9 de junho de 2017

OS CICLOS DA VIDA



                  - Tais Luso
           
Estou pensando seriamente em deixar o Brasil ou me mudar de cidade!’
Não, não é nada comigo! Na verdade, essa frase corre pelo Brasil, dita por pessoas que estão chegando em suas aposentadorias ou por jovens que estão com o pé na estrada para começarem suas vidas. Os dois extremos. Mas também se escuta isso de muitos dos 14 milhões de desempregados que lutam para sobreviver.
Também sonhei há muitos anos em morar noutro lugar, no interior do meu Estado, cidade serrana linda, tranquila, segura, junto à natureza. Mas ficou no sonho. A família crescendo, a vida me amadurecendo e hoje não penso em sair de onde moro, apesar das  coisas no meu país não estarem nos trilhos.
O amadurecimento nos dá, entre tantas coisas, uma boa estabilidade emocional. Pelo menos se presume que assim seja. Chega um tempo que a vida deixa seu recado: ‘Ou você amadurece ou vai se danar!’ E o primeiro sinal aparece nesse ‘sossegar’. Amadurecer é querer o necessário, é largar as fantasias e os fricotes. Sonhar, sim, mas com o possível, com o realizável. Mas chega o tempo em que há de se respeitar os ciclos da vida.
Até concordo com o êxodo dos jovens em desbravarem o mundo, tentar a vida em outro lugar, pode dar certo, sim. Mas não mais para nós, mais amadurecidos que na aposentadoria ainda pensamos nos  antigos sonhos juvenis. Passou aquele momento. Agora o sonho é outro.
As atitudes são diferentes. Uma mudança fora de época pode acarretar um arrependimento por inúmeros motivos. Constatei isso, inclusive em minha família.
Deixemos para nossos filhos tentarem seus sonhos, eles têm idade para se aventurar; alguns ainda têm idade para praticarem o Bungee Jumping; estão na idade para tentarem tudo. Estão com tempo para novos projetos, para guinadas ousadas. E se necessário for, haverá tempo para um reinício.
Conversando com uma amiga sobre isso - alguns de seus filhos estão de muda para outro Estado, resolveram tentar uma cidade pequena e calma -, achei que ela e o marido também iriam, tal a insistência dos filhos. Mas ouvi dela palavras que me surpreenderam:
Taís, nós não vamos, nosso lugar é aqui, árvore madura não se transplanta, amiga!
Palavras sábias. Tudo tem seu tempo certo.

_______________________________
   

57 comentários:

  1. Adorei e grande verdade ao final. Para as árvores maduras, cheias de raízes grossas e profundas, é bem mais difícil mudar! Temos que ficar e aplaudir os que vão, mesmo com saudades, pois a coisa aqui tá feia e muiiiiito! bjs, chica

    ResponderExcluir
  2. Acróstico

    Os que nesta vida se sentem indefesos
    Saem, muitas vezes, em busca dum abraço
    Cortando com a sua terra todo laço
    Investem pelo mundo seus olhos acesos.

    Confiantes então nas pernas e nos braços
    Logrando lutar e mesmo sair ilesos
    Onde quer que vão, desejando ser coesos
    Sendo que talvez, a frente conforto escasso.

    Do mundo muitos de nós ficamos surpresos
    As vezes, óbices nos causam embaraço
    Vindo, por certo, dalgum ambiente teso.

    Insisto que este mundo nos dá um compasso
    Do qual se tira tanto o teor como peso
    Apenas sigamos, ignoremos os fracasso.

    ResponderExcluir
  3. O jovem tem o desejo de fugir, nem sabe de quê nem para onde, muitas vezes. Um dia percebe que as suas raízes estavam se formando.
    Saudades de visitá-la mais amiúde. Culpa minha. Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que surpresa agradável você aqui, amigo José Carlos! Fiquei muito feliz! Começamos os blogs quase na mesma época! Muito obrigada pela sua visita, sempre será bem-vinda!
      Grande abraço, amigo!

      Excluir
  4. A juventude é ousada e vai em busca de seus sonhos, quem não o faz não há como retornar. Tudo tem um tempo e é importante pode amadurecer e ver os limites de cada etapa. Sonhar sempre, mas sonhos de cada ciclo. bjs

    ResponderExcluir
  5. Si recuerdo que en juventud llevé cambiando de lugar para vivir, una mi deseo conocer, otra por mi trabajo que requería mi presencia en otros lugares y que buscaba, sin embargo, hoy , digo esto ya mucho tiempo, regresé desde donde partí , volví al encuentro de mis raíces. A pesar de todo , aun queda el ánimo de encontrar lo que busco en mi propio árbol pues está en mi interior y es él, el que echa raíces nuevas todo momento....eso nunca tiene límite de tiempo
    Abrazo Tais
    Me encantó esta entrada, como siempre

    ResponderExcluir
  6. HAY MUCHA REFLEXIÓN EN TU CRÓNICA. GRACIAS.
    ABRAZOS

    ResponderExcluir
  7. A minha árvore madura criou tantas raízes que impossível transplantá-la... Só Deus!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  8. As pessoas emigram por desespero, quando pela guerra, e pela fome não conseguem viver no seu país. Não é, nunca foi fácil a vida do emigrante. Mas emigrar é muitas vezes a diferença entre a vida e a morte.
    Um abraço e bom fim-de-semana

    ResponderExcluir
  9. Depende, Tais: por ejemplo los suecos, noruegos, holandeses, alemanes, etc, etc, aman trasplantarse a otro país mediterráneo y gozar allí de sus jubilaciones y vida relajada, en pueblos costeros con sol y playa.

    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Taís, mais uma excelente reflexão sobre a vida.
    Também gostei do que disse a sua amiga!
    Como sabe, deste lado é diferente e estão chegando muitos brasileiros e alguns são aposentados em busca de paz, que, nesta altura, é o que mais almejamos!
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  11. Vamos criando raízes cada vez mais fundas e tudo é mais complicado para mudar. É a lei da vida...
    Mas em Portugal há muitos estrangeiros residentes que vieram para cá reformados. Ou seja, há quem se transplante mesmo sendo árvore madura...
    Uma boa reflexão, gostei do texto.
    Bom fim de semana, amiga Taís.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  12. Tais, a tristeza escorre de cada uma das palavras da tua crónica.
    Lesse e sente-se que a escreveste de lágrimas caindo e coração despedaçado.
    Que a calma volte ao teu Brasil, para poderes viver tranquila esta fase da vida, no lugar que escolheste.
    São realmente sábias as palavras da tua amiga. Gente madura escreve assim.
    Amiga, apesar de tanta dor nunca deixes de sonhar.
    Beijo, querida.

    ResponderExcluir
  13. Faço parte desse que se mudariam, se pudessem. Porque nada me prende ao Brasil. E já estou cheia de tanta corrupção e safadeza...

    ResponderExcluir
  14. Minha amiga Taís,
    Parece que o humor anda ainda resguardado, mas não há como esconder que, impregnada de humor ou “compenetrada” (rsrs), a sua crônica é de uma leveza e a de uma acuidade que nos soterra. Epa! Você parece que faz tiro ao alvo e acerta na mosca com uma precisão cirúrgica. Tao em voga a essa “precisão cirúrgica”, não é verdade? Expressa a verdade, é o que fica claro para mim. E a imagem da árvore madura é perfeita. E parece que cada mais distante a esperança de uma país melhor, mesmo com o voto da gaúcha Rosa Weber ontem na encenação da farsa de voto de Minerva, deusa tão vilipendiada ultimamente.
    Um bom final de semana,
    Beijos,

    ResponderExcluir
  15. O mundo está em mudança!
    Sobreviver é a palavra de ordem em vez do delicioso ... Viver!
    Terminou com uma belíssima frase! Bj

    ResponderExcluir
  16. Somos feito à bananeira
    Que deu seu cacho e definha.
    Marcho pela história minha
    Sem armas, mas com bandeira.

    Ser fiel, a vida inteira,
    Aos ancestrais - na tal linha
    Do viver, se se avizinha
    A descida da ladeira.

    Na mesma religião,
    Ereto de pés no chão,
    Sigo a tal filosofia.

    Eu só esqueço a razão
    Quando alma e coração
    Se envolvem na poesia.

    Grande abraço. Laerte.

    ResponderExcluir
  17. TAÍS,

    a questão de sair daqui para ali ou do de lá para cá é que nossa revolta, descontentamentos e frustrações continuarão no mesmo lugar,permanecerão na nossa consciência...

    Um abração carioca.

    ResponderExcluir
  18. Minha amiga concordo plenamente, eu nasci, cresci e vivo na cidade de Lisboa, é uma cidade sem problemas, mas quando era mais jovem sonhava viver no campo, hoje não penso sair do meu local, criei raízes profundas demais para poder arrancar.
    Tenho 2 filhos, a minha filha Diana foi o ano passado viver com o marido e a filha para Macau, pelo menos durante 3 anos. O meu filho Pedro, que ainda tem só 16 anos, já começa também a dizer que se não encontrar um trabalho que lhe agrade em Portugal quer ir para outro país da Europa. Enfim, é realmente quando ainda somos jovens, que as mudanças nos parecem ser o melhor a fazer.
    Bom fim de semana
    Beijinhos
    Maria de
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderExcluir
  19. Olá amiga Taís, boa tarde!
    realmente ouvimos essa frase , acho até que já tive esse sentimento. Vergonha de tudo que estão fazendo os brasileiros passar. O problema não é o Brasil, mas alguns brasileiros. Amei sua postagem coerente com o que estamos vivenciando. Obrigada pela visita lá no meu cantinho, volte sempre, será um prazer.
    Que Deus encha seu final de semana de bênçãos maravilhosas e você possa descansar e se divertir em paz!
    Abraços da amiga Lourdes Duarte.

    ResponderExcluir
  20. Bonita imagen de colección de relojes. Gracias por compartirla.

    Las migraciones humanas siempre se han desarrollado a lo largo de los siglos: está en nuestra condición humana llegar al paraíso. No existe. Las dificultades con que se enfrentan las personas que emigran, en mi opinión, nunca compensan el bienestar que se consigue, es durísimo estar solo en lugares donde no hay un solo amigo que te diga ¿cómo estás hoy? Sin embargo, la gente huye de países en guerra, para salvar la vida de gobiernos represores, del hambre, de la miseria, de las humillaciones, y pierden por el camino esa vida que querían salvar.

    Algo tiene nuestro lugar de nacimiento que inevitablemente nos atrapa, nos llena de nostalgia y al que queremos siempre volver. Muy interesante tema. Un abrazo. Franziska

    ResponderExcluir
  21. Taís,mas será que se mudarmos para outros lugares,não encontraremos os mesmos problemas?
    Em outros Países vemos atentados,matando pessoas inocentes e em cidades pequenas no nosso Brasil,também encontramos muitas barbáries.
    Quanto aos jovens tentarem uma vida melhor,isso concordo,mas é preciso ver qual o lugar ideal para concretizarem esses sonhos.
    Lindo texto.
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  22. Querida Amiga passageira do mesmo barco que eu.Mesmo já sendo uma árvore enraizada, o pensamento de partir para outras plagas existe, vem e se apaga.
    Temos como você diz o amadurecimento à favor de se ficar, mesmo porquê não basta querer, tem que poder, e esse poder requer dinheiro, saúde, capacidade de se adaptar ao novo lugar, a nova cultura, clima, solidão mesmo que seja temporária, saber que em qualquer lugar existirão problemas diferentes ou iguais. Isso tudo vem em nossas mentes quando já temos uma carga de vida longa e aí ficamos onde estamos.
    Mil beijinhos, Léah

    ResponderExcluir
  23. Mas mesmo quando mudanças ocorrem... também nem todas são tão pacíficas como nos querem fazer crer... há emigrantes, que têm histórias de vida bem penosas... que vivem nos outros países, por vezes, também em condições bem difíceis... para amealharem algum dinheiro... para depois levarem uma vida mais desafogada, no país que os viu nascer, quando por vezes regressam...
    Enfim... mas mudança... faz parte do actual vocabulário do mundo... que muda a toda a hora... nem sempre pelas melhores razões...
    Mas compreendo, que realmente a partir de uma certa altura... seja mais difícil para as pessoas mais maduras, estarem abertas a mudanças radicais... quando laços afectivos as ligam a pessoas e lugares, de uma vida inteira...
    Adorei a crónica! Como sempre, um tema pertinente, tratado de forma admirável!
    Beijinhos
    Ana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida Escritora, Taís Luso !
      Deve ser uma decisão muito severa...
      abandonar quase tudo e tentar sucesso
      em outro lugar. Não, conheço o meu
      chão !
      Parabéns pela abordagem de tão importante
      assunto, amiga.
      Um feliz domingo e um fraterno abraço.
      Sinval.

      Excluir
  24. Por isto gosto de te ler, sempre muito lúcida e transparente, tem razão e sua amiga também, não devemos arrancar nossas raízes, perdemos algumas coisas no processo, pedaços de nossas vidas, acredito que passamos a nos sentir um estranho no ninho, por mais que a família esteja conosco. Um lindo domingo, beijos

    ResponderExcluir
  25. É. Tudo tem o seu tempo.
    Façamos do tempo nosso aliado.
    Tentando aqui.
    abraço
    Lola

    ResponderExcluir
  26. Obrigado pelo carão. Gostei de te ouvir, tava precisando ouvir, digo, ler isso. Bom domingo. Beijos!

    ResponderExcluir
  27. Por um lado acho que a juventude deveria ter este espírito aventureiro no sentido de colmatar falhas entre os países e a troca de saberes seria, naturalmente, enriquecedora. Mas partir - a contra gosto - dói, e a árvore madura não pode ser desenraizada.
    Boa crónica, Taís!
    Beijinho.

    ResponderExcluir
  28. Tenho sobrinhos, com curso superior, emigrados no Canadá e Holanda...
    A vida não é fácil, mas eles estão animados construindo um futuro...
    Passam frequentemente férias ou fins de semana em casa dos pais.
    Tem toda a razão, quando se refere às raízes que criamos e que depois de certa idade são difíceis de transplantar...
    E depois para onde ir? Para o Canadá? Brrrrr... já não me adaptava à falta de sol e aos dias terminarem pouco depois das quatro horas da tarde...
    Parece que é o único país que tem escapado à crise mundial...
    Mal por mal, prefiro o meu país e não ligo ao noticiário alargado. Só me interessa o essencial, desta maneira tento escapar à manipulação perpetrada pela comunicação social.
    Economicamente estou a ser muito prejudicada pela crise, não a nível de pensão de reforma, mas a nível de negócios, pois a construção está praticamente paralisada. Vou aguentando - não há, mesmo, outro remédio...
    Querida Taís, a sua crónica é intensamente sentida e muito pertinente, pois permite desabafos onde há sentires muito cúmplices.
    Boa noite e uma semana serena e agradável.
    Beijos de grande amizade.
    ~~~~

    ResponderExcluir
  29. Sonhamos sempre, e o sonho é necessário; mas chega o tempo em que é preciso sonhar com os pés no chão. Estão certas você e sua amiga. Parabéns pelo texto atual e sensato.
    Gostei muito da sua visita.
    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saudades dos amigos antigos, também, Sonia!
      Beijo, uma ótima semana.

      Excluir
  30. Eu tive filhos que saíram do país para trabalhar no Exterior. Não viam a hora de retornar. Valeu pela experiência. Palavras deles:" É fácil mudar-se do país, difícil é mudar o país". Acho que o povo espera muito do governo! Beijo e boa semana, Taís!

    ResponderExcluir
  31. Quedarse en donde uno tiene sus raices y sacar lo mejor que uno pueda ya que en todos los lugares siempre uno va encontrando sus incovenientes.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  32. Querida Taís
    O tempo dos sonhos não acaba mas cada sonho deve vir imbuído da realidade peculiar de cada fase da vida. Há os sonhos ousados para aqueles que vivem a fase da liberdade de voo e há aqueles comedidos bem mais próximos de quem já viveu as fases áureas da juventude. A maturidade nos propicia a sensatez. Um texto eloquente e pertinente minha amiga
    Uma semana iluminada
    Beijos

    ResponderExcluir
  33. Son decisiones personales y difíciles estimada Tais. Viendo las noticias, comprendo la angustia que se debe sentir, cuando unos pocos desde hace mucho, están pulverizando las ilusiones de millones de personas.

    ResponderExcluir
  34. Concordo contigo, cara, cronista, Tais, o amadurecimento nos dá estabilidade emocional. Também concordo com tua amiga: não se transplante árvore madura.
    Um abraço. Tenhas uma ótima semana.

    ResponderExcluir
  35. No dia 1 de Outubro de 1995 deixei Portugal (Coimbra) e vim para Macau.
    Era suposto ficar dois anos.
    Já passaram quase 22.
    Aqui casei, constituí família, aqui refiz a minha vida.
    Vou aqui ficar o resto da vida?
    Não sei.
    E, depois da experiência que tive, não ouso dizer sim ou não em definitivo.
    Tenha uma óptima semana

    ResponderExcluir
  36. Chega uma altura da vida em que as raízes estão tão fundas no nosso chão que já não dá para mudar... O tempo dá-nos essa certeza. Uma crónica excelente, minha Amiga Taís.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  37. É mesmo verdade, Taisinha, a frase ‘Estou pensando seriamente em deixar o Brasil ou me mudar de cidade!’ é repetida em boa parte do país, com estas ou com outras palavras, mas o certo é que há esse desejo de muitas pessoas em deixar o Brasil (muitos já deixaram e outro tanto está bem perto disso. Acho que mudar de país pode resolver o problema desta ou daquela pessoa, mas mudar de cidade, aqui no Brasil, pouco irá resolver, para quem se muda, em matéria de segurança, educação e saúde, uma vez que já estamos no fundo do poço. O certo é que esta tua excelente crônica nos faz falar, dizer alguma coisa sobre a necessidade de mudar, em razão do caos político, da roubalheira que empresas e políticos fizeram entre si. Parabéns.
    Beijinho daqui do escritório.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. belo texto
      te espero la no blog!
      bjs

      http://www.julialisblog.com/

      Excluir
  38. Bom dia Tais.
    A vida por si só já trás mudanças, algumas inevitável, como o envelhecimento. São ciclos da vida se formando e outros terminando. São crianças nascendo e outros morrendo. São fatalidades ocorrendo e fazendo famílias se desestruturar, buscando outros ambientes e muitas vezes caminhos ainda desconhecidos. Infelizmente nem sempre a idade traz amadurecimentos, existem tantas pessoas que já tem idade de deixar sonhos e fantasias de lado e cair na realidade, fazendo o que realmente esteja ao seu alcance, mas preferem viver buscando uma ilusão. Devemos respeitar os ciclos da vida, isso não significa que devemos deixar os sonhos de lado, afinal os sonhos nunca podem acabar, mas com o consciência que sonhos sem ações, nunca deixaram de ser sonhos. Sempre tive a vontade de morar no interior, onde eu pudesse acordar e escutar o canto dos pássaros, chegou um dia eu me dei conta que o meu sonho talvez nunca acontecesse, comprei um gravador, gravei um pássaro cantando e assim que acordo o escuto rsrs. E assim tentei me satisfazer de uma forma inusitada. Muitas vezes a vida nos ensina a nós adaptarmos e seguimos em frente. Mas aceitar que minha filha vai criar raízes em um Pais corrupto é algo complicado, mas enfim essa foi uma decisão dela. Palavras sabias da sua amiga e um belo texto seu, na vida temos que agir conforme diga a nossa consciência e coração, mas também pela razão. Afinal o nosso coração sempre é mas emotivo e menos racional. Uma feliz semana para vocês. Enorme abraço.

    ResponderExcluir
  39. Taís:
    es triste que una persona tenga que abandonar su país obligado por la falta de trabajo o por sus ideas políticas. Viajar y cambiar de país o de ciudad debería ser una elección, no una obligación.
    De todos modos, tenemos un refrán en español que dice: uno es de donde pace, no de donde nace. El lugar donde puedes vivir y comer, ésa es tu verdadera patria.

    Beijos e abraços.

    ResponderExcluir
  40. É Taís, quando amadurecemos começa a surgir alguns temores, eu por exemplo, vivi minha vida inteira em grandes centros: Rio , São Paulo, Recife, Minas Gerais, mas depois dos 50 retornei ao meu nordeste para morar em João Pessoa, meu estado de origem, e de lá rumei aqui para o interior, uma província de 2.500 hb, aqui reina paz, não temos delegacia e até pode-se dormir de janela aberta. sou muito grata a Deus pela capacidade de adaptação que habita em mim.

    Um dia azul, desejo a você.

    Bjs!

    ResponderExcluir
  41. Palavras que são um espelho do que acontece também noutros lugares, Portugal incluído!
    Concordo com as palavras sábias da amiga!
    Bjs

    ResponderExcluir
  42. Revi-me nessa crónica, Tais, pprque um dia lá muito atrás abalei eu para o Brasil onde já estavam os meus pais e irmão há uns meses; a crise aqui no meu país pouco depois do 25 de Abril era muito grande e fez com que muita gente emigrasse. Não me custou nada, pois tinha acabado de casar e não havia filhos; quando após 14 anos resolvemos regressar, foi muito mais complicado; havia a familia que ficava, os filhos que não queriam vir e eu, vamos ser sinceros, também não. Foi um regresso tão custoso que disse ao meu marido que nunca mais voltaria a criar raizes num lado para depois largar tudo; mas.... esse largar não aconteceu, pois tudo ficou no Brasil como estava, excepto a separação que tive de fazer dos meus pais, irmão e amigos. Não é nada agradável, deixar uma vida num pais, construir uma nova noutro e depois abandonar e refazer mais uma vez. Custa muito e por isso só se deve fazer por muita necessidade, principalmente quando há filhos; hoje os meus não gostariam de voltar para o Brasil, mas, quando vieram sofreram um pouvo. Uma crónica muito pertinente já que estamos numa época de grandes êxodos motivados por guerras, insegurança e desemprego. Amiga, tudo de bom e deixo-te um beijinho. Até. ..

    Emília

    ResponderExcluir
  43. Totalmente de acordo, com o final da crónica.....Isso não quer dizer que
    condene as mudanças, quando elas não derem para o torto, como no video que lhe enviei.
    Custa a acreditar, mas é isso que vai acontecer...
    Um abraço e Felicidades,..

    ResponderExcluir
  44. Boa tarde, sua cronicas são sempre profundas, obrigatoriamente fica-se a pensar sobre o que muito bem escreveu, vivemos uma época de egoísmo e de irresponsabilidade da parte de quem tem a responsabilidade e o dever de dar dignidade ao povo, refiro-me aos políticos que (des)governam o Brasil, é impossível um povo viver em segurança e feliz com perca dos seus direitos com 14 milhões de desempregados, a situação actual do Brasil só favorece uma pequena minoria.
    Portugal tem 400 mil desempregados é considerados pelos portugueses e muito bem, demasiado desempregados, estes vão diminuir com o crescimento da economia, os políticos actuais conseguiram devolver alegria ao povo com a devolução de direitos, aplicação de políticas sociais em beneficio dos mais desprotegidos, são políticos próximos do povo, por exemplo o Presidente da Republica Portuguesa que teve no passado dia 10 no Brasil, sai descalço da sua casa e vai para a praia sozinho, passa muitas noites como voluntário a dar apoio aos sem abrigo, aparece inesperadamente em certos lugares a conviver com as pessoas, por convite vai almoçar ou jantar com famílias pobres na casa destes, abre o palácio onde vive ao fim de semana para o povo visitar e conviver com presidente, são políticos destes que o povo necessita para se motivar em contribuir para o desenvolvimento, é totalmente ao contrario do presidente do Brasil.
    Continuação de feliz semana,
    AG

    ResponderExcluir
  45. Concordo plenamente, para que sair do nosso Brasil, se é o lugar que nascemos, crescemos, vivemos muitas emoções e nele iremos morrer. Mesmo ele fora dos trilhos, mas é nossa Pátria amada. Minha cidade é tranquila, tem uma violência aqui outra acolá, porém diante das grandes cidades, ela é pacata. Quando preciso de mais tranquilidade, corro para minha Chácara onde encontro ar puro, paz e harmonia entre eu e a natureza. Beijos carinhosos!

    ResponderExcluir
  46. Portugal andou e continua a andar pelo mundo, hoje estamos a receber esse mundo! Famílias separadas pela instabilidade mundial, as pessoas andam de um lado para o outro, trocam culturas vivem novas experiências. Sinais do tempo!
    Se nós os maduros ficamos, que se faça tudo para melhorar este clima. Eu tento!
    Bjs

    ResponderExcluir
  47. Tais
    Hoje o mundo, para muitos não tem fronteiras, mas devemos estar onde nos sentimos bem. Viajar é bom, mas sentindo sempre ter uma boa base no regresso. As aventuras são fruto mais para a juventude, que deve sempre ter em conta: "Terras pequenas, não fazem homens grandes".
    Beijos

    ResponderExcluir
  48. Olá, Taís
    Tem muita razão, minha amiga (sua crónica é excelente)
    Para tudo há um tempo na vida.
    Olhando para trás recordo, por exemplo, que, só mudanças de casa, fiz APENAS 18, até "aterrar" na casa onde hoje vivo. Hoje seria impensável!
    Devido à profissão do Marido (oficial do Exército) levei vida de saltimbanco nos 15 primeiros anos de casada. E com os filhos atrás...
    O avançar da idade nos traz uma calma e tranquilidade para analisar as situações que os mais novos não têm. Por isso essa ânsia de mudança, que me parece perfeitamente lógica e louvável, quando as condições existentes não satisfazem o mínimo dos mínimos.
    Nós, os velhotes, estamos demasiado acomodados (e cansados...) para mudanças... :)))

    PS – Obrigada pela presença e palavras tão gentis na minha CASA

    Continuação de boa semana.
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderExcluir
  49. Tais
    uma crónica actual e que gostei muito de ler, mas sabe, que você a fechou com chave de ouro mencionando as palavras de sua amiga.
    muito boa a crónica.
    beijinhos
    :)

    ResponderExcluir
  50. Sábia reflexão. Penso que o bem estar esta dentro de nós. Quando encontramos nossa paz interior, qq que seja o lugar, estaremos bem. Muita paz!

    ResponderExcluir
  51. Oi Taís, interessante as declaração final de sua cronica, um espelho de uma realidade, de uma consciência a ser respeitada. Viver e entender cada ciclo da vida anos faz feliz sem frustrações. Na vida há o tempo de plantar, colher e queimar sem se pensar em negar cada uma no seu tempo.
    Gosto destas crônicas de olhar para dentro e desvestir nossas fantasias, que voce bem explorou em poucas linhas.
    Um abração com carinho e um bom fim de semana para voces.
    Bjs de paz amiga.

    ResponderExcluir
  52. Olá Tais!
    Eu também concordo, tudo tem o seu tempo. Quando jovem, tudo podemos, pois como disse, temos tempo para recomeçar.
    Também tenho ouvido de muitas pessoas sobre o desejo de ir embora do país. É normal, minha nonna fez isso quando a Itália era governada por um ditador, outros de diversos países também fizeram, e aqui permaneceram.
    Eu nasci e sempre morei na cidade de São Paulo. Mas um dia resolvi morar em um local mais tranquilo, porém próximo de São Paulo. E assim, foram os últimos dez anos. Mas, tenho sentido falta de São Paulo, de uma maneira geral, incluindo vida cultural e de toda a diversidade que a cidade oferece.
    A insatisfação e o medo são sentimentos que nos fazem refletir se devemos mudar. Não está fácil embalar os corações brasileiros, sem nenhuma perspectiva!

    ResponderExcluir
  53. "Amadurecer é querer o necessário..."
    Eis a frase que relevo para te dizer que subscrevo, na íntegra, o teu pensamento sobre esta questão tão pertinente e tão atual. O meu filho, apesar da enorme dificuldade em ter trabalho na sua área, nunca saiu do país. As raízes são-lhe mais fortes.
    Bj de parabéns pela lucidez, Tais

    ResponderExcluir

MEUS AMIGOS - SUA ATENÇÃO...

1 - Este blog 'não envia nem recebe comentários anônimos ou ofensivos'. Meu e-mail está na guia superior, faça contato.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

3 - Meus agradecimentos pelo seu comentário, sempre bem-vindo.


Meu abraço a todos.
Taís Luso