13 de janeiro de 2018

A BELEZA É RELATIVA

Curiosidades sobre o espartilho


           - Tais Luso 
Já está visto que o ser humano não mede suas vaidades e as consequências com sua saúde são gritantes. Mergulha sem pensar nas maluquices do momento, nos apelos da moda. O poder que a sociedade, o comércio e a indústria exercem, principalmente sobre as mulheres, é enorme.
Vejam, por exemplo, a extravagância do espartilho que, desde aquela remota época do séc 16 na Inglaterra, já dava pano pra manga. Uma peça que inventaram para valorizar as formas e dar mais sustentação ao corpo feminino. Era uma peça desconfortável, estruturada por barbatanas metálicas, longas e fortes amarrações nas costas. Torturante.
Em certas festas haviam salas de descanso, próprias para as mulheres soltarem as amarras do espartilho e respirarem por algum tempo, recomporem-se da tortura que se submetiam,  de livre vontade; porém, não tão livre assim, pois eram escravas da moda. Grande parte ainda é.
Lendo a História da Moda, chegamos à conclusão que coisas muito estranhas sempre acompanharão os humanos.  A História e os absurdos andam juntos. O uso do espartilho vingou por séculos, mas com muito sacrifício. 
Havia compressão na caixa torácica, problemas de respiração, fratura de costelas, deformação dos órgãos do abdômen, problemas circulatórios, inchaço nas pernas e desmaios, além de causar problemas na coluna, pois atrofiava os músculos da sustentação. Mas parece que a mulher pouco pensava em conforto e saúde.
em 1901 o espartilho caiu em desuso, com a invenção do sutiã. Mas muito antes disso, no séc 9, os famosos Pés de Lótus, das mulheres chinesas, já comandavam o espetáculo dos absurdos. Elas cresciam, mas os pés, não. Quanto menores seus pés, mais desejadas eram pelos seus pretendentes. (Ver aqui).
Bem, mas os espartilhos voltaram há alguns anos, mais leves e com um novo nome: Corsetet! Ganharam novo visual, mas as consequências que deixam para a saúde são semelhantes ao do espartilho se usadas com muito rigor e por muitas horas.
Os sapatos, antes mais delicados, hoje assumiram outra versão. Mesmo em calçadas irregulares, em pleno dia, a gente topa com sapatos duma altura inimaginável! O que pensar disso? A mulher perde a beleza do caminhar, pisa sobre ovos ou  sobre brasas! O andar mais horroroso de todos os tempos. E o conforto fica a desejar. Enfim, o mundo da moda é uma festa!  Ou não?
Clique nas fotos - aumentar
Quanto sacrifício!
Cathie Jung 70 anos (usava espartilho 23 hs/dia) é considerada a menor cintura 
do mundo - 38 cm. Guinness New Record.

Espartilho de ferro séc 16

    Espartilho 1880                       Corsetet contemporâneo


Sim,  elas caminhavam com isso!
Anquinha - 1870 - usado para aumentar 'atrás'. A moda compreendia
armações, amarrações, anáguas, saias, corpetes e  espartilhos.

'confortáveis' sapatinhos da moda 2018...

                                                


Beleza? Mas há quem goste desse 'conforto' para descansar.

___________________________________





48 comentários:

  1. DIO SANTO!!! Credo in cruiz,rs...Nem morta ficaria "sinchada" pra mostrar uma cinturinha de grilo,rs... E os sapatos? Isso não é beleza pra mim...Não é nada natural...Tempos atrás vi que uma dessas "famosas" tirou costelas pra diminuir cintura.Pode?
    Sofrimento puro e burrice em não se assumir! bjs praianos,tuuuuuuuuuuuuudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  2. Ola , queruda amiga Taís!
    Cada coisa que a gente vê que arrepia...
    Uso o que me deixa confortável...
    Hoje, comprando uma saída de praia, uma senhora entrou na mesma loja e perguntou a vendedora se tinha algo de acordo com a idade dela... olhamos uma para a outra ... nis entendemos pelos olhares porque ambas procurávamos o mesmo: conforto e coerência...
    Seja muito feliz e abençoada!
    Bjm de paz e bem

    ResponderExcluir
  3. Beleza

    Se for bonita, por certo será sadia
    Porque beleza, com gente saudável anda
    Como a fazer a sua própria propaganda
    Formosura, pela saúde pois se guia.

    Mais tarde, quando higidez por fim estia
    Beleza madura o rosto ainda comanda
    Pois alguma flexibilidade demanda
    A qual só termina na sepultura fria.

    Assim, o artista a beleza busca, então
    Para retrata-la em letras ou cinzel
    Visando prendê-la e fazer-lhe comunhão.

    Portanto a estética tem nobre papel
    De manter toda beleza em posição
    De levar uma mensagem lá para o céu

    ResponderExcluir
  4. Sem duvida que o espartilho tornava e tora a mulher mais bela e elegante. Gosto muito. Adorei o texto.

    Hoje:- A chave...numa insana desorientação.
    .
    Bjos
    Um óptimo Domingo.

    ResponderExcluir
  5. Jamais essa moda me pegaria... Uso tudo bem confortável e olhe lá... Afinal, nasci (nascemos) sem nenhum adereço indumentário, não é mesmo?
    Abraço.

    ResponderExcluir
  6. Não sei se ainda se usam. Mas o espartilho molda um corpo, no entanto, sabe deus algumas andam atrofiadas dentro deles. Quando ao calçado, os dois últimos não gosto. Looool.

    Beijo e um excelente Domingo

    ResponderExcluir
  7. E o ideal de beleza no tempo do Rubens era o obesidade , porque uma pessoa corpulente era um sinal de prosperidade .

    ResponderExcluir
  8. Taís eu não sou muito adepta a essa modernidade,pois a idade já não me permite,mas mesmo que permitisse acho que não usaria nada que me incomodasse só para ficar na moda.
    Gosto de me vestir,mas de acordo com o que eu me sinta bem e não me ridicularize.rs
    Adorei o texto.
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  9. Eu assino por baixo!!!Por aqui veste-se com simplicidade e praticidade!!!bj
    ...
    Se gosta de queijo ralado … veja as entradas que preparei:
    ttps://ospetiscosdagracinha.blogspot.pt/2018/01/entradas-de-chuchu-e-queijo-ralado.html
    ...
    E aqui … mais um belo recanto português:
    https://crocheteandomomentos.blogspot.pt/2018/01/ponte-medieval-do-marnel.html
    ...
    Que seja uma semana bem HARMONIOSA!!!

    ResponderExcluir
  10. Boa tarde, Escritora, Taís Luso !
    Quantos absurdos, diriam até os loucos...
    Eu, fico sem ter o que dizer.
    Que coisas horrorosas. Insanas !
    Um carinhoso abraço, Vizinha, e uma ótima
    semana.
    Sinval.

    ResponderExcluir
  11. Há quem goste e até ache o máximo. Prefiro a simplicidade das coisas.
    Excelente texto.
    Boa semana pra ti, Tais.

    ResponderExcluir
  12. Acho um absurdo que as pessoas se sujeitem a modas dolorosas e completamente desconfortáveis. Ainda hoje a moda está cheia de aberrações. Uma jovem que sofre de bulímia ou anorexia, porque tentou seguir os padrões de beleza supostamente normais. O que é normal é cada um ser o que é. As mulheres são muito culpadas, porque "concorrem" umas com as outras, entrando nesses absurdos.

    Enfim, cada um de nós faz as escolhas que quer e sofre as consequências das suas escolhas.

    Beijinhos e boa semana:)

    ResponderExcluir
  13. Querida Amiga, deliciei-me com fina ironia da sua reportagem.
    De facto, estes exageros são um fenómeno transversal aos séculos! Bem mereciam um estudo de uma equipa especializada em transtornos psicológicos...
    Presentemente, por que razão querem ser mais altas que os homens? Parecem a Branca de Neve e os anõezinhos.
    Diverti-me e gostei muito da crónica. Foi uma ótima inspiração, os meus parabéns, Taís.
    Alegre abraço.
    Beijo
    ~~~

    ResponderExcluir
  14. UI, UI,não gosto nem de pensar. Gosto da elegância, mas prezo pelo conforto. Mulheres se escravizam, se deformam em nome da beleza, da moda. Triste!!!

    ResponderExcluir
  15. Boa noite
    Que o espartilho deixa vc com uma certa elegancia sim. Mais muito tortura para o nosso corpo. Mais adorei o ttexto. Bj

    ResponderExcluir
  16. Mas, cara amiga Tais, lembre-se do ditado; "quem anda na moda não se incomoda!" Estou contigo, a moda deve ser acessível, fácil de usar e sem transtornos para o corpo. Um abração. Tenhas uma boa semana, um bom ano e uma boa vida.

    ResponderExcluir
  17. Se não conhece procure ver o que era sinal de realeza na China (os pés pequenos nas senhoras).
    E a tortura que era preciso para conseguir isso.
    Bjs, boa semana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Pedro, esse assunto falo na própria crônica e inclusive dou o link (azul) do meu texto no blog sobre as chinesas e seus Pés de Lótus! Veja lá.
      beijos!

      Excluir
    2. Passou-me despercebido.
      Peço desculpa.
      É isso mesmo.
      Uma verdadeira tortura.
      E confesso que não consigo compreender qual a beleza de tal monstruosidade.
      Beijo

      Excluir
  18. Tais, minha Amiga, mais uma crónica excelente. Ao longo dos tempos a moda é que determinou o que as mulheres deviam usar para parecerem elegantes. Felizmente os tempos mudaram e hoje só anda desconfortável quem faz disso opção...
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  19. Todo es sufrir para presumir, lo que han aguantado las mujeres anteriormente, ya que actualmente cada vez se va mas ligero y con menos soportes.
    Una feliz semana.

    ResponderExcluir
  20. Taís: É sempre com muito agrado que vejo ver novos posts seus! Muito obrigada por mais este e tão oportuno como sempre . Obrigada!
    Bom ano. Beijos

    ResponderExcluir
  21. Pois o que vemos nesta belíssima crônica é a mulher sacrificando-se para se manter na moda, principalmente no que diz respeito à mostra do seu físico visando agradar seus pretendentes, como os casos que mencionas, desde as crianças chinesas que tinham os pezinhos amarrados por suas mães para que despertassem o interesse de um pretendente ao casamento, até as mulheres da Europa Ocidental e das Américas, usando espartilhos que eram verdadeiras torturas. Quem sabe um dia sejam substituídos esses "valores estéticos" pelo gosto da literatura, da pintura, da História etc.
    Por falar em cultura, sempre aprendo muito aqui no teu blog. Parabéns.
    Um beijinho daqui do escritório.

    ResponderExcluir
  22. Bom dia, Taís
    Adoro ler as sua crônicas.
    Eu não abro mão do meu conforto.
    Usar calçado de salto alto nas calçadas de Copacabana é queda na certa.
    Cruzes!
    Tenha uma ótima semana.
    Beijinhos muitos.
    Verena e Bichinhos.

    ResponderExcluir
  23. Segurajmente con artículos como este, deriba el dicho. "sufre tortura para tener hermosura"

    Ahora no tenemos esto pero tenemos las operaciones de cirugía estética.

    Besos

    ResponderExcluir
  24. Há uns anos li que algumas senhoras recorriam à cirurgia para retirarem a primeira costela a seguir à cintura, porque isso lhes permitia poder ter uma cinturinha de vespa.
    Enfim, tudo em prol da beleza.
    Um abraço e uma boa semana

    ResponderExcluir
  25. Oi Taís,
    A vida sempre foi um aperto, apertar o corpo também é demais.
    Eu achei horrível essa moda. Ainda bem que não fui daquele tempo.
    Gostei
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  26. Tienes razón, lo bello de hace unos años no se parece en nada al concepto de belleza que tenemos ahora.
    Menos mal que la moda nos ha liberado de los agobiantes corsés que dejaban sin respiración y cuanto más apretados estaban más bellas se veían las mujeres ¡vaya tortura!
    Y peor tortura era la deformación a la que estaban sometidas las niñas chinas para poder lucir unos pies pequeñísimos.
    Lo cierto es que a las mujeres se nos manipula con facilidad, la moda arrastra y nosotros tratamos de seguirla como corderitos.
    Cariños y buena semana.
    kasioles

    ResponderExcluir
  27. Tais,

    uma bela e inteligente crónica que confere uma "marca" muito própria a este bog, donde se sai sempre gratificado.

    que nunca a "voz lhe doa" na "desconstrução" dos "mitos" da nossa "modernidade", que por vezes tão funestos se revelam.

    beijo,amiga

    ResponderExcluir
  28. Oh Tais.Eita que a tal mulherada se submetia a tamanho sacrifício, de que vale tudo isso se na hora do vamos ver, a realidade é outra. Quanto aos sapatos foram os mais horrendos que já vi!O conforto tanto do corpo qto dos pés é imprescindível! Muito boa sua crônica, ler seus escritos é sempre um prazer e um aprendizado!
    Noite de Paz!

    bjss!

    ResponderExcluir
  29. Será que deixava o cavalheiro esperando muito tempo, Taís? Será? Ela poderia encontrá-lo dormindo e depois de tanto sacrifício talvez ela também não tivesse disposição, fatigada, sem energia para outros prólogos (rss). Brincadeira séria! Será? Qual nada. Uso do espartilho é também um meio para descobrir-se as mudanças da sociedade em todos os campos. Às vezes, olhar em volta é uma lição. Bruna Marquezine bem nos fala das mudanças. Sei... não vale como exemplo, e por que não?
    Excelente a crônica, não há como abandonar a leitura dos seus textos... vamos deslizando, leves, soltos... e prazerosos. Doidos pra jogar a fora rss!
    Uma boa semana, Taís!
    beijo,

    ResponderExcluir
  30. Doidos para jogar a roupa fora (ato falho) rss.

    ResponderExcluir
  31. Que coisa mais estranha Taís, uma verdadeira moda de auto tortura.
    E hoje olhando para estas plataformas andantes fico a imaginar como
    aquelas sambistas conseguem façanhas com estas.
    Abaixo a ditadura do corpo!
    Bela cronica informativa em boa pesquisa amiga.
    Semana maravilhosa para você e Pedro.
    Bjs de paz amiga.

    ResponderExcluir
  32. A cronica é maravilhosa. No passado o uso do espartilho fazia parte da ignorância vigente da época, mas hoje em dia as mulheres que se escravizam seguindo a moda ao pé da letra, na minha opinião são tolas ou loucas, nada justifica sacrificar a saúde em troca de uma falsa aparência . Até hoje existe esta paranoia, com sapatos altíssimos, cirurgias plasticas, magreza excessiva, e vai por aí à fora. Mas cada um sabe de si, fazer o que? Para mim as mulheres podem ser bonitos e elegantes sem ter que usar qualquer parafernália que a faça sofrer.

    Beijinhos, Léah

    ResponderExcluir
  33. Tais Luso
    Achei interessante a historiografia do espartilho. A mulher está mais livre desse adorno que, ao fim e ao cabo a escravizava, até talvez lhe ficasse a dever o belo toque da feminilidade. Hoje continua a haver preocupação com a linha, mas é mais saudável a mulher recorrer a dietas ou ter cuidado com a alimentação.

    Daniel Costa

    ResponderExcluir

  34. Um texto sensacional! Quanta vaidade e quantos valores fúteis existem por aí... Há muitas aberrações que são de arrepiar, não é mesmo?!
    Primo pela simplicidade elegante! Rsss...
    Um abraço e obrigada pela visita por lá... Valeu...

    ResponderExcluir
  35. Tais
    um tema muito interessante e bem documentado que nos faz ler a sua crónica com elevado prazer
    gostei muito
    boa semana.
    beijo
    ;)

    ResponderExcluir
  36. Good Work Bonita ~_````

    2ª tentativa

    Boa e feliz Semana.

    ResponderExcluir
  37. Jesus!!! Quando visto uma cinta da Lupo fico quase sem ar, imagine nesse tempo antigo, aff! Quantos aos sapatos, nenhum é do meu agrado! Valeu a partilha, aprendi muito sobre o espartilho e a cultura dolorida das chinesas, coitadas!
    Beijos carinhosos!

    ResponderExcluir
  38. Boa noite amiga Taís
    É amiga o que não fazia e faz uma mulher por conta da beleza externa. Nem por sonho eu faria algo assim. Os sapatos altos algumas ocasiões são necessárias. É por isso que eu raramente aceito convites. Só de imaginar ter que passar horas em cima de algo assim. Sentindo matando meus pés prefiro ficar em casa rsrs. Belo texto. Uma linda semana. Abraços.

    ResponderExcluir
  39. Que felizes somos hoje em relação à moda! Que conforto!
    Interessante esta crónica, Taís. Nunca é demais refletir sobre estes temas para desconstruirmos imposições ou sugestões ridículas. Viva a liberdade!
    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  40. Cathie... creio ter conseguido uma cintura assim fina, também à custa de remoção de costelas...
    E a industria da moda, com os seus modelos anoréticos... continua a desejar impor a magreza como padrão de beleza...
    Um tema bem pertinente e actual... a moda, não deve ser mais importante do que a nossa saúde... vaidade nenhuma, por exemplo, vale uma perna partida, por conta de uns sapatos como acima nos mostra, Tais... que para mim, seriam autênticos instrumentos de tortura... e aliás... muitas passagens de modelos, brindam-nos com grandes quedas dos manequins, com sugestões de calçado absurdas...
    Isto já para não falar nas cirurgias estéticas... injectando não sei o quê, não sei aonde... implantes... e tudo o mais, por conta de vaidade levada ao extremo!
    Adorei a sua crónica!... E continuo impressionada com aquele sapato bourdeau com salto agulha... como é possível alguém se conseguir equilibrar naquilo ali?!?!
    Beijinhos
    Ana

    ResponderExcluir
  41. Mais uma excelente e pertinente crónica a deixar nas entrelinhas outros desmandos... Há demasiadas loucuras em favor do corpo que é "vendido"...
    Felizmente que vivo numa época em que não há uma moda, mas modas. Embora tenha alguns cuidados e goste de me arranjar, não sou escrava de nada.
    Bjinho, Tais

    ResponderExcluir
  42. Taís, parabéns pela competência (sempre aqui...) desta
    crônica para e de mulheres inteligentes, que sabem dizer
    não a esta ilusão perigosa e dolorosa, que muitas assimilam
    como produtos da venda da "beleza" , como você diz tão bem,
    relativa. Para mim, moda é autoconhecimento, elegância,
    estilo próprio, conforto e feminilidade...
    No meu caso, tenho estatura mediana e o meu marido é muito alto,
    mas, uso sandálias de salto baixo a médio e de mão dadas com
    ele e ficamos a sorrir quando encontramos mulheres de salto
    altíssimo no desfilar com o andar toda torta, no apoio do
    marido de lado, se ele se distraí, a responsabilidade nos
    ombros do marido...rss, Era melhor tá descalça e andar
    com elegância...
    Adorei esta sua crônica!!!
    Beijos.

    ResponderExcluir
  43. Que horrivel ficavam com esses espartilhos, parecendo uma taça, eu hein? rs. E esse vestido ridículo, com essa protuberância taras. Fico com genial Fernando Pessoa que muito sabiamente ponderou: "A beleza é o nome de qualquer coisa que não existe que eu dou às coisas em troca do agrado que me dão.". Beijos, Tais.

    ResponderExcluir
  44. O tempo muda mas os hábitos continuam. O padrão de beleza passou a ser inalcançável e torturante

    ResponderExcluir
  45. E quando eu penso que toda esta tortura e bizarrice era construída para impressionar os homens e, principalmente, senão a única intenção, de provocar outras mulheres!

    ResponderExcluir

AOS AMIGOS

Muito obrigada por sua participação nos comentários.
Comentários anônimos não são postados. Identifique-se.
Abraços a todos
Taís