste ano novo para vermos frutificarem nossos melhores anseios.
    Fique bem!
    Abraços,
    Calu

    ResponderExcluir
  9. Deixemos de comemorar o ano novo para comemorar o DIA novo. Isso é um milagre e acontece todos os dias! A comemoração deve começar dentro de nós!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  10. É certo que a hipocrisia encontra-se nos corações.. que o abandono, que a falta de solidariedade estão arraigadas na natureza humana. Não há como negar... Mas também é certo que há um mistério escondido nesse contar de tempo que renova as forças. Só sentimos, bem no fundo, e não conseguimos explicar.
    No mínimo, acredito que devemos sermos cinseros e sabermos que um ano foi tempo suficiente para tentarmos colocar em práticas planos e metas a serem atingidas... Algumas deram certo, outras não. Algumas estão em seu processo ainda, depois de uma nao inteiro, não foram concluídas. E esse é um bom tempo para revermos tudo isso e mudar de estratégia e reconsiderar algumas coisas.

    As Festas, são só isso festas que loco se acaba.

    Mas mesmo assim vou lhe desejar um no ano com forças renovadas para fazer durante todo ele o que muitos tentam fazer apenas no final dele.

    Feliz 2011.

    ResponderExcluir
  11. Tais...
    O "feliz isso" o "próspero aquilo" é uma grande formalidade. As pessoas deixam de fazer o que deveriam o ano todo e, então, na última quinzena do ano, se sentem melhores repetindo as velhas frases de sempre; que não mudam nem no tom. Talvez achem que podem enganar elas mesmas.
    É claro que existem pessoas sinceras e muito boas que repetem esas frases. Mas para muitos natal e ano novo é só um pretexto para comer e beber e esquecer do que os deixa tristes a maior parte do tempo.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  12. Como a Maria Sueli disse e eu concordo, eu só acrescentaria que o ano novo nem nasceu e já está envelhecido; ultrapassado!

    ResponderExcluir
  13. Passei só para deixar os meus votos de
    Boas Festas.
    Voltarei para ler como merece, sobre
    estas fantasias....
    Beijo

    ResponderExcluir
  14. Tais,
    foi muito bom passar o ano de 2010 entre palavras e sentidos produzido por vc. Leituras do cotidiano que foram relidas por nós, seus leitores. Desejo um 2011 de paz e força sempre!

    ResponderExcluir
  15. É amiga, realmente o seu ótimo texto nos faz pensar!...

    Que não só o primeiro de janeiro, mas que todos os demais 364 dias, sejam de Paz, Amor e Fraternidade.
    Saúde para todos, e que Deus nos abençoe, hoje e sempre.

    Que nossa amizade perdure por todo 2011.

    Abraço apertadinho

    Cid@

    ResponderExcluir

QUERIDOS AMIGOS:

1 - Este blog não envia nem recebe comentários anônimos ou ofensivos.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

3 - Meus agradecimentos pelo seu comentário, sempre bem-vindo.


Meu abraço a todos.
Taís Luso