2 de dezembro de 2007

CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE / Para Sempre


pintura de Emile Munier / 1840 - 1895 Paris


PARA SEMPRE

-Carlos Drummond de Andrade

Por que Deus permite
que as mães vão-se embora?

Mãe não tem limite,
é tempo sem hora
luz que não apaga
quando sopra o vento
e chuva desaba,
veludo escondido
na pele enrugada,
água pura, ar puro,
puro pensamento.

Morrer acontece
com o que é breve e passa
sem deixar vestígio.

Mãe na sua graça,
é eternidade.

Por que Deus se lembra
-mistério profundo-
de tirá-la um dia?

Fosse eu Rei do Mundo,
baixava uma lei:

Mãe não morre nunca,
mãe ficará sempre
junto de seu filho
e ele, velho embora,
será pequenino
feito grão de milho.


Andrade, Carlos Drummond de, 1902 – 1987
A Palavra mágica, 13ªed. – Rio de Janeiro
Record 2007
--

Um comentário:

  1. www.cirilovelosomoraes.com.br00:03

    É, tais... Mãe é mãe... Por isso devemos cuidar delas e dizer o quanto as amamos, pois não sabemos quando elas partirão desta existência corpórea.
    Abraços fraternos.
    Cirilo Veloso

    ResponderExcluir

AOS AMIGOS

Muitos blogueiros não estão mais recebendo as notificações de comentários em seus e-mails. Os comentários entram direto para as configurações do blog. Todos ficam apenas lá. E de lá são publicados.

Muito obrigada por sua participação nos comentários.
Comentários anônimos não são postados. Identifique-se.
Abraços a todos
Taís