17 de agosto de 2012

ESCREVER É VICIANTE



- Tais Luso de Carvalho

Começo este texto dizendo como é bom e também difícil escrever; fico a imaginar certos cronistas que escrevem diariamente para jornais, também. Sei quais são, sou boa leitora de jornais. Na maioria das vezes eles escrevem crônicas excelentes, outros dias, nem tanto. Mas há de se dar um desconto: não é fácil lançar um texto por dia, com hora marcada e com contrato a cumprir. O jornal não espera; a revista tem prazo pra fechar a página. É uma luta contra o tempo. Tenta-se tirar assunto até de pedra. Mas o pior é que nem tudo tem importância para se levado ao leitor. Então existe mais esse critério a seguir: o que realmente é relevante para ser contado. Como ficam os escritores profissionais com tempo se esgotando? Esses, são os heróis da escrita.

Estava há 5 minutos revendo e corrigindo uma crônica e parei: vi que minhas ideias estavam se embaralhando; quanto mais mexia, pior ficava. Que maçaroca! Pulei pra outra folha, branquinha e fria -, louca pra que eu me danasse novamente – todas as folhas brancas são iguais, nos desafiam a escrever algo que preste.

Algumas vezes começo um texto e na metade... cai! Ué, por que caiu? Uma palavra é o bastante para puxar uma lembrança e o negócio se mistura. Qualquer coisa que se escreve tem o seu tempo de maturação, muita coisa se desarruma. Deixo em banho-maria. Mas e quem não tem tempo para esperar?

Cada vez exercito mais a objetividade. Enxugar um texto se faz necessário pra não cansar o coitado do leitor, ainda mais com a Internet que requer textos curtos e objetivos. Não dá pra ficar enfeitando, usando adjetivos desnecessários num país que já lê pouco.

Por que não paro por hoje? Por que não fecho o computador e recomeço outro dia? Só tenho uma resposta: escrever vicia. Insisto, tento. Não me entrego. Faço um esboço do assunto e paro. Volto, releio, enxugo, modifico. Troco de assunto no meio do caminho porque surgiu uma nova ideia. É como se estivesse pintando uma obra e vejo que não acertei o tom, o traçado, o equilíbrio, a harmonia, sei lá. Dá uma agonia. Mas uma agonia diferente, não de dor, mas de procura. Tudo que é bom e que gostamos, vicia! Uma parte do cérebro dita a regra: faça porque é bom!

Mas, nem tudo o que se pensa deve ir para a mídia. Pode ser importante para alguns, mas não para outros. E principalmente quando falamos de sentimentos. Aí pode ser desastroso. Enquanto me sensibilizo e sofro por algo, para o leitor pode ser galhofa.

Ninguém escreve para si; se assim fosse não sairia da gaveta. Penso que na era da informática, da escrita livre e rápida dos blogs, sites, Facebook... as gavetas ficaram limpas. Todos querem se manifestar, porque o ser humano sempre têm algo para dizer. E cada um se manifesta e se expressa de seu jeito: uns na escrita, outros na arte, outros na oratória, na dança, na mímica... Enfim, queremos criar.

E, essa comunicação livre, essa liberdade que temos na Internet é que deve ser preservada. Naturalmente com qualidade e com respeito; escrever por prazer, exercitar nossa mente e colocar ordem nas ideias. Não tenho dúvida que escrever é um vício tanto quanto gostar de ler ou praticar esporte. Os que gostam de escrever sabem o quanto é viciante e desafiador olhar para uma folha em branco. 
É trabalhoso, mas como é bom!


-----//-----


33 comentários:

  1. Linda crônica e realmente é viciante!! Adoro escrever...

    Não seria capaz de ter prazo marcado ,todos os dia, com hora certa...Deve ser fooooooooogo!!! Parabéns aos que conseguem!! beijos,chica

    ResponderExcluir
  2. Realmente o escrever é um prazer e uma dificuldade ao mesmo tempo: eu só consigo uma vez por semana e olhe lá. O problema é que quanto mais o tempo passa, qto mais escrevemos, mais exigentes vamos ficando...
    Tenha um ótimo fim de semana!

    ResponderExcluir
  3. Escrever faz parte da vida!
    É um acto por vezes doloroso, outras, é um belíssimo acto de criação!
    Gostei da crónica:)!
    Abraço

    ResponderExcluir
  4. Taís,
    É isso, também tenho esse vício e o acho uma barato, na falta de definição melhor. Como você disse, há dia que se escreve bem e outro nem tanto. Pois é, descobri que meus melhores textos "mandam em mim", eu não tenho controle sobre eles. Sei vagamente como vão acabar, mas o começo e o meio vão surgindo na medida que escrevo, e costumam sair de uma fornada apenas. Finalizado o texto, em geral verifico que supimpa, não precisa nem de revisão. Já, aqueles elaborados que vou construindo aos poucos, pensados, não costumam ser os melhores. No mais, viva esse vício!!! Abraços, JAIR.

    ResponderExcluir
  5. ola , vi o seu comentário num outro blog e saí correndo para o seu blog, vendo seu magnifico espaço, adorei imenso, mas tenho um convite para fazer, se voce gostar de poesia venha visitar e dar a sua opinião aos meus poemas http://assombrado-mc.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Concordo!
    Um beijo grande

    ResponderExcluir
  7. Limerique

    Não sei se alguém um dia já disse
    Que escrever todo dia é chatice
    Falar coisa dessa
    É burrice a beça
    Na verdade, tremenda estultice.

    ResponderExcluir
  8. Limerique

    Costumo pensar desde o início
    Que escrever nunca será suplício
    Pois é algo salutar
    Que quem cultivar
    Pode considerar saudável vício.

    ResponderExcluir
  9. Pois é....escrever acompanhando o pensamento..é um dom...e não tem tempo para esperas,
    pois tem... é pressa...
    Mais um texto que me encantou..
    Beijo

    ResponderExcluir
  10. Tens razão amiga, tudo que é bom é viciante.Escrever tem múltiplos encantos, mas exige bem mais do que se imagina.Bela crônica!Escrevestes lindamente sobre habito da escrita e da criação. Parabéns.Ótimo domingo.Bjs Eloah

    ResponderExcluir
  11. Sou viciada Taís. Muitas vezes acordo na madrugada, e tenho que colocar meus pensamentos em uma folha, tenho medo de no outro dia,não me recordar mais, e vou registrando e guardando também. Quanto a você fique tranquila acabou de escrever algo muito interessante, e sinto sempre isto quando te leio.Mas você está certa, com tempo, vamos cortando e aprimorando, é mais fácil.

    ResponderExcluir
  12. Boa Tarde Tais
    Mas que texto maravilhoso!
    Que assunto importante abordou,sabe que todos os grandes escritores e poetas também,reescreveram seus trabalhos,enxugaram até mais de uma vez, e cada vez que alguém reescreve seu próprio texto,ele fica melhor.
    Isso é trabalhado em oficinas de leituras e textos.
    E quem dera todos tivessem esse maravilhoso vicio,eu também quando consigo parir minhas escritas ,sinto-me mais leve...
    Parabéns!
    Nota mil!

    ResponderExcluir
  13. bom, eu escrevo para mim, é uma forma de eu entrar em contato e registrar meus pensamentos. Ao final, alguem le, mas isso é menos importante. Eu pelo menos so gosto de texto que ao menos parecem terem sido escritos para si mesmos... a vontade de dizer ao outro, que é uma vontade de impressionar, as vezes causa um efeito de falsidade, ou hipocrisia. Os bons cronistas escrevem para si mesmos, ou pelos menos conseguem fazer parecer isso. O fato de um texto ser bom e outro nao, é uma coisa que esta mais no leitor. Se voce reler um texto que nao gostou, por vezes pode ate gostar da releitura, porque nao é o mesmo. Eu ja passei a amar texto que odiava e vice-versa, se bem que prefiro mais de amar as coisas do que odia-las. O que contamina definitivamente um texto é a falsidade, a arrogancia e a pretensao, estes defeitos sao imperdoaveis. Mas tudo o que foi escrito com sinceridade, merece atençao. Gostei muito das colocaçoes, alias sempre gosto do que provoca reaçoes e reflexoes.

    ResponderExcluir
  14. Então Taís... é isso mesmo. Vício!!
    E que vício gostoso. Estou sem tempo pra escrever esses dias e me dá uma agoniaaaa.Coisa de viciado mesmo.Mas fico aqui tentando arrumar um tempinho pra colocar pra fora o que tá guardado aqui dentro da minha cabeça. Se eu não fizer isso, afff... explodo!! rsrs.Bjssss

    ResponderExcluir
  15. Tais,

    Certíssima você: escrever é viciante! Não lembro bem quando adquiri o vício, penso sinceramente que vim com ele para esta terra pois desde que me conheço por gente "escrevo com o pensamento", ou seja, fico ordenando palavras, criando parágrafos, avaliando a força de meus próprios argumentos... Jogar tudo isso para a tela do computador é praticamente uma necessidade e um enorme prazer!

    Mas tenho, desde sempre, o mesmo probleminha da Sueli, que você mencionou em seu texto: enxugar a escrita. Ah, como é difícil não falar tudo que quero, do jeito que quero! rsrsrs Na faculdade, eu fazia dupla imbatível com uma colega para os trabalhos discursivos: a base do texto era minha, com todos aqueles floreios e subjetividade que me são típicos. Aí chegava ela e lapidava com primorosa objetividade. Cortava as sobras. Colecionamos notas 10 dessa maneira, fomos sucesso absoluto nas literaturas e disciplinas afins. Agora, depois de sua dica, estou pensando seriamente em chamá-la para ser colaboradora em meu blog... rsrsrs

    Você acerta sempre, a crônica está uma maravilha e colocando à prova meu outro vício: ler seus textos sem parar! rsrsrs

    Beijo meu.

    ResponderExcluir
  16. Gosto muito de suas crônicas Taís!
    Você escreve muito bem, a leitura é gostosa e leio num gole só, depois volto e releio novamente para me deliciar ainda mais.
    Parabéns querida por seu talento maravilhoso...beijinhos

    ResponderExcluir
  17. Oi Taís!
    Assino embaixo!
    Admiro muitíssimo quem tem o dom de escrever e ainda mais com prazo a cumprir. Eu certamente não conseguiria, muitas vezes diante do papel que espera o primeiro esboço de um pensamento já vejo que vai ser um parto a fórceps e desisto.rss
    Beijinhos e uma super semana!

    ResponderExcluir
  18. Oii Taís, que alegria te receber, coloquei seu blog na minha lista p não deixar de vir aki, assim não perco mais as postagens suas, os amigos vão aumentando e a gente vai se perdendo! Me identifiquei muito com a maçaroca que vira alguns escritos, palavras que puxam novos raciocínios e tudo vai se misturando, sou mestre nisso rrsrs, mas vc escreve muito bem e o resultado final é sempre muito gostoso de ler! Adorei! Escrever é mesmo viciante! Bjoooss

    ResponderExcluir
  19. ÔOOOOOOOh Tais bom bom nisso! Escrever cartaseia a alma daquilo que nos aflige, daquilo que insistentemente martela em nossa mente. Escrever nos livra de certas dores e raivas.
    É viciante escrever, e eu fico caçando aqui e ali o que escrever, o que dizer, o que transformar em reflexões. Tudo passa a ser visto como possibilidades de criações.
    Adorei a abordagem!
    beijokas doces e boa semana.

    ResponderExcluir
  20. curioso é que muitas vezes, ao reler o que você escreveu, se pergunta: fui eu mesmo que escrevi isto. (e lá no seu íntimo, você acaricia o seu ego: "legal!")
    às vezes, gostamos do que escrevemos, outras nem tanto... (geralmente o que gostamos não há grandes manifestações; agora quando consideramos algo médiano, muitos elogiam...) Escrever, o processo em si, é, de fato, um belo exercício. Mas depois do texto feito, já não ligamos tanto. respiramos fundo, recarregamos as baterias e nos preparamos pra mais um desafio de alinhar palavras, o mais justapostamente possível, e, que de preferência, tenha algum nexo...
    Beijos! (amei a sua crõnica)

    ResponderExcluir

  21. Olá Taís,

    Realmente deve ser estressante ter a obrigação de escrever por força contratual. A escrita é mais saborosa quando espontânea, quando acontece pelo impulso ou pela paixão. A inspiração nem sempre chega com hora certa.

    Gostei muito de sua crônica.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  22. Esse vício eu também tenho, mas realmente há dias que não há inspiração. E forçar não é legal, não! É melhor esperar...
    Muitas beijocas, lindona!
    Mais uma vez... aproveito a minha visita para fazer um convite especial.
    Participe do meu agregador de links e divulgue seu(s) blog(s) de forma rápida, fácil e grátis:
    http://soniasilvino38.blogspot.com.br
    Beijocas, muitas!

    ResponderExcluir
  23. Escrever é muito gostoso, não por obrigação, mas por prazer, colocando o que escrevemos, para que outros possam participar conosco daquilo que pensamos.
    Beijos.
    Élys.

    ResponderExcluir
  24. Por isso gosto tanto das frases sucintas, porque elas entram mais rápido no coração da gente, e acaba sempre sobrando um espaço para outra outra e mais outra... Beijos querida, como sempre sua prosa é "tudibão"...

    ResponderExcluir
  25. Taís, escrever sem pressa é para mim fundamental, acho que eu não conseguiria criar nada sob pressão. Outro dia fiquei pensando se as pessoas que falam bastante têm mais facilidade para escrever longos textos. Caso isso se confirme, to ralada, rsrs, vou ficar nas pequenas frases.
    Parabéns pela sua bela crônica!

    Beijos

    ResponderExcluir
  26. Olá Tais querida,
    Eu sou viciada em escrever. Adoro, morro de vontade de ficar, muitas vezes, até tarde da noite no computador
    digitando textos de minha autoria que, quase nunca vão para o blog. Por que?
    Porque sempre fui perfeccionista, coisa que, às vezes, até considero demais em minha personalidade.
    Tem que estar tudo correto, certinho,
    o português sem falhas ou erros e, é claro, ter conteúdo. Este é o grande problema pois, como você citou, o texto deve ser escrito para que outros o leiam e consigam entender o
    que eu quis transmitir.
    Há, também, que haver inspiração para escrever. Este é um fator de grande importância para quem precisa ter textos prontos e com um tempo determinado, como por exemplo, os que escrevem para jornais ou revistas.
    Adorei sua postagem!
    Grande beijo, amiga.
    Maria Paraguassu.

    ResponderExcluir
  27. Tem razão ao dizer que escrever é viciante. Fiz um blog só pra colocar na rede as coisas que escrevo. Tento ser objetivo. Nem sempre consigo, mas quem liga pra isso ? Sou professor de Portugues e Ingles (ja da pra ver que escrita e leitura são meu dia a dia, né?
    Fiz tambem um site que explica os "misterios" do ingles para brasileiros.
    Se interessar visite www.steacher.pro.br
    Gostei de seu blog e das cronicas . Abraços fraternos

    ResponderExcluir
  28. Passo para desejar um excelente fim de semana!
    Bjo

    ResponderExcluir
  29. Boa noite, querida amiga Tais.

    Amei...
    Realmente é angustiante quando tentamos dizer algo.
    Eu ainda não aprendi enxugar, e isso me incomoda muito.

    Imagino o estresse de quem escreve por encomenda.

    Desejo-lhe um lindo fim de semana.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  30. Sí é viciante y tú lo haces con mucho sentimiento y elegancia. He estado unos días de vacaciones y no he podido ver tu blog. hoy he estado leyendo algunas entradas y he pasado un buen rato compartiendo tus artículos y reflexiones.
    Muchas gracias por tus visitas y comentarios en mi blog. Es un honor tenerte como seguidora.
    Un beso y todo el cariño desde España.

    ResponderExcluir
  31. Ótimo post!

    faz tempo que li que escrever é um desafio... e mais uma vez foi constatado.

    ResponderExcluir
  32. Olá, gostei do teu texto. Também acho que escrever vicia. Tenho um blog há anos e sempre que vejo um fato polêmico ou interessante gosto de colocar minhas palavras sobre o assunto. Não tenho tantos seguidores como você, mas acho que escrevo coisas interessantes. Caso queira passar por lá, me sentirei lisonjeado. mseleriem.blogspot.com

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Selerie, muito obrigada pela presença, bem-vindo ao blog!
      Visitarei o seu blog, sim.
      Abraços.

      Excluir

MEUS AMIGOS - SUA ATENÇÃO...

1 - Este blog 'não envia nem recebe comentários anônimos ou ofensivos'. Meu e-mail está na guia superior, faça contato.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

3 - Meus agradecimentos pelo seu comentário, sempre bem-vindo.


Meu abraço a todos.
Taís Luso