6 de março de 2009

AS MULHERES DE HOJE

Mulheres / Marilia Chartune
- Tais Luso de Carvalho

Não gosto do Dia Internacional da Mulher. Por que um dia? Numa época em que as mulheres lutam para entrarem cada vez mais no mercado de trabalho, lutam por equiparação salarial, lutam por leis mais justas, lutam para conquistarem vagas em trabalhos antes destinados apenas aos homens, esse dia parece um presente, uma condecoração. Um dia para falar nos nossos méritos!

Mulheres não precisam de um dia para discutir seus problemas; precisam é de ir à luta nos 365 do ano: estudar, competir, fuçar e mostrar sua força no trabalho.

Há dias vi um concurso - de beleza - não lembro para o quê. Mas ainda existem muitas mulheres que estão desgarradas do grupo: as rainhas da beleza. Os concursos de beleza continuam em voga: que sacrifício!! Têm rainha e miss pra tudo! A expectativa já é algo de desesperar: “ficarei entre as classificadas ou voltarei frustrada, desiludida, com a auto-estima meio baixa e com a sensação de vazio?” Quando vivemos num meio que explora muito a beleza física, muitas outras coisas ficam comprometidas; vejo uma contradição na própria mulher.

Penso que hoje não existe mais espaço para concursos dessa espécie. Embora esses concursos proporcionem um show de estética, é pouco. Acho que a mulher merece mais. Gosto da mulher que luta por uma causa justa; que busca algo sério, que ‘queime as pestanas’ atrás de coisa que vale a pena. Deixar nossa marca para as gerações futuras. Foi muita luta para parar de sermos vistas como ‘objeto’.

A mulherada está construindo prédios, advogando, abraçando a carreira da magistratura, promotoras de justiça, médicas, arquitetas, delegadas policiais, escritoras, e lutando por mais cargos na vida política do país. Enquanto isso, outras ficam a desfilar suas vaidades, o que não vai dar em nada. É muito contraste: um espaço muito grande dedicado às medidas de quadril, de busto, de cintura, e mais os cabelos, o rosto, as pernas etc. O contraste é grande comparado às que lutam por objetivos diferentes. Objetivos que nos orgulham e que nos dão respeito.

Se já é difícil, quase impossível resolver o que tem pressa - fome, pobreza, emprego, saúde, educação -, ficamos por aí vendo o fútil, meninas bonitas desfilando suas vaidades. São bonitas? Sim, lindas. Mas, e daí? Isso mata a fome? Dá segurança? Dá futuro?

Como vivo numa sociedade carente e conturbada, penso desta maneira nos 365 dias. Certas coisas ficaram bregas. E, como vivemos numa democracia, posso dar o meu pitaco: só um pitaco; mas, sei que isso vai mudar em nada.

Portanto, um abraço às Mulheres pelos seus 365 dias de luta, não pelo dia de hoje.
.

16 comentários:

  1. Acredito que um dos principais problemas associado ao assunto seja o preconceito existente nos homens (que é grande, reconheço) e entre as próprias mulheres. Existem também homens modelos, fúteis, vaidosos e tudo mais mas isso passa despercebido porque quando se trata de beleza exterior o preconceito é direcionado quase que exclusivamente para o sexo feminino. Solução mesmo só com luta constante e um pouco de "reza" para que políticos olhem para educação como algo prioritário!
    Abraços e mesmo parecendo ironia, (coisa que não é): Feliz Dia das Mulheres!

    ResponderExcluir
  2. Poxa, Tais! Perfeito. Existe uma praga subliminar, de se atribuir excessivo mérito à mulher jovem, bela e com curvas cibernéticas. Que gargalo mais estreito e que falta de justiça isso encerra! Essa mulher - quando se acha - é uma exceção genética. Uma em dez mil. E detalhe: não é por mérito dela, apenas um encontro genético felicíssimo. Esse perfil de mulher, muitas vezes consegue ganhar uma vaga de emprego, deixando para trás outra, muito mais capacitada para a função. Isso ninguém fala; e pior, não se tem como provar.
    Por isso, quando uma mulher encara a beleza estética como o objetivo maior da sua vida (e são tantas! A gente percebe facilmente quando estamos de frente para uma), está reforçando essa injustiça e ajudando a perpetuá-la.

    1 bj
    Cesar

    ResponderExcluir
  3. Nem toda feitiçeira é corcunda; nem toda brasileira é bunda. Coisas de Rita Lee. Não discuto com quem entende do assunto.

    Estive por aqui.

    ResponderExcluir
  4. Achei sua postagem uma advertência, um apelo, um desabafo!
    É difícil falarmos de uma coisa que há muito aprisionou a mulher, e fêz de certa forma, mtas acreditarem realmente ser o sexo frágil, um ser de segunda categoria e voltando mais ao tempo, um pequenino ser "sem alma".
    Essa mulher precisou, se despir do medo, e conquistar seu espaço, e isso está sendo feito aos poucos. E pergunto eu:
    - quem perdeu com isso? - Nós? - A humanidade! Pois mulher e homem são seres humanos, iguais, na sua capacidade, inteligência,
    sentimentos,esperteza,competência... enfim,
    somos de carne e osso feito pelo mesmo Deus, então por que motivo temos que provar alguma coisa, ou nos sentirmos diminuídas?
    Hoje podemos dizer que mta coisa mudou, mas sentimos também que existe um falso discurso
    entrelaçado ao preconceito, que fica ainda bem nítido em nossa sociedade, pois até parece que o mundo foi feito para o homem, e isso cansa, e a luta continua, temos que manter-nos a todo instante firmes e alertas!
    Dizer que temos um dia só para a gente já demonstra a diferença, o preconceito que ainda ecoa em nossa sociedade, infelizmente!
    Claro que existem mtas mulheres que vivem através de sua beleza,sem conteúdo, se deixam dominar e não aprendem a executar a arte de "racionar", mas isso vejo como disse acima, uma questão de ser humano, e não de sexo.
    Acho eu, que nós mulheres não precisamos provar nada pra ninguém,
    mas ser simplesmente aquilo que somos, e para que viemos!
    Parabéns pela postagem,maravilhosa!
    Bjoca.
    Wal.

    ResponderExcluir
  5. Interessante a analise, mas a escolha deste dia em especifico foi porque se começou um protesto sobre as condições de trabalho, sendo seguidos por outros, mas agora as mulheres tem de continuar esta luta, mesmo que seja os 365 anos do dia...

    Fique com Deus, menina Thais.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  6. Concordo com tudo o que foi exposto, e, como já dito, que as mulheres precisam se conscientizar mais da sua importância. Mas isso, penso eu, não deva ser uma busca de ser igual ao homem, inclusive aí, algumas herdam até mesmo os defeitos machistas. A mulher tem que buscar na sua grandeza e finitude ficar em pé de igualdade ao homem, como mulher! Existirem as duas figuras que se respeitam, se ajudam e se completam.

    Por sua vez, o homem precisa se libertar do vício e ao culto do vulgar, do vazio. Talvez assim, as mulheres que não se valorizam, se notem mais uteis a elas mesmas, e tomem como exemplo, grandes mulheres que até mesmo os homens deveriam seguir.

    É isso.

    Roberto Ramos

    ResponderExcluir
  7. Vivemos no mundo das futilidades - masculinas e femininas - no mundo da moda, das passarelas, do exibir o próprio corpo inútil. Esses são corpos inúteis. O seu protesto/desabafo é mais que válido.
    Os meus parabéns por ser mulher. Me perguntaram o que me faz feliz: a mulher me faz feliz. A sua própria existência - sem mais nada, poderia ser a beleza, o amor, a convivência humana, a delicadeza, a ética do cuidado (em oposição à ética da justiça, dos homens), as realizações profissionais, grandes sempre, podedria ser um mundo - mas a sua própria existência, em si, já é uma felicidade.
    Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  8. Tais Luso

    Depois de ter lido o texto, de que gostei, como sempre, porque são bem explanadas as ideias.
    Não discordando minimamente, por um lado até penso assim! Fisiologicamente, sendo diferentes os sexos, formam, como que, um só ser.
    A minha dualidade de pontos de vista tem a ver com uma ideia romântica, talvez:
    - As mulheres são as flores do jardim do mundo e daí, considero o seu Dia!...
    Daniel

    ResponderExcluir
  9. Me atrevi a dar um pulada aqui no seu blog e quase o li por inteiro...maravilhoso seus textos, fortes, com palavras corajosas sem rodeio...parabens pelos escritos, sempre que possivel passarei aqui enfiando um pouco a cara e os olhos no mundo escrito..vendo que ainda existe pessoas chatas, outras sem graças..vendo a realidade nas sua mãos...

    Espero que um dia viste meu blog!![


    Ademerson Novais!!

    ResponderExcluir
  10. Tais valeu! Obrigado por sua visita, fico muito honrado e feliz. Somos felizes quando contribuímos para a felicidade dos nossos semelhantes. Deixo um abraço fraterno e justo. Cada vez que volto aqui me sinto melhor, parabéns. Seu Blog esta a cada dia mais interativo. Sua postagem de excelente qualidade e atrativa, gostei, maravilha! Votos de muito sucesso, de par com os de um ótimo e alegre final de semana. Encontraremos-nos sempre por aqui... Aguardo sua visita. Que a misericórdia divina nos cubra de suas infinitas bênçãos, muita paz, luz e proteção.
    Valdemir Reis

    ResponderExcluir
  11. Marilia20:13

    Taís,
    Se não leu meu outro comentário, quero que saiba que fiquei super feliz ontem quando abri seu blog, bem no dia de meu aniversário e vi o presentão que me deu. Coincidência ou não, não poderia deixar de lhe dizer que esse quadro foi feito para uma mostra do Dia Internacional das Mulher na Câmara de Vereadores de Santa Maria e está em um gabinete em Brasília. Sobre o seu texto, muito lúcido e cheio de objetividade, demonstra a opinião de muitas mulheres e homens que não compartilham com a explosão de frivolidades e breguices de valorização da forma em detrimento do conteúdo. Parte dessa aberração é por culpa de uma mentalidade de mães frustradas que projetam nas filhas o desejo de sobressair pelas belas formas e não se preocupam com os valores interiores. Temos Miss Mundo com 5 anos, crianças que disputam "faixas" em concursos de beleza desde a mais tenra idade. Serão mulheres que lutarão por um cargo no trabalho por ter um belo corpo? O contraste com a realidade é duro!!! Parabéns pelo belo texto e obrigada pela imagem do meu quadro ilustrando o mesmo!

    ResponderExcluir
  12. Pois é, queridos amigos, hoje é o dia 8 e quero dizer a vocês, que comentam aqui no 'Portinho', que tenho gostado muito dos comentários de todos, não moderei nenhum, todos são educados, inteligentes e alguns, noutras postagens, muito engraçados. Esta troca é saudável, sempre saudável. E procuro, na medida do possível, visitar os amigos.

    À Marília, artista do quadro que usei para ilustrar o texto, vai meu beijo carinhoso pelo seu aniversário ontem. Seu trabalho é magnífico.

    Meu afeto a todos
    Tais

    ResponderExcluir
  13. Concordo inteiramente com este seu post. E digo mais, exijo, como mulher, o direito aos meus 365 dias e 6 horas de cada ano. Luto por ele.

    Um beijo longínquo.

    ResponderExcluir
  14. Olá Tais.
    Em primeiro lugar agradeço a visita ao meu Blog e tua inscrição como seguidora do mesmo. E depois eu também não gosto do Dia Internacional da Mulher, nem do Dia Internacional da Criança, nem do Dia Internacional dos Dias Internacionais. Numa sociedade em constante evolução, onde a velocidade de comunicação intercontinental é uma realidade mais que evidente, onde a História acontece em directo, onde os acontecimentos nos ultrapassam a cada dia das nossas efémeras vidas, não devia haver Dias Internacionais, Nacionais ou Regionais. As mulheres têm um papel cada vez mais importante, nesta sociedade. São primeiro que tudo mulheres, seres humanos como todos os outros. Com as suas virtudes, com os seus defeitos, os seus erros e acertos. E depois são mães, companheiras, amigas, trabalhadoras, operárias, etc.. Como homem livre, sem preconceitos de espécie alguma, contra a descriminação sexual e as violações dos seus direitos, o meu abraço, o meu beijo, o meu carinho, para todas as mulheres do mundo.
    Desculpa se não me expressei da melhor maneira. Em poesia seria mais fácil. De qualquer modo, aqui deixo a minha opinião. Voltarei a visitar-te mais vezes. Um beijo.

    ResponderExcluir
  15. Bernardo16:38

    Querida Tais

    Realmente acho que invés dessa hipocrisia de dia da Mulher, do negro, do índio, do trabalhador, os nossos congressistas deveriam era trabalhar para que todos homens/mulheres e crianças, seja qual for a raça, tivessem ao menos os seus direitos respeitados e a possibilidade de lutar em melhores condições de igualdade por uma vida digna.

    ResponderExcluir
  16. Sou do teu time, não gosto de dia da mulher. Nem dia do negro, da criança, do xxx, do yyy, do zzz. Qualquer um desses dias para mim é um dia para eu lembrar que estas 'categorias' são inferiores às demais, e portanto precisam de um dia para serem lembradas.

    ResponderExcluir

QUERIDOS AMIGOS:

1 - Este blog não envia nem recebe comentários anônimos ou ofensivos.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

3 - Meus agradecimentos pelo seu comentário, sempre bem-vindo.


Meu abraço a todos.
Taís Luso