12 de julho de 2010

MINHA DESGRAÇA

- Poema de Álvares de Azevedo / 1831-1852 -

Minha desgraça, não, não é ser poeta,
Nem na terra de amor não ter um eco,
E meu anjo de Deus, o meu planeta
Tratar-me como trata-se um boneco...
---
Não é andar de cotovelos rotos,
Ter duro como pedra o travesseiro...
Eu sei... O mundo é um lodaçal perdido
Cujo sol (quem mo dera!) é o dinheiro...
---
Minha desgraça, ó cândida donzela,
O que faz que o meu peito assim blasfema,
É ter para escrever todo um poema,
E não ter um vintém para uma vela.
---

Coletânea / Clássicos da Poesia Brasileira
Seleção organizada por Frederico Barbosa


19 comentários:

  1. Olá Tais
    Não conhecia esse poema de Álvaro de Azevedo. Amei
    Um grande abraço

    ResponderExcluir
  2. Adorei!

    Abraço

    Mariza

    ResponderExcluir
  3. Oi Tais!!

    Adorei o poema, não conhecia e achei muito atual!

    "Eu sei... O mundo é um lodaçal perdido
    Cujo sol (quem mo dera!) é o dinheiro..."

    Vemos que as coisas não mudaram!

    Abraços e obrigada por partilhar esta "pérola"!

    Beijos

    Lia

    ResponderExcluir
  4. ola amiga achei lindo seu espaço,parabens,me faça uma visita vou amar.

    ResponderExcluir
  5. ola TAIS obrigada por me seguir.to tentando manter meu bloguinho no ar rs,beijos tere.

    ResponderExcluir
  6. Lindo poema mesmo!!

    Obrigada por compartilhar conosco, amiga, pois eu também não o conhecia.

    Bom saber que temos lindas pérolas por aqui!...:)

    Beijinhos

    Cid@

    ResponderExcluir
  7. Oi Taís

    Que lindo poema!

    Você e o Pedro sempre nos presenteando com grandes autores...

    Que desgraça esse tal de dinheiro, que se faz tão necessário em nossas vidas

    Como diria Frejat

    'Eu desejo
    Que você ganhe dinheiro
    Pois é preciso
    Viver também
    E que você diga a ele
    Pelo menos uma vez
    Quem é mesmo
    O dono de quem...'

    Ah...Perdi o seu comentário! Que droga!
    Fui publicá-lo, o blog deu erro e... Cadê?!

    Saiba que o adorei

    Beeijos
    Deva

    ResponderExcluir
  8. Tais, lindo poema.Na vida eternos peregrinos que somos, vamos caminhando e fazendo nossas escolhas.
    Li teu texto sobre a mulher.Muito bom e verdadeiro.A ilustração com a foto de Frida Khalo foi sugestiva.Parabéns!!Sempre fui atuante defensora dos nossos Direitos de mulher.Acompanho teu Blog.Suas crônicas são lindas.Bjs

    ResponderExcluir
  9. Poxa, Tais,

    Eu também não conhecia este poema. Belo e forte! Aliás, como é rica a literatura brasileira! Por mais que se leia, sempre há poemas, escritos, livros que não lemos, muitos que não temos nem conhecimentos da existência... E, obviamente, não estou me referindo aos milhares de autores novos que surgem anualmente; refiro-me tão somente aos clássicos!

    bjão e obrigado por me ensinar mais este,
    Cesar

    ResponderExcluir
  10. Oi CESAR!!! Quem sou eu pra ensinar alguma coisa? Eu só aprendo, aliás tenho muito a aprender... e até morrer! Só passo as minhas experiências.

    Estou lendo teu livro, estou nos últimos contos. Aguarde!

    beijão
    tais

    ResponderExcluir
  11. Como não? Ensina sim! Eu tenho aprendido bastante com vc e o Pedro, esses Lusos são terríveis! Segura essa gente...

    bjs e obrigado por se debruçar naquele meu amontoado de paginazinhas.

    Cesar

    ResponderExcluir
  12. Um belo poema de alguém que partiu tão precocemente, mas não deixou a vida em branco. E perceba esse quê de profecia... rsrs Algumas coisas, por aqui, não mudam...

    Bjs, amiga, e inté!

    ResponderExcluir
  13. Muito bom Tais. Esse não conhecia. E, adorei!!!!

    Abrç!

    ResponderExcluir
  14. Doce e amargo o mesmo tempo, como todo bom poeta! Linda foto, lindas letras!

    Beijos

    ResponderExcluir
  15. Olá Taís,
    Um belo e triste poema como muitos de Alvares de Azevedo, que se foi tão jovem a exemplo de outros poetas da epoca.
    Um abraço,
    Dalinha

    ResponderExcluir
  16. Hehehe! Os verdadeiros poetas nem precisam escrever muito, né, Tais? Dizem muito, nos fazem pensar e nos divertem com poucas palavras.
    Bjooo!!!

    ResponderExcluir
  17. Boa noite, meu anjo!
    Vim matar as saudades
    e desejar um excelente final de semana!
    Muita paz e alegrias no seu coração!
    "Cada novo amigo que ganhamos no decorrer da vida aperfeiçoa-nos e enriquece-nos, não tanto pelo que nos dá, mas pelo que nos revela de nós mesmos." Miguel Unamuno
    Beijocas carinhosas!!

    SÔNIA SILVINO'S BLOGS

    Vários temas & um só coração!

    ResponderExcluir
  18. Lindo, mesmo!


    Tem um selo de reconhecimento para o Porto das Crônicas no blogue ENGENHOLITERARTE. Receba o nosso carinho por seu belo trabalho!

    ResponderExcluir
  19. Nem sempre a poesia traz beneficios durante a vida do poeta, mas para aqueles que batalham pelo seu lugar, acaba tendo o seu local na história...

    Fique com Deus, menina Tais Luso.
    Um abraço.

    ResponderExcluir

MEUS AMIGOS - SUA ATENÇÃO...

1 - Este blog 'não envia nem recebe comentários anônimos ou ofensivos'. Meu e-mail está na guia superior, faça contato.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

3 - Meus agradecimentos pelo seu comentário, sempre bem-vindo.


Meu abraço a todos.
Taís Luso