13 de fevereiro de 2011

SE ME APOSENTAR, MORRO!



- Tais Luso de Carvalho

Dias atrás, uma vizinha soltou esta: 'se eu me aposentar, morro!'
Mas que coisa mais louca, vizinha! Aposentadoria não é uma sentença de morte. Pode ser o início de uma nova etapa; pode ser produtiva e muito feliz. Acomodar-se é que poderá ser uma preocupação: pegar amor às pantufas!

Enquanto alguns ficam felizes com a chegada da sua aposentadoria, outros entram em conflito: e agora... o que vou fazer? O ser humano é muito complicado: quando está trabalhando, diz estar se matando, que não vê a hora de aposentar-se; quando se aposenta reclama do que fazer. Aí entra em depressão e a coisa fica complicada. Pô, companheiro, assim fica difícil!

Presumo que para alguns esta seja uma etapa problemática: é o fim de um período que foi muito produtivo, que se iniciou quando o indivíduo era jovem, saudável e idealista, significa dependurar as chuteiras, tornar-se inútil. E junto vem uma melancolia e uma inquietação. 

Vejo muitas pessoas caminharem pelas calçadas, com o passo já travado, sem sonhos e sem perspectivas. A vida do aposentado torna-se triste quando o indivíduo fez do trabalho o centro de sua vida. Acabou uma etapa? Bola pra frente: existem mil atividades. Uma delas é manter-se saudável. Esquecer da palavra Idoso, Melhor idade, Terceira idade, Feliz Idade,  essas bobajadas. Esses rótulos não servem pra nada.

Está na hora de esquecer destas palavrinhas pejorativas e enganosas, na tentativa de se acreditar numa eterna jovialidade. Quanta futilidade;  parece que a criatura está aos frangalhos e ganha uma medalha de consolação: feliz idade!! Ora, e há uma idade para sermos felizes? Então o por que  esse rótulo? 

Já viramos o século e a mentalidade continua a mesma. O mundo está cheio de aposentados que estão ótimos, a não ser que o cara esteja chegando de uma guerra, todo estropiado e já pedindo água pelo caminho. Mas hoje com essa turma em academias, namorando, estudando, produzindo ou investindo no seu bem-estar? Como diz a garotada, o tio aí tá inteiro!

É difícil saber a idade que determina quando alguém se torna velho: depende de sua genética. Os radicais livres - que são as toxinas nocivas à nossa saúde  é que determinarão o grau e a velocidade do nosso envelhecimento. Somos diferenciados: há pessoas com setenta, oitenta anos que estão muito bem, e outras com cinquenta já estão no freio de mão. 

O Brasil não é mais um país de jovens, e graças a Deus. Isso prova que estamos vivendo mais. Milhares de aposentados estão trabalhando  em outras empresas justamente pela sua experiência. Experiência não se encontra em jovens; neles encontramos disposição, saúde, sonhos, vontade de aprender e abraçar o mundo, o que é muito positivo.  É bom poder ver pessoas de todas as idades trabalhando lado a lado. E estamos começando a ver isso aqui no Brasil; está faltando mão de obra especializada.

Está mais do que na hora do país adequar-se aos novos tempos. Ninguém tem o direito de tornar alguém incapaz, enquadrando-o num estado de ócio e de improdutivo porque seus cabelos estão mais brancos, sua pele não é aveludada e seus movimentos estão mais lerdos. 
A vida tem etapas: a felicidade não está em números. Está na qualidade de vida.



32 comentários:

  1. Pois é Tais...faltam 3 anos e estou morrendo de medo de começar a usar essa bendita frase...Seu post foi providencial...preciso urgentemente pô-lo em prática.Beijocas,bom finzinho de domingo.Boa semana!!!

    ResponderExcluir
  2. Tais, muito bom o comentário pois algumas colegas minhas entraram em repressão depois de aposentadas. Comigo não aconteceu (ainda, pelo menos) pois faço tantas coisas que o dia é pouco para tudo.
    Creio que um bom caminho seja o trabalho voluntário, que pode trazer muitas recompensas emocionais.
    Abraço

    ResponderExcluir
  3. Saber se preparar para a aposentadoria é preciso...Meu marido, aposentado, trabalha ainda pois senão...como sobreviveríamos aqui nesse Brasil?

    Mas claro, não poderá trabalhar pra sempre e por isso, estamos nos preparando pra isso. beijos,chica

    ResponderExcluir
  4. Eu sou feliz...eu trabalho e faço o
    que me apetece fazer..e gosto...
    Então há melhor que isto, para um aposentado????Está no sangue, não parar.
    Quem sempre gostou de trabalhar...logo
    inventa um trabalho que o divirta e preencha...
    É tão bom estar na reforma...
    Beijo

    ResponderExcluir
  5. Alô Taís, muito boa crônica! O tema nos diz respeito diretamente. Felizmente para nós artistas a aposentadoria significa tempo para realizar o irrealizável que é a obra completa.
    Preciso de mais 35 anos de trabalho.
    Acredito que você curta, como eu, a maturidade e sua plenitude filosófica, emocional e profissional.
    Um abraço, Loyde manda beijos.

    ResponderExcluir
  6. Tais,

    Coisa incrível que essa senhora disse!Claro que vai saber aplicar o tempo!

    Do que eu mais conheço, falam de maneira bem diversa, assim:

    "Morro, por me aposentar"! Pudera! Nasceram cansados...

    Há que ter a noção da responsabilidade, mas também é preciso dar o lugar aos mais novos.

    Depois da aposentadoria, querendo, há múltiplas tarefas para se ocuparem com utilidade.

    Temos, por exemplo, o VOLUNTARIADO!...
    Acção reforçadora das Instituições de Saúde etc. (...)

    A União Europeia instituiu, no corrente ano, o Ano Europeu do Voluntariado, com vista à aplicação de mais cidadania.

    No fundo, isso tem de partir da n/iniciativa, para ajudar quem estiver em má situação!

    Um abraço
    César Ramos

    ResponderExcluir
  7. Taís aportei por aqui novamente, adorei a crônica! Meu trabalho é estudar as crenças quanto a essa etapa da vida, inusitado presente sua crônica!Obrigada pela dádiva e boa semana!

    ResponderExcluir
  8. Crônica maravilhosa, Taís! Parabéns!
    Eu adoro estar aposentada. Devemos curtir todas as fases da vida.
    Venho lhe desejar uma linda semana. Começar a semana lhe visitando transforma a minha vida numa bela poesia!

    "Os verdadeiros amigos são a poesia da vida. Eles enchem nossos dias de cores, rimas e risos e nos seguram a mão quando caminhar parece difícil.


    Eles nos mostram que mesmo em dias nublados o sol está no mesmo lugar e nos ensinam que a chuva pode ser uma canção de ninar nas noites solitárias e vazias.


    Um amigo é alguém que nunca nos deixa só, mesmo quando não pode estar presente, pois sabemos que um pedacinho do seu coração está conosco.


    Um amigo é alguém que pensa na gente mesmo sendo separado por mil mares, é alguém por quem a gente sabe que vale a pena viver.


    Um amigo nem sempre diz sim quando dizemos sim e não quando dizemos não, mas ele vai nos fazer entender com mais clareza aquilo que não conseguimos entender sozinhos.


    Um amigo é um bem precioso que devemos não deixar guardado numa caixinha de jóias para usá-lo quando precisamos, mas tê-lo sempre presente junto a nós, mostrando ao mundo que riqueza mesmo é ter um verdadeiro amigo."

    (Letícia Thompson, Amigos são poemas)
    ______________________________
    Sônia Silvino's Blogs
    Vários temas & um só coração!

    ResponderExcluir
  9. Gostei demais, Tais. Olhe, meu espelho é o meu pai. Vai fazer daqui a uns dias 82 anos e já tem quase trinta que se aposentou. Depois disso, já fez curso superior, gerenciou cooperativa de produtores de leite, tornou-se dirigente de associação de aposentados, é lider comunitário, está fazendo aulas de computador e aogra disse querer aprender outra lingua.

    Ás vezes pessoas morrem, mas já estavam mortas em vida.

    Abraço grande e uma ótima semana. Paz e bem.

    ResponderExcluir
  10. A verdade, Taís, é que o ser humano nunca está contente! Vc tem razão: se trabalha é porque trabalha, se não trabalha, é porque não trabalha... Vai agradar esse povo!

    Mas olha, com relação á velhice, gosto da história ocorrida entre o Jorge Amado e uma repórter. Aconteceu pouco antes dele morrer, na sua casa, lá na Bahia.

    A repórter perguntou (acreditando que, do grande Jorge Amado, viria uma resposta filosófica profundíssima) exatamente isso:

    "O que é a velhice pro senhor?".

    A resposta:

    "A velhice, minha filha, é uma bosta"

    bjos, Taís!
    Cesar

    ResponderExcluir
  11. Tais, brilhante reflexão, bem articulada com as nuances dos sintomas daquele que deprime, da síndrome do ninho vazio.

    Gostaria muito de tua permissão para levá-la comigo para meu trabalho - outro endereço eletrônico, com foco específico na psicologia.

    Como sempre, tua lucidez me encanta, e me obriga a pensar, repensar, rever...isso não tem preço!

    Um abraço enorme, dias ótimos pra vc!!

    ResponderExcluir
  12. Olá,

    Sou sincero. Nunca havia visitado o seu blog. Comento apenas para divulgar o meu novo blog. Além de ter alguns textos que venho escrevendo recentemente para o site Horns Up, tem algumas cronicas bem legais.

    Um abraço e desculpe-me a sinceridade!
    Guilherme Fernandes
    http://cafecomrosas.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  13. Como sempre um texto lúcido e próprio para profundas reflexões.
    Uma boa semana!

    ResponderExcluir
  14. Taís, esse negócio de achar que aposentar-se é estar a um passo da cova... Eu, que me aposento neste ano, também conheço inúmeras pessoas assim, mas não estou nessa, não. Um conceito antigo, e ainda cultivado por muitos. Porém, nada mais que um conceito, e um conceito ultrapassado pela evolução tecnológica, que inclui os avanços da medicina em vários segmentos, um maior acesso à informação, ao conhecimento, e milhões de etcs que oferecem um aumento da expectativa de vida com uma melhor qualidade. N novos motivos para se continuar usufruindo a vida, apesar dos seus pesares.

    Ói, se depender de mim, só de mim, não vou comer capim pela raiz tão cedo.rsrs Ainda pretendo fazer muita coisa nesta vida, coisas que, antes, gostaria de fazer mas não tive tempo.

    Sempre um prazer te ler, amiga!

    Bjs, querida. E inté!

    ResponderExcluir
  15. Oi, Denise, é claro que sim! Eu que agradeço de ver meu texto divulgado nos blogs dos amigos! Pode levá-lo!

    Grande beijo
    Tais

    ResponderExcluir
  16. Taís,
    Um texto bem actual e que me diz muito neste momento.
    Estou muito feliz por estar desde o mês de Fevereiro aposentada....que bom!
    Uma nova etapa da minha vida que esperava com ansiedade pois há muitos sonhos para realizar...é agora o momento.
    A felicidade está no caminho que vamos escolhendo e percorrendo.
    Um excelente assunto para ser abordado.

    Um grande abraço

    canduxa

    ResponderExcluir
  17. Obrigada, Tais. Em breve vou publicá-lo e te mando o link.

    Se vc se aposentar (de escrever)...morro!...rs

    Bjos, querida.

    ResponderExcluir
  18. Texto assim é muito bom para reflexão, Tais. O conceito de trabalho é muito relativo. Prefiro pensar se fazemos bem ao mundo e a nós mesmos.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  19. TAIS QUEM JA TEM APOSENTADO EM CASA SABE BEM O QUE É ISTO QUE BOA LEMBRAMÇA FALAR SOBRE ESTE TEMA,
    AGENTE AS VEZES NÃO SABE COMO CONTENTAR AS PESSOINHAS,,QUANDO BATE
    O MEDO DA VELHICE,,AS MUDANÇAS,NO CORPO NA MENTE,ACHO QUE NEM SENDO FORMADO EM PSICOLOGIA,,,VAMOS
    APRENDENDO
    MARLENE ,

    ResponderExcluir
  20. Pois eu adoro minha vida sem regras e sem horário...Apesar de ter me aposentado, optei por fazer trabalhos de digitação na minha casa e formatações para os poetas da net. Curto meu sossego, vejo filmes, ouço música, tenho centenas de amigos virtuais, escrevo, curto meu jardim, falo com minhas plantas, caminho pelo meu condomínio que é lindo e cheio de lagos, viajo e não tenho dia nem hora pra voltar...Quer coisa melhor que isso??? E viva a vida !!!! kkk Bjs.

    ResponderExcluir
  21. Passando para deixar um carinho!!!

    ResponderExcluir
  22. Bom dia Tais,
    Adorei a crônica, como sempre não é?
    Acho que quando eu tiver que para de trabalhar eu vou adorar... há tantas coisas que gostaria de fazer e não temnho muito tempo disponíveis... algumas coisas, quando a aposentadoria chegar, já não será mais possível serem feitas. Mas tudo bem, haverá novas atividades, sempre!

    Um forte abraço!!!!

    ResponderExcluir
  23. Não precisa realmente parar, a pessoa pode simplesmente usar este tempo para investir na própria vida, tocar um algo que tinha vontade de fazer...

    Fique com Deus, menina Tais Luso.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  24. Simplesmente perfeito! Deveria ser enviado para a Associação dos Aposentados ou coisa parecida.
    Bjoo!!

    ResponderExcluir
  25. COMO PARTICIPAR NAS EDIÇÕES DO EPISÓDIO CULTURAL?
    O Fanzine Episódio Cultural é uma publicação bimestral sem fins lucrativos, distribuído na região sul de Minas Gerais, São Paulo (capital), Belo Horizonte e Salvador-BA. Para participar basta mandar um artigo: poema, um conto, matérias (esporte, arte, sociedade, curiosidades, artesanato, artes plásticas, turismo, biografias, sinopses de livros e filmes, curiosidades, folclore, moda, saúde, esporte, artes cênicas, biografias, etc.) em Times Roman 12.
    Mande em anexo uma foto pessoal para que seja publicada juntamente com a matéria. Se desejar, você pode enviar uma imagem correspondente ao assunto abordado. Caso o artigo não seja de sua autoria, favor informar a fonte.
    PARA ENTRAR COM CARLOS (Editor)
    Facebook: http://www.facebook.com/profile.php?id=1464676950&ref=profile
    machadocultural@gmail.com

    ResponderExcluir
  26. Anônimo17:22

    Vim conferir sua crônica e gostei muito. Eu tenho uma expectativa muito positiva sobre aposentadoria. Conheço muitas pessoas aposentadas com os cabelos branquinhos ou grisalhos, caminhando, viajando, jogando cartas, dançando, enfim realizando atividades com prazer,felizes, com a sensação de dever cumprido. Um abraço.
    Ivana.

    ResponderExcluir
  27. Olá Tais, somente hoje conheci seu blog, parabéns.Concordo com suas colocações, realmente a vida de aposentado é uma forma diferente de vivermos a nossa vida, cuidar das prioridades de maneira diferente, com responsabilidade,mais sem nos considerarmos escravizados por elas, pois as realizamos num outro tipo de tempo e espaço, num certo sentido mudamos as velhas filosofias que nos dizem: "Não deixe para amanhã o que você deve fazer hoje". Trocamos por: Deixe para fazer amanhã, as coisas que você devia ter feito hoje, pois provavelmente você as fará melhor". Tenho tantas coisas á falar, mais não quero abusar deste espaço, então para encerrar, penso: Na vida e principalmente na aposentadoria, realmente encontramos o sentido de uma máxima: É na diversidade que a vida nos oferece que aprendemos e ensinamos á viver".Abraços.

    ResponderExcluir
  28. cicero09:18

    cicero
    Refletindo o tempo

    Enquanto jovem, trabalhe como um louco. Desfrute como um rei quando a vida lhe agraciar pelo o esforço empenhado durante a jornada. Saiba que a vida é aquilo que acontece após o tempo que gastamos planejando o futuro. Saiba também que a dança da vida continua, todavia a orquestra mudou o compasso, e o escoar do tempo antes irrefreável, qual areia a escorrer pelos dedos, passou a ser lento e delicioso, como se finalmente fosse possível domá-lo em nossas mãos. Novas descobertas acontecem a cada segundo e grandiosas experiências são vividas a partir de então. Descobre-se o quão interessante é ter o direito a ser livre. Poder deitar na relva, qual vagabundo em horário de rush, a sombra de uma árvore frondosa e levantar-se quando assim o desejar, sem sentir-se culpado. Sentir-se sim, agraciado pela sorte de vivo estar enquanto muitos foram privados deste imenso prazer. Os dias se agigantam, o tempo pulsa vagarosamente e passamos a viver com intensidade cada momento como se nunca o tivéssemos feito, até então, na total amplitude que a vida se nos oferecia. Hoje percebo o quanto aprisionávamos também o nosso lazer, impondo horários, viseiras e cabrestos a uma vida sem liberdade, prisioneira de si mesma, e de um laborar imposto pela necessidade sol a sol. Hoje o TEMPO, um bem antes escasso e precioso, finalmente inteiramente a minha disposição. Sinto-me eternamente de férias! O jogo da vida agora me coloca a favor do tempo e não, mas escravo dele.
    Justiça a final! Algo tão real que a hipocrisia de alguns chega a pensar na idéia de que não se pode parar e que o ideal é trabalharmos até a morte imbecilidade pura.

    ResponderExcluir
  29. Acredito eu que nem sonho ainda em aposentadoria,,,( Inss ) que todos os dias renasce a necessidade de algo novo,,,aposentar-se por alguns minutos olhar pra dentro de vc e procurar as coisas boas e prazerosas num mundo que ta cada vez mais dificil de se relacionar -se ....O caminho é igual pra todos e viver intensamente significa as consequencias de um sempre amanhã ...PAZ AMOR E COMPREENSAO a todos vcs que a magia de viver com fe possa lhes proporcionar a cada segundo uma visao diferente pra um mundo tao cansado

    ResponderExcluir
  30. Que linha de pensamento fantástica, realmente a vida tem suas etapas, e quando joven, encara-se tudo com naturalidade, mudar de emprego, ficar rico e não precisar se matar de trabalhar, e outras tantas situações. Para mim, a aposentadoria é mais um desses prêmios E essa coisa de melhor idade,de viver intensamente como se fosse o último dia,essas frases jurássicas não levam a lugar nenhum...
    Existe uma coisa que se chama disciplina e harmonia... Observemos os ipês, por exemplo,nunca deixam de florescer porque está mais velho...Viver é muito bom, e não adianta ficar botando panos quentes, encaremos cada etapa com naturalidade e harmonia, sem neuras...Nessa fase tem-se livre arbítrio pra fazer o que mais gosta, lembrando que o ócio, dá uma sensação de liberdade incrível.
    Amei Tais.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  31. Essa vizinha tem que morrer mesmo. Ser aposentado é ter liberdade para fazer tudo aquilo que não conseguia fazer quando estava trabalhando. É uma bênção.Esta vizinha está muito equivocada...

    ResponderExcluir
  32. Excelente matéria!
    bj Sandra
    www.projetandopessoas.com.br

    ResponderExcluir

PARA OS MEUS AMIGOS - SUA ATENÇÃO...

1 - Agradeço os comentários dos queridos leitores e amigos, sempre bem-vindos, um grande abraço a todos! Voltem sempre.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

Taís Luso