7 de junho de 2010

FALAR DE AMOR NUNCA É DEMAIS


- tais luso de carvalho


Hoje estou a fim de falar de uma amiga: falar de sua posição corajosa diante da vida. Ela segue a doutrina espírita. Perdeu marido, mãe e filho em dois anos. E é incrível sua força, sua calma, seu equilíbrio. O ser humano, quando bastante espiritualizado, aceita a vida e vive sem lamentos. Diria que esta minha amiga consegue monitorar seus pensamentos, seus sentimentos e suas atitudes.

Ouvi dela que, se seus pais, marido e filho (já falecidos), pudessem retornar à vida, certamente o convívio seria diferente. E eu também estou, há muito, pensando nisso.

Quando perdemos alguém próximo, e que por atitudes neuróticas, por vaidades ou por orgulho passamos a vida às turras, nada mais a fazer do que sentir uma grande dor por não termos modificado a situação ainda em vida.

Então por que - com eles já mortos - pensamos que o convívio seria diferente? Por que nossas atitudes no passado tomam outra dimensão agora? Por que será que nossa mente se fecha enquanto estamos todos ainda vivos?

Então perguntei à minha amiga o porquê de tantas lembranças? Ou rezar pra modificar o quê? Pro falecido ficar numa boa, num suposto paraíso?

Qualquer resposta se torna difícil; a maioria acredita na força da fé. Acreditam porque é um dogma da igreja, e dogma é um ponto indiscutível: ou se crê ou não se crê. Respeito todas as religiões, mesmo porque o ser humano precisa acreditar em algo para dar sentido à sua vida senão fica difícil de carregar a tal cruz.

O papo com a minha amiga foi tomando rumos diferentes, foi entrando para o caminho da saudade, das lembranças, das supostas culpas.

Quem disse que a vida seria um paraíso? É difícil alguém conviver com o diferente do outro. Em vida é aquela neurose coletiva; ninguém se dá com ninguém. Porém, as criaturas morrem, e então tentamos por todos os meios uma comunicação através de orações, visões, cartas psicografadas... Interessante como procuramos algum sinal, algum paradeiro de seus espíritos. É a tal coisa: mudam-se os tempos, mudam-se as vontades...

Mas, contudo, dá para concluir algo de suma importância: precisamos cuidar de nossas futuras emoções, fazendo certas coisas ainda em vida. Certas manifestações que preencham as lacunas de nossas carências afetivas. E afetos a gente lapida. Mas ainda em vida.

Eu gostaria de ter dito e ouvido de meus pais - antes deles perderem a lucidez e partirem – o tanto que fui amada e que os amei! Disse em pensamento, com nossas mãos entrelaçadas, mas eu gostaria que fossem as últimas palavras a serem trocadas por nós... Mas demoramos um pouco, além da hora: eu deveria ter percebido que falar de amor nunca é demais: é a maior dádiva... Mas ainda em vida!

E minha amiga concordou: descobrir a hora certa depende do nosso grau de humildade e da nossa grandeza. Depois fica apenas o nada.

32 comentários:

  1. Minha amiga Tais, como leveza e com simplicidade, desta vez vc discorre sobre os labirintos em que andamos em vida, nos escondendo de nossas emoções, esquecendo de dar um abraço sem motivo aparente, (a gente não pensa hoje na saudade que um dia sentirá), ocultando um elogio, calando um pedido, guardando pra depois um gesto, um afago, um olhar mais demorado...

    Concordo contigo, falar de amor nunca é demais, não é piegas, não desmerece ninguém. A gente precisa é aprender a ser amável, para ser amado. Precisamos falar, mesmo que não haja retorno, atender nossa vontade interna.

    Beijo carinhoso, de alguém que não tem tido pudor em dizer que admira, quer bem, e adora te ler. Preciso dizer o que sinto "agora", pq "depois fica apenas o nada."

    ResponderExcluir
  2. Sempre fazemos o que damos conta, no momento mesmo de cada ação. Mas se depois, o que fica é o gosto amargo do que faltou, quando não se pode mais recuperar, resta ainda, também, a lição para outros momentos semelhantes. E cabe a nós a atenção a esses momentos, pois a vida é costuma ser muito mais dinâmica do que os nossos planos e cuidados, e nos cabe também sustentar a lição na lembrança, para darmos conta no momento que precisarmos dela.

    :)

    Um abraço, Tais.

    Veronique

    ResponderExcluir
  3. Belíssima reflexão, lindona!
    Não consigo ficar longe de você!!!
    Vim matar as saudades!
    Vou ficar esperando a sua visita!!!
    Tenha uma ótima terça-feira!
    Bjkas, muitas!
    Sônia Silvino's Blogs
    Vários temas e um só coração!

    ResponderExcluir
  4. O amor nunca é demais.
    Um grande abraço, Taís.

    ResponderExcluir
  5. Perfeitas palavras! Fica a mensagem, pra gente meditar!
    Bjoo!

    ResponderExcluir
  6. Expressar sentimentos sobre essas coisas da existência é como um báslsamo para quem quer entender signos da vida, procurar o seu lugar no mundo e se inteirar com o outro e com a natureza tal como fomos criados originalmente. Talvez o afastamento disso tudo , do sentido primordial nos tenha privado de necessidade de fazer algo sem esperar outro algo em troca. Somos produtos de um sistema de recompensas, só agindo para o bem se tivermos algo que premie as nossas atitudes, mesmo que não seja algo material. Então, querendo encontratr uma felicidade aqui nessa terra, o momento de fazer coisas com amor e nunca deixar de falar dele é aqui e agora e todo dia. Linda crônica, Tais! Abraços. Paz e bem.

    ResponderExcluir
  7. Dizer que a gente ama a família é importante.

    Belo texto.

    Beijo,
    Vanessa

    ResponderExcluir
  8. Taisamiga

    Que belo texto! Mais um. Como sabes, além de não acreditar em religiões e ser um iconoclasta, sou também, um malandro, creio que mais ou menos bom...

    Dito isto, passo a transcrever-te, para mastigar bem o que escreves e saborear o gosto que tem. Um pouquinho, apenas.

    «... certas manifestações que preencham as lacunas de nossas carências afetivas. E afetos a gente lapida. Mas ainda em vida.
    (...) mas demoramos um pouco, além da hora: eu deveria ter percebido que falar de amor nunca é demais: é a maior dádiva... Mas ainda em vida!»

    Pois é minha querida: falar de amor nunca é demais.

    Abs ao Pedrão e bjs para tu

    ResponderExcluir
  9. Nossa, Tais! Que tema, hein? Além de excelentemente abordado por você, é muito oportuno. Alás, é e sempre será muito oportuno, visto que sempre haverá pessoas sofrendo por terem perdido algum querido; um querido que tratavam mal, que nunca disseram as palavras de amor que deveriam ter dito, que deixaram com uma última e dura palavra...

    A morte é um mal irremediável, e como já falei, o meu tema recorrente. Não aceito e não sei lidar com a morte!, essa vilã cruel e maligna, que leva nossos queridos embora, de repente.

    Uma coisa que nunca mais fiz: deixar as pessoas com uma última lembrança de briga ou de casmurrice. Nunca saio ou deixo sair alguém que amo com um mal-estar. Afinal, a gente nunca sabe se não será aquela partida, a partida derradeira, a hora da despedida final.

    bj, Tais

    Cesar

    ResponderExcluir
  10. O texto é magnífico. Eu sou destes que nunca desperdiça a oportunidade de dizer a quem eu amo o quanto eles são importantes. Falo eu te amo com verdade e como quem dá bom dia.
    Sou cético em relação a vida pós morte ou algum tipo de paraíso depois desta vida.

    ResponderExcluir
  11. É preciso amar as pessoas como se nao houvesse amanha...porque um dia a gente pode acertar, ne? Adorei o texto, reconheço que ja deixei muitas oportunidades passarem...tomarei providencias quanto a isso...rs...bom, para parar pra pensar sobre isso...Obrigada pela reflexão!

    ResponderExcluir
  12. Olá Taís,

    Eu não sou muito de demonstrar meu apego com palavras.
    Mas sou carinhosa nas ações.Sou presente na vida de meus pais, filhos, marido. Digo até que muitas vezes me anulo pelo bem-estar de todos.
    "Sou pau para toda obra", sou forte e apesar de nem sempre viver minha agenda. Tenho um humor elevadissimo.
    Demonstro meu amor muito mais com ações do que com palavras.
    Um abraço,
    Dalinha Catunda

    ResponderExcluir
  13. É como diz o ditado: "As pessoas só dão valor as coisas quando as perdem." Portanto, se queres agradar alguém, agrade-o enquanto estiver vivo, para depois, não chorares o leite derramado.

    Belo texto minha amiga, profundo e verdadeiro.

    Beijos pra ti e para os teus.

    Furtado.

    ResponderExcluir
  14. Concordo com você quando diz que "Falar de amor nunca é demais"

    Um texto lindo e muito bem conduzido.

    Beijos amorosos (rsss).

    ResponderExcluir
  15. Depois, penso nisso; depois, eu digo; depois, abraço; depois, eu vejo; depois, me desculpo; depois, converso...

    Nessa era de tanto imediatismo quem quer perder tempo colocando em dia os sentimentos com marido, mãe, filho, irmão, amigo?... Vai-se deixando tudo para depois como se todos fossem eternos.

    As questões afetivas não podem esperar... O "depois" pode ser o triste fim da linha para quem vai... E para quem fica, - remoendo, sofrendo pelas tantas vezes que pensou mas não fez na hora certa, - leia-se, imediatamente - o que deveria ter feito. A morte desconhece qualquer depois... A morte não espera.

    Bela reflexão, Taís!

    Bjs, minha querida. E inté!

    ResponderExcluir
  16. Tais.

    Caraca... foi muito bom ler teu comentário sobre a história do REX. Eu fui muito criticado por não tê-lo tratado com veterinário e outras coisas. Mais eu disse uma coisa que passou despercebido. Aquele cachorro era de rua. Nunca foi meu. A partir do momento em que ele saiu pela primeira vez na rua e sentiu o gostinho da liberdade, foi duro mantê-lo preso e como eu disse, ele escapava por debaixo do portão. Era um selvagem, um guerreiro de alma e força. Grande cão. Sinto muita saudade dele.

    Até pouco tempo atrás minha vó tinha uma foto dele no meu aniversário de 13 anos. Não sei se ainda tem. É o único registro fotográfico dele. O dia que ela abrir o baú novamente eu vou perguntar.

    Beijão linda.

    ResponderExcluir
  17. ******************************
    Boa noite!!!
    Taís, minha querida!
    Vim deixar-te uma beijoca
    e um abraço com saudades!
    Sônia Silvino's Blogs
    Vários temas, um só coração!
    ******************************
    SIMPLES

    Quando tudo na vida
    perde um pouco o encanto,
    quando os problemas se avolumam
    dando vazão ao desânimo,
    faça silêncio íntimo e deixe falar
    a voz profunda, nosso Deus interno.
    Para toda adversidade
    sempre haverá uma solução...
    Todas as respostas estão dentro de nós
    à espera de que as procuremos,
    porque tudo nos foi dado pelo Criador
    para que vivamos com simplicidade e fé,
    alicerçados no bem e no otimismo
    que a tudo contagia...
    Não precisamos complicar a vida
    para vivermos com dignidade e sabiamente...
    Pois a vida é demasiadamente simples
    para aqueles que carregam o brilho do amor no olhar!

    Denise Flor©
    ******************************************************
    Meus blogs te esperam cheios de novidades!

    ResponderExcluir
  18. Tais, que texto mais lindo e sábido.
    Falar de amor, e das pessoas que amamos, independente de estarem entre nós fisicamente, nos faz mais humanos e melhores.
    Adorei passar aqui.

    ResponderExcluir
  19. Tais,sem palavras....Sou sua fã de carteirinha,vc sabe.
    Mas,hoje voim tbem lhe fazer um convite..rsr


    Amiga Tais Luso
    Vim aqui lhe convidar
    O Arraial tá pronto
    Só falta você chegar.

    Para isso é necessário
    O endereço abaixo acessar
    http://emilinhadabahia.blogspot.com/
    Com toda a minha alegria
    Estarei a lhe esperar.

    Tem pamonha, milho verde
    Quadrilha pra quem quiser
    Muita música...pau-de-sebo
    Apareça..venha ver...

    Um abraço da Emilinha

    ResponderExcluir
  20. A Doutrina Espírita nos consola, porque entendemos que a morte não existe. É apenas uma passagem para outra dimensão. Não é porque não mais vemos nossos queridos que partiram, que eles não existem. Beijos.

    ResponderExcluir
  21. Como a gente espera o momento certo prá falar de amor, hein?! Por que isso?! E depois os arrependimentos...
    Qdo vamos aprender, né?!
    Bjão... adorei passar por aqui... vou voltar mais vezes :)

    ResponderExcluir
  22. Compartilho dessas mesmas dúvidas;e se outras palavras tivessem sido ditas, e se algumas situações tivessem sido diferentes,e se...Acredito que procuramos respostas após vida porque nos angustia sabermos que assuntos ficaram inacabados.
    Me consolo com a certeza de que sim, alguns fatos/atos ficaram perdidos na intenção, mas outros tantos milhares se concretizaram e se não foram de todo positivos, ao menos carregavam esse intuito e, existiram. Quantas pessoas nem tiveram a oportunidade de acertar ou errar nos interelacionamentos com os seus?
    Pontual reflexão, Tais,
    Abraços,
    Calu

    ResponderExcluir
  23. Tua crônica/reflexão ficou maravilhosa! E deve ser triste quando o que resta é apenas o nada...beijos,lindo fim de semana,chica

    ResponderExcluir
  24. Se você tem alguém especial;
    ame-a com todas as foças,
    não deixe pequenas coisas interromperem sua felicidade,


    Se você tem alguém especial;
    Diga a ele que você o ama,
    que sente sua falta quando longe ele está,
    que você se sente bem com a voz e alegria dele.

    Se você tem alguém especial;
    neste dia diga isso, faça isso, mesmo que por um dia, seja e faça alguém se sentir especial.

    Feliz Dia dos Namorados!

    Fim de semana de luz.

    beijooo.

    ResponderExcluir
  25. oi tais,
    que linda lição de vida!
    e uma reflexão para se pensar.
    sou sua fã fico encantada ao vir aqui.
    obrigada por tudo isto.
    lindo final de semana..
    volto na segunda-feira.
    bjos com carinho.

    ResponderExcluir
  26. È verdade,acho que a gente deve falar bastante e estar disponível ao universo fazendo o movimento a nosso favor. A intensão deve ser a correta.Viver o que o dia oferece e aceitar as diferenças e nossas limitações para podermos mudar e nos entregar de fato a vida com mais amorosidade. Adorei todo o texto. Montão de bjs e abraços
    Elaine Barnes

    ResponderExcluir
  27. Sabe Taís, esse sentimento foi plantado em mim a algum tempo. E sua Crônica me lembrou um pregação evangélica do Pastor Neil Barreto - "A sociedade dos amores Póstumos" - Ele comentá sobre o impacto da morte de Michael Jackson.
    Parafraseando o Pr. Neil e Mário Quintana eu diria - Se tu me amas não me ame póstumamente - Muito boa sua crônica Taís.

    Bjs!

    ResponderExcluir
  28. Tais,
    Li esse texto no sábado, mas quando fui comentar a página travou e não tive como postar. Viajei em seguida, mas fiquei com suas palavras e as de sua amiga martelando na cabeça. Quando cheguei em Maceió, pedi computador e internet ao amigo que me recebeu. Estava ávido por comentar esse post.Não foi possível. A razão de tantos comentários deve-se a muitos motivos, mas, sobretudo, ao fato de que todos nós, indistintamente, já passamos por situação parecida. Do porvir ao ocaso, chegam-nos oportunidades únicas para manifestar um carinho ou um pouco de afeição. Na maioria das vezes, deixamos de dizer a palavra essencial ou de dar o abraço que aconchega e fortalece. De repente, tudo torna-se passado e entra para aquela condição do nunca mais realizável. E por mais que saibamos disso, repetimos todos os dias o mesmo programa e vemos a vida ficar mais pobre e cinza. Lindo post! Abraço.

    ResponderExcluir
  29. Oi, LUCIANO, não poderia deixar de agradecer, também, teu comentário, cheio de verdades e sabedoria.
    Obrigada pela vontade, mesmo viajando, de querer comentar o texto. Valeu, amigo.

    bjs
    tais

    ResponderExcluir
  30. Oi Taís, acabei de ler seu post, e garanto que foi Deus que me fez vir aqui hoje para ler e refletir a respeito. Perdi meu irmão assassinado ja ha quase dois meses, e não escondo que ainda to "juntando meus caquinhos" pois a dor e a saudade ainda é intensa, mas ao ler o que escreveu me fez renovar mais meu sentimento, e uma coisa que sempre agradeço a Deus é que em cada oportunidade que eu tive de dizer a ele o quanto eu o amava, eu o fiz. Acho muito importante demonstrar afetos verdadeiros enquanto as pessoas estão aqui para ouvir e sentir, por isso nunca exito em falar o que sinto, especialmente de bom as pessoas que me são muito queridas. Pode parecer meio antiquado para a maioria, mas todos os dias eu tenho o hábito de ir a casa de minha mãe (especialmente agora que moramos próximo), só para abra,a-la, a ela, meu pai e meus outros irmãos só para dizer o quanto são importantes para mim, ai sim, consigo começar meu dia. Amo abra,ar, desde criança, alguns ja me disseram que eu devo ser muito carente, mas é um gesto natural que trago comigo, se é carência? Não importa, para mim demonstrar bons sentimentos nunca é demais. Inclusive sinta um abraço bem apertado e cheio de afeto, que Deus te de muita paz, e vc continue iluminando nossos dias com suas crônicas tão sábias e que ajudam a repensar certas coisas. Fica em paz. Bjos.

    ResponderExcluir
  31. ARTE E ARTESANATO: muito obrigada, amiga, um grande beijo e meu carinho para alguém que não é carente, mas muito humana e linda de coração.

    tais

    ResponderExcluir
  32. A gente não tem tempo para recuperar um chance perdida, mas podemos tentar mudar nosso comportamento apartir de hoje...

    Fique com Deus, menina Tais Luso.
    Um abraço.

    ResponderExcluir

PARA OS MEUS AMIGOS - SUA ATENÇÃO...

1 - Agradeço os comentários dos queridos leitores e amigos, sempre bem-vindos, um grande abraço a todos! Voltem sempre.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

Taís Luso