14 de abril de 2012

O QUE EU LEVARIA PARA UMA ILHA...


- Tais Luso de Carvalho

Em primeiro lugar penso que não precisaria ser uma ilha, poderia ser uma montanha, um vale, alguma coisa bem longe do núcleo em que vivo. É claro que não abriria mão de energia elétrica, estamos no séc 21. Há lugares lindos, mais parecem o céu – na verdade não sei onde fica o céu, acredito que seja um estado de espírito.

Levaria, é claro, as pessoas  aos quais amo - minha família -, mas com contrato sacramentado e firmado entre as partes  de que não alteraríamos a sonhada paz; que não falaríamos de nenhuma pessoa: nem de seus defeitos, nem de seu caráter e nem de suas qualidades. Teríamos de deixar fora qualquer crítica. Isso seria imprescindível para termos sossego total.
    
São lugares de tanta paz que parecem outro planeta. Se me dessem um lugar desses, levaria poucas coisas de uso pessoal, e mais meus animais de estimação. Gostaria que tivesse por lá alguns pássaros que cantassem muito ao amanhecer, na minha janela.

Não levaria rádio nem televisão; não gostaria de ouvir informações sobre catástrofes, sobre assassinatos, corrupção, roubos, mortes, guerrilhas e discursos de interesses acima da moral; não levaria o notebook, para não blogar e nem ter de pensar; levaria alguns livros – mas que não falassem de violência e do lado chulo da humanidade: não gostaria de reler ou de ver que poucos mataram milhões em nome de um Deus ou de outro interesse qualquer. Gostaria de ficar bem alienada desses interesses terrestres. Talvez levasse muita poesia pra ler.

Aproveitaria esse tempo para conviver com a natureza: olhar as árvores, os lagos, as flores, olhar os desenhos formados pelas nuvens e aprender muito com os animais ao redor. Aprender como vivem.

Faria um esforço para não pensar na civilização e na evolução da nossa espécie. Não pensaria nem nas conquistas do homem. Não pensaria em viagens, em avião, em hotéis, em luxo. Pensaria no planeta como um todo, nas suas belezas e na sua magnitude. E que todos os seres vivos que aqui vivem, são donos iguais.

Não sei o resultado disso, mas que seria um tempo para meditar sobre esse burburinho louco em que vivemos, não tenho dúvidas. Quando a gente se acostuma com a loucura, ela até parece normal...

Sinto que muitas vezes perdemos o parâmetro do que seja uma mente saudável. É impossível: onde existe gente, existe confusão.

Depois de algum tempo afastada dessa vida, quem sabe eu conseguisse voltar diferente e pudesse descartar todo esse lamaçal de informações que me oferecem - a um alto custo - para me manter informada. Tenho consciência do tanto que é desastroso para nossa saúde mental conviver com tantas notícias ruins.

Voltaria, mas pelo menos saberia discernir a diferença entre dois mundos: um saudável e o outro muito louco. E tenho certeza que optaria por algo bem diferente. Conseguiria descartar muitas coisas que ainda não consigo. 
Lógico, tudo seria uma tentativa, apenas.

----//----

19 comentários:

  1. Vez por outra, é bom que se fique saudavelmente "alienada"... Deve fazer efeito semelhante ao de uma dieta com os famosos "radicais livres"...

    Concordo com você, quanto à bagagem a levar, nessa sonhada viagem...

    Bom domingo, Taís
    Beijos,
    da Lúcia

    ResponderExcluir
  2. Cara Taís,
    Primeiro, parabéns pela pública exposição de teus sonhos de Robson e Crusoé. É muito difícil estabelecermos as prioridades para uma situação limite como essa.
    Em segundo, gostaria de contar que já passei por algo semelhante. Por motivos profissionais passei dez dias internado na floresta amazônica sem quaisquer comunicação com o mundo exterior, sem eletricidade, sem os confortos da vida urbana. Claro que à diferença de uma opção por viver em isolamento, eu sabia que aquela situação era passageira, mas não deixou de tornar-se uma experiência unica que eu vi como integração à natureza. Acho que saí de lá outra pessoa, me apaixonei pela floresta e até já escrevi um texto "A Selva", o qual o publiquei em 10/10/11. Abraços, JAIR.

    ResponderExcluir
  3. Taís, muitas vezes penso em fazer essa tentativa. Acho que ficaria entediado em dois dias, mas como você disse, seria uma tentativa.

    Estou passando por um momento de reflexões sobre o que quero fazer nos próximos anos e infelizmente, trabalhar no que trabalho atualmente definitivamente não é a resposta.

    Acho que vai acabar sendo isso mesmo, porque chega uma hora em que a vida nos oferece pouca margem de manobra, mas sei lá... às vezes dá vontade de ir para a tal ilha, ficar uma semana lá.

    Me afastar de tudo e de todos, para então voltar e olhá-los com outros olhos, amá-los com outro amor.


    (Taís, tenho um conto novo e pra variar gostaria muito da sua opinião).


    Beijão.

    ResponderExcluir
  4. Taís,
    Imagina o quanto sua pele ficaria linda? Pois, o sono seria íntegro, a comida sem agrotóxico, a vida sem o terror da cidade, a falta de preocupação pelo assalto no sinaleiro, o sequestro relâmpago, o aumento do combustível, a corrupção do político... Voltar seria um tormento, mas a vida continua! Acorda Marcelina!
    E se tiver oportunidade de ir leva o notebook so pra acessar o blog kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Beijokas doces e um bom domingo!

    ResponderExcluir
  5. Olá Taís,
    eu vejo poucos jornais, pulo o noticiário do crime, não me interesso pela vida dos vizinhos, nem dos parentes. Será que isso não é uma fuga? Acho que sim. Mas que mal pode haver em se querer fugir do que nos incomoda?
    Por tudo isso é que eu amo a arte!
    A arte de escrever, pintar, cantar, tocar... Acho que só sobrou isso, ou quase só sobrou e olhe lá.
    Mas resta a esperança...
    Um beijo de todos do atelier

    ResponderExcluir
  6. Oi, Taís. Minha primeira visita aqui e já te seguindo. Gostei, de cara.
    O sonho da ilha deserta sempre nos persegue. E é bom que seja assim.
    Precisamos constantemente reavaliar procedimentos para alcançar nossos objetivos.
    Um bom domingo.

    ResponderExcluir
  7. A ideia não é 'virgem'...mas os resultados são sempre diversos....
    Por experiência....dão algum dos resultados esperados no imediato....mas.......
    Beijo

    ResponderExcluir
  8. Mais uma discussão envolvente - digo discussão pq observo um debate interno entre tuas ideias, conceitos e sentimentos, o que, na minha opinião, é o tempero incomum que encontro nos teus escritos, Tais.

    Desfazer-se do desnecessário, desapegar-se e lidar bem com o imponderável é lição eterna nesta vida...talvez um período assim, afastados de tudo, desprovidos desses supérfluos encontrássemos um antídoto capaz de nos ressarcir de parte da grande perda "sofrida" enquanto se vive.

    Adorei!
    Bom domingo, bjo carinhoso!

    ResponderExcluir
  9. Querida amiga Tais.
    Excelentes palavras. Gosto de pensar que seria assim mesmo como dizes, o aportar, amarar ou pousar, numa ilha deserta ou num ponto qualquer longe desta civilização alienada e caduca. Viver e conviver com a terra. Viver do que ela nos pode dar, já que infelizmente temos dado tão pouco á terra. Excelente.
    Beijinhos
    Victor Gil

    ResponderExcluir
  10. Taís,
    vc aceitaria visitantes nas mesmas condições?
    Muito tentadora tua proposta e a ela me aliei de imediato.
    Nestes tempos insanos, todos precisamos de um refúgio seguro, de uma limpeza mental, de uma volta à natureza em seu estado mais puro.
    Então, vamos nessa???Rsrsrs...
    Bjos,
    Calu

    ResponderExcluir
  11. Tais, eu concordo com Marly Bastos: caso seu 'sonho' se realize, não deixe de levar o notebook pra acessar o blog!!! Pois você terá tido a sorte grande, estará linda e maravilhosa numa ilha paradisíaca... Mas e nós aqui, que além de continuarmos neste mundo maluco, teremos que sobreviver sem seus textos?! rsrsrs

    Adorei a ideia da ilha, minhas pretensões não são muito diferentes das suas quanto ao que levar e o que definitivamente deixar por aqui mesmo.

    Beijos pra você.

    ResponderExcluir
  12. Oi Taís!
    Ahhh se eu pudesse...
    É mesmo um desejo maravilhoso, um tempo de bonaça para nos fazer rever este caos onde vivemos e que vai aos poucos destruindo o nosso íntimo.
    Beijinhos e uma iluminada semana!

    ResponderExcluir
  13. Oi Taís!
    Ahhh se eu pudesse...
    Conseguir vivenciar umaexperiência assim e se reoganizar intimamente para continuar a caminhada é mesmo maravilhoso.
    Beijinhos e uma bela semana!

    ResponderExcluir
  14. Oi Tais,

    acho que todos nós gostaríamos de poder sair fora de tudo isso aqui e vivermos alguns dias num paraiso desses!


    Adorei a reflexão! Acabei pensando no que eu levaria.Eu levaria o coração bem limpo, bem aberto. Para voltar cheio de coisas melhores.

    Beijos Tais, boa semana para você

    Leila

    ResponderExcluir
  15. Taís, Minha querida amiga,
    Também estou com saudades.
    Tenho corrido tanto!!!!
    Mas quanto a sua oportuna crônica digo:- tenho meus limites de sexta a domingo vou pra roça e não levo computador, durmo mais do que a cama, deito numa rede, piloto um fogão de lenha, apesar de ter energia eletrica, saio um pouco da civilização.
    Beijos amiga

    ResponderExcluir
  16. Taís,sempre excelente e inteligente cronica!Eu, como vc, não abriria mão do conforto de um banho quente.Talvez usasse a energia solar...rss...mas a familia teria que ir junto, pois sem eles não sou nadinha!...rss...bjs e meu carinho!

    ResponderExcluir
  17. Boa noite, querida amiga Tais.

    Num lugar onde ainda não foi violado pelo homem, seria fácil talvez, ficar alheia, e se entregar à magia da natureza.

    Eu que já fui contaminada pela vida urbana, sentiria vontade de intercalar os momentos, entre o barulho das grandes cidades e o piscar dos letreiros luminosos, e o cantar das cachoeiras e o piscar dos vaga-lumes.

    Desfrutando-me dos dois lados, ah... Seria bom demais!!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  18. Quem dera que pudéssemos encontrar, mesmo que por algum tempo este ninho de paz e comunhão com a vida, a natureza e as pessoas que amamos.Quem sabe até conseguiríamos voltar e viver um meio termo.
    Será que é pedir demais?
    Adorei a tua crônica. Fiz uma bela viagem com você.Bjs Eloah

    ResponderExcluir
  19. Tais.....fiquei muito feliz em te ver no meu blog.

    Parabéns pela tua cronica.

    me fez pensar...

    A primeira coisa que pensei foi no filtro solar..rs

    Para ficar poucos dias, não levaria familia....

    Levaria alguns amigos os quais não vejo a algum tempo e sinto saudades.

    Alguém que soubesse armar uma barraca, acender uma fogueira e
    tocar violão.

    Churrasco de peixe e agua de coco..todo dia...

    Voltaria revigorada!!

    Obrigada por me fazer sonhar!!

    Um grande beijo...

    ResponderExcluir

MEUS AMIGOS - SUA ATENÇÃO...

1 - Este blog 'não envia nem recebe comentários anônimos ou ofensivos'. Meu e-mail está na guia superior, faça contato.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

3 - Meus agradecimentos pelo seu comentário, sempre bem-vindo.


Meu abraço a todos.
Taís Luso