10 de março de 2010

MENINO NA SINALEIRA / Luiz Coronel



Há um menino
na sinaleira.
A idade se conta
nos dedos das mãos.

(E sobram dedos
para apontar os culpados.)

O menino
tem um tribunal às costas
e um shopping à frente.

Noite alta
o pisca-pisca amarelo
libera o menino.

Teríamos prantos
de lavar o pára-brisa
fosse um só menino
na sinaleira.

Em todas as sinaleiras
há um menino.

O coração petrifica-se.

O menino quer comprar pão
leite e cola para cheirar.

Passam doutos
e preclaros

Telefonia celular
e som digital.
E todos sabem
que não há sinal verde
para este país
enquanto houver um menino na sinaleira.



23 comentários:

  1. Poesia triste e verdadeira...

    Fique com Deus, menina Tais Luso.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  2. A realidade que assola nossa gente, assombra nossos corações...

    A cena descrita invadiu nossas cidades. Antes acontecia nas ruas das capitais, hoje os semáforos estão disputados pelas crianças de olhos vazios e vidas cheias de abandono. É e doer...

    Este texto é uma denúncia que pode não chegar onde deveria, mas não cai no vazio...

    Beijos, sensível Tais!

    ResponderExcluir
  3. Já conhecia seu blog; estou voltando para ler os poemnas.

    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Grande escolha!

    Poema que expõe, de modo forte, autêntico, o que ocorre principalmente em algumas das mais importantes cidades deste país. Lamentável!
    Ouso deixar por aqui um fragmento de um meu poema, Conto de Fodas, que aborda tema semelhante:

    Avião, vaporzinho,
    ventinho… Asas nos pés.
    E mãozinha esperta
    que aperta o gatilho.
    Molecada de recados, -
    de morte anunciada.

    Escudos
    cegos, surdos e mudos
    nos currais do poder
    que não faz o dever de casa.


    Bjs, Taís, e inté!

    ResponderExcluir
  5. Bonito poema para uma triste realidade.
    beijos

    ResponderExcluir
  6. Luiz Coronel é fantástico!
    Muito triste e real essa poesia.Não conhecia. obrigada Tais!

    “ A igualdade talvez seja um direito, mas não há poder na Terra que a possa transformar em realidade”

    [Honoré de Balzac]

    Peninha né?

    ResponderExcluir
  7. Esse poema lembrou um post que publiquei e poderia chamar de "ensaio para uma crônica." O texto foi escrito ano passado após observar uma cena de um menino que pedia num ônibus em Maceió. Sinceramente, não tem como não ficar tocado e sensibilizado diante de tamanha crueldade que não vem dos céus nem de um destino previamente traçado cá na terra, mas de todo um mecanismo político-econômico-social que os reduz àquela condição. Acredito que quando vozes como a sua se levantam para clamar contra essa realidade vergonhosa é sinal de que estamos longe de resolver problemas como os descritos no poema, mas, por outro lado, provam que não estamos resignados. Parabéns!!

    ResponderExcluir
  8. Adorei o tema e a poesia, tão bem estruturada. Este trecho: "O menino
    tem um tribunal às costas
    e um shopping à frente.", é absolutamente perfeito. Todos somos juizes duros e cruéis do pobre menino.
    Parabéns, Tais!

    bj
    Cesar

    ResponderExcluir
  9. Tais,o poema me tocou e o que mais me toca ainda é a situação dos garotos,chamados de "garotos de rua".Aqui em Salvador,é um problema difícil de resolver, aliás em todo o país, pois os governantes não estão preocupados com este tipo de problema.Essas crianças vêem na rua a única opção de moradia, alimentação e desenvolvimento cultural a seu alcance.
    Pobre país,onde os governantes não têm uma política social dirigida á essas crianças,que são ou deveriam ser o "FUTURO DO BRASIL."
    Um abraço....Mais uma vez obrigada pela reflexão.
    Emília

    ResponderExcluir
  10. Se eles estão mostrando sua arte, como mostra a foto, aí ajudo com uma contribuição em dinheiro, porque é um trabalho como outro qualquer, ainda mais difícil porque estão expostos ao sol, a chuva e às vezes até tarde da noite e são artistas mostrando sua arte e talento, eu valorizo muito!
    Quando estão só pedindo eu não dou mais,mas antes eu tinha pena e dava um dinheirinho. Triste a realidade dessas crianças!

    ResponderExcluir
  11. Oi, Taís
    Linda poesia, feia realidade.
    Abraço

    ResponderExcluir
  12. É um mundo complicado. Mentes devorando mentes. Quem sempre sofre são os que não podem se defender.

    ResponderExcluir
  13. Olá Tais
    Infelizmente é a triste realidade por todo Brasil, crianças e adultos mendigando pela ruas tentando a sobrevivência. Belo e real poema.
    Beijos

    ResponderExcluir
  14. Olá Taís,

    O país deixa a desejar em Educação que é o pricípio de tudo.
    Além disso temos o relaxamento dos governantes com seu povo,a igreja que condena: A pirula, o aborto, a camisinha, consequentemente temos a catástrofe infantil estampada por todos os cantos deste imenso Brasil.
    Bjs
    Dalinha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anônimo09:18

      Não sendo rude mas a educação do brasil é uma das melhores que se tem, e a educação não é a base de tudo, incentivo é,
      por todos os lugares tem escolas e pra entrar numa, só precisa-se de incentivo
      e isso é o que falta

      Excluir
  15. Olá Tais

    E sobram dedos
    para apontar culpados.

    Mas será que basta? Apontar culpados também da Ibope não é mesmo. Apontar culpados ajuda a ter uma visão histórica, mas isso não irá tirar os meninos da rua. É preciso mais...muito mais.

    ResponderExcluir
  16. Não conhecia o texto... muito lindo. Não sei porque lembrou-me um poema de Quintana " Rua dos cataventos II " um poema com um tema totalmente diferente... vai saber as referências que nossa mente faz não é? Adorei o texto, um triste retrato da nossa pátria eu diria...

    um grande abraço, fica com Deus

    ResponderExcluir
  17. O ser humano consegue ir longe em tecnologia e similares, mas não consegue solucionar o básico: como viver dignamente, todos!
    Bjkas, lindona!

    ResponderExcluir
  18. O mais triste é saber que tudo isso é verdade!!
    Excelente texto!!!
    bjs

    ResponderExcluir
  19. taís, quanta verdade...
    "E todos sabem
    que não há sinal verde
    para este país
    enquanto houver um menino na sinaleira"

    depois, se puder, escute malabaristas do sinal vermelho, de joão bosco.
    se você não tiver, posso lhe enviar o mp3 da canção.

    é mais u menos por aí.
    abração do
    roberto.

    ResponderExcluir
  20. Oi querida, vim através da Lianara, queria conhecer melhor suas crônicas aguçou minha curiosidade, depois que li uma cronica sua no blog da Lia...ja estou seguindo eu adorei, agora vou voltar em seu blog e conhecer mais um pouquinho do seu trabalho.Imensa gratidão pelo seu espaço do saber, fico muito grata. e Parabéns
    com carinho
    Hana

    ResponderExcluir
  21. Tais, na lata, a verdade. Mas numa forma muito bonita.

    ResponderExcluir

PARA OS MEUS AMIGOS - SUA ATENÇÃO...

1 - Agradeço os comentários dos queridos leitores e amigos, sempre bem-vindos, um grande abraço a todos! Voltem sempre.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

Taís Luso