13 de novembro de 2022

EM BUSCA DA FELICIDADE

 

Parque Keukenhof / Holanda



                                  - Taís Luso de Carvalho


Muitos coisas, que observo tanto em mim como nos outros, me colocam a pensar na diferença entre duas palavras encantadoras: alegria e felicidade. Duas palavras que, de uma forma ou de outra, queremos como companheiras constantes. Mas, aprendi que alegria é uma coisa, a felicidade é outra. Alegria é um acontecimento prazeroso; felicidade é uma satisfação plena, um estado de contentamento e paz interior. Portanto, o paraíso não é um lugar físico, mas sim um estado de espírito. Sim, pra mim é isso.

A alegria depende das circunstâncias externas. E como nossas reações, nossa sensibilidade e nosso humor mudam conforme os ventos, temos os períodos de alternância: dias alegres  e bons, e outros nem tanto. 

A alegria pede para termos, enquanto a felicidade pede para sermos. Mas nossa sociedade gosta de viver de aparências, e muitos curtem os excessos. Somos seres vaidosos, adoramos umas purpurinas grudadas no ego. E a vida não é bem assim. Ela é feita de momentos, uma colcha de retalhos feita de alegrias, tristezas, frustrações, decepções, renúncias e desencontros. Assim, mesmo, um cardápio bem variado.

Não há como ser feliz em tempo integral se nos deparamos  com a falta de respeito, com as injustiças, agressões e com o abandono. Não sabemos lidar com isso, pois ficamos com as mágoas por anos. É fácil? Não, muito difícil. Quase impossível.

Dizem que nós, brasileiros somos um povo feliz! Não; num todo somos um povo alegre, simpático, hospitaleiro, musical. Mas para sermos um povo feliz, precisamos evoluir em muitos quesitos. Nós e o mundo inteiro! Diferimos uns dos outros, mas somos feitos da mesma matéria.

Somos todos interligados, independente do idioma, dos costumes, da cultura e da política. O que acontecer do outro lado do planeta, poderá interferir aqui, e vice-versa. Temos um exemplo em andamento, Rússia e Ucrânia, e que não acaba nunca! E o mundo não vive em paz.

Por isso a paz e o bem-estar entre as Nações são os principais quesitos a serem cuidados  incansavelmente.








48 comentários:

  1. Torna-se difícil enredar um comentários sobre suas crônicas, Taís, e isso por motivos simplérrimos. Você diz tudo, e com uma simplicidade de linguagem que me apaixona.
    Durante alguns bons anos busquei adaptar minha forma de compor e escrever, e te digo, foi preciso desaprender e recomeçar várias vezes. Cheguei ao ponto de cursar publicidade para ser mais ameno e dirigir minhas palavras para o público que queria atingir. Deu certo, e hoje, gosto do que escrevo. Mas o que me deixa feliz é encontra um texto como o seu, que é completo em suas ideias, parte de uma estrutura simples e direcionada, com ortografia e gramática perfeitas, mas é leve e prazeroso, não é cansativo, e carrega o leitor pelas mãos, dando a mensagem que se compromete a dar. Parabéns.
    Agora, vamos ao texto. Alegria e Felicidade. Você é feliz? Você está alegre? Conheço alguns filósofos que teceriam laudas sobre a questão do SER e ESTAR, e te digo com toda a certeza, eles jamais concordam entre si. Eu sou feliz, e estou alegre, mesmo apesar de tantas cacetadas e lambadas que a vida me dá. Tanto alegria como felicidade vem da aceitação daquilo que está em seu entorno. Muitos, por mais que acumulem fortuna, jamais serão felizes, enquanto outros se contentam com aquela parca vida que levam. Aragem fresca no rosto me deixa alegre, e um pouco de frio durante o sono me faz feliz. Cerveja gelada é de uma alegria tremenda, mas um chá quente no inverno me abre aquele sorriso. Tão pouco e tão fácil de conseguir.
    Dia desses, separei meu lixo reciclável e entreguei a um catador de latinhas, e ele me olhou de um jeito tão agradecido, que me senti feliz por muito tempo.
    Não é o que você tem ou pode comprar, mas sim como você está e como pode melhorar, tanto para você quanto para os outros. Uma simples lagartixa subindo pela parede me faz feliz. Não preciso escalar o Everest para me sentir assim. Mas, tudo é relativo, não é?
    O que não é relativo é vir aqui e me sentir feliz com você escrevendo desse jeito. Parabéns, e muitos.

    Marcio.

    ResponderExcluir
  2. Es difícil la felicidad total. Imposible sentir el bienestar de la felicidad con todo lo que está sucediendo en el mundo.
    Puede haber algún momento de alegría pero, al despertar a la realidad, todo se ensombrece.
    Un texto muy bueno y reflexivo.
    Te mando un beso, Tais.

    ResponderExcluir
  3. Taís, sempre perfeita! E essa tal alegria que falam dos povos é estranha. Quando morei na Itália, vi lá um dos povos mais deprê que vi... Sempre carrancudos, preocupados com algo. E. no entanto falam que os italianos são alegres, fanfarrões... E olha, sou casada com um, de Roma! Os brasileiros creio temos pequenas alegrias diferentes e momentos de felicidade. Assim ,precisamos reciclar nossos conceitos,rs... E quanto às guerras, isso o mundo inteiro torce pelo fim delas e que vença a PAZ!

    beijos, tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  4. Que vença a paz, concordo consigo Taís para que haja mais alegria:)
    beijinhos, vamos ponderar e tudo fazer para que a felicidade também esteja com muito peso na balança!

    ResponderExcluir
  5. Prezados Taís,
    Tão bem dito sobre a felicidade – um estado de contentamento e paz interior!
    Também a geração selfie que ama o glitter grudou em seu ego.
    Não se pode fingir felicidade total, pois o cardápio da vida também contém muitas outras emoções.
    Juntamente com a nossa forte Fé e conhecendo o nosso destino final – podemos lidar com tragédias e tristezas.
    Abraços,
    Mariette

    ResponderExcluir
  6. Boa noite , Tais! Enquanto alegria é um sentimento momentâneo de contentamento, felicidade é um estado de espírito constante construído por atitudes. Nem sempre o que nos causa alegria também trará felicidade a longo prazo. A busca por alegrias passageiras pode estar te distanciando de ser uma pessoa realmente feliz. E por ai vai..... Excelente crônica. Grande beijo. Tenha uma ótima semana!

    ResponderExcluir
  7. Querida amiga Taís, bom dia!
    Reconheço que tenho vivido num estado de felicidade com paz de espírito, fruto da consciência reta.
    Quem faz o mal não pude ser feliz, até pode estar alegre...
    Gostei muito da diferença muito bem elucidativa.
    Perfeita crônica que nos relata como somos e estamos.
    Percebi que purpurina no ego não nos traz felicidade como para muitos diz tanto.
    Envaidece e empobrece até, em muitos casos.
    A vida é prato de cardapio variado mesmo, com altos e baixos, alegrias e tristezas constantes.
    Haja um 'ácido' benefício para liberar energia boa...
    A alegria não foi feita para todos, a felicidade sim
    Na semana, disse ao meu padrinho que estava feliz. Bem diferente de alegre.
    Tenha dias abençoados!
    Beijinhos felizes

    ResponderExcluir
  8. Uma forma de ver as coisas sempre tão sensata e simples, minha Amiga Tais. Concordo com o que escreve, A alegria e a felicidade são coisas distintas, embora se completem. A felicidade vai-se construindo dentro de nós, aprendendo a dar importância àquilo que só o coração guarda. O mundo está difícil de entender e, por isso, a nossa alegria esmorece quando sabemos do imenso sofrimento dos outros.
    É um gosto ler as suas crónicas.
    Uma boa semana com muita saúde.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  9. Un texto estupendo Tais. La felicidad y la alegría pueden ir a la vez, en algún momento, porque se puede estar alegre y en ese instante te sientes feliz. Pero la felicidad como tú bien dices, es un estado de satisfacción y paz interior, que puede durar, mientras no surja algún problema propio o ajeno que implique en el ánimo.
    Como siempre un placer leer tus crónicas siempre tan acertadas.
    Un abrazo y buena semana.

    ResponderExcluir
  10. Bom dia, Tais.
    Revisitar-te é sempre a certeza de encontrar sábias palavras em
    tua belíssima literalidade.
    A tua crônica está irretocável!
    Fazemos parte do mesmo domínio universal. Logo, o que afeta determinado país afeta também os demais. E nossa felicidade depende muito do que aprendemos em nossa relação com as pessoas e com o circunstancial. As interligações se tornam necessárias e são atemporais.
    Meus efusivos parabéns e te desejo tudo o que a vida tem de melhor.
    Afetuoso abraço.

    ResponderExcluir

  11. Bom tarde, amiga Tais!
    Crónica muito interessante, que versa uma realidade que nos acontece com frequência.
    Há sem dúvida momentos que nos alegram, e outros que nos fazem felizes. Como diz e bem nesta sua crónica, são sem dúvida coisas e estados emocionais bem distintos .
    Gostei muito.
    Votos de uma excelente semana, com muita saúde.
    Beijinhos!

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. Buenas tardes Tais! Un relato muy acertado para los tiempos que corren. Realmente la alegría y la felicidad, son dos factores a tener muy en cuenta y creo además que, uno debe ser compañero del otro. Pero esos dos factores son algo complejos de conjugar hoy día. Cada vez son más grandes en distancia y para aproximarse ambos debemos de jugar un papel en la sociedad totalmente distinto al actual, cosa nada fácil.
    Un gran abrazo amiga deseándote una excelente semana.

    ResponderExcluir
  13. Taís,
    Concordo com sua linha de
    pensamento. Estamos sempre
    aprendendo com tudo ao nosso redor
    e com as pessoas que passam por
    nossas vida.
    Adorei essa frase em especial:
    "A alegria pede para termos,
    enquanto a felicidade pede para sermos." Taís
    Bjins de bom feriado
    CatiahoAlc./Reflexod'Alma

    ResponderExcluir
  14. O mundo não vive em paz enquanto a luta pelo poder e pelo ter se sobrepuser à luta pela igualdade de todos os seres.
    Abraço, saúde e boa semana

    ResponderExcluir
  15. Sentiria uma imensa alegria se eu conseguisse juntar as palavras essenciais de cada dos que me antecederam, substituindo-as para compor o meu comentário. Mas não vou sequer tentar porque me alegra bastante ler o que você escreveu tão bem, e o que cada um escreveu dissecando a sua crônica. Mas o que disse, disse-o com tanta sabedoria que mexeu com o meu ter e o meu ser. E como um ruminante que sou, seguirei aqui ruminando, sem deixar de buscar a alegria e a felicidade, se possível conjugadas, ainda que seja num quarto e sala, risos!
    Uma boa semana, minha amiga Taís!
    Um beijo,

    ResponderExcluir
  16. Bom dia, Tais
    Linda reflexão. Felicidade é uma satisfação plena, encontrei em Cristo, Ele preenche todo coração, independente da situação que vivemos. Um forte abraço.

    ResponderExcluir
  17. Acredito na felicidade mundial a partir do momento em que a humanidade se conscientizar de que somos todos irmãos. Bela crônica Taís. Parabéns!

    Beijos e uma ótima semana para ti e para os teus.

    Furtado

    ResponderExcluir
  18. Lundo post.

    Arthur Claro
    http://www.arthur-claro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  19. Creo que la felicidad no depende para nada con lo que poseemos y es algo parecido a la riqueza que no es mas rico el que mas tiene si no el que menos necesita.

    Saludos.

    ResponderExcluir
  20. «Não há como ser feliz em tempo integral se nos deparamos com a falta de respeito, com as injustiças, agressões e com o abandono. Não sabemos lidar com isso, pois ficamos com as mágoas por anos. É fácil? Não, muito difícil. Quase impossível.»

    Ah, como eu te entendo...

    Beijo

    ResponderExcluir
  21. Muito boa crônica Taís abordar estes dois sentimentos, que tanto são confundidos. Entre o estar e ser sempre haverá uma lacuna, uma cratera. E você exemplificou com sabedoria as diferenças e fechou com um pensamento grande, de que não tem como ser feliz completamente quando irmãos se matam e s digladiam. Olhando para o Brasil, vivi um dia de alegria com o processo democrático e logo veio o pesadelo com as manifestações em favor de uma ditadura, de uma fissura na democracia, que acirra ainda mais o ódio entre pessoas, Somos brasileiros esperanças e a tal felicidade a gente aposta nela. Mas é preciso deixar viver.
    Muito boa postagem Taís.
    Que a semana flua leve e com gentilezas amiga e que a democracia sobreviva.
    Beijo de paz amiga.

    ResponderExcluir
  22. querida amiga Tais la envidia es el peor de los males del ser humano, no basta que vivan ellos han de hacer que no disfruten los demas , su egoismo les ciega , abrevan en las necedades de su furor interno al serles diferentes, algo de eso me esta pasando ... , intento pasar pero estan por todas partes hieren la mirada de hipocresia y redobles de fantasía que cuentan , hermoso relato Tais lleno de consejos para el buen andar , enhorabuena por compartirlo , asi como la armonia y paz de la bellas flores de la ilustración que son para grabarse dentro del corazón, Tais feliz semana, tu amigo . jr.

    ResponderExcluir
  23. Oi, Tais!
    A felicidade plena ou em tempo integral é utópica. Associam felicidade com fogos de artifício, luzes piscantes, pés nas nuvens e, não é nada disso. Encontramos a felicidade muitas vezes em lugares que remetem à paz, mas não a identificamos. A felicidade é aquele sentimento que está nas lembranças. Há quem diga que já foi feliz em um certo momento. Se a conquistamos, porque não a carregamos? Já a alegria tem a ver com "euforia da alma¨. Ela é espontânea e depende apenas do seu estado de espírito. Lembrei do bordão "pinto no lixo". Mais ou menos isso!
    O ponto de vista muda conforme o ângulo que olhamos. Sou daquelas que prefere ser alegre do que triste. E tem gente que tem tudo pra ser feliz, mas vive na depressão. É porque nesses casos, a química do cérebro não está legal!
    Beijus,

    ResponderExcluir
  24. Olá Tais, sempre gosto vir ler súas reflexions das cousas da vida, do que se acontece no mundo.
    Concordo plenamente na diferenciación dos termos alegría/ felicidade.
    Nenhuma das duas coisas é un estado permanente.
    Ha quen acredita que a infancia é un tempo feliz mas eu não acredito.
    Verdade que o que succede longe de nos afecta nossas vidas.
    Muito bem exposto tudo o que nos quería comunicar.
    Meu grande abraço

    ResponderExcluir
  25. Construimos la felicidad con suma de alegrías. Nada es nunca perfecto, no es necesario que lo sea. Lo importante es la actitud que tenemos y que tomamos ante los hechos o sucesos de la vida. Besos y abrazos.

    ResponderExcluir
  26. Boa tarde
    Uma crónica muito interessante e reflexiva.
    Já a li e reli e fez-me bem ler e usufruir destes ensinamentos que a crónica nos traduz.
    A diferença entre felicidade e alegria, tão bem definida.
    Sensata e sábia esta crónica, que adorei ler.
    Boa semana.
    Beijo
    :)

    ResponderExcluir
  27. Gostei do seu ponto de vista, amiga Taís.
    Eu vou me contentando em conquistar pequenas alegrias e felicidades diárias no meio da turbolência do mundo envolvente.

    Beijinhos e tudo de bom!

    ResponderExcluir
  28. Gostei muito da crônica,  querida Taís.  De uma forma clara e lúcida nos permite a exata compreensão da diferença entre  a felicidade e a alegria , quando pontua "a alegria pede para "termos", enquanto a felicidade pede para "sermos" .
    Perfeito!
    Aplausos!

    A alegria  nos oscila.
    A felicidade nos plenifica.

    Um beijo carinhoso

    ResponderExcluir
  29. eatou tentado em dar-lhe raazão nessa subtil distinção entre alegria e felicidade.
    acontece-me porém, que a Felicidade é colhida por momentos (tantas vezes solitária) e a alegria é esfusiante, e partlhada,

    como está, Tais? beijo

    beijo

    ResponderExcluir
  30. Boa noite Taís,
    Uma Crónica brilhante como sempre.
    Concordo também que alegria e felicidade tém conotações diferentes.
    No mundo em que vivemos nao há como ser feliz sabendo das guerras, da fome, de tantos tumultos que existem.
    Vamos fazendo os possíveis por viver pelo menos uma vida digna.
    Beijinhos e continuação de boa semana.
    Ailime

    ResponderExcluir
  31. Hoje vou começar o meu comentário de uma maneira estranha, pedindo, antes de mais, desculpas pela minha ousadia, a ti e ao Márcio, cujo texto me agradou muito. Então, partindo do princípio de que não se importam, vou transcrever umas frases do comentário citado....." você é feliz, você está alegre ? ..." Tanto a alegria como a felicidade vem da aceitação do que está em seu entorno ".com as quais concordo plenamente. Eu considero-me uma pessoa feliz e seria uma ingrata se dissesse o contrário; tenho sido muito abençoada pela vida, pois tanto eu quanto aqueles que amo são saudáveis e têm o suficiente para viverem com dignidade: e as perdas definitivas? Sim, custaram muito, fizeram-me sofrer, mas aconteceram porque a idade avançada os chamou para outra dimensão e, apesar da dor, temos de nos convencer que começamos a despedir-nos da vida a partir do nascimento; a cada minuto que passa fazemos uma pequena despedida e nessa caminhada há dias em que somos felizes e noutros sentimo-nos terrivelmente infelizes. Portanto, Amiga, a felicidade plena não existe, mas, antes, existem momentos em que estamos felizes e o que devo dizer é que tenho tido, até aqui, mais momentos felizes do que infelizes e não " que sou uma pessoa feliz " Quanto à alegria, muitas vezes me questiono sobre a razão de não estar sempre alegre já que, como acabei de escrever, não tenho problemas na vida, ou melhor, não tenho problemas graves que me preocupem, mas o certo, Taís é que estou muitas vezes triste. Cheguei à conclusão, Amiga , que sou uma " alma inquieta ", penso muito e o que " está em meu entorno" como diz o Márcio, preocupa - me. Olha, deixei de me preocupar com o assunto e comecei a aceitar-me como sou, sendo essa decisão um motivo de felicidade. Ontem estive muito alegre, pois veio cá a minha " sapequinha ", mas hoje já estive mais triste...ela não veio, choveu o dia todo e o frio foi muito . Agora, ronista linda, é melhor terminar a " conversa ..." tu já disseste tudo nesta crónica maravilhosa, o Márcio escreveu um texto assertivo e agora eu, intrometo-me na vossa " conversa " com um " testamento " que pode cansar os teus olhinhos....sou assim...pronto! Obrigada, Amiga e que a saúde não vos falte para que estejas sempre alegre e consigas ser feliz, pelo menos, na maior parte dos teus dias Beijinhos
    Emilia

    ResponderExcluir
  32. Querida Taís
    Temas muito importantes para o nosso equilíbrio emocional. Concordo plenamente com a sua reflexão sobre a Felicidade e a Alegria. Uma soma de momentos, a primeira. Impossível ser-se feliz ininterruptamente, pois depende do que nos rodeia. Além disso, é um conceito que pode ser encarado de maneira diferente por cada pessoa. Também pode ser uma questão cultural e nisso tudo o que a envolve tem o seu peso. A Alegria poderá vir também recheada dessa forma de ver o mundo, mas é uma emoção espontânea . Diria que há elementos físicos e psíquicos que induz à boa disposição. Há pessoas que têm essa predisposição para a alegria, apesar de muitas vezes a vida não ser própriamente um mar de rosas. Capacidade de relativização e de superar as dificuldades.
    Muito obrigada, minha amiga, por mais este belo texto.
    Tenha dias bonitos.
    Beijinhos
    Olinda

    ResponderExcluir
  33. Querida Tais.
    Una cosa aprendí hace mucho, cuando éramos muy jóvenes y a bordo de nuestra autocaravana empezábamos a viajar por una Europa que desconocíamos.
    Y era, que en todos los lugares a la gente nos importa lo mismo, al margen del nivel cultural o económico: Ser feliz.
    Y serlo no abarca tanto; un techo, alimentación, trabajo, salud, seguridad, y tener en quien cobijarse, ese pecho u hombro donde arrebujarse cuando el frío de la adversidad tirita, tener cerca esa mano con el hueco preciso para acariciar nuestra nuca.
    Pero eso, en ningún lugar he notado que importe a los políticos. Su mundo va flotando entre un lenguaje extraño, de cifras extrañas y problemas que generan más problemas antes inexistentes. Y eso que yo también pertenezco a un pueblo alegre.
    Pero como bien dices, no es lo mismo, amiga.

    ResponderExcluir
  34. Olá, amiga Tais,
    Passando por aqui, relendo esta excelente crónica que muito gostei, e desejar um feliz fim de semana, com muita saúde.
    Beijinhos, com carinho e amizade.

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderExcluir
  35. Um texto reflexivo com o qual concordo de todo.

    Alegria é mais superficial e de mais fácil acesso enquanto a felicidade é algo mais profundo e acontece bem mais raramente.

    E, sim, todos os seres humanos estão interligados .Pelo que , como alguém, disse, se uma borboleta bate as asas em algum lugar do mundo , isso se sentirá pelo planeta.

    Minha querida Taís, grande abraço com voto de bom final de semana.

    PS_ Foi bom recordar a beleza de Keukenhof, graças :)

    ResponderExcluir
  36. Ótimas reflexões com a qual concordo plenamente em relação a alegria e felicidade. Como está difícil termos paz diante de tantas questões entre todos NÓS, no mundo, Bom final de semana.

    ResponderExcluir
  37. Crónica magistral!
    Está aqui dito aqui e só cabe a cada um reflectir na dualidade: alegria e felicidade.
    A alegria pode ser apenas de um momento. A felicidade é uma construção que se deseja duradoura.
    A Paz entre as gentes é a semente e o maior fator para garantir a estabilidade emocional em qualquer lugar do Mundo.
    Post muito edificante e perfeitamente actual.
    Obrigado pela partilha, Taís.
    Parabéns.



    Beijo
    SOL da Esteva

    ResponderExcluir
  38. He prestado gran atención a sus palabras. Su razonamiento no dejar lugar a dudas porque es un punto de vista que se sustenta en la veracidad. La felicito por su magistral exposición.
    Lo que nos tiene escandalizados a la mayoría, es esa guerra entre Ucrania y Rusia.
    Esta situación, me hizo recordar un libro escrito por la periodista italiana Oriana Fallacci, "Entrevista con la historia" en la que nos presentaba a 10 mandatarios de diferentes paises. Su pregunta final era: ¿Por qué millones de seres, los habitantes de cualquier país del mundo, dejan en manos de un solo hombre la decisión de llevarlos a una guerra? Si Putín en lugar de emplear subterfugios y mentiras para justificar sus decisiones, hubiera tenido que buscar la aprobación de esa guerra ¿Habría podido realizar sus propósitos? No lo creo. Los pueblos siempre son los que pierden sus vidas y arrastran las terribles consecuencias.
    El pueblo ucraniano ha tenido que defenderse y lo están haciendo. El sufrimiento de este pueblo no puede ser olvidado porque cualquiera puede ser atacado con la amenaza añadida de las armas nucleares. Esto está presente en nuestras vidas y por lejos que estemos de la contienda, tiene que influir en nuestra alegría. eso es seguro. Yo estoy esperando que los paises que vivimos en democracia, terminemos impidiendo que cualquier "Tramph" pueda arrastrarnos a una guerra. Hasta este momento, no hay ningún partido político que lo lleve en su programa.

    Perdona ha sido muy larga mi intervención pero, a mí, este tema me parece de vital importancia para la Humanidad. Un abrazo de paz y amistad.

    ResponderExcluir
  39. Olá Taís,
    Interessante e sábia reflexão. Tem toda a razão, estamos todos interligados e a infelicidade de uns afeta todos outros. Também para mim, a alegria é uma emoção que vem de algo momentâneo que nos deu prazer, enquanto a felicidade é um estado de espirito, uma sensação sentida no interior do nosso coração. Ambas são fugazes e como tal, quando surgem, devem ser bem vividas e apreciadas.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  40. Há muita gente a confundir alegria com felicidade.
    Ainda que seja difícil não estar feliz quando se está alegre...
    Excelente crónica, como sempre.
    Boa semana, amiga Taís.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  41. Olá, amiga Tais,
    Passando por aqui, para desejar uma ótima semana, com muita saúde.
    Beijinhos, com carinho e amizade.

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderExcluir
  42. There is no peace without solidarity. Racism is a threat to global peace.

    Hugs and blessings, Tais 💐

    ResponderExcluir
  43. querida amiga Tais vengo a desearte feliz fin de semana , oler la fragancia de tu bello jardín ...y desearte paz , armonia y mucha ventura y felicidad con los seres que vives, un fuerte abrazo , tu amigo . jr.

    ResponderExcluir
  44. Passei para ver as novidades.
    Mas gostei de reler esta sua magnífica crónica.
    Continuação de boa semana, amiga Taís.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  45. Minha querida amiga Taís
    O meu blog continua em modo de “pausa” e penso que assim continuará por mais algum tempo.
    Os meus planos de mudança de casa sofreram algumas alterações que levaram ao atraso da sua realização. Nem sempre as coisas são tão fáceis como inicialmente parecem, e, como tenho a actual casa “de pernas para o ar”, abrigando familiares que tinham as suas próprias casas… o ambiente e consequente disposição para alimentar o blogue não são os ideais.
    Mas não percamos a esperança. Tudo se resolverá a contento, e a normalidade surgirá (não há quem ainda espere pelo regresso de D. Sebastião 😊)
    Entretanto… irei aparecendo sempre que possível – para mostrar que não vos esqueci, mas principalmente para que não me esqueçam 😉
    Um saudoso abraço e até sempre.
    Continuação de boa semana.
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderExcluir
  46. Querida, Tais, como sempre sua crônica nos pega para reflexão." A alegria pede para termos, enquanto a felicidade pede para sermos". É interessante que sempre ligamos as duas. No entanto, atualmente está muito difícil conseguirmos vivenciar uma delas.
    Realmente, você tem razão somos todos conectados, e tudo nos atinge igualmente. Parabéns, pela excelente escrita!

    ResponderExcluir
  47. Imagino um mundo feliz, cheio de alegria... sem dramas nem quezílias de uns contra os outros... e só me ocorre o reino animal... com os humanos fora da equação!
    Parece haver qualquer coisa de errado com o nosso ADN... em que a nossa capacidade pensadora... parece estar ao serviço do desentendimento permanente... achando nós que temos de aprimorar tácticas bélicas que nos defendam... uns dos outros!
    O ser humano... é um mundo... de complicação!
    Excelente crónica, Tais, que nos faz reflectir sobre o quando o mundo evoluiu... mas não em matéria de alegria ou felicidade. E nem todas as riquezas do mundo, as trazem com elas... Christina Onassis, continua a ser o exemplo mais flagrante disso mesmo...
    Um beijinho grande!
    Ana

    ResponderExcluir


Muito obrigada pelo seu comentário
Abraços a todos
Taís