17 de dezembro de 2007

SE EU MORRESSE AMANHÃ!





                        – ÁLVARES DE AZEVEDO


                    Se eu morresse amanhã, viria ao menos
                    Fechar meus olhos minha triste irmã;
                    Minha mãe de saudades morreria
                    Se eu morresse amanhã!

                    Quanta glória pressinto em meu futuro!
                    Que aurora de porvir e que manhã!
                    Eu perdera chorando essas coroas
                    Se eu morresse amanhã!

                    Que sol! que céu azul! que doce n’alva
                    Acorda a natureza mais louçã!
                    Não me batera tanto amor no peito
                    Se eu morresse amanhã!

                    Mas essa dor da vida que devora
                    A ânsia de glória, o doloroso afã...
                    A dor no peito emudecera ao menos
                    Se eu morresse amanhã!



 (In Álvares de Azevedo, Poesia, Antologia. 2ª ed. Rio de Janeiro: Livraria Agir Editora, 1960, p. 91)




Um comentário:

  1. Anônimo19:07

    Um poema belo, reflexivo, mas triste...
    Parabéns pelo seu blog, gostei.
    Um abraço
    Marina

    ResponderExcluir


PEÇO PARA NÃO DEIXAREM COMENTÁRIOS ANÔNIMOS, ASSINE SEU COMENTÁRIO!

Muito obrigada por deixar seu comentário, se necessário for, deixarei resposta a alguma pergunta.
Abraços a todos
Taís