10 de abril de 2016

MATURIDADE / Lya Luft




                    Caminho entre as minhas perdas
                    que são insetos escuros,
                    e os meus ganhos: douradas borboletas.

                    A luz de uma paixão, o dedo da morte,
                    o grave pincel da solidão
                    desenharam meus contornos, firmaram
                    meu chão.

                    Que liberdade, não precisar pensar;
                    que alívio não ter de administrar
                    minha vida:
                    apenas andar, e olhar,
                    apenas ouvir essas vozes
                    que vêm de longe, passam por mim
                    e não me dão importância.

                    Porque no vasto oceano,
                    a minha eventual desarmonia
                    é só uma gota
                    desafinada.
                    Mais nada.

____________________________________________________

 Para Não Dizer Adeus – 3ª ed.  editora Record, 2005, Rio de Janeiro - pg 139.


Formada em Letras anglo-germânicas e com mestrados em Literatura Brasileira e Linguística Aplicada, Lya Luft trabalha desde os 20 anos como tradutora de alemão e inglês. Já verteu para o português obras de autores consagrados como Virgínia Woolf, Günter Grass, Thomas Mann e Doris Lessing, além de ter recebido o prêmio União Latina de melhor tradução técnica e científica em 2001 pela tradução de Lete: Arte e Crítica do Esquecimento, de Harald Weinrich.

Romancista, ensaísta, cronista e poeta, deixo aqui alguns de seus livros. Lya  nasceu em Santa Cruz do Sul, em setembro de 1938 - RS.

As Parceiras / 1981 – A  Asa Esquerda do Anjo / 1981 -  O Ponto Cego / 1999 - Reunião de família / 1982 - O Quarto Fechado / 1984 - Mulher no Palco / 1984 - O Rio do Meio 1996 – Mar de Dentro / 2002 - Perdas e Ganhos / 2003 –   Histórias do Tempo / 2000 -  Pensar é Transgredir / 2004 - Histórias da Bruxa Boa / 2004. Atualmente escreve uma coluna  na  Revista Veja. 

_________________________________________________






34 comentários:

  1. Nadinha a acrescentar
    Neste pleno conteúdo
    Pois não é de admirar
    A Lya Luft disse tudo!

    ResponderExcluir
  2. Olá, Tais,bom dia...
    ...saudade de ler Lya Luft e ver uma obra de P.Picasso...claro que para cada um a maturidade vai refletir de várias formas e bem diferentes, mas creio que saberemos que ela ,a maturidade, está conosco, quando o julgamento/ aprovação do alheio já não interfere mais em nossas ações "apenas ouvir essas vozesque vêm de longe, passam por mime não me dão importância"e "a minha eventual desarmoniaé só uma gotadesafinadaMais nada", e ao concluir que a vida é uma sucessão de perdas e ganhos, "insetos escuros, douradas borboletas" e que o tempo que passou, não nos levou e limitou em nada e sim deixou ," A luz de uma paixão, o dedo da morte,o grave pincel da solidãodesenharam meus contornos" , somatizando para o nosso crescimento e a consolidação de nosso amor próprio."firmarammeu chão".
    Obrigado pelo carinho,belo domingo,belos dias, beijos!

    ResponderExcluir
  3. Tenho três livros dela e gostei muito de todos eles: O Silêncio dos Amantes, Perdas e Ganhos e A Asa Esquerda do Anjo. Não tenho conhecimento de muitos mais, publicados por cá.

    Gostei do poema, que transmite o alheamento de quem quer parar de sofrer.

    Bom domingo para si Taís:)

    ResponderExcluir
  4. Nossa Lya é maravilhosa!Adoro e gostei de tua escolha! bjs, lindo domingo,chica

    ResponderExcluir
  5. Olá, bom dia, Tais.
    "Que liberdade, não precisar pensar;
    que alívio não ter de administrar
    minha vida" - então não? Era tudo o que eu queria, em certas fases da vida ;)
    Lya bem sabe como é ;)

    Picasso no seu "período azul", aqui nesta tela, vai muito bem.
    Tem um bom domingo, querida Taís.
    bjn amg

    ResponderExcluir
  6. Saber caminhar entre as perdas da vida é maturidade plena! Lya Luft descreve extraordinariamente, como sempre!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  7. Bom dia querida Tais.
    Ler Lya Luft é muito bom. A imagem do trabalho Pablo Picasso, lindíssimo. A vida é uma sucessão de perdas e ganhos, "insetos escuros, douradas borboletas , bela frase. Amiga deixei no meu blog um premio dardos para você. Um feliz domingo. Enorme abraço.

    ResponderExcluir
  8. Por supuesto que debe de ser bueno ya que el texto lo es, un buen domingo.

    ResponderExcluir
  9. Oi Tais,

    gosto de Lia Luft, a primeira vez que lemos é difícil digerir, depois vamos entendendo e aceitando as verdades. Poucos autores tem a coragem de serem tão verdadeiros como ela.
    Parabéns pela escolha. Ótima semana para você.

    Bjs

    ResponderExcluir
  10. Oi Taís,
    Nunca li esses livros. E gosto muito de os livros de Jô Soares. Um dia li um com 464 página em 2 dias sentada à frente da minha casa, ri muito. O livro é: O homem que matou Getúlio Vargas.
    Os que passaram a frente a minha casa deveriam pensar que tinha enlouquecida.kkk
    Beijos
    Dorli

    ResponderExcluir
  11. Em uma das suas escritas Lya Luft diz:
    A vida é maravilhosa, mesmo quando dolorida. Eu gostaria que na correria da época atual a gente pudesse se permitir, criar, uma pequena ilha de contemplação, de autocontemplação, de onde se pudesse ver melhor todas as coisas: com mais generosidade, mais otimismo, mais respeito, mais silêncio, mais prazer. Mais senso da própria dignidade, não importando idade, dinheiro, cor, posição, crença. Não importando nada.

    Lindo poster Tais!
    Como sempre esta a nos trazer raridades com conteúdos profundos...
    big bj em seu coração ótimo inicio de semana..

    ResponderExcluir
  12. O texto de Lya é sempre um céu tão claro.
    Uma bela partilha, Taís.
    Abraços,

    ResponderExcluir
  13. Uma excelente escolha poética.
    A Lya é uma grande escritora.
    Boa semana, querida amiga Tais.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  14. Pois é cara amiga Taís, minha primeira incursão no mundo de Lia foi em A Asa Esquerda do Anjo, mas naquele momento não fiquei muito entusiasmado. O tempo foi passando, ela escrevendo mais livros, os quais eu sabia pela mídia, mas devido a grande repercussão de Perdas e Ganhos aventurei-me neste e fiquei surpreendido pelo salto estilístico. De lá para cá tenho lido Lya regularmente. Lya grande e eclética escritora.
    Um abração. Tenhas uma linda semana.

    ResponderExcluir
  15. Oi Tais, boa tarde amiga.
    Como é bom ter esta maturidade de saber caminhar!
    Linda escolha.
    Beijos, ótima semana!
    Mariangela

    ResponderExcluir
  16. Uma tela de Picasso emoldurando uma poesia de Lya Luft é simplesmente um post maravilhoso,
    Um abraço.
    Élys.

    ResponderExcluir
  17. Querida Maninha recebi dois presentes postados por você a obra de Pablo Picasso e o poema da grande Lya Luft, já li vários livros dela gosto demais.
    Obrigada pelo presentão, ótima postagem.
    beijinhos, Léah

    ResponderExcluir
  18. Excelente! Somos efêmeros, o de menos, chama de uma vela na escuridão da noite dos tempos. Pouco acrescentamos aos dias, que seguem inexoravelmente... O sol nasce sem a nossa permissão, a lua... Tudo já existia, sem a nossa permissão e passarão muito bem sem a gente. Somos grão de areia no vasto areal, muito pouco acrescentamos, tanto almejamos, como se fôssemos grandes coisas. Só nós somos tão importantes pra nós mesmos, só nós sabemos o quanto nos queremos. Ótima poesia Tais, bem do jeito que eu gosto, reflexiva, beijos!

    ResponderExcluir
  19. Já consagrada, Luft dispensa apresentações. É dona de poesia madura, trabalhada.
    Bela postagem, Tais.
    Meu abraço,
    Jorge

    ResponderExcluir
  20. Mais uma excelente partilha!
    Abraço Tais!
    Rui

    ResponderExcluir
  21. Palavras claras, suaves, de efeito...
    Bela postagem, amiga Taís!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  22. Excelente escolha, belissimo poema.
    Tais, recebi um prémio que circula na net e venho partilhá-lo consigo. A importância não está no prémio em si, mas sim no que ele representa, a criatividade, imaginação, inspiração, bem como as horas e dedicação que cada um, dedica aos seus blogues deixando neles um pouco de si.
    Provavelmente já recebeu de outros amigos esta recomendação, mas fica também aqui o meu reconhecimento pelo mérito do seu blogue.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida Maria, muito obrigada pela sua gentileza, pelo carinho e pelas suas palavras de reconhecimento. Além do prêmio, em si, o maior é a palavra de vocês, dos queridos amigos blogueiros.
      Meu carinho pra você.

      Excluir
  23. Muito obrigada por nos trazeres um poema profundo de uma poetisa que não conhecia. A maturidade é isso mesmo, é, com o passar dos anos , sabermos entender a vida, termos a consciência que a caminhada é feita com encontros, desencontros, encantos, acalantos, muitas dores, sucessos e imensos somhos que não se realizaram. Com a experiência adquirida temos a obrigação de aprender que um caminho também se faz com pedras; algumas vezes é possivel alisá-las com maquinas tornando a estrada lisinha e agradável de se usar; noutras porém, os pedregulhos são de tal modo grandes e duros que não há máquina que as quebre; só um coração experiente, carregado de vontade e resiliência consegue desviar-se e seguir o melhor caminho. Aprendemos com a maturidade a saber aceitar, compreender, perdoar; entendemos melhor que a vida segue o seu caminho e nós temos de a acompanhar sem reclamar. Obrigada pela partilha, Tais. Um beijinho
    Emilia

    ResponderExcluir
  24. Belíssima escolha Tais ! Lya Luft é sempre motivo de encontro com nosso eu... Beijos minha querida, prazer estar aqui !!!

    ResponderExcluir
  25. GRANDIOSO TEXTO!!!! GRACIAS POR COMPARTIR.
    ABRAZOS

    ResponderExcluir
  26. Olá Irmãzinha: Obrigada pela sugestão, mas fiquei tão furiosa com o acontecido que vou mesmo é postar algo novo para ajudar a esquecer. Meu filho que sempre me socorre está de férias no Japáo, vai demorarrrrr a chegar aqui :).
    MUITO OBRIGADA E
    mil beijinhos, Léah

    ResponderExcluir
  27. Olá Tais! Passando para me deliciar com a leitura deste belo e profundo poema da grande Lya Luft, fruto das tuas mais acertadas escolhas, assim como dizer que fiquei muito feliz com a tua visita e com o teu amável comentário deixado no nosso humilde espaço.


    Beijos e muita saúde e paz para ti e para os teus.

    Furtado.

    ResponderExcluir
  28. Taisinha,
    Acho que li todos os romances da Lya Luft, e muitos outros romances que ela traduziu, mas poesia, há muito tempo estou por ler. Depois deste poema, vou ler o livro "Pra não dizer adeus". Era o ânimo que me faltava.
    Beijinho daqui do escritório.

    ResponderExcluir
  29. Tais, somente depois que já vivemos "alguns" anos e passamos por diversas experiências podemos avaliar o que passou e caminhar entre perdas e ganhos com certa tranquilidade. A admirável escritora foi perfeita em suas colocações sobre maturidade... contornos definidos (com risos e lágrimas) e chão conhecido.
    Gostei muito de sua escolha e essa tela sempre me encantou. Bjs.

    ResponderExcluir
  30. Obrigada pelas palavras deixadas no meu "Ortografia". Passarei aqui outras vezes.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  31. Belíssima escolha, Tais!
    Maturidade é mesmo saber contornar as vicissitudes da vida, que nos moldam... para o bem e para o mal...
    Confesso que não conhecia a autora, mas adorei o poema!
    E a imagem... um excelente suporte para o tema! Adorei o post!
    Beijinhos! Bom fim de semana!
    Ana

    ResponderExcluir
  32. Minha querida amiga Tais, amo demais Lya Luft...e funciona mais ou menos assim comigo, embora tenha mais insetos escuros que coloridas borboletas, mas estou aprendendo com tempo e o mar, vasto mar que é a vida, e nele sou uma gota, apenas uma gota, mas que posso com o andar do tempo, fazer parte do oceano, já maduro colaborar positivamente pela harmonia deste oceano, que sempre precisa ser visto, ser tocado, e para sempre ser vivido...divaguei minha amiga, mas luto comigo o tempo todo para me entender melhor, amadurecer e eu poder perceber este amadurecimento, este crescimento enquanto ser humano. Sempre muito bom estar por aqui.
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderExcluir
  33. Hoje li sobre envelhecer-se.
    Que bom a junção delas, envelhecer com maturidade
    ainda que a balança muitas vezes pende para as perdas,
    mas que esta maturidade faça redescobrir o caminho a seguir.
    Beleza de partilha e bela ilustração.
    Meu abraço.Bjs

    ResponderExcluir

SUA ATENÇÃO...

1 - Agradeço os comentários dos queridos leitores e amigos, sempre Bem-vindos!

2- Comentários ANÔNIMOS não são postados. Assine.

Um abraço a todos!
Taís Luso