8 de setembro de 2016

QUE SOCIEDADE ESTRANHA...




                    - Taís Luso

É estranho como existem criaturas absurdamente insaciáveis, primam pela ostentação a qualquer custo. Depois aparecem os desgastes emocionais com todas suas variantes. E a obsessão em estar na ‘vitrina social’ é um vício. Estranho vício.
Enquanto uns vivem na vitrina, outros sentem-se desconfortáveis e amedrontados ao serem testemunhas de tantas tragédias e brutalidades. Testemunhas de vidas arrancadas, de manobras corruptas que se alastram cada vez mais nas sociedades, falo mais especificamente da sociedade Brasilis.
Difícil fazer vista grossa e seguir a vida em tons de rosa, como se o medo não nos atingisse. E quando uma vida se apaga, em sopros de agonia, as coisas viram um prato cheio para nossas inquietações.
Gostaria de povoar um lugar onde a vida acontecesse sem interrupções bruscas. Sem incidentes de percurso. E morrer de velhice. Em suave despedida.
Há muitos séculos os filósofos trazem à tona suas inquietações, e fico a pensar como ficaremos nós, pobres pensantes? Reflito e lastimo, mesmo assim agradeço por ter mais ganhos do que perdas. Mas louvo aqueles que conseguem apagar certos questionamentos e se dizem felizes sempre – será?
Sou uma rebelde das causas perdidas. Por gostar demais da vida, onde me emociono com a beleza desse planeta, ainda não me acostumei com a ideia de finitude. Um dia tudo por aqui acabará  e o depois, ainda não sei. Mas refletir também é viver. Não me contento em apenas respirar, sentir o aconchego do sol,  o romantismo da lua ou deixar certas coisas de lado... Não.
É da minha natureza questionar sobre essa sociedade estranha, que ao velar seus mortos mostra num canto as tristezas do momento, enquanto no outro, escancarados sorrisos cumprindo um rito social.
Que sociedade estranha é essa, que ama e que odeia com a mesma intensidade, destruindo laços afetivos dentro das próprias famílias, quando deveriam cultivar o amor. Como não pensar nisso se é algo que está proliferando? 
Que sociedade estranha essa, em que minorias dominam maiorias; que o ladrão de galinha mofa na cadeia e os monstros sociais ficam soltos e intocáveis? 
Que sociedade estranha é essa, onde há inúmeros preconceitos camuflados, que hipocritamente ninguém vê, ninguém sabe. Uma sociedade só será saudável se houver respeito às desigualdades. 
O homem continua primitivo quando não domina seus ímpetos, quando não mede seus instintos,  quando articula seus desejos com crueldade. Pais matam filhos; filhos matam pais; irmãos se atropelam na vida. E esse é o ápice do ódio. Como não questionar tais misérias humanas?
É difícil encontrar razões para tudo isso, como difícil é entender o sentido dessa vida, principalmente quando ela nos abandona sem nenhuma explicação e sem um aviso prévio.
E parte. Colocando em tudo  seu ponto final.

__________________________________________


Esclarecendo:
O texto fala em 'ponto final' do ponto de vista de vidas humanas, nada a ver com vida após a                             morte   física.                  





44 comentários:

  1. Penso que não será um ponto final,
    Mas sim, uma das muitas vírgulas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro amigo, me referi a um ponto final aqui, "nessa vida, no planeta Terra".
      Poderá vir virgula, dando continuação noutra dimensão, outro espírito etc.
      Mas o que desenvolvi no texto foi outra coisa, não vida após a morte.

      Excluir
    2. Prezada amiga, compreendo e partilho a mesma inquietação sobre o sentido da vida e da morte.
      Também questiono a duvidosa qualidade dos seres humanos, e a quase obrigação de convivência, entendimento e reflexão.
      Penso eu, que fica mais difícil cumprir a vida, usando como parâmetros somente nossa Terra rasa, isolada e experimental.
      Adorei o texto, me fez pensar nessa ingrata breve vida.
      Beijos na alma.



      Excluir
  2. Onde é gratuito o crime
    E quando nada se ganha
    Porque ninguém se redime
    Que sociedade estranha!

    ResponderExcluir
  3. Primeiro destacar a excelente (irônica) obra do Juarez Machado.

    Parabéns pelo texto que aborda tão bem, esta sociedade estranha,
    às vezes absurdamente no pódio do ridículo, da crueldade e da
    futilidade.

    Querida amiga, vamos trazer os questionamentos, as perguntas sempre,
    para que o ponto final se transforme em dois pontos das respostas...rss
    Adorei!!
    Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Brilhante teu texto0 e tuas divagações.Não podemos mesmo apenas ficar admirando as belezas, curtindo sol, flores...Temos que estar preparadas pra ve espinhos e saber como retirá-los. Beijos, chica

    ResponderExcluir
  5. Son situaciones comunes a todos nuestros países (y no tan nuestros también).
    Muy buen enfoque Tai.

    Saludos chilenos.

    ResponderExcluir
  6. Amiga Tais, ver, perceber, saber dessas coisas nem sempre se consegue fazer mudar o rumo de tudo isso, infelizmente é assim, eu acredito na vida de forma a me sentir feliz sim, embora tudo isso esteja aí, como seria bom se a nossa boa intenção fizesse mudar isso, mas não, o máximo que conseguimos é poder melhorarmos um pouco o nosso modo de proceder, perder a triste ilusão da ostentação, pois que nada consegue fazer um ser que é assim, ser realmente feliz, é isso, seres superficiais não conseguem encontrar a verdadeira paz!
    Sua sensibilidade é ímpar, também sinto assim,sem poder entender!
    Abraços linda amiga!

    ResponderExcluir
  7. Uma reflexão muito centrada nas ações de hoje, com terríveis consequências para a sociedade em geral. Revolta-nos a indignidade, a falta de parceria e cumplicidade em ações promotoras das pessoas que ainda lutam pela vida com caráter e ética.
    Parabéns pelo texto!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  8. Taís,todos nós ficamos sem entender qual o motivo de tanta discrepância!
    O pobre talvez para saciar a fome,rouba um pedaço de pão e vai preso e o rico,com tanta falcatrua que faz tem o privilégio em contratar um advogado e não vai para a cadeia.
    Até quando não sei,mas que está tudo errado,isso eu concordo com você plenamente.
    Adorei o texto.
    Bjs- e um ótimo final de semana.
    Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  9. Penso igual, pois por aqui segue na mesma.....
    Mas vai agravar......A Europa vai sofrer....
    Será que o Mundo árabe levará a sua avante.....?
    Não será ponto e vírgula....!!
    Mas......,vale sempre a pena viver....
    Texto maravilhoso.
    Beijo

    ResponderExcluir
  10. Oi Taís compartilho em muito desta sua angústia com esta sociedade Brasilis, e entendi perfeitamente seu ponto final. O além por mais que tenho lido ainda fica um pouco obscuro, mas há que se crer que esta máquina tão próxima de perfeição no seu funcionamento não deve se acabar assim friamente sob uma lápide. Mas voltando a ela, é mesmo muito triste de ver as camuflagens, que mais mostram que escondem as intolerâncias, os preconceitos mais absurdos e muitos ainda denominados sociais, o que os tornam mais abjetos e deploráveis, pois escancara que vale o o quanto tem e não quanto se é. Triste sociedade que não busca mergulhar na história e entender toda formação e discriminação. Faz tempo que perdi a crença de que mudaria o pensar. Não sei se as escolas falharam e falham ou se as próprias famílias falham na educação e preparação de seres comunitários e humanitários. Parece que tudo girou e o que era ruim piorou.A banalização da violência é assustadora e o que assistimos nos deixa ilhados e cada vez mais medrosos e ou covardes. Busco me alimentar de um otimismo, mas a cada caso destes de arrepiar, esta crença esmorece e vejo nossa nau encalhada num mar fétido e cheio de monstros que nós alimentamos para nos privar e bater o martelo final.
    Só Deus amiga e que Ele nos proteja de toda esta onda estranha e surrupiadora.
    Um terno abraço de muita paz e façamos por onde nos sentirmos melhores ainda que num mundo pior.
    Bom fim de semana com alegria e harmonia.
    Bjs de paz amiga.
    Boa cutucada na gente,kkk acho ate que falei muito.Mas é assim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Toninho, não falou de mais não, achei ótimo, aliás, como sempre. Fique à vontade.
      Também, por vezes, tento me transbordar de otimismo, mas nem sempre consigo. Taparia o sol com peneira... Mas o bom é que fazendo uma forcinha básica, conseguimos levantar e nos fortalecer um pouquinho.
      Beijo, meu amigo. Um bom fim de semana.

      Excluir
  11. Poxa, mulher tu é igual a mim. Nossas inquietações, a cabeça a mil, ansiosos. Difícil tranquilizar, né? Nesse contexto, nessa crise que caiu de paraquedas. Assustador, né, ir dormir bem e acordar nesse pesadelo sem data de duração e perspectiva de acabar. Poxa... Beijos, Tais.

    ResponderExcluir
  12. Apesar de todo o conhecimento acumulado, a sociedade não dá sinais de melhora. Ou antes, os sinais vão até no sentido contrário...
    Excelente reflexão, minha amiga, gostei imenso.
    Taís, tem um bom fim de semana.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  13. É a dura realidade que entra pelos nossos olhos todo santo dia, Taís. E, quando percebemos a nossa impotência, nos desesperamos, refletimos, buscamos saídas sem encontrá-las. A sorte é há sempre um pássaro incendiando os nossos corações para apagar essas tristezas. Claro que não basta um único pássaro, mas nos mantém respirando...
    Beijo, Taís!

    ResponderExcluir
  14. Tais,

    escrito no tom certo, este é um texto certeiro que supera (porventura para além de seu propósito) a "eficácia" de qualquer discurso, mais ou menos "teórico" sobre a "Sociedade do Espectáculo", em que vivemos mergulhados.

    excelente texto. bem digno, (aliás como muitos outros), de uma assumida "rebelde de causas perdidas"

    gostei muito.
    beijo, minha amiga

    ResponderExcluir
  15. Querida Taís
    E como não estar com o coração inquieto diante de uma sociedade que não muda? Cidadãos que varreram para debaixo do tapete os seus valores e agem como se fossem onipotentes, oniscientes e onipresentes? Cidadãos que se esqueceram de sua formação e vivem de acordo com princípios que contraria a tolerância, a solidariedade e o amor ao próximo? Não dá para ficarmos impassíveis diante da miséria afetiva Nos inquietamos, nos questionamos e assistimos a degradação humana que por seus próprios atos são lançados ao fundo do poço. Cabe a cada um refletir e puxar a cordinha do livre arbítrio que o levará ao caminho do bem quando e se tomarem para si a responsabilidade de dar o primeiro passo para a mudança. Somos coletividade e os erros de alguns afeta a todos causando o efeito dominó. E o ponto final está mais próximo do que imaginamos
    Um bom final de semana
    Beijos

    ResponderExcluir
  16. Querida Taís, seu texto acertou na mouche!
    Como sempre, ofereces-nos uma excelente leitura.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  17. No principio Deus fez o homem feliz e bom, mas a rebeldia o tornou deplorável fazendo-o miserável.
    A humanidade não se divide em heróis e tiranos. As suas paixões, boas e más, foram-lhe dadas pela ganancia, não pela natureza.
    Como disse Gracita seguidora desta pagina..... Cabe a cada um refletir e puxar a cordinha do livre arbítrio que o levará ao caminho do bem quando e se tomarem para si a responsabilidade de dar o primeiro passo para a mudança. Somos coletividade e os erros de alguns afeta a todos causando o efeito dominó. E o ponto final está mais próximo do que imaginamos...
    bj em seu coração...ótimo final de semana linda!

    ResponderExcluir
  18. Boa noite querida Tais.
    Vim rapidinho so para dizer que estou bem. Mas uma Vitória amiga. A noite postarei como foi a minha cirurgia. Muito obrigada pela força e carinho. Agradece também ao Pedro pelo carinho. Volto com Calma para ler a postagem. Beijos

    ResponderExcluir
  19. Uma dissertação e exposição legítimas e perfeitas.
    Também temos por cá muita gente da estirpe satirizada por Juarez Machado e 'socialtes' do género que mencionou, muitas delas dondocas e emergentes, porém, vivem no seu 'mundinho', sem incomodar ninguém...
    De facto, temos um país pobre onde ainda há muita corrupção, mas onde atos violentos são muito raros; neste aspeto vivemos num céu.
    Acho estranhíssimo uma amiga do Rio dizer-me que não podem passear onde querem com medo...
    Faz muito bem em manifestar a sua indignação porque a habituação é terrivel!
    ~~~ Grande abraço de sincera amizade e sintonia ~~~

    ResponderExcluir
  20. Táis, quem tem sensibilidade sempre questiona o porquê de tantas tropelias e injustiças.
    Infelizmente não temos o poder de mudar o mundo, mas temos o poder de questionar,exigir e lutar pelas nossas convicções.
    Mas minha amiga, temo que seja uma luta inglória por tudo aquilo que presenciamos à nossa volta.
    Adoro as suas reflexões!

    Um beijinho e boa semana

    ResponderExcluir
  21. Querida Taisamiga

    Que posso dizer deste teu texto? Tu já dizes tudo e deixaste os comentadores que tentam... comenta-lo (pleonasticamente escrevendo), completamente embarrilados...

    __________

    Já o Esclarecer tem muito que se lhe diga. Para quem não acredita na "vida eterna" (como é o meu caso) o "ponto final" está perfeito e é bivalente.
    Já sabes (e sabem os pacientes que (ainda) me lêem que escrevo que Já fui católico, mas curei-me)... Mas isto não quer dizer que não respeite todas as religiões que defendam a Paz, a Dignidade do Ser Humano e também a Solidariedade que têm de viver na sociedade que todos nós construímos.

    Já aquelas que pregam a "guerra santa" o seja a jihade, não me merecem nunca o respeito. É uma "justificação" criminosa para aqueles que a "praticam". não merecem qualquer respeito.

    Já vai longo este comentário, mas não podia deixar de o fazer. No momentos muito difíceis que vivemos um desabafo também é uma terapêutica ocupacional. Por isso muito escrevi do que te peço desculpa do longo comentário que aqui deixo.
    __________
    b>Espero sempre por ti na NOSSA TRAVESSA Há lá os dois últimos textos meus em que tento vir ao cimo da água...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu bom amigo Henrique, não peça desculpa, tenho o maior prazer em recebê-lo aqui seja com qualquer tamanho de comentário. Aliás, você e todos os amigos que aqui veem têm o espaço que quiserem.

      O 'Esclarecer' foi em resposta ao primeiro comentarista: quando falo que a vida nos abandona e parte, sem uma explicação e sem um aviso prévio e faz um 'ponto final', é a vida que conheço, a vida no planetinha. Se tiver vírgula ou não (como disse meu leitor) é outro assunto, não entrei nesse mérito, justamente porque falei do que conheço.
      Sobre tua posição, sei sim, a li na Travessa há tempos.
      Irei te visitar, Henrique, e espero que estejas bem de saúde, aliás, estamos aguardando resultado...
      Meu carinho a ti e Raquel.

      Excluir
  22. Querida Amiga, Taís Luso, boa noite !
    A precariedade do retorno administrativo, à população, em
    educação, saúde, segurança, habitação, etc., deságua nesse
    lastimável quadro que pintas, tão claramente, em tua bela
    crônica.
    Os escorchantes impostos, criminosamente, servem para saciar
    a doentia ambição dos que detém o poder.
    E aí, vale tudo, menos a retribuição a que tem direito o povo.
    Um carinhoso abraço.
    Sinval.

    ResponderExcluir
  23. Eu acho simplesmente que é o fim do mundo! Simples assim. Nunca pensei que viveria para ver o que está acontecendo hoje em nossa sociedade. Nenhum respeito. Nenhuma crença. Terra sem Lei. Corações sem Deus. Acho que nem a poesia nos salva mais... Beijos amada

    ResponderExcluir
  24. É realmente uma sociedade estranha esta que por todo o lado só quer protagonismo parta o bem e para o mal... Um texto excelente, muito reflexivo.
    "Gostaria de povoar um lugar onde a vida acontecesse sem interrupções bruscas. Sem incidentes de percurso. E morrer de velhice. Em suave despedida." Se o encontrar diga, por favor...
    Uma boa semana.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  25. Es verdad, es muy díficil encontrar razones que justifiquen el mundo que hemos creado, el mundo que aceptamos la mayoría que nos imponga el egoísmo de una minoría dominante que solo va tras su propio beneficio. Y cuando hay voces que protestan, se les acallan porque se les llama peligrosos izquierdistas... Bien, creo que coincidimos en nuestra manera de entender el mundo en el que nos ha tocado vivir. Porque el mundo al que llegamos al nacer, ya está hecho pero nuestra obligación es mejeorarlo en todo lo que esté a nuestro alcance.

    Un abrazo. Franziska

    ResponderExcluir
  26. Um excelente texto sobre temas que importam refletir!
    Gostei das suas reflexões! Bj

    ResponderExcluir
  27. E o que parece bem... serve para esconder o que não está bem...
    E por isso, a maior parte do mundo vive num mundo de aparências, que servem para camuflar tristes realidades... muitas vezes, até as suas próprias realidades...
    A sociedade humana é mesmo estranha... sempre insistindo em aparentar o que tantas vezes não é...
    E quem questiona tudo... vive mais... sente mais... sofre mais... será o preço a pagar... mas a humanidade é tão bonita quando é praticada... uma pena que seja uma prática cada vez mais em desuso... nesta nossa desumana sociedade de humanos...
    Como sempre um texto formidável... que atravessa transversalmente tantos problemas da nossa sociedade, com uma abordagem admirável...
    Beijos! Boa semana!
    Ana

    ResponderExcluir
  28. Quem sabe, talvez a ambição seja a responsável pela situação que ora se nos apresenta. Tenho muita fé que um dia o homem se conscientizará de que somos todos irmãos, filhos do mesmo PAI. Quanto ao ponto final, diariamente entrego-me ao PAI e peço-lhe que faça de mim instrumento da sua vontade. Bela crônica amiga Tais.

    Beijos e uma ótima semana para ti e para os teus.

    Furtado.

    ResponderExcluir
  29. Taisinha,
    Primeiro quero dizer do teu bom gosto em postar essa tela do brasileiro Juarez Machado, natural da cidade de Joinville, SC, e que reside há mais de três décadas em Paris, onde granjeou grande respeitabilidade pela sua arte.
    Segunda parte do comentário vai para o assunto principal, que é essa tua abordagem que fazes em tua excelente crônica sobre a nossa sociedade, com suas qualidades e suas torpezas, que aplica a justiça de forma implacável aos pobres, aos indefesos, e, por outro lado, tem “cuidados exagerados” quando julga criminosos ricos e influentes. Portanto, embora muito bem tratado por ti esse tema social, sempre ficará questões importantes e aflitivas para serem abordadas.
    Beijinho daqui do escritório.

    ResponderExcluir
  30. Minha querida amiga Tais, sempre me surpreendo com teus escritos, ótimos...mas este me tocou de uma forma, como nenhum outro, talvez porque tenha falado com meu terapeuta sobre a dor invisível que começa a corroer minha vida de arrependimento permanente aqui nesta cidade, mais especificadamente no meu trabalho, que necessito para sobreviver, aliás é o que venho fazendo aqui, sobreviver..."Difícil fazer vista grossa e seguir a vida em tons de rosa, como se o medo não nos atingisse." Como é bom ouvir isso, pensei que era eu o pessimista rs. É o post mais parecido comigo, me identifico muito com teus escritos...este teu espectro da sociedade brasilis é triste e perfeito, quantos velórios em eu mesmo ri lá pelas tantas, eu estava sendo um burro no presépio. O estranho é que nossa própria sociedade está se tornando estranha para nós, e vejo uma deevolução do ser humano, a volta a barbárie. Por vezes meu peito está tão cheio de mágoas, dores, insatisfações que dá vontade de desistir de tudo, mas tenho minha mãe, meu cãozinho e minha vida que amo, mas está tão difícil minha amiga, tão difícil, que tenho vontade de abandonar tudo e sair caminhando que nem Cândida Erendira, mas sem sua vó desalmada. Querida Tais a única coisa certa é a morte, nosso ponto final, mas enquanto isso vivamos, reflitamos e não vamos perder a fé, somos seres do bem, não merecemos o que estão fazendo com as crianças, as mulheres, os negros, com nosso país. Obrigado amiga, me sinto bem melhor agora.
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querido amigo Jair, fico feliz quando meus textos cumprem o papel que idealizei. Somos humanos, ora frágeis, ora fortes. Mas não fale em vontade de desistir... É lutar, chorar, mas também rir de alegria pelas conquistas. Acredito sempre num outro dia que será melhor, mesmo se precisarmos fazer um mundinho mais nosso. Não acredito que tudo piore, a sociedade não aguentará, sempre dará um jeito, cedo ou tarde.
      Abraço primaveril!

      Excluir
  31. Um encanto este texto, muito refletivo, todo mundo devia ler, uns mais que outros é certo pois tem seres que era bem preciso encaixar essas palavras para que conseguissem seriamente refletir nelas.
    Boa semana.
    bj

    ResponderExcluir
  32. oi Tais, continue sendo assim como és, uma pessoa de verdade, inteligente, emotiva, intuitiva, talentosa, generosa, humana e sensível que se importa com tudo que acontece ao seu redor.

    É bom levantar questões como essas pra gente refletir porque a vida não é um mar de rosas. E precisamos reagir diante das injustiças cometidas por essa nossa justiça quase sempre injusta.

    Um beijo, amiga. <-.-> Boa semana!

    ResponderExcluir
  33. Querida Tais, falar sobre a sociedade, à qual pertencemos é muito difícil, pois não há como esclarecer muitos pontos que ficam sem explicação. Infelizmente, há tempos, vem acontecendo uma inversão de valores, isso em várias áreas. Assusto-me com tanta falta de dignidade e compaixão por parte de muitos, que têm o poder nas mãos. Suas crônicas sempre são excelentes. Grande abraço!

    ResponderExcluir
  34. El mal y el bien forma parte de la vida, pero lo que es bien para unos para otros no tanto y al revés. Todo es relativo y según como lo miremos. Las cosas son como son, depende como las vea cada persona.
    Me gusta tu reflexión. Abrazos

    ResponderExcluir
  35. Olá,Tais,boa noite...bela crônica...
    Penso que pessoas vazias de sentido acham que vão encontrar razões para existir, se exibindo e ostentando,Por isso, não medem esforços para chamar atenção. Isso tem gerado uma sociedade estranha , repleta de distrações e futilidade. E pior, que as redes sociais deram a isso uma dimensão ainda maior. Todos são sempre interessantes, mais felizes, enorme qtde de amigos,modernos... Fazem isso com um exagero sem sentido. Não procuram fomentar e discutir ideias e interesses em comum. E , pior, sempre procurando aprovação de terceiros.Não se valorizam e por este motivo precisam mostrar e expor + o externo. Estranho vício e um complicador , porque todos os dias, absorvemos, ignoramos, esquecemos e processamos estas informações-quer queiramos ou não- e destas -informações- teremos os sentimentos, que inevitável, geram novos sentimentos."Difícil fazer vista grossa e seguir a vida em tons de rosa, como se" nada não nos atingisse.Bom seria , se todos fossemos aqueles que gostam de ostentar e "apagar certos questionamentos ", para sempre se dizer feliz e assim viver escancarando somente sorrisos. Enquanto não compreendermos claramente o problema ,as tramas e dramas sociais,como algo real e não como uma fantasia ou modismo , não poderemos avançar , porque quando essas perguntas nos surgem, é nossa intimidade buscando respostas para o sentido da vida e sua dicotomia constante,Que a busca até o ponto final seja sempre com simplicidade e humildade, reconhecendo as limitações, como seres imperfeitos que somos!
    Obrigado pelo carinho,Belos dias, beijos!

    ResponderExcluir
  36. Cara Tais, conseguiste, nesta cronica, traduzir o sentimento de, digamos, noventa e cinco por cento das pessoas. No meu modo de ver o mundo, o monstro que está corroendo a vida é o atraso moral. Ainda que haja avanços magníficos nas tecnologias comunicativas, isso não vale muito, porque estamos parados e atrasados - aliás, atrasadíssimos - na evolução moral. As religiões - todas - dizem que o homem tem de ser bom. Eu peço menos. Peço que o homem seja moral e ético, porque o homem moral não mente, não trai, não pratica o ilícito, não rouba, não mata. O homem moral não se preocupa com fama, com glória, com a pirotecnia... Ah, o homem moral dificilmente concorre a qualquer cargo político, porque sabe que o segmento político, neste país, é uma elite corporativista que, em primeiro lugar, defende as benesses da casta.
    Mas então o edifício político brasileiro está podre? Quase! Há exceções, mas são raríssimas. São flores perdidas em meio às ervas daninhas.
    Um abraço. Tenhas uma linda quarta-feira, com menos vento, se possível!

    ResponderExcluir
  37. Querida Taís
    Tencionava retornar só em finais de Setembro mas a minha filhota requisitou a minha presença mais cedo... e aí vim eu a correr :)))
    E já que cá estou aproveito para visitar, aos poucos, as amigas.

    Deixe-me começar por dizer que achei a sua crónica excelente.
    A abordagem que faz sobre a nossa sociedade actual, foca de forma transversal mas ao mesmo tempo acutilante, os problemas que a estão minando, pondo “o dedo na ferida” sem contemplações.
    Há quem acredite que em todos os tempos existiram arbitrariedades, injustiças, violência e impunidade … e o que agora se passa é exactamente o mesmo, apenas com a diferença de haver uma maior difusão de notícias.
    Talvez tenha razão quem assim pensa, mas eu tenho a sensação que não é bem assim, e que a sociedade tem vindo a degradar-se com o passar dos tempos.
    A noção de valores e de carácter foi muito alterada, e isso influi, sem qualquer dúvida, na maneira de pensar e, consequentemente, de proceder, dos indivíduos.
    Penso que a ambição desmedida do Homem está na base dos graves problemas que a humanidade atravessa.
    Mas...eu sou optimista por natureza… por isso conservo a esperança em dias melhores. Não sei é para quando…
    O seu sonho de “… povoar um lugar onde a vida acontecesse sem interrupções bruscas… “ etc. à partida pode parecer utópico, mas… é com sonhos semelhantes que se constrói um mundo melhor.

    Votos de uma semana muito feliz.
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderExcluir
  38. Querida amiga, um texto interessantissimo que nos leva a refletir naquilo que queremos para tornar os nossos dias aqui mais preenchidos de essência. Considero-me uma alma inquieta e, questiono-me muito sobre tudo; banalidades não me interessam e muitas vezes acho que sou inútil, que não faço o suficiente; agora que tenho os filhos criados , então as questões surgem com mais
    frequência .Com o passar dos anos a finitude da nossa vida tem-se tornado para mim mais
    evidente, mais certa, embora sempre tivesse tido a consciência de que a morte era a nossa maior
    certeza, mas, vendo amigos e familiares a desaparecerem todos os dias essa consciência torna-se
    mais incomodativa. Só esta semana partiram duas pessoas mais ou menos da minha idade e com
    os meus pais já com idades supriores aos 85 não há como evitiar uma maior inquietação. Tudo
    isso, no entanto, nos deve levar a uma mudança de mentalidade e creio que, com o passar dos anos
    muitas pessoas se transformam, começando a dar mais prioridade àquilo que é essencial, deixando
    para trás as aparências. Claro que vemos muitas que não aprenderam nada com a idade e
    continuam com a mesma arrogância como se fossem " donas do mundo" . Conheço muitas assim



    e lamento muito que não tenham a consciência de que o caminho delas terminará do mesmo modo que o dos outros. Tais, o comentário que fiz no blog do Pedro, poderia ser considerado uma continuação deste que aqui faço; muitas vezes as consequências das sociedades como a que temos hoje são precisamente os casos que ele conta no seu post. Muito profundo este teu texto, amiga. Há que refletir neste assunto. Beijinhos e desculpa o "testamento"
    Emilia

    ResponderExcluir
  39. Identifico-me, em toda a linha, com o pensamento que expões sobre esta estranha forma de estar na vida.
    Só uma pessoa de alma grande se inquieta, questiona, insurge e ousa partilhar a sua irrequietude e inquietude.
    Parabéns pelo excelente texto.
    Bjo, Tais :)

    ResponderExcluir

SUA ATENÇÃO...

1 - Agradeço os comentários dos queridos leitores e amigos, sempre Bem-vindos!

2- Comentários ANÔNIMOS não são postados. Assine.

Um abraço a todos!
Taís Luso