25 de setembro de 2016

AUGUSTO DOS ANJOS - TEMPOS IDOS





            Não enterres, coveiro, o meu Passado,
            Tem pena dessas cinzas que ficaram;
            Eu vivo dessas crenças que passaram,
            E quero sempre tê-las ao meu lado!

            Não, não quero o meu sonho sepultado
            No cemitério da Desilusão,
            Que não se enterra assim sem compaixão
            Os escombros benditos de um passado!

            Ai! não me arranques d'alma este conforto!
           – Quero abraçar meu Passado morto,
           – Dizer adeus aos sonhos meus perdidos!

            Deixa ao menos que eu suba à Eternidade
            Velado pelo círio da Saudade,
            Ao dobre funeral dos tempos idos!


_____________________________________________

EU E OUTRAS POESIAS - L&PM Pocket - pg 168

Augusto dos Anjos nasceu no Engenho Pau d'Arco, Paraíba, no dia 20 de abril de 1884. Em 1903, matriculou-se na Faculdade de Direito do Recife, formando-se em 1907. Ali teve contato com o trabalho "A Poesia Científica", do professor Martins Junior. Formado em direito, não advogou; vivia de ensinar português.
Foi ignorado pela crítica do começo do século. Se alguma exceção se abriu, foi para reputá-lo como autor de versos estapafúrdios e aberrantes. 
Nas décadas seguintes acabou reconhecido como um dos mais admirados e originais poetas brasileiros. Augusto dos Anjos é, certamente, o precursor da moderna poesia brasileira, poesia que daria seu voo somente em 1922, na célebre Semana de Arte Moderna. Seus versos cantavam a onipresença da dor e a excludente destinação do homem à morte, aos vermes e ao pó. A partir de 1928 começou a longa e acidentada via de reconhecimento público, fazendo de Augusto dos Anjos o que ele é hoje, um dos mais admirados , poetas brasileiros, e por certo o mais original.
Cético em relação às possibilidades do amor ("Não sou capaz de amar mulher alguma, / Nem há mulher talvez capaz de amar-me").


O livro Eu E Outras Poesias, do qual retirei esse poema, sobrevive, antes de tudo, pelo rigor da forma. Com o tempo, tornou-se um dos poetas mais lidos do país, sobrevivendo às mutações da cultura e a seus diversos modismos.  Morreu aos trinta anos de idade, de pneumonia, em Leopoldina (MG), em 12 de novembro de 1914. 



30 comentários:

  1. Taís,
    Sou fã de Augusto dos Anjos, fiz muitos sonetos inspirados nele. Abaixo um exemplo:

    O avesso de Augusto dos Anjos
    O mar

    O mar é alegre sob qualquer critério;
    Cada cor abrandada revela a doçura,
    Da coberta de espuma sua brancura
    Até pontuais marés e seu gesto sério.

    Ah! dirão, e a profundeza de mistério,
    Cujo fundo se encontra àquela lonjura
    De amplidão imensurável e tão escura
    Do tamanho de um inteiro hemisfério?

    Quando à mente tais questões tragas,
    Pense na água, não apenas nas fragas,
    De modo que qualquer dúvida se esvai.

    Refletindo a luz do avermelhado poente
    O poeta transcende pelo que vê e sente,
    Então chora quando a sua ficha lhe cai.

    ResponderExcluir
  2. Querida Taisamiga

    Vir por aqui é sempre uma maravilha e uma forma de aprender mais "coisas" sobre o teu (e nosso) Brasil. Nem conhecia o Augusto dos Anjos, mas pelo soneto que publicas lembrou-me o Soares de Passos, ultra-romântico portuense (1826-1860) autor dum célebre (entre nós) Noivado do Sepulcro que me permito aqui transcrever Releva-me o tamanho do poema.

    Vai alta a lua! na mansão da morte
    Já meia-noite com vagar soou;
    Que paz tranquila; dos vaivéns da sorte
    Só tem descanso quem ali baixou.

    Que paz tranquila!... mas eis longe, ao longe
    Funérea campa com fragor rangeu;
    Branco fantasma semelhante a um monge,
    D'entre os sepulcros a cabeça ergueu.

    Ergueu-se, ergueu-se!... na amplidão celeste
    Campeia a lua com sinistra luz;
    O vento geme no feral cipreste,
    O mocho pia na marmórea cruz.

    Ergueu-se, ergueu-se!... com sombrio espanto
    Olhou em roda... não achou ninguém...
    Por entre as campas, arrastando o manto,
    Com lentos passos caminhou além.

    Chegando perto duma cruz alçada,
    Que entre ciprestes alvejava ao fim,
    Parou, sentou-se e com a voz magoada
    Os ecos tristes acordou assim:

    "Mulher formosa, que adorei na vida,
    "E que na tumba não cessei d'amar,
    "Por que atraiçoas, desleal, mentida,
    "O amor eterno que te ouvi jurar?

    "Amor! engano que na campa finda,
    "Que a morte despe da ilusão falaz:
    "Quem d'entre os vivos se lembrara ainda
    "Do pobre morto que na terra jaz?

    "Abandonado neste chão repousa
    "Há já três dias, e não vens aqui...
    "Ai, quão pesada me tem sido a lousa
    "Sobre este peito que bateu por ti!

    "Ai, quão pesada me tem sido!" e em meio,
    A fronte exausta lhe pendeu na mão,
    E entre soluços arrancou do seio
    Fundo suspiro de cruel paixão.

    "Talvez que rindo dos protestos nossos,
    "Gozes com outro d'infernal prazer;
    "E o olvido cobrirá meus ossos
    "Na fria terra sem vingança ter!

    - "Oh nunca, nunca!" de saudade infinda,
    Responde um eco suspirando além...
    - "Oh nunca, nunca!" repetiu ainda
    Formosa virgem que em seus braços tem.

    Cobrem-lhe as formas divinas, airosas,
    Longas roupagens de nevada cor;
    Singela c'roa de virgínias rosas
    Lhe cerca a fronte dum mortal palor.

    "Não, não perdeste meu amor jurado:
    "Vês este peito? reina a morte aqui...
    "É já sem forças, ai de mim, gelado,
    "Mas inda pulsa com amor por ti.

    "Feliz que pude acompanhar-te ao fundo
    "Da sepultura, sucumbindo à dor:
    "Deixei a vida... que importava o mundo,
    "O mundo em trevas sem a luz do amor?

    "Saudosa ao longe vês no céu a lua?
    - "Oh vejo sim... recordação fatal!
    - "Foi à luz dela que jurei ser tua
    "Durante a vida, e na mansão final.

    "Oh vem! se nunca te cingi ao peito,
    "Hoje o sepulcro nos reúne enfim...
    "Quero o repouso de teu frio leito,
    "Quero-te unido para sempre a mim!"

    E ao som dos pios do cantor funéreo,
    E à luz da lua de sinistro alvor,
    Junto ao cruzeiro, sepulcral mistério
    Foi celebrado, d'infeliz amor.

    Quando risonho despontava o dia,
    Já desse drama nada havia então,
    Mais que uma tumba funeral vazia,
    Quebrada a lousa por ignota mão.

    Porém mais tarde, quando foi volvido
    Das sepulturas o gelado pó,
    Dois esqueletos, um ao outro unido,
    Foram achados num sepulcro só.


    Foi apenas uma recordação de um poema que quando era estudante da quarta classe da escola primária cantávamos (???) como se fôssemos a acompanhar um funeral sob a regência da Dona Clélia que era a nossa professora e directora da escola...

    Que tempos esses...

    Qjs do Henrique, o Leãozão e abç ao Pedro

    ResponderExcluir
  3. Boa noite querida Tais.
    Que belo poema. É ao ler aos comentários li mais lindos poemas. Que bela postagem. Beleza e Cultura. Uma linda semana para voce e o Pedro. Se Deus permitir estarei de volta no próximo domingo. Enorne abraço.

    ResponderExcluir
  4. Gosto muito dele,Taís... Boa escolha! Ótima semana,bjs, chica

    ResponderExcluir
  5. Obrigada, Tais, por me dar a conhecer Augusto dos Anjos, poeta que desconhecia totalmente. Gostei imenso do soneto.
    Uma boa semana.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Gracias por compartir tan bonito soneto, que tengas una feliz semana.

    ResponderExcluir
  7. oi Tais, quando lemos sobre a vida de Augusto dos Anjos percebemos que assim como aconteceu com outros grandes autores, sua obra só obteve reconhecimento depois de sua morte.

    Gosto do estilo de sua poesia, muitas delas tomada por uma fixação pela morte, mas ao mesmo criava versos muito vibrantes.

    Beijos. Bom início de semana!

    ☆blog Contos da Rosa☆

    ResponderExcluir
  8. No conocía a tan llamativo poeta, estimada Tais. Como en tantos casos su maestría, tuvo un reconocimiento tardío.

    ResponderExcluir
  9. Taisinha,
    Augusto dos Anjos deixou a sua marca como poeta no nosso país, tanto que o seu livro “Eu” é sempre reeditado. Pode ser que esta ou aquela pessoa não goste da sua poesia, o que deve ocorrer com todos os nossos poetas (gosto não se discute); mas uma coisa é certa: a pessoa que leu os seus poemas a eles não ficou indiferente. Augusto dos Anjos é um poeta singular. Parabéns pela postagem do poema e de sua biografia.
    Beijinho, daqui do escritório.

    ResponderExcluir
  10. Oi Taís,
    As obras são como os nossos filhos, só nos dão valor após a nossa morte.
    Adorei
    Beijos
    Iria gostar mais do Minicontista2
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  11. Olá Taisinha embora os poemas dele falem muito da morte como se ele soubesse que iria morrer tão cedo, apesar de que naquele tempo morria-se cedo a tuberculose levava muitos jovens no caso dele a pneumonia, a medicina estava longe da tecnologia atual. Mas gosto dos poemas dele, parabéns pela ótima escolha
    beijinhos, Léah

    PS.estou querendo saber até agora onde está a pergunta técnica que você me mandou, quer me matar de curiosidade???

    ResponderExcluir
  12. Augusto dos Anjos (1884-1914) foi um poeta brasileiro, considerado um dos mais importantes poetas do Pré-Modernismo. Com sua poesia antilírica e mórbida preparou o terreno para a grande renovação modernista.

    Em uma destas ele disse:
    A Esperança não murcha, ela não cansa, também como ela não sucumbe a Crença,
    vão-se sonhos nas asas da descrença, voltam sonhos nas asas da Esperança.

    É sempre bom rever e reler as obras literárias deste escritor que no decorrer de sua vida deixou-nos um legado em frases e belas poesias....

    bj em seu coração....

    ResponderExcluir
  13. Estimada Tais, o soneto é belíssimo e muito original!
    Imediatamente associei-o ao nosso António Nobre, de facto, as semelhanças
    são muitas: foram ambos ultra-romanticos, simbolistas e saudosistas, morreram ambos com cerca de trinta anos de tuberculose, deixaram apenas uma obra, a morte é um tema abordado frequentemente.
    Repare na semelhança no estilo dos dois sonetos...
    «Ó Virgens!»
    «Ó virgens que passais ao sol poente,
    Pelas estradas ermas, a cantar!
    Eu quero ouvir uma canção ardente,
    Que me transporte ao meu perdido Lar.

    Cantai-me, nessa vos omnipotente,
    O Sol que tomba, aureolando o mar,
    A fartura da seara reluzente,
    O vinho, a Graça, a formosura, o luar!

    Cantai, cantai, as límpidas cantigas!
    Das ruínas do meu lar desaterrai
    Todas aquelas ilusões antigas

    Que eu vi morrer num sonho, como um ai...
    Ó suaves e frescas raparigas,
    Adormecei-me nessa voz... Cantai!»

    Boa semana e beijos para si e Pedro.
    ~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Queria dizer, «voz omnipotente». Do livro 'Só'.
      Abraço.

      Excluir
  14. No meu primeiro contato com Augusto dos Anjos, fiquei de cabelo em pé, meio assustado. Eu era adolescente na época e achei os versos muito fúnebres, mas com o tempo fui acostumando. Este postado aqui já é bem leve em relação aos demais do autor. Gostei bastante deste.
    Um abraço. Tenhas uma linda tarde.

    ResponderExcluir
  15. gosto muito do poema e, de alguma forma, revejo-me nestes versos

    "Eu vivo dessas crenças que passaram/ E quero sempre tê-las ao meu lado!"

    grato, Tais
    por dar a conhecer mais um poeta brasileiro

    beijo, amiga


    ResponderExcluir
  16. Taís,

    Excelente partilha, com acréscimo da excelente biografia,
    você evidenciou tudo sobre do mais importante deste Grande e
    Original Poeta.
    Este livro dele está na pilha de livros de poesia que deixo
    sempre perto de mim...rss
    Há pouco eu li um livro do poeta Ferreira Gullar analisando
    a poética do Augusto dos Anjos, e quando noutro dia fui
    comprar, já não se encontrava mais na livraria, tinha
    que encomendar (uma pena a poesia ser tão desqualificada
    nas livrarias...), e ainda bem que existe blogs como o seu
    e outros que divulgam o de melhor da Poesia.

    Grata pela partilha (mai uma...rss), querida!
    Beijo.

    ResponderExcluir
  17. Oi, lindona! Muita saudade de você. Amei chegar por aqui depois de tanto tempo e encontrar Augusto dos Anjos, um poeta que muito admiro, originalíssimo, mas, como você me conhece, já deve saber disso. Estou aqui porque preciso de um endereço para que eu possa enviar o livro de uma amiga que desejo muito compartilhar com você e com o Pedro. Minha vida continua aquela loucura, mas não esqueço de vocês, não. Bjos e abraços apertados para os dois.

    ResponderExcluir
  18. Amo Augusto dos Anjos, acho que o sabes, e por ser tão natural com o que mais nos apavora, a morte, a perda, sonhos, nossa vida...lidei com isso por estes dias, minha mãe, mas graças a Deus já se recupera em casa, mas passei novamente pela angustia de hospital, mas minha mãe é um ser de luz e só atrai coisas boas, o médico dela, os outro médico, as enfermeiras, eu poder ficar junto, tudo conspirou para o melhor dela, graças a Deus, mas agora, aguardar e amá-la e ver o quanto ela se recupera. Ainda não li teu post anterior, voltarei lá, sempre gosto de ler o que escreves...Augusto dos Anjos é único, meu punk favorito. Belíssima postagem.
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Melhoras pra tua mãezinha, meu amigo Jair, tudo ficará bem. Esse espírito dela com certeza ajudou muito! Agora é tempo, apenas.
      Fique bem, também!
      Grande abraço!

      Excluir
  19. Não conheço o poeta, por isso agradeço a belíssima partilha.
    Bjinho, amiga.:)

    ResponderExcluir
  20. Um poeta maravilhoso...Esta poesia mostra muito da sua sensibilidade.
    Um abraço.
    Élys

    ResponderExcluir
  21. He leído con mucho interés ja información facilitada. Lástima que la traducción al castellano de la poesía resulte tan complicada de entender, es el problema que tiene la traducción de la poesía: hay que entender muy bien lo que se lee porque las traducciones la suelen destrozar, Interesante poeta que yo desconocía.

    Saludos cordiales. Franziska

    ResponderExcluir
  22. Magnifica escolha, é um poema sublime.
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  23. Não existem amanhãs sem boas memórias

    Grato pela pertilha
    Bj

    ResponderExcluir
  24. Não conhecia o poeta, mas gostei do soneto que escolheste.
    Taís, tem um bom fim de semana.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  25. Grata por me dar a conhecer, mais um autor para mim desconhecido, Tais...
    Renegado no seu tempo... confirma-se que estaria muito à frente do seu tempo... confirmado pelo tardio reconhecimento do seu trabalho...
    Tentarei conhecer um pouco mais da sua obra...
    Beijinhos
    Ana

    ResponderExcluir
  26. Amiga Táis,
    Agradeço esta sua partilha pois desconhecia o poeta Augusto dos Anjos.

    Um poema triste e ao mesmo tempo sedutor, como o outono que tão bem colocou nessa bela imagem.

    Um beijinho

    ResponderExcluir
  27. Amiga, Taís Luso, boa noite !
    Muito grato por trazer à tona, tão
    belo poema, bem como um resumo da
    trajetória vivida pelo nobre Poeta,
    Augusto dos Anjos.
    Um fraterno abraço, querida !

    ResponderExcluir
  28. Oi Taís, você escolheu um dos belos sonetos de Augusto que passou pelas não compreensões e ganhou o mundo de poesia, que sempre encanta os amantes.A força das palavras e adjetivos faz dele um grande representante do simbolismo e tão indicado nos vestibulares.
    Bela partilha amiga.
    Bjs de paz no coração.

    ResponderExcluir

SUA ATENÇÃO...

1 - Agradeço os comentários dos queridos leitores e amigos, sempre Bem-vindos!

2- Comentários ANÔNIMOS não são postados. Assine.

Um abraço a todos!
Taís Luso