5 de junho de 2019

Paulo Leminski - QUANDO EU TIVER SETENTA ANOS



                    QUANDO EU TIVER SETENTA ANOS

 quando eu tiver setenta anos
 então vai acabar esta adolescência


                vou largar da vida louca
 e terminar minha livre–docência

                vou fazer o que meu pai quer
 começar a vida com passo perfeito

                vou fazer o que minha mãe deseja
 aproveitar as oportunidades
 de virar um pilar da sociedade
 e terminar meu curso de direito

                então ver tudo em sã consciência
 quando acabar esta adolescência.


                
_________________//_________________





LEMINSKI, Paulo. Caprichos e Relaxos / pag 37 - São Paulo: Companhia das letras 2016.

Paulo Leminski foi um escritor, poeta, crítico literário, tradutor e professor brasileiro. Nasceu em Curitiba / Paraná em 1944 e faleceu em 1989 antes de completar 45 anos, de agravamento de cirrose hepática. É um dos poetas brasileiros, surgidos após a década de 50, de maior influência entre os poetas das décadas seguintes. À época de sua morte, já havia conquistado um lugar de destaque e relevo na poesia brasileira. 
Em 1983 Paulo Leminski lançava um livro que se tornaria um best-seller na época e um clássico para as futuras gerações. Ali estavam os principais poemas que o curitibano tinha escrito até então, muitos inéditos e outros publicados em edições independentes ou na revista de arte e vanguarda Invenção, encabeçada pelos irmãos Augusto, Aroldo de Campos e por Décio Pignatari. Os pais da poesia concreta no Brasil haviam adotado aquele jovem poeta ilustrado, audacioso e contundente. Mais de Paulo Leminski aqui.



____________________//___________________



43 comentários:

  1. Nossa que poema delicioso de se ler, em tom de brincadeira, tem sonoridade, um estilo maravilhoso. Obrigada Tais, não conhecia o poeta, vou procurar seus poemas para ler, beijos

    ResponderExcluir
  2. Amei, amei, amei!!!
    Amiga Tais, fiquei tão empolgada lendo e relendo este precioso poema, que fui imediatamente pesquisar na net sobre o autor.
    E gostei do que encontrei. Tanto que não resisto a reproduzir o poeminha de 4 versos, carregados de significado, que lá li e tu certamente também já leste:
    "não discuto
    com o destino
    o que pintar
    eu assino"
    Obrigada querida, por me "apresentares" mais um nome da poesia brasileira.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  3. Y lo peor, Tais, es que al gran poeta le faltó demasiado para cumplir él mismo los 70.
    Gracias por revivir su pluma y su talento.

    Mientras despunta el alba, te saludo desde Santiago.

    ResponderExcluir
  4. Muito lindo e bom de ler esse poema,tão bem escolhido e trazido! Adorei e eu estou com 70!rs... beijos, chica

    ResponderExcluir
  5. Querida Tais, bom dia de uma quarta feira fria aqui em São Paulo, imagino aí!
    Lindo poema de quem viveu e nem sequer conseguiu sentir os setenta anos!
    Eu quando entrei nos quarenta, imaginava que aos setenta, se eu pudesse chegar neles, seria uma velha e isso me apavorada, mas agora, que estou dentro deles, fiz em março, me sinto bem e agradecida!Olho para trás e vejo meus netos se formando na faculdade, tudo valeu, o aqui e agora é o que mais vale, então bora lá viver, como eu disse no poema respire e vá, 😂!
    Amei ler o poema e conhecer um pouco o poeta.
    Abraços querida amiga, 😗

    ResponderExcluir
  6. Poema lindo que dá que pensar:)) Adorei.


    Hoje:-Por vezes existem dias sem cor.

    Bjos
    Votos de uma óptima Quarta - Feira

    ResponderExcluir
  7. Com que afinada jocosidade nos brinda o poeta com seus versos , sua cadência perfeita, seu inigualável poder de retorcer paradigmas com poesia.Adorei!
    Grata pela partilha, Taís.
    Bjsss,
    Calu

    ResponderExcluir
  8. Leminski não chegou a completar os setenta anos, mas partiu com espírito de adolescente, disso tenho a certeza.

    Adorei a sua bela partilha/homenagem, Tais.
    Obrigada.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  9. Bom dia, querida amiga Tais!
    Quando eu tiver 70, vou ser ainda mais leve, se Deus quiser! E tudo que quero para mim.
    Como Clarice disse,"posso ser leve"... Quero me manter assim até o fim...
    Adorei frisar isso em meu 💝.
    Muitos nunca terminam a adolescencia... Ficam na moita dos demais... Sem assumir-se.
    Tenha dias felizes!
    Bjm carinhoso e fraterno de paz e bem

    ResponderExcluir
  10. Olá amiga Taíss, muitas saudades da minha parte, depois desta longa e dolorida pausa, faz parte do destino, e agora que estou em plena recuperação, o melhor é deixar no esquecimento.O Bom é poder recomeçar, como fiquei muito tempo sem pintar, vou demorar um tempo para me atualizar, pegar o ritmo.
    Estou quase nos 70, não me sinto tão jovem como este poeta (ótimo), se sentia, mas apesar de todos os percalços estou feliz.
    Gostei de sua escolha, sempre ótima.
    Muitos beijinhos,
    Léah

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amiga querida, saudades também de você! Melhorou? Ambos, você e seu marido já estão bem? É, amiga, mas vai com calma, entre no ritmo devagar! Doença misturada com um dilúvio é dose dupla de tristeza!
      Mais melhoras, e rapidinho!
      Beijo, querida Léah!

      Excluir
  11. Um escritor... com tanto ainda para dar... que praticamente considero, que se foi... ainda na sua infância!...
    Adorei este post, Tais, que me deu a conhecer mais deste autor, cuja obra, confesso conhecer muito superficialmente...
    Beijinhos! Continuação de uma fantástica semana!
    Ana

    ResponderExcluir
  12. mas que poema tao bonito e que edade linda que eu penso nao la chegar hehe amiga voce sabe com escrever adoreii bjs

    ResponderExcluir
  13. Oi Tais! Que poema lindíssimo! Confesso que até parece ter sido escrito para mim, que segundo minha família, ser eu um eterno adolescente, rsrsrs Não conhecia o trabalho dele , mas irei conhece-lo atravez de sua dica. Parabens por mais uma bela e descontraída postagem! GRande beijo. Boa noite.

    ResponderExcluir
  14. Acho razoável para terminar a adolescência e chegar à idade adulta... :))
    Lindíssimo!
    Bjs, bfds

    ResponderExcluir
  15. Olá Taís,
    Eu ja fiz setenta e continuo adoletando, ousada eu Hein? O poema eu já conhecia, acho grandioso. Parab´´ens pel partilha.
    E deixo m convite pra degustar as delícias juninas na minha barraca solidária e virtual.

    Bjs e flores querida.

    ResponderExcluir
  16. Querida Taís
    Não conheço o autor e desconhecia o poema... mas achei-o uma verdadeira delicia!
    Que ideia maravilhosa! Acabar a adolescência aos 70 anos!
    Fez-me lembrar Mário Prata, (que tem crónicas muito interessantes) num texto sobre a envelhescência, que citei num post meu, logo dos primeiros, já lá vão 10 ou 11 anos!
    Vou investigar Paulo Leminski, pois este maravilhoso poema despertou-me a curiosidade. E sabes como eu sou...😉, curiosa até dizer chega!
    É lamentável que tenha falecido tão movo e não tenha conseguido, ele próprio, acabar a adolescência.
    Uma perda, sem dúvida.

    RE: Viu como entendeu tudo? Eu sabia... É que, embora haja um fio condutor em toda a história e os personagens interajam em mais do que uma situação, é como as novelas: se saltar dois ou três episódios apanha tudo 😁😁😁
    Sobre cachorros... sabe que eu os atraio? Quando passo por algum na rua tem sempre que me vir cheiriscar... Eles sabem que eu os amo...

    Continuação de boa semana.
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderExcluir
  17. A inquietude de Leminski era soberba. Estava sempre lavrando um incêndio com as palavras. E firme no seu ofício de amar, sem nunca recusar à vida o que há por viver, daí este poema irreverente, que nos diz tudo...
    Bela partilha, Taís!
    Beijos,

    ResponderExcluir
  18. Gosto dos seus escritos, mas nunca li seus livros. Eu estou com 70 anos e, ele com sua inquietação deve ter vivido seus 45 anos adolescendo. Bjs

    ResponderExcluir
  19. Taís:
    no hay que esperar a tener 70 años para empezar a hacer las cosas que nos gustan.
    Y, en cuanto a la adolescencia, ojalá conserváramos la energía adolescente.
    Beijos e abraços. Ótima semana.

    ResponderExcluir
  20. Gostei do pouco que li do Paulo Leminsky. E este poema não foge à regra, é excelente.
    Obrigado pela partilha.
    Taís, tenha um bom fim de semana.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  21. ¿Setenta? No. ¡Noventa como mínimo!

    El talentoso poeta se quedó un poquito corto. Se podrá tirar la toalla ante los demás, pero en el interior de uno mismo, nunca. Un beso, Tais.

    ResponderExcluir
  22. grande poeta! e um "invejável" Poema !

    um belo momento de fruição poética!...
    e como eu compreendo esse desejo de eterna adolescência!

    grato, amiga Tais

    beijo

    ResponderExcluir
  23. Olá amiga!
    Passando para apreciar sua maravilhosa postagem e desejar-lhe um final de semana com muita saúde, paz, amor e felicidade. Desta vez uma linda poesia! diferente das crônicas. Parabéns! Abraços da família RH.

    ResponderExcluir
  24. Foi uma longa juventude que acabou prematuramente, infelizmente. Como bom poeta usou o eufemismo juventude, para referir-se ao excesso de tertúlias... uma vida talvez semelhante à do Poetinha...
    Todos temos de louco um pouco, mas com alguns génios o pouco transforma-se em muito.
    Tenho pena de partidas assim...
    Um fim de Outono aconchegante e festas juninas felizes.
    Abraço grande, queria Amiga.
    ~~~

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ... querida Amiga. Sorrsssss...
      Beijos
      ~~~

      Excluir
  25. Muito interessante, este poema de Paulo Leminski. A um tempo analítico, social, caricatural e actual, sem deixar de ser jocoso, pelo chiste saboroso que o percorre estruturalmente. Gostei muito e acabo por conhecer um poeta (para mim) novo.
    Abraço, Taís. Um bom fim-de-semana.

    ResponderExcluir
  26. Bom dia, amiga Tais,bela escolha amiga, nos faz ver que precisamos viver todas as fases da vida, mas muitos,como o nosso querido poeta Leminski,não passam da adolescência,nos dias atuais ainda podemos perceber isso.Engraçado que talvez mesmo inconscientemente ele quisesse sair desta fase, mas não conseguia, porém sonhava com a sua maturidade, a qual nunca chegou a viver. Ele sempre quis fazer o melhor para alegrar os pais, mas infelizmente não conseguiu. Gostei muito de sua postagem. Tenha um lindo final de semana!

    ResponderExcluir
  27. Taís un bello poema que acompañas un bonito cuadro y una reseña de la vida de su autor.

    Saludo

    ResponderExcluir
  28. Querida Vizinha/Escritora, Taís Luso !
    O mundo literário, certamente, lamenta aquele
    homem não haver chegado aos 70 anos.
    O que escreveria a partir desta data ?
    Provavelmente,sobre o passado, acertos e
    erros. A maturidade leva às reflexões da vida.
    Parabéns pela bela abordagem, Amiga.
    Um feliz semana e um fraternal abraço !
    Sinval.

    ResponderExcluir
  29. Eu estou quase com 70 anos

    ResponderExcluir
  30. Oi Taís!
    Embora tenha ido precocemente, deixou uma obra digna de ser conhecida.
    Grata pela partilha amiga.

    ResponderExcluir
  31. Querida Taís

    Sempre nos trazendo desafios muito interessantes.
    Quem sabe se não nos terá já passado pela cabeça essa grande ideia. O pior é que chegando aos 70 talvez queiramos alargar esse prazo. Assim concluo: mais vale conservarmos em nós, qualquer que seja a idade, a frescura e os sonhos da adolescência. Só nos fará bem.

    Bjs
    Olinda

    ResponderExcluir
  32. Um grande poeta.
    Bela homenagem
    E esse poema, esse poema é lindo, tomara que possamos sentir-nos adolescentes com essa idade :)
    Um grande beijinho
    PS - Desculpe a minha ausência, mas Maio foi um turbilhão. Estou de volta agora.

    ResponderExcluir
  33. Nadie puede adivinar que hará cuando cumpla los 70 años, todo se puede ver de forma diferente.

    Besos

    ResponderExcluir
  34. Uma bela partilha Taís, faz tempo que não lia Leminski e escolheu um belo poema dele.
    A inquietação da velhice é sempre um prato de inspiração e reflexão e o amanhã é tão distante.
    Abraços amiga e feliz semana com paz para vocês.
    Beijo de paz amiga.

    ResponderExcluir
  35. Paulo Leminski. Um poeta que gosto de ler. Que pena a juventude que ele queria preservar acabasse tão cedo. Gostei imenso do poema.
    Uma boa semana, minha Amiga Tais.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  36. Um poeta que carregava a poesia na vida e na alma...aos 70 anos quero estar vivo e saudável, para poder ver com mais calma como cheguei até ali. Querida amiga Tais, sempre maravilhoso te visitar, e hoje encontrar um grande poeta.
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderExcluir
  37. Boa tarde!
    CONVITE!
    Passando para lhe convidar para uma festinha virtual, amanhã dia 11-06
    Será um prazer lhe encontrar nessa festa. Os amigos e amigas não podem faltar!
    Desde já obrigada!
    Pensamento para refletir:
    " Aprendi
    Que sou mais forte que imaginava...
    Que posso ir mais longe depois de pensar que não podia mais...
    Que realmente a vida tem valor e eu tenho valor diante da vida!”

    A festinha será aqui no meu mais antigo blog
    https://professoralourdesduarte.blogspot.com/


    Abraços da amiga Lourdes Duarte

    ResponderExcluir
  38. Olá Tais, Paulo Leminski é um verdadeiro poeta. nós sabemos como é dificil sê-lo. Agradeço seus comentários em meu blog. A musa manda beijos, ela continua ativa na culinária artística. Um grande abraço

    ResponderExcluir
  39. Bom dia Tais.
    Um belo poema. A alma não tem idade. Podemos e devemos viver como sempre fôssemos eternos adolescentes rsrs. Um lindo dia. Beijos.

    ResponderExcluir
  40. Um poema para quem quer aprender a viver! Eu adorei!

    ResponderExcluir

AOS AMIGOS

Muito obrigada por deixar seu comentário, se necessário for, deixarei resposta a alguma pergunta.
Abraços a todos
Taís