21 de maio de 2011

CARTA AOS MORTOS / Affonso Romano de Sant'Anna

Jacek Yerka / surrealismo



        Amigos, nada mudou 
        em essência. 
        Os salários mal dão para os gastos, 
        as guerras não terminaram 
        e há vírus novos e terríveis, 
        embora o avanço da medicina. 
        Volta e meia um vizinho 
        tomba morto por questão de amor. 
        Há filmes interessantes, é verdade, 
        e como sempre, mulheres portentosas 
        nos seduzem com suas bocas e pernas, 
        mas em matéria de amor 
        não inventamos nenhuma posição nova. 
        Alguns cosmonautas ficam no espaço 
        seis meses ou mais, testando a engrenagem 
        e a solidão. 
        Em cada olimpíada há récordes previstos 
        e nos países, avanços e recuos sociais. 
        Mas nenhum pássaro mudou seu canto 
        com a modernidade. 


        Reencenamos as mesmas tragédias gregas, 
        relemos o Quixote, e a primavera 
        chega pontualmente cada ano. 


        Alguns hábitos, rios e florestas 
        se perderam. 
        Ninguém mais coloca cadeiras na calçada 
        ou toma a fresca da tarde, 
        mas temos máquinas velocíssimas 
        que nos dispensam de pensar. 


        Sobre o desaparecimento dos dinossauros 
        e a formação das galáxias 
        não avançamos nada. 
        Roupas vão e voltam com as modas. 
        Governos fortes caem, outros se levantam, 
        países se dividem 
        e as formigas e abelhas continuam 
        fiéis ao seu trabalho. 


        Nada mudou em essência. 


        Cantamos parabéns nas festas, 
        discutimos futebol na esquina 
        morremos em estúpidos desastres 
        e volta e meia 
        um de nós olha o céu quando estrelado 
        com o mesmo pasmo das cavernas. 
        E cada geração , insolente, 
        continua a achar 
        que vive no ápice da história.



Coleção "Poesia Falada".



31 comentários:

  1. Claro que o tema é de hoje....Tão de hoje, que acabei de ver os Astronautas em video-conferência com o Papa...
    Adorei a escolha do Post.
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Lindo querida!
    Verdade! Devemos aprender com a natureza.
    Beijos e bom sábado!
    Carla

    ResponderExcluir
  3. Muito este texto. Você vai lendo e confirmando cada ato.
    Um beijo grande

    ResponderExcluir
  4. É como pegar a gente de calças arriadas. Achamo-nos tão sabios, tão avançados e, em verdade,somos ainda seres das cavernas.

    ResponderExcluir
  5. Realmente! Achamos que tudo sabemos, quando na realidade não sabemos de nada. Belo post amiga. Ótima escolha.

    Beijos e ótimo domingo pra ti e para os teus.

    Furtado.

    ResponderExcluir
  6. Aqui termina a minha história então. Adeus mundo cruel! hahaha!

    A gente se delicia com a beleza do poema e se deprime com a dureza da realidade que ele retrata. Coisas de geniais da palavra escrita. O Afonso Romano é fantástico!

    Abração, Tais. paz e bem.

    ResponderExcluir
  7. Taís,

    lindo post, atual, verdadeiro e sábio.
    Adorei, ótima escolha.
    Bom domingo minha amiga.
    Suzana Drummond

    ResponderExcluir
  8. Muito boa escolha. Adorei a carta.
    beijos

    ResponderExcluir
  9. Tais, que lindo este Blog .
    Sempre visito o de arte .Parabéns!!
    Realmente sua alma é de " artista",li todos textos, achei muito interessante e ricos.
    Paz no coração!
    bjs

    ResponderExcluir
  10. TAIS...amei a sua postagem.
    Nada de novo.Não paramos para pensar nisso.
    Se queremos algo novo, a atirude partir de cada um de nós. Somos a mudança que queremos no mundo.
    Mas alguns vão dizer..de que me adianta a mudança ser só minha?
    Não é só sua. Existe um efeito dominó que não percebemos.
    Façamos cada a nossa parte. Despretenciosamente. Sem esperarmos nada em trovca.
    Não sou uma "Alice no pais das Maravilhas". Apenas tento fazer a minha lição de casa.
    Pelo menos eu durmo com a conciencia tranquila.
    Um super beijo carinhoso!!

    MA Ferreira

    ResponderExcluir
  11. Maravilhoso!
    "Nada mudou" , o hoje apenas desloca algumas coisas para passar uma sensassão de ilusão; a fome continua; os vazios; a ganância; a corrida pelas novas descobertas; maquiagens cada vez mais milagrosas e os jovens continuam vivendo como se fossem os únicos e que nunca envelhecerão"

    Bjs amiga e abençoada semana.

    ResponderExcluir
  12. Olá Tais
    Quanta verdade em um só texto. Tudo muda o tempo todo, mas como esses mudanças, nos fazem mais humanos?
    Tenha uma linda semana
    Bjux

    ResponderExcluir
  13. Ele está certíssimo, todas as gerações que passaram e passarão, vão achar que vivem na melhor época do mundo. O homem se enche de avanços e novidades, no entanto, a natureza acompanha toda a transformação alheia ao que acontece. Não somos nada diante deste mundo tão poderoso!

    ResponderExcluir
  14. Adorei o texto.A realidade da modernidade que nos deixa perplexos, na verdade como diz o poeta Affonso Romano, na sua essência continua a mesma.Parabéns pelo Post.Abraços Eloah

    ResponderExcluir
  15. Sou, extremamente, suspeita para comentar qualquer coisa do Affonso Romano, não consigo ser imparcial...rsrsrs...No mínimo, sagaz!
    Belo Post. Beijo e boa semana!

    ResponderExcluir
  16. Bom dia
    Como tudo isto é verdade e se repete.
    Mas todos os dias as coisas são novas e os olhares são diferentes.

    Cada palavra é nova e embora repetida nunca terá o mesmo som, vibração, velocidade ou o carinho de outras vezes.

    Cada repetição pode ser mais alegre ou triste dependendo do nosso estado de espírito ou da nossa necessidade.

    Agradeço a sua passagem no lidacoelho.

    ResponderExcluir
  17. Esta sua escolha foi espetacular. Verdade, nada mudou, na natureza nada muda, mas tudo mudou no homem.

    Lindo, muito lindo.

    Beijinho.

    ResponderExcluir
  18. Um comediante daqui, Lewis Black, tem uma performance muito interessante. Ele diz que sempre foi muito esperancoso, e que com a idade, as esperancas dele nao morreram, so mudaram (ele e um comediante bem pessimista). Ele diz que tem certeza de que tudo que espera (em termos de melhorias sociais e governamentais) certamente se concretara... Um dia apos sua morte. rsrs

    Beijos

    Roy

    ResponderExcluir
  19. Estamos sempre aprendendo e mudar é o mais difícil para o ser humano, mas essencial!!
    Beijo Lisette.

    ResponderExcluir
  20. Nada vai mudar em essência se não mudarmos a nossa essência. Muito bom.

    ResponderExcluir
  21. Anônimo15:42

    Interessante esta carta.
    Pensei em duas situações o estado de a carta ser endereçada: aos mortos que morreram ou aos mortos que estão vivos, rs.

    Aos mortos que estão mortos, apenas um desabafo, visto que eles nada sabem mesmo e nem tão pouco saberão, pois suas memórias jaz no esquecimento.
    Todavia pensei aos mortos que ainda estão vivos e que estão escondidos em cavernas, bom seria que eles saissem para conhecer a realidade que o mundo vive, apesar das grandes evoluções globalizadas, como diz a autora nada mudou. Realmente nada mudou em relação aos menos favorecidos, mas cada momento muda em acréssimo para a classe elitizada.
    Ah! quanta saudade do tempo das cadeiras nas calçadas, das brincadeiras de rodas que eram ao ar livre, hoje elas acontecem por trás das grades, é assim que se encontra a humanidade, vivendo em jaulas.
    Muito interessabnte esse texto (carta) em forma poética. (Carta aos mortos). Para´bens.

    ResponderExcluir
  22. Amiga, essa é uma carta aos mortos-vivos, - porém, quando a gente a lê não se dá conta dessa condição... E a história vai se repetindo...

    Bela escolha, amiga!

    Bjs, querida. Inté!

    ResponderExcluir
  23. Affonso Romano sabe das coisas, texto super atual que nos remete a uma bem humorada reflexão. Querida, obrigada por retornar meu email, vc me deixou mais tranquila. Vamos aguardar que essa fase passe rapidinho e que os nossos seguidores apareçam novamente em nosso painel..Beijos.

    ResponderExcluir
  24. Vira e mexe, nada muda, tudo com dantes... Pudéssemos, já mortos, saber da vida, queria receber uma carta dessas, mas só se fosse dele...é dos melhores, incrívelmente extraordinário...
    Lembro-me dele, quando dirigia a Biblioteca Nacional,suas palestras são um espetáculo de cultura e sabedoria.
    Excelente, a escolha da crônica.
    Vou seguir, este Porto (seguro)...

    ResponderExcluir
  25. Oi, Tais,eu já tinha clicado "seguir",mas não funcionou, só agora, meu retratinho entrou no painel.
    "Seguição" mútua,portanto...
    Grata, por ter estado na Cadeirinha,voltarei,vez em quando.
    Beijo

    ResponderExcluir
  26. Querida Tais..
    Dei uma passadinha para desejar a você um lindo final de semana.Agradeço aos seus comentários sempre tão gentis em mei blog.
    Eu ja comentei esta bela postagem mais acima.

    Bj

    Ma

    ResponderExcluir
  27. Uma mistura de sátira, crítica, poesia, lirismo envolto por uma espécie de polemização. Concordo plenamente. Parabéns pelo post e pelo blog.

    Beijos,
    Débora.

    ResponderExcluir
  28. Lindo, poético e inteligente, como tudo que este nosso poeta escreve.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  29. Muito interessante o blog !

    É bom ver cada dia que passa mais originalidade nessa Blogosfera
    HAHA ;) !

    Deixo o meu aqui caso queira dar uma olhada, seguir...;

    www.bolgdoano.blogspot.com

    Muito Obrigada, desde já !

    ResponderExcluir
  30. Achei interessante a forma como desmistifica, tais versos, aquela imagem de céu transparente. Mas entendemos que a carta aos mortos não tem o objetivo certamente de informá-los sobre o que mudou e o que não mudou. É como se a carta fosse escrita pelo eu lírico, e fosse aberta por nós antes de chegar ao seu destino... E então sentiremos a palavra muito mais forte quando ele diz aos que insistimos ser o ápice da história do que se a carta fosse diretamente para nós.
    Adorei.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente, Fellipe, a carta foi escrita para os vivos-futuro mortos. Já foi dito tudo nos comentários, aliás todos ótimos. E vamos vestir a carapuça... Está na medida.

      beijos, bom você aqui!

      Excluir

PARA OS MEUS AMIGOS - SUA ATENÇÃO...

1 - Agradeço os comentários dos queridos leitores e amigos, sempre bem-vindos, um grande abraço a todos! Voltem sempre.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

Taís Luso