25 de abril de 2012

CARPINEJAR - Falando de Amor

casal enlaçado / Jean Pierre Augier

- Tais Luso de Carvalho

Hoje trago para meu blog um texto que gostei muito: uma crônica do poeta, cronista, jornalista e professor Fabrício Carpinejar: escritor arrojado, moderno e sem medo de mostrar ser possuidor de uma alma sensível. Escreve de uma maneira deliciosa. 

Com vários livros publicados, Carpinejar também escreve no jornal Zero Hora de Porto Alegre. 
Vencedor do Prêmio Jabuti (2009) com o livro  Canalha!.
Mulher Perdigueira - ganhou o prêmio Açorianos (2010).
O Amor esquece de começar (2006), Borralheiro (2011).
É filho do poeta Carlos Nejar - membro da Academia Brasileira de Letras. 

Fiquem com a crônica e me digam se não é bem assim quando se ama: quando se ama verdadeiramente,  o outro passa a ser  a  nossa prioridade.


DORMINDO SEMPRE JUNTOS, NA MESMA HORA
(Carpinejar)

Quando sua companhia se levanta, rola para cheirar o travesseiro dela? Você é apaixonado por dividir, desculpe informar. É constrangedor confessar a dependência, mas não resta alternativa.
Nunca será mais sozinho. É uma simbiose amorosa por dentro das lembranças, dos hábitos, que surge no modo de repartir uma tangerina e pôr o açúcar no café. Uma necessidade de primeiro servir para depois saciar as próprias ansiedades.

Entregou os pontos ao abandonar seu horário para dormir. Renunciou ao livre-arbítrio no momento de atender ao chamado sedutor de sua esposa. 
- É tarde, te espero? 
Aquela desistência foi fatal. Pode ter classificado o gesto como uma exceção, só que gostou de verdade, gostou imensamente de adormecer com sua mulher. Ambos apagando o abajur em igual instante, depois de ler, de rir, de brincar. Sincronizaram o relógio dos batimentos cardíacos e nunca houve mais atraso de beijo.

Amor eterno é quando um não consegue mais dormir sem o outro. Simples assim. Deseja descansar, convoca sua mulher na sala.
- Vem, tá na hora! 
E ela, que estava envolvida com um filme ou um programa de tevê, nem reclama, nem diz mais um minutinho, ajeita os ombros no cobertor do seu abraço e segue junto.

Lado a lado no espelho do banheiro, escovam os dentes, ajeitam o rosto, colocam roupas folgadas. Reina uma sincronia dos movimentos, uma disciplina na admiração. Alguns até confundem com tédio, porém, é intimidade: não precisa falar para se entender. Se silêncio com ódio é submissão, silêncio com ternura é concordância.

Escoteiros do casamento, entram no mar branco dos lençóis cada um do seu lado: ela pela margem esquerda, ele pela margem direita. E centram os corpos para fazer conchinhas encostando as cabeças.

Um casal apaixonado ocupa menos do que uma cama de solteiro: terminam agarrados, sobrepostos.

Você se dá conta de que não deita mais sozinho há décadas. É uma compulsão olfativa. Está no escritório trabalhando de madrugada e ela abre a porta para convidá-lo: 
- Vem, tá na hora!
E não estranha a ordem, obedece, sequer medita sobre o motivo da adesão. Vai sem preguiça alguma, sem aviso de bocejo, ainda que não esteja com vontade, ainda que tenha uma porção de tarefas e problemas a resolver. Larga as urgências pela metade e se prontifica a acompanhá-la.

Casal quando se ama dorme na mesma hora. E não suportará morrer longe. O sonho é também morrer na mesma hora. Com as respirações próximas.

---//---
ZHora - 24/4/12

23 comentários:

  1. Carpinejar sabe muito bem falar de amor! Maravilhosa crônica! Ótima postagem Taís.

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Tais: lindo texto sim achei ma cronica maravilhosa parabéns ao autor e a ti pela linda escolha que fizeste.
    Beijos
    Santa Cruz

    ResponderExcluir
  3. Tais,
    Prosa de lirismo e sentimento profundos. Não havia lido nada desse prócer da literatura, fiquei fã.
    Como sempre, você está de parabéns pela postagem, embora o texto seja alheio, mas teus textos também tem alto nível. Abraços, JAIR.

    ResponderExcluir
  4. Olá!Boa tarde!
    Tudo bem?
    Carpinejar...gosto dele!
    A forma que ele descreveu é COMO penso: uma coisa assim como dois corpos num só, duas almas numa só. Não vivemos um sem o outro ...
    Obrigado pelo carinho da visita!
    Boa quarta!Quinta!
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Oi Taís!
    Liiiindo! Me identifiquei demais! No açucar no café, no comer na boca, no dormir na mesma hora, em comer sempre juntos, puro sincronismo. Amei!
    Beijinhos!

    ResponderExcluir
  6. Muito legal e eu não perco Carpinejar por nada.Adoro. Tu sabes que ele além de tudo, está 2 ou 3 vezes por semana n Radio Gaúcha? No programa do macedo. è hilário! me divirto cedinho com ele. beijos,foi bom, reler aqui! chica

    ResponderExcluir
  7. Delícia de crônica! Também sou fã de Carpinejar, o modo como ele fala das intimidades impressiona e encanta! Adoro esse jeito "sem cerimônias" mas cheio de recursos literários que ele tem para falar da vida íntima dos casais... e sempre acerta em cheio!!!

    Adorei o post, mas agora vou encerrar meu comentário porque o marido chamou pra dormir... e, sabe como é, vou sem questionar, aceito a convocação! rsrsrs

    ResponderExcluir
  8. É lindo... mas não sei até que ponto se aplica à vida real. Sou meio desiludido quanto a esses assuntos de amor eterno, almas únicas, etc. Apesar de ser meio rebelde sem causa... sou casado há 10 anos e continuo apaixonado pela minha esposa (não gosto de falar isso, porque quando homem diz isso é taxado de mentiroso... e quando diz o contrário é taxado de cafajeste! :D )

    ResponderExcluir
  9. Poxa!

    lindo!!

    De suspirar!!!

    Beijos Taís!!

    ResponderExcluir
  10. Boa noite, querida amiga Tais.

    Lindo um amor assim.
    Adoro o CARPINEJAR! Ele é sensível e transparente.É bem humorado, é show!!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  11. Deliciosamente terno. Amei!

    Abraços sempre afetuosos.

    Fábio.

    ResponderExcluir
  12. Eu gosto muito de ler os textos dele, amiga!!!
    Quem vê a excentricidade de sua aparência, não acreditaria na simplicidade e beleza de suas crônicas. Adooooro!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  13. Olá querida Taís,
    Simplesmente lindo!
    Adoro Carpinejar. Mais do que ler, adoro ouvi-lo no rádio, com suas mensagens que sempre nos levam a rir muito, até pelo modo como ele as fala.
    Ele é fantástico. Retrata as coisas da vida, as rotinas de cada um de nós, de um modo muito peculiar e engraçado.
    Sua postagem merece nota 10, amiga.
    Ele é a vida, narrando a própria vida.
    Grande beijo, amiga.
    Maria Paraguassu.

    ResponderExcluir
  14. Que delícia de crônica!
    Também gosto de tudo o que ele escreve!

    Beijão

    ResponderExcluir
  15. linda! Nos faz sentir vontade de dizer: comigo também é assim.
    Essa sintonia vem do enorme afeto, que une almas além de corpos.

    Bjs.

    ResponderExcluir
  16. É assim mesmo!
    Como ele entende do assunto!

    Beijos, Taís,
    da lúcia

    ResponderExcluir
  17. Carpinejar tem um estilo interessante, sem rodeios e repleto de significantes que permeiam sua escrita imperdível.
    Como se passasse numa tela de TV , ele materializa o que a gente vai lendo numa trama deliciosa de palavras.

    Tua escolha foi muito bacana, lindo demais esta falar de amor...

    Um beijo Tais, bom feriado no friozinho...

    ResponderExcluir
  18. Oi Taís,

    Carpinejar fala do amor com a propriedade de um mestre.
    O amor é simples assim e não tem vergonha de envelhecer. Lindo!

    Beijos

    Leila

    ResponderExcluir
  19. Adorei tua escolha querida.Bela crônica.O amor pode ser definido com simplicidade e não deixar de ser perfeito e pleno.
    Já conhecia Carpinejar.Ele é genial.
    Bjs no coração Eloah

    ResponderExcluir
  20. Belo texto!
    Parabéns pelo modo de conduzir a idéia, simples, clara e envolvente.
    Viva o amor eterno!

    ResponderExcluir
  21. Já ou ouvi e li várias formas de se falar de amor, mas dessa forma tão simples e assim mesmo tão verdadeira...É Este sim,o cheiro cotidiano de um amor verdadeiro, atravessa a sala de tv, chega no quarto e fica impregnado no travesseiro. Linda escolha Tais,vou procurar ler mais esse autor. Bom Domingo pra você.Bjs.

    ResponderExcluir
  22. Seu texto me lembrar como apenas algo que corriqueiro como dormir, e mais do o dormir quando não se tem a amada ao seu lado, quando não esta so seu lado simplesmente não tem como dormir, as noites se tornam seção de tortura que nunca passa, se lembra do toque dela, do perfume, da temperatura de seu amor. E isso, é a melhor sensação que duas pessoas possam ter. Por causa de um problema de saúde em que ela teve que ficar internada, fiquei sem a minha cúmplice. Seu texto é fantástico.

    ResponderExcluir
  23. olá Tais, xeretando figuras no google achei vc...amei seu blog e já estou te seguindo!...se quiser me visitar tbém meu link é:http://nannymayerblog.blogspot.com.br/

    bjinhos!

    ResponderExcluir

PARA OS MEUS AMIGOS - SUA ATENÇÃO...

1 - Agradeço os comentários dos queridos leitores e amigos, sempre bem-vindos, um grande abraço a todos! Voltem sempre.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

Taís Luso