1 de maio de 2016

POSTERIDADE / Affonso Romano de Sant'Anna




Eles vão nos achar ridículos, os pósteros.
Nos examinarão
com extrema curiosidade
e um tardio afeto.
Mas vão nos achar ridículos, os pósteros.

Olhado de lá
tudo aqui
será mais claro
para eles
que nos verão
inteiramente diversos
do que somos,
bem mais exóticos
do que somos.

- Como esses primitivos
ousavam se chamar modernos?
Farão simpósios, debaterão
e chegarão a bizarras conclusões.

Assim entraremos para a história deles
como outros para a nossa entraram;
não como o que somos
mas como reflexo de uma reflexão.


             
________________________________________

(Poesia Reunida 1965-1999 / L&PM – maio 2004 – pg 174)


Affonso Romano de Sant'Anna nasceu em Belo Horizonte em 1937. É um dos grandes poetas, cronistas e ensaístas brasileiros da atualidade, com mais de 40 livros publicados.
Como jornalista trabalhou nos principais jornais e revistas do país: Jornal do Brasil, Veja, Isto É, O Estado de São Paulo, Estado de Minas e Correio Braziliense.  Professor universitário e ex diretor da Biblioteca Nacional.

Recebeu algumas das principais comendas brasileiras como Ordem Rio Branco, Medalha Tirandentes, Medalha da Inconfidência, Medalha Santos Dummont. É casado com a escritora Marina Colasanti.




27 comentários:

  1. Uma crônica bem vinda ao momento que estamos passando no Brasil Tais!A minha pergunta é o que acharão os que virão depois?
    Adorei.
    Bjs e obrigada pela visita.
    Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  2. Que para a posteridade...os bons poetas deixem a sua marca!...bj

    ResponderExcluir
  3. Quero só ver o que pensarão os próximos e os próximos ainda? Credo!1 Linda semana! bjs, chica

    ResponderExcluir
  4. Um belo poema!
    Saudações poéticas!

    ResponderExcluir
  5. TAIS,

    gosto muito de Affonso Romano de Sant'Anna,apesar de eventualmente ele rebuscar muito sua literatura e colocar mais palavras do que as necessárias, confesso que eu também,nunca conseguir ser conciso.

    É um mineiro de ótima safra e escolheste muito bem este poema "Posteridade"!

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
  6. UN TREMENDO TEXTO!!! GRACIAS.
    ABRAZOS

    ResponderExcluir
  7. O que vem depois não interessa

    Para nós, apenas sombra, o passado
    E pretensiosos, nos achamos demais
    Mas no futuro o presente será julgado
    Por aqueles nossos pretensos iguais.

    Aí, aos olhos deles, noutra dimensão
    E reflexos de nossos enormes feitos
    Serão objeto de sua severa reflexão
    Onde rirão, talvez, desse nosso jeito.

    Motu continuum: julgue e julgado será
    Porque somos peças da engrenagem
    E relativamos o que existe aqui e acolá.

    Precisamos zelar pela nossa imagem?
    Não, essa uma expectativa que não há
    Pois pósteros também farão bobagem.

    ResponderExcluir
  8. Affonso Romano de Sant'Anna, um escritor que admiro. No entanto, posteridade é legado que deixamos e recebemos, e nem sempre há conexão com o que vivemos. Sei que nunca atingiremos o ápice da satisfação. É um processo e como tal, em construção.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  9. Siempre dejamos una huella de lo que somos más o menos importante.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  10. Tais
    Não conhecia Affonso Romano de Sat'Anna. Como me esforço por conhecer tudo do Brasil, em especial a sua cultura, fiquei bem agradado esmifrar a tua postagem. E ainda por ler o seu excelente poema.
    BRASIL: O SORRISO DE DEUS.
    Capitania de São Vicente
    Se comentar, agradeço o post agadeço.
    http://amornaguerra.blogspot.pt/

    Bjs

    ResponderExcluir
  11. Very beautiful ... super.
    Greetings.

    ResponderExcluir
  12. Já não acho o que acharão depois. Mas o Afonso, além de intelectual respeitado, escreve com uma profundidade que parece sentir saudade da sua tenra idade.
    Belíssima partilha, Taís!

    ResponderExcluir
  13. Olá Mana já estava com saudades.
    Já criticamos, comparamos e analisamos e ridicularizamos os que vieram antes, um dia espero que demore um pouco mais seremos passado e aí também comparados, criticados, ridicularizados. Ainda bem que não estarei mais aqui para ver e sentir.
    Amei a escolha.
    beijinhos, Léah

    ResponderExcluir
  14. Pois é, é sempre assim. Um eterno ciclo. Se não fossem os jovens com ses acertos e desacertos, mas, mudando, irrequietos, rebeldes, dispostos. Beijos, Tais.

    ResponderExcluir
  15. Sempre admirei Affonso Romano de Sant'Anna, já publiquei num blog antigo (Fragmentos) vários pedacinhos desse autor maravilhoso. E esse, especialmente, me encantou. Somos elos de palavras, os que vieram, os que já foram e os que ainda estão, cada qual contribuindo do seu jeito para um mesmo jardim ...Beijos amada.

    ResponderExcluir
  16. Oi Tais, que ótima escolha. Este é um belo escritor.
    Acho que quem escreve, sabe que nunca agradará à todos. E assim será sempre.
    Beijos, com carinho!
    Mariangela

    ResponderExcluir
  17. Um poema que nos faz reflectir acerca do que os pósteros acharão de nós.
    Penso que o tempo altera sempre a percepção da realidade.
    Fiquei também encantada com a tela de Juarez Machado escolhida para este seu post..

    Um beijinho amiga Tais.

    ResponderExcluir
  18. Cara amiga Tais, acho todos nós já conjecturamos, em pensamento, sobre esta questão, mas o poeta maior Affonso Romano diz por nós, em alto nível artístico.
    Um abraço. Tenhas uma linda quarta-feira.

    ResponderExcluir
  19. Verdadeiramente, imagino que nos verão, no futuro, ao mesmo tempo com compaixão e espanto...pois são tamanhas as barbáries e também tão grandes os atos de coragem atualmente perpetrados, que será difícil julgar quem realmente eram os homens e mulheres deste século. Mas o tempo dá às pessoas a "visão de montanha", e é sempre mais fácil entender o passado quando ele é vislumbrado do futuro distante. Difícil mesmo, é viver o presente.
    Um carinhoso abraço!
    Bíndi e Ghost

    ResponderExcluir
  20. Querida Tais, que beleza de poema escolhido para postar para nós. Não conhecia Affonso Romano de Sat'Anna, coloca-nos os problemas e circunstãncias através de versos. Grande abraço!

    ResponderExcluir
  21. Excelente escolha, um poema espetacular.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  22. Taisinha,
    Por ser um excelente poeta, Affonso Romano de Sant'Anna há muito tempo dispõe, mais ou menos assim o seu tempo: aulas de literatura (poesia), palestras, programas de televisão (principalmente em canais de cultura), entrevistas pela mídia, e, claro, para a elaboração e publicação de sua poesia. Ele e sua mulher Marina Colasanti, que é excelente cronista e contista, já deram grande contribuição à cultura brasileira.
    O poema “Posteridade” foi uma excelente escolha para esta postagem.
    Beijinho daqui do escritório.

    ResponderExcluir
  23. Olá Taís,passando para lhe desejar um lindo dia das Mães.
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  24. Boa noite queria Tais.
    O poema Posteridade foi uma excelente escolha. Um feliz dia das mães minha amiga. Enorme abraço.

    ResponderExcluir
  25. Adorei o poema... e confesso, que não conhecia o seu autor.
    O tempo sempre nos oferece uma diferente percepção de tudo...
    Mas uma coisa é certa... toda a geração mais recente, tende a escarnecer das gerações mais velhas... pois ainda não interiorizaram que um dia... também serão considerados primitivos, pelos seus pósteros...
    É um eterno ciclo, que vive se repetindo...
    Beijinhos!
    Ana

    ResponderExcluir
  26. Oi taís,
    Lindo poema
    Não entendo nada de poesia e poema clássicos.
    Escrevo sentimentos.
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  27. Muito li o poeta mineiro por indicação de professores e voce escolheu uma bela obra dele, que nos leva à reflexão da passagem. O fechamento do poema é um primor, é fatal.
    Grato pela partilha.
    Abraços

    ResponderExcluir

PARA OS MEUS AMIGOS - SUA ATENÇÃO...

1 - Agradeço os comentários dos queridos leitores e amigos, sempre bem-vindos, um grande abraço a todos! Voltem sempre.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

Taís Luso