23 de março de 2009

PABLO NERUDA / QUANDO...


Quando eu morrer quero tuas mãos em meus olhos;
quero a luz e o trigo de tuas mãos amadas
passar uma vez mais sobre mim seu viço:
sentir a suavidade que mudou meu destino.

Quero que vivas enquanto eu, adormecido, te espero,
quero que teus ouvidos sigam ouvindo o vento,
que cheires o amor do mar que amamos juntos
e que sigas pisando a areia que pisamos.

Quero que o que amo continue vivo
e a ti amei e cantei sobre todas as coisas
por isso segue tu florescendo, florida.

Para que alcances tudo o que meu amor te ordena,
para que passeie minha sombra por teu pêlo,
para que assim conheçam a razão do meu canto.


Neruda, Pablo 1904 – 1973
Cem sonetos de amor – tradução Carlos Nejar – Porto Alegre
L&PM 2008

11 comentários:

  1. É sempre um prazer ler Pablo Neruda.
    Ler:*"sentir a suavidade que mudou meu destino", "que cheires o amor do mar que amamos juntos/
    e que sigas pisando a areia que pisamos." ou "para que assim conheçam a razão do meu canto." - ler imagens/versos assim é uma dádiva.

    Obrigado.
    Uma ótima semana para você.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Olá querida amiga!! Como vai?

    Dediquei alguns selinhos aos amigos. Estão postados na minha galeria de selos.

    Se ainda não pegou, fique a vontade e pegue assim q puder.

    Bjs no coração e uma abençoada semana

    ResponderExcluir
  3. Prefiro :

    para que a minha sombra passeie pelos teus cabelos

    em vez de

    para que passeie minha sombra porteu pêlo

    Mas, não admira a minha atenção: este é um dos sonetos que mais gosto de Pablo Neruda...

    ResponderExcluir
  4. oi, pela primeira vez passei pelo seu blgo, o vi em um blog que costumo frequentar, adorei o seu. você escreve maravilhosamente bem. acabaste de ganhar um leitor a mais. parabéns.

    ResponderExcluir
  5. Maravilhoso poema do Neruda. Sabe, já estive sentado no seu colo, ainda lembro seu "poncho" de lã da cor cinza; Essa vaga lembrança se manteve no tempo e foi fortalecida quando eu, jovem ainda participei das suas declamações sobre sua poesia. Foi em concepción a última vez que ouvi alguns dos seus últimos poemas. Neruda morreu de pena, de tristeza, nada mais tinha sentido depois da morte do seu grande amigo Allende e da matança inicial que a ditadura no mês de setembro de 1973.

    ResponderExcluir
  6. Eu sabia de cor um poema de Neruda, mas o tempo fez as estrofes desabarem no abismo negro do esquecimento! Enfim, o poema foi infinito enquanto durou em mim.

    Estive por aqui.

    ResponderExcluir
  7. Para ser sincero não conhecia Neruda, mas gostei muito desde texto. Vou procurar ler mais esse autor.

    Agora que eu li essa frase, Escrever é, simplesmente, um modo de falar sem que interropam a gente, muito boa. É verdade.

    Agradeceria se colocasse um link para meu blog em sua página inicial, os blogueiros tem de se ajudar.

    Um abraço

    ResponderExcluir
  8. Bernardo14:03

    É dificil falar de Neruda, o que um fósforo pode falar do Sol? Apenas que a luz que irradiam é a mesma só que o Sol é infinitamente mais intenso.

    ResponderExcluir
  9. Que bela escolha, Tais. E também que enorme coincidência. Este será um dos seis poemas que irei dizer na próxima quinta-feira, numa das já habituais sessões de "Poesia in Progress". A sessão será toda ela dedicada a Pablo Neruda que eu,simplesmente, amo.

    Um beijo e obrigada.

    ResponderExcluir
  10. Poesia... sempre carinho recebido com suspiros!!

    Axé.
    LU MARIA

    ResponderExcluir
  11. Apetece sempre ler o que escreve, faz-me sentir bem.
    Abraço

    ResponderExcluir

SUA ATENÇÃO...

1 - Agradeço os comentários dos queridos leitores e amigos, sempre Bem-vindos!

2- Comentários ANÔNIMOS não são postados. Assine.

Um abraço a todos!
Taís Luso