2 de junho de 2017

POUCOS NO LUXO, MUITOS NO LIXO



         - Tais Luso

Ouvi de uma pessoa que ao abordar em suas crônicas  temas relevantes, sentiu que todos eles passavam despercebidos em comparação aos textos de pessoas que escreviam sobre o sofrimento dos animais nas mãos dos humanos. Teve um surto e resolveu escrever (com agressividade) sobre os ‘cachorreiros’ que passeavam com seus cachorros nos parques.  Contou que sua caixa de e-mails explodiu! Ficou feliz. Coisas difíceis de entender. 
Mas... em geral, quem tem um animal de estimação canaliza sentimentos, não reprime. Animais não nos ofendem, são amorosos, amigos sensíveis. Temos qualidades, por certo, mas somos muito complicadosNós é que cometemos atrocidades. Não eles.
Estou sentada em frente ao monitor, escutando música. Certas músicas me emocionam, umas me alegram, outras me levam a refletir. A verdade é que minha sensibilidade oscila conforme o que a vida me apresenta.
E aqui, eu escrevendo com minha alma aberta na ânsia de obter respostas para tantas perguntas sobre um mundo insatisfeito. Convivemos com uma violência gratuita, somos agredidos pelos gananciosos e loucos enquanto milhões de pessoas convivem com a falta de perspectiva para suas vidas. Estamos nos acovardando, quem não percebe? Somos assaltados com armas sem o direito de defesa, mesmo em nossas casas estamos à disposição dos delinquentes. É justo não termos a opção de defesa nem dentro de casa? Não nos é permitido portarmos armas. Vivemos numa sociedade agonizante cujas causas sociais são visíveis.  É incrível, mas parecemos um povo feliz por vivermos num país tropical, por termos um carnaval show, belas praias, sol e ser o país do futebol? Menos,  menos... isso é muito pouco para fazer um povo feliz.
Mas a felicidade é relativa: para uns é apenas conseguir comer. Para outros é fugir das guerras; para outros é ter um lugar simples para morar; para outros é curar-se de doenças... Mas para uma minoria criminosa, é ter mansões, grifes, e se deliciar com seus bilhões roubados do povo como se fossem viver quinhentos anos! É aparentar luxo enquanto boa parte dos habitantes  moram próximo dos lixões ou em vilas sem saneamento. E isso se espalha pelo mundo.
Acredito que num século qualquer, o mundo poderá ser mais feliz, mas não com doses homeopáticas, e à conta-gotas… Enquanto houver tamanha desigualdade e impunidade, jamais haverá alguma mudança.
Um país cresce e se faz grande e próspero com pessoas honestas. Com governos honestos.

________________________
______




57 comentários:

  1. Vale a pena refletir sobre o assunto!
    Pena que quem devia refletir não o faz!
    Gosto da partilha... Bj

    ResponderExcluir
  2. Taís:
    a veces, cuando la realidad es demasiado dura para soportarla, tenemos que recurrir a pequeños trucos para intentar ser un poco felices: la música, un animal, una fiesta, una excursión...
    Pero tienes razón, a veces no queremos ver las injusticias sociales. A veces tampoco podemos hacer nada, en términos generales.
    Hace unos días, un salvaje atentado produjo 90 muertes en Kabul. ¿Qué podemos hacer?
    Ay, a veces la realidad es demasiado dura.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  3. Bela reflexão, Taís.
    O mundo vai muito mal.
    Ainda assim é bom viver aqui em Portugal!...
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  4. Taís eu não acredito que mude a situação,principalmente em nosso País.
    Vemos tantas atrocidades acontecendo que na minha opinião vai ser difícil mudar
    Para esses que estão ganhando dinheiro,roubando de todos nós está tudo muito bom,vivem em mansões e se são presos,acabam sendo soltos.Enquanto os que vivem honestamente,são presos em suas próprias casas com medo de serem sequestrados ou assassinados.Há uma divergência muito grande entre os bem ricos e os bem pobres e essa desigualdade será sempre assim,acredito que já vem de herança desde os tempos primórdios.
    Belo texto.
    Bjs e um ótimo final de semana.
    Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  5. Pra uns, tudo, enquanto....

    Tanta insensatez nos seus ritos fleumáticos
    Onde alguns poucos próceres escolhidos
    Ttransformam-se em meliantes tão erráticos
    Os quais ofendem nosso honestos sentidos.

    E me pergunto: que caminhos enigmáticos
    Tornou tais homens públicos, assim perdidos
    Deixando-nos mesmerizados, tão extáticos
    Nós que somos da tal honestidade, fidos.

    Parece que assim apodreceu o Pindorama
    Há certas quadrilhas que no roubo tem nicho
    Afanam, depois repousam na larga cama.

    Enquanto tratam todos como sendo bicho
    Na vida pública, fartos, cheios de fama
    Alguns poucos no luxo mas milhões no lixo

    ResponderExcluir
  6. Como sempre uma excelente reflexão.
    Infelizmente parece que a desigualdade social se agrava com o passar dos tempos e cada vez mais existe, uma minoria com tudo e um mundo de gente com uma mão cheia de Nada.
    Bom fim de semana
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
  7. Sinceramente, Tais, minha capacidade de observação desse mundo anda se esgotando... Reporto-me às leituras e músicas que, de certa forma, me alimentam... Sei que "ostracismo" é prejudicial, mas "...há um tempo para cada coisa..." Volto-me ao Rubem Alves, com seu livro: Ostra feliz não faz pérola"...diz ele que: A ostra, para fazer uma pérola, precisa ter dentro de si um grão de areia que a faça sofrer. Sofrendo, a ostra diz para si mesma - 'Preciso envolver essa areia pontuda que me machuca com uma esfera lisa que lhe tire as pontas'. 'Ostras felizes não fazem pérolas'... Pessoas felizes não sentem a necessidade de criar. O ato criador, seja na ciência ou na arte, surge sempre de uma dor. Não é preciso que seja uma dor doída... Por vezes a dor aparece como aquela coceira que tem o nome de curiosidade.
    Bem, partindo dessa ideia, haveremos de produzir muitas pérolas de felicidade... um dia... quem sabe?
    Abraço.

    ResponderExcluir
  8. Oi, Taís,
    Acho que vim só para dizer que estava sentindo falta das suas reflexões. Para ouvir sua voz sempre séria, mas com uma pitada de humor. Mas hoje só encontrei a moça séria, sem a pitada de humor. Parece que nos tiram tudo, inclusive o seu humor. Já não sei o que é feito das rãs, gostava quando elas teciam as nossas manhãs. Parece que nos tiram tudo, mas por favor, não deixem que tire o seu humor.
    Antes que eu esqueça, sempre um bom texto abrindo um buraco no meu teto zinco para que eu possa ver as estrelas.
    Um bom final de semana, minha amiga!

    Um beijo,

    ResponderExcluir
  9. Querida amiga Tais, texto muito bem elaborado e nos mostra mesmo como andam as coisas, como são as coisas, como nos levam a ter medo até de sair à noite, quando saio e volto, tenho de dar uma volta a mais no quarteirão antes de abrir meu portão automático, pois há e muitos jovens sem expectativa de vida que ficam nas ruas até tarde da noite e nunca podemos vacilar, como dizes, não podemos nos defender, armas só bandidos têm!
    Enfim, nem sei se um dia veremos mudanças rápidas, acredito que haverá sim, mas vai demorar, pois políticos honesto, ah, não há!
    Quanto ao humor( que o Jose Carlos mencionou), você é bem humorada e eu também sou, mas nem por isso vamos deixar de ver as coisas ruins que estamos vendo e o pior, não vejo como poder fazer algo para mudar esse triste quadro!
    Abraços linda amiga!

    ResponderExcluir
  10. Gostei muito,Taís e é uma pena essa desigualdade que existe em nosso país e também em outras partes do mundo. Quanto ao que mais desejamos,que é ver pessoas honestas, ter governos honestos, a coisa tá mais pra lá do que pra cá! Que triste desacreditar, mas aqui andamos assim....

    bjs, de volta de um paraíso, foram poucos dias mas esquecemos do mundo!! Faz bem! chica

    ResponderExcluir
  11. Pois é amiga Taís a situação do nosso país é além da razão, da compreensão para mim.
    Sei que o ser humano é intrinsecamente corrupto, aquele que rouba um lápis é corrupto, o que desperdiça alimentos é corrupto. Como você sabe e diz tudo é relativo, o que não é relativo são esses políticos do Brasil, de onde saiu essa corja? Isso já não é corrupção, isso tem um outro nome, outra qualificação. E nós o que podemos fazer? Não sei, chorar não adiante, ir embora não dá, não quero, os que mais roubaram estão em casa, outros continuam roubando mesmo presos, esperança não tenho nenhuma...
    Parabéns pelo lindo e emotivo texto
    beijinhos,
    Léah

    ResponderExcluir
  12. Pelo jeito só fazendo outro pais, esse nosso. Beijos, Tais.

    ResponderExcluir
  13. Taisinha, lendo a tua crônica com a atenção, que é merecida, pude ver a comparação que fazes no seu início entre nós os humanos, com os animais de estimação, preocupada sempre com possível maltrato a eles, nossos amigos fiéis.
    Passado esse momento da crônica há a bordagem social, que está ótima, ligada à nossa segurança, nós que andamos pelas ruas desarmados, A lei em vigor (a isso te referes) não permite que se ande armado, com algumas exceções. Também acho que devemos ter o direito de possuir armas em casa e em nossos carros, desde que com porte legal. Mas é imprescindível que nossos políticos sejam honestos. Claro que alguns deles poderão ser honestos mas teremos sempre muitos políticos desonestos. Parabéns.
    Um beijinho daqui do escritório.

    ResponderExcluir
  14. Querida Escritora, Taís Luso !
    Verdades incontestes, inseridas em tuas
    conclusões...
    Nada mais para acrescentar, além de uma
    oração fervorosa, implorando a Deus que
    salve o nosso povo e puna os responsáveis
    pelos crimes que praticaram.
    Um fraterno abraço e um feliz final de
    semana !
    Sinval.

    ResponderExcluir
  15. Una reflexión que tendría que ser leída por esos gobernantes.
    Un feliz fin de semana.

    ResponderExcluir
  16. E o pior, Taís, é que estamos tão distante (em nosso país) de melhoras, de solução! Não temos nenhuma perspectiva para absolutamente nada, apenas uma vida oca.
    A desigualdade é mundial, a guerra e a violência, mas há países em que o povo vive melhor, isso é fato. Será que um dia poderemos viver assim?
    Um bom texto, com abordagem bem direta e objetiva.
    Um bom domingo e beijinhos.

    ResponderExcluir
  17. Amiga Tais, dê uma olhada no google sobre a teoria do "O drama dos comuns". O planeta está lotado. Não cabe mais ninguém. Chegamos ao limite do suportável. Uma sociedade pequena é fácil disciplinar, mas doutrinar uma massa ignara é impossível. Não sei se estamos nos aproximando do caos, desse buraco mitológico, mas vejo o mundo conturbado e cada um por si. E quem poderá nos salvar? Se não for o Chapolin Colorado, eu ainda creio em disco voador. Grande abraço. Laerte.

    ResponderExcluir

  18. Querida Taís, boa tarde!
    Quem ama os animais se revolta ao perceber maltratos a essas criaturas que não prejudicam o homem. juNiicolau diz “Não mate, não maltrate, por mais que sejam meros animais eles também sentem dor. E jamais fariam conosco o que nós fazemos com eles”. Fico indignada com a crueldade das pessoas que abandonam e maltratam os animais, não só eles, mas seus próprios filhos.
    A denúncia de maus-tratos é legitimada pelo Art. 32, da Lei Federal nº. 9.605, de 12.02.1998 (Lei de Crimes Ambientais) e pela Constituição Federal Brasileira, de 05 de outubro de 1988. É possível denunciar também ao órgão público competente de seu município.
    Você tem razão, “em geral, quem tem um animal de estimação canaliza sentimentos, não reprime”. Conheço pessoas que estavam depressivas e ficaram boas adotando um animal de estimação. Eles se tornam nossos amigos carinhosos, dóceis... Falando, lembro das minhas duas cachorrinhas que morreram velhinhas. Eu e minhas filhas sofremos tanto que não adotamos até agora outras. Mas vamos! Quanta desonestidade o nosso país atravessa, não ´só com os animais irracionais, mas com os humanos. Estamos todos envergonhados. Um País com tantas Leis, só faltam ser cumpridas.
    Grata pela visita ao meu blog, amei seu comentário. Volte sempre, bjuss
    Lourdes Duarte

    ResponderExcluir
  19. Sabes Tais, não tenho nenhum animal de estimação e às vezes choca-me a maneira exagerada com que tratam os cahorrinhos, mas por outro lado acho que eles merecem muito mais que alguns humanos; tanto eles quanto os outros animais só atacam quando se sentem ameaçados e o dito homo sapiens? Mata por nada! Justificação para isso ? Só vejo uma, o amor pelo dinheiro. O vil metal tem um poder tão grande que domina qualquer inteligência; transforma a sapiência em extrema " burrice" Amiga o meu filho costuma dizer: " mãe, cada vez gosto menos de gente " Não gosto de o ouvir a dizer isto, mas não terá razão? Tem, sim e por isso...respeitemos os animaizinhos, mesmo as serpentes, pois até estas só ferem se as ameaçarmos. Beijinho, Tais e...força, pois não é fácil ver o nosso querido Brasil deste jeito
    Emilia

    ResponderExcluir
  20. He leido muchas cosas, muchísimas ideas y todas están en la línea jsta de mi pensamiento. Es un mundo que está empeorando aunque haya personas que vivan muy bien pero, al mismo tiempo, las guerras no solo matan sino que destruyen las esperanzas y posibilidades de la gente, entretanto sobre ese río inmenso de sangre de terror y de muerte, otros construyen fabulosas mansiones, como bien indicas. Estoy, naturalmente de acuerdo en todo y creo lo que indicas: " Um país cresce e se faz grande e próspero com pessoas honestas. Com governos honestos." es una de las mayores verdades que yo he leído. Un abrazo. Franziska

    ResponderExcluir
  21. Um excelente texto, com um titulo muito bem colocado. Numa sociedade interesseira, egoísta, e corrupta o resultado não podia ser outro. No inicio do século XX, dizia-se que andava meio mundo a enganar outro meio. Hoje creio que se pode dizer, que anda 10% da humanidade a enganar os outros 90%
    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderExcluir
  22. Sem duvida passamos por um período difícil por estas bandas.
    Mas como dizem, a esperança é a ultima que morrer e assim há de ser. Pode haver um governo corrupto, mas estamos aqui para tira-lo do poder.


    Bom final de semana,
    http://mylife-rapha.blogpot.com

    ResponderExcluir
  23. Nada que decir , ni nada que agregar, una reflexión que comparto en cada palabra, todo clarito y muy directo.
    Abrazo Tais

    ResponderExcluir
  24. Não sei nada sobre os políticos brasleiros.Mas o eleitor tem sempre uma grande responsabilidade na sua escolha para quem governará o país .
    Abraço

    ResponderExcluir
  25. Acredito que a situação no Brasil vai ser ultrapassada.
    Um abraço e bom Domingo.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    Livros-Autografados

    ResponderExcluir
  26. Como qualquer outro animal, o Homem também luta pela sobrevivência. Mas muitos ultrapassam o que é razoável, são mesmo criminosos, seja na política, na rua ou no mundo financeiro. E esta atitude não dá mostras de abrandar e as armas são cada vez mais sofisticadas, sendo que as mais perigosas nem sequer dão tiros...
    Excelente texto, para ler e reflectir.
    Bom domingo, amiga Taís.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  27. Eso pasa cuando nos duele profundamente la realidad mundial, estimada Tais, agravada con repetidos problemas locales que emanan de lo más alto. Solidarizo con tus comprensibles sentimientos.

    Un beso.

    ResponderExcluir
  28. Admiro muito o dom que a amiga Taís tem para colocar em palavras certeiras e justas, a realidade das injustiças que acontecem no Brasil, em particular e um pouco por todo o mundo, de uma maneira geral.
    O titulo do post é, por si só, o exacto retrato das sociedades actuais.
    O ideal de qualquer sociedade, minimamente justa, seria não haver luxo nem lixo, mas uma distribuição mais equitativa e equilibrada das riquezas naturais de cada país. Utopia? Talvez. Mas não será esse o sonho de quem luta por uma vida digna?

    Não sei se por solidão ou egoísmo, vemos, hoje, pessoas mais preocupadas com os seus animais de estimação, tratando-os como se gente fossem, sufocando-os até no seu direito de vida animal livre, em detrimento das dificuldades por que passará um seu vizinho, pelo qual passa sem para ele olhar.
    Creio que não são apenas os governos que regem mal a economia dos seus países, as sociedades também andam doentes.
    Desculpe a extensão da minha opinião/comentário, querida Taís. Ao fim e ao cabo, não faço mais do que reiterar tudo o que, tão acertadamente, escreveu.

    Um beijinho e boa semana, Amiga.

    ResponderExcluir
  29. Tu reflexión es muy clara y necesaria. Tenemos la obligación y necesidad de mejorar como especie y como sociedad. Un abrazo

    ResponderExcluir
  30. Tais Luso
    Em democracia é pressuposto os governos formarem-se das elites sim, mas das elites saídas do povo e não de "amigos" corruptos, como vem acontecendo, tanto no Brasil como em Portugal.
    Já os animais, é outra história, quem os adopta, os deve tratar como fazendo parte da familia, já que ninguém é obrigado a adoptá-los.
    Beijos

    ResponderExcluir
  31. Es triste, pero las ambiciones de cada ser humano van rebajándose a golpe de fracaso. Para el emigrante que sale de su tierra sin un perfil profesional alto o un carácter de hierro, si va de derrota en derrota llegará un momento en que una vez bajado el último escalón de la esperanza, la pena lo rinde. Y como tú dices, su felicidad se limitará a un plato y un techo por la noche.
    Barcelona es un lugar donde muchas ilusiones se secan.

    ResponderExcluir
  32. Venho repetir o meu comentário...
    Em Maio de 2003, assisti na tv, com a minha saudosa mãe - pela noite dentro - ao desembarque das forças armadas e à invasão do Iraque.
    Um espanto emocionante! A guerra em direto na nossa casa...
    Foram dias e dias de notícias chocantes... porém, o ser humano tem uma capacidade de adaptação surpreendente! Ao fim de meses senti horror porque as notícias já não me perturbavam nem incomodavam.
    Aconteceu-me o mesmo no desmantelamento de uma rede de pedofilia numa escola do estado... de uma comoção indignadíssima, passei a ficar saturada do assunto para grande consternação minha...
    É fundamental estarmos atentos e não perdermos a capacidade de nos indignarmos, pois somos o únicos que podemos dar voz aos que não possuem saber para o fazer.
    Gostei muito do seu texto de intervenção cívica, preocupado com a sorte dos desafortunados, a classe mais débil das sociedades.
    --- Grande abraço, querida Amiga ~~~
    ~~~~~~

    ResponderExcluir
  33. Minha querida Amiga, Taís, que excelente análise sociológica você nos trouxe nesta crónica. É para ler, reler e pensar...
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  34. Minha querida amiga Tais, nosso país está caótico, mas é bom ler aqui, porque se vê, se sente uma vontade de que as coisas deem certo. As comunidades de formigas, abelhas e outros são perfeitos, são organizados (quase como o crime em nosso país rs), mas nossa sociedade humana, aqui do Brasil, sofremos de algo que agora explodiu, mas vem de muito tempo, sempre fomos roubados, explorados o que, eu acho, colaborou para o resultado do povo hoje, e nossos políticos são o maior exemplo de como não se deve ser e agir em cargo público. Minha amiga, trazes no teu texto a palavra que precisamos muito exercer: HONESTIDADE. Sempre um bálsamo poder se alimentar de tuas palavras, sábias palavras.
    ps. Carinho respeito e abraço.

    ResponderExcluir
  35. Boa tarde, Taís! Fiquei muito feliz com sua visita ao meu cantinho, seus comentários e mais feliz ainda por ver que ficou sendo minha seguidora. Vim retribuir todo esse carinho e, ao chegar aqui, encontro essa crônica maravilhosa, na qual você nos conduz a várias reflexões, tanto no contexto social, como no humano, com relação a forma como alguns homens no geral maltratam os animais. Também sou louca por animais e fico p da vida quando sei de inúmeros casos de maldades com esses seres que nos ama tanto e só querem carinho e respeito de nossa parte. Abraços afetuosos, Lúcia Silva!

    ResponderExcluir
  36. Olá Taís,

    Penso que o povo está se acomodando tendo em vista o sentimento de importência que assola a todos diante do cenário geral do Brasil, notadamente político. A quem recorrer se o poder se organiza para proteger-se, afrontando a própria Constituição do País? Infelizmente, a cada dia, sinto-me mais desesperançosa de ver um mundo mais fraterno e um Brasil ressuscitado da lama.

    Excelente crônica!

    Beijo.

    ResponderExcluir
  37. Temos muito a refletir. A impotência paralisa, mas não podemos deixar de acreditar num mundo melhor, mais fraternos, pois assim estamos desistindo de nós. bjs

    ResponderExcluir
  38. Tais
    uma análise muito pertinente e cheia de verdades.
    a sua sensibilidade assim o diz.
    gostei muito de ler.
    beijinhos
    :)

    ResponderExcluir
  39. Pois é, cara amiga cronista Tais, eis o dilema nacional: mudamos radicalmente nossa postura diante da realidade, abandonando nosso comportamento passivo/assimilativo, influenciado via válvula de escape: futebol, novelas, sol, verão, praia, carnaval, programas-bobagens-asneiras tipo Faustão, Sílvio Santos e outras inutilidades que tomaram conta da tv aberta do país (pão/circo tupiniquim) ou partimos, todos, sem acomodação, para o pau, sem quebrar o pau, mas, cobrando, exigindo prisão aos safados e ladrões da nossa esperança, indo às últimas consequências legais e permissíveis, deixando de votar(todos, todos, sem exceção) agora nas próximas eleições; imagine na apuração dos votos, candidatos A,B,C...Z, votos= zero...Se isso acontecesse, talvez, fosse o início de um novo tempo... Associações de bairros, de ruas, de grupos independentes de oportunistas, ou seja, isenção de todo e qualquer elemento com vínculos partidários, pois a política dos partidos trouxe a ruína desta nação, se não a trouxe, colaborou muito com a derrocada moral em que nos encontramos. Mas, acho, que no fundo, nossa vontade é frouxa, existe em alguns pensamentos, e continuaremos votando nos ditos "salvadores da pátria", os quais dizem: fora da política não solução para enfrentar o grave momento nacional...
    Receio que continuará como dantes no quartel de Abrantes.
    Um abração. Boa chuva.

    ResponderExcluir
  40. Voltei cara amigo Tais, pois após ter deixado o meu pitaco aqui neste espaço administrado por você, cronista sensível e inteligente; compartilhado por visitantes também sensíveis e inteligentes, li o depoimento da Janita, no qual encontrei guarida no tocante ao penso sobre nossa derrocada moral: governos e sociedades estão doentes, aliás, os governos não caem aqui de paraquedas; eles não vêm da lua. Governos,administradores, políticos; em geral, são produtos da nossa sociedade.
    Um abração. Boa chuva.

    ResponderExcluir
  41. Ótimo texto!
    Estive passando pelo seu blog Das Artes também e verifiquei que não é possível comentar, mas adorei a obra do artista, as pinturas são maravilhosas.
    Ótima semana,

    http://mylife-rapha.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, querida Rapha, realmente o 'Das Artes' é fechado, é blog também para pesquisa e não me foi possível deixar os comentários abertos devido aos pedidos que eram muitos. Mas agradeço sua visita lá, sempre será muito bem-vinda no Das Artes.
      Beijo, querida.

      Excluir
  42. Que belo texto, Taís! O tema é pertinente e também o teu estilo. Bom de ler. Muito obrigada pelo teu carinho com a minha poesia-luto, com o meu luto-poesia. Estou precisando mesmo falar sobre esta dor. Abraço grandão.

    ResponderExcluir
  43. Infelizmente essa honestidade é cada vez mais um bem em desuso.
    Estou a seguir o seu blogue desde Macau.

    ResponderExcluir
  44. Bom dia querida Tais.
    Como sempre suas palavras estão bem colocadas. Triste realidade. Os valores estão invertidos. Homicida entrando pela frente da delegacia, dando queixa dos policias, e o pior os policias sendo punidos, enquanto o marginal responde em liberdade. Sou contra a violência, acho que o papel dos policias é efetuar a prisão, mas invenção de valores, isso se não fosse trágico seria cômico. Nesse Brasil ate ser honesto se tornou perigoso, pois quem não aceita o errado, é visto como diferente. O que deveria nunca acontecer, afinal o errado é roubar, participar de corrupção etc, e nunca recusar. Agora com o escândalo da roubaria dos políticos, muitos dizem se eles roubam porque não vou roubar, e vai chegar ao ponto que vamos nós surpreender com os honesto rsrs. Infelizmente são poucas as pessoas que de fato pode censurar os políticos ladrões, porque se estivesse no lugar deles fariam a mesma coisa. A desigualdade existe e sempre existirá. Pois tem pessoas que lutam para ser alguém, e muitos esperam o dinheiro fácil, que tudo caia do céu. O que deveria ter é possibilidades iguais. Todos deveriam ter boas escolas, e o alimento básicos para a sobrevivência. Pais drogados perderiam a guarda de todos os seus filhos, e teriam apenas 3 meses para os terem de volta, sendo obrigados a um internamento voluntario se ainda desejassem permanecer na função de educar os seus filhos. Crianças não cresceriam no ambiente de violência, e não se tornariam delinquentes. A adoção tinham que ser mais fácil, para que essas crianças fossem criadas com quem de verdade os desejassem. Todos os drogados que fossem preso, mesmo pelo delito pequeno, teriam que ser internados involuntariamente. Mas não, eles já sai da delegacia, penitenciarias, para a rua para consumir mais drogas ainda e praticar delitos cada vez piores, primeiro é o roubo e depois passa a latrocínio e por ai em diante. Minha amiga ter arma em casa, não sei se protege, ou é ainda mais arriscado. Pois os delinquentes são capazes de tudo para entrar na sua casa se desconfiarem que possuem arma, pois muitos estão atras de uma rsrs. E pior ainda se ao da as caras com um ladrão dentro da sua propria casa e se defender, os diretos humanos rapidinho aparece e é bem capaz da pessoa responder por homicídio e pode ate pará atras da grades rsrs. Vão dizem que eles não estavam armados kkk. E se forem policias então vão dizer que foi armação rsrs. Quanto aos animais, eu não vou negar que prefiro a minha cachorrinha de estimação do que muitos ate familiares. Chocante ? Mas é a realidade. Nela eu recebo fidelidade, se alguém se aproximar de mim para me fazer o mal, ela enfrenta colocando a sua vida para me proteger, e muitos sairão correndo rsrs. Ontem eu parei para pensar em quem eu poderia confiar a minha vida, e só me restou uma pessoas, a minha filha. Se hoje você fosse entregar a sua vida ? Seus bens ? Em quantas pessoas confiaria ? Se responder mais de três pessoas amiga, fique feliz, pois a maioria não teria mas de duas para confiar. As pessoas estão deixando de amar, apenas pensam em se da bem e tirar vantagem em tudo. Como diz a minha filha mundo cruel rsrs. Desculpa o comentário muito longo, fugir ate um pouco do seu excelente texto, mas é a insatisfação de ver o mundo de cabeça pra baixo. Estava com saudade de ler as suas cronicas. Um feliz final de semana para você e para o Pedro. Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida amiga Mirtes, muito bom seu comentário, isso que você escreveu é o resultado de tudo que esse país passa há anos e muito mais agora, em plena crise. quanto à sua cachorrinha... você está coberta de razão. É isso mesmo. Mas quanto a não ter algo dentro de casa para nossa defesa é o mesmo que entregarmos nossa vida sem lutar por ela. Ver matarem nossas famílias sem podermos fazer nada. Triste país esse!
      Beijo, minha querida, um bom final de semana pra vocês. Não se preocupe com o tamanho do comentário, quando se tem coisa para escrever, não dá para ser em duas linhas.

      Excluir
  45. Tudo que você coloca é uma verdade incontestável. Infelizmente as pessoas que poderiam reverter este quadro nada fazem ou permitem que tudo continue cada vez pior.
    Gosto de ter esperança, por isso continuarei acreditando que um dia tudo se equacionará e o povo será feliz.
    Um abraço.
    Élys.

    ResponderExcluir
  46. UN ARTICULO MUY CONCIENZUDO Y REFLEXIVO.
    ABRAZOS

    ResponderExcluir
  47. Nunca são demais os alertas tendentes ao aperfeiçoamento do ser humano. Mais um texto de análise e revolta que li com muito interesse.
    Parabéns e beijinhos, querida Taís.

    ResponderExcluir
  48. Muito bonito Taís, uma cronica com dor sem flores para uma sociedade que se cala na impotência diante tamanha sacanagem de ricos poderosos que vomitam para o povo comer. O povo que não tem casa, povo que não tem coberta para o frio, este mesmo povo de quem eles roubam para manter a vida nababesca. Engraçado que pensava que fosse coisa de terceiro mundo, mas não.E assim a violência cresce e abastece os cofres dos que se beneficiam desta onde de insegurança. Crer numa virada, a gente sonha pois cada dia mais os nossos quintais são invadidos.
    Um belo grito Tais e que possamos ver pelo menos uma grande nação alem do futebol, das musicas, do carnaval e do turismos sexual.
    Haja sonhos amiga, mas vamos crer.
    Um bom e lindo fim de semana para vocês.
    Bjs de paz amiga.

    ResponderExcluir
  49. Boa tarde, a sua chamada de atenção no belo texto dá para um debate enorme, eu sou politizado, nasci e fui criado a ouvir politica até que passei a ser interveniente, faço parte da esquerda activa na luta contra os oportunistas e exploradores do povo que chegam ao governo sem dignidade, é o caso do Brasil, digo, o grande Brasil que tem de tudo para ser uma das maiores economias do mundo e dar dignidade ao seu povo, o Povo é o que menos interessa para os oportunistas sem escrúpulos como o Temer e os seus submissos, a Globo sempre teve interesses políticos fascistas, sempre apoiou a direita fascista incluindo o golpe de estado no Brasil feito pelos militares, sempre intoxicou o povo usando o medo, é claro que a falta de uma politica séria na educação, habitação, saúde e na justiça. serve em pleno os interesses da direita, assim como, a descriminação que cria viveiros de ladrões e assassinos organizados, nada acontece por acaso, tudo é premeditado pela direita fascista.
    Não devemos olhar e compreender o que nos rodeia superficialmente, tudo é mais profundo, quando o povo um dia compreender bem, tudo vai mudar para acabar com uma minoria que representa cerca de 1% da população mundial mas que tem em seu poder 80% da riqueza de todo o mundo, para estes, o que importa são eles e mais eles e mais ninguém.
    Feliz fim de semana,
    AG

    ResponderExcluir
  50. Querida Táis, como a entendo!

    É difícil assistir a tudo o que relata sem emoção.
    Já perdi a esperança de ver algum dia justiça para a corrupção, por isso ela prolifera impunemente.

    Beijinho solidário
    Fernanda

    ResponderExcluir
  51. Boa tarde, querida Tais,
    sua crônica como sempre escrita com o tema certo em um momento crucial,
    momento de angústia para nós,povo brasileiro,que amamos nosso país.
    Estão a todo instante pedindo para que não embalemos pensamentos ruins, porque leva a mais fatos ruins, mas como ficar à parte, de tudo que está acontecendo ao nosso redor, em nossas casas, como nossos vizinhos, com famílias de bem que trabalham e nada conseguem.Há tantas raposas velhas, que continuam a roubar e mentem descaradamente que nada têm a esconder, que tudo é injustiça e a verdadeira justiça fica de mãos atadas perante tanta barbárie e crise financeira.Infelizmente,ainda existem pessoas que não se importam com seu semelhante, preocupam-se em comer bem, em ter um belo carro, em morar em uma mansão e milhões roubados.Qanto a comparação com os animaizinhos, merecem nosso amor e cuidado. Beijos!

    ResponderExcluir
  52. Mais uma belíssima reflexão, Tais!
    Infelizmente... desigualdades são cada vez mais desencadeadas, pelas actuações dos políticos, que se regulam pelos seus interesses pessoais... governam-se a si mesmos, não governando para o povo... e o seu compadrio... tem um defeito epidémico... a cada ano que passa...
    90% da riqueza mundial... está na mão de menos de 5% da população mundial... tal desequilíbrio... é gritante, degradante e aviltante!
    Acho que foi George Orwell que disse... um dia os pobres serão tantos, que simplesmente deixará de haver espaço para os ricos... e por este andar... já estivemos mais longe de tal acontecer...
    E por isso o mundo está como está... com gente desesperada... disposta a tudo... de que cada vez mais, os atentados terroristas... são o retrato disso mesmo... gente se explodindo, em uma qualquer esquina... por muito fanáticos que sejam pelas suas causas... se fossem pessoas, com uma vida relativamente boa... jamais o fariam...
    Enfim... este mundo, anda mesmo um lixo... para meia dúzia de privilegiados, andarem no maior luxo...
    Beijos! Feliz domingo!
    Ana

    ResponderExcluir
  53. Acrescentar o quê??? Disseste tudo. Eu subscrevo sem reservas.
    Não consigo mesmo entender como se pode enriquecer sem dó nem piedade, à custa da expropriação do básico no outro.
    Parabéns por mais uma excelente crónica.
    Bjinho

    ResponderExcluir
  54. Já comentei o anterior e este como aquele é digno de aplauso, tem toda razão cada ser humano tem um tipo de fome, para se sentir bem, em paz. Mas está difícil, infelizmente como conseguimos ser felizes se assistimos tantas injustiças, tantas diferenças, tanto sofrimento, e não é só por aqui não, todo mundo chora pelas crianças que morrem de fome na Africa, e olha que os números são assustadores, milhões, mas só isso lamentam e os poderosos dos quatro cantos do mundo nada fazem, ou o que fazem é atirar algumas esmolas pra aparecer na opinião pública, o mesmo acontece em todo mundo e aqui no Brasil há muitos que passam necessidades verdadeiras, que vivem de forma sub humanas, nada é feito, apenas se preocupam em roubar, acumular tesouros, e manter o povo na ignorância para acreditarem em suas balelas. Triste né? E dizem que estamos as portas da evolução do planeta, de que jeito? bjos linda e me desculpe.

    ResponderExcluir
  55. Infelizmente a maioria do povo brasileiro se contenta com futebol e carnaval, vivem no país das malandrices, onde tudo acaba em pizza e oba! oba!. Não faço parte desse rebanho. Esse país precisa de um banho de educação, ética e cultura.
    Boa noite. Taís.Bjs.

    ResponderExcluir

MEUS AMIGOS - SUA ATENÇÃO...

1 - Este blog 'não envia nem recebe comentários anônimos ou ofensivos'. Meu e-mail está na guia superior, faça contato.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

3 - Meus agradecimentos pelo seu comentário, sempre bem-vindo.


Meu abraço a todos.
Taís Luso