22 de setembro de 2017

LIÇÃO DE UM PESCADOR



          

            - Taís Luso


Hoje vou contar uma história que escutei ontem,  dividir  com vocês, amigos.
Estava um pescador a descansar numa rede defronte sua casa. Seu barco, ali ancorado, estava repleto de peixes recém-pescados no mar. Não faltava muito tempo para sua freguesia começar a chegar, e como sempre, vendia tudo o que pescava. No entanto, sempre deu tempo para um bom descanso, entre uma saída e outra para o mar. Curtia, desfrutava muito daquela praia que tanto amava. Um lugar paradisíaco.
Num certo momento, um homem que passava viu os peixes no barco e o pescador descansando em sua rede – feliz da vida. O homem sentiu-se incomodado e parou para falar com o pescador:

— Amigo, vejo seu barco cheio de peixes e você aí deitado na rede! Se colocasse mais barcos no mar e empregasse mais gente, certamente ganharia muito dinheiro; em pouco tempo teria muitos barcos pesqueiros e gente trabalhando para você!! Teria tempo para descansar muito e curtir a vida, olhando o mar.
— Meu caro, o que você acha que estou fazendo agora? Estou descansado sem os incômodos que teria! Não está bom assim?
— Mas você pode ficar rico!!
— Pra quê? Sou  feliz  assim!
O homem partiu sem dizer mais nada.

Pois é, e muitos agem assim, aumentam o número de empregados, triplicam os negócios da empresa viajando muito, compram mansões na montanha e na praia, apartamento em outro país, pulam de cá para lá atrás das melhores aplicações financeiras, e muito mais. Formam um império. Um império, maravilhoso! Empresários de sucesso!!
Passado alguns anos, sempre com muitos incômodos e preocupações, essa gente precocemente envelhecida, gasta boa parte desse dinheiro com tratamentos de saúde e internações. A fortuna vai ser desfrutada, então, por aqueles que nunca precisaram trabalhar: os herdeiros! 
 Porém, cada um tem suas prioridades e sabe de si. Mas penso  nisso.




_____________________________________




42 comentários:

  1. Uma bela reflexão essa! Viver na simplicidade, ao nosso modo, sem dar ouvidos aos "sábios conselhos de empreendedores"... Cada um sabe o melhor pra si...Ir devagar e sempre...Gostei, bjs, lindo fds! chica

    ResponderExcluir
  2. E refletir sobre isso é bem importante!
    Devemos dar ... as bases aos filhos para eles vencerem na vida!
    E se há muito para herdar ... fazer ver que é importante saber gerir!!!
    bj

    ResponderExcluir
  3. Que linda e perfeita Taís. Eu lia e recriava a imagem do feliz e sossegado pescador numa rede, sabedor da felicidade de estar bem o pouco que lhe era muito, pois ali tinha sua paz garantida com o sustento da família e por certo nem explorava os clientes com os preços. Nota-se envelhecidos muitos políticos ou empresários devido a carga que levam sobre os ombros.Uma reflexão sobre a usura que aleija, muito bem Taís.
    Lindo seja seus dias de paz e consciente de seu papel.
    Bom fim de semana para vocês.
    Meu terno abraço de paz e luz.
    Bjs de paz amiga.
    Vamos lá ver o Pedro.
    Uma feliz Primavera de dentro para fora.

    ResponderExcluir
  4. Dorival Caymmi é o detentor dessa vida "boa no mar"... Puramente natural!
    Está ai nas telas dos noticiários, a maioria que correu em busca do ouro, hoje está diagnosticado com as piores enfermidades... Creio que então, gritará a da "alma" que irá corroer todo o mal realizado para amealhar fortunas... Ah! Viver é tão mais simples... Vivo a me perguntar: - preciso disso? Qual benefício que me traz? Logo vou descartando para outros que valorizam bens materiais... Preciso de pouco, muito pouco para viver tranquila.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  5. É uma boa reflexão. Claro que os grandes empresários muitas vezes morrem cedo, e nem se gozam dos impérios criados, com tanto stress. Porém sem eles, quem criaria postes de trabalho?
    Abraço e bom fim de semana

    ResponderExcluir
  6. Tais,
    Eu sou esse pescador! Há muito me livrei de ambições materiais e não desejo um níquel a mais do que tenho. Acredite, uns tempos atrás eu jogava na loteria como quase todo mundo faz Daí, um dia me perguntei porque fazia aquilo? Descobri que não tinha vontade de ter mais! Descobri que com o pouco tenho vivo muito bem. Hoje dou prioridade ao meu lazer e as coisas que gosto de fazer: Poesia e escrever, além, é claro de viajar sempre que me dá na telha. Simples assim.

    ResponderExcluir
  7. Ao sabor das ondas e saber aproveitar a embalagem.
    Bjs

    ResponderExcluir
  8. Boa noite, querida amgia Taís!
    Tem uma pasagem bíblica que diz assim:
    É inútil que madrugueis, que tarde repouseis, Que comais o pão de dores: Aos seus amados ele o dá enquanto dormem.
    (Sl 127,2)
    Foi o que logo me lembrei ao ler seu post... vale a pena meditar sobre a efemeridade da vida e a qualidade dela...
    Gostei muito de meditar com você sobre esta questão.
    A ganância nunca tem bom termo...
    Seja feliz e abençoada!
    Bjm de paz e bem

    ResponderExcluir
  9. Cierto, muy cierto. Por eso cada uno tiene que meditar
    sobre lo que realmente le importa en la vida y hacia dónde quiere dirigirse.

    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Olá, o homem que interceptou o pescador é do tipo que só vê dinheiro e mais dinheiro e nunca está satisfeito, mais tarde gasta o dinheiro para tratar da saúde pelos bons médicos pagos a peso de ouro, enquanto os trabalhadores morrem por não terem dinheiro para se tratarem quando estão doentes, compreendo, que na vida tem haver de tudo, cada um escolhe o melhor para a sua vida, desde que não prejudico terceiros, assim, prefiro as pessoas humildes como o pescador, até porque vivo no meio deles, do que os iluminados exploradores que só pensam em cifrões como o Tio Patinhas.
    Feliz fim de semana,
    AG

    ResponderExcluir
  11. Bom dia Tais.
    Tudo na vida tem que ser feito com equilíbrio. Não podemos apenas trabalhar sem pensar em viver a vida. Pois a brevidade da vida nós faz usufrui o dinheiro do nosso trabalho no presente, pois o futuro chegará ou não. Um lindo fds minha amiga e para o Pedro também. Forte abraço.

    ResponderExcluir
  12. Gracias por compartir la canción que es tan armoniosa como bien cantada.

    El sentido de la vida no puede ser solo buscar la manera de ganar más dinero, para tener más cosas de las que necesitamos, para terminar dejando una gran riqueza a nuestros hijos. Sin embargo, es el patrón por el que viven muchas personas y, está demostrado, el dinero no nos da la felicidad -tampoco la pobreza es buena- y si podemos elegir -hay mucha gente que no puede elegir- lo más razonable es trabajar para cumplir con las necesidades básicas, estar abrigado en los inviernos y fresquito, en los veranos; disponer de algunos ahorros para la vejez y ayudar, si podemos, a quien lo necesite.

    Creo que esta era la filosofía del buen pescador, no le dedicaba al trabajo 14 o 16 horas diarias. Hay quien trabaja de un modo esclavo y es explotado por sus empresas y, desde luego, no podrá nunca enriquecerse.

    Interesante relato. Ha sido muy placentera la lectura. En pocos días, estará el otoño asentado y antes de que nos hayamos dado cuenta, el invierno con su adusto frío, lluvia, vientos e incluso alguna nevada. Como siempre. Son muy largos nuestros inviernos.

    Un abrazo. Franziska

    ResponderExcluir
  13. Cada um sabe como e onde encontra seu prazer e a simplicidade não é sinônimo de pobreza ou falta de empreendorismo, mas de saber viver com o que realmente importa. bjs

    ResponderExcluir
  14. Olá Taís! Concordo que os pais façam por onde facilitar a vida dos filhos, mas não vegetarem para que os herdeiros vivam na base do "Sombra e água fresca". Bela crônica amiga. No Arte & Emoções tem bolo. Passa lá! Rsrs.

    Abraços,

    Furtado

    ResponderExcluir
  15. LINDA E REFLEXIVA ESSA HISTÓRIA,QUERIDA AMIGA TAÍS.

    A GANÂNCIA DE ALGUNS NÃO OS DEIXAM VIVER COM PLENITUDE E PARTEM CEDO DEIXANDO APENAS BENS MATERIAIS E NADA MAIS.

    BEIJOS SABOR CARINHO E UMA NOITE DE SÁBADO DE BÊNÇÃOS

    DONETZKA

    ResponderExcluir
  16. Pois é uma história encantadora e significativa de que muito gostei.
    A ambição desmedida, já por si, é uma doença que faz germinar outras...
    Já há poucas almas simples como a deste pescador e como a de Caymmi,
    pelo contrário, países evoluídos nórdicos - entre eles o Canadá - valorizam muito os novos-ricos empreendedores, os «self made men»...
    O bom senso, o gozo de uma vida equilibrada e plena de contentamento, deveria ser o sonho de qualquer ser humano.
    Foi uma partilha muito interessante que induz reflexão, numa altura que estamos aconselhando gerações jovens...
    Também foi muito bom voltar a ouvir Caymmi...
    Querida Taís, um domingo primaveril harmonioso e muito agradável.
    ~~~ Beijos ~~~

    ResponderExcluir
  17. Oi Taís,
    Gostei.
    Quem pode dar um empurrãozinho fica mais leve a vida do outro e o outro terá como estudar bem seus filhos. Só um "empurrãzinho".
    Mas cada um é o que quer ser.
    Deixei uma resposta pra você no meu blog
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  18. Amiga Taís, uma bela história repleta de lições. Uma boa partilha para nós leitores.
    Estamos na Primavera a mais bela estação do ano! Que venham as flores para enfeitar nossos dias.
    Bom final de semana... Que cada dia seja iluminado com gotas de alegria e sabedoria para que possamos viver na paz com toda a humanidade.
    Abraços da amiga Lourdes Duarte.

    ResponderExcluir
  19. Taisinha esta tua crônica está muito boa. Esse pescador é um homem sábio. Ele faz muito bem o que sabe: pescar. Mais do que isso, também sabe o real valor da fruição da vida. Essa pessoa que o aconselhou a fazer fortuna com seus peixes, para poder ficar na praia admirando o mar, não se deu conta que isso ele já faz, sem ter muito trabalho e, pior que isso, sem muito incômodo. O pescador pesca o suficiente para viver (e vive bem), trabalhando no lugar que mais gosta, o mar, perto da praia. Ele também deve saber que muito dinheiro não aumentará os anos que tem para viver. Quê lição!
    Um beijinho daqui do escritório.

    ResponderExcluir
  20. Olá amiga, bom dia!
    O segundo POETIZANDO E ENCANTANDO já está no blog esperando você. Seja bem vinda.
    Estendo o convite aos seus seguidores que desejarem conhecer meu blog, seguir e participar da brincadeira.
    Tenha um abençoado Domingo.
    Abraços da amiga Lourdes Duarte.

    ResponderExcluir
  21. Pensando nisso... alguns dos homens mais ricos de Portugal... e mais conhecidos... não têm mesmo um ar nada feliz... tendo de facto um ar precocemente envelhecido!...
    Tudo precisa de equilíbrio, nessa vida... já convivi com pessoas gananciosas... que foram infelizes, durante toda a sua vida... e fizeram da vida dos outros, um verdadeiro inferno...
    Acho que você está certíssima, Tais! E tenho opinião igual!...
    Um beijinho grande! Bom domingo, e feliz semana!
    Ana

    ResponderExcluir
  22. Bom dia, querida Tais!
    Primeiramente, quero agradecer a você por compartilhar conosco tão linda postagem, gosto demais do Dorival Caymmi, suas músicas e letras são relatos de histórias, as quais vemos ao longo da vida. Confesso que hoje penso semelhante ao sábio pescador. Quem sabe os anos de vida nos fazem analisar o verdadeiro valor do trabalho e do acúmulo de dinheiro, o qual no futuro é motivo de brigas na família, pela herança de quem trabalhou, mas não viveu e nem desfrutou.Gostei muito. Beijos!

    ResponderExcluir
  23. Completamente de acordo com o pescador, o objectivo nesta vida é ser-se feliz.
    Um abraço e boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderExcluir
  24. Muito bom passar aqui,
    por este teu cantinho lindo,
    neste início de semana.
    Busco ânimo.
    Busco novas luzes.
    Busco...

    abraço
    Lola

    ResponderExcluir
  25. Uma história excelente, Tais. O pescador, tão sábio, tão lúcido, sabia bem o que estava fazendo. O dinheiro só é importante quando faz falta. Ao pescador bastava~lhe o que tinha. E era tanto...
    Uma boa semana, minha Amiga.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  26. Pois é Tais, o que é a sabedoria para cada um. O passante jamais fotografaria o silêncio como um dia quis Manoel de Barros. Também não faz ideia do que descansar numa rede e quando há de poesia neste gesto tão simples.
    Um beijo, amiga!

    ResponderExcluir
  27. Reflexivo tema, Tais.
    Creo que en esto como en todo, los extremos son malos.

    Un beso austral.

    ResponderExcluir
  28. Nós, portugueses, costumamos dizer que a primeira geração ganha, a segunda consolida, a terceira rebenta tudo.

    ResponderExcluir
  29. Querida Escritora, Taís Luso !
    Convivo no meio desses profissionais.
    São sábios !
    Parabéns pelo belo texto e um carinhoso
    abraço.
    Sinval.

    ResponderExcluir
  30. Um bom texto para se refletir. Creio que o mais importante é sempre procurar ouvir o coração e a razão buscando as decisões no mais puro e sublime amor que deve sempre fazer morada no coração de todos nós.
    Um grande abraço.
    Élys.

    ResponderExcluir
  31. Que eu saiba, todos miram a fortuna de que pouco serve, querida amiga Taís! Fazer o quê?
    Beijo
    Jorge

    ResponderExcluir
  32. Gosto tanto desta música de Caymmi!
    Sobre o pescador, olhe me lembrei imediatamente de um vídeo sobre uma entrevista com o Ricardo Darín (ator argentino). Está perfeitamente em harmonia com o tal pescador. Gostei dele, do pescador.
    Beijinhos bella Tais.
    Acesse aqui Tais, para ver - https://www.youtube.com/watch?v=w_PjeU7VwR4

    ResponderExcluir
  33. Grande Dorival Caymmi!
    Grande história!
    Grande Taís!!!

    ResponderExcluir
  34. Oi querida,
    Hoje o dia foi de cão.
    Não se precisa muito para ser feliz
    Eu trabalhei 40 anos, desse 35 em pé; sofro hoje as consequências disso, mas fiquei só com filho de 2 anos e tinha que batalhar.
    Depois o resto lhe conto no e-mail.
    Ainda rio da dor. Pode?
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  35. Bom dia e feliz Primavera,
    AG

    ResponderExcluir
  36. Cara amiga Tais, tenho a impressão de que no fundo, riqueza é um estado de espírito.
    Um abração. Tenhas um ótimo dia.

    ResponderExcluir
  37. Bendigo as pessoas que, como este pescador, conseguem ser felizes " tendo o suficiente ", pois, com tanto incentivo ao consumo, vivendo numa sociedade em que cada vez mais se valoriza o ter, é muito dificil ter atitudes destas. Claro que é bom ter dinheiro e poder usufruir de tudo o que ele nos proporciona, mas não podemos deixar que ele comande a nossa vida, fazendo-nos escravos dele, tirando-nos o tempo e a disposição para os afectos. Conheço pessoas que comigo conviveram e que hoje já não consigo reconhcê-las, porque o dinheiro os transformou em verdadeiros tiranos e lhes tirou aquela bondade , aquela honradez e etica que sempre encontrei nelas e nas suas familias. Como o dinheiro é capaz de envenenar corações, Tais!!!. Vendo este pescador, não posso deixar de pensar nos tais " excluidos " ( começar de novo ) e lamentar a má sorte que a vida traz para algumas pessoas. Dá uma grande tristeza ver esses milhares de seres humanos a quem a vida não lhes dá sequer um momento de sossego ; há crianças que desde que nasceram, só conhecem o som dos canhões e vivem fugindo sem nunca terem visto o mar, sem nunca terem tido uma rede onde descansar o corpinho
    franzino . Este pescador é um abençoado por ter o suficiente e mais ainda por ser capaz de agradecer esse " muito " que a vida lhe dá. Quanto a nós, é bom que aprendamos com esta lição, que reclamemos menos e que saibamos olhar com mais carinho para aqueles a quem a vida tirou até a capacidade de sonhar. E são tantos, estes, Tais! Abençoada sejas tu também por nos dares" aquele puxāozinho de orelha " tão necessário de vez em quando; e olha que não só as crianças que precisam dele!!! Beijinhos Tais e parabéns pelo tema tão pertinente nos momentos problemáticos que vivemos.
    Emilia

    ResponderExcluir
  38. Continuação de boa semana,
    AG

    ResponderExcluir
  39. Tais, tendemos a intentar darles a los nuestros lo que no hemos tenido.
    Es común que el hombre que vivió una niñez de escasez, trabaje hasta el agotamiento para darles a sus hijos los medios económicos que él no disfrutó, sin valorar el tiempo y el cariño que a él le dieron sus padres.
    A su vez, los hijos de ese gran trabajador no valorarán el dinero porque siempre lo tuvieron, pero a la larga sí reprocharán al padre que no les dedicara más tiempo durante su niñez.
    El pescador de tu historia era un hombre práctico. Sin preocuparse del padre ni de los hijos vivía el hoy sin complejos, de la manera que a él le hacía feliz. Una buena moraleja

    ResponderExcluir
  40. Um conto excelente, querida Taís, muito verdadeiro e real.
    A ambição, que domina o Homem, provoca guerras, destruição e morte.
    E afinal... ser feliz é tão fácil!
    Mas... é preciso saber sê-lo, e nem todos sabem, infelizmente.

    Estive de férias cerca de dois meses, mas já regressei. Dentro de poucos dias publicarei o meu segundo post pós férias.

    Continuação de boa semana.
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderExcluir
  41. TAÍS ,

    é exatamente isto: Ser feliz é o que importa e felicidade não se mede em números e sim, em emoções!
    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
  42. Um texto para refletir sobre as lições que nos passa. Esse pescador é um sábio!
    Abraços afetuosos!

    ResponderExcluir

PARA OS MEUS AMIGOS - SUA ATENÇÃO...

1 - Agradeço os comentários dos queridos leitores e amigos, sempre bem-vindos, um grande abraço a todos! Voltem sempre.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

Taís Luso