14 de junho de 2024

MADRASTAS E ENTEADOS

 

Mary Cassatt 1844 - 1926 / Pensilvânia


MADRASTAS E ENTEADOS

                            - Tais Luso de Carvalho

  

      Coisa rara de se ver é um bom relacionamento entre madrastas e enteados. Não que ambos não queiram, mas porque existe uma mãe e um pai biológicos, e que nenhuma criança abre mão. Se, entre parentes que são sangue do mesmo sangue, já é difícil uma harmonia em tempo integral, fico a imaginar alguém ser obrigada a conviver com os filhos da outra, ou do outro. E uma criança aceitar conselhos da madrasta.

Na teoria parece que tudo será resolvido no novo lar, que haverá harmonia, carinho e compreensão. Mas não é o que acontece na prática. Na prática, é encrenca! É desafio. Quando tudo parece andar mais ou menos bem, o relacionamento degringola entre a mãe biológica, a madrasta e o ex-marido, ou seja, o pai da criança. E a festa de antes, já não parece mais tão alegre. Existe sempre, por parte da ex-mulher, um amor-próprio ferido. Uma cicatriz que não fecha. Não importa quem saiu do relacionamento, mulher não perdoa.

Não estou dizendo nada que não se saiba, o dito popular já inventou a dura palavra para uma das partes: (ma)drasta! É uma palavrinha chula e horrorosa. Significa inclemente, pouco carinhosa. Quem vai mudar isso se até Manuel Bandeira, num de seus belos poemas, chora dizendo que até a vida lhe é madrasta! Difícil, não?

E a palavra enteado(a)? É difícil, é como se a criaturinha levasse um néon na testa mostrando que não é a filha do novo casal, e sim a intrometida, a sombra da "Ex" fiscalizando a vida do pai e levando histórias mal contadas para fora de casa. Leva e traz sentimentos feridos. Porém há exceções: deve haver muitas enteadas e enteados amadíssimos, e muitas madrastas diferenciadas, carinhosas. A enteada já tem na ponta da língua o que está em seu inconsciente: "você não manda em mim, você não é minha mãe, é a intrusa; quem manda em mim é o meu pai e a minha mãe!"

Isso, enquanto é ainda criança; na adolescência o relacionamento já fica mais pesado. Mais punk! E depois da troca de amáveis palavras, o barraco pega fogo. O que prometia ser um relacionamento "mais ou menos", ficou no menos. Mas cada caso é um caso. No geral é uma mixórdia nos sentimentos de todos. É difícil haver um certo equilíbrio nesse convívio nada natural. Nada é natural diante de uma família que não é a de origem.

A madrasta, por si, não terá muita paciência com os enteados que já vêm de cabeça feita; que estão mais pra bagunçar, pra peitar a atual mulher do pai.

A princípio, a madrasta entra numa relação cheia de amor pra dar, com o objetivo de conquistar a família, a empregada, o cachorro, o periquito e tudo que circunda a vida do atual companheiro; esmera-se em quitutes, passeios e sorrisos. Mas, ao mesmo tempo passa a apitar e a mostrar que, quem manda no pedaço é ela. Pode dar certo? E se a enteada morar junto? Só muito equilíbrio e paz familiar para superar inúmeros problemas.

A madrasta tem uma obsessão: reeducar os enteados. Por outro lado, os enteados acham que tudo o que vier da madrasta, será para o mal deles, para implicar, cutucar com vara curta. É uma das relações mais difíceis de contornar, pois envolve carências, frustrações, sentimento de traição, abandono, culpas, perdas e desamor de várias pessoas problemáticas, e na qual cada um quer resolver o seu problema. Envolve uma família desfeita, que foi pro brejo, que infelizmente não deu certo. E, quando não dá, talvez a separação seja o melhor, algo menos sofrido do que ver agressões entre os pais, onde as atitudes destemperadas e violentas certamente respingarão na formação dos filhos.

Ao meu ver, para tantos problemas entre madrastas e enteados só resta uma conversa franca e sem agressões no novo núcleo familiar. Ou uma terapia de apoio com um profissional da área. Cada caso é um caso. Talvez dê para apagar o fogo do barraco e salvar alguma coisa. Reconstruir algo melhor, uma convivência mais pacífica, deixar o coração falar. Deixar que a alma se vista de ternura, de tolerância, de compreensão e de amor, pois afinal, de que vale levar uma vida nessa amargura?

Quando se ama, vale tentar. Acredito que o amor supere todas as barreiras; uma incrível superação! Mas que valerá muito!



     - Editado:

47 comentários:

  1. Boa noite de Paz, querida amiga Taís!
    Você abordou o geral. Bem assim.
    Quanto às exceções, há pessoas que fazem de tudo para serem amadas e não é, muito pelo contrário, a preferência de outros filhos fica visível até a pessoa morrer e não poder falar maos mal dela.
    Em compensação, tem boadrasta que ama seus enteados como se fossem seus.
    O final da sua crônica é perfeito.
    Só o amor poderá fazer o milagre acontecer.
    Tenha final de semana abençoado!
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  2. Prezada Taís,
    No meu caso é ainda mais complicado. Pieter vivia como irmão e irmã com uma esposa frígida. Sendo católico romano, não se pensava em divórcio naquela época. Então, ele se concentrou na escrita e o mundo dos cogumelos lhe deve muita gratidão.
    O primo em primeiro grau de sua esposa frígida imigrou para o Canadá e teve três filhos. Ele era mulherengo e alcoólatra, então o casamento não durou. Ele teve os filhos por um fim de semana e comprou passagens aéreas com o plano de despejá-los em seus pais e irmãos na Holanda. Sendo a menina bebê de 1,5, dois irmãos de 2,5 e 3,5 viajaram sozinhos via Tóquio até Amsterdã, sob orientação de uma aeromoça. Fingiu ter esquecido o passaporte, mas nunca apareceu... A família não queria lidar com seus problemas. Então, um dos costumes, um amigo de Pieter, entrou em contato com ele. Quando a menina colocou os braços em volta do pescoço dele e gritou: Papai, papai, Pieter foi vendido. Mas ele não queria separar a família... Sua esposa frígida, no entanto, não queria ter nada a ver com meninos nem homens. Então, eles foram parar em um orfanato. Pieter ainda combinou de visitá-los regularmente para que pudessem ficar em contato e ele também teve o mais velho por meio ano, mas sua esposa era tão anti, que ele voltou para o orfanato. Na verdade, eram primos de segundo grau de sangue, para a ex. Pieter queria ficar nessa relação até que sua filha fosse para a faculdade. Ela reprovou dois anos, então demorou mais. Quando ele se divorciou dela, ela ficou com a casa, com móveis e antiguidades e um carro novinho em folha. Em vez disso, começamos tudo de novo, mas nos sentimos abençoados com o VERDADEIRO AMOR! Pagamos pela ex e também pela Royal Academy pela filha, sem nenhuma dedução fiscal, já que ela estudou fora dos EUA. Ela reprovou novamente um ano e fui eu que disse, vamos lá, vamos conseguir mais um ano com sacrifícios. E conseguimos! Pieter pediu benefícios conjugais para sua ex quando ele se aposentou, então ela recebeu metade de seu dinheiro da Previdência Social. Mais uma vez, um ato de amor e carinho, sabendo que ela nunca encontraria outro parceiro. Convidamos a filha e seu marido para Curaçao para o aniversário de Pieter em 2013 e pagamos passagem aérea, taxa de resort e comida. Eles voltaram, mas nunca nos avisaram que desembarcaram em segurança – muito menos um agradecimento! Pieter NUNCA ouviu nada dela em seu aniversário ou Dia dos Pais. Ela desfez amizade com ele no Facebook e também se desconectou no LinkedIn. Ela lhe causou muita dor. Além disso, ela não informou sobre o falecimento do ex de Pieter em 18 de dezembro de 2021. Só no dia 25 de outubro de 2022 ela nos avisou... Acho que esse era o plano, pois agora tenho que recorrer contra um pagamento a mais da Previdência Social 'no outro registro'. Isso pode ser chamado de FRAUDE! E que ato criminoso comigo no meu momento de dor. Ela só entrou em contato comigo depois de um mês... perguntando se eu estaria vendendo a casa e qual era o meu plano. Rezo muito para poder viver isto com a ajuda de outras pessoas que me ajudam neste Apelo. Não é justo que tentem reter esse dinheiro de mim e até agora não recebi meu benefício de viúva devido a toda essa bagunça. Que Deus me ajude e que o Pieter do céu também me ampare. Depois de todos esses anos de apoio financeiro, nós dois não merecíamos isso...
    Abraços
    Mariette
    P.S. a dor pós-acidente, pós-cirurgias é quase insuportável e o fator estresse adicional certamente não me ajuda!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Right will prevail.
      Don't give up and find people you trust to help you!

      Excluir
  3. Rogério V. Pereira20:03

    Boa crónica. Mas... (há sempre um mas...) há mães que são autênticas madrastas e há madrastas que são "verdadeiras" mães (hesitei em manter as aspas...)

    Beijo ao meu jeito

    ResponderExcluir
  4. Boa noite, amiga Taís
    Embora não sejam na totalidade, há muito boas relações entre madrastas e enteadas/enteados e vice versa. Como existem más relações. Como infelizmente, existem más relações entre pais/mães e filhos/filhas. É da natureza humana.
    Gostei desta crónica. Muito realista e sempre atual.
    Deixo os meus votos de feliz fim de semana, com muita saúde e paz.
    Beijinhos, com carinho e amizade.

    Mário Margaride

    https://poesiaaquiesta.blogspot.com
    https://soltaastuaspalavras.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Querida Tais, me encanto esta crónica, hay mucho de realidad en ella.
    Siempre es un placer leerte.
    Abrazos y besos, que tengas un feliz día

    ResponderExcluir
  6. Yo también creo que el amor supera todas las barreras. Te mando un beso.

    ResponderExcluir
  7. Como sempre, colocas bem a situação de madrastas e enteados.
    Acontecem as boas e as más e a nãoi aceitação, os ci´pumes, comparações atrapalham muito a relação do casal! Só mesmo muito amor na causa,rs... beijos, lindo fds!
    Que as chuvas prometidas não nos causem mais problemas,né?
    chica

    ResponderExcluir
  8. Há sempre Amor para dar. Umas vezes, manifesto. Outras, menos visível, mas igualmente presente. Conheço ambos os casos e, parece-me, os relacionamentos não são tão negativos quanto eram no século passado.
    Gostei do tema e da abordagem, Taís.


    Beijo,
    SOL da Esteva

    ResponderExcluir
  9. Muy realista tu escrito. Pienso que no siempre la madrasta es como en el cuento.
    Tiene que ser difícil la integración en la familia.
    Y, efectivamente, si existe amor sincero, todo irá mucho mejor.
    Te deseo un lindo fin de semana.
    Un beso.

    ResponderExcluir
  10. It's a complicated matter!
    Surely these children need a lot of love but if there are people who influence the children and the relationship (the exes), then they are harming their own children who will not be able to be happy!
    What can I say each case and different category!

    ResponderExcluir
  11. Sin embargo, cuando una pareja no tienen hijos y consuguen adortar un niño de pocos meses, la relación entre padres e hijos funciona perfectamente.
    Feliz domingo.

    ResponderExcluir
  12. Querida amiga Taís,
    Meu “post” no ®DOUG BLOG sobre madrastas também é um dos mais lidos e comentados.

    https://blog-dougblog.blogspot.com/2021/02/a-vida-esta-sendo-madrasta.html

    E dada a “vida madrasta”, no sentido pejorativo da palavra, que todos os gaúchos ainda passam, relembrar este “post” traz um sopro de criatividade que, se colocado em novas palavras, trará lágrimas.
    Um beijo e se cuide-se bem!!!

    ResponderExcluir
  13. Olá, Taís
    Mas olha, você quase escreveu um tratado científico sobre essas figuras tão presentes e marcadas em filmes e na literatura. E claro, na vida real de muita gente.
    Certamente nunca é fácil crianças e adolescentes ter que conviver com madrasta ou padrastos; é uma relação difícil de acontecer mas acontece.
    Não sei se é impressão minha mas acho que antigamente essa relação era mais difícil do que hoje, já que atualmente é tão comum casais com filhos se divorciarem e se casarem outra vez.

    Abraços, bom domingo.

    ResponderExcluir
  14. Ahora esa relación puede ser peor al vivir madre biológica y nueva mujer del padre ya que la biológica puede influir en los hijos. Pero la palabra madrastra viene de épocas en las que el padre enviudaba y se volvía a casar y como nos dices podía haber buenas relaciones entre madrastra e hijos del marido o no. En ocasiones como también nos dices la edad podía influir.
    Las relaciones entre hijos de una mujer y nueva pareja o marido tampoco están exentos de polémicas ya que también existe la palabra "padrastro".

    Saludos.

    ResponderExcluir
  15. Querida Tais , sua crônica aborda com profundidade e sensibilidade as nuances das relações entre madrastas e enteados. Destaca muito bem a importância do diálogo aberto e da terapia como possíveis caminhos para a harmonia familiar. É um texto que certamente gera reflexão sobre os desafios enfrentados por famílias recompostas. Gostei imenso. Grande beijo!

    ResponderExcluir
  16. Olá, amiga Taís
    Passando por aqui, relendo esta excelente crónica que muito gostei, e desejar uma excelente semana, com tudo de bom.
    Beijinhos, com carinho e amizade.

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com
    https://soltaastuaspalavras.blogspot.com

    ResponderExcluir
  17. Ah Tais, aí você tocou num vespeiro amiga.
    Uma relação que se apresenta sempre conturbada. Sem generalizar sabemos o quão complexo torna-se esta convivência sob mesmo teto. Mas sua crônica descreve bem como esta coisa pode ser gerenciada. Talvez creio que seja melhor o apoio de profissionais mesmo.
    Bela partilha Taís.
    Uma semana iluminada para vocês.
    Bjs de paz amiga.

    ResponderExcluir
  18. Tinha um colega de curso que só soube que vivia com a madrasta (a mãe morreu muito nova) alguns meses depois de a conhecer.
    Eles até eram parecidos fisicamente!
    Mais tarde, um padrasto - muito melhor relacionamento com a filha do que a própria mãe.
    Esses deviam ser o exemplo.
    Beijo, boa semana

    ResponderExcluir
  19. Cada caso é um caso como diz nesta sua reflexiva crónica. Não é fácil ser madrasta. Não é fácil ser enteada. Mas se houver amor (e tantas vezes não há) tudo se resolve. Conheço casos em que deu certo.
    Tudo de bom, minha Amiga Taís.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  20. Taís!
    Hoje passando só para
    desejar ótima nova semana!
    Quanto ao texto, vou reler
    e volto para deixar meu comentário.
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
  21. Olá, Taís.
    Com a encantadora literalidade de sempre,
    você traz à luz um tema bastante interesssante
    e, sobretudo, dos mais reflexivos.
    O relacionamento em pauta, sem dúvida, não é
    fácil e requer muita compreensão, amor e respeito.
    Os seus últimos dois parágrafos retratam de forma
    irretocável os ajustes que precisam ser tomados para
    a perfeita harmonia nesses lares e que sempre será
    possível se, de fato, houver o sentimento amorável que
    a tudo vence.
    Fique com meu carinho e meus aplausos por mais essa
    crônica que deve ser lida pelo maior número possível de
    pessoas.
    Afetuoso abraço.

    ResponderExcluir
  22. Ei, querida.
    Curti muito a sua abordagem, mas sempre tem um mas, tanto para justificar os fatos, ou para justificar o injustificável, ou até mesmo nessa relação quando nada disso acontece e é amor desde o início, sem problemas ou encrencas, e existe também, e aos montes. No entanto, gostei muito da forma que pontuou quando nem tudo são flores.
    Beijo, beijo, queridona.

    ResponderExcluir
  23. Infelizmente, tenho experiência própria no tema.

    Só deixo uma exemplo da actual esposa do pai do meu filho : " Cada vez que ele der 100 euros ao F. tem que dar 200 ao nosso filho." .

    Nunca percebi a lógica da criatura, mas também não nunca existiu motivo para a sua preocupação, porque o meu ex marido jamais deu fosse o que fosse a F, nosso único descendente. Aliás, assumiu em Tribunal, face ao juiz , que se esquecera dele.

    Abraço, minha querida amiga, boa semana.

    ResponderExcluir
  24. Querida Tais, como sempre, um tema pertinente, já que, hoje em dia, há imensos enteados, madrastas e padastros. Os divórcios são muitos e acontecem com casais jovens que voltam a procurar novo relacionamento dando origem a familias onde a convivência se torna complicada. Tenho uma afilhada que se casou e o marido já tinha duas menininhas gémeas, mas ela ainda não teve nenhum filho; conheço outra jovem que foi mãe há um ano, mas é madrasta de dois meninos já beirando a adolescência ; encheria esta página só de casos que conheço, então, imagina o que por aí vai... uma verdadeira confusão que nem sempre dá certo. Tenho pena das crianças, primeiro por sofrerem muito com a separação dos pais e depois por terem de andar de casa em casa, onde as normas, claro, são diferentes. É preciso muita compreensão de parte a parte, mas creio que , mesmo assim, as crianças sofrem sempre. Tenho alguns casos na família e digo-te que houve alguns problemas enquanto os filhos foram crianças; agora, já jovens adultos, a paz reina, embore se note neles alguma mágoa...há factos que deixam marcas...
    Amiga, desculpa a minha ausência, mas sabes...a disposição nem sempre é boa e a vontade de escrever desaparece. Com certeza que me entendes
    Deixo-vos muitos beijinhos e os meus desejos de que tudo esteja a melhorar aí no teu estado e que a alegria volte, pelo menos à tua casa. Sei que é dificil perante tanta desgraça, mas há que tentar, não é verdade?
    Emilia 🙏 🌻


    ResponderExcluir
  25. Bom dia, Taís
    Crônica muito interessante, nos dias atuais acontece muito esse tipo de convivência familiar entre madrastas e enteados, acredito que o amor e o respeito precisam fazer parte da relação, para que os mesmos vivam em paz, e muitas vezes, não é fácil, um forte abraço.

    ResponderExcluir
  26. Boa tarde Lais
    Uma crónica coerente e muito interessante.
    Você focou todos os problemas inerentes à situação.
    Há situações em que se consegue levar tudo em harmonia, mas é muito complicado.
    E já agora, eu não gosto da palavra madrasta/Padrasto, enteada/o, não soa bem e parece depreciativo, mas isto é cisma minha.
    Tenha uma boa semana.
    Um beijo
    :)

    ResponderExcluir
  27. Essa crônica é daquelas que mexe com quem por destino é também enteada ou madastra_ hoje é tão mais comum, os casamentos são rápidos terminan e ja estão com outra mãe a tiracolo.Os filhos que se lixem, porque logo chega outros irmãos...
    e assim segue a parte dificil _ os relcionamentos. Perdi a minha mãe e tive madrasta Tais , meu pai com cinco filhos pequenos ( eu com 7anos) , imagina _ precisava casar e demorou arranjar alguém que quisesse tantos filhos ! em dois anos tivemos muitas babás , arrumadeiras e sabe-se mais o quê. A minha infância sumiu da memória _ não lembro de bonecas e muito menos de carinho.Quando casou , foi um alívio porque tínhamos alguém definido.E veio mais dois filhos para completar...
    Tivemos sorte porque era professora e fomos muito bem educados.Mas sem abraços e festinhas de aniversário. Lembro que tinha inveja quando ouvia as amiguinhas chamar as mães de mamães, comigo era senhora pra lá senhora pra cá... mais fria impossível . E era proibido perguntar sobre minha mãe que fatalmente , havia perdido tão abruptamente.Não havia desarmonia, havia sigilo e alguns ciúmes que era contornável. Ciúmes do pai, sabe/
    Já partiram para Deus e nunca me esqueci da fala constante dele_ 'engole o choro, filha' ,e ando engolindo até hoje ,amiga . Essas palavras madrastra enteada não me dizem nada _ faltou o carinho de mãe que o pai não soube administrar entre os que chegaram depois. Acho que sou ciumenta ,desde então. Mas, salvaram-se todos! Lembranças, Taís, lembranças( escrevi muito)
    Retornnando hoje aos meus amigos e com saudades de todos.
    beijinhos e bons dias, de preferência com algum sol ok?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amiga querida, fiquei emocionada com esse teu relato,
      consegui imaginar as coisas, sim.
      Fica com meu carinho, minha admiração!
      Uma boa semana, beijinho, obrigada por esse relato que muitos vão ler, emociona muito.
      🙏🌹🌻🙏💛

      Excluir
    2. Quando se trata de família sempre nos emociona ,Tais
      Obrigada pela admiração e carinho.
      É recíproco_ suas crônicas bem humoradas tem sempre pedacinhos que fazem-nos refletir sobre a vida cotidiana e quando nos pega sensível ...
      escrevemos mais e deixamos transparecer também o que sempre queremos esconder _as emoções.. Grande ,grande abraço .

      Excluir
  28. Querida Tais, que tengas un bonito día.
    Abrazos y besitos

    ResponderExcluir
  29. Olá querida Taís!

    As posições de madrasta e enteado são dificílimas! Sucedem-se de um passado pouco profícuo e isso não ajuda a que comece bem. Mas sim! Tudo se resolve melhor através de uma boa e franca conversa. Se forem duas pessoas de bom coração, acredito que seja tudo bem mais fácil 😊

    Abraços e um excelente fim de semana para si 🤗🤗

    ResponderExcluir
  30. Puxa, uma crônica superlegal, Taís!
    Dificilmente encontramos relacionamentos bons e saudáveis nessa situação que apresentou. É preciso mesmo sabedoria e fibra para que haja uma compreensão e laços de ternura de todos os lados.
    O meu abraço. Creio que gostará de apreciar o pôr do sol no Vida & Plenitude...

    ResponderExcluir
  31. Tais, tudo aquilo que expões está na linha daquilo que percebo, não chegando a viver essa situação, mas observando de perto.
    Não deixa de ser a intrusa e como tal nunca será bem vinda, ainda que se possa chegar a um certo grau de bom entendimiento.
    Forte abraço de vida

    ResponderExcluir
  32. Olá, amiga Taís
    Passando por aqui, relendo esta excelente crónica que muito gostei, e deixar os meus votos um feliz fim de semana, com tudo de bom.
    Beijinhos, com carinho e amizade.

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com
    https://soltaastuaspalavras.blogspot.com

    ResponderExcluir
  33. Olá Taís
    Como sempre gostei imenso da sua crônica.
    Perdi meu pai muito cedo e minha mãe se casou novamente.
    Nunca tive problema com o meu padrasto. Ele foi um pai para mim.
    No meu caso deu tudo certo.
    Tenha um abençoado fim de semana, querida.
    Um beijinho carinhoso
    Verena

    ResponderExcluir
  34. É bom reler e relembrar o conhecimento dos casos conhecidos. Mantenho o pensamento anterior de casos bons e dos menos bons, mas que resultaram em "gente" que (agora) se penitencia e tenta compreender.

    Beijo,
    SOL da Esteva

    ResponderExcluir
  35. Es un tema complicado por los sentimientos encontrados por parte de ambos, de cualquier forma pienso que si el adulto es capaz de enfocarlo desde la comprensión y el amor puede resultar, pero deben poner de su parte las dos partes
    Es triste, y una pena que pasen estas cosas, sobre todo pensando en el menor
    Un tema profundo Tais
    Un abrazo inmenso amiga

    ResponderExcluir
  36. Olá Taís ;)
    Bom chegar aqui para a ler.
    Um assunto muito tocante .
    Nos tempos que correm com tantos divórcios acontece muitas vezes grandes dramas.
    Mas quando existe vontade que dê certo, carinho, paciência e respeito, pode ficar tudo mais fácil.
    Às vezes até acontece as madrastas//padrastos serem melhores que os próprios pais,
    Agradeço o seu cuidado pelo estado de saúde do meu maridU.
    Vai indo devagarinho.
    Gosto muito de a ver no Parapeito ,
    Abraço e brisas doces ****

    ResponderExcluir
  37. Olá, amiga Taís
    Passando por aqui, para desejar uma feliz semana, com tudo de bom.
    Beijinhos, com carinho e amizade.

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com
    https://soltaastuaspalavras.blogspot.com

    ResponderExcluir
  38. Fui enteado e, por isso, tive uma madrasta. Mas como o meu pai era viúvo, tudo correu muito bem, diria que na perfeição.
    Mas quando tudo acontece após um divórcio, as coisas ficam mesmo complicadas.
    Magnífica crónica, gostei de ler.
    Boa semana querida amiga Taís.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  39. Querida Tais,
    Uma relação familiar já é deveras complicado, imagina ter uma "intrusa" fazendo parte dessa caótica relação? Sabemos hoje que as famílias atuais não duram muito tempo juntas, o amor acaba, as brigas acontecem e a separação é a solução. Mas todo mundo quer reconstruir a sua vida e aí uma nova mulher entra na casa dessa família já com os filhos da relação anterior, é muito complicado essa mulher ser aceita de cara, assim como o inverso também, o padrasto ser aceito pelos filhos. Só com muita conversa, empatia, talvez terapia as coisas possam dar certo, de outra forma a vida da família se tornará um inferno. Belo texto e ótima reflexão minha querida amiga, família é mesmo complicado!
    Um beijo!

    ResponderExcluir
  40. Bom dia Taís,
    Como sempre uma magnífica Crónica focando um assunto, infelizmente, tão atual.
    Cada vez há mais separações e as crianças são as principais vítimas.
    Semana com pai, semana com mãe, entretanto novos irmãos, as madrastas, os padrastos.
    Só com muita educação, amor e entrega, se poderão entender todos, como felizmente ainda vai havendo estas excepções.
    Beijinhos e continuação de boa semana.
    Emília

    ResponderExcluir
  41. Olá Taís
    Nunca tive essa experiência. Acho que por vezes é uma tristeza.
    Tantas vezes ouvimos falar de situações catastróficas nesses relacionamentos!
    Mas também existem alguns que se deram nem.
    O importante é ter uma relação de amizade entre ambus.
    Um abraço e boa semana.

    ResponderExcluir
  42. Querida Tais que tengas un hermoso dia.
    Abrazos y te dejo un besito

    ResponderExcluir
  43. Olá, o amor sempre dá força, é um antídoto para tudo. Você levantou um tema maravilhoso. Com os melhores cumprimentos!

    ResponderExcluir
  44. Bom dia. Um tema bem complexo, na terapia de família são muitos os casos, tendo em vista que, atualmente, os cruzamentos são muito maiores. Nos (re)casamentos, alguns trazem seus filhos de ambas as partes para o convívio. Mas há possibilidades se o amor e a dedicação para se dar acerto forem prioritários. Bjsss Bom final de semana.

    ResponderExcluir


Muito obrigada pelo seu comentário
Abraços a todos
Taís