19 de julho de 2008

TRISTE ENCANTO / Mario Quintana


Mario Quintana


Triste encanto das tardes borralheiras
Que enchem de cinza o coração da gente!
A tarde lembra um passarinho doente
A pipilar os pingos das goteiras...

A tarde pobre fica, horas inteiras,
A espiar pelas vidraças, tristemente,
O crepitar das brasas na lareira...
Meu Deus...o frio que a pobrezinha sente!
Por que é que esses Arcanjos neurastênicos
Só usam névoa em seus efeitos cênicos?
Nenhum azul para te distraíres...
Ah, se eu pudesse, tardezinha pobre,
Eu pintava trezentos arco-íris
Nesse tristonho céu que nos encobre!...


QUINTANA, Mario, 1906-1994
A rua dos cataventos / Mario Quintana – 2ªed –
São Paulo: Globo, 2005.- (Coleção Mario Quintana)



Um comentário:

  1. Este é um belo poema e mereceu ser publicado para o nosso deleite.

    Qt ao programa Pânico é a coisa mais medonha da televisão.O fim do fim em todos os sentidos.Pior é que está sendo copiado por supostos geniais jornalistas, todos parasitas , debochados, cínicos.Ainda houve petição a ser assinada para que eles entrem no Congresso como se fosse na casa deles.Boçais que não conseguem fazer nada de útil.
    O Emílio Zurita, que é o cabeça do Pânico , para mim, é doente psicopata.Eu já achava o fim no rádio, que dirá na televisão. Baixaria pura imitando programas da Argentina, por ex.Acabaram com o programa do Ratinho mas eles são muuuuito piores .Só mesmo a Rede TV que optou por baixarias na sua programação.

    ResponderExcluir

AOS AMIGOS

Muito obrigada por deixar seu comentário, se necessário for, deixarei resposta a alguma pergunta.
Abraços a todos
Taís