13 de agosto de 2019

O PEDINTE DO PARQUE



           - Taís Luso


Foi ainda no mês de agosto. Fomos almoçar fora com os filhos e depois aportamos num alegre recanto de uma cafeteria no parque - defronte ao restaurante. Boa comida e depois papo de família. Como estávamos do lado de fora, nas mesas rodeadas por árvores e plantas, ficamos conversando e vendo o movimento do Brique, com suas antiguidades, artes e gente bonita passeando.  Como é um lugar democrático, ao ar livre, alguns pobres faziam seu passeio a fim de ganhar um dinheirinho.

Aproximou-se de nossa mesa um simpático pedinte com uma grande sacola cheia de latinhas vazias que catava pelas redondezas. Perguntou por nossa preferência de bebida: refrigerantes ou cervejas?  Minha filha disse que gostava de coca cola. Até então eu não tinha entendido muito bem o que ele estava fazendo. Sentou-se no chão, cortou a latinha pela metade e fez uma chaleira pequenina, com tampa, alça e o bico. Tudo muito rápido. Ficou engraçadinha. Logicamente ela lhe deu um dinheiro, agradecendo.

Olhou para mim e perguntou alguma coisa que também não entendi; mesmo assim pegou uma latinha de 'cerveja' tamanho normal, cortou, moldou e me ofereceu em tamanha miniatura, muito bonitinha. Será que ele me achou com cara de beberrona? Mas ficou por isso mesmo, até que me alcançou a latinha. 

Elogiei o que fazia e também dei-lhe um dinheiro para ajudá-lo, agradecendo pelo seu trabalho. O homem saiu contente com o dinheiro que ganhara  e por ver que ficamos contentes e o elogiamos - o que não custou nada. Disse-lhe que colocaria em minha cozinha! Sorriu, um largo sorriso! E foi o que fiz, não quero esquecer  o valor das coisas simples da vida. Que parecem simples.

Aquela sua maneira de pedir uma ajuda foi criativa e simpática. Não incomodou ninguém e ficou feliz por termos feito uma 'troca'. Acho que ele lucrou mais do que dinheiro, sentiu-se um pouco mais gente, não passou pela humilhação de ser mais um pedinte, nos ofereceu algo em troca.

Ficamos todos muito contentes de vê-lo sair alegre, e com sua sacola cheia de latinhas para continuar com o seu trabalho artesanal.
Foi uma tarde leve.


Na cozinha, a mini-latinha verde do pedinte.

Depois...uma caminhada no parque Farroupilha - Porto Alegre/RS






55 comentários:

  1. Um forma original de solicitar o auxílio de terceiros.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  2. Oi Taís,
    Nossa! Que pedinte maravilhoso!Que lindo lugar!
    Aqui onde moro tem muitos pedintes. A coisa está preta.
    Estava no Youtube, agora que vi seu comentário.
    Beijos no coração
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  3. Logran hacer bonitas creatividades, he visto que algunos se dedican a venderlas, es una buena forma de ganarse la vida con sus manos.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  4. Realmente uma pessoa inteligente no ato de pedir ao usar a sua criatividade!!! Bj

    ResponderExcluir
  5. Sem dúvida, uma bela troca...Ele sem pedir, sem importunar, oferecendo a sua arte... Valeu e o parque sempre lindo! Bela tarde passaram,né? beijos, chica

    ResponderExcluir

  6. Bom dia, querida Taís

    Aí ainda é bem cedo, não é?
    Ler logo pela manhã esta sua Crónica fez-me sentir leve e pronta para lançar um olhar feliz ao meu redor e transmitir essa felicidade. Apreciei imenso esse homem que prefere transformar a sua condição de pobreza em algo digno e ao fazê-lo consegue momentos de trocas não só pecuniária mas também de calor humano. A canequinha está muito bem na sua estante e isso diz muito de si, minha Amiga.

    Tenha um dia Feliz, aproveitando também para, com o seu poder de observação, detectar as coisas simples e bonitas da vida. Aqui estaremos à sua espera para nos fazer parte disso.

    Beijo

    Olinda

    ResponderExcluir
  7. Adorei esta crónica. Mostra-nos que até na pobreza, há dignidade que se tenta preservar, assim como há quem isso entenda e dê valor ao trabalho alheio, seja ele qual for.

    Se a Tais me permite, darei só uma opinião acerca do título da crónica. O modesto artesão - é assim eu lhe quero chamar - não pediu esmola, pelo que não o considero pedinte. Através da preferência da bebida, ou não, o homem moldava algo da latinha correspondente à mesma, e oferecia-a transformada em bibelot. Lógico que nada é de graça, logo, quem recebe também retribui. :)

    Esse bonito Parque faz lembrar o nosso Parque das Nações.

    Um beijinho grande e bom resto de semana, amiga Tais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida Janita, 'modesto artesão' têm muitos por aqui, estão espalhados no parque em suas tendas, mas 'pedinte' como esse eu nunca tinha visto! Por isso dei esse título à crônica. Mas agradeço a sugestão, querida amiga.
      beijo.

      Excluir
  8. Es la realidad de muchos de nuestros países, amiga Tais.¡Qué lindo se ve el parque Farroupilha!

    Un beso.

    ResponderExcluir
  9. Olá, Tais. Sempre me deliciou com as tuas crónicas. Disseste tudo. Este "pedinte" mostra a sua arte na rua, é um ser hunano criativo e merece ser ajudado. Tudo de bom. Bjinhos

    ResponderExcluir
  10. Pedir tem vindo a se tornar uma arte. Também por cá. E não é que resulta!
    Excelente relato, Taís.
    Continuação de uma excelente semana.

    ResponderExcluir
  11. Um belo exemplo de inteligência, no fazer e no pedir. Perfeito Taís! Adorei!

    Beijos e muita saúde e paz para ti e para os teus.

    Furtado

    ResponderExcluir
  12. Interessante e inédita forma de ganhar a vida. De cabeça levantada. É apenas uma troca.
    Mais uma crónica que se lê com enorme agrado. E a latinha é mesmo uma estrela na cozinha.

    Beijinho, querida Taís.

    ResponderExcluir
  13. Que bonito, Tais! O mundo passa por um momento em que olhar para as necessidades do outro, observar, compreender, é fundamental. Tudo está conectado, todos têm necessidade de se alimentar, morar, trabalhar, viver em paz. Que os menos favorecidos sejam olhados e tratados com respeito e dignidade, o resultado é bom para todos.
    Que parque mais lindo todo florido!!
    Adorei as latas e as leiteiras, cada uma com certeza com seu significado e história, até estarem aí alegrando sua cozinha.
    Abração!

    ResponderExcluir
  14. Bom dia, querida Taís
    Que linda troca!
    É gratificante fazermos o bem, não é?
    E a latinha ficou uma graça.
    Obrigada pela gentil visitinha.
    Continuação de uma ótima semana.
    Um abraço carinhoso de
    Verena.

    ResponderExcluir
  15. Tais, minha amiga

    sabe-se lá quanto talento e inteligência "desperdiçados"
    nos milhões de pessoas "descartáveis", em todo o Mundo!...

    dá que pensar a sua crónica!

    beijo

    ResponderExcluir
  16. sem pedir esmola, o bom homem manteve sua dignidade. Um relato lindo
    Beijos

    ResponderExcluir
  17. Quando querem actuam com gentileza até são criativos, o mau é quendo são agressivos.
    Nos canais de San Petersburgo um jovem seguiu o barco e em cada ponte saía-nos ao caminho com gestos de bem-vindos. Claro que quando descemos do barco estava ali para recever-nos num gesto de cumprimentos... mas estendendo a mão.
    Abraços de vida, querida amiga

    ResponderExcluir
  18. Boa tarde de paz, querida amiga Tais!
    Lugar muito aprazivel entre flores belas.
    Tem sido comum essa pratica por set menos invadiva, eu creio. Denota elegancia no ato de pedir. Aqui, fazem flor, bichinhos, outros artesanais na hora. Nao incomodam e conseguem seu intuito sem molestarem.
    Ficou um amor a prenda em sua cozinha.
    Senti a leveza da tarde como nos narrou que ela foi.
    Tenha dias alegres ainda que com temperatura negativa!
    Bjm Carinhoso e fraterno de paz e bem

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "por ser menos invasiva", desculpe-me, amiga. Bjm

      Excluir
  19. Minha mui querida amiga Tais, sempre elevo minha alma ao ler-te, que delícia, que lindo, que humano. Não custa nada, ouvir, entender, agradecer e demonstrar verdadeiramente que gostou, que elogia a atitude nobre do pobre pobre. Tão bom ler, neste mundo cruel e preconceituoso, algo que faz do simples o belo, tornando a vida mais leve.
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderExcluir
  20. Querida Vizinha / Escritora, Taís Luso !
    Felizmente, se trata de um artesão e não
    de um esmoleiro. Está, assim, preservada a
    dignidade do "Artista". Que bom !
    Gostei muito da essência do texto, Amiga,
    exatamente por isto.
    Parabéns e uma ótima semana, com um fraternal
    abraço.
    Sinval.

    ResponderExcluir
  21. Uma nova crônica muito boa. Ideia bem criativa a do pedinte do parque... 👏
    Lindo passeio florido!
    Um abraço neste finzinho de quarta-feira...

    ResponderExcluir
  22. A tua crônica retrata o “encontro” que tivemos, no último domingo, no Parque Farroupilha, com o jovem homem, que não podia ser tido como um mendigo qualquer, pois não pediu dinheiro ou qualquer outra ajuda, ele fez duas peças artesanais com duas latinhas que tirou de uma sacola, colocou-as na nossa mesa, onde tomávamos cafezinho, e nada pediu; sua atitude digna mereceu esta tua bela e sensível crônica. Parabéns, gostei muito!
    Um beijinho daqui do escritório.

    ResponderExcluir
  23. No sólo se sintió feliz por la aportación económica . También agradeció el rato de conversación y el reconocimiento a su trabajo y el gesto de humanidad de toda la familia. Ellos se sienten aislados en una sociedad en que la mayoría de personas pasan por su lado como si fueran invisibles.

    Necesitan un rato de conversación. Es muy triste sentirse solo y no poder conversar con nadie.

    Besos

    ResponderExcluir
  24. Enlazando con su entrada anterior acaba de ofrecernos una crónica de la que todo lector puede sentirse partícipe. A los ignorantes de su tierra, como yo misma, nos ha dado ocasión de conocer algo que nos une. Un parque, un paseo familiar, el bohemio que se gana la vida como puede logrando con ello no entrar en la categoría de mendicante. Puro documental porto-alégrense, Tais.

    ResponderExcluir
  25. Que interessante. Foi uma forma criativa, aqui na minha cidade muitos mentem e contam histórias gigantes de sofrimento para sensibilizar as pessoas e pedir dinheiro. Esse moço é bem honesto, ganhando dinheiro de forma criativa.

    ResponderExcluir
  26. Muchas gracias por tu paso
    y aportacion al blog
    Me alegra que te guste
    Espero poder leerte mas tus opiniones
    sobre mis pensamientos o y poemas
    Besos

    ResponderExcluir
  27. Nunca vi florido assim
    Nosso Parque Farroupilha.
    Que lindo! Que maravilha
    Em seu vermelho carmim!

    Parte dele está em mim
    Dentro d'alma qu'ainda brilha
    Por reflexo de uma trilha
    Da João Pessoa ao Bonfim

    Que eu cruzava sem temor
    Para ver o meu amor
    Na rua Oswaldo Aranha.

    Tudo passa mas se for
    Sem ter medo, nem pudor
    A nossa alma assanha!...

    Muito bom texto e uma lição de humildade, mostrando que todo ser humano tem identidade e amor próprio. Pobre mendigo, se vocês o fizesse invisível em um: "NÃO! MUITO OBRIGADO!" Parabéns! A civilidade e atenção ao próximo não pode ser suprimida a quem nos acerca. Dizem os místicos que há uma lei esotérica universal que diz que só somos felizes quando fizemos alguém feliz. É o tal É DANDO QUE SE RECEBE. Grande abraço! Laerte.

    ResponderExcluir
  28. Ele não era um pedinte. Ele prestava serviços em troca de qualquer moeda… Que bonita crónica, minha Amiga Tais.
    Um bom fim de semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  29. É de facto inusitado.
    A ideia da oferta antecipada é muito interessante.
    São pobres, mas não lhes falta sagacidade. Ele percebeu pelas expressões que não infundia medo, mas compaixão e que não iria ser escorraçado...
    Uma triste escola, uma vida dura!!
    Gostei de ter partilhado essa tocante vivência.

    Que belos estão os ipês do Parque Farroupilha!!
    Alegram o vosso inverno...
    Não conhecia o parque, fui investigar e fiquei encantada.
    Dias bons, caminhadas relaxantes...
    Terno abraço, querida Amiga.
    ~~~

    ResponderExcluir
  30. Gostei bastante do que li minha amiga e aproveito para desejar um bom fim-de-semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    Livros-Autografados

    ResponderExcluir
  31. Tais ninguém diga que as coisas simples, não tem valor, porque têm, elas partem sempre de uma ideia estimulante. No caso e muito bem, a ideia foi entendida. Por vezes, ideias estimulam outras ideias, no globo que é o mundo.
    bjs

    ResponderExcluir
  32. Olá, querida amiga Tais!
    Gostei muito do relato do teu encontro no parque com o pedinte «artista» da pequena latinha-estrelinha, que brilha no parapeito da janela da tua cozinha.
    Há encontros assim, luminosos!
    Beijo, Alegria, bom fim-de-semana.

    ResponderExcluir
  33. Minha querida Taís,
    Ninguém se torna sábio sem ter algumas vezes falhado. E as nossas falhas nos levam por vezes a ignorar que existem pessoas no Mundo que estão em estado de pobreza monetária, mas, não de pobreza intelectual.
    Ninguém se "atira" a viver nas ruas por vontade própria. O primeiro passo é simples: ignorarmos, pois, priorizamos as nossas vidas e nada é mais importante do que conseguirmos manter o nosso equilíbrio e padrão social. Mas, se não existe equilíbrio ao nosso redor, também não teremos paz.
    O homem mais simples pode com toda certeza realizar as tarefa mais nobres, estando destinado a enfrentar os problemas e obstáculos, quando nos importamos e ajudamos nossos semelhantes menos afortunados, pois, isso é praticar Deus em nossas vidas.
    Beijos e bom final de semana para ti e para o Pedro!!!

    ResponderExcluir
  34. OI TAÍS!
    ADMIRÁVEL. COM A DIGNIDADE INTOCADA, ELE OFERECE ALGO EM TROCA E QUE ÓTIMO TER TE ENCONTRADO E AOS TEUS, PARA QUEM SABE SALVAR SEU DIA POIS, PODE TER RECEBIDO MUITOS "NÃO OBRIGADA".
    NOSSO PARQUE "FARROUPILHA" É LINDO NOS PROPICIANDO TARDES AGRADÁVEIS NO BRIQUE DA REDENÇÃO.
    "PORTO ALEGRE É DEMAIS"
    ABRÇS

    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  35. Local lindo, esse parque Farroupilha...
    e pobre inteligente e cheio de dignidade...
    Beijo e abraço

    ResponderExcluir
  36. Que acontecimento lindo amiga. Na simplicidade, aquele ser humano transformou o dia da sua família em um grande exemplo. Saber respeitar o outro. Quantos não dariam atenção aquela pessoa simples e até o mandaria se retirar. Com certeza ele saiu muito feliz pela valorização do trabalho dele. Parabéns! Um belo exemplo o seu. Abraços

    ResponderExcluir
  37. Eu vim trazer-te o meu abraço
    E agradecer o carinho da sua visita
    com comentários lindos.
    Obrigado por sua
    preciosa amizade!!!
    Não existe nada mais lindo
    Do que o seu carinho com cheiro de Flor !
    Seja sempre bem vinda!

    ResponderExcluir
  38. Oi Tais! Penso que quer sobreviver dignamente sempre arruma um jeito para ganhar o sustento, porém, quem sou eu para julgar. Esse homem encontrou um jeito de ser respeitado e isso engrandece a alma. Muito lindo de sua parte e de sua filha ter dado oportunidade à dignidade. Coisas simplices que as vezes nem irá usar, mas deu ao próximo alegria e a recebeu de volta; Parabéns! Estou numa fase muita cansativa de serviço e por isso ainda não atualizei postagem. Obrigado pelo carinho de sempre minha querida amiga. Grande beijo. Boa noite.

    ResponderExcluir
  39. Que lindo e que bela narrativa! Parabéns!

    Beijos e ótima semana!

    ResponderExcluir
  40. Boa noite Tais,
    Uma história linda de tão real.
    Fiquei emocionada.
    Uma forma de pedir em troca de trabalhos artísticos, elogiados, e trocando conversação com vocês.
    Muito digno esse pedinte, talvez artista reprimido e carente de atenção.
    A rua está cheia de gente com valor.
    Um beijinho e uma semana muito abençoada.
    Ailime

    ResponderExcluir
  41. Bom dia...
    Hoje, de uma forma mais rápida, de maneira a chegar a todos. Espero a compreensão de todos. Cheguei com:- Entregas-me uma rosa num ávido beijo. {Poetizando e Encantando}

    Bjos
    Votos de uma óptima Segunda-Feira.

    ResponderExcluir
  42. Olá Taís! Passando para te cumprimentar e desejar uma ótima semana para ti e para os teus.

    Beijos e muita paz para todos.

    Furtado

    ResponderExcluir
  43. Muito interessante, muda a característica de pedinte para a troca. Com criatividade fez um trabalho que ofertado recebeu a recompensa dos elogios e do dinheiro. Emociona-me tal atitude. bjs

    ResponderExcluir
  44. Que lindo encontro Taís!
    A invisibilidade destas pessoas é o que mais lhes maltrata e a atenção de vocês o fez se sentir gente.
    Muito bonita a arte deles com estas latas eu já fui agraciado com suas artes.
    Uma semana maravilhosa para vocês e que a paz seja possivel.
    Muito bonito o ponto de encontro familiar.
    Beijo amiga.

    ResponderExcluir
  45. Tais,
    Mais um lindo escrito
    e esses encontros sempre
    resultam em aprendizado.
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderExcluir
  46. Tais
    Que gesto bonito e uma maneira peculiar de pedir, mas dar algo em troca.
    Por vezes pode não ter valor, mas o gesto é tão bom e gratificante para quem recebe e para quem dá.
    Uma crónica excelente e que gostei bastante de ler.
    Beijinhos
    :)

    ResponderExcluir
  47. Gostei muito da miniatura e de tida publicação.

    ResponderExcluir
  48. Boa noite Tais.
    Quê bela forma de se tornar uma troca Achei lindo a arte e criatividade dele. Feliz semana. Beijos.

    ResponderExcluir
  49. Adoooro o Brique!
    Já vi umas pessoas que fazem artesanato com latinhas. Muito legal ter essa habilidade!

    ResponderExcluir
  50. Obrigado Taís, o seu já consta da minha lista de blogues.
    Boa semana
    :)

    ResponderExcluir
  51. Uma forma interessante, cativante de conhecer como algumas pessoas se relacionam com a vida, com delicadeza. Gostei muito!

    ResponderExcluir

AOS AMIGOS

Muito obrigada por deixar seu comentário, se necessário for, deixarei resposta a alguma pergunta.
Abraços a todos
Taís