2 de outubro de 2007

MANUEL BANDEIRA / O Último Poema


pintura de Claude Monet 1840 / 1926

O ÚLTIMO POEMA

Assim eu quereria o meu último poema

Que fosse terno dizendo as coisas mais simples e menos intencionais
Que fosse ardente como um soluço sem lágrimas
Que tivesse a beleza das flores quase sem perfume
A pureza da chama em que se consomem os diamantes mais límpidos
A paixão dos suicidas que se matam sem explicação.


Bandeira, Manuel, 1886-1968
Libertinagem & Estrela da Manhã, 1.ed. especial - Rio de Janeiro
Nova Fronteira, 2005
--

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AOS AMIGOS

Muitos blogueiros não estão mais recebendo as notificações de comentários em seus e-mails. Os comentários entram direto para as configurações do blog. Todos ficam apenas lá. E de lá são publicados.

Muito obrigada por sua participação nos comentários.
Comentários anônimos não são postados. Identifique-se.
Abraços a todos
Taís