1 de fevereiro de 2016

A FRANQUEZA QUE INCOMODA




      - Tais Luso
Lembro do dia que pensei em criar um blog: teria de ser algo que combinasse com minha maneira de pensar, que fosse do meu jeito. Queria poder dizer as coisas que penso, mas de uma maneira solta, sem muitos fricotes, e que não ofendesse ninguém. Beleza. Criei o blog de crônicas em 2006. E mais o Blog Das Artes.
Bem, esse introito acima é para poder dizer que nem sempre a gente pode dizer certas coisas ao vivo, olho no olho. Isso dá um rolo louco. Temos muitas maneiras de externar nossas inquietações, nossas opiniões e dúvidas. E escrever, pra mim, é a maneira que mais gosto. Ninguém me interrompe e não sai discussão. 
Os poetas externam sentimentos com muita beleza e sutileza; os artistas plásticos muitas vezes são dramáticos em suas pinceladas; em outras, são suaves e encantadores. Os jornalistas são mais agressivos, faz parte do contexto. O cronista conta a vida a sua maneira, de inúmeros jeitos. Mas o que todos procuram é a verdade.
Mas cá pra nós: quantas vezes a gente comete uma bobagem por querer 'parecer' franco demais? Como é chato esbarrarmos com alguém que se diz sempre muito franco. O suprassumo  do correto. Alguém pediu tanta franqueza? Alguém que se diz muito franco já me deixa cabreira, com um pé atrás. Como aquele que se diz muito honesto. Quem é honesto não precisa anunciar, isso é atitude de político. A coisa anda tão feia que muitos precisam berrar aos quatro ventos uma certa honestidade. Entendo... qualquer ponto fora do lugar constrange. É o efeito pixuleco - a neurose, o trauma nacional! 
Estou abordando este assunto porque  passei por isso ontem, ao pedir uma opinião a uma conhecida. Disse-me ela:
- Olha, me desculpe, mas costumo ser muito franca...
Ôh  coisa horrorosa. Estava no seu auge, transbordando-se em franqueza.
Diga, caramba, mas não seja pernóstica. Confesso que diante de sua franqueza me senti uma bandida.
Essa franqueza, essa verdade cristalina como introito de um parecer, é  antipática. Se essa franqueza absoluta vier para intrigar e ofender, ou mesmo para dissolver uma amizade, uma união afetiva, ou a harmonia familiar, que se cale, que omita, não diga. Não seja tão franco. Certas coisas é melhor omitir para não desmantelar o que não precisa. O que não é da nossa conta.
Não me orgulharia em dizer que sou muito franca e honesta, não é necessário 'dizer'. Prefiro usar de bom senso. Prefiro pensar antes de trazer meu balde de franqueza à tona. Nunca direi algo que poderá causar grande estrago em nome da tão 'grandiosa' franqueza!

_____________________________________



41 comentários:

  1. Franqueza demais pode causar problemas. Melhor estar com o "desconfiômetro" ligadinho pra não falar demais,rs...bjs, tudo de bom e lindo fevereiro!chica

    ResponderExcluir
  2. Olhe Taís... "franqueza, ser verdadeira, autenticidade, transparência, honestidade"... e por ai vai... são valores nos quais fui tatuada desde a infância! Hoje, estou como você abordou em sua crônica, prefiro me calar, pois nem sempre somos entendidas... Abstraio-me, acho bem melhor... Minha pressão arterial agradece!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Talvez eu não seja sempre franca, mas sou sempre sincera. Especialmente comigo mesma...
    Bom Fevereiro!

    ResponderExcluir
  4. Bom dia linda amiga Tais, ameiiii ler aqui, rsrs, eu sou sincera, mas não digo tudo o que penso, rs, jamais, pois a franqueza muitas vezes fere inutilmente, não somos iguais, sendo assim respeitar as diferenças é tudo de bom, eu prezo a amizade, só se for impossível mantê-la é que caio fora.
    Bom senso, isso mesmo, precisamos ter bom senso ou pelo menos tentar ter, eu tento!
    Sabe, eu jamais peço opiniões das pessoas por não querer ouvir as "franquezas" delas, mesmo porque sempre sabemos onde o nosso calo dói e as nossas próprias fraquezas, eu prefiro fazer como você, escrever, mas mesmo assim, com muito cuidado, pois é...
    Abraços linda amiga, tenhas uma ótima semana!

    ResponderExcluir
  5. Francamente!

    Francamente, acho isto e acho aquilo!
    Ritualística dos donos da franqueza
    Apenas ouça concorde e guarde sigilo
    Nada como ouvir quem tem certeza.
    Com pessoas francas, não tem grilo
    Assumem que sua opinião é beleza
    Mestres da retótica e jeitão tranquilo
    Elas mantém a conversaçãoo acesa
    Nada as compulsa mudar seu estilo
    Têm vera opinião a colocar na mesa
    E assim fazem do ouvinte seu pupilo.

    ResponderExcluir
  6. TAIS LUSO,

    concordo!

    As ações costumam ser muito melhores do que enfatizarmos em demasia e desnecessariamente, nossas franqueza.

    E como se usássemos um tiro de canhão para abater uma formiga!

    Tem que ter meias medidas ,sempre.

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
  7. Tais, se for magoar alguém , deixo a autenticidade de lado, principalmente quando minhas palavras nada vão alterar. Franqueza não pode ser confundida com falta de educação, que é como vejo certos comentários. Quando as pessoas são muito amigas, costumam dizer a verdade, sabendo que há respeito. Em família também, quando nos perguntam, por exemplo, estou bem? E a gente diz, prefiro a outra roupa. Nesses casos, porém, sempre complemento: mas se você está se sentindo bem, melhor ir com essa mesmo (rss). Claro que meu exemplo é algo banal, pois dizer o que não querem ouvir é maldade. Grande beijo!

    ResponderExcluir
  8. Olá Taís, eu costumo ser franca com as pessoas quando me pedem opinião verdadeira, mas já tive algumas saias justas por isso. A pessoa pede opinião vc dá e não é a que ela gostaria de ouvir kkkk, mas faço isso com leveza, e como bem disse nossa amiga Marilene, se vejo que a pessoa em nada mudará sua atitude diante da minha franqueza ai nem perco tempo, fico calada mesmo! Bjoss

    ResponderExcluir
  9. Creo que es mejor siempre decir lo que se piensa y ser franco aunque hay que tener tacto en decirlo.
    Un buena reflexión, saludos.

    ResponderExcluir
  10. Olá Tais! Acho que devemos medir e pensar na repercussão das palavras, antes de pronunciá-las. Bela crônica amiga.

    Muito obrigado pela compreensão, quando da minha ausência para um pequeno descanso.

    Beijos e uma ótima semana para ti e para os teus.

    Furtado.

    ResponderExcluir
  11. Continue a escrever para si......mas deixei que
    eu me vá deliciando com as suas narrativas.
    Adoro suas crónicas.
    Beijo

    ResponderExcluir
  12. Taisinha,

    Estivesse eu, por hipótese, entre os examinadores de uma banca, que teria como propósito aprovar ou reprovar crônica que teria por tema a ‘franqueza’, a sua A FRANQUEZA QUE INCOMODA teria a minha aprovação com louvor.

    Termino este meu comentário lembrando o que disse o nosso grande Ariano Suassuna, em palestra que proferiu no auditório do Senado Federal, há alguns anos, na qual disse, a certa altura, que detestava, com todas as suas forças, que se intrometessem em sua vida, e que, sob o pretexto de fazer ‘crítica construtiva’, falassem de seus erros ou deslizes, olhando-lhe nos olhos; disse Suassuna então, que se quisessem fazer-lhe quaisquer tipos de críticas, que as fizessem nas suas costas, e bem longe dele, para que nada ouvisse.

    Beijinho daqui do escritório.

    ResponderExcluir
  13. Já sofri muito com a minha franqueza, hoje deixo ela perdida nas entrelinhas dos meus textos, bem melhor.

    Beijo

    ResponderExcluir
  14. Taís estou surpresa com relação a nossa sincronicidade, por acontecimentos recentes em meu cotidiano, pensei em escrever à respeito da SINCERIDADE e das pessoas "francas", e eis que encontro sua maravilhosa crônica sobre o mesmo tema.
    Bem amiga, independente de nossas afinidades (espantosas), sua crônica é coisa de escritora nota 1000. Parabéns!!!!!
    beijinhos, Léah

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rss, estou começando a desconfiar que somos irmãs gêmeas!!
      Beijinho, a sua crônica também está ótima, penso igual!

      Excluir
  15. Concordo com o que diz. Não é necessário andar a apregoar o que somos, porque mais que as palavras contam as acções. E se às vezes a franqueza pode prejudicar ou magoar alguém, vale mais não ser totalmente franco:)

    Um beijinho e continuação de boa semana:)

    ResponderExcluir
  16. Pois é minha amiga à coisas que não precisamos de dizer ou publicitar, basta olhar com atenção para podermos avaliar.
    Um abraço e boa semana.

    ResponderExcluir
  17. Anônimo09:18

    Oi Tais Luso, seu blog impressiona. Cada artigo bem detalhado e afinado com o seu bom conhecimento.Ontem acabei vendo por acaso um video, e nesse video o rapaz canta um rap que fala sobre pessoas que ficam enfornadas no facebook e de garotas que muitas vezes postam fotos nuas só por causa de curtidas. Ele insentiva a viver a vida e deixar essas coisa mais de lado e viver o mundo real. Acredito que você pode fazer um bom artigo sobre isso e ajudar a muitas pessoas que passam a vida nessa e outras redes sociais. Esse é o link do video, da uma olhada e da uma pensada em escrever sobre o assunto. Vai ajudar a muitos. link do viedo: https://youtu.be/fv2XZaFEU6A
    Acompanho seu trabalho sempre, sucesso e continue fazendo esse excelente trabalho. Abraço.

    ResponderExcluir
  18. Comento aqui o blog das artes.
    Apresentou-nos um belo naipe de pintores e suas obras!
    Gostei muito, especialmente da primeira... por ser totalmente abstata.
    Saudações minhas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito Obrigada, amigo Vieira, como o "Das Artes" é um blog de pesquisa, me solicitam muitas postagens, muitas obras, dúvidas... E o tempo é curto. Quando sobrar tempo, talvez volte a abrir para comentários.
      Abraço, amigo!

      Excluir
  19. Bravo, minha amiga Tais, mais uma bela crônica em que me encontro, reflito e percebo o quanto somos iludidos com palavras, termos, atitudes que podemos não entender vindo de certas pessoas. Também acho muito relativo esta maneira/mania de ser franco demais . Lembro de uma amiga, que dizia que estava ela muito bem caminhando e encontra uma amiga dela, na conversa a amiga super franca diz o que quer, o que ela acha ser sincero e falar o que está vendo, claro que minha amiga foi mal para casa e a outra amiga continuou muito bem, como estava...então conversando depois, chegamos a conclusão que é muito fácil ser sincero com relação as coisas do outro, sem medir o prejuízo da pessoa. Também tenho medo da sinceridade das crianças, mas por sorte tenho uma afinidade com elas, quanto menores mais a criança se sente bem comigo, mas nunca as provoco, espero que venham, e elas vem. Faço minhas tuas palavras quanto a forma de conduzir o blog. Também não gosto de mentiras, mas por vezes seria necessário falar uma verdade que se sabe que ofenderá ou magoará a pessoa, em se sabendo do mal que pode ser provocado, prefiro me calar, mas podemos nos equivocar, falar sem querer “querendo” diria o Chaves rs...minha querida Tais bom demais conversar por aqui.
    Amo Augusto dos Anjos, não deu tempo de comentar o outro post, quando vim novamente, já estava este belo post. Carinho respeito e abraço.

    ResponderExcluir
  20. Querida amiga Tais, claro que a franqueza é bem-vinda, salutar e necessária, porém a cautela também é salutar, aliás, como se dizia antigamente, cautela e caldo de galinha...
    Um abração. Tenhas uma boa noite.

    ResponderExcluir
  21. Olá Tais,

    Franqueza em excesso costuma ser até falta de educação. A franqueza que fere e desestabiliza é descaridosa. Nem precisam ser sempre francos comigo. Dispenso, pois, na maioria das vezes, posso ter discernimento razoável e equilibrado sobre coisas e acontecimentos. Mas... se peço franqueza, preciso estar preparada para o que vou ouvir. Penso até que há muita gente que prefere viver no engano do que se deparar com os francos de plantão. Será que eles gostariam de receber a mesma franqueza com a qual se gabam ser possuidores? Penso também que as virtudes reais que eventualmente possuímos não precisam ser anunciadas, pois são perceptíveis para um bom observador ou através de nossas próprias atitudes.

    Uma ótima crônica, com sua usual maneira descompromissada de escrever e de se expor.

    Beijo.

    PS: Acompanhei pelos jornais a fúria do vento por aí. Assustador! Se eu estivesse "in loco" no momento do vendaval entraria em pânico.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Permita-me, Tais. A Vera, adorei isso: "Penso também que as virtudes reais que eventualmente possuímos não precisam ser anunciadas, pois são perceptíveis para um bom observador ou através de nossas próprias atitudes." Isso mesmo. Beijos!

      Excluir
    2. Bem diz Paulo Coelho: "Quando atirares a flecha da verdade, molhe sua ponta no mel", é por ai, penso.

      Excluir
  22. TU MENSAJE ES MUY REFLEXIVO.
    ABRAZOS

    ResponderExcluir
  23. É bem verdade, Tais!
    Por vezes tem franquezas, cujo único intuito é magoar... e não acrescentar nada de verdadeiramente útil, ou construtivo... e por vezes, as palavras são mesmo usadas como armas de arremesso... camufladas na tal chamada franqueza...
    Só hoje passando por aqui, agradecendo a sua amável visita lá no meu canto, em artandkits.blogspot.com e conhecendo, estes dois maravilhosos espaços... que será um prazer imenso para mim, visitar!
    Já a seguindo igualmente, pois claro!!! :-D
    Um beijo imenso, agradecendo, uma vez mais, a sua gentileza...
    Ana

    ResponderExcluir
  24. Que ótimo, Tais. Encantado. Disse tudo é mais alguma coisa. Só o que tem por ai é gente assim, que confunde honestidade com grosseria, falta de educação. Quer dizer algo que está incomodando a nosso respeito, ser sincero, chame num canto, sem ninguém ouvir, saber, e diga em tom amigável, conciliador, numa critica construtiva. Falam assim com estupidez é ainda arrotam: - É o meu jeito! Jeito bom de mudar, sua peste arrogante, presunçosa! Vai procurar sua turma, cavalo batizado, rs. Adorei, Tais, finura de gente. Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rsss, oi Fábio, nunca vi você brabo!! Mas é verdade, dá uma vontade louca de destrambelhar e dizer tudo isso...
      Beijos, amigo. Tive de rir de você.

      Excluir
  25. OI TAIS!
    MAS BAH! EU ADORO TEUS TEXTOS, ME DÁS A OPORTUNIDADE DE DIZER COISAS QUE GOSTARIA DE O FAZER, MAS NÃO SOU TÃO "FRANCA" ASSIM, SENÃO, QUANDO ALGUÉM ME VIESSE COM ESTE PAPO DE VOU DIZER ASSIM PORQUE SOU "MUITO FRANCA" EU LHE DIRIA, SERÁ QUE NÃO SE ESCONDE AI UMA GRANDE FALTA DE EDUCAÇÃO?
    COMO SEMPRE TUA CRIATIVIDADE SURPREENDE.
    ABRÇS
    http://. zilanicelia.blogspotcom.br/

    ResponderExcluir
  26. Bom dia Tais.
    Como sempre você muito transparente, nunca ouvir você dizer que era franca ou honesta, a sua forma de ser, as suas cronicas mostram quem você é, com isso quero dizer que quem vive se elogiando e falando da propria honestidade, me deixa um pouco duvidosa. Não sou muito de julgar pelo o que falam ou aparência, observo muito as atitudes. Infelizmente vai e volta sou procurada para da conselho rsrs, para ser sincera é algo que não gosto muito de fazer, mas enfim a minha base para ajudar é falar se for algo construtivo, se na minha opinião as minhas palavras forem de fato ajudar, mas se achar que a melhor coisa é me calar, assim faço, e já ouvir, a outra parte zangada, você não vai dizer nada exclamou, era assunto sentimental e na minha opinião o namorado dessa pessoa não valia nada, como eu iria dizer a verdade, para ela se ofender, magoa-la, temos que saber qual o momento que o silencio como dizem vale ouro. Elogiei as verdadeira qualidade que ela tinha e disse apenas que ela merecia alguém que a respeita-se, enfim com um més ela terminou e está agora feliz. Temos sempre que manter o bom senso. Felizes dias para vocês. Enorme abraço.

    ResponderExcluir
  27. Querida Tais,

    Uma excelente Crônica que aborda muito bem, a diferença da
    franqueza com a da prepotência acompanhada da falta de
    educação e gentileza (esta quase extinta!...rss).
    Aprecio muito este seu senso de humor, o humor
    sempre possibilita caminhos novos no olhar.
    Apreciei muito a sua gentil visita e comentário. Grata!
    Bom feriado para você e família!
    Bjs.

    ResponderExcluir
  28. Obrigada Tais, pela presença no meu Blog. Gostei muito do texto! Concordo que precisamos ter cautela ao sermos franca, pois nem sempre o outro está preparado para ouvir. Concordo também quando fala do alardamento das virtudes. A melhor coisa é o exemplo e a ação. Não precisamos dizer que somos isso ou aquilo. Uma boa tarde! Abraços!

    ResponderExcluir
  29. Concordo plenamente Tais, devemos pensar antes de em nome da franqueza magoar alguém.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  30. Tais... A Natureza nobre é aquela que tem coragem de olhar nos olhos e dizer em poucas palavras de forma sutil aquilo que no seu pensar seja franco...
    Lembre-se, mais vale um minuto de franqueza e sinceridade do que cem anos de hipocrisia. Você não precisa provar os seus valores pra quem realmente ama você, afinal de contas, a melhor terapia para os sinceros é fazer dos hipócritas eternos ignorados !

    Confesso que toda vez que aqui venho, tenho vontade de comer cada uma das suas escritas, escritas as quais noutroras faz-me cativo aos seus contos...
    Deixo-te minha querida amiga, um feliz final de semana.... big bj em seu coração e um forte abraço nos demais do seu lar...

    ResponderExcluir
  31. Cuando alguien te avisa que va a ser franco está diciéndote que no le importará ser despiadado y que si se parara un momento a ser franco consigo mismo, tendría que reconocer que no lo sabe todo, que ni siquiera puede estar seguro con relación a sí mismo y que, en mi opinión, nadie tiene derecho a convertirse en juez de nadie. Hay opiniones tan "francas" que destilan desprecio. Está claro.

    Un tema lleno de interés y que nos afecta a todos. Saludos cordiales. Franziska

    ResponderExcluir
  32. Boa noite, querida Tais, tanta franqueza para quê, não é mesmo?
    Quantas vezes pedimos uma opinião, a qual esperamos ser um bálsamos ao nosso coração e acabamos sendo ofendidos, também por não esperarmos o que recebemos como resposta. Penso que a franqueza, na maioria das vezes não faz bem a ninguém.O bom é ouvirmos de um amigo(a), um conselho ou opinião com doces e simples palavras, que surtirão grande efeito emocional. Nota máxima! Beijos!

    ResponderExcluir
  33. Oi Taís, desculpe a demora.
    São pessoas mal amadas, que não podendo ou não querendo ver seu próprio umbigo, destila sua falta de * finesse * achando que sabem tudo. Pessoas educadas e ponderadas a gente conhece, dispensa a ironia e a falta de respeito com os outros e com elas mesmo, tornando-se futuramente insuportável e sem amigos.
    Fuja delas se não quiser se machucar. Só Deus sabe tudo.
    Beijos no coração
    Minicontista 2

    ResponderExcluir
  34. Há tanta maneira de se dizer a mesma coisa, não é? Por que ser grossa, petulante e dona da verdade?
    Parabéns, Taís!
    Beijão!

    ResponderExcluir
  35. Fez o blog em hora feliz! Jamais vi aqui, e creio que a afirmação sirva para muitos. nada que faltasse ao respeito com assuntos ou pessoas.
    Grande abraço, Taís. Siga o seu caminho!

    ResponderExcluir
  36. Boa abordagem Taís, desde pequeno que ouço estas bobagens da franqueza.
    Uma que ouvia que causa até arrepio: "deixei de ser branco para ser franco" via nesta uma revolta um trauma sem tamanho. E hoje creio que franqueza demais chega ser falta de educação mesmo. Já os "honestinos de plantão" estes acabam não o sendo escorregam e caem feio.
    Enfim moderação é vida saudável.
    Muito boa postagem.
    Abraços

    ResponderExcluir

PARA OS MEUS AMIGOS - SUA ATENÇÃO...

1 - Agradeço os comentários dos queridos leitores e amigos, sempre bem-vindos, um grande abraço a todos! Voltem sempre.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

Taís Luso