26 de setembro de 2015

Como nasceu o Poema Pasárgada - de M. Bandeira




       “Vou-me embora pra Pasárgada” foi o poema de mais longa gestação da obra de Manuel Bandeira. Conta ele, que viu pela primeira vez esse nome de Pasárgada quando tinha 16 anos, e foi num autor grego. Pensava ter sido em Xenofonte, mas vasculhou duas ou três vezes a Ciropédia e não encontrou a passagem. O douto Frei Damião Berge informou-lhe que Estrabão e Arriano (autores que nunca leu), falaram na famosa cidade fundada por Ciro - o antigo - no local preciso em que vencera Astíages.

Ficava a sueste de Persépolis. Esse nome de Parságada, que significa 'Campo dos Persas', suscitou na imaginação de Manuel Bandeira uma paisagem maravilhosa, um país de delícias, como o de L' Invitation au Voyage, de Baudelaire. Mas vinte anos depois, quando ele morava na rua do Curvelo, num momento de muito desânimo, da mais aguda sensação de tudo o que não tinha feito em sua vida por motivo de doença (tinha tuberculose), saltou-lhe de súbito do subconsciente esse grito estapafúrdio: “Vou me embora pra Parságada”.

Sentiu na redondilha a primeira célula de um poema e tentou realizá-lo, mas fracassou. Naquele tempo já não forçava a mão. Abandonou a ideia. Alguns anos depois, em idênticas circunstâncias de desalento e tédio ocorreu-lhe o mesmo desabafo de evasão da 'vida besta'. Desta vez o poema saiu sem esforço, como se já estivesse pronto dentro dele.

'Gosto desse poema porque vejo nele, em escorço, toda a minha vida, e também porque parece que nele soube transmitir a tantas outras pessoas a visão e promessa da minha adolescência – essa Parságada onde podemos viver pelo sonho o que a vida madrasta não nos quis dar. Não sou arquiteto, como meu pai desejava, não fiz nenhuma casa, mas reconstruí, e não como uma forma imperfeita neste mundo de aparências, uma cidade ilustre, que hoje não é mais a Parságada de Ciro, e sim a minha Parságada'.


Bandeira – Seleta em Prosa e Verso
ed. Livraria José Olympo Editora – RJ 1975
pag 25







     Vou-me embora pra Pasárgada


       Vou-me embora pra Pasárgada
       Lá sou amigo do rei
       Lá tenho a mulher que eu quero
       Na cama que escolherei
       Vou-me embora pra Pasárgada

       Vou-me embora pra Pasárgada
       Aqui eu não sou feliz
       Lá a existência é uma aventura
       De tal modo inconsequente
       Que Joana a Louca de Espanha
       Rainha e falsa demente
       Vem a ser contraparente
       Da nora que nunca tive

       E como farei ginástica
       Andarei de bicicleta
       Montarei em burro brabo
       Subirei no pau-de-sebo
       Tomarei banhos de mar!
       E quando estiver cansado
       Deito na beira do rio
       Mando chamar a mãe-d'água
       Pra me contar as histórias
       Que no tempo de eu menino
       Rosa vinha me contar
       Vou-me embora pra Pasárgada

       Em Pasárgada tem tudo
       É outra civilização
       Tem um processo seguro
       De impedir a concepção
       Tem telefone automático
       Tem alcaloide à vontade
       Tem prostitutas bonitas
       Para a gente namorar

       E quando eu estiver mais triste
       Mas triste de não ter jeito
       Quando de noite me der
       Vontade de me matar
       — Lá sou amigo do rei —
       Terei a mulher que eu quero
       Na cama que escolherei
       Vou-me embora pra Pasárgada.


       ______________________
       Uma Antologia Poética L&PM Pocket pág 89






30 comentários:

  1. Bandeira e o Rei

    Porque lá o rei é amigo do poeta
    Onde existência é uma aventura
    E ele livre pedalando de bicicleta
    Mesmo porque o mal nunca dura.

    Acolá há uma animação inquieta
    Para quem vida agitada procura
    Acolhem com carinho todo esteta
    Sem propósito, até sem censura.

    Ávida Pasárgada de gente tão boa
    Recolhe o velho vate desgarrado
    Gente qualquer, mesmo gente a toa.

    Ali talvez se verá pois apaixonado
    Deixando este mundo que ruim soa
    Amigo desse amigável Rei coroado.

    ResponderExcluir
  2. Esta poesia fez-me lembrar dos escritos de Hugo Pires, o qual nas suas escritas falou de maneira cômica de Pasárgada.

    Corre o boato em Pasárgada que durante uma assembleia para a escolha do cantor da Copa, com milhares de manifestantes na rua, um louco subiu ao palco e gritou em alto e bom som:
    - Se vai ter Copa ou não, se vai ter uma ou duas, eu não sei, só acho que deveria ser o Tiririca o cantor da abertura...
    Foi um estardalhaço total, quebra de vidros, a multidão toda com máscara na cara queimando álbuns de figurinhas, gás lacrimogêneo e bala de borracha pra todo lado, gente chorando com a foto da Claudinha Leite e até um grupo de pitbulls uivando no canto da praça, numa cena de completa desolação.
    Então o louco recuperou por um instante a sua sanidade e disse:
    - Foi mal, que loucura a minha, melhor que ele seja apenas Deputado Federal. Depois dessa, vou-me embora de Pasárgada...
    E a paz voltou a reinar a todo o povo.

    lindo poema de dizeres profundo que faz-nos querer um lugar assim, onde tudo parece muito simples...
    Por isso desde ja vou me embora também pra Pasárgada... Amei o lugar!
    bj de carinho... Que vocês todos tenham um ótimo final de semana...

    ResponderExcluir
  3. Há se existisse estação de trem para Pasárgada,
    seria uma imensa fila.
    Estação sem volta, bilhete só de ida.

    ResponderExcluir
  4. Essa poesia é linda e acho que todos brasileiros andam sonhando com um lugar assim! Adorei o post! bjs,chica

    ResponderExcluir
  5. GRACIAS POR COMPARTIRNOS TAN BELLO TEXTO.
    ABRAZOS

    ResponderExcluir
  6. Boa noite, Tais.
    Interessante a história da criação do poema e o próprio.
    Gostei muito.
    Agradeço seu comentário no Redescobrindo a Alma.
    A parceria coma Zilda iniciou agora e criamos um blog para deixar os nossos trabalhos.
    Esperamos que goste.
    Está sendo feito com muito amor.
    Tenha um fim de semana de paz.
    Beijos na alma.

    http://divasdapoesianaturalmente.blogspot.com.br/2015/09/dois-amores-by-patricia-pinna-zilda.html

    ResponderExcluir
  7. No imaginário de todos nós há uma bela Pasárgada a nos esperar... Sairmos desse conflito sociopolítico abrangente que invade nossa inteligência emocional... Há uma encenação de teatro, de tão baixa qualidade, que, menospreza a nossa inteligência. Basta!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  8. OI TAÍS!
    GOSTO MUITO DESTE TEXTO E SABER A HISTÓRIA QUE O INSPIROU FOI MUITO LEGAL.
    VERDADE, BANDEIRA CRIOU UMA "PASSÁRGADA" SÓ DELE, MAS, TODOS GOSTARÍAMOS DE VISITÁ-LA.
    ABRÇS
    -http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Um belo trabalho minha amiga na divulgação deste Poeta.
    Gostei do poema.
    Um bom Domingo.

    ResponderExcluir
  10. Lindíssimo poema,de Manuel Bandeira.
    Adorei a postagem.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  11. Que linda postagem, amo ler esse poema, é bem assim, sempre queremos um lugar onde podemos estar conosco mesmo e feliz, desfrutar do sossego e da paz, pelo menos essa é a vontade da alma, eu amo obedecer minha alma!
    Amei ler aqui amiga Taís!
    Abraços apertados!

    ResponderExcluir
  12. Oi Taís
    Há dias em precisamos mesmo nos teletransportar para Pasárgada
    São nestes momentos que veia poética fala mais alto e fabulosas composições são escritas
    Este poema é soberbo
    Um domingo feliz e abençoado
    Beijos perfumados

    ResponderExcluir
  13. Esse poema é muito lindo!

    Beijo

    ResponderExcluir
  14. Boa tarde querida Tais..
    assim é.. os poemas não podem ser forçados..
    tudo está pronto dentro de nós...
    comigo tb é deste jeito..
    em 30 minutos as vezes escrevo 2..
    em outras fico 2 dias para fazer 1 rsrs
    é tudo muito louco..
    na minha obra que adoro chamada flor de lótus..
    demorei 5 meses..
    100 estrofes com 10 linhas cada todo em decassilabo.. sem repetir uma única rima ao final rss
    quase fiquei louco.. mas fiquei satisfeito..
    um dia espero ver ele publicado..
    beijos meus e feliz dia querida

    ResponderExcluir
  15. Demorou tanto para existir e depois foi jorrado aos borbotões. Pois é,
    tudo tem sua hora para acontecer.
    Muito bonito.
    Beijos, Taís!!!

    ResponderExcluir
  16. Bonito poema. Passei também para dar um olá e desejar uma boa semana.

    ResponderExcluir
  17. Dilmar Gomes29 de setembro de 2015 11:26
    Cara amiga Tais, gosto imensamente deste poema, talvez porque o li quando estava descobrindo a poesia. Acho que o primeiro poema que li do Bandeira foi
    este.


    Poema tirado de uma notícia de jornal

    João Gostoso era carregador de feira-livre e morava no morro da Babilônia num barracão sem número
    Uma noite ele chegou no bar Vinte de Novembro
    Bebeu
    Cantou
    Dançou
    Depois se atirou na Lagoa Rodrigo de Freitas e morreu afogado

    BANDEIRA, Manuel. "Libertinagem". Estrela da vida inteira. Rio de Janeiro: José Olympio, 1966.

    Depois curti muito o Quintanares, como não poderia deixar de ser, haja vista, ser o Mario Quintana meu ídolo maior (sei que Quintana não é maior, mas por motivos sentimentais ele mora no meu coração).
    Um abração. Tenhas uma linda semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amigo Dilmar:
      A relação dos gaúchos com Quintana é diferenciada, é uma relação de afeto, de sentir como coisa nossa, já que esbarrávamos com ele, principalmente,na praça da Alfândega. Também penso o mesmo.
      Abraços, amigo, obrigadíssima, sempre.

      Excluir
  18. Manoel Bandeira , um nome que devemos reverenciar sempre .Este poema é de uma sensibilidade extraordinária.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  19. Este seu post é simplesmente maravilhoso, pois lendo poesias de Bandeira é que despertou em mim a vontade de escrever.

    ResponderExcluir
  20. Olá Tais,
    Sem duvida estamos vivendo tempos em que uma grande maioria gostaria de dizer a mesma coisa: Quero ir embora pra Pasárgada. Serve também a Ilha do Bananal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Bernardo, que bom sua visita, amigo.
      Olha, eu também estive pensando onde poderia ser minha Pasárgada... difícil.
      Aqui no Brasil a 'rainha' não é nossa amiga, rss Então temos de esperar que as coisas melhorem.
      Abraços!

      Excluir
  21. Olá Taís,

    Depois de ler a íntegra deste poema de Manoel Bandeira, que somente conhecia em parte, decidi que também vou embora pra uma Parságada onde possa viver pelo sonho tudo o que gostaria de ver acontecer de bom em nosso País.
    Excelente postagem cultural, que nos propicia conhecer a origem deste poema fenomenal

    Beijo..

    ResponderExcluir
  22. Versos muy sensibles de este hermoso poema
    Gracias por compartirlo Tal
    Fuerte abrazo

    ResponderExcluir
  23. Tais, eu me lembro que, na época de estudante, lia esse poema mas não imaginava sua origem. As pessoas costumavam brincar que iriam para Pasárgada, quando enfrentavam problemas. E veja só, após tantos anos, você me trouxe a explicação que não busquei, naquele tempo. Gostei demais de sua postagem. Bjs.

    ResponderExcluir
  24. Boa noite querida Tais.
    Que lindo poema, como seria bom se no Brasil tivesse caminho para Pasárgada rsrs. Um lindo més de outubro minha amiga e para meu amigo o Pedro. Forte abraço.

    ResponderExcluir
  25. Que interessante saber destas coisas, ou relembrar acho que já li, desse meu ilustre conterrâneo. Que viveu, como que provisoriamente em virtude mal, na sua época ainda sem cura. Poeta triste, toda obra marcada pela doença. Vou-me embora pra Pasárgada, famosíssimo e adorável poema. Beijos!

    ResponderExcluir
  26. Linda postagem, gostaria também ps Pasárgada, mas já perdi o rumo até de onde moro.kkk
    Beijos no coração
    minicontista

    ResponderExcluir
  27. Boa tarde, Tais, conheço o poema, gosto e vou gostar, porém fiquei encantada com os dados referente à sua criação, pelo poeta. Podemos fazer uma analogia com a nossa vida e dizermos : Vou me embora para Pasárgada, quando tantas vezes a vida se faz ingrata conosco. Bem escolhida a sua postagem.Aqui em seu blog me sinto em Pasárgada. Obrigada! beijos!

    ResponderExcluir
  28. Desde que fui apresentado para Bandeira já fui querendo partir para Pasárgada, como também quis ir para Maracangalha com Dorival.Interessante a historia que voce belamente partilha num lindo trabalho amiga.
    Mas estamos pobres de veículos que nos levem para este paraíso.
    Carinhoso abraço amiga.

    ResponderExcluir

SUA ATENÇÃO...

1 - Agradeço os comentários dos queridos leitores e amigos, sempre Bem-vindos!

2- Comentários ANÔNIMOS não são postados. Assine.

Um abraço a todos!
Taís Luso