15 de junho de 2015

ESQUISITICES DE ALGUNS ESCRITORES



-Tais Luso

Revistas especializadas fuçam a intimidade de artistas, cantores, pintores... trazendo a tona um verdadeiro arsenal sobre a privacidade dos viventes. Mas nada tão interessante e curioso como saber do processo criativo e de algumas manias literárias dos escritores. Gente com cabeça privilegiada também pode ser bem 'diferente'. E revirei meus escombros. Encontrei algumas coisas interessantes dessas pessoas especiais que nos servem de inspiração, ora nos ensinam, ora nos fazem refletir. E mais: fazem de nós seres bem mais completos. Apesar de algumas esquisitices, tiro meu chapéu sempre, e com muito carinho. 
Em breve, trarei outros.
______________________________________

Gabriel Garcia Marquez (1927 Colômbia/2014 México)autor de Cem anos de solidão, tinha uma mania que muitos escritores também têm: contava a mesma história - que tinha em mente - a outros escritores ou amigos. convencido, começava a escrevê-la. Essa foi uma mania que pegou por ter escutado um conselho de que para criar uma boa história deveria contá-la inúmeras vezes para sentir o que valia a pena ficar e o que deveria excluir. Levou 30 anos para concluir Crônica de uma morte anunciada. Tenho curiosidade de saber do porquê tanto tempo. Também fazia questão de uma flor amarela em cima de sua mesa e só escrevia descalço. Era compulsivo por arrumação.

Isabel Allende (1942 / Peru) é um pouquinho supersticiosa, começa suas novelas sempre na mesma data – 8 de janeiro –, e rezando. Acende uma vela e só para de escrever quando a 'chama' apaga. No outro dia segue o mesmo ritual.

Mário Vargas Llosa (1936 / Peru) arruma sua biblioteca de uma maneira bastante esquisita: os livros são colocados por tamanho e país de origem! Certamente eu me perderia com esse método bastante peculiar. Também escreve rodeado das estatuetas de hipopótamos que ganha dos amigos, desde que escreveu Kathie e o hipopótamo. É metódico e compulsivo por arrumação.

Nélida Pinõn (1937 / Rio de Janeiro),  só escreve bem vestida e investe alto na qualidade dos cadernos que usa e jamais usa neles uma caneta Bic. Com 8 anos já vendia seus escritos, mas para seu pai, seu maior incentivador. Apaixonadíssima por animais, se pudesse iria pra rua para cuidar deles. Participou de protestos e movimentos contra a ditadura militar ao lado de seus colegas escritores. Nélida Piñon foi a primeira mulher a presidir a Academia Brasileira de Letras (ABL) em 1996.  
"Eu me dei conta de que tinha espírito aventureiro forte demais para ter filhos". 
Certo, cada um sabe de si.

Ignácio de Loyola Brandão (1936 / Brasil-SP) , só começa a escrever depois de limpar a caixa de seu e-mail, cedo, às 6 horas. Tem como obsessão fechar todas as portas dos armários e a porta do escritório. Escreve até as 10 horas e rodeado de suas cadernetinhas de anotações da marca francesa 'Clairefontaine' que manda buscá-las. Além do papel ser especial, minimiza o impacto sobre o meio-ambiente.

Ernesto Sabato (1911/2011 Argentina) era muito disciplinado e objetivo: se não gostou do que escrevera na parte da manhã, tocava fogo nos escritos na parte da tarde! Também era um bom e dramático artista plástico. Veja aqui.

Georges Simenon (1903 Bélgica/1989 Suíça) dava-se o prazo de onze dias para começar e terminar um romance. Como era compenetrado, explosivo, rígido e obsessivo, sentia-se esgotado se passasse desse período. Nesse ritmo escreveu 192 romances, 158 novelas e mais 176 livros sob 27 pseudônimos. Tinha mais uma mania peculiar: em envelopes separados colocava nomes, idades e famílias dos personagens e a partir desse feito começava a desenvolver o drama, mas sem saber do final. Também compulsivo por arrumação.

Bernard Shaw (1856 Irlanda/1950 Reino Unido) isolava-se num puxadinho que mandou construir no jardim de sua casa. Era compulsivo por arrumação. Mas isso é qualidade!

Pablo Neruda (1904/ 1973 Chile) só conseguia escrever com tinta verde! Na Guerra Civil Espanhol, Neruda não terminou um de seus poemas; quando chegou o novo carregamento, já era tarde, não conseguiu pegar o fio da meada...Fica pra outra 'vinda'.

Trumam Capote (1924/1984 EUA) era da turma dos preguiçosos,  que só  gostavam de escrever deitados. Não iniciava seus textos antes de verificar se no ambiente em que estava não havia nenhum inseto. Muito supersticioso fazia duas versões manuscritas a lápis antes de datilografar, e não colocava mais do que três bitucas de cigarro no cinzeiro. Na casa dos outros, as colocava no bolso. Jamais começava algo nas sextas-feiras. E nem terminava.

Luis Fernando Veríssimo tem por hábito jogar paciência no computador, na espera e esperança de que as ideias cheguem. Depois que soube que Chico Buarque fazia o mesmo, perdeu o sentimento de culpa.

Jorge Luis Borges (1899 Argentina/1986 Suíça), todas as manhãs registrava seus sonhos que usaria em suas ficções. Mas o excêntrico é que, volta e meia, escrevia na banheira, como também, algumas vezes, Vinícius de Morais usava da mesma 'tática' – era uma maneira de afastar os indesejados. Nada por asseio, não deveriam ser tão fanáticos...

Cristóvão Tezza (1952 – (Lages - SC/Brasil) autor de vários romances, entre eles O filho eterno, ao iniciar um romance passa por um processo de ansiedade torturante e que muitas vezes o angustiam. O primeiro de seus sintomas é a obsessão em arrumar todo o escritório, sem deixar um clipe fora do lugar.

Fabrício Carpinejar (1972 RS/Brasil) poeta, romancista, autor de vários livros, entre eles, Canalha, não consegue escrever sem camisa, é como desrespeitar a imaginação - diz o escritor. Na hora de algum bloqueio faz faxina da pesada, com detergente e enceradeira. Volta ao computador com as ideias cristalinas e sem vontade de mentir!
Caramba...esse sem dúvida é o mais esquisito!

Carlos Fuentes  e Victor Hugo eram andarilhos para uma boa inspiração, enquanto que 
Ernest Hemingway, Virginia Wolf, Wolfgang von Goethe tinham a mania de escrever em pé.

Hemingway

Metáfora - literatura e cultura (2011)

22 comentários:

  1. ha esses grandes homens e suas pequenas manias,
    muito interessante essas postagem.

    ResponderExcluir
  2. gostei tanto que queria compartilhar, mas vc não tem o botão de compartilhamento...
    pecado !!!!

    ResponderExcluir
  3. Que legal essas esquisitices...mas acho que o nosso Carpinejar ganhou mesmo,rs...Ele é o máximo até nessa hora! Adorei ler e saber disso tudo! bjs, ótimo dia! chica

    ResponderExcluir
  4. Amiga Taís, legal, gostei de ler, acho que todo mundo tem suas superstições e/ou manias!
    Abraços apertados!

    ResponderExcluir
  5. Bom dia querida Tais.. ou seria fria dia..
    abaixo de zero aqui no sul tche srs
    não tá fácil não.. anota aiiii
    Samuel Balbinot- poeta- 1984 seguindo rsrs
    começou a escrever depois de desilusões amorosas..
    agradece a elas senão não teria feito tudo que fez ao longo destes 10 anos de versos..
    comecei a escrever depois de pensar algo sobre o amor e saiu uma rima legal.. nunca mais parei desde lá..
    só escrevo em companhia de músicas..
    primeiros anos tinha um ritual..
    acendia uma vela, incenso, muito rock n roll...
    levava ao quarto fatias de pão colonial com uma perna de salame pra acompanhar regado a um bom vinho claro..
    lembro que num domingo fiz 10 poesias..
    acho que foi culpa do vinho rsrs
    hj não mais faço essas coisas.. afinal a inspiração está sempre presente..
    beijos e feliz sempre

    ResponderExcluir
  6. Diria que é um BigBrother que queremos vêr....
    Nós por cá diríamos..... Mas é interessante saber que famosos,
    também têm os seus 'tikes.'
    Uma boa semana
    Abraço

    ResponderExcluir
  7. Cada louco com sua mania, não é assim um dito popular? Adoro o silêncio e uma trilha sonora tipo "Canon" quando me predisponho a redigir algo. Sinto-me bem assim, mas sem nenhuma pretensão ou tique nervoso...
    Abraço.

    ResponderExcluir
  8. Oi Taís,
    De louco cada um tem um pouco.
    Eu vou mandar um e-mail pra você que começará a rir quando ler e talvez acorde pra rir.
    Eu já ri bastante. Ai meu Deus que distração.
    Amanhã o bicho pega no meu blog.
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Soneto-acróstico
    Aos que criam

    Assim como homens, escritores são assim
    Se comportam esquisitos, porquanto o são
    E cada um quer alcançar o seu próprio fim
    Sem que alguém os questione, porque não?

    Que nós tenhamos alguma mania estranha
    Unicamente nós outros os simples mortais
    Intrigante seria, porque então essa sanha?
    Se escritores sem manias seriam normais?

    Indiferentes ao que deles todos pensamos
    Tantos excêntricos produzem obras de arte
    Indicando que os comentado continuamos.

    Cientes de nossas críticas fazem sua parte
    E relendo suas escritas nós leitores vamos
    Sem levantar portanto qualquer estandarte.

    ResponderExcluir
  10. Tais, adorei conhecer essas peculiares hábitos. Reparou que alguns têm em comum a mania de ver tudo arrumado, a seu modo? Geralmente as pessoas imaginam os escritores em locais meio bagunçados, jogando rascunhos ao chão ou a um cesto que nunca acertam (kkk). Talvez essa ideia venha de roteiros de filmes. Nossa, escrever em pé, para mim, seria um suplício. Gostei muito da postagem. Bjs.

    ResponderExcluir
  11. Arrumar os livros pro tamanho na estante, né normal não? Poxa, também faço isso. Bom saber dessas "esquisitices" Afinal os cara, longe da aura de imortais, são de carne e osso. Beijos, Tais!

    ResponderExcluir
  12. Fenomenal!!! Nunca leí tantas "exquisiteces" de tan famosos escritores....he reído con muchas de ellas no imaginables...
    Excelente relato de formidables "manías literarias"
    Fuerte abrazo

    ResponderExcluir
  13. Gostei muito desta tua postagem, Taisinha. São mesmo muito interessantes as manias desses escritores, que, quase todos eles, representam o que temos de melhor da literatura universal. É matéria para ser relida, mais tarde.
    Beijinho.

    ResponderExcluir
  14. Que interessante!
    Gostei de ler e de saber destas manias de escritores. O que mais me surpreendeu é a mania quase comum a todos: mania de arrumação. Tinha uma ideia precisamente contrária. Pensava que os escritórios de escritores seriam um arrumação muito desarrumada, com livros e papéis por todo o lado. Imagens que nos ficam dos filmes...

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  15. Olá Tais,

    Pareço bem normal diante de todas essas figuras ilustres-rsrs. Interessante que vários possuem mania de arrumação. Creio que é normal certas esquisitices por parte de 'criadores' em geral, que se valem de rituais estranhos para extravasarem sua arte ou inspiração. Eu tinha uma colega que pintava quadros e somente o fazia nua. Achava estranho na época, mas depois passei a a compreender tal atitude.

    Bem interessante a postagem.

    Beijo.

    ResponderExcluir
  16. Eu não podia imaginar que tinham manias desse tipo rs.Cada uma!
    Beijos, Taís!!!

    ResponderExcluir
  17. MUY INTERESANTE TU POST. GRACIAS POR COMPARTIR.
    ABRAZOS

    ResponderExcluir
  18. Tais estou contente que meu blog tenha te inspirado, ador crochê , entre outras coisas, agora estou fazendo uma manta de granny linda que postei a algum tempo.
    se você gosta de costurar tenho um blog de costura com muitos tutoriais legais

    http://dicadecosturadefifia.blogspot.it/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida Fifia, não entendo nada de costura, estou seguindo seu blog de decoração (não conhecia), adoro móveis, objetos e tudo que diz respeito à decoração! Gosto de criar, de improvisar. Conheça o 'Das Artes', você vai gostar.
      Grande beijo.

      Excluir
  19. Minha querida amiga Tais, amei este post, curioso que só rs...Cem anos de Solidão, acredito ser o livro que mais me tocou, lembro de chorar ao terminá-lo, e sempre tive esta impressão, de ser uma enorme história que me era contada e que eu tinha uma necessidade de contar, de falar sobre o livro, tentar influenciar e fazer o outros lerem...Jorge Luis Borges me encantou, em certo período de minha vida anotava os sonhos, mas por influência de Jung, na tentativa de interpretá-los...Nossa, querida Tais, este é o post para se ler várias vezes, nós os amantes da leitura, amante desses gênios da literatura. Sempre um imenso prazer fazer parte dos leitores deste blog que sempre me trás uma surpresa, uma curiosidade, palavras de sabedoria e alegria, reavivando sempre o prazer que tenho de ler.
    ps. Carinho respeito e abraço

    ResponderExcluir
  20. Olá Taís,
    Estou aqui rindo das manias de nossos escritores e escritoras,parece que em todos[as],baixa o espírito da faxina...Adorei!
    Que bom ler tuas escritas,sempre me atualizo e me divirto também.
    Beijos!
    Izildinha

    ResponderExcluir
  21. Amiga, já tinha lido uma matéria semelhante no Facebook, só que falava de outros detalhes da Virginia Woolf e, como lá é tudo tão imediatista, acredita que não consigo lembrar dos detalhes? E olha que ela é uma de minhas autoras favoritas ever!
    Percebi que grande parte dos escritores são (ou eram) muito organizados, nesse quesito, como escritora saio perdendo de cheio! hahahaha! Sabe aquele tipo de pessoa que chega em casa e vai jogando as roupas e lançando os coturnos longe no quarto? #SouDessas.
    A minha bagunça nunca foi problema, mas existem pessoas com TOC que não conseguem fazer nada mesmo em locais bagunçados. É uma espécie de catarse, como se a organização exterior pudesse curar a interior.
    Beijos.

    Rivotril com Coca-Cola

    ResponderExcluir

SUA ATENÇÃO...

1 - Agradeço os comentários dos queridos leitores e amigos, sempre Bem-vindos!

2- Comentários ANÔNIMOS não são postados. Assine.

Um abraço a todos!
Taís Luso