16 de outubro de 2010

CADA UM COM SUA CRENÇA

 
Árvore da Vida
- tais luso de carvalho

Quando eu nasci me batizaram e anos mais tarde me crismaram.  Depois veio a 1ª Comunhão - tudo nos trilhos, como fazia toda a menina que estudava em colégio de freiras: os colégios cheios das exigências.

Ainda criança, tinha de me confessar antes de comungar. Todos tinham. Era assim: toda a semana tinha a agonia da confissão: ajoelhar naquela casinha (confessionário) e contar meus pecados e me arrepender de tê-los praticado. E foi aí que eu comecei a encrencar: confessar o quê? Que pecados? Então passei a dizer sempre a mesma bobagem, para ter o que dizer, pois a freira ficava ali, observando o movimento da classe.

A partir de então, comecei a ser contestadora, não admitia que o que eu fazia pudesse ser tachado como pecado. Eu tinha 12 anos, brincava com bonecas, mas queria saber o porquê das coisas. Eu brincava com bonecas, mas também observava muito o mundo dos adultos: louca para ser um deles, para discordar e rodar a baiana.

Passei a ser o docinho das freiras - talvez para não tumultuar as aulas de religião, lá do capelão (padre) do colégio. Tinha de ser educadinha para ganhar 10 nas aulas de Religião. E ser bem-vista pelas professoras.

E vinham as missas, vinham os sermões. Lembro que eu e minha turminha éramos caras, bocas e barulho. Minha mochila era cheia de saquinhos de celofane que guardavam o terço, um missal e outras bugigangas que eu levava para tumultuar o negócio - o sermão do capelão! Um sermão com sotaque terrível e uma entonação pesada. Na verdade nenhuma criança prestava atenção; a gente  tava  noutra. Ninguém estava a fim de morte, ressurreição, castigos e pecados. Queríamos vida!

Eu tinha 12 anos...

Mas tinha de amar o próximo, perdoar os pecados do mundo, ser generosa, não discutir, não pecar, honrar pai e mãe e adorar a Deus sobre todas as coisas. E decorar todos os mandamentos. E eu decorava.

Eu só tinha 12 anos...

E já sabia que o ser humano era competitivo, generoso, raivoso, amigo, bandido, egoísta, herói, vingativo. E muitas vezes... Lixo - de tão cruel. Matava por prazer.

Eu tinha 12 anos, mas...

Eu já sabia que éramos uma mistura de pensamentos, de atitudes e de sentimentos muitas vezes vulneráveis e contraditórios. E que eu jamais conseguiria ser o que o capelão do colégio pregava! Eu era, apenas, um ser humano em formação. 

Embora eu só tivesse 12 anos...

Eu me negava em acreditar que pudesse existir um ser humano perfeito e completo, criado à imagem e semelhança de Deus. O que eu via já era o bastante, era o real; e eu não entendia aquilo de imagem e semelhança de Deus. Aliás, até hoje não entendo...

Eu tinha 12 anos...

E meu objetivo era cursar psicologia: achava que para resolver os dramas que existiam na alma, nas profundezas do ser humano, aqueles sermões pouco serviriam. Estava certa que a ciência daria as pinceladas certas para arrumar esta confusão que somos. Arrumar nossas cabeças. Ajustar o que estava fora do esquadro.

Cresci; e os 12 anos desapareceram...

E o que eu consigo ver hoje são seres imperfeitos e contraditórios, mas alguns com vontade de acertar, e procuram o seu Deus aqui e acolá. E mesmo agora, tão distante da minha infância, mantenho o mesmo pensamento. Vejo que o ser humano sempre procurou um Deus, e não digo que não o achou: respeito as necessidades de cada indivíduo, tenha ele a religião que tiver. Ou nenhuma.

Se for para exercer a democracia, que comece por aí, pela liberdade religiosa. Que cada um procure e siga a sua verdade: e se existir um Deus, só pode ser um. E tanto faz o caminho...
____________________________

Leia a crônica:
Confessar o quê?
____________________________

20 comentários:

  1. Gostei desse seu texto Taís. Concordo em quase tudo com ele, só por duas diferenças: não estudei em colégio de freiras e descobri que não acredito em nada.Sou atéia mesmo tendo sido criada, como vc, na religião católica, indo à missa e confessando. Muito cedo, abandonei as crenças e tirei minhas próprias conclusôes. Os homens precisam da fé em suas vidas, de qq uma, de fé em qq deus. Eu não. Basta acreditar em mim e nos seres humanos, coisa meio difícil hj em dia. Mas no meio da multidão, sempre sobram um ou dois que fazem valer a pena. Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Oi, Tais:
    O importante, como disse, é encontrar Deus dentro do próprio coração. O diálogo sempre será entre cada um e a própria Divindade. Uma ótima tarde para você, beijos :)

    ResponderExcluir
  3. Também estudei em colégio de freiras e nunca suportei a tal de confissão.Lembro que eu perguntava se o padre não fazia nada. Diziam que ele confessava direo para Deus.Eu respondia que eram uito melhor...

    Adorei tua crônica!E cada um tem o seu Deus, ninguém pode impor.deve vir de denro.

    beijos,chica

    ResponderExcluir
  4. Concordo contigo. Eu fiz a primeira comunhão na marra, para não perder ponto no colégio. Concordo também com a Chica. Acho que cada um de nós tem o seu DEUS, pois cada um vê, fala e sente o seu DEUS de forma diferente, inclusive, não importando o lugar que esteja.

    Abraços e ótimo final de semana pra ti e para os teus.

    Furtado.

    ResponderExcluir
  5. olá minha amiga! esse é um testemunho vivo de que somos apenas sere humanos cheios de erros, que vive uma busca constante da perfeição.e muitos acham que vão encontrar. tomara. amei.bjus tere.

    ResponderExcluir
  6. E as vezes nem como mais idade acabamos entendendo os mistérios divinos, mas quando a gente vê que a felicidade nos dá ao fazer um bondade (sem ganhar nada, apenas se doar para ajudar um irmão), podemos acreditar que há algo perfeito cuidando de nós...

    Fique com Deus, menina Tais Luso.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  7. Texto extraordinário.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  8. Tais, querida!

    Tive uma história muito parecida, sempre estudei em colégio de freiras e lembro a rotina semanal: confessar no sábado e comungar no domingo. Lembro do Padre Agostinho, dentro do confessionário, e a enorme fila dos alunos esperando a vez de confessar e, no domingo, lá estava ele para dar a comunhão aos “pecadores” que ele havia penitenciado no dia anterior. Ele era um padre muito querido, mas enérgico e exigente quanto à disciplina.

    Quanta inocência! Tempo em que a gente acreditava que brigar com a irmã era pecado! Confessava para se “redimir” e na semana seguinte repetia a mesma ladainha na confissão. Tempo de inocência e muitas culpas que incutiam na nossa mente.

    Hoje, sendo bem pontual, vejo com indignação a intromissão da igreja nas questões políticas com discursos fundamentalistas e preconceituosos. Padres e pastores tentando influenciar e povo para eleger candidatos e, o pior, ver pessoas atendendo tal chamado!!!

    Questões muito delicadas e de ordem íntima e pessoal, como o aborto e o homossexualismo, sendo tratadas como bandeira de campanha por “padrecos” e uma multidão de falsos moralistas. To fora!

    Há muito me afastei da igreja e hoje não acredito nela.

    Tenho minha fé em Deus e acredito nos valores da honestidade, verdade e generosidade. O resto é papo.

    Adorei a crônica.

    Beijos
    Lia

    ResponderExcluir
  9. Belos textos, bonito o teu blogue, cores lindas.
    Obrigado pela visita.

    Saravá!

    ResponderExcluir
  10. É muito complicado essa escolha numa idade tão tenra!
    Taís, lindona!
    Obrigada por participar da minha festa de aniversário.
    Sem a sua presença a festa não teria o mesmo brilho!
    Obrigada pelo carinho!
    Beijocas, muitas!

    ResponderExcluir
  11. Bom dia, Tais! Eus já estava me afastando dia após dia de religiões. Acho que não preicso mais que ninguém sistematize para mim um conjunto de peceitos para me justificar perante aquilo que creio. Então, religião sou eu e o meu Deus. Depois dessa campanha eleitoral, aí é que desisti de vez. rsrs. Muito bom ler seus textos, sempre! Abraços. Paz e bem.

    ResponderExcluir
  12. Eu também estudei num tradicional colégio de freiras. E você descreveu direitinho muitos dos momentos que tive por lá. A diferença é que você foi o docinho das freiras; eu fui provavelmente a coisa mais amarga que elas experimentaram.

    E você tem razão, se é Deus só pode haver um, apesar dos diferentes caminhos para se chegar a ele.

    Aliás, neste momento em especial Deus é a maior celebridade da mídia impressa, do horário eleitoral e dos jornais da televisão em qualquer canal. rsrs

    Adorei a crônica! Bjs, amiga. Inté! ju

    ResponderExcluir
  13. Bom dia Tais...
    kkkkkk...Que texto delicioso de ler...muito bom.
    E concordo viu, cada um no seu quadrado. Acredito em Deus, tenho fé e sou muito abençoada e feliz...

    Tua fã demais...

    beijos

    ResponderExcluir
  14. Olá Tais

    Também eu estudei num colégio de freiras. De facto tinha um horror enorme à confissão. E vá lá o diabo saber porque sempre me vinham à cabeça ovos estrelados quando me ajoelhava a pensar nos pecados! Até hoje nunca entendi essa obcessão por ovos na hora da confissão!
    Quanto ao ser humano, esse precisa de acreditar em alguma coisa...seja num qualquer deus, seja em si próprio. Há que manter a esperança de que o bem prevalecerá sobre o mal e que um dia se fará justiça. Aquelas coisas que nos "vende " a religião. Tudo bem, desde que não caiam em fanatismos.

    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  15. Taís
    Foi uma alegria muito grande econtrá-la entre os seguidores do meu modesto espaço.
    Vim conhecer o seu e fiquei encantada!
    Tudo muito lindo.
    O texto desta postagem , muito bem escrito, é matéria para profunda reflexão.
    Deixo-lhe um abraço, todo entremeado de gratidão

    ResponderExcluir
  16. Olha, Tais: fui ao teu blogue, post de 2/1/2009 e saquei o boneco.
    Quem rouba pão por ter fome... merece perdão!

    Perdoas-me?

    Beijinho deste lado do Atlântico!

    ResponderExcluir
  17. Esses 'dogmas' da igreja é que acabaram me afastando dela. Acredito no meu Deus, não naquele que me impuseram. Bjs querida, tenha um ótimo final de semana.

    ResponderExcluir
  18. Taís, gostei de ler a sua experiência com a religião. Nós somos mesmo uns seres imperfeitos, muito limitados. E queremos saber demais, como se fôssemos perfeitos, donos da verdade. Porque a verdade que nos apresentaram era cheia de falhas, queremos que a nossa seja a verdade. Tapamos o sol com a peneira. O assunto Deus é mais simples e mais complicado. Primeiro é preciso um pouco de humildade. Ah, preciso dizer que passei pelas mesmas dificuldades (apenas com outras roupagens, talvez com mais revolta). Foi preciso descobrir a humildade para me submeter a Deus e à história. Porque a questão é essa: somos tão presunçosos que negamos a própria história. Afinal, o homem é um bicho triste que se crê infinito, eterno. Talvez seja verdade. É uma questão de escolha. Como se vive melhor.
    Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  19. gostei muito de ver o seu blog. também gosto de escrever umas coisas.
    se puder, leia e dê-me a sua opinião.
    Abraço,
    Manuela
    http://fragmentos.net

    ResponderExcluir
  20. Boa tarde querida Tais..
    achei uma chatice passar por todas essas coisas..
    o tempo do meu pai foi mais tranquilo..
    eu era obrigado a ir na missa, assinar o nome no final dela..
    nada de faltas... pra que..
    hj vemos a igreja vazia..
    rezo, sou católico.. mas rezo o rosário de joelhos no meu quarto..
    a intenção é que vale..
    naquele tempo a gente ia confessar srrs
    bah.. sempre a mesma coisa...
    quais são os teus pecados dizia o padre..
    eu... sempre vejo revista de mulher pelada...
    e o de sempre né rsrs
    se por coisas assim não fossemos perdoados a terra seria um mar de chamas e todos estariamos queimando rsrs
    somos seres buscando melhorar...
    ontem mesmo vi um video do programa que sempre acompanho..
    programa vida inteligente- O Eu sou..
    adorei a abordagem..
    se desejar confira no youtube..
    beijos e feliz sempre querida amiga

    ResponderExcluir

PARA OS MEUS AMIGOS - SUA ATENÇÃO...

1 - Agradeço os comentários dos queridos leitores e amigos, sempre bem-vindos, um grande abraço a todos! Voltem sempre.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

Taís Luso