7 de outubro de 2017

A GERAÇÃO DOS INFORMATIZADOS NA HISTÓRIA




            - Tais Luso

É obvio que daqui a muitos séculos, os habitantes desse planeta serão outros, não mais esses 7.500 bilhões de inquilinos. Mas seremos muito vasculhados por cientistas políticos, historiadores e filósofos. Ficarão nossas lembranças, nossos feitos, principalmente de uma época curiosa onde se desenvolveu a era informatizada. Seremos o pano de fundo para muitas dúvidas. O porquê de tudo será a pauta de grandes eventos, e quem sabe onde!

Estudarão nossas mentes, hábitos, cultura e política. Estudarão gerações inteligentes, mas muito estranhas e solitárias. Saberão que enlouquecíamos se ficássemos sem Internet, sem WhatsApp por algumas horas.  Saberão o que significam as Redes Sociais e seu alcance.

Perguntarão que mistério envolvia aquelas gerações que criaram um alfabeto de símbolos que lembravam os Hieróglifos usados pelos egípcios durante 3.500 anos? Perderam o hábito da escrita? O que aconteceu? Por que tantas abreviações e emotions? Por que caminhavam por todos os lugares falando ao celular e não largavam um tal de Facebook? Que esquisita aquela gente; estariam doentes, mudos, analfabetos? pensarão eles.

Possivelmente, bem adiante, o mundo terá outra divisão devido aos terremotos, aos ajustes das placas continentais e às armas bélicas que sairão de cabeças enlouquecidas e que explodirão no planeta determinando os limites de tudo e de todos. Para muitas perguntas não encontrarão respostas, apesar de exaustivas pesquisas que farão sobre nós.

Não tenho dúvida que seremos lembrados pelas nossas façanhas. Talvez alguém no futuro, com neurônios superiores, encontre respostas para tantas manobras circenses. E também escavarão nossas tumbas, para estudarem nosso DNA, adormecido num jardim de paz debaixo de luxuosas esculturas, na tentativa de nos entenderem, de compreenderem nossas relações virtuais e solitárias.

Não faremos parte de um novo mundo, mas  seremos um tanto misteriosos para a História. Seremos as Gerações dos Informatizados: dos emotions, dos aplicativos, do WhatsApp, das redes sociais e das manobras políticas nada ortodoxas.

Mas também ficaremos na História com nossas descobertas, nossas virtudes e nossos grandes pecados - sem dúvida.

hieróglifos  egípcios
Essa é a linguagem contemporânea - WhatsApp e Redes

_________________________________




42 comentários:

  1. Estou incluída nessa busca insana do século XXI, mas sempre com certa reserva... Confiar totalmente, impossível!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  2. E se assim for ... excelente com o desejo de serem gerações melhores!!! Bj

    ResponderExcluir
  3. Mirar hacia atrás como fuimos ("somos") será ,como bien dices, un poco, sino mucho, comprendido como época de la desesperación por las comunicaciones... que locura por inventar aparatos , líneas , redes, y cuánto más, todo por contactarse con otros y no comprender que aquello mas bien separaba que unía....todos encerrados empedernidos con sus "aparatos", ignorando más de las veces, su propia realidad , la que tenían a su lado, transformándose en verdaderos entes solitarios que conversaban con "cajas plenas de cables" entablándose diálogos interminables (blog, páginas web, sitios donde compartir virtualmente..) donde había de todo, desde lo más general a lo más intimo, todo se decía y todo mundo lo sabía... de privacidad solo el silencio de mover los dedos a cada momento por lo que fuera...La verdad que ahora, hoy ya estamos bastantes "locos"....
    Muy buena presentación Tais
    Fuerte abrazo

    ResponderExcluir
  4. Uma análise concisa dos dias de hoje, Taís. Muito bem elaborada e escrita. Como verão a gente nossos sucessores, digamos, em mil anos?
    Beijo, querida amiga!

    ResponderExcluir
  5. Uma crônica bem aos dias de hoje Taís!
    Será,que daqui há muitos séculos será bem diferente?
    Hoje está tudo informatizado,pessoas com celulares enormes em qualquer lugar,não se importando se vai ser assaltado,mas por outro lado acho que evoluímos,estamos na base do tokem e pobre daquele que não possui um celular.
    O meu plano de saúde,você tem que ter um aplicativo para obter o tokem nas consultas.
    E assim vamos caminhando quem sabe até onde!!
    Adorei ler.
    Bjs e um ótimo final de semana.
    Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  6. Ni siquiero soy capaz de imaginarme la evolución que habrá alcanzado nuestra era tecnológica: en mi opinión, más tecnica que lógica, porque las noticias que yo tengo es que ya está a punto de aparecer el uso de la tecnología cuántica. Algo tan alejado de nuestro momento actual, que no podemos ni imaginarlo. Cuando yo dejé mi trabajo de secretaria de dirección, en el año 1964, para casarme, todos los avances estabaan en las máquinas de escribir electricas y en las grabadoras. Los primeros ordenadores empezaban a aparecer en las empresas más avanzadas y eran carísimos. Treinta y cinco años más tarde, un año antes de jubilarme, compré un ordenador Pentium que me costó carísimo. Desde entonces, es decir, en estos 16 años el cambio ha sido impresionante. Los mayores tenemos problemas para adaptarnos al ritmo frenético al que se vive hoy y a la dependencia que tenemos de tanto artilugio como usamos.

    Mis hijos y mis nietos se rien cuando comento que cuando yo era niña
    teníamos luz electrica en casa y que eso se consideraba ya un gran avance y, además, algunas familias tenían radio. Eso era todo.

    Bueno, creo que ya está bien habría bastado que dijera que, en mi opinión, dentro de cien años comprenderán nuestra vida de hoy igual que nosotros comprendemos la vida en la Edad de Piedra.

    Muy interesaante el tema. Un abrazo. Franziska

    ResponderExcluir
  7. Gostei de ler e imagino o quanto eles vão rir com o os achados de nossa época... Mas algumas coisas boas hão de achar...beijos, tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  8. Muito verdadeira sua crônica,querida amiga Taís.

    Atualmente,com o advento da internet,muitos jovens siquer sabem escrever poucas linhas com lógica e coerência,porque o palavreado da net viciou.

    A internet tem suas e muitas vantagens,mas cumpre aos pais vigiar e fazer com que seus filhos não se escravizem a ela e nem eles mesmos!

    Seu blog está na minha lista de blogs a visitar,à direita do meu com seu nome.

    Recebi a atualização do novo post e me deparo com essa pérola.

    Parabéns!

    Beijos sabor carinho e um fim de semana florido e abençoado

    Donetzka

    ResponderExcluir
  9. Grande verdade amiga! Um tema pertinente para sua linda crônica. Minha netinha recentemente me perguntou: " Vovó, porque a senhora dedica-se aos seus blogs e não cuida de editar um livro?" Ela ama ler, com 12 anos é bem provável que já leu mais livros que muitos adultos. Respondi, minha linda, de qualquer forma deixo meus escritos para as próximas gerações. Quando vovó não estiver mais aqui e você estiver pesquisando na net e encontrar uma poesia, um pensamento ou uma mensagem da vovó Prof Lourdes Duarte, irá dizer, minha avó. De certa forma estarei viva. essa é uma dos forças da tecnologia, da informatização. Amei! Parabéns querida.
    Obrigada amiga pela visita e o comentário que deixou. Amo suas visitas, saibas que serás sempre bem vinda aos meus blogs. Tenha um abençoado fim de semana. Abraços

    ResponderExcluir
  10. Taís, não tenho dúvidas que nosso tempo deixará os humanos do futuros intrigados, principalmente pela perda do tempo que gastamos em mesquinharias e bobagens.

    ResponderExcluir
  11. Linda crônica! O mundo tecnológico nos fez nos encontrar amiga! Hoje vim agradecer a você, por seguir o blog da Biblioteca Madre Ódila, pelas visitas e comentários. Quero dizer-lhe que seus comentários tem sido importantíssimos para a valorização das postagens. Obrigada, aquele cantinho é de todos que gostam de aprender sempre mais Como seguidor (a), pode deixar sugestões de conteúdos que devemos pesquisar e postar no blog. Aquele cantinho é nosso. Abraços, tenha um fim de semana de muita paz.

    ResponderExcluir
  12. Taisinha, está muito bem escrita essa tua crônica, "que seremos lembrados pelas nossas façanhas". Deverão achar que aquelas pessoas de séculos passados (que somos nós), eram pessoas embotadas, sem criatividade para participar fisicamente do seu meio social, presos que estavam, como tu dizes, nessa bela crônica, aos "emotions, aplicativos, WhatsApp, e redes sociais". Como essa crise de participação social fora da Internet está a cada dia pior, fico em dúvida se no futuro distante as pessoas estarão melhor. É uma dúvida que poucos vão se aventurar a resolvê-la. De qualquer forma, é uma contribuição, tua crônica, para refletirmos sobre a vida que temos.
    Um beijinho daqui do escritório

    ResponderExcluir
  13. Bom dia Taís, uma crônica bem elaborada com tema instigante, quem sabe nossos feitos sirvam para ampliar o mundo dos futuristas, que eles tirem melhor proveito que nós, valorizem algo mais precioso.
    Querida, desejo ao casal uma abençoada e produtiva semana.

    Paz e Bem!
    Bjss!
    Diná!

    ResponderExcluir
  14. Se for como ainda podemos prever com nossas vivências. Porém o que os filmes futuristas nos trazem nos destinam um mundo onde as replicas humanas existem e estes (humanos) se tornam escravos e fonte de estudos de como gerar a vida. Quando assisto filmes assim me dá muita nostalgia. Bom domingo


    ResponderExcluir
  15. Olá, será que no futuro passaremos de ser informatizados para sermos formatados? é possível que um dia o ser humano deixe de pensar, estará formatado para desempenhar uma certa função atribuída, adivinhar é proibido, o desenvolvimento um dia responderá. até aqui, o desenvolvimento trouxe coisas boas e outras más que podem arruinar o futuro num todo, o Texto é perfeito, faz análise objectiva.
    Feliz domingo e semana,
    AG

    ResponderExcluir
  16. Tais
    que bela leitura, eu nunca tinha pensado nisso.
    bom domingo e continuação de bom fim de semana.
    beijinhos
    :)

    ResponderExcluir
  17. Boa tarde Tais,
    Quero em primeiro lugar agradecer-lhe muito a sua simpática visita e comentário. O António é uma pessoa surpreendente e amável.
    O seu texto é fantástico abordando com muita clarividência este tema sobre o qual ainda não tinha pensado.
    Um beijinho e bom domingo e semana.
    Ailime

    ResponderExcluir
  18. A evolução é tal que nada me espanta, menos ainda depois de ler a Carl Sagan.
    Convidaste-me à reflexão e vou entrar nisso. Gostei, e muito.
    Abraços de vida, querida amiga.

    ResponderExcluir
  19. Pois é amiga, a geração dos esquisitos...
    Das redes sociais, desde bem pequenos...
    Das famílias que não têm tempo para se encontrar...
    Das doenças que continuam a dizimar como noutras épocas...
    Deixaremos, de algum modo, a nossa história.
    Bom texto, como é habitual em si.
    A m/sempre amizade.
    Irene Alves

    ResponderExcluir
  20. Querida
    A evolução foi grande, mas somos mais os mesmos, ninguém conversa mais.
    Eu só posso sair de carro devido a dor nos pés, encontro amigas fofocamos sobre tudo.
    O dia que aposentei, peguei meu relógio coloquei dentro de um copo de cristal e está até hoje e é o único copo que não lavo, não tenho celular, pois gosto de conversar ao vivo.
    Acho que deveria voltar a época dos hieróglifos.kkk
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderExcluir
  21. As duas vertentes - o estranho e o extraordinário.
    O ser humano é capaz de ambas.
    Boa semana

    ResponderExcluir
  22. Interessante a sua crónica, minha Amiga Tais. Muita coisa irá intrigar quem vier no futuro. Mas também algumas coisas os irão maravilhar... O género humano é singular e inovador. Para o melhor e para o pior.
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  23. Bom dia querida Taís
    Uma bela crônica e reflexão de como seremos lembrado no futuro. Da mesma forma que ficamos a imaginar como era as pessoas do passado. Que viviam até sem luz,assistiam novelas pelo rádio e aquele café feito no coador na hora. Creio eu que as coisas continuaram a evoluir e a rede social vai surgir cada vez mas novidades. Uma linda semana minha amiga. Grande abraço. Lembrança ao Pedro.

    ResponderExcluir
  24. Imaginarse lo que dirán de nosotros las generaciones posteriores es un acto de imaginación, puesto que no sabemos como vivirán, si estarán conectadas a un dispositivo o si tras un cataclismo (poniéndose en lo peor) estarán alrededor de un fuego y sin ninguna información de sus antepasados. Eso no se sabe, pero de cualquier forma has elaborado un buen relato futurista. ¡Enhorabuena!
    Abrazos

    ResponderExcluir
  25. Kkkk... kkk...
    Como chamarão a nossa era?
    Decerto viverão bem apertadinhos e com outras manias, pois enquanto houver seres humanos, elas não faltarão...
    Uma crónica de costumes com uma ironia bem humorada, perfeitamente adequada, muito bem imaginada e explícita.
    ~~~ Beijos, querida Amiga ~~~

    ResponderExcluir
  26. Excelente dissertação.
    Como será que no futuro nos irão "olhar" e "estudar"?
    Beijinhos
    Maria de
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderExcluir
  27. A questão é... será que as armas bélicas, que saem das cabeças enlouquecidas... deixarão sobreviventes?...
    Não tenho dúvidas, de que outras civilizações bem avançadas, existiram antes de nós... e de repente sumiram!... Doenças... guerras... alterações no clima... algo se passou... e algumas marcas foram deixadas no mundo, aqui e além... e ainda hoje se encontram...
    Adorei seu texto, Tais... e o paralelismo... com os emoticons do passado... que já nessa altura, mostravam naves espaciais, e pessoas vestidas com fatos espaciais... e algo parecido com um helicóptero, também já foi encontrado em hieróglifos no Egipto... dá que pensar!...
    Em breve, farei um post, a propósito de um parafuso em ferro, com 3.5 milhões de anos, que foi encontrado, numas regiões geladas da Rússia, há poucos anos atrás... quando cientistas de áreas diversas, se deslocaram lá, para estudar a queda de um meteorito no local... todos os cientistas concordaram entre si... o parafuso... pertenciam a algum equipamento... com 3.5 milhões de anos... testes feitos, para o datar... foram muito precisos!...
    Vivemos num mundo estranho... e se calhar... nem nós sabemos da sua história toda!...
    Beijinhos, Tais! Feliz semana!
    Ana

    ResponderExcluir
  28. Oi, Taís, socorrista amiga (rss)!
    O que será que será? Como a liberdade esvoaça entre os dedos, não custa imaginar esse futuro sem os homens que desaprenderam a dialogar com as auroras, mas estas continuam dialogando com os pássaros. E vamos tocando a vida pelas redes que nos prendem e, às vezes, sufocam...
    De qualquer modo, ainda que os aparelhos subvertam a vida, a palavra ainda é o receptáculo de tudo. Não fosse ela, e não estaríamos a conjeturar esse futuro!
    Beijos, amiga!

    ResponderExcluir
  29. Olá, Boa noite!
    Linda postagem, é sempre bom apreciar crônicas tão bem escritas como as suas, sempre abordando temas importantes. Grata pela visita e maravilhoso comentário.

    Abraços, tenha uma noite sossegada com um repouso tranquilo e um amanhece de paz.

    ResponderExcluir
  30. Oi Tais, primeiro minha gratidão por palavras tão amáveis nas assertivas deixadas em meu espaço. Com relação ao teu maravilhoso texto como sempre, aqui postado, eu gostaria de concordar contigo para meu alento, e conforto em deixar filhos e netos em um mundo melhor, mas sou outro visionário e diverso do que pensa a maioria. Infelizmente eu sinto a degradação da espécie com o homem já sem convicções, bandeira ou pátria e imediatista. O mundo enlouqueceu os dirigentes mundiais estão cada vez mais ananicados, tendo como o maior estadista um religioso - o papa. Para um maluco desses lançar um bomba, não custa. Se seria mesmo depois da próxima guerra, a seguinte, de tacape e borduna, não creio - se haverá mais guerra. Visão do "Planeta dos Macacos". Desculpe-me! Eu não creio na evolução cientifica eterna. Sou até meio maluco em ter crença duvidosa na existência de extraterrestre que pudesse vir não deixar tocar fogo no mundo, por que os terráqueos parecem perdidos. Grande abraço, amiga e gratidão. Laerte.

    ResponderExcluir
  31. Olá, querida Taís!
    De tudo o que li e apreciei, fica-me algo que acrescento à minha vida em particular: eu não me relaciono sem alma, sem vida (coração) ainda que virtualmente... creio que você e muitos amigos também não e é por isso que nossos laços são fortes...
    Estamos além do nosso tempo meramente virtual (como você bem relata aqui e é verdade)... que beleza este progresso da nossa parte!
    Gotei de ler e os queestionamentos são bem pertinentes à nossa realidade...
    Seja feliz e abençoada!
    Bjm de paz e bem

    ResponderExcluir
  32. Querida Taís
    O meu Pai dizia, com frequência, que gostaria de viver muitos mais anos só para ver o evoluir da ciência (ele faleceu em 1988, ainda não se tinha dado o grande boom da informática).
    Por vezes também penso nisso.
    Como que será o futuro? A Terra apresentará o aspecto que se vê nos filmes de ficção? Árido, deserto, chuva ácida constante (imagens do filme Blade Runner 2049, que vi há poucos dias)... onde não será possível viver?
    Ou poderemos ser optimistas e pensar que o Homem "vai dar a volta por cima" e mudar todas as condições actuais, tão propensas a um desastre nuclear?
    Vamos pensar que sim, e então serão perfeitamente pertinentes as perguntas feitas na sua excelente crónica.
    Os nossos sucessores (humanos???) vão ter muito que vasculhar... :)))
    Gostei mesmo muito da sua crónica.

    Continuação de boa semana.
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderExcluir
  33. Tais, como sempre um tema muito interessante! Adorei a comparação que fazes dos sinais egípcios com os emotions actuais; é esquisita para nós essa escrita, mas para eles era normalissima, assim como as emotions para mim são uma " seca " e para outros são uma preciosidade; uso o whtasApp para comunicar com a minha gente do Brasil e muitas vezes recebo como resposta uma " emotion ", principalmente dos mais mais novos e, acredita, às vezes fico a olhar para aquilo como " um boi a olhar para um palácio " . Podes não acreditar, mas já pedi a tradução uma porção de vezes e nunca uso esses sinaizinhos. Quanto ao que pensarão de nós no futuro, penso que vão pensar o mesmo que pensamos dos nossos pais, dos nossos avós e de todos os acontecimentos passados que fomos conhecendo através da história. Nós sempre ouviamos os nossos pais dizerem " no nosso tempo era assim, no nosso tempo não havia destes escândalos, etc, etc. Hoje já me vejo muitas vezes a dizer aos meus filhos a mesma coisa e assim será com os meus filhos em relação aos deles. Se hoje consideramos que vivemos numa sociedade vazia de sentimentos, de valores, de afectos, não podemos esperar que as gerações fururas sejam melhores, pois são fruto do nosso exemplo. Vão olhar para trás e talvez pensem que fomos melhores, assim como nós pensamos que nos antigos havia mais humanidade, mais convivência, mais preocupação com o vizinho do lado. Vão pensar que " não fomos maus de todo " e que, apesar das " emotions " ainda havia muita gente a escrever livros e a ter o prazer de manusear um livro de papel. Há muitas pessoa que já lêem um romance pelo tablet, mas eu adoro folhear um bom livro, um jornal ou uma revista; no futuro e não muito longínquo, ninguém fará isso e portanto, creio, que vão pensar que nós, sim, eramos uma geração de valor. Os meus netos já se riem quando me pedem ajuda com alguns dos joguinho deles e eu respondo " mas...Lucas ( ou Duda ), tu por acaso achas que a vovó sabe ? " Imagina Tais, como será quando eles forem adultos. O que eles vão estudar é o motivo para tanto atraso, pois é isso que pensamos do tempo em que eramos crianças.. Como as gerações futuras são sempre fruto das gerações presentes, tudo continuará igual; o ser humano vai ter sempre os dois lados; como dizia a morte, no livro " A menina que roubava livros ", o homem é um cer capaz de feitos maravilhosos e ao mesmo tempo capaz de actos simplesmente horrendos ". Foi assim, assim é e sempre será. Tais, obrigada pelo momento super interessante que me fizeste passar; proporcionaste-me uns minutos de verdadeiro " ócio criativo" . Que " emotion" ficaria bem aqui para traduzir este meu sentimento???
    Beijinhos, querida amiga.
    Emilia

    ResponderExcluir
  34. Uma Bela crônica que convida a reflexão. Tudo que escreves do momento atual é uma grande verdade , fruto da geração da informática. Apesar de tudo ela diminuiu o tamanho do mundo, pois hoje podemos nos comunicar de imediato com qualquer região da Terra e se desejarmos, criarmos um círculo de amizades. circulo virtual, mas que pode nos trazer grandes alegrias e ajudar a Terra a conquistar a FRATERNIDADE, que creio tão sonhada por todos.Que os habitantes do futuro nos agradeçam e nos amem.

    Um grande abraço.
    Élys.

    ResponderExcluir
  35. Olá Tais!
    Diz-me, como consegues tu dizer TANTO com tão poucas palavras?
    Esta crónica, amiga, é perfeita!
    Para ler, reler e reflectir.
    Como seremos mesmo nós lembrados? Mistério!
    Sem reposta, vou continuar pensando nesta tua crónica, oh, se vou!
    Beijo,

    ResponderExcluir
  36. Olá Taís,

    Muito bom!
    "O que será do futuro partindo do agora?!"
    Beijos minha querida e obrigada por escrever para nós!

    ResponderExcluir
  37. Gran tema Tais.

    Yo que vengo de otros tiempos, recuerdo en mi infancia cuando incluso en casas de clase media se combatía a las moscas con cintas con pegamento, colocadas desde el techo hacia abajo, para que los insectos quedaran pegados allí. Como adelanto envidiable estaba la radio. No todos tenían y eran de enorme tamaño.

    Abrazo austral.

    ResponderExcluir
  38. Hoje no Brasil comemoramos o dia de Nossa Senhora Aparecida, nossa Padroeira e o dia das crianças.
    Vim para lhe deixar um abraço, com esse pensamento.
    Nunca deixe a criança que existe dentro de você desaparecer, porque um pouco de inocência é bom .Se quer permanecer jovem, só tem um jeito, conserve viva a criança que existe dentro de você, um coração cheio de amor, se interesse pelas coisas que acontecem, perdoe, se alegre com as mínimas coisas, esqueça as ofensas, as tristezas e as quedas, sorria mais, tenha sempre um coração disposto a amar, abraçar o mundo inteiro, um coração que não se apequena e não se esfria.
    Enquanto conservar calor no coração, a alegria de viver, não envelhecerá.
    Que Nossa Senhora Aparecida lhe cubra de bênçãos e que essa criança que existe dentro de você permaneça viva e feliz. Abraços da amiga Lourdes Duarte.

    ResponderExcluir
  39. Olá Taís!
    Lendo sua bela cronica como sempre com bastante atenção, comecei a viajar no tempo da explosão da informatica. Tive que passar por uma composição de Gilberto Gil em 1969 de nome Cérebro eletrônico onde ele começava a se preocupar com esta onda. Lá ele dizia que o computador fazia tudo, mas era mudo. Ai lendo você encontro mudez da comunicação nos moldes atuais e que certamente causará estranheza para os novos habitantes desta esfera.As duas ilustrações foi de uma bela inteligencia da analogia da coisa em si. Perfeita analise critica de como os avanços interferem positivamente e de maneira destruidora.
    Aplaudo pela claridade Taís.
    Um belo fim de semana amiga.
    Beijo de paz

    ResponderExcluir
  40. Oi, amiga Escritora, Tais Luso !
    É verdade. Quantos questionamentos...
    Espero que tomem conhecimento das tantas
    coisas boas, que a ATUAL humanidade
    conquistou.
    Um ótimo final de semana, querida.
    Parabéns pelo belo texto.

    ResponderExcluir
  41. OI TAÍS!
    SEREMOS SIM ALVO DE ESTUDOS E MUITOS, PRINCIPALMENTE SEREMOS OS SERES DA ERA EM QUE O HOMEM CONSEGUIU DIMINUIR AS DISTÂNCIAS, COLOCANDO O MUNDO TODO EM CONTATO ATRAVÉS DA DITA "INTERNET" MAS, COM ISSO, AFASTOU-SE PERIGOSA E TRISTEMENTE, DELE MESMO.
    ADOREI AMIGA, JÁ TE DISSE MIL VEZES E VOU DIZER OUTRAS MAIS, VIR AQUI É "TRI LEGAL".
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  42. Cuando veo a los arqueólogos tratando de explicar cómo era la realidad del propietario de un hueso milmilenario, reconozco mi escepticismo.
    Buena reflexión, Tais. Es cierto que después de tanto esfuerzo de tanta gente por desarrollar un lenguaje lleno de matices, hoy muchos individuos lo han sintetizado en su vida con un símbolo. A dónde Lope de Vega, Homero, a dónde Pessoa, Shakespeare, Vinicius. Qué pensarán de nosotros esos descendientes tan lejanos…

    ResponderExcluir

PARA OS MEUS AMIGOS - SUA ATENÇÃO...

1 - Agradeço os comentários dos queridos leitores e amigos, sempre bem-vindos, um grande abraço a todos! Voltem sempre.

2 - Entrarei na página de comentários quando alguma resposta se fizer necessária.

Taís Luso