19 de maio de 2012

UMA VIDA 'MEIA-BOCA'



- Tais Luso de Carvalho

O britânico - Tony Nicklinson, 56 anos - que ficou completamente paralisado, só mexendo os olhos  após um derrame cerebral, está pedindo à justiça o direito de morrer. São esses casos tristes que me fazem pensar o que vale a pena e o que deve ser deixado fora; são esses casos que me fazem pensar em certas cobranças que fazemos, de vaidades bobas, de apegos e de confrontos idiotas. Discutimos banalidades; nos matamos por banalidades.

Fiquei a olhar a foto do homem que diante de tal sofrimento desistiu de tudo. Por que será que esse homem está assim? O que aconteceu de tão grave em sua vida? São esses os casos que mostram o quanto somos frágeis. E aí... FUI! Mas isso é a vida de todos nós, sempre numa corda bamba, tentando o equilíbrio.

Que bom seria se todos pudéssemos contar com a sinceridade, com a confiança, com a orientação e com o incentivo de pessoas que se dizem amigas para amenizar os caminhos tortuosos inevitáveis na vida de cada um; e que bom se pudéssemos contar com mais delicadeza, com mais segurança nos relacionamentos.

Porém, muitos preferem ficar em cima do muro  agradando aos gregos e troianos – elogiando, apoiando tudo dentro de falsidades afim de não se comprometerem. Esses são os amigos ou parentes  meia-boca; aqueles que só criticam, nunca encontram nada de positivo em ninguém.
São artistas na arte da dissimulação: aprontam e magoam. O sentimento de amizade se dissolve na medida em que queremos ser o dono do outro:

Vamos lá! Faça isso! Não me critique, me adore!
Tudo unilateral. É descartado qualquer sacrifício pelo outro.

E  justamente porque não estamos esperando tais atitudes, é que entramos numa arena de peito aberto; um combate ingrato. E muitas vezes é difícil de perceber que a cena é a mesma da Idade Média –, mas com armas tão pontiagudas e afiadas quanto lanças; até mais fáceis, não precisam ser arremessadas: são as palavras - ferem a alma.

Caramba, como é difícil encontrar caminhos sem encontrar lama... O mal das encrencas é que elas são traiçoeiras, começam de manso, de conversas amenas. E desembestam.

Mas o jeito é ir caminhando pelas ruelas da vida e desviando de certos entulhos, poupando nosso coração das mágoas, da raiva e de outros sentimentos que só fazem mal. E assim salvando a carcaça de envelhecer ou de adoecer. Creio que não há antídoto, nem um alerta que nos salve da inveja e das doidices que se espalham feito ervas daninhas. Mas, mesmo entre ervas daninhas  nascem flores. Aleluia!

O bom da vida é quando conseguimos notar quando, como e por quê precisamos mudar o rumo das coisas. É triste quando não podemos contar com a verdade o tempo inteiro. Mas que cada um ache a sua solução para ter mais qualidade de vida, e não mais anos de vida. Nada meia-boca. Não compensa.

----//----

24 comentários:

  1. Taís,
    Uma reflexão profunda que suscita pararmos um minuto para pensar. Gostei, você toca naqueles pontos nevrálgicos sensíveis da existência, parabéns, JAIR.

    ResponderExcluir
  2. Olá Thais..tudo bem?
    Gosto muito da maneira sincera com que voce escreve suas cronicas.

    Viver bem requer muita sabedoria!!

    Um beijo...excelente final de semana!!!

    ResponderExcluir
  3. Oi Taís

    Amém. Concordo com tudo. A vida é tão curtinha. Se paralizamos pelo medo, ela passa, acaba. Se despediçamos com o que não nos importa, não sobra tempo para fazer o resto

    Como diria Sarah Westphal Batista da Silva com o nome de autoria de Luiz Fernando Veríssimo

    "Porque, embora quem quase morre esteja vivo, quem quase vive já morreu"

    ResponderExcluir
  4. Mas é assim mesmo.....Temos de ter todo o cuidado ao caminhar por aí,
    para não haver o perigo de cair na lama....Escorregar é o menos...
    bfs
    Beijo

    ResponderExcluir
  5. Pois é, minha amiga, a vida é cheia de pessoas, em sua maioria, que se perderam de si mesmos, por causa dos demasiados apegos materiais e afetivos. O ser humano não tem mais cura, só mesmo outro apoteótico diluvio de Deus e uma arca, para começarmos tudo de novo.
    Abraços e boa semana.

    ResponderExcluir
  6. Olá Taís,
    Peço licença ao Rodrigues Bomfim, e faço minhas as suas palavras.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  7. Olá,Taís!!

    Viver desta forma, é não viver...que sentido teria a vida?O que estaríamos aprendendo?!
    Ser autêntico, sem tentar agradar ninguém, agrada mais do que ficar todo o tempo "puxando o saco"!Logo se percebe quem é sincero,ou não.
    Se a pessoa tem palavra,é honrada ou não!
    Ser sempre sincero é compartilhar o melhor que temos!
    Ótima crônica,é até redundante dizer isso já que és uma excelente cronista!
    Bom começo de semana!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Amei a metáfora do "meia boca". Concordo plenamente. Tem gente que só vê o lado feio dos outros, talvez porque a mente dela é "meia boca"...

    Beijão

    ResponderExcluir
  9. Taís: Um Texto reflexão muito profundo adorei muito lindo.
    Beijos
    Santa Cruz

    ResponderExcluir
  10. Tais,

    Seu texto traz o desabafo de muita gente, não tenha dúvidas! E também a descoberta que se faz depois de 1, 2,... 10 decepções: "o jeito é ir caminhando pelas ruelas da vida e desviando de certos entulhos, poupando nosso coração das mágoas, da raiva e de outros sentimentos que só fazem mal." Não quer dizer que acostumamos com o sofrimento, mas que aprendemos como andar por entre as dores da alma. Aprendemos a desviar dos entulhos, ao invés de tropeçar sempre neles. Sabemos que estão ali, mas já não nos incomodam, não nos derrubam nem nos destroem. Tornamo-nos autossuficientes emocionalmente, capazes de escolher o que faz bem, descartando sem dramas o que faz mal. Tomamos a responsabilidade de viver uma vida plena, deixando o que não vale a pena - as banalidades que viram avalanche - de lado. Meia-boca? Nem pensar! De fato, não compensa!

    Amo tudo que você escreve, esta crônica está especial! Beijos meus.

    ResponderExcluir
  11. Muito legal e essas coisas, sejam quais forem ,meia boca, não me agradam...Linda crônica!bjs,chica

    ResponderExcluir
  12. OI Taís!
    Esse termo meia-boca veio bem a calhar.rsss
    Viver assim é quase não viver. A vida passa e você fica com cara de tacho. Sua crônica é perfeita para o tempo atual em que se vive muito de aparências.
    Beijinhos e uma ótima semana!

    ResponderExcluir
  13. Uma cronica completa de sinceridade e verdade.
    O que fazemos e contemplamos, nisso nos tornamos.
    Vamos cultivar mais os nossos sentidos mais basicos. Manter um sorriso interior de alegria e gratidão, que sobe aos lábios, é muito saudável.
    Viver abertamente! Suportamos a escuridão e gostamos da chuva, quanta vida.
    Bj

    ResponderExcluir
  14. Oi Taís, acho que seu texto foi um enorme dasabafo desses que precisamos fazer em alguns momentos de nossas vidas, mas a vida é uma enorme bocada rrs não dá p perder rsrs! Parabéns pelo texto! Abraços, há, adorei a imagem!

    ResponderExcluir
  15. Taís,
    Acredito que as decepções sempre irão nos acompanhar durante nossa vida. É inevitável.Há pessoas e pessoas.A princípio acredito que devemos olhar para dentro de nós mesmos e saber se estamos oferecendo realmente ao outro
    tudo o que esperamos receber dele.A nossa conduta ou boa conduta já tornará mais fácil a vida,ao menos estaremos em paz com a nossa consciência.Concordo plenamente quando você diz:" Discutimos por banalidade, nos matamos por banalidades. Temos que poupar nossos corações das mágoas,da raiva e de outros sentimentos que só nos fazem mal". Parabéns. Lourdinha

    ResponderExcluir
  16. Oi Taís, postei meu comentário,mas estava logada no perfil do meu filho Heitor Vilela. Queira me desculpar. Um abraço.Lourdinha.

    ResponderExcluir
  17. Taís,
    vc descreve fielmente as agruras sofridas por quem mantém o peito aberto, crente, solícito à todos e por conseguinte vulnerável às estocadas ferinas.Já viu que eu sou veterana nessa categoria, né? Tive de aprender a reforçar a armadura ao longo dos anos, mas muito me custou.Não consegui blindar-me completamente e em certo ponto , não é mal, porque não descaracterizei minha espontaneidade, mas, consegui aguçar o radar para os "meia-boca."
    Uma conversa dessas dentro duma cafeteria renderia muitas xícaras, heim?
    Bjos,
    Calu

    ResponderExcluir
  18. OI TAÍS!
    MUITO BEM ESCRITA, E DE UMA VERDADE ATROZ, ESTA TUA POSTAGEM.
    QUANTO A VIDA MEIA BOCA,NINGUÉM MERECE E O MAIS INTERESSANTE, TAÍS, É QUE ALGUMAS PESSOAS NÃO CONSEGUEM SER ASSIM, ACHO QUE ESTÁ NO DNA,SE EXPÕEM, SE RELACIONAM COM SINCERIDADE E VERDADE, SOFREM MAIS, É CLARO,MAS SÓ CONSEGUEM VIVER DESTA JEITO, QUE ALIÁS COMO DIZES, É A FORMA CORRETA.
    ABRÇS AMIGA.
    zilanicelia.blogspot.com.br/
    Click AQUI

    ResponderExcluir
  19. Pois é, " a vida como ela é", e, não como deveria ser.
    Acho que teríamos que uns mil anos, a mais, pra aprendermos um pouco mais sobre nós mesmos. Mas, mesmo sendo assim, muitos não mudariam as suas percepções tradicionais.
    Na sinceridade: ótimo texto.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  20. Belíssima sua crônica. A necessidade de afeto faz com que as pessoas se despersonalizem no intuito de agradar. E perdem aquela sinceridade que tanto admiramos nos reais amigos.
    Diante da verdade, podemos consertar o que não vai bem, já que todos falhamos inúmeras vezes.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  21. Muito inspirada essa crônica, conseguiste falar muito, adorei! bjos.

    ResponderExcluir
  22. Esse tema é polêmico, e de uma profundidade incrível!
    Acredito na vida em sua totalidade, quando me refiro á totalidade, também me refiro a pessoas que mesmo tendo suas dificuldades, seus limites encolhidos conseguem viver em plenitude aparando essas arestas e ainda servindo de ânimo e coragem a quem ás vezes tem tudo,mas outras barreiras as impedem...Mas voltando ao assunto, acredito que dentre a dignidade e individualidade [o que não é individualismo] Deus dá ao homem esse direito “morrer com dignidade que é tão importante,quanto viver da mesma forma.
    Beijos!
    Izildinha

    ResponderExcluir
  23. Olá,

    Gostei muito de seu Post, pois retrata bem o assunto.
    Deseja Aprender a Tocar Piano com uma Metodologia Simples e Rápida e que Ensina Passo-a-Passo Todos os Segredos Desta Nobre Arte?

    Entre Em Nosso Site:

    http://www.comotocarpiano.vai.la/

    APROVEITE NOSSA GARANTIA DE SATISFAÇÃO!!!

    ResponderExcluir
  24. Muito boa tarde querida Tais..
    e quantas vidas realmente são assim..
    este termo meia boca é muito usado..
    mas quando o assunto é vida..
    as pessoas deviam levar a vida da melhor forma possível.. daí acidentes não aconteceriam..
    não sabemos o que o outro pensa.. apenas sabemos o que nós pensamos..
    muitas vezes há uma desconexão daquela pessoa.. e nada mais importa..
    muita gente vai desencarnar pelo simples fato de não crer em nada nem em si mesmo..
    é uma pena.. pq ´pelo que já li e ouvi.. são tantas almas que queriam estar aqui agora para quitarem suas dividas..
    e nós que aqui estamos as vezes não aproveitamos e passamos uma vida de passatempo..
    que seja lindo o teu dia.. bjs e feliz sempre doce amiga

    ResponderExcluir

PARA OS MEUS AMIGOS - SUA ATENÇÃO...

1 - Agradeço os comentários dos queridos leitores e amigos, sempre bem-vindos, um grande abraço a todos! Voltem sempre.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

Taís Luso