1 de abril de 2013

UM AMOR VISTO DA JANELA




        Tais Luso de Carvalho

Pouco se fala das coisas bem simples, mas que estão aí e fazem parte diária da nossa vida. São tão simples que ninguém dá bola.

Há uns dias, desceu um aguaceiro por aqui, daquelas chuvas que vem rápido, e como chega já vai indo... Mas assusta. Foi forte e pegou muita gente desprevenida. Nada é engraçado se tratando de enchentes, deslizamentos e catástrofes que a natureza impõem. Mas observando uma chuva dessas, vindo sem avisar  e vendo as atitudes apressadas das pessoas, na tentativa de se protegerem, não deixa de ser curioso e por vezes engraçado. As árvores, que também sempre enlouquecem, deixam  qualquer quadro mais caótico.

Fiquei na janela observando aquela chuva tocada a vento e me senti como um cachorro perdigueiro, com todos os sentidos em alerta. Uma moça, já com os pés e roupas encharcadas, tentava proteger a cabeça com um lencinho azul, aberto e sustentado pelas duas mãos no alto da cabeça. Fiquei olhando enquanto pensava naquele ato estranho. Observei como é instintivo no ser humano proteger a cabeça. Deve ser isso, não vejo outra razão, uma vez que a chuva descia sem piedade e a mulher parecia um submarino.

Logo atrás, houve um pedido de carona pra dividir um guarda-chuva – que mal dava pra um. Mas houve solidariedade com a mulher de saia longa. As árvores estavam aflitas, soltando suas flores e sementes redondas que cobriam o chão, preparando, sem piedade, alguns tombos aos desavisados. A mulher de saia longa resvalou como se estivesse pisando numa casca de banana. A imensa saia parecia um abajur, subiu... lógico que comecei a rir da situação. Coitada. E eu aqui, com vontade de avisar que o negócio lá estava tipo tobogã... Uns, correndo desatinados, enquanto uma senhora de bengala  não tinha alternativa. Que agonia.

Um pouco à frente, dois velhinhos bem abraçados, tão enrolados que eu não consegui ver quem protegia quem. Mas seguiram,  enrolados como duas serpentes... bonito de ver aquilo. Senti de longe um amor protetor, preocupado e solidário. Ali, fiquei com pena. Pensei baixinho:  amor assim não deveria acabar... Segui seus passos até desaparecerem entre as árvores da minha rua.

A balburdia dos carros, a impaciência dos motoristas, as buzinadas, a falta de gentileza... tudo muito neurótico. Naquela hora, ninguém era de ninguém, e a rua, sempre dos mais poderosos, dentro de seus carros. Quanta diferença pude ver!

Mas no caos, sempre se descobre algo especial.
Amanhã esquecerei de tudo, menos dos velhinhos da minha rua que exalavam um amor maduro. Só de olhar aquilo, valeu minha manhã.



52 comentários:

  1. Que lindo e romântico te ler. Tão bom! E ver que o amor está em todas as horas faz bem. na chuva, no sol, ele está! beijos,tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Chica, ainda estou por aqui... rsrs. Vi beleza naquela simplicidade aqui do alto; apenas uma chuva caindo. E estava quase saindo da janela quando vi a moça tentando se proteger com aquele lencinho. Aí fui ficando...E peguei os meus velhinhos!

      Beijão, linda semana pra você.

      Excluir
  2. A chuva tem dessas coisas, faz o pensamento e o olhar correrem ligeiros, adoro tudo isso!

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Néia, a chuva tem o poder de nos enlouquecer! Pensando bem, nada acontece de muito grave, só molha! rsrs

      Beijão!

      Excluir
  3. Limerique

    Era uma vez alentado temporal
    Em tudo desastroso, menos banal
    Hora de solidariedade
    Na encharcada cidade
    É quando aparece gesto bom e mau.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, você fez um Limerique mais rápido do que a chuva!rsr
      Abraços, Jair!

      Excluir
  4. Tais! São esses amores que adoçam nossa existência... Apesar de tudo, ainda há quem se preocupa e cuida do outro! Lindo isso!
    Bjs. Célia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Célia, como só ouvimos, assistimos e lemos sobre coisas ruins, nada mal de vez em quando ficarmos olhando para algo lindo. Parece até algo surreal!

      Beijos pra você.

      Excluir
  5. Limerique

    Da janela observa a cronista
    Violenta tempestade niilista
    Enquanto acontecem
    Dramas a enternecem
    Na verdade casos surrealistas.

    ResponderExcluir
  6. Limerique

    A chuva deixa a cidade nua
    Enquanto irada limpa a rua
    A escritora observa
    E na mente conserva
    Fatos prá futura crônica sua.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nada mal poder falar de sentimentos que estão meio escassos, não?
      O planetinha e seus cidadãos até agradecem...
      Adorei os 'Limeriques'.

      Excluir
  7. Adorei o seu texto.....Achei bem real....
    Boa Semana
    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Andrade! Obrigada, amigo.
      Abraços daqui pra Portugal!

      Excluir
  8. Querida, é observando que participamos a margem de belas histórias ou de fatos corriqueiros, mas não menos encantadores.Adorei este teu jeito lindo de escrever esta crônica.
    Felicidades, sempre.Bjs Eloah

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, querida amiga, você tem razão, na simplicidade encontramos muita beleza. Obrigada pelas palavras carinhosas.
      Um beijão pra você!

      Excluir
  9. Olá Tais,
    quase tudo é simples. É muito bom notar os detalhes das pequenas coisas, curtir um olhar de carinho, um sorriso de bondade, um cafézinho, uma gota de orvalho sobre uma pétala...
    Os grandes momentos, as efemérides, o espetacular, esses são raros.
    Vi que você gosta da Charice, nós também gostamos. Ela é maravilhosa!
    Parabéns pela crônica, um abraço de todos do atelier

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Antonio, em suma, a vida é simples, nós é que não temos um olhar treinado para ver a beleza nas pequenas coisas. O ser humano precisa se deslumbrar com o colosso, com o magnífico. E a felicidade está tão perto: num gesto, num papo com amigos, numa roda de chimarrão, numa melodia que toca o coração. Ou numa gota de orvalho sobre uma pétala que você deve pintar tão bem!

      Meu carinho ao atelier!

      Excluir
  10. Manhãs chuvosas, amores eternos...
    Adorei!
    Um beijo grande

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Paulo, muito obrigado por ter gostado, fico contente.
      Bjos. Volte sempre.

      Excluir
  11. Oi amiga, tudo bem? Venho, através deste comentário, lhe convidar para o Primeiro Concurso de Poesias, "Pena de Ouro" do Blog do Bicho do Mato que será realizado de 20 a 30 de abril de 2013. Ficarei muito honrado com sua participação que será muito importante para o êxito deste evento.

    Para ler o regulamento, clique neste LINK. Conto com sua presença.

    Grato pela atenção.

    Grande abraço do amigo Marcos. Até mais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Marcos, agradeço o convite, mas não sou poeta, sou cronista.
      Os poemas que coloco em meu blog não são meus, são de poetas conhecidos. Mas desejo a você muito sucesso.

      Grande abraço!

      Excluir
  12. Oi, Tais. Gostei das imagens, gostei da crônica, mas acho que cabe um reparo: a moça do lencinho na cabeça, nos dias alisados de hoje, certamente só tinha uma preocupação: defender a chapinha ou a escova progressiva. Pode apostar.
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rsrs, pois Gabriel, eu não tinha pensado nisso!! Talvez porque eu não uso a tal 'chapinha'...
      Volte sempre, um abraço!

      Excluir
  13. Vc fez parecer casual o que, de longe, não é! Foi teu olhar sensível que se deteve nas cenas vistas pela tua janela...da alma???
    Me emocionei com teus velhinhos, e concordo com vc totalmente, amores assim não devem acabar nunca...se é que amores acabam...assim como me pus a pensar sobre pra onde teu olhar encaminhou teus pensamentos...a moça do lenço poderia facilmente causar graça pela tentativa inútil e morrer aí teu riso, mas não, e isso mostra o pq de tantos de nós virmos aqui "só pra te ler" e sairmos com sensações boas, refletindo e comungando tuas descobertas...especialmente hj foi bom demais passar por aqui...saio mais suave com tua crônica tão bonita...obrigada, Tais!

    Boa semana, abraço afetuoso!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida... esse teu comentário é tão sensível, tão carinhoso, tão exato que só tenho uma coisa a dizer: você é linda demais por dentro e por fora!
      Um beijo, meu carinho de sempre!

      Excluir
  14. Gostoso é poder ficar a observar as coisas a nossa volta né?
    é ver a reação das pessoas quando as coisas saem do controle, e bom mesmo e estar a observar e não ser o participante com alguém observando ... rsrs

    Gostei da crônica, esse é nosso dia a dia.

    Abraços
    Thiago

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Thiago, quando não somos nós os protagonistas, os observados, é gostoso, sim! É muito bom quando não somos o foco das atenções!

      Abraços, obrigada pela sua presença!

      Excluir
  15. Oi Taís!
    Gostei muito de suas crônicas. Em especial desta em que retrata o amor solidário e protetor. Amor que supera todas as barreiras e dribla o próprio tempo! Com certeza, deveria ser eterno!
    Beijo carinhoso!
    Zelia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Zélia, a gente vê hoje amores tão fugazes e tão facilmente descartados que ficamos na dúvida se isso é amor, mesmo. O que será isso? As pessoas mudaram ou o amor mais antigo era diferente, brega talvez? Se for chamado de brega devo ser a pessoa mais brega do mundo. Sou uma pessoa à moda antiga, deve ser isso! Mas continuarei assim, sem dúvida.

      Meu carinho pra você.

      Excluir
  16. Estimada, Taís Luso.
    Amei a sua crônica. Como sempre.
    Parabens, mesmo.
    Abraços, amaranençados.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, José Maria, muito obrigada, é tão bom ouvir isso!
      Abraços pra você!

      Excluir
  17. Oi Taís. Que coisa linda esta crônica. Adoro quando você nos proporciona conhecer um pouco mais do seu lado romântico, revelando a sua poesia e talvez um pouco de sua fragilidade diante dos fatos. Não digo fragilidade de fraqueza mas sim de uma forte tendencia humana, essa fragilidade que nos revela como pessoa sensível e sábia quando nossos olhos conseguem alcançar beleza, pureza e grandeza nas coisas simples do dia a dia. Que coisa linda esta proteção que o amor oferece e minimiza até uma tempestade. Que os seu casal de velhinhos continue assim agarradinhos até o final.Amei! Parabéns. Bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, querida Lourdinha, pois é, são estas coisas da vida que nos revelam a beleza dos sentimentos. E por elas a vida já vale ser vivida com mais alegria. Depois de escutarmos tantas atrocidades, de vivermos meio de sobressalto, um pouco de beleza proporcionado por aqueles dois velhinhos, só pode melhorar nossas vidas e trazer um pouquinho de alegria vista nas ruas - coisa meio rara...

      Grande beijo, amiga. Gosto muito quando você aparece por aqui.

      Excluir
  18. Olá, querida Tais !!

    Observar um momento desses e dele extrair a simplicidade, a comparação do que é mais bonito quando se protege de verdade até das tempestades da vida....
    Linda reflexão através do teu sensível olhar! Parabéns!
    Beijos, Vilma

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Vilma, pois é, amiga, estamos acostumados a olhar coisas grandiosas ou atos que chamam nossa atenção por não serem corriqueiros. Mas é na simplicidade de um casal de velhinhos é que pensamos na grandiosidade de sentimentos, hoje não muito relevados, quase sempre com normalidade, descartados. E sem muita cerimônia, as pessoas partem pra outra...

      Beijos, querida. Que bom você aqui, obrigada.

      Excluir
  19. Olá, Tais! Já fui ator de várias situações assim... Indo pra aula então, nem se fala. Acredito, inclusive, que por encarar tanta chuva para alcançar a aula, eu merecia uma vaga em uma universidade pública rsrs Brincadeiras a parte, foi muito linda essa passagem dos velhinhos. Em meio a tanto caos cinza, parecia haver uma mancha de vermelho sangue destacando-se. Será que no passado os dois jovens apaixonados tomaram um banho de chuva em nome do amor? Parece bem romântico.

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rsr, que o amor persiste, deu pra ver! Como o amor é diferente da paixão... A cada dia parece que se fortifica: mais e mais!

      Beijos, Fellipe, ótimo você por aqui!

      Excluir
  20. E valeu a minha, que passei por aqui para ler essa coisa linda. Texto de quem tem percepção apurada, que parou para observar. O resultado ficou lindo, apesar do desespero aí da rua! Amei! E se encontrar os velhinhos diga-lhes que mandeu um beijo carinhoso daqui do Planalto Central. :) Beijinhos, querida Tais

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rovênia, seu carinho deve ter chegado aos meus velhinhos... Como tenho um parque na frente, as árvores e o vento fizeram sua festa - horrível pra nós. Nem sempre as manifestações da natureza são lindas.

      Beijos, querida.

      Excluir
  21. Olá Tais!
    Pelo que li, o tempo por aí também está péssimo! Talvez tenhamos a mais, por cá, o frio...
    Mas é bela a sua descrição. A ternura do casal protegendo-se mutuamente numa situação tão desconfortável é maravilhosa. Um abraço amigo.
    M. Emília

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Maria Emilia, sim, o frio aí em Portugal é mais intenso, o inverno mais rigoroso! Mas os sentimentos devem ser os mesmos, ternos e maduros. Hora ou outra a gente vê um situação dessas.

      Beijos, amiga!

      Excluir
  22. Amiga Tais,

    Alguns contratempos, muito insistentes por sinal, me impediram neste seu belíssimo texto imediatamente após a postagem. Mas me conformo em saber que, na mesma data, li sua crônica e enviei minhas primeiras impressões por email. Lembro-me de ter mencionado um texto tão maduro quanto o amor dos velhinhos, que fala de sentimentos sem se exceder em sentimentalismos.

    De fato, suas palavras me proporcionaram o prazer de ver o mundo da sua janela! O corre-corre da rua em dia de chuva, o barulho, a impaciência no trânsito... e, como uma flor rara em pleno deserto, surgiram os velhinhos entrelaçados! Foi bela sua descrição, quase pude ver os enamorados daqui...

    Apenas uma contestação não poderei deixar de oferecer: por que a pena do casal? Minha amiga, um amor com essas características não morre, é eterno! Passada esta vida, virá a próxima e a continuação de todas as boas relações que desenvolvemos aqui... Creio firmemente nisso!

    Deixo um beijo, com um pedido de desculpas pela demora, frisando que realmente a falha foi técnica. Adoro seu blog!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Suzy, querida amiga: seu comentário está lindo, como tudo que você escreve, dando sua opinião sensata e madura. Só tenho a agradecer, sempre.
      Quanto falei que fiquei com pena dos 'meus velhinhos', não foi pelo seu bonito e incontestável amor que presenciei aqui de minha janela; mas pelo esforço de se conduzirem, da proteção que um dava para o outro, pelos muitos anos que carregavam consigo, pela lentidão de seus passos e ainda agarradinhos. Enfim, constatei uma vida aqui e agora, baseada num lindo amor, mas hospedado num corpo já cansado...Ou em dois corpos.
      Hoje, certas coisas estão meio descartáveis. Foi esse o motivo de minha pena e da minha admiração.

      Beijo grande, amiga!
      Também adoro seu blog. E recomendo!!

      Excluir
    2. Não te preocupa, eu entendi! rsrsrs Sabia que sua "pena" era em outro sentido... Apenas aproveitei para falar algo que penso e que de fato conforta, quando o fim da jornada se aproxima... Por coincidência, neste sábado tive o privilégio de ouvir um dos líderes da igreja que frequento, bem velhinho já, mas muito sábio e muito lúcido! Num poema, ele falava sobre o auge da forma física na juventude, que ele não trocaria porém pela sabedoria que adquiriu com o passar dos tempos. Ou seja, sente-se pleno, feliz, certo de que cumpriu bem com sua missão terrena. Que importam os passos cansados, os pés que não acompanham a velocidade da mente? Não importa, não incomoda, quando o olhar atravessa o véu que separa esta vida da próxima, e se estende além dela. Não cheguei nessa fase da vida ainda, nada sei na prática sobre ela, mas ouvindo esse líder tão querido e a quem tanto admiro reforço meus planos de ver a vida como ele vê.. E que venham os 80, 90, quem sabe os 100 anos!!! Mais beijos.

      Excluir
  23. Oi Tais!!!

    Vim aqui lhe dar um olá! Minha nossa quanto tempo não passo por aqui!
    Deixei meu cantinho um pouco parado mas estou retornando! Vim também agradecer o seu carinho e visita por lá!

    Gosto muito de ter suas leituras!
    E nem te conto, já estava com uma saudade imensa de ler teus pensamentos aqui! E veja só que presente tenho quando chego!

    O amor é uma das coisas mais belas que podemos cultivar e ele resiste mesmo, até as tempestades!!!

    Que maravilha!!!
    Agora fiquei com a imagem dos velhinhos na cabeça!
    Vou torcer para ter um amor assim!!!

    Bom fim de semana pra você!
    Um beijo enorme!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vanessa!! É verdade, quanto tempo, amiga...Eu também fiquei com os velhinhos na retina. Foram indo até sumirem, mas na verdade, não sumiram!
      Que bom que você voltou, não fique longe muito tempo!
      Um beijão pra você!

      Excluir
  24. Olá Taís!

    Parabéns pelo seu Blog!

    Os textos são inspiradores e fantásticos!

    Se puder, visite o meu:

    www.giovanipasini.com.

    Já sou seu seguidor...

    Att.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Giovani, bem-vindo ao blog! Obrigada por suas palavras.
      Já fui em seu blog, sou seguidora e voltarei para ver as matérias que me pareceram ótimas.

      Um abraço.

      Excluir
  25. A forma como descreveu o que viu ficou excelente. Observar pessoas é algo que gosto de fazer, principalmente em situações que fogem da rotina. E escolheu uma linda lembrança para guardar. Esse afeto, esse sentido de proteção, já passou por várias outras tempestades e nenhuma chuva há de tirar sua harmonia. Bjs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marilene, adoro observar relacionamentos e tudo o que diz respeito a sentimentos, atitudes em enrolações da nossa espécie. Ora maravilhosas, ora abaixo da crítica. É o nosso mundinho.

      Beijos, querida amiga.
      Obrigada pela sua presença!

      Excluir
  26. Olá Tais!
    A Natureza quando se expõe,forte,inabalável,impoluta,tem seu encanto em meio ás catástrofes,já vivenciei duas unundações quando estava voltando do trabalho,e o que se pode ver é isso mesmo,todos param diante de um mar repentinamente estendido na avenida,aí não existe estresse,apenas afloram o amor e a solidariedade.
    Lindo e poético!
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Solidariedade é lindo, sentimento dos mais nobres.
      Obrigada, amiga, grande beijo!

      Excluir

MEUS AMIGOS - SUA ATENÇÃO...

1 - Este blog 'não envia nem recebe comentários anônimos ou ofensivos'. Meu e-mail está na guia superior, faça contato.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

3 - Meus agradecimentos pelo seu comentário, sempre bem-vindo.


Meu abraço a todos.
Taís Luso